Posts com Tag ‘Pecador’

Detesto ir a supermercados. Por isso, quando cheguei com minha esposa e minha filha ao mercado na sexta-feira passada, sentei à uma das mesinhas de um restaurante que há na entrada e passei a mexer no celular, enquanto elas compravam alguns itens de que precisávamos. Foi quando chegou o Marcelo. Homem negro, forte, alto, carregando uma mochila e acompanhado de um cheiro indescritivelmente ruim, ele entrou pela porta e caminhou a passos lentos até mim. Ele, então, falou, com uma voz hesitante e extremamente educada:

– Por favor, senhor, me desculpe incomodar. Desculpe mesmo. Será que o senhor teria cinquenta centavos que pudesse me dar?

Pronto. Sabe aquela situação desagradável, em que você não quer estar? Na hora, em milésimos de segundo, deparei com aquele dilema: dar dinheiro a um pedinte ou não dar? Recusar-se à caridade ou dar o que ele pedia e, assim, alimentar a mendicância? Aquele dilema atravessou minha mente pelo tempo de um raio e, sabe-se lá por que, meu cérebro decidiu me fazer estender a mão à carteira. Talvez porque dizer aquela mentira, “Não tenho”,  evidentemente seria demais, estando eu em um supermercado.

Esperando estar fazendo a coisa certa, mas não sem um pouco de culpa por ajudar a alimentar a mendicância, procurei os cinquenta centavos. Para meu desgosto, logo me dei conta de que a menor nota que eu tinha era uma de dez reais. Veio logo aquele arrependimento por ter aberto a carteira. Dez reais para um pedinte me parecia excessivo. Mas, encurralado pela situação, já que o rapaz havia visto o dinheiro que eu tinha, fui obrigado a lhe estender a nota de dez.

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Foi quando, com os olhos arregalados, rosto espantado e incrédulo, ele segurou a nota de queixo caído e disse:

– Sério? Dez reais? Tudo isso?

Ele ficou alguns segundos constrangedores me olhando. O silêncio foi quebrado quando ele, sem avisar, inclinou-se em minha direção, me abraçou e deu um beijo demorado em minha bochecha direita. Dizer isso deste modo pode parecer algo bonito, mas a verdade é que foi bem desagradável. Não pela demonstração de gratidão, claro, mas pelo cheiro de muitos dias sem tomar banho que invadiu minhas narinas e por sua barba por fazer, que arranhou meu rosto de forma bem dolorosa. Foi desagradável para mim. Mas pareceu ser glorioso para ele.

Passado o meu susto, ele continuou dizendo mais algumas palavras de surpresa e agradecimento. Foi quando me dei conta de que aquele homem, repulsivo aos meus cinco sentidos, estava deslumbrado simplesmente por eu ter confiado nele e o valorizado, dando-lhe muito mais do que ele acreditava que receberia. Talvez, imagino, ele acreditasse que não valia mais do que cinquenta centavos e que pedir mais que esse montante seria valorizar-se além da conta.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Quando me dei conta de que a autoimagem daquele ser humano estava tão desvalorizada, vi naquela chance a oportunidade de presenteá-lo com humanidade, afeto e senso de valor próprio. E, pela primeira vez naquele relacionamento, eu sorri. Perguntei:

– Qual é seu nome?

– Marcelo. E o seu?

– Maurício.

– Sério? Eu nunca mais vou esquecer, pois é o nome do meu irmão.

– Marcelo, me conta a tua história – eu pedi, verdadeiramente interessado em saber o que levara aquele homem forte e com toda aparência de saúde, a trocar uma vida de trabalho honesto e recompensador pelas ruas.

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Conversamos por um bom tempo. Ele me falou da mulher que o traiu e de como a traição o lançou em depressão. Relatou como seu estado emocional prejudicou sua vida profissional, e como acabou em ruína financeira. Por fim, Marcelo discorreu sobre como a soma de todos os problemas acabou por lançá-lo no alcoolismo, o que foi a gota d’água para ele acabar “em situação de rua”, como disse. Foi quando eu vi a oportunidade de usar aquele nosso encontro para um bem real na vida de Marcelo.

– E você está confortável com a sua vida agora ou tem o desejo de sair da rua?

– Eu quero sair. Estou com 48 anos e preciso acertar minha vida.

Como ele levantou a bola, eu cortei:

– Olha… você pode pegar o dinheiro que lhe dei e torrar com cachaça ou pode se alimentar, tomar banho, pagar uma passagem para ir até uma instituição que o ajude…

E comecei a orientá-lo sobre meios práticos de restabelecer a dignidade e a vida. Disse-lhe lugares que ele poderia procurar e até o nome das pessoas que teriam como ajudá-lo. Mas deixei claro que só ele mesmo poderia tomar as atitudes necessárias para retomar sua cidadania. Os dez reais nem de longe resolveriam sua vida, mas aquele pedaço de papel me deu a oportunidade de fazer Marcelo prestar atenção em mim para que eu pudesse orientá-lo e encorajá-lo.

O fim do sofrimento_Banner APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

E Marcelo de fato prestou muita atenção. Balançou bastante a cabeça, em concordância. E, por fim, sorriu. Estendeu sua mão imunda e eu a apertei. Não foi o suficiente: ele veio e me abraçou novamente, com muita força, fazendo aquele fedor invadir novamente minhas narinas. Mais do que cheiro de falta de banho, era cheiro de falta de dignidade, honra, humanidade, graça, amor. E, sem querer, por força das circunstâncias e não por qualquer magnanimidade de minha parte, acabei tendo a oportunidade de mostrar-lhe o caminho para reconquistar sua vida e sua posição.

Marcelo disse algumas palavras a meu respeito, se despediu e saiu do supermercado. O que será de sua vida eu não sei. Mas aquele nosso rápido encontro me ensinou algo importante: às vezes, Deus nos põe em situações em que, sem que tenhamos planejado, podemos abençoar alguém. Mas abençoar mesmo, e não estou falando de dinheiro. Meus dez reais foram uma benção minúscula para aquele homem, pois, por si só, não resolveriam nada de sua situação – e talvez até a piorassem, caso ele os usasse para tomar cachaça. Mas a nossa conversa, em que tive a oportunidade de lhe apontar caminhos, dizer que ele não era um fracasso, encorajá-lo, fazê-lo socialmente visível e relembrá-lo de que ele tinha a capacidade de reassumir as rédeas de sua situação… aquilo sim foi uma enorme bênção para sua vida.

Posso ter errado ao dar esmola àquele pedinte. Não sei. Até hoje, é muito mal resolvida em minha mente essa questão de dar esmola ou não dar. Mas, certamente, acertei ao dar atenção e amor ao próximo, por mais que me fosse repulsivo.

BNJC_arte para blog APENAS

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Ali aprendi duas coisas. Primeiro, que, muitas vezes, devemos olhar com discernimento para além das aparências de uma situação a fim de compreender por que Deus nos permitiu passar por ela. Não creio que, de todas as pessoas do mundo, o Senhor fez Marcelo vir pedir dinheiro justamente a mim com o objetivo de que eu lhe desse dez reais. Esse valor não era o que Deus queria que eu desse àquele homem. Penso que seu objetivo era que eu lhe mostrasse que havia pelo menos uma pessoa no mundo que acreditava que ele tinha dignidade, honra, valor e propósito. E que lhe mostrasse que aquela “situação de rua” não era o que Deus lhe tinha reservado. Mas, também, que era preciso que ele desse o primeiro passo, aproveitando as oportunidades para deixar de se conformar com cinquenta centavos aqui e ali. Ele vale mais, muito mais do que isso, embora a vida o tenha feito acreditar que esse é o seu valor. E, se eu tivesse me contentado em estender-lhe uma cédula e fechar-lhe a cara, teria perdido a oportunidade de confrontá-lo com essa realidade.

Mas houve um segundo aprendizado. Somente dois dias depois desse episódio, ao refletir sobre aquele encontro, me dei conta de que Deus me fez compreender ali uma nesga de como ele se sente quando, muitas vezes, o procuramos. Nosso pecado fede às narinas do Senhor. E, ainda assim, ele nos recebe com amor e nos presenteia com bênçãos muito mais valiosas do que aquelas que pedimos. Mendigamos os cinquenta centavos de um emprego, um carro, uma bênção material ou uma cura física, mas Deus nos surpreende com os dez reais de bons relacionamentos humanos, de seu perdão vez após vez, de paz no coração, de alegria mesmo diante da escassez, de vida eterna.

O mais extraordinário é que, além de nos dar tais bênçãos, o Senhor conversa conosco e nos orienta. Ele gasta tempo para nos ensinar o que fazer para sair da situação de miséria espiritual em que podemos cair, recobrando nossa honra, nossa dignidade, nosso valor e nosso senso de propósito. Ele nos abençoa e nos orienta quanto ao que fazer dentro do que depende de nossas ações para seguir pelo bom caminho.

APENAS_Banner três livros Zágari

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

Meu irmão, minha irmã, você fede. Eu fedo. Nosso pecado nos torna imundos e céticos aos olhos e às narinas do Senhor. Ainda assim, o amor dele é tanto que ele nos abraça, aguenta os arranhões de nossa barba mal feita em seu rosto, nos abençoa e nos orienta. Ele faz isso porque sua natureza não permite que ele aja de modo diferente. Valorize isso. E, sempre que puder, ponha-se em posição para que ele o lave, o perfume, o dignifique e o ame.

Se você lhe pedir cinquenta centavos, eu creio que ele lhe dará dez reais, pois Deus é um bom Pai. Mas nunca feche os olhos ao fato de que, mais importante do que a esmola que ele lhe dará será o contato entre vocês e tudo aquilo que ele lhe mostrar a seu respeito e acerca dos propósitos dele para sua vida.

E, assim como eu disse ao imundo e fedorento Marcelo que acreditava nele e tinha plena confiança de que ele tinha valor, honra e dignidade, Deus dirá, ao lhe estender a esmola que você lhe pede, tudo o que você significa para ele. Quando o Senhor fizer isso, meu irmão, minha irmã, preste atenção. Pois essa conversa poderá fazer a diferença entre um futuro habitando na imundície ou na paz gloriosa do seu Senhor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Acordei me sentindo mal. Febre, moleza, dor de garganta, tosse, rouquidão, dor no peito. A coisa não estava bonita. Decidi ir à emergência de um conceituado hospital do Rio de Janeiro e, após ser examinado pela jovem médica, o diagnóstico: vírus. Na receita, um corticoide, um xarope para a tosse, um antitérmico e a promessa de em cinco dias estar bem. Vida que segue. Só que não. 

Foram dez dias tomando os remédios e, adivinhe, não adiantou absolutamente nada. No décimo dia, eu estava inchado e todos os sintomas persistiam. Eu não aguentava mais tossir, estava exausto, molenga e frustrado. Decidi, então, ir a um otorrino. Para minha surpresa, o diagnóstico dele foi completamente  diferente do da primeira médica: não era vírus, era bactéria. O remédio receitado: antibiótico. E, dessa vez, já no primeiro dia de tratamento comecei a melhorar. Pela primeira vez em duas semanas, consegui dormir bem. E, em cinco dias, eu estava curado. 

A conclusão: se o diagnóstico está errado, o tratamento será errado – e não haverá cura. E, além disso, perderemos um tempo enorme, sofrendo, doentes, tratando uma coisa quando deveríamos estar tratando outra. 

Muito se fala hoje sobre os problemas da igreja, falhas cometidas por cristãos ou supostos cristãos que adoecem o Corpo de Cristo. Nós, naturalmente, devemos buscar corrigi-los, sempre, e da maneira bíblica: não brigando, mas instruindo com mansidão, na esperança de que Deus dê o arrependimento para quem está provocando esses problemas (2Tm 2.24-26). Mas, para tanto, precisamos diagnosticar corretamente aquilo que tem adoecido a igreja. Devemos mirar no que é prioritário e não secundário. A questão é que muitos estão travando combates com base em diagnósticos errados e, por isso, os problemas principais não estão sendo combatidos. Um desperdício de tempo, energia e intelecto. E, enquanto se investe tanto no que é secundário, os problemas prioritários continuam nos infectando, envenenando e afastando de Deus. 

O maior mandamento do cristianismo é amar a Deus e ao próximo. Portanto, isso é prioridade máxima na vida do cristão. Já ouvi muita gente boa dizer que o maior problema da Igreja em nossos dias é a superficialidade. Eu discordo. O maior problema da Igreja em nossos dias é a falta de amor ao próximo. Jesus nunca disse “Sede profundos”, mas disse muitas vezes “Amai”. Assim como Paulo. Assim como João. E, como eles, devemos também nós priorizar o que é prioritário. 

Não estou defendendo que devemos valorizar a superficialidade teológica, não é nada disso. O que defendo é que se priorize o que Jesus priorizou. E ele priorizou o amor. Dedicar sua vida a conduzir as pessoas à profundidade teológica mas fazer isso sem amor é uma postura completamente insana do ponto de vista cristão.

A realidade é que não temos amado as pessoas. Não as corrigimos com paciência e mansidão (como ordena a Bíblia), mas com fúria; não estendemos a mão aos necessitados, mas terceirizamos a caridade; não olhamos para quem discorda de nós com compaixão, mas com raiva e rancor; não buscamos desenvolver o fruto do Espírito, mas inventamos desculpas pseudobíblicas para continuar sendo pessoas desagradáveis, prepotentes e altivas sob um manto “evangélico”; não socorremos a pessoa diferente que está caída à beira da estrada, mas fingimos que não vemos ou pisamos em sua cabeça. Tudo isso, e muito mais, denuncia falta de amor ao próximo e um gigantesco amor ególatra por si mesmo. Esse é o maior câncer da Igreja em nossos dias. 

O fim do sofrimento_Banner APENAS

É decepcionante ver tanta gente culta e muito mais bem preparada do que eu dedicar seu tempo a causas e bandeiras que visam a defender e propagar a sua visão de cristianismo, mas que o fazem abandonando completamente atitudes e conceitos que são pilares do cristianismo. Como amor. Paciência. Mansidão. Autocontrole. E, enquanto proliferam argumentos e debates feitos de forma totalmente anticristã no jeito de se posicionar, muitas vezes sobre velhas questões que nunca serão unanimidade no cristianismo, perde-se um tempo enorme e precioso que poderia ser investido naquilo com que todos os cristãos concordam que é fundamental. Um exemplo é a falta de perdão. 

Uma quantidade avassaladora de cristãos não entende o perdão bíblico e por isso não o pratica. De quem é a culpa? Nossa, os que ensinamos. Professores, teólogos e pastores que priorizam tantos assuntos secundários e periféricos em detrimento do que está no tutano do evangelho. Pouco se prega sobre perdão nos púlpitos, sendo que ele é uma das colunas centrais do cristianismo. Não se organizam conferências teológicas sobre o tema. O assunto é tão urgente que, para você ter ideia, meu livro Perdão total em menos de três anos de publicado já está na quinta tiragem, com 15 mil exemplares impressos. Perdão total no casamento, por sua vez, esgotou os 5 mil exemplares da primeira tiragem em apenas 40 dias. Isso quer dizer que sou um escritor maravilhoso? Claro que não. Eu apenas exponho o que a Bíblia diz, com simplicidade e de um jeito fácil de entender. O que essa vendagem expressiva diagnostica é que as pessoas estão precisando desesperadamente perdoar e ser perdoadas, mas não compreendem o perdão e, por isso, não o vivenciam. Estão sedentas de instrução sobre o assunto, mas quase não vejo ninguém falar sobre a urgência do perdão. Preferem ficar discutindo loooooongamente assuntos secundários da fé, coando mosquitos e engolindo camelos. 

Quem diagnostica problemas equivocados ou quem hipervaloriza assuntos que Jesus mesmo não valorizou está, sem perceber, afastando as pessoas da mensagem que Cristo priorizou. Com isso, ajuda a manter a Igreja doente. São parte do problema e não da solução. E não enxergam isso, lamentavelmente. 

Há tumores no seio da Igreja? Há, sem dúvida. Tristemente, os temos diagnosticado equivocadamente e, por isso, nosso tratamento mais adoece do que cura – ou, simplesmente, não faz efeito algum no que se refere aos reais problemas do Corpo. A dolorosa realidade é que, assim como há muitos falsos mestres e falsos profetas entre nós, há também muitos falsos médicos.

Não adianta combater heresias sendo herético na forma de agir. Não adianta querer mudar a soteriologia, a crença carismática ou a escatologia de outros cristãos de modo anticristão. Não adianta debater com os inimigos da fé de uma forma que fere os princípios da fé, pois a forma importa tanto quanto o conteúdo. Precisamos priorizar o que é prioritário, amando o próximo e levando outros a amar, perdoando e ensinando a perdoar, investindo na unidade do Corpo e não em dissensões e facções, convivendo com o diferente de forma pacífica e instruindo com mansidão, buscando viver o fruto do Espírito em tudo o que fazemos e falamos. Não fui eu quem ensinou isso, está num livro que você provavelmente tem em casa. 

Confiança inabalável_Banner Apenas

E, em tudo, devemos lembrar do mal maior: o pecado. O pecado é a célula original do câncer. É ele que nos leva a odiar os inimigos, a ser debochados nos debates, a tratar o diferente com raiva e rancor, a não perdoar, a nos acharmos superiores aos demais, a ser impacientes no diálogo com os equivocados, a formar patotas e desprezar os demais, a nos envaidecer diante dos elogios e a tantas outras formas de sermos problemas na igreja. 

Meu irmão, minha irmã, não existe nenhuma forma melhor de contribuir para a saúde do Corpo do que combater o pecado que ganha espaço no próprio coração. Sugiro que você pare um pouco de olhar para o lado, para o outro, e comece a olhar para dentro de si. Que pecados de estimação você identifica? Desamor? Vaidade? Egoísmo? Espírito faccioso? Inimizades? Você vira o rosto para quem não gosta e em vez de se reconciliar com ele finge que não o vê e se recusa a estender a mão? Sente ressentimentos? Sente alegria na derrota alheia? Tem o hábito de sempre se posicionar altivamente como o certo e considerar quem discorda de você como filho do diabo? Quais são, afinal, os pecados que se alimentam do seu ego e dos quais você não tem demonstrado vontade alguma de se livrar? Acredite, esses pecados são o mal maior da Igreja, pois você é Igreja e o seu e o meu pecado são o maior câncer do Corpo de Cristo. 

Proponho algumas reflexões: você tem feito parte da cura ou da doença? Quais têm sido os seus diagnósticos sobre os problemas principais da igreja? Você se preocupa com os problemas que a Bíblia de fato mostra que são problemas ou com o que está na moda e o que seus teólogos e pastores favoritos combatem nas redes sociais? E a pergunta principal: o que você fará a respeito dos seus próprios erros – os erros reais, aqueles que envenenam seu coração -, de forma a contribuir para a saúde da Igreja de Jesus?  

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

CHABPOLIN 1Gostei muito quando assisti a uma entrevista do ator mexicano Roberto Bolaños, conhecido por interpretar os personagens Chaves e Chapolin na televisão, pois ele disse algo que sempre pensei. Indagado sobre o que  achava de heróis como Superman e He-Man, ele respondeu: “Eles não são heróis. Herói é Chapolin Colorado. O heroísmo não consiste em não sentir medo, e sim em superá-lo. Superman é um super-herói, é todo-poderoso, por isso não sente medo. Chapolin morre de medo e, consciente dessa deficiência, ele enfrenta o medo. Isso é ser um herói. E ele perde muitas vezes, o que é outra característica dos heróis”. A reflexão de Bolaños é muito boa. Quando escrevi a série de livros de ficção cristã que teve início com O enigma da Bíblia de Gutenberg, uma das características que fiz questão de manter em todos os livros é que Daniel, o protagonista e herói das aventuras, não é, nem de longe, perfeito: ele erra com frequência, mas aprende com suas falhas e se esforça por não mais errar. Achei pertinente Bolaños ter dito o que disse, pois eu sempre afirmei que Daniel era o herói dos livros justamente porque ele erra, é verdade, mas se recusa a estagnar no pecado e se arrepende, aprende com os erros e se esforça para não mais errar. O que é uma lição para a minha e a sua vida. 

Ao longo de sua trajetória, você ainda vai errar, e muito. Terá pensamentos inconfessáveis. Pecará por deixar de fazer o bem. Desobedecerá muito a Deus em nome de boas desculpas. Usará sua língua para o mal. Se encherá de orgulho. Desprezará o pobre. Sentirá inveja do rico. Desonrará pai e mãe. Desejará o mal de quem te fez mal. Odiará. Cobiçará. Incitará em vez de pacificar. Se envaidecerá. Negará Jesus com suas atitudes. Terá preguiça. Enganará pessoas. Fará coisas ainda piores. E, se disser que não fará nada disso, mentirá. Como eu posso afirmar? Simples: porque você não é um super-herói, é um mero mortal. E mortais pecam. 

jESUSA boa notícia é que você tem dois caminhos a seguir: pode se conformar em continuar cometendo seus pecados de estimação ou seguir pelo heroico caminho da resistência. Que você ainda vai pecar muito, isso é fato. A grande questão é: o que fará quando isso acontecer? O que aprenderá? Que estratégias desenvolverá para não voltar a cometer o mesmo erro? De que modo ter pecado o ajudará a não mais pecar? Se você extrair ensinamentos e aprendizado dos seus pecados, refletir sobre eles, criar mecanismos que o ajudem a evitar incorrer nas mesmas transgressões e conseguir de fato vencer as tentações… a meu ver, será um herói. 

O enigma da Biblia de GutembergJesus, na eternidade, era o super-herói maior. Para ele não havia nem kriptonita. Mas, ao encarnar como homem, ele tornou-se o herói da humanidade, pois, passível de pecar, não pecou. Tentado em tudo, não cedeu. Confrontado no deserto por seu arqui-inimigo, o derrotou pelo poder da Palavra. Jesus nos deu o exemplo maior de heroísmo e provou que é possível ser um herói. Você pode. Deus te deu conhecimento de sua vontade. Deu domínio próprio. Deu seu Espírito. De que mais você precisa? Certa vez, me perguntaram em quem eu havia me inspirado para criar o Daniel, o herói de meus livros de ficção, que erra mas aprende, se arrepende e, depois, faz a coisa certa. Na hora, respondi: “em ninguém”. Hoje, percebo que respondi errado.

Eu me inspirei em alguém, sim: em mim e em você, os chapolins da vida real. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

PecadoQual é a primeira palavra que a história da mulher adúltera traz à sua mente? Que conceito é o mais chamativo no relato da queda daquela israelita? Pare um momento. Pense no caso. Imagine a cena. Aquela transgressora é pega em flagrante delito. Nua. Deitada com outro homem. Seduzida pelas próprias paixões. Entregue aos prazeres da carne. Desviada dos caminhos de Deus. Distante da santidade. O que isso traz à sua mente? Que palavra resume a história daquela adúltera? Eu arriscaria dizer que o conceito que imediatamente vem ao seu pensamento é pecado. Estou certo? Afinal, o que ela fez foi cometer um terrível pecado. A punição solicitada para ela foi por causa do pecado. O que entrou em discussão com Jesus foi a respeito do que se faria com ela devido ao pecado. Só o que os mestres da lei e os fariseus enxergavam quando olhavam para ela era seu pecado. Ela cheirava a pecado. Tinha aparência de pecado. Transpirava pecado. Seu nome passou a ser pecadora. Então o foco do relato de João 8.1-11, sem dúvida alguma, é este: pecado.

Bem, na verdade, não. Para os homens é possível que sim. Mas, para Deus… será?

Acredito que a primeira palavra que a história da mulher adúltera traz à mente do Senhor é graça.

Pecado1A relação entre pecado e graça sempre deve ser vista segundo a análise do ponto de partida e do ponto de chegada. Para os mestres da lei e os fariseus, o pecado daquela mulher era o ponto de chegada. Nada mais importava. A vida dela não vinha ao caso. Seus erros e acertos do passado não faziam diferença. O arrependimento era inócuo. As possibilidades de seu futuro eram irrelevantes. Tudo o que tinha a ver com a existência daquele ser humano, naquele momento, era o pecado. Esqueçam se ela sempre foi uma serva fiel do Senhor. Que importa se viveu uma vida piedosa até então?! Nem perguntem a opinião do marido. Esqueçam tudo. Aos olhos daqueles homens, o pecado tornou-se corpo, alma e espírito; passado, presente e futuro daquela mulher. E só o que viam nela. Seu pecado. O ponto de chegada daquela alma. The end.

Jesus não. O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo viu o pecado daquela mulher como o ponto de partida. Para os olhos divinos, aquela transgressão não representava o topo da edifício, mas apenas mais um degrau da escada. No alto do pódio daquela história estava a graça de Deus. O pecado foi absorvido pela graça. Aquela vida arrependida era o náufrago e a graça, o bote salva-vidas. O pecado era a noite e a graça, o amanhecer. Pecado. Arrependimento. Perdão. Restauração. “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado” (v. 11). Graça.

A história da mulher adúltera é um magnífico retrato da graça de Deus. Do olhar do Senhor sobre nossas vidas. Um Deus que é santo, que ordena que abandonemos a vida de pecado, mas que também diz que não condena o pecador arrependido. Aquele episódio é uma síntese do plano de salvação: o homem peca, ele torna-se alvo do acusador, seu pecado o faz digno de punição, mas Jesus entra com graça e “já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1).

Pecado0Deus não deseja nos punir. Ele quer nos perdoar. Quer nos restaurar. Quer nos salvar. Quer arrependimento e esforço para abandonar o pecado. Onde nós, pecadores, enxergamos pecados sem volta, Deus vislumbra as maiores oportunidades de exercer sua graça. Os homens amam a punição. Deus ama o perdão. “Consequentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos” (Rm 5.18-19).

Você pecou? O que mais chama a atenção em sua vida é o pecado? Pois então saiba que Deus olha para você e vislumbra o ponto de chegada: a graça. O segundo templo. A glória da salvação. De igual modo, ele olha para os pecadores que mais escandalizam você e vê neles uma excelente oportunidade de exercer sua graça, de fazer a cruz entrar em ação na vida de mais uma alma.

Nós olhamos para o pecado e queremos sangue. Deus olha para o pecado e se lembra do sangue de seu próprio Filho.

A caso da mulher adúltera não é uma história sobre pecado, é uma história sobre graça. O pecado triunfou no início, no Éden, no ponto de partida. Mas no ponto de chegada, na Jerusalém celestial, é Cristo quem triunfará, quando todos os que foram lavados no sangue do Cordeiro estiverem reunidos aos pés do Senhor, louvando e exaltando seu amor sem fim, seu perdão imerecido e sua maravilhosa graça.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio

Sim, existe um lugar mais importante na igreja. É o local onde, em geral, se senta quem mais importância tem em um culto público. Não fica no ponto mais visível, não é a cadeira de espaldar mais alto da plataforma nem os bancos onde se sentam os músicos do louvor. Também não é a poltrona do tesoureiro, a sala do administrador ou o cômodo onde se reúne o conselho de presbíteros. O gabinete pastoral tampouco é o lugar mais importante em uma igreja, bem como o banco mais próximo do púlpito. Não é, também, o tanque batismal ou a mesa da Ceia. Bem, se não é nenhum desses lugares… qual é?

Não há dúvidas de que Jesus é a pessoa mais importante em uma igreja, mas, como ele não habita mais aqui do que ali, sua onipresença o põe igualmente em todos os lugares do santuário ao mesmo tempo. Está tão presente na mesa da Ceia como naquele membro que come o pão e bebe o vinho. Ele está tanto no púlpito onde é ministrada a palavra quanto no meio do povo que a recebe. Pois a mesa da Ceia e o púlpito não têm razão de ser sem que haja quem ceie e quem ouça – logo, a importância do memorial está atrelada a quem se lembre da Cruz e a importância da proclamação está atrelada a quem a receba e viva por ela. Mas será que depois de Deus há uma segunda pessoa mais importante na igreja – e que ocupa, consequentemente, o lugar mais importante? Sim, há.

Mateus 25.31-40 relata: “Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”.

Essa passagem deixa claro que Cristo associa sua imagem de modo íntimo à daqueles que mais precisam de socorro, amparo, auxílio, amor. Jesus associa Sua própria pessoa ao faminto e ao sedento (os desamparados), ao forasteiro (o que depende de orientações), ao nu (o que precisa desesperadamente de algo), ao enfermo (o aflito e fraco) e ao preso (o solitário e isolado). Em suma, infere-se que Jesus diz que sua presença se faz mais do que tudo naqueles que precisam de uma mão estendida, de socorro, de um ombro, de uma palavra de consolo e conforto. De amor. Minha experiência e a de qualquer irmão que tenha o cuidado de conversar com quem está no santuário antes de o culto começar mostra onde os tais costumam se sentar: no último banco.

O último banco – aquele mais escondido, onde se pode chorar sem que ninguém perceba, onde o desesperado e o aflito costumam sentir-se mais seguros. É o cantinho da igreja onde quem costuma se ver como indigno geralmente se refugia.

Portanto, para mim, o lugar mais importante na igreja é o último banco do santuário.

A razão de ser da Igreja é glorificar Deus. E isso se faz, acima de tudo, cumprindo o maior mandamento, ou seja, amando ao Senhor sobre todas as coisas e… ao próximo como a si mesmo. Portanto, no âmbito do relacionamento com Deus, a melhor forma de glorificá-lo é devotando-lhe amor, e isso se faz por meio da obediência (“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama”, disse Jesus em João 14.21a). Já no âmbito do relacionamento com o próximo, a melhor forma de dar glória a Deus é doando-se pelo outro, cuidando de suas feridas –  como Jesus deixa claro na parábola do bom samaritano, relatada justamente para explicar quem é nosso próximo.

E na igreja quem mais precisa ter suas feridas cuidadas em geral se abriga no último banco. Logo, se você quer glorificar Deus amando o próximo como a si mesmo, aqui vai uma dica: sempre concentre suas atenções em quem está sentado no fundo. Ali deve estar o nosso foco. Do púlpito e da mesa da Ceia vêm o aprendizado e a proclamação.  No último banco deve estar esse aprendizado sendo posto em prática. O Evangelho pregado de púlpito é a mensagem que desperta. O Evangelho praticado no último banco é a mensagem que despertou alguém.

Por isso, deixo aqui a minha sugestão: quando você chegar à igreja antes de o culto começar não vá direto bater papo com seus amigos ou sentar-se no seu lugar para ficar sem fazer nada até o início da celebração. Em vez disso, dirija-se a quem está no último banco. Sente-se ao seu lado. Pergunte seu nome. Apresente-se e pergunte como ele está. Ouça sua resposta. Ore com ele. Aconselhe. Apresente-o ao seu pastor. Convide-o para a comunhão. Dê atenção. Dê afeto. Dê a ele o de beber, o de comer, vista-o. O mesmo procure fazer ao final do culto. Você vai reparar que, geralmente, pessoas ficam ainda por algum tempo sentadas no último banco após a bênção final e a despedida. Provavelmente porque anseiam desesperadamente por algo mais. Seja você esse algo mais.  Leve afeto até elas. Visite-as no isolamento de seu banco.  Reflita Cristo para elas. Ame-as.

Sim, o último banco da igreja é seu lugar mais importante. Pois ali costumam estar as melhores oportunidades de praticar aquilo que é pregado no púlpito. Faça essa experiência. E você verá como é maravilhoso ocupar o lugar de maior honra que pode haver para um cristão dentro de uma igreja cristã: o lugar onde se estende a mão para o triste, o caído, o abatido, o pecador, o desesperado, o deprimido.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio
.