Ao longo de 2 mil anos de história, a Igreja cristã tem vivido um fenômeno que se assemelha ao movimento de um pêndulo: sempre que há uma ênfase em algo, no momento seguinte existe uma reação forte no sentido oposto. Assim, se o pêndulo foi para a esquerda, na fase seguinte as pessoas o lançarão com força para a direita. E assim por diante.

À idade das trevas se seguiu o escolasticismo. Aos abusos papais se seguiu a Reforma. À Reforma se seguiu à contrarreforma. Ao liberalismo teológico se seguiu a neo-ortodoxia. Etc. E, hoje, temos vivido um problema similar.

Em meio a esta época de extrema polarização em que vivemos, gigantesca parcela da Igreja está irada. Só sabe brigar. Acha que ser cristão é ficar metendo o malho nos outros. Aí surgiu uma geração de jovens pregadores teologicamente despreparados que falam enormes bobagens teológicas e também falam de amor. O resultado? A igreja irada reage aos erros teológicos dessa geração, lança o pêndulo com força para o outro lado e cai surrando em quem prega sobre amor. Enfatiza a ira e a justiça de Deus e passa a qualificar a pregação sobre amor como coisa de “pastor coach”. E aí está o perigo.

Dizer que o ser humano é o centro do coração de Deus e que tem o mesmo valor que Jesus é um erro assustador. Mas qualificar a pregação sobre amor como coisa de “pastor coach” é igualmente assombroso e perigoso. Como ignorar sobre o grande mandamento verdades como: “Um dia, profecia, línguas e conhecimento desaparecerão e cessarão, mas o amor durará para sempre” (1Co 13.8); “Três coisas, na verdade, permanecerão: a fé, a esperança e o amor, e a maior delas é o amor” (v. 13); “Acima de tudo, revistam-se do amor que une todos nós em perfeita harmonia” (Cl 3.14); “O alvo de minha instrução é o amor que vem de um coração puro, de uma consciência limpa e de uma fé sincera” (1Tm 1.5); “Acima de tudo, amem uns aos outros sinceramente, pois o amor cobre muitos pecados” (1Pe 4.8)?

Não se corrige um erro com outro. Deus é amor e a pregação do autêntico amor de Deus tem de ser onipresente. Cuidado com o pêndulo. E cuidado para que seu zelo não crie um falso evangelho – o “evangelho” de um Deus que só quer saber de brigar e que se esqueceu do que é amar.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari
Facebook: facebook.com/mauriciozagariescritor
Instagram: instagram.com/mauriciozagari

comentários
  1. Renata Oliveira disse:

    Bom dia! Muito edificante… Gratidão.

    Que Deus acrescente graça sobre graça a este ministério.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s