Posts com Tag ‘planos de Deus’

Já parou para pensar que planos para o futuro Moisés fazia aos 39 anos? Príncipe, morando no bem-bom do palácio, paparicado por servos, sem precisar trabalhar para viver, tendo do bom e do melhor. Imagino que ele fizesse planos como dar um pulinho no Nilo para se banhar, participar de um campeonato de corrida de bigas, comprar uma espada nova, casar com uma nobre egípcia, construir um palacete bacana.

Mas aí, aos 40 anos, seus planos foram destruídos, quando teve de fugir do Egito. Virou trabalhador braçal, casou com a filha de um pastor, passou a morar em tendas e a falar outro idioma. Tudo diferente.

Aí, aos 79 anos, quais seriam seus planos para o futuro? Creio que se aposentar do pastoreio e desfrutar de uma vida tranquila, sentado na cadeira de balanço com Zípora, brincando com os netinhos e vendo o pôr do sol. Mas, aí, vem Deus no ano seguinte e muda tudo. Libertador. Confronto com o Faraó. Deserto. Uau.

A história de Moisés é uma entre tantas na Bíblia que mostram como devemos estar preparados para ter nossos planos totalmente transformados por Deus do dia para a noite. José. Jó. Pedro. Paulo. E tantos outros, que tinham planos absolutamente diferentes e foram surpreendidos por futuros radicalmente transformados por Deus.

Jesus falou sobre isso (Lc 12.16-20), chamando de louco quem deposita as esperanças nos próprios planos. Eu mesmo aprendi isso na carne: não foi nem uma, nem duas vezes em que achei que tinha chegado ao local preparado para mim por Deus em seus propósitos e, quando vi, ele transformou absolutamente tudo, sem que eu pudesse fazer nada.

Faça planos. Trace metas. Planeje percursos. Mas nunca deixe de fora da equação o fator mais importante: o propósito de Deus para sua vida. Porque, se os seus planos forem diferentes dos de Deus (e, provavelmente, são), ele mudará tudo, de forma rápida e, por vezes, assustadora.

Esteja preparado para ser frustrado pelo Senhor. Porém, que isso não lhe faça mal. Afinal, saber que tudo mudou porque Deus quis fazer cumprir sua boa, agradável e perfeita vontade em sua vida não é motivo de frustração e tristeza, mas de alegria, realização e glória eterna.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,

Maurício Zágari
Facebook: facebook.com/mauriciozagariescritor
Instagram: instagram.com/mauriciozagari

É fácil tomar a decisão de fugir para Társis quando se é Jonas. Afinal, embora cabeça dura, o profeta sabia exatamente o que Deus queria. Desobedeceu com clareza da situação. Mas… e quando você não sabe se o Senhor quer que vá para Nínive, Társis, Columbandê ou Paramaribo? Que rumo tomar?

Sabemos que caminhar segundo a vontade de Deus é o que nos conduzirá aos pastos verdejantes. A questão é que, falhos e pecadores, frequentemente erramos. Achamos que Deus quer que sigamos para oeste quando ele quer que rumemos para leste. E quebramos a cara.

Se você tem enfrentado dilemas sobre que rumo seguir, saiba que não é o único. Davi se viu nessa situação muitas vezes. E deixou para nós uma pista do que fazer: “Mostra-me por onde devo andar, pois me entrego a ti. […] Que o teu Espírito bondoso me conduza adiante por um caminho reto e seguro” (Sl 143.8-10).

Davi foi claro: se queremos seguir pelo caminho certo, precisamos deixar quem conhece o caminho nos guiar. Para isso, duas atitudes são necessárias: 1) Estar sempre junto do guia; 2) Seguir pelo caminho que ele aponta e não pelo que nossa teimosia determina. E isso só é possível se vencemos nosso ego.

Em linguagem bíblica, vencer o ego é “negar a si mesmo”. E Jesus deixou claro que, se alguém quisesse segui-lo (isto é, deixar que ele mostre o caminho), precisaria aniquilar o ego. Negar a si mesmo. Tomar a sua cruz. E, então, segui-lo.

Sim, o caminho para cumprir a vontade de Deus é sempre duvidar das próprias vontades e certezas. Pois é esse saudável questionamento do eu que abre espaço para o “e se…?”. E se eu estiver errado? E se o caminho for outro? E se Deus não quiser isto?

Quando você se pegar duvidando dos seus caminhos, só lhe restará ir até o guia. Buscar a face do condutor. Almejar a intimidade daquele que conhece o caminho. E, com isso, terá cumprido a vontade de Deus.

Por quê?

Porque o que Deus realmente quer é que você esteja junto a ele. E, uma vez na presença do Eterno, qualquer rumo que tomar será o certo. Estranho? Não se você entende o principal: mais importante do que saber que rumo seguir é caminhar junto a Deus em qualquer caminho em que estiver.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,

Maurício Zágari, editor da GodBooks Editora
Instagram e Facebook: @editoragodbooks

Amo plantas. Por isso, quando reformei meu apartamento, fiz questão de pensar nas que poria nele. Montamos, então, um jardim suspenso e, assim que acabei de pagar as dívidas da obra e sobrou um dinheirinho, comprei terra e plantas para embelezar o local. Foi a primeira vez na minha vida que tive de atentar para a manutenção de plantas, me preocupando com regas, pragas e outras coisas que envolvem cuidar de seres tão belos e frágeis. Aprendi algumas lições inesperadas com essa atividade e gostaria de compartilhar um desses aprendizados com você.

Plantei no jardim suculentas e diferentes mudas de plantas com flores e, espalhados pelos cômodos, distribuí vasos de plantas diferentes, entre azaleias, pleomeles, bouganvilles e samambaias. Passado um tempo, percebi, no entanto, que algo imprevisto começou a acontecer: o nascimento de plantas diferentes e inesperadas no meio das que eu havia comprado para o jardim.

Fato é que, no meio das mudas postas no meu jardinzinho suspenso, começaram a crescer rapidamente uns quatro ou cinco tipos diferentes de plantas que eu não havia posto ali, e que, segundo minha esposa, eram mato. A senhora que nos ajuda na limpeza de casa confirmou. Fiquei muito chateado. Aquele mato estava estragando a beleza de meu jardim, e comecei a resmungar, aborrecido, inconformado e irritado com aqueles intrusos. Em razão disso, chamei minha filha e passamos um bom tempo arrancando todo aquele mato.

Muitas vezes, algo parecido acontece em nossa vida. Elaboramos projetos, fazemos planos e estabelecemos objetivos, isto é, adubamos o terreno e plantamos as mudas que desejamos ver crescer. De repente, inesperadamente, aquilo que não planejamos passa a ocorrer: sem aviso, começam a brotar “matos”, isto é, fatos com que não contávamos e que interferem em nossos planos originais: doenças, desemprego, traições, chateações, perdas, luto, sofrimentos, dores e outros fatos desagradáveis.

O fim do sofrimento_Banner APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Esses imprevistos nos deixam chateados, pois atrapalham nosso planejamento, interferem no controle que gostamos de ter sobre nossa vida e mostram como somos impotentes para fazer as coisas serem como queremos. Simplesmente, a vida toma seu rumo e somos assaltados frequentemente por “matos” intrometidos, que nos chateiam e alteram o rumo das coisas. Queremos ter o controle! Queremos ser os donos da vida. Só que a vida caminha em seu ritmo e debaixo da vontade do Criador, não necessariamente a nossa.

Diante disso, fazemos o possível para resolver os problemas imprevistos com a força do nosso braço. Arrancamos os “matos” da nossa vida e, geralmente, os desprezamos. Achamos que tudo o que ocorre no jardim da vida sem que tenhamos planejado são intrusões mal-vindas e descartáveis. E fazemos de tudo o que está ao nosso alcance para que o jardim torne a ser o que desejávamos. Esquecemos, porém, que Deus faz o vento soprar para onde deseja e, com ele, leva sementes de plantas e flores que não plantamos – mas ele, sim.

Não sei muito bem por que fiz isto, mas, em vez de simplesmente queimar ou jogar no lixo todo aquele mato que arranquei, decidi pegar aquele monte de vegetais intrusos e descartáveis e plantar em um vaso. Estranho, eu sei, mas eu sou meio estranho mesmo. Por isso, plantei aquele monte de matos em um vaso e o deixei em um canto do terraço.

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Qual não foi minha surpresa quando, cerca de uma semana depois, começaram a brotar lindas e delicadas flores amarelas naquele “mato” (veja a foto no início deste post). Assim que me dei conta, passei a enxergar aquela planta com um olhar totalmente diferente, de alegria, satisfação e encanto.

Isso é o que acontece quando Deus permite que as coisas em nossa vida aconteçam de modo diferente da que esperávamos, quando somos surpreendidos por imprevistos e assaltados por situações com as quais não contávamos: achamos que são “mato” e que seu propósito é apenas atrapalhar. Com frequência, atribuímos ao azar ou ao diabo os problemas da vida e murmuramos, inconsoláveis e revoltados: “Deus, como o Senhor permitiu que todo este ‘mato’ nascesse na minha vida? Estava tudo tão bem, tudo seguia meu plano original e, de repente, perco o controle e vem esse imprevisto! Que Deus é esse que permite que nasçam matos no meio do meu jardim?!”. O resultado é revolta, insatisfação, ansiedade, medo, sofrimento.

Só que, como essa experiência bem me mostrou, o problema não é o “mato” que brota em nossa vida, isto é, as situações imprevistas que nos assaltam sem mandar aviso. O problema não é o “mato” dos acontecimentos aparentemente desagradáveis que surgem em nossa jornada e que complicam o dia a dia. O problema, meu irmão, minha irmã, é não percebermos que, muitas e muitas vezes, aquele “mato”, na verdade, é uma linda planta florida enviada por Deus por razões que, naquele momento, desconhecemos.

Confiança inabalável_Banner Apenas

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Se, em vez de nos preocuparmos em apenas tentar arrancar tais acontecimentos intrusos da nossa jornada, em meio a muita reclamação, revolta e sofrimento, confiássemos de forma inabalável em Deus e esperássemos com paciência para ver a razão de aquela vegetação ter brotado ali, veríamos lindas flores nascer em nosso caminho.

Assim que vi as flores amarelas, fui pesquisar e, pelo que averiguei, me parece que aquela planta não é mato, mas, sim, uma belíssima lismáquia. E, agora, ela repousa, elegante, bela e decorativa, em um canto de meu apartamento, contribuindo com a beleza natural que quebra a dureza do concreto do local.

Meu irmão, minha irmã, será que neste momento o jardim da sua vida está cheio de “matos” intrusos, que nasceram sem você plantar? E esse “mato” tem incomodado você, por achar que a única função dele na sua jornada é atrapalhar, frustrar seus planos, desanimar e irritar, trazer insegurança e dor? Se é o caso, saiba que, embora você não se dê conta disso, esse “mato” na verdade pode ser uma belíssima planta florida trazida pela suave brisa de Deus para, no tempo certo, embelezar o jardim da sua vida.

Tenha calma. Não se apresse em reclamar ou tentar arrancar esse “mato”. Em vez disso, ore ao Senhor, confie nele com confiança inabalável e saiba que o Deus de amor não abriu mão do controle sobre sua vida. Ele segue amando você, cuidando do seu jardim e enviando lindas flores para brotarem na estrada da sua vida.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >