Posts com Tag ‘isolar’

Sim, amar o próximo vai lhe custar caro, muito caro.  Prejudicará a sua reputação, fará pessoas lhe virarem a cara, tornará você malquisto em muitos círculos, o tornará alvo de questionamentos sobre suas intenções e até mesmo sobre a ortodoxia da sua fé. E isso por uma única e triste razão: as pessoas, em sua maioria, não estão preparadas para compreender o amor bíblico em toda a sua extensão e, menos ainda, a colocá-lo em prática. E, quando me refiro às “pessoas”, isso inclui cristãos e não cristãos, lamentavelmente.
 .
Na parábola do bom samaritano, Jesus explicou de modo claríssimo o que significa amar o próximo. Por meio de sua ficção, o Mestre deixou claro que o amor verdadeiramente bíblico não tem a ver com o outro ser ou fazer o que você é ou faria. Se você nivela seu amor por alguém tomando você próprio (suas crenças, certezas e posturas) como referência, não está amando o outro, mas endeusando a si mesmo.
.
Se você só ama quem crê, pensa, age, se veste, canta, fala, vive ou prega como você, seu amor não nasceu no coração de Deus, nasceu no seu narcisismo. O samaritano tinha tudo para odiar o homem que ajudou, porque aquele cara caído à beira da estrada representava tudo o que a vida lhe ensinou que ele deveria odiar. Mas, ainda assim, ele passou por cima de tudo e o amou – com compaixão sincera e com atitudes condizentes.
 .
Em muitos ambientes do nosso meio evangélico – apaixonado por modelos, patotas e rótulos pré-concebidos -, amar o próximo fará de você um proscrito. Se você está realmente disposto a amar o próximo como o samaritano amou – isto é, como Cristo ama -, saiba que você será isolado e rejeitado. Vão chamá-lo de adjetivos nada elogiosos, farão piadas de você e deixarão de convidá-lo para almoçar. E isso simplesmente porque muitos não entendem o que é o amor bíblico e o confundem com caricaturas bizarras de seu amor imaginário.
 .
Faça o teste: quando você demonstra publicamente amor pelos arminianos, será rejeitado pelos calvinistas, e vice-versa. Se demonstra amor pelos pentecostais, os cessacionistas o desqualificarão, e vice-versa. Se ama sem censuras os cristãos com ideologias políticas de direita, os de esquerda o rotularão, e vice-versa. Se, por amor às ovelhas de Cristo, vai pregar numa igreja de neopentecostais, será xingado de “herege” para baixo. Se, por amor à Igreja de Cristo, vai pregar numa igreja presbiteriana, será qualificado de “crente frio” e “sorveteriano”. Se você, por amor, trata com carinho um cantor de música gospel, será ofendido por quem só canta hinos antigos. Se ama um católico romano à vista de todos, vão chamá-lo de ecumênico. Se ama um umbandista, vão chamá-lo de desviado. Se ama um homossexual, vão chamá-lo de apóstata. Se ama aquele pastor complicado, vão chamá-lo de liberal. E assim por diante.
 .
A grande dificuldade da maioria das pessoas é compreender que amar não significa concordar. Tampouco significa fazer o que o outro faz. Muito menos ser conivente com práticas equivocadas ou pecaminosas de pessoas a quem você dá amor. Jesus amou a samaritana, mas não concordava com seu estilo de vida. Também amou a mulher flagrada em adultério, mas nunca pecou em sua sexualidade. Ele jamais roubou ou concordou com o roubo, mas amou o ladrão da cruz. E amou sempre esperando que esse amor conduzisse as pessoas diferentes dele ao arrependimento e a uma situação a que só o amor pode levar. Amar não é nada do que a maioria das pessoas pensa. E, por isso, a incompreensão sobre o amor cristão leva muitos cristãos a rejeitar, isolar, criticar, diminuir, desprezar, atacar, repudiar e desmerecer aquele que verdadeiramente ama de forma cristã. E isso é muito, muito, muito triste.
.

BNJC_arte para blog APENAS

 .
Deixe-me repetir isto, porque é importante: amar não significa concordar. Tanto é verdade que Deus amou o mundo. Primeiro ele amou o mundo e só depois deu seu Filho para a salvação desse mesmo mundo. Preste atenção: Deus amou o mundo, com todo seu sistema de valores caídos, pecados, horrores (e, evidentemente, o Senhor não concordava com nada disso nem era conivente com os males do mundo). E amou tanto que sua compaixão o levou a abraçá-lo e dar-lhe Cristo. A cruz é a maior e mais divina prova de amor de alguém por outra totalmente diferente de si e que não merecia esse amor. A própria encarnação da Palavra em Jesus nos lembra deste fato: amar não tem nada a ver com concordar.
.
A verdade é que aquilo que muitos chamam de “defesa da verdade” é, na realidade, ódio pelo diferente travestido de pseudoamor cristão. Muita da apologética que vemos por aí é, na verdade, não amor a Deus e ao próximo, mas a exaltação das próprias crenças, recheada com altas doses de narcisismo e vaidade. Muita segregação “em nome do amor à verdade” é apenas a incapacidade emocional de lidar com o contraditório. Amar como Cristo amou não é amar o cheiroso, o bonito e o que lhe diz “amém”. Amar de verdade é abraçar o espiritualmente leproso, fétido e podre, simplesmente porque a presença de Cristo transborda de tal modo em seu coração que você não conseguiria não abraçar.
 .
“Se alguém afirma: ‘Amo a Deus’, mas odeia seu irmão, é mentiroso, pois se não amamos nosso irmão, a quem vemos, como amaremos a Deus, a quem não vemos? Ele nos deu este mandamento: quem ama a Deus, ame também seus irmãos” (1Jo 4.20-21). Temos uma decisão a tomar: restringir o amor apenas a quem consideramos “merecedor” ou “digno” do nosso amor e, assim, desfrutar do apreço dos nossos pares, ou amar como Cristo nos ensinou a amar e, com isso, preparar nosso couro para lambadas, desprezo, ataques, segregação e o pior tipo de religiosismo seletivo.
.

BNJC_arte para blog APENAS

.
Meu irmão, minha irmã, amar vai cobrar seu preço, mas vai aqui meu encorajamento: ame. Ame com todas as suas forças. Ame sem vergonha humana. Ame por não conseguir não amar. Não desista de amar. O desprezo dos fariseus e mestres da lei jamais levou Jesus a deixar de amar. Ele persistiu no amor, simplesmente porque não amar seria negar sua natureza, sua essência. O mesmo devemos nós fazer. Até porque quem tem Cristo no coração é incapaz de ser seletivo no amor; antes, ama todos, sem distinção: os leprosos, os coxos, os fedorentos, os inimigos, os de outras religiões, os de outras denominações, os de outras ideologias políticas, os que não creem no que você crê, os que erram em sua teologia, os hereges, os que enfiam cravos em suas mãos e pés.
 .
Termino esta reflexão com as palavras do Mestre: “Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo’ e odeie o seu inimigo. Eu, porém, lhes digo: amem os seus inimigos e orem por quem os persegue. Desse modo, vocês agirão como verdadeiros filhos de seu Pai, que está no céu. Pois ele dá a luz do sol tanto a maus como a bons e faz chover tanto sobre justos como injustos. Se amarem apenas aqueles que os amam, que recompensa receberão? Até os cobradores de impostos fazem o mesmo. Se cumprimentarem apenas seus amigos, que estarão fazendo de mais? Até os gentios fazem isso. Portanto, sejam perfeitos, como perfeito é seu Pai celestial.” (Mt 5.43-48).
 .
Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

S09A solidão faz parte da vida de muitos de nós. Não são poucas as pessoas que vivem cercadas por multidões mas, por trás dos sorrisos artificiais, vivem em estado de absoluta solidão. Pessoalmente valorizo muito o estar só, buscar um lugar isolado, sentar-se e ficar apenas pensando, misturando o som de ondas com o de pensamentos – é uma dinâmica extremamente produtiva. Gosto de fazer isso. Como diz Frejat, “às vezes levo o meu corpo para passear”, é por aí. Só que isso não é solidão, é solitude. Embora pelo dicionário os dois termos sejam sinônimos, na vida prática estão muito distantes. É interessante pensar em solitude como uma “atitude de buscar estar só”, é algo voluntário, escolhido, almejado. Já a solidão e mal-vinda, é perniciosa, faz mal, nos envelhece, dá câncer, é feia. Dói.

Quando Jesus buscava isolar-se no monte ou no jardim, ele procurava a solitude. O cristão tem um benefício a mais que pode agregar a esses momentos: a oração. Em instantes de solitude, é possível alternar períodos de reflexão com de oração. Até mais: de leitura – da Bíblia ou de algum bom livro. Em suma, solitude é uma bênção, pois pode reunir três das coisas mais maravilhosas que há: reflexão, oração e leitura.

Em contraste, solidão é uma maldição. Ela nos transforma em panelas de pressão, desesperadas por conversar com alguém, sedentas por um pouco de afeto (seja dar ou receber), cheias de sentimentos acumulados a compartilhar… mas não há uma válvula de escape. O resultado é que carregamos universos dentro So0do peito mas não há ninguém com quem possamos dividir a beleza desse espetáculo cósmico. Solidão é um “eu em mim” involuntário e compulsório.

O ser humano foi feito para compartilhar. Em termos eclesiásticos, o nome disso é comunhão. E, pela enorme quantidade de cristãos solitários que existem por aí, fica clara a urgência que existe de haver uma comunhão mais sincera, ampla e devotada entre nós. Em geral, chamamos equivocadamente de comunhão aquele lanchinho oferecido após o culto, a pizza depois do grupo pequeno, a festa de aniversário de um irmão. Tudo isso é muito bom e tem o seu mérito, mas a verdadeira comunhão não é isso. A começar pelo real sentido do termo: “união comum”. Não necessariamente desenvolver atividades sociais promove união. Acredito que proporcionam contatos e conversas, mas não união. Porque união passa a ideia de se fundir. O que é algo muito mais profundo, que pressupõe mergulhar no coração do outro.

Minha teoria é que há tantos solitários dentro das igrejas porque não conseguimos de fato promover a união. Não abrimos nossos anseios mais íntimos para o outro. Não compartilhamos nossos dramas mais escondidos com ninguém. Não entregamos nosso afeto como fomos feitos para entregar porque há milhões de barreiras sociais, culturais ou pessoais. E, com isso, retemos. Engolimos. Nos ensimesmamos. E, se você vive a solidão, sabe o quão terrível é isso, como um animal selvagem que nos estraçalha por dentro. Ninguém se basta a si mesmo: precisamos uns dos outros.

So4Viver somente para si é uma das coisas mais tristes que há. Jesus chamou seus discípulos de amigos, pois até o Deus humano precisava de comunhão. Ele sofreu ao ver que no seu momento de agonia os amigos dormiram, o abandonando à solidão. Você pode dizer que só a comunhão com Deus importa, que ele supre todas as nossas necessidades. Bem… ai de quem não tem o Senhor para compartilhar. Mas existem coisas para as quais só o ser humano serve. Pense: Deus criou a mulher usando o argumento de que não era bom que o homem vivesse só. Mas… o homem não estava com o Criador no Éden? Então ele não estava só. Conclui-se que o Senhor sabia que certas necessidades emocionais e afetivas apenas outro ser humano pode suprir. Mas muitos preferem empurrar o próximo para Deus em vez de se doar a uma real comunhão. Terceirizam a presença que poderia acabar com a solidão de muitos. Só que, assim como o Senhor nos usa para muitas coisas, também quer que nós sejamos o canal para combater a solidão de nossos irmãos.

Solidão, ao contrário do que muitos pensam, não tem a ver com a quantidade de pessoas com quem você se relaciona. Tem a ver com a qualidade da conexão que se estabelece entre você e o outro. Milhões de pessoas ao redor não são garantia do fim da solidão. Uma única pessoa que seja, mas que tenha acesso ao nosso mais profundo íntimo sim, representa o fim da solidão. Davi e Jônatas que o digam. “Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma” (1Sm 18.1).

Em grande parte, a culpa por haver tantos irmãos e irmãs vivendo em profunda solidão é minha e sua. Porque não nos devotamos de fato a amar o próximo como a nós mesmos. Não partimos ao encontro do outro. Não nos disponibilizamos a comungar, ou seja, a participar de uma união que seja comum. Não ousamos. Não nos atrevemos a expor a alma.

So7Oro a Deus que aqueles que guardam gritos presos na garganta encontrem alguém com quem consigam se identificar a tal ponto que tsunamis de sentimentos, pensamentos, tristezas e frustrações possam ser compartilhados e, assim, o caminho para a paz venha a se estabelecer. Pois ter alguém com quem se pode falar tudo, com quem se chore, que nos abrace e segure nossa mão em amor, que olhe nos nossos olhos e saiba tudo sem que precisemos dizer nada… é uma das maiores bênçãos que podemos receber. Bem-aventurados são aqueles que têm nem que seja uma única pessoa especial com quem possam ser eles mesmos em tudo. Pois isso é o início da mais íntima comunhão – e o fim da solidão.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício