Posts com Tag ‘humildade’

humildade 1Deus é humilde. Prova disso é que Jesus se apresentou como “manso e humilde de coração” (Mt 11.29) e, portanto, deixou claro que a humildade é um atributo divino. Quando a humanidade se rebelou contra o Senhor, no Éden, automaticamente tornou-se opositora de tudo o que tem a ver com ele, o que inclui, naturalmente, a humildade. Foi quando nós, gente falha e errante, passamos para o lado oposto e nos tornamos soberbos, altivos, arrogantes. Começamos a odiar tudo o que é santo e, mortos em nossos delitos e pecados, acreditamos que nossos talentos, qualidades, cargos e títulos são mérito pessoal nosso e, portanto, que somos dignos de louvor, elogios, honrarias e bajulações. A grande questão é que a humildade continua sendo um atributo desejado por Deus para todo ser humano, o que faz com que vivamos um conflito constante: nascemos  soberbos, gostamos de ser exaltados, mas precisamos ser humildes. E aí, o que fazer?

A única forma de conseguirmos essa transformação é pela renovação da mente (Rm 12.2), que vem mediante a entrega pessoal a Jesus e a consequente aproximação de Deus, a fim de que tenhamos em nós a natureza de Cristo. Pois só sendo como ele é conseguiremos viver a verdadeira humildade. 

humildade 2Só é humilde quem compreende que “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (Tg 1.17). Esse é o ponto de partida. Quando você entende pelo poder do Espírito que absolutamente tudo o que tem e é de bom não é mérito seu, mas é um presente de Deus, uma concessão do Criador, surge a compreensão de que não existe motivo para ser soberbo. Você é inteligente? Sua inteligência é um dom que Deus lhe deu. Você é talentoso? Seu talento é um dom que Deus lhe deu. Você é bonito? Sua beleza é um dom que Deus lhe deu. Você é culto? Sua cultura é um dom que Deus lhe deu. Você prega bem, canta de modo que encante as multidões, escreve que é uma beleza, é um excelente teólogo, vive recebendo elogios por suas palestras? Tudo isso é dom de Deus. O grande problema é que frequentemente nos esquecemos dessa realidade e passamos a acreditar que, sim, somos tudo o que falam de nós. A questão, meu irmão, minha irmã, é que, no dia em que começar a acreditar nisso, você terá assinado a sentença de morte da sua humildade. E, logo, de afastamento do Senhor. Viver em soberba e arrogância é viver em pecado. E isso é grave. 

Para você ter ideia de como a humildade é algo importante aos olhos de Deus, basta ver a enxurrada de passagens bíblicas que tratam do assunto, como: 

“Certamente, ele [Deus] escarnece dos escarnecedores, mas dá graça aos humildes” (Pv 3.34); 

“Em vindo a soberba, sobrevém a desonra, mas com os humildes está a sabedoria” (Pv 11.2); 

“A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda. Melhor é ser humilde de espírito com os humildes do que repartir o despojo com os soberbos” (Pv 16.18-19); 

“A soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra” (Pv 29.23);

“Melhor é ser humilde de espírito com os humildes do que repartir o despojo com os soberbos” (Pv 16.19); 

 “tu salvas o povo humilde, mas os olhos altivos, tu os abates” (Sl 18.27); 

“Bom e reto é o SENHOR, por isso, aponta o caminho aos pecadores. Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho” (Sl 25.8-9); 

“Desde os céus fizeste ouvir o teu juízo; tremeu a terra e se aquietou ao levantar-se Deus para julgar e salvar todos os humildes da terra” (Sl 76.8-9); 

“O SENHOR é excelso, contudo, atenta para os humildes; os soberbos, ele os conhece de longe” (Sl 138.6); 

“Porque o SENHOR se agrada do seu povo e de salvação adorna os humildes” (Sl 149.4); 

“Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5.3); 

“Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Tg 4.6); 

“Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes…” (1Pe 3.8); 

“… no trato de uns com os outros, cingi-vos todos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a sua graça. Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte” (1Co 5.5); 

“Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos” (Rm 12.16).

À luz de todas essas passagens bíblicas, é inconcebível que um cristão não seja humilde. Mais ainda: fica claro que a falta de humildade é  pecado. Deus não tem parte com o soberbo, ele não suporta o arrogante e abomina a altivez. “Amem o Senhor, todos vocês que lhe são fiéis, pois o Senhor protege quem nele confia, mas castiga severamente o arrogante” (Sl 31.23). Se você é bem-sucedido em qualquer área de sua vida, se é excepcional em algo, se obteve fama e reconhecimento, se o seu nome se tornou conhecido… não cometa o erro de acreditar na mentira de que você é o tal. Pois não é. Você é apenas o portador de algo que lhe foi concedido por Deus – e que ele pode tirar de você se e quando quiser. 

Na jornada_ Capa em low resAo encarnar como um de nós, Jesus realizou o maior ato de humildade que alguém poderia. Para você visualizar uma pouquinho do que significou o Deus Criador encarnar na forma de servo, reproduzo um trecho sobre o nascimento de Cristo, de meu mais recente livro, Na jornada com Cristo (editora Mundo Cristão): “Esqueça o ambiente bonitinho e angelical que você costuma ver nos presépios ou nos filmes sobre o Natal. Você já visitou o estábulo de um hotel-fazenda? Já viu como é o local onde os cavalos e as vacas ficam abrigados? Se já teve essa experiência, puxe pela memória e tente se lembrar dos cheiros, dos insetos, do que havia pelo chão. Agora você começa a ter uma percepção real de como foram os primeiros momentos de vida daquele bebê, o início de sua jornada na terra. O ar que pela primeira vez entrou nos pulmões daquele recém-nascido foi o do interior de um estábulo. Sua maternidade não foi uma clínica limpinha, cheirosa e desinfetada, mas um ambiente insalubre que reunia uma mescla de odores de animais, de estrume e de urina. Quem sabe as moscas, que costumam infestar esses ambientes, tenham pousado nos bracinhos e no rosto do bebê, passeado por seus lábios, incomodado sua mãe. Carrapatos fatalmente andavam por ali. Talvez pulgas ou pombos, que muitas vezes se abrigam nas reentrâncias do teto. O recém-nascido tampouco foi deitado num bercinho fofo e cheio de bichinhos de pelúcia e móbiles. Sua primeira cama foi um cocho, um comedouro, objeto rústico e sem glamour em que vacas, cavalos, jumentos, bodes e outros animais deixam saliva e muco nasal ao mastigar o alimento. Sim, o bebê não foi deitado em um berço de ouro e cetim, mas, provavelmente, ficou cercado de baba de animais. Acredite, não é o tipo de local em que você gostaria de deitar seu filhinho após o nascimento” (pg.17-18)

humildade 3À luz dessa realidade enfrentada pelo nosso Senhor, dói meu coração ver cristãos arrogantes e soberbos. Dói muito. Pois confessam Cristo com os lábios mas não agem de acordo com sua confissão. São filhos de uma mãe chamada vaidade e de um pai chamado orgulho, que, juntos, geram pecado. Portanto, tais cristãos são mais filhos do pecado que filhos de Deus. Se você detectar traços de altivez neles, encoraje-os à humildade. Se persistirem no pecado, não os siga, não os imite, não divulgue o que falam, tampouco tenha parte com eles. Pois a falta de humildade é venenosa e pode vir a lhe contaminar. Muito cuidado. 

Que toda realização sua seja motivo de glórias para Deus, pois ele é quem a permitiu. Que os seus atributos, dons, talentos, qualidades, cargos, posições, títulos, diplomas, adjetivos e tudo o mais que o fazem se destacar sejam razão para você erguer o coração a Cristo, abrir os lábios para lhe atribuir a honra, e reconhecer  diante de todos que só a Deus pertence a glória. 

Seja humilde. Esforce-se para isso. Ao ser elogiado, atribua o mérito a quem tem mérito e reconheça-se como instrumento, como vaso de barro que contém um tesouro divino. Ao confessar que os louros são todos do Senhor, por meio de suas palavras e atitudes, estará dando um passo atrás na soberba e à frente na humildade. E, assim, creia, você estará muito mais perto de Deus. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

EU-NÃO-SEI 1Na sociedade em que vivemos desenvolveu-se a ideia de que todo mundo tem de saber tudo sobre tudo. Se você não tem uma opinião sobre absolutamente qualquer assunto, é como se fosse uma pessoa inferior, desinformada, alienada. Futebol? Você precisa ter um parecer sobre todos os jogos da rodada. Música? Você tem de saber tudo sobre todos os cantores da moda. O noticiário do dia? É imperativo saber das notícias antes de todo mundo. Essa ditadura da informação quer nos obrigar a saber tudo, o tempo todo, a toda hora, e precisamos ter uma opinião formada sobre absolutamente todos assuntos. Só que isso é impossível! Eu e você sabemos pouco ou nada sobre a maioria das coisas. Por isso, a posição mais verdadeira – logo, cristã – que podemos ter é dizer: “Eu não sei”. Assim, você evitará falar sem base e viverá com muito mais sinceridade. 

Peguemos, por exemplo, a teologia, área em que, se você diz “eu não sei”, costuma ser imediatamente diminuído, desmerecido. O que você acha das cinco vias de Tomás de Aquino? Eu não sei. Qual é a sua opinião sobre o Sínodo de Dort? Não tenho conhecimento suficiente. Qual é sua visão sobre a teoria escatológica amilenista? Preciso conhecer melhor o assunto antes de responder a isso. Qual é sua opinião sobre o pensamento de Abraham Kuyper? Não li o suficiente para dizer. Qual é seu entendimento sobre os cristãos adenominacionais? Nenhum, preciso conhecer mais. O que você sabe sobre a relação entre o pensamento agostiniano e o platônico? Nada. O que você acha da bênção de Toronto? Preciso me informar melhor. Como você vê o papel do estilo musical no louvor? Não sei o suficiente para ter uma opinião. Por que uma pregação deve ser expositiva? Nunca parei para pensar sobre isso. 


EU-NÃO-SEI 3Essas são respostas dignas, se representarem a verdade. É muito mais cristão dá-las do que emitir um parecer, fazer afirmações ou dar pitacos sobre algo que você simplesmente não sabe. E não há vergonha em não saber, porque ninguém sabe tudo sobre tudo, isso é uma ilusão. Temos de aprender a responder dignos “eu não sei” e, a partir da percepção de que ignoramos algo, buscar conhecer esse algo. Isto, aliás, é fun-da-men-tal: não estou defendendo que, se você não domina determinado assunto, deve acomodar-se à ignorância; o que defendo é que, se você não sabe de algo, primeiro, confesse a verdade e, depois … vá se informar! Corra atrás. Estude. Identifique as lacunas do seu conhecimento e procure preenchê-las. Vergonha não é não saber, vergonha é, uma vez constatado que não se sabe, continuar sem buscar saber. 

Eu, por exemplo, não acompanho futebol. É algo pessoal, simplesmente o assunto não me interessa. Imagine, então, como é quando meus amigos de escola se reúnem e começam a falar sobre o jogo de ontem. Eu fico quieto, pois… eu não sei. Não tenho informações nem conhecimento para debater o tema. Portanto, me calo. Como não é algo que mudará minha vida, deixo para lá, diferentemente dos assuntos da fé, que me são essenciais: quando percebo que me falta conhecimento sobre algum tema da teologia, que me é importantíssima, confesso publicamente que não sei nada sobre aquilo e parto avidamente em busca daquele conhecimento. 

EU-NÃO-SEI 4Um exemplo: há algum tempo assisti ao vídeo da pregação de um pastor de uma igreja tradicional em que ele discorria sobre o movimento pentecostal. Eu gostava de acompanhar pedacinhos de pregações que ele costuma soltar nas redes sociais. Mas, naquele dia, ouvir aquele sermão inteiro… foi um show de horrores. De púlpito, ele fez toda uma exposição completamente errada. Baseou sua palestra em ideias bizarras e totalmente desencontradas da realidade. Para você ter uma ideia, ele disse que o pentecostalismo se sustenta  em três características: confissão positiva, equivalência de Deus e o Diabo, e crença na intocabilidade dos sacerdotes. Embora é inegável que há pentecostais que creem, sim, nesses pontos, de longe não é verdade que esses três aspectos definem o pentecostalismo. Todo pentecostal ou mesmo qualquer cessacionista que tem conhecimentos elementares sobre o movimento pentecostal sabe disso. A confissão positiva, por exemplo, é uma heresia neopentecostal que, inclusive, é combatida por muitos pentecostais. Deu pena do pastor, confesso, pois o que ele “ensinou” para os membros de sua igreja (e ainda postou na Internet) simplesmente não é verdade. Seria mais digno pesquisar melhor ou… não falar nada. Até porque é a credibilidade da pessoa que está em jogo. Eu, por exemplo, parei de assistir aos vídeos que esse estimado pastor publica nas redes sociais depois de ver aquela demonstração gritante de desconhecimento. 

