Julio CesarO goleiro Julio César, da seleção brasileira de futebol, deu uma entrevista ao final do jogo de Brasil e Chile, pela Copa do Mundo, em que transmitiu uma enxurrada de emoções (veja AQUI). Duramente criticado na Copa de 2010 por sua atuação na partida em que fomos eliminados, contra a Holanda, agora ele se viu numa posição de redenção ao defender dois pênaltis e manter a seleção canarinho na competição. Nessa referida entrevista ele transmitiu todo o sentimento represado que esmagava seu peito. Se você acompanha o APENAS há algum tempo, sabe que não sou muito fã de futebol e, por isso, não costumo assistir a jogos. Esse meu desinteresse pessoal me fez assistir às três primeiras partidas do Brasil na Copa com certa estoicidade, a ponto de ter chegado em casa aos 25 minutos de jogo na disputa contra o México (aproveitei as ruas vazias para resolver algo que precisava fazer). Assim, a possibilidade de os jogos do Brasil mexerem com minhas emoções era bem reduzida. Mas aí chegou Julio César. E, quando ele chorou, eu chorei junto.

Fiquei pensando sobre esse fato depois. O que levou a mim, alguém que não dá muita atenção a futebol, a derramar lágrimas junto com Julio? Eu não passei pelo que ele passou. Não vivenciei na pele suas noites insones, o ostracismo profissional, os olhares maldosos, as críticas ferrenhas. Não tenho ideia do sentimento que assolou aquele homem pelos últimos quatro anos. E, embora tenha vivido uma pequena parcela da emoção dele quando defendeu os pênaltis e, assim, manteve o Brasil na Copa, certamente minha emoção não resvalou a sola da chuteira da dele em termos de intensidade. Então por que eu chorei? Por que solucei ao ver os olhos vermelhos, a falta de palavras, os lábios trêmulos, a explosão contida de sentimentos daquele homem?

Empatia.

Empatia é o fenômeno emocional de identificação com uma pessoa. É quando conseguimos entrar na pele do outro e sentir o que ele sente. Sentir empatia pela dor alheia faz você chorar abraçado a um amigo que perdeu um parente que você nem ao menos conhecia, faz você levar doações a uma cidade distante após uma enchente por ter ficado tocado pela tragédia de terceiros, faz você sentar no meio-fio ao lado de um mendigo para bater papo enquanto ele come uma refeição que você entregou, faz você abrir mão de benefícios próprios em função do outro. Em linguagem bíblica, empatia é o que Paulo definiu muito bem em Romanos: “Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram.” (Rm 12.15).

choro1É impossível ser cristão se você não tem empatia. Jesus falou sobre isso na parábola do bom samaritano. Os religiosos de então não sentiram empatia pelo homem que vivia aquele momento de sofrimento, mas o samaritano sentiu. “Um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele” (Lc 10.33). A  piedade que leva à ação é prova de que houve empatia. E sublinhe “que leva à ação”, porque piedade no discurso mas que não gera nenhuma atitude concreta é, na verdade, hipocrisia maquiada de boas intenções. Foi impossível para aquele samaritano deixar o outro homem caído, desassistido. Ele sentiu em si a dor do próximo, o amou e agiu em favor dele. Com isso, cumpriu o grande mandamento, de amar o próximo como a si mesmo. Fica claro, então, que só consegue amar o próximo quem consegue sentir a dor dele. Chorar com ele. Quem não sente empatia pelo sofrimento alheio não passou pelo novo nascimento: é absolutamente impossível alguém que foi regenerado pelo Espírito Santo dar as costas à dor do próximo. Impossível.

Sem empatia não haveria a encarnação de Cristo e, tampouco, salvação. A Bíblia fala que a motivação de Deus ao enviar o Filho em sacrifício por muitos foi a empatia do Criador por suas criaturas: “Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). A Trindade se compadeceu da humanidade, sentiu em si a dor do pecado e da perdição e agiu em nosso favor. Não é à toa que a redenção veio mediante toda a dor que Jesus sentiu, ao ser abandonado, humilhado, espancado, cuspido, açoitado, crucificado. É como se ele nos dissesse “Quero sentir em mim a dor que o pecado causa em vocês”.

Os evangelhos nos mostram que a empatia de Jesus pelos sofredores o acompanhou durante todo seu ministério terreno. Podemos ver que ele agiu muitas vezes em favor dos necessitados movido unicamente pela íntima compaixão que sentia por eles (Cf. Mt 9.36; 14.14; 15.32; 20.34; Mc 1.41; 6.34; 8.2; Lc 7.13). Assim, a empatia de Cristo pela humanidade é a raiz daquilo que devemos ter em nós como fruto, para nos conformarmos à imagem de Jesus. Alguém que não consegue se alegrar com os que se alegram e, principalmente, chorar com os que choram precisa urgentemente buscar a face de Deus, porque algo não está bem em sua espiritualidade. Fé cristã pressupõe empatia.

“Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ O Rei responderá: ‘Digo-lhes a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’” (Mt 25.37-40). A Bíblia é clara: só quem chora com quem chora tem parte com Cristo.

cruzÉ devido à empatia pelo próximo que somos levados a doar para os necessitados, pregar para os perdidos, amparar os pobres, abraçar os solitários, amar os inimigos, perdoar os que nos ofenderam, dar de comer a quem tem fome e de beber a quem tem sede. A empatia é o princípio da solidariedade, da caridade, do amor cristão. Nada mais triste do que ver um cristão egoísta ou sovina, pois isso revela muito sobre a sua fé. Quer saber a resposta para a pergunta do título deste texto? Quer saber como anda a sua fé? Basta se lembrar de quando foi a última vez que você sentiu em si a dor do outro e agiu desinteressadamente em benefício de alguém. De quando abriu mão de si pelo próximo. De quando derramou lágrimas junto com o triste, o fraco, o abatido – simplesmente porque ele também estava derramando lágrimas. Tem muito tempo? Fez isso muitas vezes? Pense nessas perguntas e, quando tiver uma resposta, você terá uma boa medida de como anda a sua fé.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Anúncios
comentários
  1. julymontiel disse:

    Obrigada por compartilhar, Mauricio. O Texto é edificante e me levou a uma profunda reflexão! Fique na paz!

  2. Iara Souza disse:

    Meu querido irmão em Cristo!!!

    Que lindas palavras! Poderiam ser escritas por mim, mas prefiro pensar que Deus escolheu você para isso. Afinal, alguém poderia me julgar precipitadamente, ante tudo que disse sobre as pessoas não se identificarem com o próximo, quando passei pela dor da perda do meu irmão. Poderiam pensar que tava querendo mandar recado. rsrs
    Amei demais e vou compartilhar (o que é bom precisa ser levado adiante), para que as pessoas possam ter ideia da medida da fé.
    Empatia, um preceito secular, que poderia ter em seu significado a expressão “sensibilidade espiritual”. Estar sensível ao que o outro sente não é o que encontramos na vida dos que se dizem cristãos. Lamentável… =/
    Que bom ter lido estas palavras. Aqueceram-me o coração! Muito obrigada! =)
    Que possamos seguir os passos do melhor exemplo de empatia: Jesus Cristo, nosso Senhor!

    Um grande abraço!!!
    Fica na paz!!!

    • Oi, Iara, tudo bem?
      .
      Fico feliz que as palavras desta reflexão aqueceram teu coração, mana. Agradeço a Deus por isso.
      .
      Outro abraço pra ti, na paz e na graça do Pai,
      mz

  3. anobre77 disse:

    Oi Maurício!! Tudo bem?
    Rapaz, esse post somado ao anterior gera uma reflexão profunda … quem sou eu? Que tipo de cristão tenho sido?
    Às vezes choramos mais por nós mesmos do que pelo próximo … acho que até a dor está mais egoísta: essa é minha, tenho muito trabalho pra cuidar dela; o outro que se vire com a dele e assim vai … hoje falei com uma amiga do trabalho: “Vi uma coisa e lembrei de você” … e ela me disse: “Espero que não seja nada triste, porque de tristeza estou por aqui” … mas ali estava ela rindo e de repente me vem com essa: “de tristeza estou por aqui”. Confesso, nem pensei em perguntar “por que?”, afinal já tenho a minha dor, como disse, pra me virar. Espero que eu consiga melhorar como cristão … e pensar no que você escreveu vai me ajudar.
    Abraço mano!!

    • Oi, Alexandre, tudo bem, obrigado.
      .
      “Que tipo de cristão tenho sido” é uma reflexão que constantemente precisamos fazer. Sem dúvida, a tentação de vivermos o “evangelho” do “me dá” é muito grande. Só a percepção de que não estamos no centro do universo é capaz de nos livrar disso. Fico feliz que o texto te impulsione nesse sentido.
      .
      Abraço pra ti, na paz de Cristo,
      mz

  4. Linda a reflexão, linda.Meus olhos marejaram ao ver o Julio chorando pela vitória e superação que teve. O fato é que o ser humano, naturalmente o não regenerado em Cristo, condena sem cessar. Como você disse, mano, quem sabe as noites que o nosso goleiro passou, as críticas sem cessar, e as zombaria e brincadeiras de mal gosto que fizeram a ele? Só Deus e ele sabem. Se você sentiu empatia ao vê-lo chorando após a vitória sobre o Chile, imagine se visse a matéria que fizeram em homenagem a ele. Logo após a eliminação do Brasil em 2010, e sua falha como goleiro, veio contra ele uma enxurrada de críticas, milhares de pessoas em todo o mundo, condenando sua atuação. Sendo assim, seu trabalho como goleiro foi totalmente desvalorizado. Então, ele foi contratado para um time não conhecido do Canadá. Foi de considerado um dos melhores goleiros do mundo, para considerado um dos piores. Então Julio nesse documentário, narra a história nesses 4 anos que se passaram, contando que ele obteve ajuda do filho pequeno, para retornar a seleção. Ele diz que seu filho ficou feliz, dizendo: “poxa, vou ajudar meu pai a voltar para seleção!” E seu filho treinava com ele constantemente, e por incrível que pareça, isso de fato o ajudou. Ele chora nesse documentário, dizendo: “imagine, tive que recorrer ao meu filho para me ajudar a voltar para seleção.” Aquelas imagens de seu filho treinando com ele me fez lacrimejar, confesso.
    Não é facil para uma pessoa pública e tão famosa como o Julio, superar toda essa turbulência emocional, e voltar com a cabeça erguida para seleção, dá a volta por cima, e se superar. Claro, acredito veemente, que sendo Deus misericordioso, viu todo o sofrimento desse atleta, e colocou a Sua mão sobre ele.

    Abraços, mano, no amor de Cristo.
    Ps: quero lhe deixar esse hino, lindo. Se puder ouvir, mano. Não sei se conhece, Ele é Deus do William Nascimento.
    m.youtube.com/watch?v=iFXn_qIjU_0&ctp=CAMQpDAYASITCOz11bLgqb8CFUSnywodbFgAylIed2lsbGlhbSBOYXNjaW1lbnRvIGVsZSDDqSBEZXVz&client=mv-google&gl=BR&guid=&hl=pt

  5. jacyps disse:

    Mauricio, não imaginas o quanto Deus tem te usado para falar comigo! Soli Deo Gloria! Deus te abençoe muuuitoo! Abraço fraterno a ti e aos teus.

  6. Nadia Malta disse:

    Como sempre uma boa e oportuna reflexão! Compaixão e empatia andam juntas. Tem sido cada vez mais raro sentirmos a dor do outro em nosso coração! Que o Senhor nos faça perceber seus disfarces em nome de Jesus! Deus te abençoe meu irmão!

    • Oi, Nádia,
      .
      eu creio que isso já é o cumprimento da profecia que diz que nos últimos tempos o amor de muitos esfriaria. É o que mais tenho visto.
      .
      Abraço fraterno, no amor de Jesus,
      mz

  7. roberto disse:

    Olha mauricio eu tambem não sou muito chegado a futebol, mas eu adoro copa do mundo devido a qualidade dos times, e a eurocpa tbm,nesta copa assisti todos os jogos, e um jogo foi melhor que o outro, jogo da seleção então me dá nos nervos,alias haja nervos sou muito emocional, rs, seu post de hoje foi perfeito, nao tem mais o que acrescentar, mais uma coisa voce se esqueceu, que tem muitas pessoas de outras religiões entre eles os espiritas, e ateus tambem que fazem trabalhos voluntarios em favor do proximo que dá de dez a zero em muito cristãos, eu inclusive,um forte abraço pra voce e a todos aqui.

    • Oi, Roberto,
      .
      na verdade, não é que eu tenha me esquecido, mas esse não era o foco do texto. Como se trata de uma reflexão voltada para cristãos, foquei naquilo que nos concerne, ok?
      .
      Abraço carinhoso pra ti, na paz de Deus,
      mz

  8. André Barreto disse:

    Excelente texto Mauricio !
    Que Deus continue a abençoa-lo, em todas as áreas de sua vida !
    Abs

  9. marcojuric disse:

    Bom dia Zágari!

    Excelente!!

    Abração irmão!!

    mj

  10. Edina Oliveira disse:

    Olá Mauricio,

    Você sentiu pena do goleiro Julio Cesar a ponto de chorar também, mesmo sem conhece-lo pessoalmente, sem ter nenhum tipo de relacionamento com ele, e isso revela que o Espírito de Deus habita em você.
    Obrigada pelos textos maravilhosos. O que você escreve tem me ajudado muito, e tenho certeza, também tem ajudado diversas pessoas.

    Deus te abençoe e aos seus!!!

  11. andreia disse:

    mano só tenho uma coisa a dizer…..AMÉM!!!!!amém!!!!!!! e AMÉM!!!!!!!!!]

    CLAMO ao Senhor que o óleo da unção CONTINUE dia a dia sendo derramado sobre ti e tua casa

    Com muito amor agradecimento por essas postagens e ORAÇÕES

    Andreia Araujo

  12. Zuleica Zanini disse:

    Oi. Acho mesmo que dá para ter fé quando buscamos a Jesus no individual. Mas ela depois de um certo tempo fica “fraca”. Pode ser que seja isso que esteja acontecendo. As pessoas estão sós. Estão isoladas. No máximo estão apenas com a sua família. E isso enfraquece a fé. Ela só olha para o “umbigo” dela. Creio que exista até uma dificuldade de muitos não conseguir ter comunhão com o próximo, pelo simples fato, de ter sido magoado, seja na Igreja ou fora dela. Em função disso, a solidariedade é escassa, quase inexiste. E a empatia desaparece, mesmo dentre os cristãos. Precisamos com urgência orarmos e clamarmos a Deus que resgate em nós esse olhar pelo outro. Grata 😀

    • Olá, Zuleica,
      .
      o problema existe, de fato, mas creio que não podemos nos conformar com ele. Pessoas que foram magoadas dentro das igrejas deveriam usar esse aprendizado para edificar o Corpo e ensinar outros, em vez de simplesmente deixar a congregação. Temos errado porque sempre buscamos a saída que exige menos de nós, quando o evangelho em si sempre propõe esforço. Cristianismo é uma religião de coletividade e não podemos abrir mão disso. É como querer jogar uma partida de futebol sozinho no estádio. Com certeza dá para chutar a bola de um lado para o outro, mas é um jogo feito para ser jogado com 22 pessoas. Precisamos resgatar a comunhão e a solidariedade. Clamemos e façamos nossa parte.
      .
      Abraço carinhoso pra ti, na paz de Cristo,
      mz

  13. Yuri Nascimento disse:

    Olá Maurício, sou um grande fã de seus textos e do modo como você procura explicar as coisas. Hoje eu estou diante de um “problema”, minha namorada é feminista e minha mãe disse que isso é um movimento que veio do inferno. Já procurei outros estudos sobre tal, mas ao meu ver não são confiáveis e tem muitas falhas. Eu gostaria muito de ler algo sobre isso vindo de ti, que já estou familiarizado e já confio também. Espero que pense no meu pedido rsrs. Muito obrigado

    • Yuri, olá,
      .
      obrigado pelo carinho e a gentileza de suas palavras. Sobre o movimento feminista, de fato ele é totalmente antibíblico, pois procura estabelecer a mulher em uma posição que não coaduna com o que a Bíblia determina. Eu editei um livro que está saindo agora em julho e que fala exatamente sobre isso, recomendo que você e sua namorada leiam. Chama-se “Seja feliz hoje”, da autora Helena Tannure (editora Mundo Cristão). Chega às lojas este mês e aborda com muito mais profundidade essa questão, recomendaria que você procurasse ler. Vai te dar uma base bastante boa sobre todo esse problema. Espero que te ajude.
      .
      Abraço fraterno, Deus o abençoe e o conduza em suas decisões,
      mz

  14. Ola, Maurício.
    Meu irmão, me perdoe o incômodo novamente. Mas estou com uma dúvida incessante na minha cabeça.
    Sei bem que você é um bom apreciador de cinema, pois até trabalhou(ou trabalha) nessa área. Sei que até então você tinha um site inerente ao tema. Portanto, queria que, se possível, de uma forma resumida, me tirasse uma dúvida. Você não é obrigado a responder minha questão, deixo claro, que entenderei se não quiser responder. Mas é algo relacionado a minha vida espiritual. Eu amo assistir filme, amo tudo que se refere a cinema. Entretanto, fico me pergutando, até que ponto posso gostar de algo do gênero, e que tipo de filmes não posso assistir? Pois alguns podem ter influência em minha comunhão com Cristo, devido ao conteúdo. Vou ser mais claro: eu amo, tenho como favorito, um musical, norte-americano e australiano, chamado “Moulin Rouge”, que se passa por volta de 1989, com certeza deve conhecer. É protagonizado por Nicole Kidman e Ewan McGregor. Narra a história de um jovem romântico escritor(Christian) que vai até Montmartre, em Paris, onde se encontra o bordel, clube de dança, chamado “Moulin Rouge”, que é dirigido por Harold Zidler. Este jovem se apaixona por uma dançarina de cancan, e prostituta de alta classe, sendo que um Duque de Monroth, este que é riquíssimo, é tomado de uma paixão doentia

    • Olá, Fernando,
      .
      cinema é como qualquer outra coisa da vida: em si não configura pecado ou mal algum. Mas precisamos discernir ao que ver e ao que não ver por meio dessa mídia. Se, ao ler uma sinopse, você já sabe antes mesmo de comprar o ingresso que tem cenas de nudez ou algo do gênero, para que consumir? Melhor é se preservar. Importa que você conheça a Palavra e tenha intimidade com Deus para ter sensibilidade e evitar assistir àquilo que te fará mal. Já assisti algumas vezes ao “Moulin Rouge”, não vejo grandes males nesse filme. Não é porque há prostitutas que torna-se um filme impróprio (senão não poderiamos ler na Bíblia a historia de Raabe, não é?). A questão é: até que ponto esse filme “domina” sua vida? Tudo aquilo que não somos capazes de viver sem torna-se um ídolo e se você perceber que “não consegue viver” sem assistir a esse filme, aí sim deve parar de assisti-lo, porque ele estará ocupando um espaço despropositado na sua vida. Discernimento espiritual e bom senso, sempre.
      .
      Espero ter ajudado.
      .
      Abraço pra ti, no amor de Deus,
      mz

  15. obrigado, mano. Ajudou bastante sim.
    a paz de Cristo

  16. Vivian disse:

    Oi Maurício.

    Nossa que difícil. Não é fácil ser cristão. Só Deus pra nos fazer. E quando a gente não consegue se alegrar com a alegria de uma pessoa, só uma específica, pelo motivo da pessoa se envaidecer muito, até a fala muda sendo prepotente. É muito triste isso.Tenho orado muito, mas muito pra Deus mudar meu coração, reconheço que estou errada. Parabéns pelo texto!

    • Oi, Vivian,
      .
      não é fácil mesmo, por isso que sem Cristo nada podemos fazer. Dependemos do Senhor em tudo. Orar para que Deus mude seu coração é uma das melhores orações que se pode fazer, siga por esse caminho.
      .
      Abraço fraterno, na paz de Cristo,
      mz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s