Posts com Tag ‘chorar com quem chora’

IMG_2785Atrás do edifício em que moro há um grande condomínio. O que separa os dois é um precipício de cerca de sete andares de altura, que fica logo abaixo da janela do meu quarto, um vão enorme entre dois muros, que me lembra um pouco os antigos fossos dos castelos medievais (foto). Por ter um bosque e ser muito arborizado, o condomínio vizinho conta com uma fauna bastante rica, com pássaros, gambás, micos e gatos. Um gatinho escolheu como lugar de repouso um muro bem próximo de minha janela e, por isso, tornou-se conhecido da minha família. Chegamos a dar-lhe um apelido: Charlie. Recentemente, porém, Charlie nos surpreendeu: olhando para um vão que fica à beira do precipício, notei que o gato preto e branco aninhava em seu regaço três gatinhos. Sim, Charlie, para nossa surpresa, é uma fêmea. E, agora, mãe. Mas não foi esse aspecto que mais me chamou a atenção: confesso que o local que ela escolheu para dar à luz me preocupou muito, por ficar a centímetros do enorme abismo. Se um gatinho daqueles se arrastar uns vinte a trinta centímetros para o lado, mergulhará rumo à morte certa.

Infelizmente, não há nada que eu possa fazer, pois o local é inacessível. Fica junto à raiz de uma árvore, cravada na encosta do abismo. Tudo o que está ao meu alcance é orar e ficar observando, torcendo para que nenhum dos bichinhos perca a vida. Por isso, tenho passado alguns momentos, em diferentes dias, sentado junto à janela, observando como aquela família se comporta. Pois, se for o caso, me prontifiquei a chamar o corpo de bombeiros para remover os bichinhos para um local mais seguro.
.
Tenho notado que há uma certa rotina nas ações da gata (que rebatizamos de Charlene, após descobrir que ele, na verdade, é ela). A esmagadora maioria do tempo, ela passa deitada, junto com os filhotes. Consigo ver que eles mamam bastante e ela fica ali, junto. Mas mamãe precisa se alimentar e, de vez em quando, sai do vão à beira do abismo para comer, beber e fazer qualquer outra coisa. Mas, enquanto pode, a gata fica junto de seus filhotes, protegendo, alimentando, cuidando, dando calor e aconchego. Há alguns dias choveu. E, mesmo assim, mamãe gato ficou ali, esquentando os filhotes com sua presença, totalmente encharcada, mas firme em seu papel de apoio, proteção e amparo.
.
Houve um momento tenso: um dos três gatinhos começou a se arrastar e, pouco a pouco, foi se aproximando perigosamente da beira do abismo. Tive quase certeza de que ele cairia. De repente, Charlene se levantou, com bastante calma, foi até ele, segurou com a boca a pele da sua nuca e o carregou de volta ao local onde estavam deitados. Deitou-o cuidadosamente e voltou a se aninhar. Vi essa situação ocorrer, na verdade, duas vezes.
IMG_2771As horas em que mais fiquei nervoso foram aquelas em que a gata saiu do local e partiu para fazer qualquer outra coisa, deixando os três sozinhos. Eu sei onde Charlene se alimenta: os moradores de um prédio próximo deixam na calçada da rua um pote de ração e outro de água, a que ela e outros gatos da região sempre recorrem. Então, quando a mamãe sai, vejo que ela dispara em direção ao local de alimentação e desaparece por alguns minutos. Os filhotes ficam imóveis, o que me mostra que a gata só sai quando sabe que os três estão dormindo. Menos de dez minutos depois, ela reaparece e repete um mesmo ritual: segue até um telhado próximo, de onde consegue ver a cria, e anda para lá e para cá – acredito eu que para se exercitar um pouco, se alongar e se movimentar. Mas, assim que ela começa a ver movimento ou a ouvir o miado fraquinho de um deles, retorna à sua posição de mãe, aninhando os três em sua barriga e dando início a mais um longo período de permanência junto aos bebês (foto).
.
Gostaria agora de fazer uma analogia entre essa situação e a vida de fé. Você provavelmente deve estar achando que vou comparar a gata a Deus e nós aos seus gatinhos, pois, afinal, a mamãe gato cuida dos filhinhos, certo? Na verdade, não. Embora seja natural enxergar o nosso Senhor em atitudes protetoras, minhas reflexões me levaram a ver muito mais outra pessoa no papel da gata: você.
.
Deus não criou a Igreja como uma coletividade à toa. Porque seres que se isolam não encontram amparo em ninguém. O Senhor não idealizou uma comunidade de filhos solitários, ao estilo cada-um-por-si. Não. Ele deseja que cuidemos uns dos outros, segundo um princípio muito simples: “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade” (Ec 4.9-12).
.
Ninguém se basta, meu irmão, minha irmã; precisamos uns dos outros. A questão é que, em determinados momentos, uns precisam mais que outros. Hoje, eu preciso mais de você; amanhã, você precisa mais de mim. Nunca se sabe de que lado vai soprar o vento. Se estamos fracos, precisamos que alguém nos carregue para longe do abismo. Mas, quando vemos que o próximo é quem precisa de amparo, o nosso papel é entregar-nos em sacrifício de amor.
.
Como filhos de Deus, que precisam amar o próximo como a si mesmos, precisamos aprender a sair do conforto, abrir mão de momentos de lazer, suportar chuva e frio ao lado dos irmãos. Não existe vida cristã sem compaixão. E “compaixão” é uma palavra que significa, exatamente, “sofrimento compartilhado”. Se você quer viver plenamente o evangelho, aprenda a compartilhar o sofrimento do próximo. A chorar com quem chora. A fazer o que Jesus fez: deixar por algum tempo seu conforto de lado por amor a quem precisa (Jo 3.16).
.
Viver é uma atividade muito perigosa. A cada passo que damos, a cada curva do caminho, encontramos problemas: sofrimento, depressão, dor, medo, ansiedade, pânico, carência, solidão, desespero, falta de dinheiro, insegurança… Os minutos da existência são como instantes tensos à beira do abismo, sempre com o risco de perdermos o equilíbrio e mergulharmos rumo a um fim tenebroso e apavorante. Mas, se nos dispusermos a cuidar uns dos outros como uma gata cuida de seus filhotes, enfrentaremos tempestades, vento e frio à beira do precipício e vamos dar e receber calor, apoio, alimento, proteção.
.
Alguém que você conhece está se arrastando cegamente em direção ao precipício? Não fique indiferente. Saia de seu conforto, vá até ele e o resgate. Traga-o de volta ao calor e à proteção da família, seja um agente de vida. Pois viver não é apenas não estar morto. Viver é ter sentimento de pertencimento, cuidado, carinho, afeto. Nesse sentido, seja um doador de vida.
.
Os gatinhos desamparados precisam de você. Pois você é o instrumento que Deus pôs ao lado deles para zelar por sua jornada. Não espere que outros façam aquilo que está ao seu alcance. Se você for até a esquina, pode ser que, nesse meio-tempo, o gatinho caia no abismo. Não permita que isso ocorra: acolha-o enquanto ainda é tempo. E, se vier a chuva, molhe-se com ele, sem retroceder, sem dar as costas, porque, assim, você sentirá na pele o que o próximo está enfrentando. Não foi isso que Jesus fez ao tornar-se homem?
gatoTem um aspecto bonito nessa história, algo que ainda não mencionei. Charlene fica deitada à beira do precipício, mas seu companheiro, um gato branco e preto, fica constantemente  perto. Ele, em geral, permanece deitado no telhado de uma casa ao lado, sempre rondando (foto). Quando a mãe sai para se alimentar, ele fica vigiando a prole. Não sei dizer o que aconteceria se um dos filhotes aproveitasse a ausência da mãe para se dirigir ao abismo, pois isso não ocorreu até agora. Mas tenho a firme impressão que o pai vigilante correria e impediria que o gatinho perecesse. Deus nos delegou a atribuição de cuidarmos uns dos outros. Delegou a você essa tarefa. Mas pode ter certeza de que ele está constantemente atento, sempre por perto, mesmo que você não perceba. E, na hora em que as ameaças surgem, mil cairão ao teu lado, dez mil à tua direita, mas ele sempre sairá em socorro de seus filhos.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

 .
Perdaototal_Banner Blog Apenas
Clicando no banner você vai à loja virtual da editora Mundo Cristão
Anúncios

Julio CesarO goleiro Julio César, da seleção brasileira de futebol, deu uma entrevista ao final do jogo de Brasil e Chile, pela Copa do Mundo, em que transmitiu uma enxurrada de emoções (veja AQUI). Duramente criticado na Copa de 2010 por sua atuação na partida em que fomos eliminados, contra a Holanda, agora ele se viu numa posição de redenção ao defender dois pênaltis e manter a seleção canarinho na competição. Nessa referida entrevista ele transmitiu todo o sentimento represado que esmagava seu peito. Se você acompanha o APENAS há algum tempo, sabe que não sou muito fã de futebol e, por isso, não costumo assistir a jogos. Esse meu desinteresse pessoal me fez assistir às três primeiras partidas do Brasil na Copa com certa estoicidade, a ponto de ter chegado em casa aos 25 minutos de jogo na disputa contra o México (aproveitei as ruas vazias para resolver algo que precisava fazer). Assim, a possibilidade de os jogos do Brasil mexerem com minhas emoções era bem reduzida. Mas aí chegou Julio César. E, quando ele chorou, eu chorei junto.

Fiquei pensando sobre esse fato depois. O que levou a mim, alguém que não dá muita atenção a futebol, a derramar lágrimas junto com Julio? Eu não passei pelo que ele passou. Não vivenciei na pele suas noites insones, o ostracismo profissional, os olhares maldosos, as críticas ferrenhas. Não tenho ideia do sentimento que assolou aquele homem pelos últimos quatro anos. E, embora tenha vivido uma pequena parcela da emoção dele quando defendeu os pênaltis e, assim, manteve o Brasil na Copa, certamente minha emoção não resvalou a sola da chuteira da dele em termos de intensidade. Então por que eu chorei? Por que solucei ao ver os olhos vermelhos, a falta de palavras, os lábios trêmulos, a explosão contida de sentimentos daquele homem?

Empatia.

Empatia é o fenômeno emocional de identificação com uma pessoa. É quando conseguimos entrar na pele do outro e sentir o que ele sente. Sentir empatia pela dor alheia faz você chorar abraçado a um amigo que perdeu um parente que você nem ao menos conhecia, faz você levar doações a uma cidade distante após uma enchente por ter ficado tocado pela tragédia de terceiros, faz você sentar no meio-fio ao lado de um mendigo para bater papo enquanto ele come uma refeição que você entregou, faz você abrir mão de benefícios próprios em função do outro. Em linguagem bíblica, empatia é o que Paulo definiu muito bem em Romanos: “Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram.” (Rm 12.15).

choro1É impossível ser cristão se você não tem empatia. Jesus falou sobre isso na parábola do bom samaritano. Os religiosos de então não sentiram empatia pelo homem que vivia aquele momento de sofrimento, mas o samaritano sentiu. “Um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele” (Lc 10.33). A  piedade que leva à ação é prova de que houve empatia. E sublinhe “que leva à ação”, porque piedade no discurso mas que não gera nenhuma atitude concreta é, na verdade, hipocrisia maquiada de boas intenções. Foi impossível para aquele samaritano deixar o outro homem caído, desassistido. Ele sentiu em si a dor do próximo, o amou e agiu em favor dele. Com isso, cumpriu o grande mandamento, de amar o próximo como a si mesmo. Fica claro, então, que só consegue amar o próximo quem consegue sentir a dor dele. Chorar com ele. Quem não sente empatia pelo sofrimento alheio não passou pelo novo nascimento: é absolutamente impossível alguém que foi regenerado pelo Espírito Santo dar as costas à dor do próximo. Impossível.

Sem empatia não haveria a encarnação de Cristo e, tampouco, salvação. A Bíblia fala que a motivação de Deus ao enviar o Filho em sacrifício por muitos foi a empatia do Criador por suas criaturas: “Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). A Trindade se compadeceu da humanidade, sentiu em si a dor do pecado e da perdição e agiu em nosso favor. Não é à toa que a redenção veio mediante toda a dor que Jesus sentiu, ao ser abandonado, humilhado, espancado, cuspido, açoitado, crucificado. É como se ele nos dissesse “Quero sentir em mim a dor que o pecado causa em vocês”.

Os evangelhos nos mostram que a empatia de Jesus pelos sofredores o acompanhou durante todo seu ministério terreno. Podemos ver que ele agiu muitas vezes em favor dos necessitados movido unicamente pela íntima compaixão que sentia por eles (Cf. Mt 9.36; 14.14; 15.32; 20.34; Mc 1.41; 6.34; 8.2; Lc 7.13). Assim, a empatia de Cristo pela humanidade é a raiz daquilo que devemos ter em nós como fruto, para nos conformarmos à imagem de Jesus. Alguém que não consegue se alegrar com os que se alegram e, principalmente, chorar com os que choram precisa urgentemente buscar a face de Deus, porque algo não está bem em sua espiritualidade. Fé cristã pressupõe empatia.

“Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ O Rei responderá: ‘Digo-lhes a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’” (Mt 25.37-40). A Bíblia é clara: só quem chora com quem chora tem parte com Cristo.

cruzÉ devido à empatia pelo próximo que somos levados a doar para os necessitados, pregar para os perdidos, amparar os pobres, abraçar os solitários, amar os inimigos, perdoar os que nos ofenderam, dar de comer a quem tem fome e de beber a quem tem sede. A empatia é o princípio da solidariedade, da caridade, do amor cristão. Nada mais triste do que ver um cristão egoísta ou sovina, pois isso revela muito sobre a sua fé. Quer saber a resposta para a pergunta do título deste texto? Quer saber como anda a sua fé? Basta se lembrar de quando foi a última vez que você sentiu em si a dor do outro e agiu desinteressadamente em benefício de alguém. De quando abriu mão de si pelo próximo. De quando derramou lágrimas junto com o triste, o fraco, o abatido – simplesmente porque ele também estava derramando lágrimas. Tem muito tempo? Fez isso muitas vezes? Pense nessas perguntas e, quando tiver uma resposta, você terá uma boa medida de como anda a sua fé.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício