Posts com Tag ‘Futuro’

Já parou para pensar que planos para o futuro Moisés fazia aos 39 anos? Príncipe, morando no bem-bom do palácio, paparicado por servos, sem precisar trabalhar para viver, tendo do bom e do melhor. Imagino que ele fizesse planos como dar um pulinho no Nilo para se banhar, participar de um campeonato de corrida de bigas, comprar uma espada nova, casar com uma nobre egípcia, construir um palacete bacana.

Mas aí, aos 40 anos, seus planos foram destruídos, quando teve de fugir do Egito. Virou trabalhador braçal, casou com a filha de um pastor, passou a morar em tendas e a falar outro idioma. Tudo diferente.

Aí, aos 79 anos, quais seriam seus planos para o futuro? Creio que se aposentar do pastoreio e desfrutar de uma vida tranquila, sentado na cadeira de balanço com Zípora, brincando com os netinhos e vendo o pôr do sol. Mas, aí, vem Deus no ano seguinte e muda tudo. Libertador. Confronto com o Faraó. Deserto. Uau.

A história de Moisés é uma entre tantas na Bíblia que mostram como devemos estar preparados para ter nossos planos totalmente transformados por Deus do dia para a noite. José. Jó. Pedro. Paulo. E tantos outros, que tinham planos absolutamente diferentes e foram surpreendidos por futuros radicalmente transformados por Deus.

Jesus falou sobre isso (Lc 12.16-20), chamando de louco quem deposita as esperanças nos próprios planos. Eu mesmo aprendi isso na carne: não foi nem uma, nem duas vezes em que achei que tinha chegado ao local preparado para mim por Deus em seus propósitos e, quando vi, ele transformou absolutamente tudo, sem que eu pudesse fazer nada.

Faça planos. Trace metas. Planeje percursos. Mas nunca deixe de fora da equação o fator mais importante: o propósito de Deus para sua vida. Porque, se os seus planos forem diferentes dos de Deus (e, provavelmente, são), ele mudará tudo, de forma rápida e, por vezes, assustadora.

Esteja preparado para ser frustrado pelo Senhor. Porém, que isso não lhe faça mal. Afinal, saber que tudo mudou porque Deus quis fazer cumprir sua boa, agradável e perfeita vontade em sua vida não é motivo de frustração e tristeza, mas de alegria, realização e glória eterna.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,

Maurício Zágari
Facebook: facebook.com/mauriciozagariescritor
Instagram: instagram.com/mauriciozagari

Davi1Um dos episódios mais enigmáticos da Bíblia para mim está descrito em 2Samuel 12. Davi e Bate-Seba cometem adultério e, em consequência disso, ela engravida. O resto da história você sabe bem: o rei manda matar o marido dela e, por tudo isso, o profeta Natã traz uma exortação dura contra ele. Davi se arrepende profundamente dos pecados cometidos e é perdoado por Deus sem sombra de dúvida (2Sm 12.13). Vida que segue, certo? Errado. Acontece que o filho deles… morre. Minha dúvida sempre foi: por quê? Por que foi necessário ceifar aquela vida inocente? Se fosse o caso de castigar o casal impedindo que tivesse filhos, o Senhor não teria permitido que Salomão fosse concebido posteriormente. Por que logo aquele primeiro menino do casal teve de morrer? Teria sido uma vingança de um Deus impiedoso? Afinal, Natã diz “uma vez que você insultou o SENHOR, o menino morrerá”. Mas será que essa atitude foi somente uma punição maldosa, uma vendeta de um Deus que é descrito pelo próprio rei Davi desta maneira:

“O SENHOR é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Não acusa sem cessar nem fica ressentido para sempre; não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades. Pois como os céus se elevam acima da terra, assim é grande o seu amor para com os que o temem; e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões” (Sl 103.8-12). Como explicar que Deus tenha decidido matar aquela criança que não tinha culpa de nada? Pois bem, tenho uma teoria. Acredito eu que foi justamente por amor a Davi. Estranho? Vamos pensar juntos.

Davi2A imagem que vem à minha mente quando hoje penso nesse episódio bíblico é semelhante a uma cena tradicional de certos filmes de ação, em que um personagem atravessa uma longa ponte de cordas, suspensa sobre um enorme precipício. Por alguma razão, aquela ponte desmorona e torna-se impossível voltar para trás. Sem a ponte, tudo o que o personagem do filme pode fazer é olhar para frente e seguir seu caminho. Acredito que foi mais ou menos isso que Deus fez com Davi.

Aquela criança, por mais que viesse a ser amada e tratada com todo carinho e afeto pelos pais caso sobrevivesse, seria sempre uma lembrança do que aconteceu. Todas as vezes em que Davi e Bate-Seba olhassem para o menino, o adultério e o assassinato viriam à memória deles. Assim, aquele filho se tornaria para sempre um memorial de algo horrível, que deveria ficar no passado. O arrependimento foi sincero. A confissão foi contrita. O perdão foi verdadeiro.  As coisas velhas se passaram e tudo se fez novo. No entanto, a lembrança dos pecados seria inapagável. E com ela viria sofrimento de alma. E não creio que Deus queira que pessoas perdoadas, lavadas no sangue do Cordeiro e que devem prosseguir em suas jornadas em novidade de vida fiquem sofrendo eternamente pela dor de erros cometidos no passado.

Davi4Penso, portanto, que Deus – o dono da vida – decidiu recolher aquela criança para junto de si como meio para que Davi e Bate-Seba pudessem seguir adiante sem ficar ancorados em um pensamento sobre fatos do passado que só viria a lhes trazer dor, tristeza, sofrimento. O arrependimento de Davi foi sincero, o que significa que, se ele pudesse voltar no tempo, não faria de novo o que fez. E o Senhor, por amar seu servo, não queria que ele vivesse remoendo aquilo. Então, por mais estranho que pareça, creio (a Bíblia não diz, faço questão de ressaltar, é uma teoria minha) que o Pai removeu aquele memorial para que Davi e Bate-Seba seguissem de olhos no futuro. Deus removeu aquela ponte para que eles não olhassem para a dor que ficou atrás, mas sim para a esperança que estava à frente.

Todos nós temos algo que precisamos deixar no passado. Só que, se não fizermos desmoronar as pontes que nos ligam a esse algo, ele sempre voltará à nossa mente – e com ele dor, sofrimento, arrependimento, tristeza. Podem ser muitas coisas. Práticas pecaminosas, pessoas, fatos, lugares, atividades, vícios… enfim, cada um tem sua própria âncora presa em algum lugar para trás, que precisa ser abandonada para sempre. Vou dar alguns exemplos práticos.

Se você teve problemas de dependência química (drogas ou álcool) e sempre consumia quando andava com certas pessoas, o ideal é que corte toda e qualquer relação com esses indivíduos. Pois sempre que estiver na companhia de antigos companheiros de vício, ficará pensando na droga que abandonou ou no álcool que lhe tenta a cada dia de sua vida. Assim, toda ponte que liga você a esses amigos precisa ser removida: não saia mais com eles, delete seus números de telefone, corte relações.

Outro exemplo: recentemente uma irmã comentou aqui no APENAS que tinha se casado mas não conseguia esquecer um antigo amor e que mantinha contato com ele na esperança de evangelizá-lo. O melhor que essa irmã tem a fazer é remover toda e qualquer forma de contato com o tal rapaz, pois ele será sempre um empecilho em sua vida matrimonial – além de uma constante tentação. As pontes têm de ser destruídas.

Pode ser que você tenha sofrido com dependência a pornografia na internet. Se mantiver um notebook no seu quarto, onde o acessa sozinho, é muito provável que aquele pecado do passado o assombre todos os dias. Você precisa remover de algum modo a possibilidade de acessar esse material, destruir essa ponte, para que aquele pecado permaneça no passado.

Ou, ainda, se você era muito agressivo e sempre que assistia a lutas de UFC sentia vontade de sair no braço com alguém, precisa remover esse estilo de luta de sua vida: bloqueie os canais de TV que transmitem a pancadaria, pare de acessar websites que falem sobre o assunto.

Enfim, seja o que for, se tira a sua paz, remova as pontes. Se uma música que você ouve te leva a pecar ou a sofrer por algo do passado, jogue fora o CD. Se um filme a que você assiste te conduz a um estado de espírito que não quer mais vivenciar, queime o DVD. E siga em frente, sem olhar para trás. Não é utopia: conheço gente que fez isso e tenho certeza que foi o melhor.

Davi5Sei que pode parecer uma proposta excessivamente dramática cortar relacionamentos, mudar atitudes, alterar rotinas, dar guinadas radicais. Mas a morte do primeiro filho de Davi e Bate-Seba também foi algo dramático. E a proposta de Jesus é inegavelmente dramática: “Se o seu olho direito o fizer pecar, arranque-o e lance-o fora. É melhor perder uma parte do seu corpo do que ser todo ele lançado no inferno. E se a sua mão direita o fizer pecar, corte-a e lance-a fora. É melhor perder uma parte do seu corpo do que ir todo ele para o inferno” (Mt 5.29-30). Sempre devemos nos lembrar que o que está em jogo nesses casos é a sua santidade e a de outras pessoas envolvidas, o seu relacionamento pessoal com Deus, a sua tranquilidade com relação ao estado de sua alma, a limpeza de sua consciência, a chance de deixar o passado no passado e prosseguir para um futuro mais próximo do Senhor e da santidade que ele exige de nós. Na perspectiva do reino dos céus, tudo isso importa mais do que qualquer outra coisa.

Existe um brilhante ditado em inglês: No pain, no gain, que significa algo como “Sem dor não há ganho”. É uma grande verdade. Muitas vezes, uma vida santa exige de nós atitudes dolorosas. Paz de espírito faz ações radicais serem necessárias. Um futuro despido de más lembranças do passado pede ações fortes. Lembre-se: Jesus teve de enfrentar a dor da cruz para que toda a humanidade tivesse um ganho eterno. Ao entregar-se como sacrifício por nós, o Cordeiro de Deus estava destruindo a ponte que ligava o nosso futuro no céu ao pecado do Éden. Devemos seguir seu exemplo.

E você, o que de seu passado precisa ficar de vez no passado? Se consegue identificar, a hora de destruir as pontes é agora.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio

Memo1Há algum tempo tive o privilégio de conversar com idosos que vivem em uma casa de repouso. Marcou-me uma senhora em especial, de seus oitenta e muitos anos. Estávamos falando  sobre sua vida, quando lhe perguntei se tinha arrependimentos de coisas do passado. Ela lançou um olhar no vazio e, depois de pensar um pouco, respondeu: “Sim… eu me arrependo de ter passado tanto tempo pensando no passado”. Demorei algum tempo tentando entender exatamente o que ela quis dizer. Quando viu que eu estava parado, com cara de pastel e uma interrogação na testa, emendou: “Não é que não tenhamos de nos arrepender das besteiras que fizemos. Mas é que, se a gente olha pro futuro e não pro passado, não vamos ter arrependimento de nada, entendeu? Porque o que passou machuca, mas o que está pela frente deixa sempre a gente empolgado”. Fiquei pensativo. O que ela disse me fez lembrar de uma frase que li em um livro de C. S. Lewis: “Existem coisas melhores adiante do que qualquer outra que deixamos para trás”.

Está na moda o versículo de Lamentações de Jeremias 3.21: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança”. É um desejo inteligente. Mas eu confesso que, depois de muito meditar nas palavras daquela senhora, tenho tentado aplicar a minha vida uma nova disciplina espiritual: trazer à esperança aquilo que pode se tornar uma boa memória. Olhar para o futuro na expectativa das coisas boas que Deus pode trazer. Porque as dores do passado… doem. E de sentir dor quem gosta?

Por isso, é importante valorizarmos o passado sim, mas cada vez mais tenho descoberto que o passado só tem função se ele ajuda a compor nosso futuro. Porque, no final das contas, isso é o que interessa: de que modo posso pegar as experiências boas e ruins do passado para construir um futuro melhor? Pois o passado é como uma pintura estática, engessada, paralisada, limitada por suas molduras. Já o futuro é uma tela em branco, à espera das tintas, cheia de possibilidades e com grande potencial. E o presente é o pincel que toca ao mesmo tempo a mão e a tela, em processo de construção de algo novo. Se as novas gerações de pintores se contentassem em ficar apreciando os quadros no museu nada novo seria pintado. E aí viveríamos de ruminar alimento antigo e não de produzir alimento novo. A civilização ficaria congelada numa eterna contemplação do que já passou.

Memo2Eu gosto do passado. Coleciono livros com fotos do Rio Antigo, tenho um gramofone na minha sala e dois telefones antigos, um com 100 e outro com 56 anos de idade. Gosto de antiguidades. Mas, depois dessa experiência com aquela senhora, me peguei outro dia sentado no sofá, olhando para esses objetos e pensando, tentando entender por que eles me fascinam. Cheguei a uma conclusão: aquilo que não vivemos nos entristece porque gostaríamos de ter vivido e por isso buscamos estar perto desses artefatos do passado, para diminuir a distância entre nós e o que não vivemos. Eu gostaria de viver na época dos gramofones. Apesar de todos os badulaques eletrônicos que o século 21 nos oferece, aquela era uma época mais cavalheiresca, mais nobre, de pessoas mais educadas e cerimoniosas. Confesso que gosto disso, tenho saudades de quando os homens cediam o lugar no ônibus para senhoras e puxavam suas cadeiras para se sentar à mesa. Até a arquitetura era mais elegante, com estilo  rococó e elegantes filigranas. Me agrada o século 19, por exemplo. Sinto pena de não ter vivido na época de Machado de Assis, com todos os atrasos que havia, a febre amarela e a ausência da Internet. Só que… de que adianta pensar nisso? Eu vivo é na época das bugigangas, dos ipads e iphones, dos ônibus espaciais e do feissebuqui, quando as pessoas sentam à mesa do restaurante e, em vez de conversar e sorver da maravilhosa experiência que é o contato humano, fica cada um imerso em seu smartphone. Quem já teve a chatíssima oportunidade de sair com amigos e ter que ficar vendo todos mexendo em seus “feisses”, “tuíters” e sms em vez de se dedicar à antiquada e ultrapassada arte de conversar com quem está à sua frente sabe o que estou dizendo. Só que não adianta nada lamentar a desumanização dos dias atuais ou nutrir a tristeza pelo que não vivi ou mesmo o que vivi e me fez sofrer. Os tempos são o que são e só o que podemos trazer é desejar que sejam algo mais próximo do que o passado foi.

As boas e más experiências do passado são as matérias que cursamos na escola da vida. Mas ninguém cursa uma escola para viver eternamente nela, cursa com vistas à formatura. A faculdade idem, cursamos com vistas ao mercado de trabalho. A vida idem idem, cursamos de olho na eternidade.

Aquela senhora estava certa: o que importa não é a cerimônia de casamento, é a vida a dois pelos anos que virão. O que importa não é a festa de formatura, é o mercado de trabalho. O que importa não é o parto, é a vida inteira daquele ser humano. O que importa não é o pecado, é o que se pode fazer com seu aprendizado após o arrependimento. Todos são como ritos de passagem para algo melhor. Muitas vezes os ritos de passagem não saem como queremos, já fui a um casamento em que o noivo desmaiou no altar, já vi formaturas chatas que me fizeram dormir, o parto de minha filha foi tenso e estressante, já cometi pecados que me fazem querer sumir. Mas o que veio depois foi ótimo: uma vida conjugal feliz, um emprego que realiza, uma filha saudável que me faz sorrir, uma caminhada em novidade de vida. Futuro.

Memo3Aquela senhora não sabia, mas suas poucas e sábias palavras cutucaram meus paradigmas.  Tenho olhado o futuro com olhos melhores. Sem desprezar o passado, venho refletindo sobre ele com uma certa frieza inédita. Dores demais. Cicatrizes em excesso. Decepções além da conta. O futuro, por incerto que seja, está todo nas mãos do Pai, que segura o pincel em sua mão. E olho para o que virá com a esperança de que vire boas memórias. Muitas das que tenho hoje apagaria, se fosse possível viver o brilho eterno de uma mente sem lembranças. Já as memórias que terei amanhã são um mundo novo, misterioso e empolgante. O grande autor Gabriel Garcia Marquez já escreveu que “a vida é uma sucessão contínua de oportunidades”. Isso nos fala de uma existência em que a cada dia temos a chance de fazer algo novo, que construa um futuro memorável. Eu gostaria de colecionar em minha sala objetos do futuro, para que diminuíssem minha distância dele. O passado é limitado, já o futuro… é infinito.

Chega de saudade. Quero ter saudade do que ainda não vivi. Penso que essa é a proposta bíblica e por isso vou vivendo a cada dia o seu mal. Olhar demais para trás faz doer o pescoço. Temos é de seguir de olhos no horizonte, persistindo em correr a carreira que nos está proposta pelo nosso Senhor.

Memo4“Portanto, […] corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus” (Hb 12.1,2).

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
mz