Esse exemplo é apenas um de muitos. Precisamos ter a humildade para aprender a dizer “eu não sei”. Durante os nove anos em que lecionei em seminário teológico, muitas vezes fui questionado por alunos acerca de questões cujas respostas eu desconhecia. O que eu fazia nessas horas era simplesmente confessar minha ignorância e pedir que me dessem alguns dias para que eu pesquisasse a resposta. Isso não só era o que de mais honesto eu poderia fazer, como me permitiu crescer enormemente, pois cada buraco que eu constatava no meu conhecimento era uma oportunidade de tampá-los correndo atrás do que eu não sabia. 

EU-NÃO-SEI 5Meu irmão, minha irmã, ninguém nasce sabendo de tudo. E ninguém morre sabendo de tudo. Nesse intervalo de tempo entre nascimento e morte, temos a oportunidade de crescer no conhecimento das coisas. Agarre-se a essas oportunidades: leia livros, assista a documentários, leia livros, faça cursos, leia livros, converse com pessoas mais experientes, leia livros, participe de congressos, leia livros, envolva-se em grupos de debate ou estudo, leia livros, assista a boas palestras e pregações, leia livros. Ah, sim, e não poderia esquecer: leia livros. Mas, enquanto você não dominar certos assuntos, assuma com sinceridade e hombridade a sua ignorância. E parta em busca de fontes de informação sobre tais assuntos. 

Nas coisas de Deus, então, isso é imprescindível. Pois dar opiniões flácidas ou emitir pareceres claudicantes sobre temas importantes da fé é ser irresponsável com o que há de mais importante na existência humana. Nas redes sociais é comum vermos comentários postados sobre determinadas discussões que nos entristecem, pela profusão de erros ou falta de embasamento. Muitas vezes, a melhor postura seria simplesmente não escrever nada. Ouvir mais. Falar menos. Até porque… você já parou para pensar que ninguém é obrigado a dar uma opinião sobre todo e qualquer assunto? E, como não existe essa obrigatoriedade… por que opinar, quando não se conhece o suficiente para isso? Evitaria erros, vergonha, a sua desqualificação aos olhos dos demais, influência equivocada sobre outros e problemas similares. 

O jejum é uma prática bíblica. Por isso, gostaria de propor um tipo incomum de jejum: a abstenção de emitir opiniões sobre o que não se sabe bem. Tenho certeza de que, se fizermos isso, viveremos num ambiente muito mais rico em informações corretas e, também, em sinceridade e verdade. Se isso vai dar certo? Bem, confesso que… eu não sei.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

soberba 1Você conhece alguém que se acha sempre certo? Que faz questão de que todos façam tudo do seu jeito e não suporta quando alguém discorda dele e decide fazer algo diferente? A impressão que dá é que tudo gira em torno dessa pessoa, que ela se enxerga como o centro de todas as coisas, aquela em função de quem tudo mais acontece? Pois esse indivíduo sofre daquilo que costumo chamar de “Síndrome de Deus”. 

No caso do Senhor, é justo e certo que assim seja. Afinal, o universo foi criado para a sua glória e tudo o que existe e ocorre aponta para ele. Bem disse o rei Davi: “Bendito és tu, SENHOR, Deus de Israel, nosso pai, de eternidade em eternidade. Teu, SENHOR, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu, SENHOR, é o reino, e tu te exaltaste por chefe sobre todos. Riquezas e glória vêm de ti, tu dominas sobre tudo, na tua mão há força e poder; contigo está o engrandecer e a tudo dar força” (1Cr 29.10-12). 

Esse é o nosso Deus. Soberano, o único caminho, a única verdade, detentor de toda autoridade, santo e magnifico, inquestionável. Ele tem total direito de baixar decretos, de exigir para si a glória, de demandar obediência irrestrita. Criador, autor da vida, provedor e sustentador de todas as coisas, ninguém pode nada contra ele, na terra ou nas regiões celestiais. 

É por isso que, quando você lê a Bíblia, fica claro como o Senhor rejeita qualquer tentativa do ser humano de estabelecer algo no lugar de Deus – a famosa idolatria. O texto bíblico deixa explícito como é abominável para o Altíssimo que se tente divinizar ídolos, falsos deuses ou mesmo seres humanos. No entanto, não é raro encontrarmos aqueles que se posicionam como senhores da verdade.  A Síndrome de Deus gera esse mal. 

Nós, seres humanos, somos perfeitamente imperfeitos. Pecadores, depravados, amantes daquilo que nos afasta do que é puro e bom. Por conta disso, chega a ser bizarro ver pessoas que se acham convictas de suas certezas de forma inquestionável, em nada abertas à possibilidade de estarem erradas, que se posicionam como absolutas detentoras do conhecimento da verdade. Soberbas. Quem sofre de Síndrome de Deus é apresentado na Bíblia como “homem de dura cerviz”. É o inflexível, o surdo aos demais, o que sente pena ou raiva do diferente. 

Sempre que sintomas da Síndrome de Deus começam a pipocar em mim, procuro me aquietar, orar e me pôr no meu devido lugar: uma pessoa que erra, sujeita a muitas falhas. Longe de estar sempre certo. Uma pergunta que me faço constantemente para evitar esse mal é: e se eu estiver errado? Cogitar isso me faz crescer em humildade, respeitar o diferente e amar quem considero estar errado. E me livra, bastante, da arrogância. 

Todos deveríamos pôr isso em prática. Se  constantemente fizermos esse exercício haverá muito menos “deuses” neste mundo. Que, consequentemente, será muito mais repleto de amor, obediência e paz. Faça o teste: seja humilde. Com isso, você se torna bem-aventurado – e Jesus agradece.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

O fim do sofrimento_Banner APENAS
Clicando nas imagens acima e abaixo você vai à loja virtual da livraria Saraiva

Perdaototal_Banner Blog Apenas

babyQueridos irmãos e irmãs em Cristo,

agradeço a todos vocês que contribuíram com opiniões e sugestões acerca da ideia de postar reflexões em áudio aqui no APENAS. Como até a última vez que olhei mais de 80% dos manos que clicaram na enquete foram favoráveis à inserção desse recurso, a partir de agora pretendo postar algumas reflexões em áudio, de tempos em tempos. De forma alguma isso substituirá os textos escritos, que são minha área de atuação, minha paixão e onde trafego melhor. Acredito no poder da palavra escrita e sempre incentivo a leitura. Não acredito que o áudio substitua o texto, de modo algum. Minha ideia não é substituir ou subtrair: é somar. Por isso, continuarei escrevendo os textos, mas eventualmente postarei reflexões em áudio, na esperança de estar servindo uma parcela de pessoas que, de outro modo, não seriam alcançadas pelos posts escritos.

Inicialmente, tinha pensado em postar o áudio por meio de um player, mas descobri que os e-mails que são enviados aos assinantes do blog não reproduziam o player, por alguma razão técnica que desconheço. Por isso, o meio que parece servir melhor esse propósito é a incorporação da gravação em um vídeo de YouTube. Assim, inseri um slide com o nome do blog, apenas para viabilizar que o áudio chegue até você, que é assinante, por e-mail. O que quero valorizar é a mensagem e não me preocupar com vinhetas, recursos de vídeo ou algo parecido.

Meu desejo é compartilhar reflexões como as que normalmente escrevo, mas também usar o áudio para falar de temas que eventualmente sejam mais atuais. Alguns serão mais formais (como a postagem de hoje), outros serão um bate-papo informal. Não desejo engessar o formato.

Peço a Deus que essa iniciativa contribua para alcançar pessoas que, de outro modo, não seriam alcançadas. Se desejar, compartilhe, encaminhe para quem achar que deve, sinta-se à vontade. Se eu perceber que a iniciativa não foi bem-sucedida, não tenho problema algum em abandoná-la e prosseguir no mesmo caminho que temos trilhado há mais de 4 anos, exclusivamente textos escritos. Muito obrigado pelo seu carinho, conto com suas orações. Dependo da graça de Deus para manter este blog ativo e agradeço demais pela sua intercessão.

A reflexão de hoje é sobre humildade. Peço a Deus que te abençoe.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

.
O fim do sofrimento_Banner APENAS
Clicando nas imagens acima e abaixo você vai à loja virtual da livraria Saraiva

Perdaototal_Banner Blog Apenas

 

servo 1Servo, por definição, é alguém que presta serviços a outra pessoa na função de um criado, um serviçal. Em outras palavras, é o indivíduo que está presente para prover a outro indivíduo aquilo de que ele precisa. Olhando por esse ângulo, todo pai é um servo de seus filhos. Em geral, desde que nascemos somos servidos por nossos pais, que dispuseram de tempo, dinheiro, energias, horas de sono e muitas outras coisas para estar à nossa disposição, ao nosso serviço. O pai de uma criança tem de ser servo 24 horas por dia e estar sempre alerta às necessidades de sua prole, preparado para fazer das tripas coração caso haja a necessidade de suprir o que o filhote precisa. Se você é pai ou mãe sabe do que estou falando.

Meus pais desempenharam o papel de meus servos tantas vezes que não tenho nem como dimensionar. Eles me serviram ao trocar minhas fraldas, me dar de comer, acalmar o choro depois do dodói, me levar e pegar na escola… foram tantos serviços prestados que seria impossível listar tudo. Eu dependia deles para quase tudo, por isso, meus pais foram meus servos por muitos anos. E se submeteram a isso por puro amor.

servo 2Meu pai completou 83 anos semana passada. Aquele jogador de futebol atlético e vigoroso, professor de educação física, que gostava de andar a cavalo e escalar árvores altas para comer frutas no pé agora é um senhor idoso. Suas forças já não são as mesmas. A barriga proeminente dificulta alguns movimentos, os joelhos extremamente doloridos o desanimam na hora que o convidamos para fazer caminhadas. O homem que por toda a vida dirigiu incontáveis vezes até outro estado do país e voltou pela estrada para visitar parentes vendeu o carro e agora só anda de táxi, pois a visão limitada não permite mais que dirija. A verdade é que meu pai se depara hoje com muitas limitações impostas pelos cabelos brancos. No dia de seu aniversário, fui encontrá-lo em sua casa para jantarmos fora. Na hora em que ele foi se vestir para sair, vi uma situação inédita até então: ele não estava conseguindo calçar os sapatos. Vi que ele fazia um esforço grande para se abaixar e tentar alcançar os pés, mas é como se a idade tivesse removido toda a sua elasticidade. Na mesma hora, eu fiz algo inédito em 43 anos de convivência: carinhosamente segurei em seu braço, pedi que se sentasse na cama e disse, sorrindo:

– Deixa que eu faço isso pra você, papai.

Ajoelhei-me aos seus pés. Comecei, então, a calçar nele os sapatos, ajustando-os delicadamente para que não o machucassem. Ao final, amarrei os cadarços, com o cuidado de perguntar se não estavam apertados ou frouxos demais. Enfim nos levantamos e partimos para o jantar.

servo 3Esse momento aparentemente corriqueiro e sem grande importância foi um marco para mim, pois ali senti muitas emoções diferentes e tive algumas percepções importantes. Senti, naturalmente, tristeza por ver que o meu sempre bem disposto pai, aquele homem que cresci admirando por suas muitas proezas na área da educação física e do atletismo, agora não consegue mais calçar nem amarrar os sapatos sozinho. Mas, por outro lado, fui inundado por um profundo senso de gratidão a Deus por agora ser eu o servo em nossa relação. Foi uma grande alegria poder servi-lo, ajoelhando-me aos pés do homem que me deu a vida, me alimentou, limpou minhas sujeiras numa época em que não havia fraldas descartáveis, passou madrugadas acordado cuidando de minhas febres, trabalhou em três ou quatro empregos ao mesmo tempo para pagar minha escola e tantas outras ações que fazem um pai servir o filho. Ali, de joelhos aos pés do homem a quem não há dinheiro no mundo que pague os serviços que me prestou, pela primeira vez tive a clara percepção: a situação agora se inverteu e chegou a hora de eu servi-lo. E isso não me fez me sentir nem um pouco mal ou inferiorizado: pelo contrário, fui tomado por um profundo senso de gratidão e de privilégio por poder servir aquele homem.

Jesus foi nosso servo. Pode ser que eu dizer isso provoque em você certa desconfiança e até mesmo indignação. “Que história é essa de dizer que Deus foi nosso servo?! Que blasfêmia, ele é o soberano, o Todo-poderoso, o único digno de abrir os selos, a quem toda honra e glória!”. É verdade, ele é isso sim. Mas leia o que Paulo escreveu: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo…” (Fp 2.5-7). Sim, Jesus assumiu a forma de um serviçal. E para quê? O que faz um servo? Ele serve.

servo 4“O Filho do Homem […] não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mt 20.28). Sim, Jesus nos serviu, ao se entregar por nós na cruz. Ali, humilhado, agonizante e nu, ele nos deu de presente a vida eterna, nos alimentou com esperança, limpou a sujeira de um pecado que nenhuma fralda do mundo daria conta, sacrificou-se para que por suas pisaduras fôssemos sarados, pagou com cravos e uma coroa de espinhos a nossa entrada em novos céus e nova terra e fez muito mais do que um pai faria para servir seus filhos.

“[Jesus] levantou-se da ceia, tirou a vestimenta de cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela. Depois, deitou água na bacia e passou a lavar os pés aos discípulos e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, e este lhe disse: Senhor, tu me lavas os pés a mim? Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois. Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo. […] Depois de lhes ter lavado os pés, tomou as vestes e, voltando à mesa, perguntou-lhes: Compreendeis o que vos fiz? Vós me chamais o Mestre e o Senhor e dizeis bem; porque eu o sou. Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros” (Jo 13.4-8; 12-15).

servo 5Sim, Jesus foi nosso servo. Mas a sua servidão teve um propósito: mostrar que devemos servir as outras pessoas. Cristo foi Mestre e, como tal, nos ensinou que mais do que buscar pessoas que nos sirvam, a excelência se encontra em lavar os pés do próximo, o que significa contribuir de algum modo para o bem-estar, a edificação, a consolação e a transformação de todos os que se aproximarem de nós. Que nossa vida seja devotada a tornar melhor a vida dos outros. O que nos leva a uma reflexão: o que você tem feito em benefício do próximo? Você tem servido? Se não, o que pretende fazer a esse respeito?

Mas nossa servidão não para aí. Assim como meu pai me serviu primeiro e hoje chegou a vez de eu servi-lo, é com alegria, gratidão e profundo senso de devoção que me ajoelho aos pés do Senhor para ser seu servo em tudo o que eu puder. E servir o Deus que me serviu jamais será um ato de humilhação ou motivo de desconforto: eu me prostro diante daquele de quem não sou digno de desatar as correias da sandália, para, humildemente e diariamente lhe prestar culto, adorar e servir. Como disse o próprio Cristo: “Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, o Pai o honrará” (Jo 12.26).

Sirva Cristo de toda a sua alma, com seus dons e talentos, com lealdade inegociável, com suas palavras e ações, e com toda a força do seu ser. Sirva-o como gostaria de ser servido por um filho. E é promessa de Jesus: quando você fizer isso, o Pai o honrará.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

baiacu1Muitos animais têm um mecanismo de defesa interessante quando se sentem ameaçados por predadores ou se veem em alguma situação de risco: eles tentam parecer maiores do que são. Você já deve ter visto em documentários da televisão, por exemplo, cenas de sapos que incham diante de uma serpente, baiacus que inflam quando dão de cara com uma moreia, cobras naja que abrem uma espécie de capuz de pele diante de inimigos ameaçadores ou ursos que se erguem sobre as patas traseiras quando atacados por outros machos da espécie. É uma estratégia instintiva desses bichos, uma forma de autopreservação, como se quisessem se proteger parecendo maiores do que de fato são. Em outras palavras, é uma reação ao medo. Essa é uma atitude que muitos de nós, seres humanos, também tomamos, embora num contexto diferente, como já veremos.

Claro que, ao contrário dessas outras espécies, não possuímos a capacidade de nos agigantarmos fisicamente. Não temos como inflar o tórax até ficarmos com as dimensões de um elefante, tampouco nosso cabelo se arrepia para se assemelhar ao pelo eriçado de um gato selvagem. Deus simplesmente não nos concedeu a habilidade de alterarmos nossa compleição física para crescermos diante de uma ameaça. Mesmo assim, inconscientemente (ou não), em nosso dia a dia tomamos uma série de atitudes que nos fazem tentar “crescer” aos olhos dos demais. Só que, ao contrário dos animais, o que nos faz querer ser maiores do que os outros não é o medo ou o instinto de defesa: é a vaidade.

baiacu4Por que você acha, por exemplo, que homens se preocupam tanto com o carro ou a moto que compram? Só porque é o mais econômico da praça? Ou porque o status que ter aquela máquina proporciona o faz sentir-se maior do que as demais pessoas? O mais capaz, o mais bem-sucedido, o alfa do bando? E não só veículos, isso vale para smartphones, roupas, bolsas, relógios, videogames, imóveis, quantidade de seguidores nas redes sociais… a lista de elementos usados como artifício para dizer, sem palavras, “eu sou melhor que você” é inumerável. Outro exemplo são os títulos. Se eu e você saímos nus do ventre de nossa mãe e chegamos absolutamente equiparados a este mundo, o que fará você se sobressair a mim? Fácil: comendas, honrarias, títulos, pós-ultra-PhD-doutorado, cargos pomposos. Se você parar para pensar, o prazer que um indivíduo ostenta por ter adjetivos e predicados à frente de seu nome nada mais é do que um meio de tentar se agigantar diante dos demais. É como se dissesse: “Veja como sou maior ou mais importante do que você, afinal sou um conde, um visconde, um barão!”. Por que você acha que durante tantos séculos os títulos de nobreza custaram tão caro e foram tão cobiçados? Simplesmente porque tê-los era uma maneira de tentar sobressair.

Em nossos dias, até mesmo os jogos de futebol revelam com clareza esse fenômeno. Sejamos sinceros: não basta nosso time ganhar, temos de pegar no pé dos amigos que torcem para a equipe que perdeu. A troça futebolística faz parte da nossa cultura de querer ser superior aos outros. E por aí vai, em tudo aquilo que fazemos. A realidade é que todo ser humano busca, inconscientemente, destacar-se dos demais. Eu sou assim, você é assim, todos somos assim. Queremos fama. Queremos notoriedade. Queremos o lugar mais alto do pódio. Esqueça o Barão de Coubertin: o importante é ser o maioral e ganhar, sim, senhor.

Mas, então…

Então chega Jesus e diz “aquele que se humilhar como esta criança, esse é o maior no reino dos céus” (Mt 18.4). Ouvimos isso e, se queremos ser como Cristo ensina, nos vemos obrigados a desinflar o peito, abaixar a crista, nos posicionar de cabeça baixa; assumir a postura submissa de um cordeiro. Pôr nosso ego nas dimensões de uma criancinha. Diminuirmos para que ele cresça. Considerarmos os outros maiores em honra.

baiacu3A aproximação de Cristo nos distancia da nossa realidade animal e nos atrai para a espiritual. Nosso animal, nossa carne, quer buscar glórias, fama, títulos, cargos na igreja, o lugar de maior destaque, a roupa mais pomposa, elogios, adjetivos, comendas, honrarias, o pináculo do templo. Tudo isso nos infla como um baiacu. Nossa humanidade quer desesperadamente nos agigantar. No entanto, Jesus vem e nos desestrutura: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5.3). E, se ainda resta alguma dúvida, Paulo dá o ultimato: “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo” (Fp 2.3). Em outras palavras: abaixe a crista. Deixe o outro sobressair. Difícil? Sim, mas cristão.

Vaidade sob controle não é pecado. Mas quando ela passa a ditar seus valores, a maneira como se comporta, as suas decisões e, especialmente, o modo como trata as pessoas, cuidado: você pode não estar sendo muito melhor do que um baiacu. E Deus sabe que você vale muito mais do que um peixe amedrontado.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio Zágari