Arquivo da categoria ‘Espiritualidade’

Querido amigo e amiga do Rio de Janeiro, Baixada, Niterói e região,

peço a sua licença para utilizar este canal a fim de convidar você para estarmos juntos amanhã, sábado, dia 07 de abril, às 10h, em um café da manhã oferecido pela Editora Mundo Cristão na CPAD Megastore (Rua Primeiro de Março, 8, Centro, ao lado da Praça XV).

Na ocasião, haverá o lançamento oficial no Rio de Janeiro da Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo, cujos estudos escrevi junto com o editor da Nova Versão Transformadora (NVT) da Bíblia, Daniel Faria.

No encontro, farei uma breve explanação sobre a proposta da Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo e sobre traduções da Bíblia em português, e, em seguida, teremos um bate papo bem informal, no qual você poderá fazer perguntas e tirar dúvidas. E tudo isso saboreando um gostoso café da manhã.

Se puder e quiser ir, será uma grande alegria vê-lo lá!

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari

 

Anúncios

Abrir mão é um dos maiores desafios que a nossa fé nos propõe. Não se engane: se você quer ser um bom cristão terá de abdicar de muitas e muitas coisas. Frequentemente, coisas que lhe trariam muitos benefícios. É interessante pensar que, ao fazer isso, você se aproxima de Cristo e reproduz o padrão divino; afinal, quando o Criador se fez humano para viver entre uma humanidade que não merecia nada, ele estava, exatamente, abrindo mão de sua glória celestial para se tornar como um de nós – por amor a nós. Assim, quando você renuncia algo simplesmente porque é o certo e por amor ao Senhor, possivelmente vai sofrer enormes perdas e, com elas, virá certa dose de sofrimento. Mas eu gostaria de encorajá-lo a perder. Acredite: vai valer a pena, pois o que você ganhará com sua abnegação será algo de valor incalculável: a aprovação de Deus.

Em nossa sociedade, pôr o outro em primeiro lugar é visto como fraqueza, talvez tolice, para não dizer burrice. No evangelho não: “Então Jesus disse a seus discípulos: ‘Se alguém quer ser meu seguidor, negue a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Se tentar se apegar à sua vida, a perderá. Mas, se abrir mão de sua vida por minha causa, a encontrará’” (Mt 16.24-25). Portanto, abrir mão aos olhos de Deus é sinal de grandeza. É virtuoso. É nobre. Se for pelo bem do próximo, você trilhou o caminho mais excelente. Se for por amor a Cristo, você alcançou o coração de Deus.

Pode ser que você tenha aberto mão de um relacionamento afetivo por amor a Cristo. Ou de um emprego. Talvez um cargo de status. Ou de uma posição que lhe traria vantagens. Quem sabe, de uma oportunidade que lhe renderia ganhos, mas envolveria propinas ou fraudes. Também pode ter sido o caso de você ter se afastado de amigos que o arrastavam para práticas erradas, por mais que gostasse deles. Ou ainda, pode ser que  você tenha aberto mão de seu orgulho para perdoar alguém que não merecia seu perdão. Se você abriu mão de algo muito importante – muitas vezes à custa de sofrimento – por amor a Cristo, não pense que ele não valoriza o que você fez. Ele está ciente.

BNJC_arte para blog APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon (FRETE GRÁTIS)

Tudo de que você tem de abrir mão por amor a Jesus se converte em aprovação divina e, logo, em bênção para sua vida. “E todos que tiverem deixado casa, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou propriedades por minha causa receberão em troca cem vezes mais e herdarão a vida eterna” (Mt 19.29). O Senhor está falando aqui exatamente sobre abrir mão das coisas mais preciosas que podemos ter nesta vida por amor a ele.

Um homem rico procurou Jesus perguntando o que deveria fazer para herdar a vida eterna. Além de instá-lo a obedecer aos mandamentos, Cristo lhe disse: “Se você quer ser perfeito, vá, venda todos os seus bens e dê o dinheiro aos pobres. Então você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me” (Mt 19.21). Em outras palavras: “Se você quer ser perfeito, abra mão daquilo que considera mais precioso por amor a mim”. Mas aquele rapaz não estava disposto a abrir mão pelo Senhor. Resultado: saiu cabisbaixo, triste e sem a aprovação divina.

Em muitos momentos de sua caminhada você se verá frente a frente com situações em que terá de abrir mão de algo muito valioso para ser fiel ao seu Salvador. Enxugue as lágrimas, sacuda a poeira e vá em frente de cabeça erguida. Sem arrependimento. Sem olhar para trás. Sem pensar “como teria sido se…?”. Esqueça. Foi por amor a Deus? Então foi pela razão certa. No dia em que você entrar na glória do Pai, o abraço e o sorriso que receberá dele compensarão tudo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

Eu tenho um ponto fraco: café. Confesso que sou um profundo apreciador dessa bebida e tomo muitas xícaras por dia. Tenho uma cafeteira tradicional e uma máquina de nespresso na cozinha, além de uma segunda máquina de nespresso em meu escritório. Costumo pôr as cápsulas em uma caixa de acrílico, que veio como brinde do fabricante. Qual não foi minha surpresa quando, há poucos dias, decidi tomar café e descobri que não havia mais nenhuma cápsula do meu sabor preferido. Pode parecer bobagem para você, mas, diante da expectativa que eu estava para saborear o negro elixir divino, para mim foi um golpe baixo. Fiquei triste. Engoli a frustração, voltei a trabalhar e continuei a labuta. Mas sabe quando bate aquele inconformismo? Voltei a fuxicar no meio das cápsulas e, para o meu delírio, eis que descubro, soterrada, uma última cápsula do meu amado sabor preferido. É difícil explicar a alegria que foi. Fiz aquele café com um cuidado ímpar, apreciando o aroma como nunca, e o saboreei com gosto especial. O sabor era exatamente o mesmo de todos os outros cafés daquele, mas aquela xícara específica tinha um gostinho de vitória, quase de júbilo, por eu estar tomando algo que julgava perdido.

Jesus contou uma história que guarda certas similaridades com esse episódio: “Ou suponhamos que uma mulher tenha dez moedas de prata e perca uma. Acaso não acenderá uma lâmpada, varrerá a casa inteira e procurará com cuidado até encontrá-la? E, quando a encontrar, reunirá as amigas e vizinhas e dirá: ‘Alegrem-se comigo, pois encontrei a minha moeda perdida!’. Da mesma forma, há alegria na presença dos anjos de Deus quando um único pecador se arrepende” (Lc 15.8-10, NVT). Fiquei pensando na alegria descrita pelo texto bíblico, em comparação com a que senti ao encontrar minha cápsula de café perdida.

Deus utiliza um interessante instrumento para encontrar suas “moedas perdidas” e fazer o pecador perdido enxergar a luz da verdade e se arrepender de suas trevas: você. Se a salvação vem por ouvir a Palavra de Deus, as pessoas só a ouvirão se houver quem a proclame. E adivinha só de que boca Deus deseja que a proclamação saia? Não olhe para o lado. Faça uma selfie e veja a pessoa que apareceu na foto: é esse cara mesmo que Deus quer usar como canal de proclamação do evangelho da graça. Porque você é a pessoa que a quem Jesus estendeu a Grande Comissão.

Mas atenção a um detalhe: só você não basta. É preciso que você esteja cheio de amor.

Uma das coisas mais tristes que vejo são cristãos que partem em busca de pessoas que estão distantes de Cristo como se fosse uma obrigação. Trazer a ovelha ao aprisco jamais deve ser uma ação motivada por qualquer coisa que não seja amor. Guardadas as devidas e enormes proporções, eu não busquei a cápsula de café porque me obrigaram ou porque havia uma “obrigação” envolvida nisso, mas porque me sentia extremamente motivado. O “ide” da Igreja, a Grande Comissão, nunca deve ser visto como uma ordenança pura e simples: é um chamado ao amor pelo próximo.

Se não compreendermos que esta ordem divina, “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinem esses novos discípulos a obedecerem a todas as ordens que eu lhes dei. […]” (Mt 28.19-20, NVT), é consequência direta desta outra ordem divina: “Por isso, agora eu lhes dou um novo mandamento: Amem uns aos outros. Assim como eu os amei, vocês devem amar uns aos outros. Seu amor uns pelos outros provará ao mundo que são meus discípulos” (Jo 13.34-35, NVT), não conseguiremos jamais levar a mensagem da cruz às pessoas do modo que Deus idealizou. Pois não consigo enxergar o Pai que “amou tanto o mundo que deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16, NVT) resgatando vidas por qualquer outra razão que não seja amor. Ele ama os que se encontram perdidos em meio às densas trevas do pecado e, por essa razão, devemos amá-los também. Só então, quando o amor for um fato transbordante, devemos partir em busca deles.

BNJC_arte para blog APENAS

O amor precede o evangelismo. O amor precede a busca dos que se afastaram. O amor precede o resgate. O amor deve ser a única motivação para a apologética. O amor é o ponto de partida para a obra de Deus. Sem amor, tudo o que se faz para o Senhor é o mais puro e insosso ativismo religioso. Porque evangelizar não é “ganhar almas para Jesus”, evangelizar é compartilhar um amor que transcende tanto tudo o que podemos entender que ninguém pode ficar indiferente a ele. Ninguém “ganha almas para Jesus”, o que fazemos é servir de meio para que o amor de Jesus atraia almas perdidas em trevas para junto de si, a maravilhosa Luz do mundo.

No que se refere a evangelizar, o nosso papel, meu irmão, minha irmã, é proclamar a Palavra do Deus que é amor, que produz a graça, que produz o arrependimento e a salvação. Ame. Ame sempre. Ame como o Senhor amou o mundo. Ame com todas as suas forças. Somente isso, e nada mais, poderá torná-lo um evangelista segundo o coração de Deus.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

 

Meu irmão e minha irmã em Cristo, olá! Peço a sua licença para usar este espaço, hoje, não para compartilhar uma reflexão sobre a vida cristã, mas para lhe fazer dois convites, se me permite.

Convite 1

Amanhã, quinta-feira, dia 22/03, às 20h, farei uma live (transmissão de vídeo ao vivo) pela minha página pública do Facebook, a fim de trocar uma ideia sobre o projeto da Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo (para a qual eu e o editor Daniel Faria escrevemos estudos e reflexões), além de assuntos variados relacionados à Palavra de Deus: traduções da Bíblia, a Nova Versão Transformadora e qualquer outra dúvida ou curiosidade que você tenha sobre assuntos correlatos.

Uma boa notícia: vou sortear entre quem participar da live um exemplar da Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo (http://amzn.to/2DJV2PD), recém-lançada pela editora Mundo Cristão, que nos presenteou com esse exemplar especialmente para a live.

Caso você deseje, pode antecipar a sua pergunta entrando na minha página (facebook.com/mauriciozagariescritor) e escrevendo qualquer coisa que desejar saber nos comentários da postagem de 19/03 que tem essa foto aí do lado (da minha filhinha com exemplares da Bíblia). Será uma alegria trocar uma ideia com você sobre a Palavra de Deus e esse projeto tão especial que é a Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo !

Convite 2

Se você é do Rio de Janeiro ou de cidades vizinhas, gostaria de convidá-lo para o lançamento oficial da Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo, que vai acontecer em um café da manhã, no dia 07/04, às 10h, na livraria CPAD Megastore (R. Primeiro de Março, 8 – Centro, ao lado da Praça XV).

Na ocasião, vou fazer uma breve apresentação da obra, tirar dúvidas sobre a mesma e confraternizar com os irmãos e as irmãs que desejarem comparecer. Ficarei feliz de tomar um cafezinho com você lá, se quiser e puder aparecer para um momento de comunhão. Se for o caso, já ponha na agenda, para não se esquecer da data. 🙂

* * *

Peço a Deus que a live no Facebook e o café da manhã na CPAD Megastore sejam momentos agradáveis e edificantes para você, nos quais possamos conversar, tirar dúvidas sobre a Palavra de Deus e a NVT, esclarecer curiosidades sobre a Bíblia Sagrada Na Jornada com Cristo e passar alguns momentos juntos. Raramente temos oportunidade de conhecer os manos e as manas com quem caminhamos junto aqui pelo blog APENAS e por isso considero preciosas oportunidades como essa. Até lá, se Deus quiser!

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

 

 

O que é ser cristão? Essa pergunta pode parecer meio sem sentido, afinal, é óbvio o que implica ser cristão, certo? Bem, na verdade… não. Pois muitos cristãos parecem ter conceitos meio distorcidos sobre o real significado de uma vida com Jesus, o que influencia diretamente sua jornada com Cristo. Dependendo de como respondemos a essa pergunta, poderemos ser cristãos como Deus quer que sejamos ou uma caricatura bizarra do que um cristão deve ser, uma sombra do verdadeiro cristianismo. Este é um assunto que renderia um livro, mas eu gostaria de sintetizar rapidamente o tema, citando apenas quatro das muitas características de um verdadeiro cristão. Em seguida, vou explicar a razão desta reflexão.

Primeiro: um cristão verdadeiro, nascido de novo, que foi justificado e passou da morte para a vida, necessariamente ama o próximo. Isso é inegociável. Quando confrontado por um mestre da lei para que dissesse qual é o mandamento mais importante, Jesus não hesitou: “O mandamento mais importante é este: ‘Ouça, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de toda a sua mente e de todas as suas forças’. O segundo é igualmente importante: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Nenhum outro mandamento é maior que esses” (Mc 12.29-31, NVT). Um detalhe: Jesus explicou, na parábola do bom samaritano, que esse “próximo” não se refere somente ao gente fina, ao amigo do peito, ao cara amável de quem todo mundo gosta, ao irmão na fé; nada disso, é, também, o diferente, o desagradável, o caído, o fedorento, o coberto de chagas, o asqueroso, aquele que nos causa repulsa, o abominável, o odioso. Guarde isso.

A segunda característica: ser um cristão é desejar que o próximo seja salvo do inferno e do sofrimento eterno. Pois o cristão verdadeiro é inundado a tal ponto do amor de Deus que lhe seria impossível desejar que alguém tenha de passar pelos horrores da eternidade sem Deus. A Bíblia afirma que muitos irão para o inferno, talvez a maioria das pessoas, mas saber disso é totalmente diferente de desejar que alguém vá para lá.

Antes que alguém comece a polemizar, deixe-me dizer que, a esse respeito, não faz a mínima diferença se você é calvinista ou arminiano, se crê na eleição incondicional ou condicional. Afinal, só Deus sabe com total certeza quem será salvo e quem não será; isso não compete a nós. E, como jamais saberemos quem verdadeiramente é salvo até chegarmos à glória celestial, nosso papel nesta vida é desejar que todos se salvem, mesmo sabendo que muitos não se salvarão. É por isso que evangelizamos, é por isso que obedecemos à grande comissão, é por isso que pregamos o evangelho a toda criatura: na esperança de que cada um a quem proclamamos a boa-nova seja alcançado pela graça de Deus e resgatado de uma eternidade de tormentosa distância de Deus. Portanto, nenhum cristão tem o direito de desejar que alguém vá para o inferno. Guarde isso.

BNJC_arte para blog APENAS

Terceiro, o cristão verdadeiro repudia os próprios desejos e impulsos quando eles estão em desacordo com a vontade de Deus. Jesus disse: “Se alguém quer ser meu seguidor, negue a si mesmo, tome diariamente sua cruz e siga-me” (Lc 9.23, NVT). Negar a si mesmo significa não fazer o que dá vontade de fazer para fazer o que Jesus quer que você faça. Assim, por exemplo, mesmo que eu me sinta profundamente ofendido por algo que alguém fez, em vez de nutrir ódio em meu coração por ele, ponho em prática o que diz a Palavra: “Abençoem aqueles que os perseguem. Não os amaldiçoem, mas orem para que Deus os abençoe. […] Nunca paguem o mal com o mal. Pensem sempre em fazer o que é melhor aos olhos de todos. No que depender de vocês, vivam em paz com todos. Amados, nunca se vinguem; deixem que a ira de Deus se encarregue disso, pois assim dizem as Escrituras: ‘A vingança cabe a mim, eu lhes darei o troco, diz o Senhor’. Pelo contrário: ‘Se seu inimigo estiver com fome, dê-lhe de comer; se estiver com sede, dê-lhe de beber. Ao fazer isso, amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele’. Não deixem que o mal os vença, mas vençam o mal praticando o bem” (Rm 12.14,17-21, NVT). Guarde isso.

A quarta característica do cristão verdadeiro que eu gostaria de mencionar aqui é: ele pratica a apologética como a Bíblia determina que se pratique a apologética. E como é isso? Paulo responde: “O servo do Senhor não deve viver brigando, mas ser amável com todos, apto a ensinar e paciente. Instrua com mansidão aqueles que se opõem, na esperança de que Deus os leve ao arrependimento e, assim, conheçam a verdade. Então voltarão ao perfeito juízo e escaparão da armadilha do diabo, que os prendeu para fazerem o que ele quer” (2Tm 2.24-26, NVT). Em síntese: um verdadeiro servo do Senhor não é briguento e deve lidar com quem se opõe não com ódio, palavras ofensivas e agressividade, mas com amabilidade, paciência e mansidão, instruindo quem se opõe e não brigando ou atacando! O objetivo ao fazer isso? A esperança de que Deus leve o opositor ao arrependimento. A esperança da salvação. Quem diz isso não sou eu, é Paulo. Guarde isso.

BNJC_arte para blog APENAS

Muito bem, por que estou falando sobre esse assunto? Eu explico: há poucos dias, vi um jovem irmão em Cristo postar nas redes sociais um vídeo de um cidadão de uma igreja herética bem conhecida pregando a abominável teologia da prosperidade, dizendo aos fieis para “fazerem o sacrifício” de entregar carro, dinheiro e bens à igreja. Todos já vimos esse filme, é algo de revirar o estômago. É ofensivo ao evangelho verdadeiro. Até aí, todos compartilhamos da indignação com relação a esse tipo de engodo, que usa o nome de Deus para tirar dinheiro das pessoas. Mas o que me assombrou foi ver esse irmão, estudante de um excelente seminário teológico, que tem excelentes professores, postar o seguinte texto junto com o vídeo, em relação ao tal falso pastor: “Que Deus o leve logo para o inferno. Amém”. Sim, você não leu errado: “Que Deus o leve logo para o inferno. Amém”.

Confesso que ler essa afirmação abominável me revirou o estômago tanto quanto assistir ao vídeo abominável do “pastor” aproveitador. Por quê? Porque essa não é a postura que devemos ter como cristãos. Desejar que uma pessoa vá para o inferno não é, nem de longe, amar o próximo. Desejar que uma pessoa vá para o inferno não tem nada a ver com a postura de um cristão diante de alguém que ainda não foi alcançado pela graça. Desejar que uma pessoa vá para o inferno não é negar a si mesmo, é dar vazão a impulsos e desejos carnais em vez de olhar para os perdidos com o olhar que Deus teve ao enviar Jesus para morrer na cruz. Desejar que uma pessoa vá para o inferno é o oposto da apologética bíblica, pois é exatamente o que o diabo quis fazer com Adão e Eva.

Em suma, desejar que uma pessoa vá para o inferno é  tudo o que um cristão verdadeiro não deve desejar.

BNJC_arte para blog APENAS

Muitas vezes depararemos com pessoas ofendendo de tal modo o evangelho que nosso impulso será desejar que o juízo venha sobre elas. Porém, esse não é nosso papel: só Deus tem o direito de exercer seu justo juízo sobre os blasfemadores e os inimigos da fé. Lembremo-nos de que Paulo de Tarso não era uma pessoa melhor do que o tal “pastor” do vídeo até o dia em que foi confrontado por Cristo e alcançado pela graça. Todo pecador e blasfemador é um Paulo em potencial e não cabe a nós mandá-lo para o inferno. Nosso papel é orar por ele, pedindo a Deus que lhe estenda sua graça, o chame ao arrependimento, o justifique, faça dele nova criatura e o salve do inferno. O cristão verdadeiro precisa olhar para quem joga pedras na cruz com o desejo de que um dia ele venha a dizer: “Verdadeiramente, este era o Filho de Deus”.

Prefiro crer que um comentário desses vindo de seminaristas e irmãos em Cristo seja uma falha provocada por um processo de santificação e amadurecimento espiritual em estágios iniciais. Porque, se isso for um comentário que reflita uma postura solidificada de um cristão, que triste é ver cristãos que pensam isso. É um assombro. É o cúmulo da falta de piedade e misericórdia. Até porque o entendimento da obra de salvação de Cristo nos revela que todos nós éramos tão abomináveis como esse falso profeta do vídeo até sermos alcançados pela graça. O que não podemos admitir é que continuemos sendo abomináveis após a justificação. Espero que não seja o seu caso.

Quanto mais alguém estuda a Palavra e se aprofunda na teologia, mais deveria se aprofundar na piedade e na compaixão pelos espiritualmente doentes, e não no ódio e na agressividade. O falso pastor do vídeo não me assombra, pois ele visivelmente precisa de Cristo. Oro por isso. Oro por sua conversão. Oro para que um dia eu o encontre no céu. Duro é ver cristãos que frequentam bons círculos teológicos acharem que é bacana desejar que Deus mande alguém para o inferno. E, pior: “logo”. Incompreensível. Assombroso. Que tipo de cristianismo é esse?

BNJC_arte para blog APENAS

Paulo conta em 1Coríntios 5 o caso de um homem da igreja de Corinto que cometia o abominável ato de se relacionar sexualmente com a própria madrasta e, por isso, trazia escândalos para a Igreja de Cristo e sujava seu bom nome junto à sociedade. Repare que o apóstolo orienta a igreja a “excluir de sua comunhão o homem que cometeu tamanha ofensa” (v. 2, NVT) e, em seguida, diz: “Entreguem esse homem a Satanás, para que o corpo seja punido e o espírito seja salvo no dia do Senhor” (v. 5, NVT). O ato abominável leva Paulo a propor disciplina eclesiástica e até a desejar que o corpo do cidadão sofresse as consequências de seus atos, mas, com que finalidade? Que “o espírito seja salvo”!  Com isso, Paulo deixa claro que, por mais horripilante que seja o pecado de um homem, a finalidade e o desejo do cristão verdadeiro continuam sendo que as pessoas espiritualmente falidas sejam salvas do inferno. Porque desejar o horror eterno a alguém não é algo que nenhum cristão deva desejar para o próximo – por pior que ele seja.

Meu irmão, minha irmã, eu e você veremos com frequência pessoas que ofendem a cruz, que lançam lama no bom nome da Igreja de Cristo. Nosso estômago revirará. Sentiremos nojo, raiva, indignação. A questão é: como reagiremos a isso? E a resposta a essa pergunta é que demonstrará como anda nossa espiritualidade. Reagiremos com desamor, condenação, juízo, carnalidade, brigas, ataques e ofensas… ou como a Bíblia nos manda reagir? Abençoemos quem nos persegue. Oremos para que Deus os abençoe. Não devolvamos mal com mal, mas com o bem. E não há bem maior que alguém possa fazer por outra pessoa do que, em vez de desejar o que o diabo deseja para a humanidade, que é irmos para o inferno, desejar o que Deus deseja para a humanidade: que as piores pessoas do mundo creiam em Jesus e, assim, não pereçam, mas tenha a vida eterna.

Como disse no início deste texto, “o que é ser cristão?” é uma pergunta cuja resposta daria para escrever um livro. Mas quero terminar este texto respondendo, de forma curta e objetiva, a outra pergunta: “O que não é ser cristão?”. E a resposta é: com absoluta certeza, ser cristão não é querer que Deus leve logo alguém para o inferno.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

 

Pense na última vez em que você visitou um museu. Quantas obras de arte você viu nessa visita, entre quadros, esculturas e outras peças? Algumas dezenas? Talvez mais de cem? Agora, por favor, tente identificar de quantas dessas obras você ainda se lembra. Tire um tempo fazendo isso.
.
Terminou? Bem, eu me arriscaria a dizer que dificilmente você se lembrará de mais do que dez a vinte peças, acertei? Sabe por que isso acontece? Porque nosso cérebro é extremamente seletivo e mais descarta lembranças do que armazena. Possivelmente, as poucas obras de arte de que você mais se lembra são aquelas que o impressionaram por alguma razão específica, que tiveram alguma história pessoal sua relacionada a elas, ou que de algum modo se destacaram das demais. A grande maioria você simplesmente olhou por alguns segundos e nem mesmo se lembra, estou certo? Esse exemplo enfatiza algo muito importante em nossa vida: a necessidade de construir memórias. O que, aliás, o próprio Jesus fez.
 .
Assim como ocorre em um passeio no museu, ao longo da nossa vida experimentamos uma quantidade inumerável de situações; porém, só nos lembramos de uma minoria delas. Isso ocorre pela mesma razão: nosso cérebro só vai transformar em memórias os episódios mais significativos. Ouso dizer que você não conseguirá se lembrar, por exemplo, da roupa que usou no dia 4 de dezembro do ano passado. Porém, se dia 4 de dezembro foi o seu aniversário, provavelmente você se lembrará da roupa que estava vestindo, e mais, se recordará dos sapatos que usava, do penteado, da comida que almoçou e outros detalhes que passariam batido num dia qualquer. E por quê? Porque aquela foi uma data que teve significado, que representou algo especial, que fugiu da sua rotina e, por tudo isso, mereceu um registro diferenciado na sua lembrança.
 .
Isso não lhe dá uma certa sensação de impotência? Afinal, não é você que controla ou não quais fatos e vivências da sua rotina seu cérebro decidirá transformar em memórias. Porém, existe um jeito de burlar isso: você pode construir as suas memórias. Como? Criando algo especial que o faça guardar o que deseja na lembrança.
 .
Lembro-me (repare o verbo que usei) de um aniversário de minha esposa em que lhe dei de presente um voo de helicóptero sobre a cidade do Rio. De todos os vinte aniversários dela que passei ao seu lado, esse foi o que mais ficou fixado em minha memória. Lembro do clima desse dia, do rosto de Alessandra sorrindo, de coisas que conversamos, de momentos antes e depois do voo… enfim, o fato de ter associado aquela data a algo extremamente marcante como um voo sobre uma cidade tão bela como o Rio de Janeiro fez esse aniversário de minha esposa ser o mais lembrado de todos os que vivi ao seu lado. E o que fez isso? Eu construí toda uma situação que tornou aquele dia muito mais marcado na lembrança do que se apenas tivesse posto uma velinha em um bolo qualquer e cantado parabéns. Aliás, naquele dia devemos ter cantado parabéns para ela e comido um bolo, mas, sinceramente? Eu não me lembro. Mas do voo? Ah, esse foi inesquecível.
 .
Portanto, meu irmão, minha irmã, você tem a capacidade de construir memórias, para si e para aqueles que ama. E essa capacidade se traduz em poder para fixar na mente das pessoas aquilo que você quer que seja fixado. Permita-me perguntar: ao conviver com sua família, seus jantares são como em um bandejão, em que cada um pega um prato, come onde e na hora em que quer, vendo televisão? Lamento dizer que, se assim for, no futuro seus filhos não terão muitas lembranças dos momentos em família, o que não acontece com quem faz da hora das refeições um momento de comunhão, troca, brincadeira e conversas, em que todos começam a comer e acabam juntos. Outra pergunta: nas suas pregações e aulas bíblicas, você meramente joga algumas informações em cima dos ouvintes e pronto? Lamento dizer que, no dia seguinte, eles não se lembrarão do que você pregou ou ensinou. E mais, será que sua vida impacta a do próximo? O que você faz e fala deixa uma consequência transformadora na vida das pessoas e será lembrado por elas ou sua vida tem passado em branco e não será lembrada após a sua morte, sem que nada do que você tenha feito gere qualquer consequência na vida de ninguém?
 Jesus nos ensinou a construir memórias: “Tomou o pão e agradeceu a Deus. Depois, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: ‘Este é o meu corpo, entregue por vocês. Façam isto em memória de mim’” (Lc 22.19). Ao instituir a ceia do Senhor, Cristo nos fez lembrar da cruz. Recordamos seu sacrifício, logo, sua graça; logo, seu amor; logo, quem ele é. O simples ato de comer pão e beber vinho na companhia de nossos irmãos e irmãs, em nome de Cristo, traz à nossa memória as mais extraordinárias realidades do Universo: a essência do Criador, quem somos para ele, do que ele é capaz, o que devemos fazer pelo próximo, de onde viemos e para onde vamos e tanto mais. Louvado seja Deus por ter construído em nós memórias tão vitais.
 .
Meu irmão, minha irmã, Deus nos ensinou a construir memórias. Então construa! O que está esperando? Construa memórias familiares. Ministeriais. Conjugais. Pessoais. Faça por onde as coisas importantes da vida serem gravadas de modo inesquecível na lembrança de todos os que o rodeiam. Com isso, no dia em que você deixar esta vida, com o seu último suspiro deixará um legado nesta terra e, com ele, a certeza de ter vivido uma vida consequente, que valeu a pena ser vivida e que será lembrada por muitos e muitos anos.
.