Meu irmão e minha irmã em Cristo,

o vídeo 4 da série HOMILEO já está no ar. Nele faço uma breve reflexão sobre as consequências da humanidade de Cristo para nossa vida prática.

Se a reflexão abençoar você, por favor, passe adiante a mensagem para pessoas que você acredita que serão beneficiadas por ela.

Para assistir, basta clicar no link: www.youtube.com/watch?v=_7DB-1sR0HE

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari

P.S.: Se você quiser acompanhar reflexões e postagens que compartilho em outras mídias, basta acompanhar:

HOMILEO – http://www.youtube.com/c/HOMILEOcomMauricioZagari

FACEBOOK – facebook.com/mauriciozagariescritor

INSTAGRAM – http://www.instagram.com/mauriciozagari

Anúncios

Detesto ir a supermercados. Por isso, quando cheguei com minha esposa e minha filha ao mercado na sexta-feira passada, sentei à uma das mesinhas de um restaurante que há na entrada e passei a mexer no celular, enquanto elas compravam alguns itens de que precisávamos. Foi quando chegou o Marcelo. Homem negro, forte, alto, carregando uma mochila e acompanhado de um cheiro indescritivelmente ruim, ele entrou pela porta e caminhou a passos lentos até mim. Ele, então, falou, com uma voz hesitante e extremamente educada:

– Por favor, senhor, me desculpe incomodar. Desculpe mesmo. Será que o senhor teria cinquenta centavos que pudesse me dar?

Pronto. Sabe aquela situação desagradável, em que você não quer estar? Na hora, em milésimos de segundo, deparei com aquele dilema: dar dinheiro a um pedinte ou não dar? Recusar-se à caridade ou dar o que ele pedia e, assim, alimentar a mendicância? Aquele dilema atravessou minha mente pelo tempo de um raio e, sabe-se lá por que, meu cérebro decidiu me fazer estender a mão à carteira. Talvez porque dizer aquela mentira, “Não tenho”,  evidentemente seria demais, estando eu em um supermercado.

Esperando estar fazendo a coisa certa, mas não sem um pouco de culpa por ajudar a alimentar a mendicância, procurei os cinquenta centavos. Para meu desgosto, logo me dei conta de que a menor nota que eu tinha era uma de dez reais. Veio logo aquele arrependimento por ter aberto a carteira. Dez reais para um pedinte me parecia excessivo. Mas, encurralado pela situação, já que o rapaz havia visto o dinheiro que eu tinha, fui obrigado a lhe estender a nota de dez.

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Foi quando, com os olhos arregalados, rosto espantado e incrédulo, ele segurou a nota de queixo caído e disse:

– Sério? Dez reais? Tudo isso?

Ele ficou alguns segundos constrangedores me olhando. O silêncio foi quebrado quando ele, sem avisar, inclinou-se em minha direção, me abraçou e deu um beijo demorado em minha bochecha direita. Dizer isso deste modo pode parecer algo bonito, mas a verdade é que foi bem desagradável. Não pela demonstração de gratidão, claro, mas pelo cheiro de muitos dias sem tomar banho que invadiu minhas narinas e por sua barba por fazer, que arranhou meu rosto de forma bem dolorosa. Foi desagradável para mim. Mas pareceu ser glorioso para ele.

Passado o meu susto, ele continuou dizendo mais algumas palavras de surpresa e agradecimento. Foi quando me dei conta de que aquele homem, repulsivo aos meus cinco sentidos, estava deslumbrado simplesmente por eu ter confiado nele e o valorizado, dando-lhe muito mais do que ele acreditava que receberia. Talvez, imagino, ele acreditasse que não valia mais do que cinquenta centavos e que pedir mais que esse montante seria valorizar-se além da conta.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Quando me dei conta de que a autoimagem daquele ser humano estava tão desvalorizada, vi naquela chance a oportunidade de presenteá-lo com humanidade, afeto e senso de valor próprio. E, pela primeira vez naquele relacionamento, eu sorri. Perguntei:

– Qual é seu nome?

– Marcelo. E o seu?

– Maurício.

– Sério? Eu nunca mais vou esquecer, pois é o nome do meu irmão.

– Marcelo, me conta a tua história – eu pedi, verdadeiramente interessado em saber o que levara aquele homem forte e com toda aparência de saúde, a trocar uma vida de trabalho honesto e recompensador pelas ruas.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Conversamos por um bom tempo. Ele me falou da mulher que o traiu e de como a traição o lançou em depressão. Relatou como seu estado emocional prejudicou sua vida profissional, e como acabou em ruína financeira. Por fim, Marcelo discorreu sobre como a soma de todos os problemas acabou por lançá-lo no alcoolismo, o que foi a gota d’água para ele acabar “em situação de rua”, como disse. Foi quando eu vi a oportunidade de usar aquele nosso encontro para um bem real na vida de Marcelo.

– E você está confortável com a sua vida agora ou tem o desejo de sair da rua?

– Eu quero sair. Estou com 48 anos e preciso acertar minha vida.

Como ele levantou a bola, eu cortei:

– Olha… você pode pegar o dinheiro que lhe dei e torrar com cachaça ou pode se alimentar, tomar banho, pagar uma passagem para ir até uma instituição que o ajude…

E comecei a orientá-lo sobre meios práticos de restabelecer a dignidade e a vida. Disse-lhe lugares que ele poderia procurar e até o nome das pessoas que teriam como ajudá-lo. Mas deixei claro que só ele mesmo poderia tomar as atitudes necessárias para retomar sua cidadania. Os dez reais nem de longe resolveriam sua vida, mas aquele pedaço de papel me deu a oportunidade de fazer Marcelo prestar atenção em mim para que eu pudesse orientá-lo e encorajá-lo.

O fim do sofrimento_Banner APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

E Marcelo de fato prestou muita atenção. Balançou bastante a cabeça, em concordância. E, por fim, sorriu. Estendeu sua mão imunda e eu a apertei. Não foi o suficiente: ele veio e me abraçou novamente, com muita força, fazendo aquele fedor invadir novamente minhas narinas. Mais do que cheiro de falta de banho, era cheiro de falta de dignidade, honra, humanidade, graça, amor. E, sem querer, por força das circunstâncias e não por qualquer magnanimidade de minha parte, acabei tendo a oportunidade de mostrar-lhe o caminho para reconquistar sua vida e sua posição.

Marcelo disse algumas palavras a meu respeito, se despediu e saiu do supermercado. O que será de sua vida eu não sei. Mas aquele nosso rápido encontro me ensinou algo importante: às vezes, Deus nos põe em situações em que, sem que tenhamos planejado, podemos abençoar alguém. Mas abençoar mesmo, e não estou falando de dinheiro. Meus dez reais foram uma benção minúscula para aquele homem, pois, por si só, não resolveriam nada de sua situação – e talvez até a piorassem, caso ele os usasse para tomar cachaça. Mas a nossa conversa, em que tive a oportunidade de lhe apontar caminhos, dizer que ele não era um fracasso, encorajá-lo, fazê-lo socialmente visível e relembrá-lo de que ele tinha a capacidade de reassumir as rédeas de sua situação… aquilo sim foi uma enorme bênção para sua vida.

Posso ter errado ao dar esmola àquele pedinte. Não sei. Até hoje, é muito mal resolvida em minha mente essa questão de dar esmola ou não dar. Mas, certamente, acertei ao dar atenção e amor ao próximo, por mais que me fosse repulsivo.

BNJC_arte para blog APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Ali aprendi duas coisas. Primeiro, que, muitas vezes, devemos olhar com discernimento para além das aparências de uma situação a fim de compreender por que Deus nos permitiu passar por ela. Não creio que, de todas as pessoas do mundo, o Senhor fez Marcelo vir pedir dinheiro justamente a mim com o objetivo de que eu lhe desse dez reais. Esse valor não era o que Deus queria que eu desse àquele homem. Penso que seu objetivo era que eu lhe mostrasse que havia pelo menos uma pessoa no mundo que acreditava que ele tinha dignidade, honra, valor e propósito. E que lhe mostrasse que aquela “situação de rua” não era o que Deus lhe tinha reservado. Mas, também, que era preciso que ele desse o primeiro passo, aproveitando as oportunidades para deixar de se conformar com cinquenta centavos aqui e ali. Ele vale mais, muito mais do que isso, embora a vida o tenha feito acreditar que esse é o seu valor. E, se eu tivesse me contentado em estender-lhe uma cédula e fechar-lhe a cara, teria perdido a oportunidade de confrontá-lo com essa realidade.

Mas houve um segundo aprendizado. Somente dois dias depois desse episódio, ao refletir sobre aquele encontro, me dei conta de que Deus me fez compreender ali uma nesga de como ele se sente quando, muitas vezes, o procuramos. Nosso pecado fede às narinas do Senhor. E, ainda assim, ele nos recebe com amor e nos presenteia com bênçãos muito mais valiosas do que aquelas que pedimos. Mendigamos os cinquenta centavos de um emprego, um carro, uma bênção material ou uma cura física, mas Deus nos surpreende com os dez reais de bons relacionamentos humanos, de seu perdão vez após vez, de paz no coração, de alegria mesmo diante da escassez, de vida eterna.

O mais extraordinário é que, além de nos dar tais bênçãos, o Senhor conversa conosco e nos orienta. Ele gasta tempo para nos ensinar o que fazer para sair da situação de miséria espiritual em que podemos cair, recobrando nossa honra, nossa dignidade, nosso valor e nosso senso de propósito. Ele nos abençoa e nos orienta quanto ao que fazer dentro do que depende de nossas ações para seguir pelo bom caminho.

APENAS_Banner três livros Zágari

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Meu irmão, minha irmã, você fede. Eu fedo. Nosso pecado nos torna imundos e céticos aos olhos e às narinas do Senhor. Ainda assim, o amor dele é tanto que ele nos abraça, aguenta os arranhões de nossa barba mal feita em seu rosto, nos abençoa e nos orienta. Ele faz isso porque sua natureza não permite que ele aja de modo diferente. Valorize isso. E, sempre que puder, ponha-se em posição para que ele o lave, o perfume, o dignifique e o ame.

Se você lhe pedir cinquenta centavos, eu creio que ele lhe dará dez reais, pois Deus é um bom Pai. Mas nunca feche os olhos ao fato de que, mais importante do que a esmola que ele lhe dará será o contato entre vocês e tudo aquilo que ele lhe mostrar a seu respeito e acerca dos propósitos dele para sua vida.

E, assim como eu disse ao imundo e fedorento Marcelo que acreditava nele e tinha plena confiança de que ele tinha valor, honra e dignidade, Deus dirá, ao lhe estender a esmola que você lhe pede, tudo o que você significa para ele. Quando o Senhor fizer isso, meu irmão, minha irmã, preste atenção. Pois essa conversa poderá fazer a diferença entre um futuro habitando na imundície ou na paz gloriosa do seu Senhor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Meu irmão e minha irmã em Cristo,

o terceiro vídeo da série HOMILEO já está no ar. Nele faço uma breve reflexão sobre o tema “Esfriamento espiritual”.

Para assistir, basta clicar no link www.youtube.com/c/HOMILEOcomMaurícioZágari

Paz a todos vocês que estão em Cristo,

Maurício Zágari

 

 

Querido irmão e irmã em Cristo, atendendo a pedidos de alguns manos, criei um canal no YouTube onde passarei a postar os vídeos da série HOMILEŌ.

Se você ainda não tomou conhecimento, aviso que, desde semana passada, estou publicando reflexões curtas, em vídeo, sobre questões da vida cristã, inicialmente no Facebook e, agora, no YouTube. Já está lá o segundo vídeo da série HOMILEŌ, em que reflito sobre “Por que você sofre”.

Caso deseje ser avisado quando novos vídeos forem postados, basta você acessar www.youtube.com/c/HOMILEŌcomMaurícioZágari e clicar em INSCREVER-SE. Em seguida, é só ativar as notificações clicando no ícone da campainha, igual a esta imagem:

Se você considerar que os vídeos do HOMILEŌ são edificantes, peço que os divulgue, para que possamos alcançar mais e mais pessoas que estejam precisando ouvir as reflexões que compartilhamos. Curta, compartilhe, envie por WhatsApp… enfim, você sabe o modo que melhor lhe convém a fim de passar adiante a mensagem do evangelho para quem precisa ouvir.

E, claro, seus comentários são sempre bem-vindos! Não se prive de dar suas opiniões, sugestões e dicas, que serão todas ouvidas com muito carinho. E peço que, se o APENAS e, agora, o HOMILEŌ, abençoam a sua vida, não deixe de orar para que os textos e os vídeos cheguem às pessoas que necessitam ler e ouvir o que compartilho ali – e que Deus aja na vida delas, promovendo transformação, consolação, exortação, encorajamento e edificação. Sua oração é muito importante. Muito obrigado.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

 

Você quer ouvir a voz de Deus? Deseja ardentemente que ele lhe fale e transmita profundas realidades espirituais, que se apliquem de forma prática à sua vida? Será que você tem feito de tudo para que Deus revele sua vontade, explicando aquilo que você não está entendendo, mas… não tem ouvido nada? O silêncio é total? Você vai às Escrituras e parece que nada se aplica à sua vida? Se é o caso, permita-me dizer-lhe o que você precisa fazer para ouvir a voz do Senhor.

Jesus morreu na cruz. Três dias depois, dois discípulos dele, desanimados, tristes e desencorajados, seguem de Jerusalém para o povoado de Emaús, a alguns quilômetros de distância. Eles conhecem as Escrituras, mas não enxergam aplicação prática daquele conteúdo ao que estavam vivendo. É quando acontece um fato aparentemente corriqueiro. “No caminho, falavam a respeito de tudo que havia acontecido. Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a andar com eles” (Lc 24.14-15). Aqueles três homens começam, então,  a entabular uma conversa sobre os fatos recentes de seu dia a dia e acabam discutindo sobre teologia e coisas da vida cristã: “Então Jesus lhes disse: “Como vocês são tolos! Como custam a entender o que os profetas registraram nas Escrituras! Não percebem que era necessário que o Cristo sofresse essas coisas antes de entrar em sua glória?”. Então Jesus os conduziu por todos os escritos de Moisés e dos profetas, explicando o que as Escrituras diziam a respeito dele” (v. 25-27).

Algumas coisas chamam minha atenção nessa extraordinária passagem da Bíblia. Primeiro, é quando aqueles homens conversam de forma trivial sobre as coisas da vida que acabam aprendendo profundas realidades espirituais e teológicas. Segundo, isso ocorre num momento qualquer, nada especial, enquanto caminham por uma estrada, e não quando eles estão desesperados, se virando do avesso para que Deus lhes dê respostas. Terceiro, Jesus só fala com aqueles homens porque os três começam a caminhar juntos, conversando e discutindo. O resultado? “Não ardia o nosso coração quando ele falava conosco no caminho e nos explicava as Escrituras?” (v. 32).

Essa passagem magnífica das Escrituras nos ensina que as profundidades da nossa fé podem ser aprendidas em momentos corriqueiros da vida. Tudo o que é preciso fazer é deixar Jesus “falar conosco no caminho”, isto é, em qualquer lugar por onde caminhemos. Perceba que aqueles dois homens aprenderam realidades espirituais espetaculares e transformadoras, que fizeram arder seu coração, simplesmente por caminhar junto com Jesus num momento da vida absolutamente normal e trivial. Simples. Cotidiano. Trivial. Mas transformador.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Muitas vezes, tentamos “subornar” Deus para que ele fale conosco. Realizamos ações para tentar comprar o favor do Senhor por meio de nosso mérito pessoal e, com isso, ouvir sua voz. É quando muita gente se lança em “campanhas de setenta semanas”, jejuns intermináveis, “sacrifícios”, ofertas em dinheiro à igreja, subidas ao monte, busca de “profetas” e coisas semelhantes. Achamos que a voz de Deus só se fará ouvir se ganharmos o direito de ouvi-la por meio de esforço próprio. Mas Deus não se vende, meu irmão, minha irmã.

Você já ouviu alguém dizer que “vai ao culto para ouvir a voz de Deus”? Ou já ouviu algum pastor dizer que você vai à igreja “para receber a sua bênção”? Bobagem. Nós vamos ao culto exclusivamente para adorar a Deus em comunidade e não como meio de comprar o direito de ouvir sua voz. A vida com Cristo é um culto constante e ele pode falar ao seu coração em qualquer momento trivial da vida. Afinal, Deus se relaciona conosco não por nosso mérito, mas por sua graça.

Entenda: Cristo quer que você ouça a sua voz. Aqueles dois homens nem sabiam que era Jesus quem estava falando, mas ainda assim ouviam a voz dele. Você não precisa comprar o direito de ouvi-lo, pois ele é gracioso e amoroso. Tudo o que necessita fazer é “começar a andar com ele”. E a sua estrada, meu irmão, minha irmã, não se restringe a duas horas semanais de culto. Seu caminho é este exato momento. Esteja você onde estiver, este é o seu caminho. Talvez você esteja lendo este texto no ônibus, no sofá de casa, no trabalho, no trem ou no metrô. Talvez no banheiro! Sem problema. Saiba que é exatamente aí, onde você se encontra, que Jesus deseja “se aproximar e começar a andar com você”. E, ao fazê-lo, você, natural e consequentemente, ouvirá a sua voz.

Para isso, basta que recorra às Escrituras, onde a voz de Deus se faz presente. E, por caminhar com ele, o Senhor vai “explicar o que as Escrituras diziam a respeito dele”, iluminando o seu entendimento acerca das realidades bíblicas em momentos em que você menos espera. O trono de Cristo se faz presente na sua vida a cada segundo, e sua divina voz habita o seu coração, desde que você esteja andando com ele e atento ao texto das Escrituras.

Homileo_arteCom esse entendimento, permita-me fazer-lhe um convite. A partir de hoje, começo a compartilhar em minha página do Facebook vídeos curtos com reflexões sobre a vida cristã, a fim de fazer em audiovisual o que normalmente faço aqui nos textos do APENAS (o primeiro vídeo está AQUI). E gostaria de convidar você a passar a assistir aos vídeos curtos da série que intitulei HOMILEŌ. Você poderia perguntar: o que significa essa palavra estranha? Eu explico.

A palavra em grego “homileō” foi utilizada duas vezes nos textos originais dessa passagem de Jesus com os dois discípulos e foi traduzida como “falavam” e “conversavam”: “No caminho, falavam a respeito de tudo que havia acontecido. Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a andar com eles”. No original em grego, o termo significa “estar em companhia de alguém”; “comungar” e, por implicação, “conversar”.

Escolhi esse nome para a série de vídeos que começo esta semana a postar porque “homileō” retrata exatamente o que desejo fazer por meio das reflexões. A ideia é caminharmos juntos (eu, você e o Senhor), sem formalidades, para prosear e refletir sobre questões da nossa jornada com Cristo. E peço a Deus que, durante os poucos minutos em que você assistir a esses curtos vídeos, o Senhor ilumine seu coração para que consiga entender realidades da Escritura que venham a edificá-lo. Em outras palavras, que sejam momentos em que você ouça a voz de Deus. Minha ideia é fazer nesses vídeos exatamente o que faço aqui pelo APENAS: não falar sobre teologia acadêmica, mas prosear sobre os mais variados aspectos da vida cristã. 

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Postarei os vídeos em minha página do Facebook: facebook.com/mauriciozagariescritor. Se você me permitir, sempre que postar um vídeo da série HOMILEŌ, divulgarei por meio de um post aqui no blog. Se você é assinante do APENAS, receberá por e-mail o link e bastará clicar nele para assistir. Se achar as reflexões edificantes e assim desejar, peço que ajude a divulgar e encaminhe os vídeos para pessoas que precisem ouvir aquela reflexão específica. Curta as postagens e compartilhe, para que elas alcancem o maior número possível de pessoas. Meu objetivo é tão somente edificar vidas, não há nenhum dinheiro envolvido nem vou lucrar um centavo sequer com os vídeos, assim como não ganho dinheiro com este blog. Gerarei a semente, de acordo com o que Deus me levar a refletir, e, se você sentir o desejo, peço que ajude a semeá-la.

Muito obrigado por caminhar comigo na jornada com Cristo. Peço a Deus que ele fale muito ao seu coração, iluminando as verdades bíblicas, por meio do que escrevo no APENAS e, agora, pelo que gravo no HOMILEŌ. Se desejar assistir ao primeiro vídeo, basta clicar AQUI (caso o link não abra, você pode ir para https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2190313531188513&id=1558886794331193). Depois que assistir, eu gostaria de ouvir a sua opinião, pois ninguém melhor do que você para me aconselhar o que posso fazer para melhorar e, assim, edifificá-lo melhor. E que a voz de Cristo ilumine as verdades reveladas na Escritura em cada passo do seu caminho.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Acordei de manhã, cheguei na janela e vi esta triste cena: um belo passarinho morto em minha varanda. Seu aspecto era pacífico, deitadinho de costas, as asas cruzadas sobre o peito, como se tivesse repousado no chão, achado uma posição confortável, suspirado e deixado a vida escapulir devagarinho. Assim que o vi, fiquei longamente em silêncio e, imediatamente, veio um texto da Bíblia em minha mente: “Por isso eu lhes digo que não se preocupem com a vida diária, se terão o suficiente para comer, beber ou vestir. A vida não é mais que comida, e o corpo não é mais que roupa? Observem os pássaros. Eles não plantam nem colhem, nem guardam alimento em celeiros, pois seu Pai celestial os alimenta. Acaso vocês não são muito mais valiosos que os pássaros?” (Mt 6.25-26). Parecia uma contradição. Se Deus cuida dos pássaros, por que aquele pobrezinho estava morto em minha varanda? Esta pergunta passa constantemente pela mente de quem perdeu um ente querido: se Deus existe e é bom, por que quem eu amo morreu?

Essa semana tomei conhecimento de que uma irmã com quem caminho junto no Facebook perdeu dois filhos de forma muito triste: a vida deles foi tomada por assassinos enquanto dormiam. Como tomar conhecimento de algo assim e permanecer sereno, crendo que, sendo mais valiosos que os pássaros, Deus cuidará de nós? Será que cuidará mesmo? Como descansar diante do fato de que os pássaros do céu e gente amada de Deus morre? Estará a Bíblia mentindo? Como ficam as promessas de Deus diante dos duros fatos da vida?

Muitas pessoas se revoltam com Deus porque pensam que o cuidado divino tão mencionado na Bíblia seria uma promessa de imortalidade em vida. Leem o salmo 23 e entendem que Deus os blinda das maldades do mundo; em especial, da morte. A ideia é: se Deus cuida de nós e nos ama, não permitirá que morramos, em especial, “fora de hora”. Entender isso é muito importante, pois, se não compreendemos as realidades que envolvem esse fenômeno, seremos assolados por revolta, dúvida e depressão a cada pessoa amada que partir.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Diante desse quadro, não podemos nos esquecer de três verdades bíblicas:

1. A morte é a grande certeza da vida. Embora a morte de seus santos seja custosa ao Senhor, um dia morreremos. Fato. Não é uma questão de “se”, mas de “quando”: “o Senhor Deus lhe ordenou: ‘Coma à vontade dos frutos de todas as árvores do jardim, exceto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Se você comer desse fruto, com certeza morrerá’.” (Gn 2.16-17).

