Posts com Tag ‘Lia’

Amor1Está na moda dizer que “amar é uma decisão”. Todo crente politicamente correto diz isso. “Afinal”, escuto sempre, “Jesus mandou amar os inimigos e eu não sinto vontade de amá-los, mas decido amá-los”. Reconheço que essa afirmação tem mérito, há sim um componente racional no amor. Afinal, muitas vezes é a razão que nos impulsiona a realizar atos traduzidos por amor (de ajuda ao próximo, ações de caridade por completos estranhos e atos similares). Mas olho para a Bíblia e não consigo me convencer de que seja uma verdade absoluta e fechada, excludente. E olha que já me esforcei muito para crer nisso. Mas, longe da simpática teoria e dentro da realidade da vida, não consegui até hoje ser convencido de que o amor que a Bíblia exalta e que constitui a natureza de Deus se resume a algo tão frio e estoico como uma pura decisão racional – tal qual a decisão de que roupa vou vestir hoje à noite ou de que prato vou comer no almoço.

Pelo que pesquisei, o conceito de que “o amor é uma decisão e não um sentimento” não tem origem cristã, mas pagã: parece ter sido originado em um conto chinês que se tornou amplamente divulgado no mundo ocidental graças à viralidade da Internet, em especial a partir de fontes espíritas kardecistas. Você pode ler o conto AQUI, pois foi reproduzido, inclusive, num livro do padre Marcelo Rossi. Se você souber de outra fonte, por favor compartilhe nos comentários e terei prazer de publicar.

Amor3À parte das origens pagãs dessa teoria, comecei a refletir e resolvi fazer um teste, que teve resultados interessantes. Selecionei alguns conhecidos meus que defendem com veemência que “amar é uma decisão” (ou seja, um processo de escolha meramente racional). Sem que percebessem, em momentos variados lhes perguntei como foi sua história de amor com o marido/a esposa. Pedi que contassem como chegaram ao ponto de decidir se casar com o cônjuge. Invariavelmente, ouvi, entre outras afirmações, coisas do tipo “quando a vi meu coração disparou”, “eu não conseguia parar de pensar nele”, “eu a achei a mulher mais linda do mundo” e “quando ele segurou na minha mão foi como se tivesse tomado um choque elétrico” – todas afirmações bastante ligadas ao emocional (afinal, ninguém decide disparar o próprio coração, manter um pensamento constante, considerar alguém belo ou disparar eletricidade pelo corpo ante o toque de alguém). Logo, sou obrigado a concluir que, na prática, ninguém ama um marido ou uma esposa exclusivamente porque decidiu amar. Algo na linha: “Olhei, pensei, raciocinei, ponderei, refleti e tomei a decisão: vou amar fulano e poderemos nos casar”. Se você for honesto, verá que não é assim que acontece.

Amor6Existem aqueles que se casam sim por uma decisão. Repare: eu disse “se casam” e não necessariamente “se amam”. Conheço homens que escolheram a esposa porque “ela tem um ministério que complementa o meu” e mulheres que optaram por maridos porque “ele é honesto e trabalhador e me trata com respeito e carinho”. Tudo isso é importante, entenda que não estou desmerecendo o aspecto racional da escolha do cônjuge. Ele é indispensável. Creio, inclusive, que sem um componente racional um casamento está fadado ao fracasso. Mais ainda: estou convicto de que, sem a tomada de certas decisões, não há amor conjugal. Mas, quando ouço comentários reducionistas como “amar é uma decisão”, vejo pessoas que se casaram pela razão, mas não consigo enxergar nelas pessoas que se casaram por amor. Pois amor não é razão. Amor não é decisão.

Muitos justificam essa teoria a partir do modelo de casamento – cultural e contextualizado – adotado nos tempos bíblicos. Naqueles milênios, a escolha do cônjuge era feita pelos pais. E os adeptos da crença de que “amar é uma decisão” recorrem a esse fato como um argumento para justificar a ideia de que é possível se casar sem nenhum sentimento e você “aprenderá a amar” a pessoa da mesma forma. Mais do que isso: defendem que esse é o padrão bíblico.

Amor7Mas aí descubro muitas passagens bíblicas que me mostram o contrário. Uma história extraordinária nesse sentido é a de Jacó. Ele foi obrigado a se casar com Lia, quando seu coração pulsava, na verdade, por Raquel. Depois, quando as duas se tornaram suas mulheres, as Escrituras nos mostram uma Lia eternamente infeliz por não contar com o amor do marido. Estavam casados, mas não havia o aspecto emocional do amor. Ela era tão infeliz que chegou ao ponto de tentar despertar no esposo algum sentimento mediante a gravidez (“O Senhor viu a minha infelicidade. Agora, certamente o meu marido me amará” – Gn 29.32). Leia com calma toda a vida de Lia e o que você verá é uma mulher com um enorme vazio no peito, uma alma oca, que era tão ignorada pelo marido que não a amava que precisava comprar o direito de se deitar com ele (Gn 30.15-16).

Já com Raquel era diferente: “Jacó amava a Raquel e disse: Sete anos te servirei por tua filha mais moça, Raquel. Respondeu Labão: Melhor é que eu ta dê, em vez de dá-la a outro homem; fica, pois, comigo. Assim, por amor a Raquel, serviu Jacó sete anos; e estes lhe pareceram como poucos dias, pelo muito que a amava” (Gn 29.16-20). Ao ouvir que “amar é uma decisão” fico pensando então por que Jacó não simplesmente decidiu amar Lia e, assim, resolver o problema. Ou por que, quando acordou de manhã e viu que tinha se casado com Lia, não “decidiu amá-la” e, em seguida, “decidiu não amar” Raquel, o que facilitaria muito sua vida. Porque, convenhamos, se o negócio era arranjar uma esposa, ele já tinha arranjado. Para que precisava de Raquel se já tinha Lia? Trabalhar mais sete anos para ter a segunda esposa seria irracional, bastava Jacó decidir não mais amar Raquel, tocar a vida com Lia e ser feliz para sempre. Mas não foi o que aconteceu.

Amor8Há outros exemplos. Analiso o amor de Salomão pela Sulamita no Cântico dos Cânticos e confesso que sinto um pouco de pena de quem se casava apenas porque as famílias decidiam. Salomão tinha mil mulheres e concubinas, mas repare que o Cântico dos Cânticos fala sobre somente uma delas. Ele se casou com muitas, mas creio que só amou uma. Racionalmente decidiu unir-se a mil. Mas, emocionalmente, seu coração ligou-se a uma única. E uma leitura honesta desse lindo poema de amor que é o livro de Cantares mostra que esse relacionamento estava a anos-luz de ser meramente “uma decisão”.

O mesmo ocorre, também, com Ester. Lemos em Ester 2.17 que “O rei amou a Ester mais do que a todas as mulheres, e ela alcançou perante ele favor e benevolência mais do que todas as virgens”. Por que o rei não decidiu amar outra? Se era uma questão de opção racional somente, o que fez aquela mulher se destacar das demais aos olhos do soberano? Razão, puramente? E mais: razão… principalmente? O que aquela jovem hebreia tinha de tão especial que racionalmente teria feito Assuero “decidir” amá-la mais do que a todas outras mulheres? Era estrangeira, pobre, exilada, órfã, de outra religião… racionalmente não fazia sentido o rei decidir amá-la em detrimento das demais? Mas a Bíblia relata que esse amor simplesmente aconteceu e não porque Assuero optou por isso.

Amor9Essa questão extrapola o amor conjugal. Quando leio João 3.16, vejo que “Deus amou o mundo” e não que ele “decidiu amar o mundo”. Vejo, em muitas passagens, Jesus ser movido a atos de amor por compaixão (Mt 9.36; 14.14; 15.32; 20.34; Mc 1.41; 6.34; Lc 7.13). E “compaixão”, pelo dicionário, significa “Sentimento benévolo que nos inspira a infelicidade ou o mal alheio”. Ou seja, dizer que compaixão é apenas uma decisão seria negar a essência de seu significado. Poderíamos ir além: o termo em grego usado para falar da compaixão de Jesus é splagchnizomai, que fala explicitamente de uma emoção, algo que se sente. Logo, dizer que o amor do Senhor pelos carentes de compaixão e misericórdia seria apenas uma decisão contraria, em todos os aspectos, a exegese bíblica.

Vejo em Romanos 9 o Senhor dizer “amei Jacó e aborreci Esaú”. Ora, se amor é uma decisão, por que Deus não decidiu amar Esaú, visto que ele não faz acepção de pessoas? O Senhor poderia perfeitamente decidir amar ambos. Outra: o texto bíblico diz, em numerosas ocasiões, que, durante os séculos em que o reino do Sul, Judá, foi idólatra, Deus reteve o juízo pelo amor dele a seu servo Davi. Outro exemplo está em 1Samuel 18.1, onde vemos: “Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma”. Uma decisão pura e simples?

Amar pressupõe algo diferente. Amar faz alguém se destacar da multidão. E, se você destrincha cuidadosamente os textos bíblicos, vê que, na Escritura, quem ama não o faz porque olha a multidão, analisa um por um, pondera e decide: “Vou amar aquele”. Não é assim. O amor bíblico verdadeiro, universal e despido de um contexto histórico específico aponta para pessoas que, aos olhos de alguém, brilharam dentre as demais e tocaram na razão mas, indispensavelmente, também no coração de alguém.

Amor2Se você tem um filho eu te perguntaria se você o ama somente porque racionalmente ele foi formado a partir de um espermatozóide ou um óvulo seu. Você foi vendo aquele bebezinho crescer todos os dias até que, numa certa manhã, disse “bem, a partir de hoje decido amar essa criança”, foi dessa maneira? Outra pergunta: você não escolheu ter os irmãos que tem, mas, em geral, nós amamos nossos irmãos. Isso ocorreu racionalmente ou foi fruto de uma emoção cultivada e desenvolvida diariamente, ao longo dos anos? E, sobre isso, eu perguntaria: se você teve algum problema com um parente e cortou relações, se amar é tão somente uma decisão racional, por que não simplesmente decide voltar a amá-lo?

É fundamental lembrar que ninguém, nem um único cristão, ama Jesus porque tomou a decisão de amar. Nós amávamos o mundo, até que, pela graça, contrariando tudo em que críamos racionalmente até então, o amor de Deus nos alcançou e passamos a amar Jesus. Eu nunca decidi amá-lo. Estava muito bem, obrigado, amando minha vida de incrédulo, quando esse amor chegou pelos sentidos, invadiu meu cérebro, ligou-se a minha alma, incendiou meu espírito e pronto: quando me dei conta estava amando.

Amor5Por que falar sobre este assunto? Porque há muitos irmãos e irmãs decidindo somente pela razão a quem “amar” e, por isso, se casando sem amar. Tornam-se cônjuges de amigos (e não de amores) que decidiram desposar, mas vivem sem desfrutar do amor pleno que Salomão descreve no Cântico dos Cânticos (que não é apenas erótico, como muitos defendem, se você ler com atenção verá duas almas profundamente entrelaçadas emocionalmente). Esses irmãos tornam-se incompletos e acabam se divorciando ou se condenando à infelicidade e à frustração até que a morte os separe. E tudo porque acreditaram na teoria de que “amar é só uma decisão”. Dizer isso é como falar “o Brasil é o estado do Rio de Janeiro”. Só que não é, o Rio é uma parte do Brasil. Assim como a razão, a decisão é uma parte do amor. Ele é composto ainda de ação e emoção. Advogar um amor ultrarromântico, baseado somente nos sentimentos, é um erro. Mas descartar o sentimento como se fosse algo antibíblico, na ultravalorização do racionalismo, é descartar a linda capacidade que Deus nos deu de sentir.

Eu amaria concordar que “amar é uma decisão”, pois isso me faria mais politicamente correto dentro do meio evangélico, onde esse conceito da filosofia oriental virou moda. Eu amaria, mas o meu amor por essa teoria não depende somente de uma decisão minha. Eu não decido crer no que creio. O amor é uma decisão, sim. O amor é razão, sim. Mas vai muito além disso. O amor é também ação. E, sim, o amor é emoção. Se você se casa com alguém por quem seu coração não pulsa, casou-se por amizade ou carinho, não por amor. Seu amado tem de ser seu amigo, mas não pode ser seu amigo. O amor é muito mais complexo do que a simples definição “uma decisão” tenta fazer parecer. Deus é amor. E Deus é razão, ação e emoção.

É por isso que o amor é infinito e o infinito faz meu coração pulsar infinitamente.

.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício