Morro de vergonha de mim

Publicado: 24/06/2011 em Espiritualidade, História da Igreja, Igreja dos nossos dias, Pecado, Pessoal, Televisão

Olá, meu nome é Mauricio Zágari e eu morro de vergonha de mim. Tenho vergonha demais de mim, pra dizer a verdade. Eu acreditava que era um bom cristão, que fazia as coisas direitinho, que cumpria a cartilha de Deus. Até que descobri que estou a anos-luz de distância de ser um cristão como Cristo quer que eu seja. E por causa disso me envergonho tanto que mal tenho coragem de sair de baixo dos cobertores pela manhã.

Se você pudesse acompanhar minha vida cristã ao longo de uma semana por meio de uma câmera escondida até que ficaria bem satisfeito. Eu oro e leio a Biblia com regularidade. Aliás, já li a Biblia inteirinha, de Gênesis a Apocalipse. Leio bons livros cristãos. Cursei dois seminários teológicos. Todo domingo ponho meu uniforme de crente e vou ao culto. Com gravata e tudo. Chego à igreja, sorrio para as pessoas, falo jargões evangélicos, beijo as velhinhas. Quando alguém me elogia por alguma razão mostro toda a minha humildade e digo “Soli Deo Gloria”. Sim, sou o supra sumo da humildade cristã, sempre dando glória a Deus quando me destacam alguma qualidade.

Começa o culto, eu canto louvores, levanto as mãos, aperto meus olhos como forma de mostrar como a música está me tocando e como estou adentrando no Santo dos Santos graças à imensa espiritualidade que transpiro por todos meus poros. Na hora de cumprimentar os irmãos faço minha melhor cara de piedade. Entrego o dízimo ao pastor e presto muita atenção ao que ele está pregando. Ao final canto mais um pouco e termino o culto desejando uma semana abençoada aos irmãos. Volto para casa, oro antes de cada refeição, cumpro tudo o que manda o figurino. Sou um crente legal à beça. Faço minhas caridades – e não espere que vá contar aqui, afinal o que a mão direita faz a esquerda não seve saber e sou tão certinho que jamais te contaria de que modo dou dinheiro aos pobres. Aí ponho minha cabeça no travesseiro à noite, após orar impondo as mãos sobre minha filha no berço, e me deito para sonhar com os anjinhos, satisfeitíssimo com minha perfeita vida cristã.

Só que, pela manhã, desperto com alguém me cutucando. Alguém que faz questão de me acordar me convencendo do pecado, da justiça e do juízo. Viro pro outro lado. “Me deixa quieto”, resmungo, “tou fazendo tudo direitinho”. Cubro a cabeça com o travesseiro… mas não adianta. Acordo morrendo de vergonha de mim. Pois esse alguém começa a lembrar-me de coisas que eu preferiria não lembrar. A primeira coisa que Ele me diz é: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.” (Lc 10.27). Por mais sonado que eu esteja nessa hora percebo que nunca na minha vida amei Deus acima de todas as coisas, com 100% do meu coração e alma e forças. Sempre tive forças que poderia ter canalizado para minha relação com Deus… e não o fiz. Gosto muito dele, é verdade. Mas se eu o amasse tanto assim meu tempo seria menos dedicado a mim mesmo.

Falo de tempo pois ele é um bom termômetro das nossas prioridades: É naquilo que te é mais importante que você investe mais do seu tempo. E então comparo a quantidade de tempo que passo me relacionando intimamente com Deus e vejo quão pouco tempo de qualidade Ele tem recebido de mim. E ressalto “intimamente” pois não estou me referindo a aquelas orações clichês que todos fazemos, do tipo “Ó, Senhor meu Deus e meu Pai, Rei das galáxias, Senhor Deus eterno e inefável…”, mas sim a do tipo “Abba, Pai…”. Gasto tempo em comer; dormir; beber; jogar videogame; ver televisão; sair com amigos; namorar; escrever textos, livros e reportagens; trabalhar; fazer compras… E, por mais que eu ore diariamente, meu tempo de comunhão com o autor da minha vida é ridículo para quem eu deveria amar “de todo o meu coração, e de toda a minha alma, e de todas as minhas forças, e de todo o meu entendimento”. Tenho vergonha de mim por isso.

E quando eu achava que já tinha morrido suficientemente de vergonha vem aquele Alguém e sopra em meu ouvido: “E ao teu próximo como a ti mesmo”. Que piada. Chego a rir, com uma careta. Não, eu não amo meu próximo nem um centésimo do que amo a mim mesmo. Invisto em mim, busco o meu prazer, crio alternativas para me entreter, pago minha previdência, vou ao médico cuidar da minha saúde… cara, como eu me amo! Como eu cuido de mim! Não me desamparo, não me deixo ficar com fome, vou ao trabalho no ônibus mais caro porque, afinal, gosto tanto de mim que não me permitiria passar duas horas por dia num transporte que deixasse minhas costas doloridas. E então vejo as ações que faço pelo meu próximo que demonstram meu amor por ele e… morro de vergonha de mim. A verdade? Praticamente não faço nada pelo próximo. Aliás, pra não dizer que não faço, digo sempre um “tudo bem?” formal. E torço para que ele esteja bem mesmo, para que eu não tenha que ouvir suas lamúrias (afinal, ouvi-lo tomaria o tempo que EU poderia estar me lamuriando a ele).

Pensar nisso me faz morrer de vergonha. Então faço de tudo para não pensar. Pensar incomoda, afinal. Nos tira da zona de conforto. E, às vezes, até dói. E dói muito. Resolvo, então, como bom cristão, fazer meu devocional diário. Mas, miseravelmente, o trecho que leio da Palavra de Deus é “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas” (Mt 6.33). Aí eu penso o quanto me preocupo mais com a promoção no trabalho, com o dissídio, com o imposto de renda, com a troca do meu carro por um que chame mais a atenção das pessoas e outras praticidades da vida que percebo que “Reino de Deus” parece um troço tão distante e efêmero, algo como pessoas vestidas de branco andando numa nuvem ou gente desocupada caminhando por uma bela estrada de tijolos dourados, como no filme “O Mágico de Oz”.

Cometo o pecado maior para quem não quer sentir vergonha de si: leio a Bíblia. E morro de vergonha de mim. Vejo o que Deus disse ao jovem rico e percebo que eu tomaria a mesma atitude que aquele rapaz se estivesse no lugar dele. Vejo a passagem da mulher adúltera e sinto ódio daqueles judeus legalistas que queriam apedreja-lá, mas… me dou conta de que se estivesse ali eu teria uma pedra em cada mão. Medito na passagem do rico e Lázaro e percebo com um tremor no corpo que o nome daquele rico bem poderia ser o meu. Me vejo sem nenhuma fé quando a tempestade sacode o barco em que Jesus dorme e sou o primeiro a correr a Ele para acordá-lo. Critico os apóstolos que discutem para saber quem se sentará à direita de Cristo no Reino dele e percebo envergonhado que estou entre eles, querendo o tal lugar de destaque. Caio ferrado no sono no Monte das Oliveiras, sem atentar ao sofrimento do Messias, e quando o galo canta três vezes é para mim que o Mestre dirige seu olhar – mesmo sabendo que chego no culto, todo domingo, e digo do começo ao fim: “Senhor, tu sabes que te amo”.

Aflito de vergonha, corro para o Sermão do Monte que, afinal de contas, é tão bonitinho, tão poético, me faz sentir tão bem. Parece poesia de Vinícius de Morais, Fernando Pessoa ou Clarice Lispector. Frasezinhas tão gostosinhas de ouvir! Quem sabe até acho algumas para tuitar. Mas, meu Deus, começo a ler e aí então é que a vergonha come minhas entranhas. Me procuro nas bem-aventuranças e não me encontro. Ouço o Mestre falar sobre ser sal da terra e luz do mundo e diagnostico o quão insípido e escuro tenho sido. Percebo que a minha justiça é igualzinha à dos escribas e fariaeus, que nutro rancor por muitas pessoas, que meu sim muitas vezes é não e meu não muitas vezes é talvez. Amo meus amigos e odeio meus inimigos. Vergonha, vergonha, vergonha…

Chego a Mateus 6 e diagnostico o quanto ando preocupado com o que haverei de comer e beber. Os lírios do campo? Ah, fala sério! Os pássaros que Deus alimenta? Eu não tenho penas, camarada. Por isso atravesso meus dias vivendo cada dia meu mal e mais o mal do mês que vem, do ano que vem, da minha velhice. E morro de vergonha de mim.  E tem mais: eu julgo o meu próximo sim. Todos os dias.

Leio então sobre dar a outra face, andar a segunda milha e deixar a capa e tento lembrar da última vez que fiz essas coisas. Não consigo. Não me lembro. Será que é porque praticamente nunca fiz isso? Mas se for para lembrar da última vez que dei o troco a quem me ofendeu, ah, isso é fácil! Lembro mole mole da última, da penúltima, da antepenúltima e das últimas centenas de vezes que paguei olho por olho e dente por dente.

Chega a um ponto em que a vergonha que sinto de mim é tão grande que não suporto mais e ponho a Bíblia na mesinha de cabeceira. Chega de Bíblia! Chega de olhar nesse espelho tão vergonhoso! Chega de olhar para dentro de mim. Chega de perceber como sou um cristão tão distante do que Jesus quer que eu seja! Pego então um livro de História da Igreja para, sei lá, dar uma espairecida. Gosto de História. Mas o que leio ali não ajuda muito.

Leio sobre os primeiros cristãos. Leio sobre Policarpo, que ao ser ameaçado com a fogueira caso não negasse Cristo responde ao seu acusador “O senhor me ameaça com um fogo que queima durante uma hora e logo se apaga. Mas o fogo do julgamento futuro e do castigo eterno reservado para os ímpios, esse o senhor ignora. Mas por que está se delongando? Faça tudo o que lhe agradar”. E, em seguida, ergue os olhos ao Céu e ora ao Senhor: “Ó Pai, eu te bendigo por me teres considerado digno de receber o meu prêmio entre os mártires”. Comparo sua atitude com a vergonha que sinto de entregar um folheto evangelistico a alguém na rua. Minha vontade é me esconder na primeira fresta do piso que encontrar. Ou num buraco de rato – o que seria bem mais adequado.

Leio sobre as histórias de vida e morte de mártires como Maturo, Santo, Blandina, Lourenço, Albano, Átalo, Romano e outros que foram destroçados por confessar sua fé em Cristo e minhas lágrimas denunciam minha vergonha. Não suportando mais minha fé tosca e interesseira, troco o livro de História por “O Livro dos Mártires”, de John Foxxe, e abro em qualquer página, aleatoriamente, que me faça esquecer meu cristianismo raso e ridículo. E ali encontro o relato do menininho que confessa Cristo ante as autoridades pagãs e por isso tem o couro do alto da sua cabeça arrancado, com cabelo e tudo. Leio então que, ao ver isso, grita sua mãe: “Aguenta, filhinho! Logo tu verás Aquele que te enfeitará a cabeça nua com uma coroa de glória eterna”, diante do que o menininho sente-se animado e recebe os açoites com um sorriso no rosto. As lágrimas descem de vergonha pela minha face e mal consigo chegar ao final do relato, que chega junto com o final da vida daquela criança admirável: “Ao chegarem ao local escolhido, os carrascos arrancaram o filho da sua mãe, que o tomara nos braços. A mãe, limitando-se a beijá-lo, entregou a criancinha. ‘Adeus’, disse ela. ‘Adeus, meu doce filhinho. Quando tiveres entrado no reino de Cristo, lá no teu abençoado estado lembra-te da tua mãe’. E enquanto o carrasco aplicava a espada ao pescoço da criancinha, ela cantou assim: Todo louvor do coração e da voz nós te rendemos, Senhor. Neste dia em que a morte deste santo recebes com muito amor.

Meu Deus…. meu Deus… meu Deus….

E morro, mas morro de vergonha ao perceber que estou lendo o livro deitado numa cama confortável, com música ambiente, edredom, refirgerante, um bom sanduíche e ar condicionado.

Leio sobre os cristãos que se venderam como escravos para poder pregar o Evangelho na Indonésia, onde, de outra forma, não conseguiriam entrar para levar a mensagem da Cruz. Entro no website do Ministério Missão Portas Abertas e descubro que milhares morrem todos os anos, nos nossos dias, em países onde há perseguição religiosa, como China, Coreia do Norte, países árabes… e não quero pensar nisso, pois me envergonha demais lembrar da minha preguiça de dirigir uma hora num carro com direção hidráulica para pregar o Evangelho em uma igreja num bairro um pouco mais afastado (e olha que provavelmente vão me dar uma gorda oferta para “me abençoar”). Que vergonha…

Então, como toda boa pessoa que quer esquecer das realidades da vida, me entrego às drogas. Nãos aquelas drogas proibidas e químicas, mas aquela droga viciante, burrificante e escapista chamada televisão. Quero ver qualquer besteira que me faça esquecer do meu cristianismo patético. Ligo a TV e está passando o programa de um pastor que grita, ofende e em vez de pregar o Evangelho dos mártires fala de prosperidade, dinheiro e produtos que você pode comprar no cartão ou no cheque pré. Mudo de canal e vejo um outro pastor batendo altos papos com um demônio em rede nacional. Com as mãos trêmulas, mudo novamente de canal, apressado, e assisto a uma sacerdotisa vestida como uma perua de Beverly Hills falando sobre como colher vitórias pra sua vida. Já com falta de ar, faço minha última tentativa e mudo, suando, para outro canal. O que vejo ali é o pior de todos os programas: é que, sem querer, em vez de mudar de canal apertei o botão “off” da TV, que desligou. É então que, diante da tela preta, o que vejo é minha própria imagem refletida nela. E morro de vergonha daquele que é o mais vergonhoso de tudo o que vira naquela televisão até então.

Então paro. Silencio. Fecho a porta do quarto. Me ponho de joelhos. A vergonha é tanta que minha oração não tem palavras, apenas choro. Sem coragem de abrir a boca, me contento em roubar palavras de um homem que três mil anos atrás morreu de vergonha de si mesmo ante Deus. E faço minhas as palavras dele, registradas no Salmo 51: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado. Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me. Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe. Sei que desejas a verdade no íntimo; e no coração me ensinas a sabedoria. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e mais branco do que a neve serei. Faze-me ouvir de novo júbilo e alegria, e os ossos que esmagaste exultarão. Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades. Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável. Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito. Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer”.

Olá, meu nome é Mauricio Zágari e eu morro de vergonha de mim. Tenho vergonha demais de mim, pra dizer a verdade. Eu acreditava que era um bom cristão, que fazia as coisas direitinho, que cumpria a cartilha de Deus. Até que descobri que estou a anos-luz de distância de ser um cristão como Cristo quer que eu seja. E por causa disso me envergonho tanto que mal tenho coragem de sair de baixo dos cobertores pela manhã.

Mas tenho esperança de que consiga me converter sempre, dia após dia.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

About these ads
comentários
  1. MARISE disse:

    Estou morrendo de vergonha também amigo! O que dizer mais? DTA.

  2. Patrícia disse:

    Mano,

    Stupendo!

    Na minha humilde opinião,o melhor texto postado desde a criação do APENAS.
    Eu amei!!!
    Eu sorri e eu chorei.
    É como se pudesse sentir em minha pele suas emoções,sentimentos.
    Bom também é poder se identificar e ver que não estamos só,carregando fardos,tristezas,vergonha,enfim,sentimentos difíceis de levar sozinho.
    Bom é caminhar com você e compartilhar da mesma esperança:

    “Mas tenho esperança de que um dia venha a me converter de fato.”

    Um grande abraço de sua pequenina e envergonhada mana,

    Patrícia.

    • Obrigado pelas palavras e obrigado por compartilhar. Vc é uma excelente amiga de caminhada.
      Beijo no maridão e nos filhotes.
      No amor de Cristo que nos une, te abraço.

  3. Por favor não morra de vergonha! Ele sabe que somos apenas seres humanos com limitações e além disso, se o irmão morrer, perderemos a oportunidade de ler textos tão lindos como esse.
    Paz
    Soraya Barros

  4. André Neves disse:

    Com lágrimas nos olhos, escrevo meu comentário, só para dizer que tenho me sentido mais ou menos assim ultimamente; embora, muito provavelmente, não sou nem metade do “bom cristão” que o Maurício seja, espero, como ele, que quem sabe muito em breve eu me converta também, me converta de fato. Nestas horas, as últimas palavras com as quais sempre o Maurício encerra os posts, “Paz a todos vocês que estão em Cristo.”, trazem um conforto e tanto a quem está morrendo de vergonha! Como é bom estar em Cristo! Um abração, mano!

  5. Carla disse:

    É impressionante como eu me reconheci neste texto. Oro, neste momento, como o salmista orou. “Tem misericórdia de mim ó Deus…”
    Parabéns pelo texto!

  6. Alessandra Figueredo disse:

    Sem palavras para descrever como me sinto nesse exato momento. Estou estupefata!!!! Como eu nada sou e estou a anos luz de ser aquela que Deus quer q eu seja. Sou o pó e do pó não deveria ter saído. Me ajuda, meu Deus! Olha o meu coração! Faz me ser digna de ser chamada de Sua filha! Que tapa!!!! Maravilhoso texto!!!

  7. Realmente, sem palavras, me fez refletir profundamente todas as minhas atituldes perante Deus, que Deus continue te usando mais e mais, Abraço!

  8. Alex Nascimento disse:

    Incrivel como eu leio seus textos e tiro sempre algo pra minha vida, a vergonha bate sempre em mim também, ao ponto de me perguntar se sou cristao realmente. Com lágrimas e o coração feliz em ter aberto meus olhos essa leitura, abraçao mano… que Deus te use mais e mais e que te abençoe tbm.

  9. Leandrokdeira disse:

    Sou mais um envergonhado.

  10. Débora Nunes disse:

    Mais um “cristão” envergonhado.
    Só Deus, só a misericórdia!

    Obrigada por compartilhar tudo isso, Mauricio!

  11. Regina disse:

    Cara, sem palavras. As suas cairam como lágrimas e um bálsamo para quem, aqui, também já vinha sentindo muita vergonha, muita, muita, muita. Meu nome é Regina e eu também tenho vergonha de mim e a mesma esperança que você, a de converter-me todos os dias – como os adictos que largam seus vícios contando ‘cada dia de uma vez’.

    Deus tenha misericórdia de nós, que desejamos tanto amá-lo como Ele nos ama.

    Paz no Caminho, amigo (se me permite)

  12. Erica Moreira disse:

    Caro irmão,

    Estou no Louvação, um Congresso realizado na PIB de CURITIBA e vim orando pra Deus falar comigo, mas como tenho um bb de 1 ano não estpu conseguindo participar como gostaria. Mas Deus acabou de responder minha oração e falou profundamente ao meu coração. Obrigada por ser canal de bênção e que a cada dia eu me converta ao Senhor, aprendendo a ama-lo e obedece-lo.

    • Erica, muito me alegro por, de formas tão estranhas, ter sido canal de bênção pra ti. Deus abençoe muito vc e tua familia, em especial essa belezura de 1 aninho que Jesus te deu. Beijo grande, no amor do Senhor.

  13. Guilherme Portugal disse:

    O pior de tudo é que depois dessa exortação, existe um desejo de buscar alguma justificativa pelos meus atos e consequentemente, meus erros. Justificativa essa que não pode ser outra senão uma imensa maldição dentro de mim, o meu gigantesco ego.

    Só a graça me liberta!!

    Obrigado pelo nosso desabafo…

  14. Lucas Máximo disse:

    Num silêncio constrangedor e perturbador, desejo que o nosso Abba continue a te incomodar e usar.
    Na mesma esperança,
    Lucas

  15. dd disse:

    silenciemo-nos; prostremo-nos.

  16. Meire disse:

    Também morro de vergonha de mim.

  17. Débora Paes disse:

    Morro de vergonha de mim, principalmente porque não faço nem 1/3 de tudo que um cristão normal e sincero faz.

  18. Sozinho disse:

    Mauricio ! Não sei se você leu o livro A Cabana, mas ele trata nos nossos corações esse nosso sentimento de impotência, mostrando a imensidão do amor de Deus que elimina as nossas culpas. Abraços

  19. Fernanda Saboia disse:

    Obrigada por escrever esse texto/desabafo.
    Com certeza mais um meio que Deus utilizou durante esssa semana para insistir em me perguntar:
    “Filha, se dizes que tua vida é minha, porque insistes em fazer apenas do teu jeito?”
    Quantas vezes me programo para estudar mais a Bíblia, em aprender mais sobre as coisas de Deus, que tal dia vou reservar para isso ou aquilo… mas no fundo, tenho medo de perguntar a Deus se é aquilo que Ele quer de mim naquele momento. Tenho medo de sair da minha zona de conforto.
    Também morro de vergonha de mim.
    E como você finalizou: “tenho esperança de que consiga me converter sempre, dia após dia.”

  20. Meu irmão, Maurício.

    O primeiro post que eu li foi o do aborto e fiquei silenciado por tamanha vergonha que fiquei de mim mesmo. Até escrevi algumas palavras a você, agradecendo-lhe. Aquilo foi muito intenso!

    Agora li o segundo post “Morro de vergonha de mim!”.
    Eu, realmente, MORRO DE VERGONHA DE MIM!

    Externamente e aparentemente, sou um “perfeito” cristão. Daqueles que servem como exemplo para várias pessoas. Daqueles que as pessoas dizem que possuo um espelho que reflete Jesus.
    Santa ilusão!
    Queria tanto ser exemplo para mim mesmo!
    Queria tanto ser um verdadeiro e genuíno cristão. Daqueles que Deus se orgulharia lá do Céu.
    Queria tanto não morrer de vergonha de mim mesmo!

    Que vergonha!

  21. Meu irmão, Maurício.

    O primeiro post que eu li foi o do aborto e fiquei silenciado por tamanha vergonha que fiquei de mim mesmo. Até escrevi algumas palavras a você, agradecendo-lhe. Aquilo foi muito intenso!

    Agora li o segundo post “Morro de vergonha de mim!”.
    Eu, realmente, MORRO DE VERGONHA DE MIM!

    Externamente e aparentemente, sou um “perfeito” cristão. Daqueles que servem como exemplo para várias pessoas. Daqueles que as pessoas dizem que possuo um espelho que reflete Jesus.
    Santa ilusão!
    Queria tanto ser exemplo para mim mesmo!
    Queria tanto ser um verdadeiro e genuíno cristão. Daqueles que Deus se orgulharia lá do Céu.
    Queria tanto não morrer de vergonha de mim mesmo!

    Que vergonha!

  22. Elias Medina disse:

    Não sei nem o que dizer! Estou em choque em perceber a minha realidade medíocre !
    Deus continue te usando querido!

  23. Wesley Cabral. disse:

    Dou graças à Deus por me permitir o acesso a um texto que nos leva à tão profunda reflexão…. É por essas e outras que eu digo que Deus nos ama e não desiste de nós….!
    Que a misericórdia do Senhor continue se renovando á cada manhã sobre a minha vida!

    Deus continue te guiando Zágari!!!! Obrigado por compartilhar conosco a “nossa experiência”…

    Graça e Paz!

    Cabral.

  24. Giovani disse:

    Estou com vergonha de mim também ! :/

  25. CLAUDETE disse:

    UM AMIGO ME INDICOU A LEITURA………….E ESSA FALOU PROFUNDAMENTE AO MEU CORAÇÃO!!!
    DEUS CONTINUE TE ENCHENDO DE SABEDORIA…

  26. Abner Santos disse:

    Meu irmâo tô sem palavras,realmente somos apenas humanos e precisamos entender como lidar com isto(nascer novamente-”A cada dia uma nova vida)

  27. Katiana Diniz disse:

    Maurício, venho acompanhando (felizmente) teus posts e esse, para mim, foi um dos melhores. Obrigada pela dedicação.
    Não é querendo fazer das suas as minhas palavras, mas eu sempre me sinto assim, e pior, não consigo mudar quase nada… Eu vejo que preciso orar mais e estudar mais a Bíblia, visitar os amigos cristãos os não-cristãos, enfermos, drogados … e eu planejo, mas nunca faça nada. O que mais me dói é ver que fazem 16 anos que sou cristã, e tão pouco avancei, ainda me pego vez ou outra, questionando e descrente.

    Mas um fôlego para mim e para tantos que leram estas suas palavras, é que as misericórdias do Senhor se renovam todas as manhãs e também, que estamos em um caminho estreito, e ao percorrermos nele a cada dia, vamos aprendendo algo e sendo guiados pelo Espírito, até que cheguemos lá .. como Ele quer. É um processo! Não nos esqueçamos disso, não podemos retroceder, nem desanimar, mas olhar para o ALVO!
    “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”.

    • Katiana, de uma coisa tenho certeza: Jesus enxerga dentro de teu coração e sabe tua sinceridade.
      Faça o que tem que ser feito para chegar onde vc quer chegar. Para mudar é preciso começar a mudar. Comece.
      Para que o Jordão se abrisse, os levitas tiveram de pôr o pé na água. Às vezes, para Deus agir Ele espera que nós demos o primeiro passo. Nem que isso vá deixar nossas sandálias molhadas.
      Que esse incômodo se transforme numa vida produtiva e que faça Jesus sorrir ao se lembrar de você.
      Um beijo grande, no amor dEsse que nos une,
      Mauricio

  28. Carlos disse:

    Percebo que é uma pessoa perturbada com temor incondicional por deus e escravo da sua crença.
    Infelizmente a religião vaz isso com o ser humano, o acorrenta, e se essa pessoa não tiver um equilibrio emocinal fica mesmo perdida achando que esta fazendo tudo errado.
    Não cinta vergonha do você não é capaz de fazer, cinta vergonha do que é capaz e não faz nem tudo esta a nosso alcance.
    Eu sentiria vergohna se acreditasse num deus que promete tanto e não faz absolutamente nada, principalmente pra aqueles que acreditan nele, mais só acreditam por teme-lo achando que iram para o inferno por não acreditar nele.
    Liberte-se, viva sua vida intensamente, não esqueça, só há uma para ser vivida e não atribua méritos a um ser imaginário, o que você tem é seu por que você os conquistou.
    Boa sorte e seja feliz!

    • Carlos,

      sou perturbado pelo amor incondicional de Deus e escravo de Sua graça.
      Sou livre e vivo minha vida intensamente, mas vida vivida intensamente só existe se for vivida em Cristo.
      O que eu tenho é meu porque Deus me concedeu. “Sem mim nada podeis fazer”, lembra das palavras de Jesus? E mais: “toda boa dádiva, todo dom perfeito vem lá do alto, do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação”. Tudo o que tenho é mérito da compaixão divina e não de meus esforços.

      Sou feliz, pois sei que embora envergonhado de minha falibilidade Jesus morreu na cruz por mim. Nisso está meu gozo, como diz o apóstolo Paulo: é em Cristo que me glorio.

      Jesus te abençoe a cada dia mais!

  29. Marco Juric disse:

    Novamente muito real.
    Suas palavras são motivadoras!
    GBY!

    Marco Tullio

  30. rafael disse:

    Meu irmão!!!Eu quero direitos de imagem e de historia!!!
    Qual imagem??? a minha!!!
    Qual historia??? A MINHA…Altamente baseado em fatos reais!!!
    Se fosse pra falar de mim assim, ligasse pra avisar!!!pelo menos não ficaria tão surpreso!!!!
    (RSRSRSRSRS…Brincadeiras a parte….)

    Sensacional esse texto meu irmão!!!
    é o reflexo da comunidade crista de hoje, pelo menos de uma maioria!!!
    Fui bastante confrontado e gosto disso!!!
    Continue escrevendo e partilhando do seu dom que tem edificado a muitos!!!

    Deus abençoe!!!

  31. Olá Mauricio, fiquei sem palavras ao terminar a leitura… na realidade fiquei com lágrimas nos olhos e um nó entalado na garganta, que me empede de contestar qualquer coisa, apenas confirmar cada palavra escrita! Vejo-me nesse texto, e de uma maneira pior do que é exposta ai! Sinto-me como um trapo de imundicia, sei que não mereço nada, nadinha do que Cristo faz por mim. e o que é pior, sei que preciso de uma mudança sincera e profunda, mais muitas vezes não sinto a vontade suficiente de deixar o mal que me afasta de meu Mestre! Sinto-me com tanta “VERGONHA DE MIM”, vergonha de maltratar tanto a Jesus e de apesar de 10 anos de batizada, nunca ter conseguido ler a tua palavra de GÊNESIS ao APOCALIPSE! De muitas vezes ter pensado em deixar seus caminhos por não suportar a VERGONHA de nunca consegui fazer meu Jesus ter orgulho de mim e de eu merecer ser chamada de sua filha! Algumas vezes até me esforço, mais não consigo ser fiel como deveria… mais pela misericórdia dEle, algumas vezes ainda consigo elevar uma oração sincera a Jesus, rogando para que sua graça me alcance e que eu venha amá-lo verdadeiramente e fazer a parte que me corresponde, e não perder a esperança de que um dia se Ele permitir, estarei pronta para morrer por CristO!! Quando renunciar ao meu eu e isso acontecer sabarei que fui um pouco digna mediante a graça de Cristo de seu amor!!
    Obrigada pelo espaço de poder desabafar esta amargura que a um tempo vinha me consumindo a dignidade de cristã!

    Que a paz do Senhor esteja com você e sua familia…abraço em CristO Jesus!
    MARANATA!!

    • Claudiane, em tudo isso tenha sempre a certeza de que Jesus te carrega no
      coração. Ele saberia que erraríamos, por isso contou-nos a
      parábola do filho prodigo. Os bracos dele estão sempre abertos.

      Que Jesus te abrace sempre e te acolha em Sua graça infinita.

      Um beijo santo, no amor dAquele que nos une.

  32. Bruno disse:

    Como não morrer de Vergonha ???

  33. Drik's disse:

    Tem GENTE que sente o que gente sente e passa isso docemente.
    Deus te usado!

    Sem mais.
    Abraços!

  34. Eliana disse:

    Nossa!!!

    Todos os seus posts encontram lugar em meu coração, mas este texto… que texto é este, meu irmão? Não apenas de conteúdo, mas em sua leveza, que leitura mais gostosa… Na minha opinião, o melhor texto seu até agora (sem menosprezar os outros, que tbm são excelentes).

    Me identifiquei, me emocionei e tbm morri de vergonha de mim… Mas, tbm compartilho da esperança de que consiga me converter sempre, dia após dia.

    A paz do Senhor Jesus!!!

  35. Líbia Lampa Dias disse:

    Ah, Mauricio que bom q Você existe, posso meditar mais esse texto, eu também estou envergonhada das minhas atitudes, tenho q mudar hoje mesmo, Senhor Jesus tem misercordia de mim.
    um abraço
    Líbia

  36. Outra porrada, hein mano?

    São as palavras que ecoam aqui dentro constantemente, ao som de “duro é este discurso, quem poderá ouví-lo?”. Quando penso na ousadia que Deus me deu para que eu, trapo, pó, nada, pudesse bater no peito e dizer em alto e bom tom: “O Senhor me disse: Tu és meu filho, eu hoje te gerei.”, fico perdido em meio à hipocrisia na qual estou afundado. Eu não mereço a certeza de Salvação, a ponto de poder dizer com propriedade quando ligo pros meus irmãos e irmãs e ninguém atende: “Bem, arrebatado eles não foram, porque eu ainda estou aqui”. Quem sou eu pra entristecer o Criador do cosmos? Quem sou eu pra trazer lágrimas aos olhos do Senhor quando endureço minha cerviz? Quem sou eu pra ouvir depois das minhas transgressões diárias: “Ainda assim, vinde a mim.” ?

    É duro ser eu, mano. Mas, mesmo sendo assim, Jesus viria, sofreria, morreria e ressuscitaria, ainda que eu fosse o único homem a aceitá-Lo; faria tudo quanto fez ainda que fosse pra salvar uma única alma: a minha.

    Então, batamos no peito e balancemos nossas cabeças, pois grande é a nossa vergonha, mas abramos a boca e brademos em grande voz: “O Senhor me aceita como sou, meu Pai. Eu sou teu, e Tu és meu. Maranata!”.

    Que o Consolador te preencha de Si, meu irmão.

    nEle, que aumenta MINHAS trevas à medida que me aumenta em SUA Luz.

  37. Quanta vergonha pode existir em uma única pessoa…

    Emocionante.

  38. Marcela disse:

    Sem palavras, só lágrimas de vergonha ao ler cada palavra!
    Que vergonha, que vergonha!
    :(

  39. Rudiney Patrocínio Aleixo disse:

    Gostei muito do texto…
    Mas tem certeza que o nome do sujeito do texto é realmente Mauricio Zágari ?
    Não seria Rudiney Patrocínio Aleixo???

    Sim, é Rudiney!
    Um grande abraço meu irmão, que o Senhor nos ajude.

  40. Bianca Dias disse:

    Sabe Mauricio, vc me impressiona imagina como têm impressionado o coração de Deus………sem mais palavras!!!!!!

  41. Solange Oliveira disse:

    Mauricio entrei em seu Blog nem me lembro o porquê, acho que um amigo me enviou e no começo não me interessei, pois tenho visto muitos que começam com um proposito e quando acomponhamos de repente estamos lendo coisas que pioram a nossa opinião ou que influenciam negativamente nelas.
    Então entrei aqui e comecei á ler… e pensei que unção…e escrevi em alguns post e as inspirações que Deus tem te dado estão mudando a minha rotina. Acordo, leio o devocional e venho ler os seus posts e como eles tem me ajudado em conjunto com a Palavra, Devocional e seus posts.
    E mais uma vez vim ler pra acompanhar e receber respostas pra alguns questionamentos, pois infelizmente, tenho alguns, e muitas vezes sem resposta e fico esperando a resposta principalmente de Deus , aí me deparo com o “morro de vergonha de mim” e após ler me senti tão emocionada, pois estamos vivendo isto e ao ler outros comentários vejo que não são poucos os que vivm assim….E peço como todos Deus tenha misericórdia de mim e nos ajude á mudar, que possamos nos unir e buscar as respostas que Ele tem para nós….Porque é tão dificil entender o que Deus quer em nós? Porquê sentimos tanta vergonha ao lermos a Palavra e vimos que estamos fazendo tão pouco? Obrigado mais uma vez por nos mostrar que muita vezes o que não temos coragem de falar, outras pessoas sentem o mesmo? Que a vergonha que eu sinto de achar que faço pouco não está só em mim….Obrigado e saíba que Deus tem te dado a direção e que muitos estão sendo tocados para a Glória de Deus!!!

    • Solange, irmã querida,
      fico feliz que minhas reflexões têm te ajudado nem que seja um pouquinho a se aproximar mais de Deus.
      É dificil entender o que Deus quer de nós porque conhecemos pouco a Bíblia, Solange. Ali está exatamente a resposta a essa pergunta. Se me permite a sugestão, se você ler Mateus, capítulos 5, 6 e 7 já saberá milhões de coisas que Deus quer de você (é uma leitura de menos de meia hora). A vergonha diante do pouco que fazemos é natural, pois sabemos o que fazer e não fazemos. A solução? Começar a fazer! rs. Mão na massa, querida.
      Busque em oração e na profunda leitura das Escrituras a resposta às suas dúvidas. Estando com Cristo, você saberá. Não leia apenas o texto bíblico, estude. Compre uma Biblia de estudo e veja os contextos, a época em que cada livro foi escrito, para quem, por que razões etc e começará a entrar na mente de Deus cada vez mais. Sugiro a NVI ou a de Genebra, são as melhores.
      .
      No mais, é vida que segue, querida.
      .
      Deus te abençoe com a verdadeira vitória do Cristão!

  42. [...] Blog APENAS Share this:TwitterFacebookGostar disso:GostoSeja o primeiro a gostar disso post. Esta entrada foi publicada em Maurício Zágari e marcada com a tag Participações Especiais. Adicione o link permanente aos seus favoritos. [...]

  43. Alexandre disse:

    Paz e graça irmao!
    Obrigado… em Cristo de agradeço por essas palavras… há tempos tenho me sentido assim, lutando comigo mesmo e confesso que meu “eu carnal” muitas vezes tem vencido meu “eu espiritual”. Tenho chorado, assim como vc chorou… e não há consolo… apenas o silêncio e tenho aprendido a viver com ele… ate que um dia, do céu, O Eterno Deus diga apenas uma palavra, e minha alma sarará. Que o Senhor te abençoe meu irmao …. e que esse sentimento nunca se esvazie de vc …. e que possamos chorar juntos, até que la na frente tenhamos as lágrimas secas por aquele que venceu a dor! Graça e paz a vc… a sua família!!! Um abraço forte!!!

    • É isso aí, Alexandre, tudo começa com essa compreensão.
      Graça e paz a ti e tua familia tb!
      Abraço forte e que Deus te abençoe com a verdadeira vitória do cristão!

  44. Camille Carvalho disse:

    Hoje meu carro quebrou pela centésima vez, e aconteceram dezenas de outras coisas confusas e chatas durante o meu dia … eu me senti tão humilhada, chateada, cheguei a questionar: Deus, pq? eu sou uma cristã tão boa!! Fala comigo Senhor, Quero tanto que o Senhor fale comigo, se eu te ouvir, logo irei te obedecer!! Creio que Deus falou comigo através desse texto e descobrir… Eu morro de vergonha de mim!!! Chorando escrevo essas palavras! Que o Santo Espirito me converta a Cristo todos os dias!!!
    Deus continue te abençoando irmão!!

  45. Anamaria disse:

    Sua caneta expressa o que tem passado num coração há muito tempo confuso, carente e às vezes desesperado. Às vezes entre desânimos e novas tentativas, não sei o que Deus tem achado de minha posição. Me sinto envergonhada por falar que sou cristã e me encaixar profundamente nesse texto indicado pela Eliana. Nunca fui uma cristã estável, olho pra tanta gente e vejo que elas parecem ser muito conscientes de tudo que fazem e do que creem. Muitas vezes chego a me perguntar se sou salva ou não, por ser “cristã” a tanto tempo e não conseguir ser transformada no meu interior. Às x me sinto como uma zumbi na igreja, já no automático pra tudo. Tenho vergonha do que me tornei. Parece que me sinto confusa cada dia mais.Seu post é uma oração que espero um dia que Deus me respouranda . Temino com suas palavras e as de Davi dizendo Tem misericórdia de mim e revela-te a mim, muda-me pra que eu seja uma verdadeira nova criatura.

    • Ana,
      lembre-se que o toque vem de Deus. Seu papel é orar e praticar as disciplinas espirituais. O resto é com o Espirito.
      Tenha paz. Busque o Senhor, e creia que Ele terá misericordia de vc.
      Jesus ama vc. E isso não é frase feita. É um fato.
      Um beijo, querida, e que Jesus seja sempre teu Norte.

  46. André Barreto disse:

    Mais envergonhado de mim mesmo ainda, depois de ler aqui.

  47. Graça e paz Maurício,
    Poxa, acredite, eu estava lendo literalmente sobre mim… porque também “morro de vergonha de mim!”
    Mano quando eu cheguei naquela parte: “Então paro. Silencio. Fecho a porta do quarto. Me ponho de joelhos. A vergonha é tanta que minha oração não tem palavras, apenas choro. Sem coragem de abrir a boca, me contento em roubar palavras de um homem que três mil anos atrás morreu de vergonha de si mesmo ante Deus. E faço minhas as palavras dele, registradas no Salmo 51…” Emocionado eu disse: “Não acredito!? Não acredito!?” Sabe por quê? Porque eu fiz isso ontem… me prostrei de joelhos no chão do meu quarto apoiado com as mãos encima da bíblia com um nó na garganta e chorando… em seguida li o salmo 51. Porque havia prometido pra mim e pra Deus que não iria fazer mais algo, mas acabei caindo novamente no mesmo pecado.
    Amigo que Deus te abençoe porque vc tem sido uma bênção pra minha vida. E saiba que estais nas minhas orações… Abração e fica na paz.

    • Salve, Marcio,
      querido, não me agradeça pelas coisas que Deus faz. É Ele e tão somente Ele.
      Obrigado pelas suas orações, elas são muito importantes para mim.
      Um abraço apertado e que a paz de Cristo te inunde a cada dia.

  48. [...] Morro de vergonha de mim [...]

  49. Renan disse:

    Esse é o melhor texto que o Espírito Santo gerou no teu coração, de todos.
    O conheci hoje. Parecia uma descrição na minha vida, até porque eu o li em uma cama confortável e não na mesa como é de costume.
    Deus te abençoe e te use apesar das fraquezas, ou através delas.

    Grande abraço, na paz do Mestre.

  50. Daniel disse:

    Maurício,

    É só uma opinião minha, mas cada vez mais penso que pregações não servem de quase nada para a igreja…

    O que se precisa nos nossos dias é uma palavra como essa, uma palavra de CONCERTO, como era no tempos antigos, onde Deus levantava homens que conduziam ao povo a se arrepender, ex. Isaías, Moisés, João Batista e etc…

    Abraço…

    • Daniel, olá,
      entendo sua preocupação, é sincera e legítima.
      Só penso que não podemos abrir mão da pregação pois, afinal, ela é fundamental para a proclamação do Evangelho e a edificaçao do Corpo.
      Talvez o que precisemos seja não abrir mão delas, mas buscar fazê-las melhor. Voltar às pregações como as dos antigos, como Lutero, Wesley, Edwards, Spurgeon e Paulo. Grandes homens de Deus que pregavam o Evangelho genuíno e sem firulas.
      Creio que o que precisamos é substância. Oremos por isso e façamos isso.
      Deus o abençoe muito, mano, louvo ao Senhor por sua vida,
      mz

      • Daniel disse:

        É verdade o que o senhor disse…

        é que não sei na sua igreja, mas na minha congregação a maioria das pregações são como ensinar concordância verbal a um analfabeto…

        Não sei se o senhor já leu esse livro “Um recado Para ganhadores de Almas” Horatius Bonar, muito bom, parece com o senhor…

        abração amigo

      • Olá, Daniel, por favor, não precisa me chamar de “senhor”. “Mano” está ótimo.
        .
        Eu entendo o que você diz. Se não está te alimentando, querido, ou é hora de você dar alimento para os demais ou de buscar alimentos mais sólidos em outro local. Sugiro que ore a Deus e peça orientação quanto a isso, ok?
        .
        Deus te abençoe, com sua graça e paz,
        mz

  51. Dalva disse:

    Olá Mauricio; eu confesso que fiquei emocionada com o que li e digo mais, isso que tu disseste é o que mais acontece dentro das igrejas, quantos andam achando que ser crente já está salvo, nossa!! como vejo pessoas declaradas como tu realmente relatou…meu filho continue assim, dizendo a verdade que não está sendo dita nas igrejas. Que o Senhor te abençoe abundantemente. Abraços, Dalva Viseu,Portugal.

    • Olá, Dalva,
      .
      que alegria saber que as palavrinhas que escrevo tocaram o coração de uma irmã nas amadas terras lusitanas. Fico muito feliz por poder compartilhar a sã doutrina e comungar com irmãos do outro lado do Atlântico.
      .
      A graça e a paz de Cristo sejam abundantes também em tua vida e na de tua família,
      mz

  52. Dalva disse:

    Obrigada Mauricio, por sua atenção…entretanto quero deixar mais umas palavras à ti…graças a Deus que encontrei seu Blog, encontrei suas palavras, fortalece-me a alma. Deus te abençoe, quando vir a Portugal, nossa casa está as ordens.

    • Imagina, Dalva, atenção é o mínimo que podemos dar entre irmãos, não é?
      .
      Fico muito feliz que as reflexões do blog falam ao teu coração. Oro que sempre possa edificar tua vida.
      .
      Deus te abençoe muito,
      mz

  53. joel vasconcelos disse:

    meu amigo muito obrigo por abrir nossos olhos, do quanto somos falhos diante de Deus, não tenho nem palavras para dizer o quanto me envergonho também de tidos os meus atos… que Deus te ilumine cada dia mais, abraços

  54. vanessa disse:

    olha me sinto envergonhada também e muito mais por saber que a obra de cristo esta mais fora do que dentro da igreja e nos apegamos a um banco e dormimos nos nossos bancos da igreja e achamos que fazemos muito que vergonha mesmo ta na hora de nos a igreja acordarmos Deus te abençoe e te use para pregar a palavra da fé e da verdade ….

  55. Diógenes Moraes disse:

    Quase enfiei minha cabeça num buraco, igual a um avestruz depois de ler seu texto, mano Maurício.

    Chego a duvidar de minha salvação…

    Um forte abraço

  56. Andrômeda disse:

    Caro irmão Mauricio,

    realmente espetacular esta reflexão. Glórias a Deus pela sua vida meu querido!
    Não há muito o que falar, me escaparam as palavas ao final desta leitura….mais uma pessoa envergonhada por tão pouco fazer pela causa de Cristo. Dura realidade. Mas que possamos ter mesmo este incomodo, e que sirva como força e incentivo para busquemos constantemente mudança e crescimento em nossa vida cristã. O que nos resta? Humilhar-se na presença do Senhor, pedir perdão com um coração quebrantado e clamar pela sua infinita misericórdia.

    “As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim” Lamentações 3:22

    Grande abraço mano, no amor de Jesus.

  57. […] Morro de vergonha de mim. […]

  58. Alessandro disse:

    Caro Mauricio, em meio as lagrimas com o oculos um pouco embaçado eu escrevo esse comentario que vergonha sinto de mim, só tenho a agradecer a Deus pela sua vida e fui muito edificado por esse post, algo que eu precisava muito ouvir, só senti uma vontade depois de ler ele, de me ajoelhar em meu quarto e falar com Jesus.
    Deus abençoe, sem mais.

    Abraços.

  59. Lucas Cruz disse:

    Meu irmão… Quão abençoado tu és, senti profundamente a presença de Jesus ao ler seu texto. Me identifiquei com cada palavra.. E em muitos momentos não conseguir ler só chorar… Obrigado por ter compartilhado conosco teus sentimentos!

  60. Essa inspiração veio do Espirito Santo de Deus ..Maravilhoso esse texto,falou muito ao meu coração !!
    Que te abençoe !

  61. Arcy disse:

    Como disse o apóstolo Paulo: o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza, pois quando estamos fracos é que Deus pode mostrar toda força do Seu poder. Sem a cruz nada somos. Deus continue te usando.

  62. rohddrocks disse:

    Que cristão hoje é diferente disso?
    Não sei como o cristianismo sobrevive.
    Não sei como EU continuo.
    Às vezes, essa incoerência me faz duvidar se o que vivemos é A VERDADE.
    O que me difere do “ímpio”?? O fato de eu ter levantado minhas mãos ao apelo e ter repetido palavras de entrega? Porque EU vou pro céu e eles NAO?
    Ou pior, porque ELES devem ir pro INFERNO e EU NAO?

    • Mano,
      .
      a resposta está em uma palavra: graça.
      .
      Quando você consegue compreender em plenitude esse conceito todas as perguntas que você fez são respondidas.
      .
      Abraço fraterno, no amor do Senhor,
      mz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s