2. Nossa vida não escapa das mãos de Deus. Ele a tem muito bem conduzida debaixo de sua soberania e o momento da nossa morte não pega Deus de surpresa: “cada dia de minha vida estava registrado em teu livro, cada momento foi estabelecido quando ainda nenhum deles existia” (Sl 139.16).

3. O fato de morrermos não quer dizer que Deus não cuida de nós, nos abandonou ou não nos ama. Para quem está em Cristo, a eternidade ao lado do Senhor é uma certeza. “Ouvi uma forte voz que vinha do trono e dizia: ‘Vejam, o tabernáculo de Deus está no meio de seu povo! Deus habitará com eles, e eles serão seu povo. O próprio Deus estará com eles. Ele lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor. Todas essas coisas passaram para sempre’.” (Ap 21.3-5).

Lembre-se de algo: aquilo que conhecemos por “vida” é apenas a porta de entrada da existência eterna. Se vivemos 20, 40, 60 ou 80 anos nesta terra, viveremos bilhões de anos, vezes bilhões de anos, na eternidade. Esta vida pesa muito para nós porque é o que conhecemos. E é normal, o próprio Cristo entrou em agonia no Getsêmani ao antever seu sofrimento e morte. O temor ante à morte faz parte, pois Deus nos deu o instinto de sobrevivência, que luta contra a ideia da mortalidade. Mas, se conseguimos olhar pelos olhos de Deus e contemplar o peso da eternidade, da vida que começa depois da vida, teremos mais paz ante à partida de pessoas queridas.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

E mais: se nós e nossos entes queridos vivemos em Cristo, morreremos em Cristo e com Cristo estaremos por toda a eternidade. Isso nos dá uma certeza extraordinária: a expectativa do reencontro. Para essa certeza, a morte não é um “adeus para sempre”, mas um “vou ali e já volto”. Devemos pensar sobre isso.

Meu coração apertou quando vi o passarinho em minha varanda. Fiquei pensando que nunca mais eu o ouviria piar, que no dia seguinte não seria alegrado pela beleza de seu voo, que as alegrias do convívio com aquele animalzinho cessavam ali. Isso entristece, claro, pois sempre queremos mais momentos com quem tem o dom da vida. Mas em nenhum momento questionei o amor de Deus. Sofri porque eu queria mais da vida daquele passarinho. Porém, pensativo, entendi que a boa, agradável e perfeita vontade do Senhor era que não mais tivesse isso. O Senhor deu, o Senhor tomou. Bendito seja o nome do Senhor.

Meu irmão, minha irmã, se você questiona o amor e o cuidado de Deus porque ele decidiu levar desta vida alguém que você ama, receba meu abraço apertado e sentido, mas lembre-se das verdades listadas neste texto. É natural que você chore de saudade, isso não é pecado nem demonstra falta de fé. Sim, saudade não é pecado. Chore mesmo, vai te fazer bem. Mas não questione o amor do Senhor ou o seu cuidado em razão da sua perda. Deus é bom. Ele segue sendo Deus. Ele segue no controle. Ele segue sendo amor.

Que Deus console o coração de todos que estão enlutados. Que, em seu infinito e perfeito amor, ele amaine a dor da saudade e dê paciência para aguardar pelo reencontro. E que, acima de tudo, o Senhor lembre a todos os que vivem o luto que ele mesmo deu o próprio Filho para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Você crê? Então lembre-se de que a vida eterna é a maior prova de todas do cuidado e do amor de Deus por você.

(A reflexão de hoje é dedicada a Irani e Laercio. Seus passarinhos voaram para longe, e eu sei que a saudade dói. Mas tenham a certeza de que voltarão a ouvi-los cantar…).

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >