Posts com Tag ‘ventos’

Sexta-feira passada, o Rio de Janeiro foi assolado por ventos fortíssimos, de cerca de 90 km/h. Começou como um assobio de filme de terror nas frestas da janela e, quando vi, o vendaval sacudia tudo com fúria. Comecei a ouvir, impotente, barulhos que vinham do terraço, sem que eu me atrevesse a subir para ver o que estava ocorrendo, por conta dos raios, do temporal e do receio de objetos voando. Resolvi aguardar pelo dia seguinte e assim o fiz. O que encontrei foi um cenário desolador.

Explico: passei o último ano cultivando plantas na laje do meu barraco. Adquiri mudas, sementes, vasos, terra, substrato, areia. Plantei, reguei, fertilizei, pus remédios contra pragas… fiz o que pude para ter plantas bonitas, saudáveis, floridas, frutíferas. Foram doze meses de erros e acertos, paciência, pesquisa, preocupação e dedicação. Semana passada, eu estava satisfeito, crendo que já tinha tudo de que precisava para as plantas crescerem e minha alma desfrutar da paz que a beleza da natureza proporciona. Mas, então, sem que eu esperasse, aconteceu a calamidade.

Sábado amanheceu e, logo cedo, subi. O cenário era desolador. Uma árvore estava tombada, com a terra do vaso espalhada pelo chão. Vasos tinham sido lançados à distância. A quantidade de galhos quebrados chegou perto do incontável. Uma trepadeira se soltara do poste e jazia, troncha, pendurada, torta. Montanhas de folhas e flores estavam espalhadas pelo chão, junto com cascas de pinho, arremessadas de seus vasos.

Além das plantas, uma mesa e cadeiras de plástico foram catapultadas à distância, jardineiras encontravam-se em locais bem diferentes dos originais, um espelho foi arremessado da parede e não quebrou por um milagre. Mas um quadro que minha mãe havia pintado com o retrato de minha esposa foi arrancado da parede, o vidro estilhaçou e a pintura foi arremessada pelo vento por cima da amurada, assoprada sabe Deus para onde. Provavelmente, deve estar caída em alguma calçada molhada, a alguns quarteirões de distância.

O resumo da ópera é que, sem contar os estragos causados aos objetos, um ano de cuidados com minhas plantas foram por água abaixo depois de duas horas de vendaval. Minha sensação imediata foi de impotência, frustração, decepção e desânimo. Ao olhar o cenário deixado pelo “furacão”, fui tomado de grande apatia. Olhei, paralisado, o desastre, sem saber por onde começar. E, então, tomado de enorme desânimo, simplesmente, dei as costas, deixei tudo como estava e fui para a cama.

Passei um bom tempo deitado, lamentando a vida e a má-sorte. Mas, passado um tempo, lembrei que, se eu não fizesse nada, tudo continuaria como estava. Respirei fundo, tentando aspirar um pouco de ânimo, enrijeci as pernas e subi novamente. Embaixo de uma chuva fina, dediquei as horas seguintes a catar incontáveis cacos, jogar muita coisa no lixo, levantar o que estava caído, recolher o que fora derramado, amarrar plantas soltas e quebradas, ajeitar o que ainda tinha jeito.

Ao fim de um longo tempo, terminei. Olhei em volta. A aparência do local não era bonita. Galhos desfolhados, tortos e remendados; chão imundo; vazios nas paredes onde antes havia quadros; sujeira para todo lado, um aspecto menos verde e florido que antes. Um cenário triste, desolador e desanimador – exatamente como acontece conosco em muitos momentos da vida.

APENAS_Banner três livros Zágari

Meu irmão, minha irmã, de tempos em tempos, enfrentamos a mesma coisa em nossa jornada. Tudo parece bem, o céu está azul e ensolarado, há beleza ao redor e tudo parece caminhar para um futuro florido e frutífero. Até que, de repente, de forma inesperada e aterrorizante, vem um vendaval assustador. Tudo fica fora de lugar, o que antes estava limpo agora está sujo, projetos que subiam vigoroso para o alto se tornam galhos quebrados e murchos, e muito do que você vinha construindo é lançado ao chão e se esfacela ante a força das circunstâncias. Você tenta fazer algo, mas o vento vem de todos os lados, incontrolável, indomável, e destrói tudo por onde passa sem que você consiga segurá-lo. E, quando, finalmente, o vendaval cessa, o cenário que surge diante dos olhos é de assolação.

O que se segue, naturalmente, é desânimo. Vontade de desistir. Sentimento de solidão, impotência e frustração. Você pensa como aquilo foi possível, já que você se esforçou para fazer tudo certo, cultivou as coisas como deveria, dedicou-se e deu o melhor de si, mas… foi surpreendido pelo vendaval implacável. Seu longo esforço e sua suada dedicação não serviram de nada, pois em poucos instantes tudo veio abaixo.

E, cá entre nós, parece que Deus não fez nada para nos ajudar. Chegamos a pensar que pedimos pão e ele deu pedra, que pedimos peixe e ele deu serpente. Tal qual Jó, nos damos conta de que o que tínhamos não temos mais e que nosso sorriso desapareceu num piscar de olhos. Já se sentiu assim?

Porém, passado um tempo, é hora de catar os cacos e varrer o chão. E de entender que Deus permite vendavais como esse por propósitos muito elevados e, embora invisíveis, renovadores.

Demora, eu sei, mas é preciso. E lembre-se de que, nesse meio-tempo, Deus está ali, de ouvidos abertos para ouvi-lo. Cate as folhas mortas. Remende os galhos quebrados. Jogue o que não serve mais no lixo. E, uma vez mais, dê o seu melhor, para recuperar o jardim. Depois, tome um banho, calce meias quentes e tome um café forte. Faça tudo que pode fazer e deixe o resto aos pés da soberania de Deus. Os levitas puseram o pé no Jordão, isto é, fizeram a sua parte, mas quem abriu as águas do rio foi o Senhor.

Pode demorar um dia, ou dois. Talvez três. Ou uma semana. Um ano. Décadas. Mas, eventualmente, o céu se abrirá, o azul cobrirá sua cabeça como um edredom que aquece e o sol voltará a brilhar no jardim. As plantas novamente crescerão, as flores brotarão e as frutas ressurgirão nos galhos. Vassourada após vassourada, você removerá do chão os últimos resquícios de sujeira e novos quadros serão postos nas paredes, renovando o ambiente.

Tempos depois, aquele momento desolador não passará de uma lembrança de um entre tantos dias ruins que compõem, junto com os dias bons, essa coleção de tempos que chamamos de vida.

APENAS_Banner três livros Zágari

Em tudo isso, resta-nos a gratidão. Que, em meio à assolação, nunca nos esqueçamos de que Deus não deixou de nos amar, segue nos acompanhando com seus olhos cor de graça misericordiosa e está sempre pronto a enxugar nossas lágrimas.

Você se dá conta, então, de que as folhas e as flores que o vendaval arrancou eram as mais frágeis, defeituosas e doentes, assim como, no vendaval da sua vida, as amizades verdadeiras serão reveladas pelo vendaval. Os interesseiros, bajuladores, incompassivos e falsos amigos serão varridos para longe pelas circunstâncias. Você perceberá que a terra derramada dos vasos era a que estava por cima, já ressecada pelo sol e sem nenhum nutriente, assim como, no vendaval da vida, muitas das prioridades que estavam no topo de seus dias serão descartadas, pois o caos sempre nos revela quando estamos valorizando o que já não tem nutrientes. Com o tempo, você se dará conta de que a assolação trouxe muitas bênçãos, que cumprem os desígnios divinos. Trouxe limpeza. Renovação. Conscientização. Amadurecimento. Novidade de vida.

Meu irmão, minha irmã, o vendaval acabou de passar. Meu terraço ainda está uma bagunça e a chuva ainda cai, fina e incômoda. Mas eu sei que meu Redentor vive e que sua graça, sua misericórdia e seu amor seguem imutáveis. Ele é bom e tem sempre os melhores propósitos, mesmo que soframos perdas e derramemos muitas e muitas lágrimas dos olhos.

Minha oração é que as lágrimas reguem as plantas destroçadas. Elas podem cair durante 41 capítulos, mas, ao fim, é preciso ter fé de que o capitulo 42 chegará, trazendo com ele sol, renovo, sorrisos e paz. E, então, você perceberá que suas lágrimas regaram as plantas destroçadas e contribuíram para que elas se tornassem, assim como foi com as filhas de Jó, as mais belas e admiráveis de toda a região.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

BNJC_arte para blog APENAS

imagePassei os primeiros dias das férias deste ano em Cabo Frio (RJ), cidade que frequento há muitos anos por ter a praia que considero a melhor do planeta, a Praia das Dunas. Se dependesse de mim, chegava ali todo dia às cinco da manhã e ia embora após o sol se pôr, com a alma lavada e as forças renovadas. A água é maravilhosa, as ondas são na medida certa, a areia é fina e gostosa, as dunas são deliciosas, a paisagem é idílica, as temperaturas são irretocáveis, o céu é belíssimo… enfim, para mim não precisaria haver outra praia no mundo, essa me bastaria. Só que, como nada nem ninguém é perfeito, ela tem uma característica interessante: em determinados dias, nela venta muito. Mas muito. Entenda: não é um vento forte qualquer, é um vendaval daqueles que roubam chapéus da cabeça, levam cangas embora, fazem a areia correr acelerada rente ao chão e açoitar quem estiver deitado e – o ponto em que desejo focar as atenções – arrancam as barracas de praia da areia e as fazem sair quicando, rolando e rodopiando a dezenas de metros de distância. Nessas últimas férias, houve um dia desses, no qual observei muitas situações de pessoas ao meu redor que tiveram suas barracas sequestradas pelo vento e precisaram sair correndo atrás delas – pagando aquele mico – enquanto suas barracas davam mil cambalhotas e, na rota de fuga, acertavam pessoas, quebravam hastes, derrubavam outras barracas… Cenas de filmes de Jerry Lewis.

Percebi que, em geral, as pessoas cujas barracas lhes causavam essas situações constrangedoras vinham de cidades e estados em que não há praia (percebe-se pelo sotaque). Ou seja, elas não estavam habituadas àquele tipo de lugar e a tudo o que envolve a atividade de ir à praia. Por isso, naturalmente, não tinham as manhas nem conheciam os macetes para evitar a fuga das barracas. Como já faz mais de quinze anos que frequento a Praia das Dunas pelo menos algumas vezes por ano, aprendi as lições (depois de ter a minha própria barraca levada pelo vento em algumas ocasiões, claro). Falemos um pouco sobre como evitar que essa tragicomédia ocorra.

A primeira coisa a fazer é cavar um buraco muito fundo na areia, para inserir o pau da barraca o mais profundamente possível. Assim, será mais difícil que a dita cuja saia voando, uma vez que estará bem alicerçada no chão. Reparei que algumas vítimas do roubo eólico de barracas fincavam o suporte apenas alguns centímetros na areia. Com isso, assim que o vento batia, a barraca era levada rápida e facilmente.

Outra medida é pôr a barraca bastante inclinada na direção contrária ao vento. Se ele sopra rumo à direção oeste, por exemplo, você deve pôr a barraca bem inclinada em direção ao leste. Porque, meu irmão, minha irmã, se você não fizer dessa maneira, pode dizer adeus à sua proteção contra o sol. Vi algumas pessoas fincarem o pau da barraca de forma perpendicular ao solo, o que invariavelmente facilitava bastante as artimanhas furtivas do vento. Pôr a barraca na vertical não é uma decisão nem um pouco sábia em dias de vento.

Mas a coisa não para por aí. Muitos perdem suas barracas não porque elas são arrancadas da areia, mas porque quebram naquele lugar em que a parte de cima se encaixa na de baixo. Pois ali é um local frágil, propenso a rachar, entortar, amassar, soltar. É o ponto fraco da barraca. Uma medida simples e que ajuda muito é pegar uma toalha, camisa ou mesmo o saco em que se transporta a barraca e amarar ali, atando as pontas em alguma cadeira (como se fosse uma tipoia). Com isso, você reforça o ponto mais vulnerável, diminui o treme-treme da barraca (e, com isso, o movimento de vai-e-vem que acaba facilitando a quebra) e estabiliza toda a estrutura.

Por fim, algo óbvio mas que muita gente não pensa em fazer: encostar uma das cadeiras no pau da barraca. Isso evita que o vento balance o suporte, mantendo-o firme no lugar e menos propenso a oscilar furiosamente (o que, normalmente, amplia o diâmetro do buraco na areia e abre espaço para a barraca sair voando).

Se você tomar essas medidas simples e eficientes em dias de vento forte, aumenta enormemente a probabilidade de que terá momentos agradáveis na praia sem se preocupar se a sua barraca sairá rolando em disparada pela areia. Do mesmo modo, se observarmos alguns cuidados elementares em nossa vida espiritual, teremos a certeza de que a nossa caminhada no dia a dia sujeito a vendavais e tempestades será muito mais tranquila e segura.

Assim como muitos dos que têm suas barracas levadas pelo vento passam por isso por não conhecer muito bem as manhas e os macetes da praia, a maioria daqueles que enfrentam situações adversas no dia a dia sofrem sem saber o que fazer por desconhecer as verdades espirituais. E não existe outro modo de descobrir realidades que nos dão esperança e segurança por meio de Cristo sem conhecer e entender as Escrituras sagradas. Estudar a Bíblia é se familiarizar com as causas e os efeitos da existência humana e ganhar intimidade com o Deus que pode nos sustentar nos momentos ruins e iluminar o caminho nas horas de escuridão. Portanto, ter conhecimento bíblico amplo é algo indispensável para suportar os vendavais do dia a dia. Se você ainda não tem, corra atrás de conhecimento. Leia a Bíblia. Leia bons livros cristãos. Leia bons livros não cristãos. Faça cursos. Debata com amigos. Estude. Cresça em conhecimento.

Vamos além. Vimos que cavar buracos profundos onde fixar o suporte mantém a barraca firme no lugar. Do mesmo modo, um cristão precisa ter profundidade em sua vida espiritual para ter firmeza e solidez no cotidiano. Isso significa pegar o conhecimento bíblico sobre o qual falamos no parágrafo anterior e levá-lo a patamares mais profundos de vivência. Ou seja, não basta conhecer e entender a Bíblia, é preciso viver profundamente as verdades que ela ensina. Por exemplo, mais do que saber que é preciso amar o próximo, é necessário pôr em prática ações rotineiras que demonstrem esse amor. Ou, então, mais do que apenas saber que não se deve pagar mal com mal, é indispensável saber sofrer quando aperta o calo e deixar a cargo de Deus a vingança (Rm 12). E por aí vai. Entenda: viver a fé em profundidade não tem absolutamente nada a ver com fazer mestrados ou doutorados em teologia, isso é apenas aquisição de conhecimento. Profundidade, no que se refere ao evangelho, refere-se a viver intensamente o conhecimento que se adquiriu. Cristãos superintelectuais que não praticam o que estudaram são o tipo de cristão mais raso que há.

Também vimos que inclinar a barraca na direção contrária ao vento é importante para mantê-la em pé. De igual modo, o cristão deve estar sempre firme em sua oposição a tudo aquilo que contraria a Palavra de Deus. Querer seguir a favor dos ventos do mundo é pedir para a barraca ir embora. Deixe para lá o que diz o politicamente correto, os valores pregados pela televisão, as práticas de quem desconhece Cristo. Oponha-se a tudo o que desvirtua a Palavra de Deus. Nade contra a correnteza. Firme-se contra o vento.

A ventania também leva embora muitas barracas porque elas quebram em seus pontos fracos. O cristão precisa reconhecer seus pontos fracos e tomar medidas para não ceder onde é mais suscetível. Cada um sabe quais são suas fraquezas, as tentações que mais o levam a pecar. Você certamente conhece as suas. Então, se não quiser sucumbir às tentações e acabar imerso num mar de pecado, tome antecipadamente as providências cabíveis. Cerque-se de cuidados. Vigie. E, assim, terá mais segurança de que não quebrará quando a força das tentações soprar além do que seus pontos fracos parecem ser capazes de aguentar.

Por fim, do mesmo modo que escorar o pau da barraca em uma cadeira ajuda a mantê-la no lugar, não tente encarar os ventos da vida sozinho. Conte com o apoio de bons irmãos em Cristo, que o ampararão na hora da crise. Ninguém basta a si mesmo, meu irmão, minha irmã, todos precisamos de quem nos apóie, socorra, ampare, escute, aconselhe, exorte, console. Procure ter bons amigos cristãos, que não o abandonarão ao conhecer suas dificuldades ou falhas, mas que, justamente nas piores horas, permanecerão ao seu lado. Também é essencial que você congregue em uma igreja que tenha bons pastores, homens realmente vocacionados e que sangram por você; e não aproveitadores, animadores de auditório, traidores de seus segredos ou pessoas ambiciosas ou arrogantes: você precisa de pastores de verdade e não apenas de líderes. Em resumo: caminhe ao lado de irmãos em Cristo que estejam dispostos a escorá-lo quando vier o vendaval.

Conhecimento bíblico, vivência em profundidade desse conhecimento, oposição firme aos valores do mundo, precaução no que se refere aos seus pontos fracos e o apoio de outros cristãos com quem você possa contar na adversidade: se você tiver esses elementos presentes no dia a dia, garanto que estará muito mais preparado para enfrentar os grandes vendavais da vida. E se perceber que algum desses elementos falta, corra atrás dele. Ou você acabará tendo de correr atrás da barraca.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >