Posts com Tag ‘heresia’

– Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa! Creia, meu irmão, que se você foi salvo por Jesus, toda a sua família também será salva! Isso é promessa de Deus para a sua vida!

Quem já não ouviu algum pregador dizer isso? Eu já, algumas vezes. O grande problema é que, não, isso não é promessa de Deus para você, nem para mim. Como assim? É o que veremos nesta reflexão. Se você acompanha o APENAS, talvez estranhe o post de hoje. Procuro sempre tratar neste espaço de questões de vida cristã cotidiana, mas hoje, excepcionalmente, vamos falar de um assunto da teologia (mas que tem influência direta sobre a sua vida prática). Como esse tema é algo que tem forte impacto sobre nossa compreensão da Palavra de Deus, decidi abrir esta exceção. Por isso, hoje vamos falar sobre um palavrão chamado hermenêutica. 

Que troço é esse? Por que é importante? Eu explico: hermenêutica é, em resumo, a área da teologia que nos ensina a interpretar corretamente o texto da Bíblia. Em outras palavras, as regras de hermenêutica nos ajudam a compreender exatamente o que o Espírito Santo quis nos dizer quando inspirou os escritores a redigir determinada passagem das Escrituras. O principal objetivo da hermenêutica bíblica é descobrir a intenção original do autor do texto. Por essa razão ela é tão importante. 

Se você lê a Bíblia sem seguir as regras de hermenêutica, é possível que deturpe, sem querer, a intenção do Espírito Santo. Sem compreender as normas de hermenêutica, cada pessoa atribui o sentido que prefere às palavras de Deus. O gigantesco mal é que, se entendemos a Bíblia do nosso modo e não dá maneira que Deus deseja que entendamos, a autoridade final fica sendo o homem, e não Deus. E vai dar tudo errado.

Deixe-me dar um exemplo prático: o texto com que abri esta reflexão. É extremamente comum ouvirmos pregadores dizendo “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At 16.31) como uma afirmação de que qualquer pessoa  que vier a crer em Jesus, em qualquer época e em qualquer contexto, terá sua família salva. Já ouviu isso? O problema é que essa não é uma promessa universal. Ela simplesmente não se aplica a todas as pessoas, mas aplica-se a apenas uma: o carcereiro de Filipos. Paulo estava dizendo algo específico àquele homem e à sua família. Só. Tanto é assim que você deve conhecer centenas de crentes cujos parentes morrem sem crer em Jesus. Sabe por que tantas pessoas erram nisso e propagam esse ensinamento errado? Porque não analisaram o contexto e universalizam algo que, na realidade da Palavra, é individual. Falta de conhecimento de hermenêutica. 

Outro exemplo: o famoso vale de ossos secos mencionado em Ezequiel 37. É enorme a quantidade de pregações que usam essa passagem aplicada a qualquer processo de restauração, como restauração da vida financeira de um indivíduo, de seu casamento, de sua situação espiritual e coisas assim. Porém, quando você lê Ezequiel 36 e o final do capítulo 37, fica totalmente claro que a visão do profeta se relacionava especificamente à restauração da nação de Israel no contexto da época em que o livro de Ezequiel foi escrito: “estes ossos são toda a casa de Israel” (Ez 37.11), deixou bem claro o escritor. Portanto, se alguém usa essa passagem como uma promessa de que “Deus restaurará a sua vida financeira”, por exemplo, ou “Deus fará seu casamento reviver”, pode ter certeza: essa é uma promessa sem nenhuma garantia de que se cumprirá. Por que esse erro ocorre? Porque tais pregadores não analisaram o contexto e universalizaram algo que é individual. Falta de conhecimento de hermenêutica. 

Vamos a um terceiro exemplo: em Jeremias 1.5, lemos as palavras do Senhor: “Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações”. Já ouviu alguém usar esse versículo como argumento para dizer que Deus constituiu a mim e a você como profetas às nações? Eu já. O problema é que o versículo anterior deixa claro: A mim me veio, pois, a palavra do SENHOR, dizendo:”. Logo, fica claro que essa palavra é dirigida única e exclusivamente a Jeremias. Não a mim. Não a você. E, se é assim, por que isso é ensinado? Porque quem ensina dessa forma não analisou o contexto e universalizou algo que que é individual. Falta de conhecimento de hermenêutica. 

Esses são apenas três de inúmeros exemplos. Tenho visto e ouvido muitas pregações e tenho lido muitos textos que prometem o que a Palavra de Deus não promete, simplesmente porque os pregadores ou escritores não seguiram as regras de hermenêutica. Portanto, puseram na boca de Deus o que Deus não disse. E, com isso, agiram como guias cegos, que conduzem pessoas para o barranco. 

Se consegui despertar seu interesse em conhecer mais a fundo a hermenêutica bíblica, recomendo que busque se informar sobre as regras de correta interpretação da Palavra de Deus. Aqui eu listo algumas regras básicas:

1. Primeira Regra – É preciso, o quanto seja possível, tomar as palavras em seu sentido usual e comum.
2. Segunda Regra – É de todo necessário tomar as palavras no sentido que indica o conjunto da frase.
3. Terceira Regra – É necessário tomar as palavras no sentido indicado no contexto, a saber, os versículos que estão antes e os que estão depois do texto que se está estudando.
4. Quarta Regra – É preciso levar em consideração o objetivo ou desígnio do livro ou passagem em que ocorrem as palavras ou expressões obscuras.
5. Quinta Regra – É necessário consultar as passagens paralelas, “explicando coisas espirituais pelas espirituais”. (1Co 2.13).

Viu como não é algo tão complicado? Se você tiver interesse em se aprofundar no entendimento da hermenêutica (e recomendo enfaticamente que o faça, para não acreditar em promessas que não se cumprem), um livro fácil de entender e rico em ensinamentos é o Entendes o que lês? (editora Vida Nova). Acredite: vale o investimento. 

Meu irmão, minha irmã, o entendimento correto sobre o que o Espírito Santo quis dizer exatamente na Bíblia é fundamental e indispensável para termos uma vida cristã rica e ajustada à real vontade de Deus. Erramos no dia a dia, muitas vezes, porque não sabemos compreender corretamente as Escrituras. Não cometa esse erro. Viva uma vida baseada na verdade bíblica e não em desvios ensinados por pessoas que não sabem enxergar a verdade das Escrituras. Tenho certeza de que você consegue. E, com um pouquinho de leitura sobre o tema, você será capaz de entender verdadeiramente o que Deus quer lhe falar por meio da Bíblia e de se proteger de ensinos humanos que não encontram nenhum embasamento na Palavra de Deus. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Anúncios

escandalo gospelNo meio cristão volta e meia somos surpreendidos por um escândalo. Como nossa fé prega a santidade e o apego inegociável aos valores éticos, ficamos profundamente chocados quando tomamos conhecimento de falhas morais ou atitudes reprováveis de algum irmão ou irmã – seja de nosso círculo próximo de relacionamentos, seja alguém com mais notoriedade. É compreensível. O pecado nos choca, confronta, entristece, abate, revolta. Nessas horas, nosso senso de justiça nos leva a querer sangue, exigir punição dos pecadores, hereges e canalhas. A minha pergunta é: como exatamente devemos proceder quando explode um escândalo no meio cristão?

Pastores que falharam em sua santidade, irmãos que pecaram na sexualidade, líderes que desonraram pai e mãe, cristãos famosos que disseram ou fizeram algo estranho em público, bons pregadores que passaram a pregar heresias… a lista das causas de um escândalo entre nós é interminável. No centro de todas, uma única causa: pecado. Deus é santo e não tem parte com o pecado, é certo. Mas Deus também é gracioso e sua misericórdia dura para sempre. Diante dessa realidade, eis minha sugestão sobre como devemos nos posicionar diante de um escândalo:

1. Não tenha prazer no escândalo. Quedas morais, pecados e heresias são tragédias. São desastres. Não são motivo de piada. Devemos tratá-los como o horror que representam: com lamento, choro e profunda tristeza. O pecado jamais deve se tornar motivo para tricotadas, fofocadas, “você soube da última?” ou disse-me-disse. Não faça piada com o horror. Não se deleite na tragédia. Isso é papel do Diabo.

2. Fale com Deus. Converse sobre o escândalo com as demais pessoas apenas o estritamente necessário. A pessoa com quem você deve conversar intensamente e longamente sobre o escândalo é o Senhor. O nome disso é oração. Portanto, ore a Deus, peça misericórdia sobre a vida dos envolvidos, clame por arrependimento e restauração. Ficar de tititi com as pessoas, pessoalmente ou nas redes sociais, não adianta absolutamente nada; orar adianta tudo.

3. Não conclua antes de saber de todos os fatos. Cansei de ver escândalos em que as pessoas criam mil conjecturas acerca do que houve sem saber direito as informações. “Ouviram falar” e, por causa disso, tomam comentários colhidos ao vento como verdades absolutas. Para emitir uma opinião, assumir uma postura, tomar lados, se posicionar, antes é preciso ter total conhecimento da situação. Nesse sentido, uma das virtudes do fruto do Espírito é essencial: a paciência. Espere. Não corra para emitir uma opinião. Deixe a verdade ser exposta totalmente e, só então, se posicione.

4. Olhe para os culpados com firmeza, mas com misericórdia. A ética de Cristo não é a da punição, é a da restauração. Como filhos de Deus, o desejo do nosso coração deve ser sempre ver os que erraram arrependidos e restaurados espiritualmente. Não queira mandar os hereges e os pecadores para o inferno, queria vê-los de lágrimas no pó e coração sinceramente compungido. Como embaixadores do reino daquele que veio para os doentes, devemos ser médicos da graça e não carrascos da desgraça. Uma vez que se comprove a culpa, seja movido por compaixão pela vida dos culpados, para que sejam resgatados do poço de trevas em que se enfiaram e que, se tiverem de arcar com as consequências humanas de seu pecado, que pelo menos sua alma seja salva.

5. Entenda que a disciplina dos culpados é necessária. Determinados tipos de escândalos vão gerar consequências no plano humano. Um pastor que adultera precisa ser afastado do cargo até que sua vida esteja restaurada. Um pregador que diz uma heresia precisa se retratar em público. Um líder que desonra pai e mãe tem de ser tratado fora dos púlpitos e cargos antes de continuar liderando. Uma pessoa qualquer que comete um crime deve ser punida de acordo com o que prevê o código penal, mesmo que esteja arrependida e tenha sido perdoada por Deus: há consequências no plano humano para nossos atos, e devemos enfrentá-las.

6. Olhe para as vítimas com compaixão. Esposas traídas, pessoas enganadas, ovelhas feridas… muitas pessoas ficam machucadas quando explode um escândalo. As vítimas devem ser abraçadas, devemos chorar com elas, conduzi-las a perdoar quem as machucou, amparar seu coração em frangalhos. Nunca se aproxime dos feridos para obter mais detalhes sobre o escândalo ou algo assim. O nosso papel é amar, sofrer com quem sofre e auxiliar na sua restauração física, emocional e espiritual.

7. Lembre-se dos seus próprios pecados. Jesus presenciou um escândalo. Mais do que isso: ele foi instigado a emitir um parecer sobre o escândalo. Afinal, uma mulher fora flagrada em adultério. Adúltera! Pecadora! Escandalosa! Opróbrio! Digna de apedrejamento aos olhos da Lei! Mas a resposta de Jesus aos que queriam apedrejá-la foi que cada um olhasse para si. Afinal, em maior ou menor intensidade, todos temos telhado de vidro. E isso ele nos diz, hoje: olhe para si. Quando ocorre um escândalo, devemos agir com humildade, sem nos considerarmos megassantos, pessoas acima do bem e do mal. Mais do que jogar pedras, precisamos usar o escândalo alheio para ver como nós mesmos somos frágeis e passíveis de errar. Se há algo de positivo no escândalo é o alerta que ele lança sobre nós, para que, estando de pé, não caiamos. Vigie sempre.

8. Seja parte da solução e não do problema. Que tudo o que você pensar, falar ou fizer em relação ao escândalo seja para edificação das pessoas e para a glória de Deus. Fora disso, o melhor é não fazer nada, manter-se calado e ficar quieto.

Meu irmão, minha irmã, infelizmente sempre haverá escândalos entre nós, pois vivemos debaixo do pecado. Devemos saber como falar e agir no momento que isso acontecer, sempre com amor, graça e palavras temperadas, chorando com quem chora e pacificando. Nosso papel não é chutar quem está caído. Muito menos execrar vítimas. Exerça misericórdia. Busque a justiça, sim, mas que seja em amor e não com ira, vingança, ódio, destempero. Fale e faça aos outros como gostaria que falassem e fizessem a você se a queda fosse sua. E, acima de tudo, ore a Deus. Pois ele é quem tudo sabe, quem exerce a perfeita justiça e quem governa a nossa vida como Justo juiz e Príncipe da paz. Como ordena a Palavra do Senhor: “Amados, nunca se vinguem; deixem que a ira de Deus se encarregue disso, pois assim dizem as Escrituras: ‘A vingança cabe a mim, eu lhes darei o troco, diz o Senhor’. Pelo contrário: ‘Se seu inimigo estiver com fome, dê-lhe de comer; se estiver com sede, dê-lhe de beber. Ao fazer isso, amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele’. Não deixem que o mal os vença, mas vençam o mal praticando o bem” (Rm 12.19-21).

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

EU-NÃO-SEI 1Na sociedade em que vivemos desenvolveu-se a ideia de que todo mundo tem de saber tudo sobre tudo. Se você não tem uma opinião sobre absolutamente qualquer assunto, é como se fosse uma pessoa inferior, desinformada, alienada. Futebol? Você precisa ter um parecer sobre todos os jogos da rodada. Música? Você tem de saber tudo sobre todos os cantores da moda. O noticiário do dia? É imperativo saber das notícias antes de todo mundo. Essa ditadura da informação quer nos obrigar a saber tudo, o tempo todo, a toda hora, e precisamos ter uma opinião formada sobre absolutamente todos assuntos. Só que isso é impossível! Eu e você sabemos pouco ou nada sobre a maioria das coisas. Por isso, a posição mais verdadeira – logo, cristã – que podemos ter é dizer: “Eu não sei”. Assim, você evitará falar sem base e viverá com muito mais sinceridade. 

Peguemos, por exemplo, a teologia, área em que, se você diz “eu não sei”, costuma ser imediatamente diminuído, desmerecido. O que você acha das cinco vias de Tomás de Aquino? Eu não sei. Qual é a sua opinião sobre o Sínodo de Dort? Não tenho conhecimento suficiente. Qual é sua visão sobre a teoria escatológica amilenista? Preciso conhecer melhor o assunto antes de responder a isso. Qual é sua opinião sobre o pensamento de Abraham Kuyper? Não li o suficiente para dizer. Qual é seu entendimento sobre os cristãos adenominacionais? Nenhum, preciso conhecer mais. O que você sabe sobre a relação entre o pensamento agostiniano e o platônico? Nada. O que você acha da bênção de Toronto? Preciso me informar melhor. Como você vê o papel do estilo musical no louvor? Não sei o suficiente para ter uma opinião. Por que uma pregação deve ser expositiva? Nunca parei para pensar sobre isso. 


EU-NÃO-SEI 3Essas são respostas dignas, se representarem a verdade. É muito mais cristão dá-las do que emitir um parecer, fazer afirmações ou dar pitacos sobre algo que você simplesmente não sabe. E não há vergonha em não saber, porque ninguém sabe tudo sobre tudo, isso é uma ilusão. Temos de aprender a responder dignos “eu não sei” e, a partir da percepção de que ignoramos algo, buscar conhecer esse algo. Isto, aliás, é fun-da-men-tal: não estou defendendo que, se você não domina determinado assunto, deve acomodar-se à ignorância; o que defendo é que, se você não sabe de algo, primeiro, confesse a verdade e, depois … vá se informar! Corra atrás. Estude. Identifique as lacunas do seu conhecimento e procure preenchê-las. Vergonha não é não saber, vergonha é, uma vez constatado que não se sabe, continuar sem buscar saber. 

Eu, por exemplo, não acompanho futebol. É algo pessoal, simplesmente o assunto não me interessa. Imagine, então, como é quando meus amigos de escola se reúnem e começam a falar sobre o jogo de ontem. Eu fico quieto, pois… eu não sei. Não tenho informações nem conhecimento para debater o tema. Portanto, me calo. Como não é algo que mudará minha vida, deixo para lá, diferentemente dos assuntos da fé, que me são essenciais: quando percebo que me falta conhecimento sobre algum tema da teologia, que me é importantíssima, confesso publicamente que não sei nada sobre aquilo e parto avidamente em busca daquele conhecimento. 

EU-NÃO-SEI 4Um exemplo: há algum tempo assisti ao vídeo da pregação de um pastor de uma igreja tradicional em que ele discorria sobre o movimento pentecostal. Eu gostava de acompanhar pedacinhos de pregações que ele costuma soltar nas redes sociais. Mas, naquele dia, ouvir aquele sermão inteiro… foi um show de horrores. De púlpito, ele fez toda uma exposição completamente errada. Baseou sua palestra em ideias bizarras e totalmente desencontradas da realidade. Para você ter uma ideia, ele disse que o pentecostalismo se sustenta  em três características: confissão positiva, equivalência de Deus e o Diabo, e crença na intocabilidade dos sacerdotes. Embora é inegável que há pentecostais que creem, sim, nesses pontos, de longe não é verdade que esses três aspectos definem o pentecostalismo. Todo pentecostal ou mesmo qualquer cessacionista que tem conhecimentos elementares sobre o movimento pentecostal sabe disso. A confissão positiva, por exemplo, é uma heresia neopentecostal que, inclusive, é combatida por muitos pentecostais. Deu pena do pastor, confesso, pois o que ele “ensinou” para os membros de sua igreja (e ainda postou na Internet) simplesmente não é verdade. Seria mais digno pesquisar melhor ou… não falar nada. Até porque é a credibilidade da pessoa que está em jogo. Eu, por exemplo, parei de assistir aos vídeos que esse estimado pastor publica nas redes sociais depois de ver aquela demonstração gritante de desconhecimento. 

Esse exemplo é apenas um de muitos. Precisamos ter a humildade para aprender a dizer “eu não sei”. Durante os nove anos em que lecionei em seminário teológico, muitas vezes fui questionado por alunos acerca de questões cujas respostas eu desconhecia. O que eu fazia nessas horas era simplesmente confessar minha ignorância e pedir que me dessem alguns dias para que eu pesquisasse a resposta. Isso não só era o que de mais honesto eu poderia fazer, como me permitiu crescer enormemente, pois cada buraco que eu constatava no meu conhecimento era uma oportunidade de tampá-los correndo atrás do que eu não sabia. 

EU-NÃO-SEI 5Meu irmão, minha irmã, ninguém nasce sabendo de tudo. E ninguém morre sabendo de tudo. Nesse intervalo de tempo entre nascimento e morte, temos a oportunidade de crescer no conhecimento das coisas. Agarre-se a essas oportunidades: leia livros, assista a documentários, leia livros, faça cursos, leia livros, converse com pessoas mais experientes, leia livros, participe de congressos, leia livros, envolva-se em grupos de debate ou estudo, leia livros, assista a boas palestras e pregações, leia livros. Ah, sim, e não poderia esquecer: leia livros. Mas, enquanto você não dominar certos assuntos, assuma com sinceridade e hombridade a sua ignorância. E parta em busca de fontes de informação sobre tais assuntos. 

Nas coisas de Deus, então, isso é imprescindível. Pois dar opiniões flácidas ou emitir pareceres claudicantes sobre temas importantes da fé é ser irresponsável com o que há de mais importante na existência humana. Nas redes sociais é comum vermos comentários postados sobre determinadas discussões que nos entristecem, pela profusão de erros ou falta de embasamento. Muitas vezes, a melhor postura seria simplesmente não escrever nada. Ouvir mais. Falar menos. Até porque… você já parou para pensar que ninguém é obrigado a dar uma opinião sobre todo e qualquer assunto? E, como não existe essa obrigatoriedade… por que opinar, quando não se conhece o suficiente para isso? Evitaria erros, vergonha, a sua desqualificação aos olhos dos demais, influência equivocada sobre outros e problemas similares. 

O jejum é uma prática bíblica. Por isso, gostaria de propor um tipo incomum de jejum: a abstenção de emitir opiniões sobre o que não se sabe bem. Tenho certeza de que, se fizermos isso, viveremos num ambiente muito mais rico em informações corretas e, também, em sinceridade e verdade. Se isso vai dar certo? Bem, confesso que… eu não sei.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Deus está no controle 1­Deus está realmente no controle das coisas? Ele já tem tudo previsto ou existe margem para mudanças nos planos divinos? Se o Senhor está no controle, até onde vai sua esfera de intervenção nas coisas do mundo? Livre-arbítrio é uma heresia arminiana? Ou determinismo é uma heresia calvinista? É fato que o Todo-poderoso não está por trás das catástrofes, como alega o teísmo aberto? Como se explica a história de Ezequias, o rei israelita que ganhou 15 anos a mais de vida após orar a Deus? Se o Senhor já sabia que a humanidade pecaria, por que a criou? Se Jesus veio à terra para morrer por nossos pecados, por que pediu ao Pai que afastasse dele o cálice do sofrimento? Se Jesus é descendente de Davi por meio de Bate-Seba, a mulher com quem o rei adulterou, Deus queria que esse adultério ocorresse? Questões como essas dão nó nos neurônios de muita gente, para quem a grande equação por meio da qual Deus conduz o universo é um enigma incompreensível e insolúvel. Esta semana vivi uma experiência que me fez pensar muito sobre como o Senhor age em nossa vida.

Perdão Total_Capa 3D em altaDesde que foi lançado meu mais recente livro, Perdão Total — Um livro para quem não se perdoa e para quem não consegue perdoar, tenho sido convidado para pregar ou palestrar sobre o assunto em diferentes cidades do país. Domingo passado, estava agendado para que eu pregasse na Igreja Batista Jardim Icaraí, em Niterói (RJ). Como eu não dirijo, um casal querido, Ana e Renato, se dispôs a sair de Niterói e me pegar em casa, em Botafogo, bairro do Rio de Janeiro. Ficou combinado que eles me pegariam às 18h, pois o culto começava às 19h30. Iríamos eu, minha esposa e minha filha de 4 anos. Só que o imprevisto ocorreu, com toda força.

No meio da tarde, um temporal desabou sobre a cidade. Foi um daqueles aguaceiros que dão reportagem em jornais, com ruas alagadas, trânsito parado e caos. Resultado: depois de muito penar para chegar até meu prédio, fugindo de bolsões de água e trechos intransitáveis, Ana e Renato conseguiram estacionar, ilesos, no posto de gasolina em frente ao meu edifício. Só que já eram 19h e a chuva não dava sinal de trégua. Assim que chegaram, Ana me telefonou e tentei ir até eles, mas minha rua tinha virado um rio e era impossível dar um passo fora da portaria. Conversamos, então, por telefone e, depois de eles terem consultado o seu pastor, todos vimos que não conseguiríamos chegar à igreja a tempo do culto. Resultado: de comum acordo, decidimos adiar minha ida para outro dia. Depois de um tempo, as águas começaram a baixar e consegui fazer um malabarismo para ir até eles. Conversamos pessoalmente e a decisão foi reafirmada.

Confesso que subi de volta para meu apartamento decepcionado e questionando Deus. Já no elevador, eu comentava com o Senhor que não entendia aquilo. Será que ele não queria que eu compartilhasse a mensagem do perdão com os membros daquela igreja? Claro que tenho o entendimento de que o temporal não caiu só por minha causa, mas, como eu também sou uma letra na equação divina, entendo que minha vida também é incluída nas decisões de Deus. Assim como a sua. Assim como a de qualquer pessoa. Fato é que fiquei triste por não poder ir até Niterói pregar sobre um assunto que considero extremamente urgente.

E foi então que a história deu uma guinada.

Deus está no controle 2Cerca de vinte minutos depois de ter chegado em casa, minha filha, que passou o dia inteiro bem disposta, estava arrumada e animada para sair e ficou bem triste por não termos ido à igreja, começou a reclamar de dor de cabeça. Em minutos, a dor ficou extremamente forte e ela passou a sentir um mal-estar generalizado. De repente, o susto: a pequena se revirou na cama e vomitou em profusão. Enquanto eu limpava a sujeira, sua mãe a levou ao banheiro para lavá-la. Lá, mais vômitos. Achei que a crise tinha acabado. Dei-lhe um pouco de água para beber e deitamos no sofá da sala para assistir a uma apresentação de balé. Em poucos minutos, a pequena começou a acusar nova dor de cabeça e mal-estar. Virou-se para o lado e vomitou pela terceira vez, agora no chão da sala.

Foi quando percebi que a coisa ia além de um simples enjoo e tomei a decisão de levá-la para o hospital. Como alguém que já passou três dias internado em um CTI por infecção intestinal grave, levo muito a sério esse tipo de sintomas. Assim, nos vestimos rápido, descemos, vimos que a água já tinha baixado o suficiente para sairmos, pegamos um táxi e disparamos para a emergência pediátrica. Chegamos ao hospital e logo fomos atendidos. Assim que entrou na sala do médico, minha filha vomitou novamente, com espasmos bastante fortes. Seu estômago estava vazio e quase não saía mais nada. Depois dos exames preliminares, entramos na sala de atendimento de emergência, onde, enquanto aguardava para tomar uma injeção, a pequena vomitou pela quinta vez. A dor de cabeça era grande. O mal-estar e a moleza, generalizados. O médico decidiu fazer uma tomografia computadorizada da cabeça.

Vou resumir as três horas e meia seguintes, passadas entre exames e tratamentos, em um parágrafo: graças ao atendimento rápido, minha filha pôde ser liberada naquela mesma madrugada do hospital. Os médicos não conseguiram determinar o que ela teve, mas as suspeitas vão de intoxicação alimentar a viroses. A medicação rápida contribuiu muito para seu quadro não piorar. Ela ficou dois dias em casa, de repouso, ainda com dores, febre e enjoos, mas, com o tempo, o problema passou.

Deus está no controle 3Fiquei pensando. Se tivéssemos ido a Niterói, minha filha passaria mal longe de casa, talvez presa em algum engarrafamento, talvez momentos antes de eu subir ao púlpito para pregar. Imagine como teria sido. Tudo é um grande “talvez”, mas uma coisa é certa: o fato de estarmos em casa quando ela passou mal foi decisivo para que fosse rapidamente socorrida e, seja lá o que a tenha acometido, o mal ter sido debelado com o mínimo de dor e desconforto. Quem sabe, até, uma demora no socorro poderia ter agravado o quadro e gerado problemas mais severos.

E aí fica a pergunta: será que Deus me impediu de ir a Niterói para que eu pudesse socorrer minha filha? Teria ele sacrificado a pregação naquele dia específico em prol do que ele sabia que aconteceria com minha pequena? A resposta é que não sei, é muito complexo pensar sobre isso e eu não sou onisciente. Não tenho como afirmar nada. Mas, quando olho para a Bíblia, vejo que “O Senhor faz tudo com um propósito” (Pv 16.4). Mais ainda, percebo que “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito” (Rm 8.28). Então, ao ler verdades como essas, solidifico em meu coração uma realidade: nada do que aconteceu foi à toa.

O acaso não existe. Sorte é um conceito antibíblico. O que prevalece é a soberania de Deus. E, nessa soberania, o Senhor fez com que, em meio a milhões de cariocas e niteroienses afetados pelo temporal de domingo, eu não fosse pregar conforme tinha sido planejado e, assim, estivesse em casa para socorrer com agilidade minha filha. Se você me perguntar se foi coincidência, vou sorrir, com toda a certeza do mundo de que Deus teve um propósito no que ocorreu e que ele agiu para o nosso bem.

Meu irmão, minha irmã, preste mais atenção às coisas que acontecem em sua vida. Não digo só as grandes; as pequenas e insignificantes também. Pois, se tudo Deus faz com um propósito e em todas as coisas ele age pelo bem dos que ama, lembre-se que tudo significa tudo. E todas as coisas significa todas as coisas. Não uma parte, não uma parcela, não umas e não outras. Tudo. Todas as coisas. Esse é o Deus da Bíblia.

Deus está no controle 4Com essa percepção, você vai passar a perceber a ação de Deus no engarrafamento, no chuveiro que pinga, no calor abrasador, no mendigo que lhe pediu dinheiro, no atraso do dentista, na gata que fugiu de casa, na topada do pé. Há gente que brinca com quem atribui tudo ao Diabo, criticando quem diz que “queimou o arroz, é culpa do Diabo”. Eu discordo. A “culpa” é de Deus. Pois ele tinha em mente aquele arroz queimado. Para quê? Sei lá! Mas ele sabe. A vida é uma grande engrenagem, que tem como finalidade nos conduzir à vida eterna, em Cristo. Como tudo isso funciona eu não faço ideia, os pensamentos do Senhor são muito mais elevados do que os meus para que eu consiga compreender. Mas de uma coisa eu sei: eu não preciso saber todos os mistérios do Senhor nem conseguir explicá-los, pois basta compreender que Deus sabe tudo. Peço apenas que ele me tome pela mão e conduza meus passos. Em outras palavras, “seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10).

Digam o que quiserem, Deus está no controle. Uns chamam de sorte, eu chamo de Deus. Uns chamam de acaso, eu chamo de Deus. Uns chamam de livre-arbítrio, eu chamo de Deus. Uns chamam de determinismo, eu chamo de Deus. Chamem do que desejarem, elaborem as teorias teológicas que quiserem, a resposta será sempre uma só: Deus. E, com isso em mente, devemos fazer a nossa parte e, em seguida, agir como recomendou o salmista: “Entregue o seu caminho ao SENHOR; confie nele, e ele agirá” (Sl 37.5).

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Futebol e religiãoA Copa do Mundo começou. Assisti a um excelente programa de televisão estrangeiro, em que o apresentador John Oliver analisa esse evento de forma coerente e divertida. Se você fala inglês, recomendo assistir ao vídeo inteiro, é muito bom (veja AQUI). O que mais me chamou a atenção foi a explicação que Oliver dá ao fato de que, apesar dos inúmeros absurdos envolvidos na realização desta Copa e dos descalabros praticados pela FIFA, ainda assim as pessoas estão empolgadas com a competição e ansiosas pelos jogos. Para ele, a razão é que “futebol é como uma religião”. Fiquei pensando sobre isso e gostaria de compartilhar algumas reflexões sobre o assunto. O que leva alguém a comparar um simples esporte a algo tão sublime, transcendente e celestial como uma religião? (E entenda que me refiro a religião como o religare do homem com Deus e não a um sistema engessado de práticas e liturgias. Se desejar entender melhor essa diferença você pode ler este post).

Primeiro, porque a fé religiosa é algo que mexe com o mais íntimo de nosso ser, desperta paixões, produz debates acalorados. A religiosidade afeta tudo em nós: influencia nossos valores, pensamentos, ações; enfim, tudo aquilo que somos e fazemos. Isso é bem visível, também, no futebol: quem aprecia veste a camisa e a defende como a um manto sagrado. Por exemplo, é preciso muita paciência para lidar com torcedores que, toda segunda-feira, parece que não têm assunto além do jogo da véspera. Durante certo tempo, um vizinho invariavelmente encontrava comigo no elevador e engrenava uma conversa animadíssima sobre o mais recente desempenho do Flamengo. “E o mengão, hein, rapaz, que garfada!” E eu: “É… am-ham…”, com aquele sorriso amarelo no rosto e sem fazer ideia do que ele estava falando. No dia em que confessei a ele que não acompanho futebol e não assisto a jogos, nossos próximos encontros passaram a ser sempre silenciosos – parecia que, se não fosse para falar de bola, não havia assunto. Deixei de ser um bom papo para ele, uma vez que futebol era o que mexia com tudo à sua volta. E não foram poucas as vezes em que fiquei avulso em rodinhas de amigos amantes do esporte bretão, tão inteirado eu estava acerca do que eles falavam como uma girafa numa conversa sobre física quântica.

Brazilian attorney, Nelson Paviotti, poses with his two Volkswagen Beetles painted with the colors of the national flag in CampinasSegundo, porque futebol e religião criam fanáticos. Assisti a um vídeo recentemente de um advogado (foto) que fez a promessa, em 1994, de só se vestir de verde e amarelo pelo resto da vida caso a seleção brasileira fosse campeã. Dito e feito. Agora, ele promete só comer alimentos que tenham essas cores caso a seleção vença. Fiquei chocado. Mas o fanatismo está aí, e veio para ficar. É o crente que se torna um chato, por exemplo, por querer impor sua fé de qualquer modo aos não cristãos, sem compreender que quem converte é o Espírito Santo e não a nossa insistência. Fanatismo tem um quê de desequilíbrio. É diferente de ser radical. O radical é alguém equilibrado, que não negocia aquilo em que acredita por ter raízes muito bem fincadas no que crê; já o fanático é quem transborda sua fé de forma exuberante e, muitas vezes, excêntrica e, até mesmo, incômoda para quem está em volta. Radicalismo é elegante, fanatismo é extravagante. No futebol, o fanatismo por vezes torna-se assustador. Da última vez que fui ao Maracanã, para acompanhar parentes que moram no exterior, tive de sair com minha filha pequena das cadeiras e ir passear perto das lanchonetes, de tão assustada que ela ficou com os gritos, os gestos agressivos e os palavrões berrados pelos fanáticos que nos rodeavam.

EstatuaTerceiro, porque futebol e religião têm a capacidade de conduzir pessoas desequilibradas a um passo além do fanatismo, que é a intolerância. Você pode ser fanático por algo sem que isso te torne alguém agressivo a quem pensa diferente de você. Há o que poderíamos chamar de “fanáticos do bem”, ou seja, aqueles que são extremamente emotivos quanto ao que amam, mas que não fazem mal a quem pensa diferente de si. Já os intolerantes são os “fanáticos do mal”. Muitos se tornam irracionais, como os vândalos que recentemente quebraram e urinaram em uma estátua da Virgem Maria, um absurdo fruto de ignorância e da falta de entendimento acerca do que é o evangelho da graça e da paz. No futebol, isso também é assim. Torcedores espancam e matam seres humanos que torcem para outro time simplesmente porque… bem, porque torcem para outro time. A intolerância leva pessoas a agredir outras somente porque se enganaram e entraram com a camisa do outro time no meio da torcida organizada, assim como leva cristãos desequilibrados a agredir homossexuais e espíritas. Em ambos os casos, a intolerância fere o princípio do amor e o da graça.

Há outros pontos que identificam futebol e religião, mas, para não me alongar demais, eu gostaria de tratar de um aspecto que, em vez de assemelhar o futebol à religião, os diferencia: a racionalidade. E acredito que foi nesse ponto que John Oliver se baseou em seu programa para fazer a comparação entre futebol e religião. Na visão dele (e na de muitos), tanto o esporte quanto as crenças religiosas seriam alimentados por irracionalidade. Só que isso não é verdade. Sem racionalidade, a fé cristã não é fé cristã.

BrasilO amor pelo futebol, em qualquer nível, é irracional. Seja você um saudável e comedido apreciador desse esporte ou um intolerante e agressivo torcedor, seu envolvimento com o time do seu coração não se dá de forma racional. Eu explico: você saberia racionalizar por que torce para este ou aquele time? Será que é porque ele é o melhor de todos? Bem, o campeão de hoje estará na segunda divisão amanhã, então o conceito de “melhor” é relativo. A verdade é que você torce para quem torce por razões emocionais e não racionais. Como alguém que se apaixona por um amor impossível, você se apaixonou por uma equipe e passou a torcer por ela sem que haja uma explicação lógica imediata – talvez tenha adotado como seu o time que era de seus pais, por exemplo, ou vai ver que gostou das cores da camisa na sua infância. Não se sabe exatamente o que leva alguém a escolher este ou aquele time para ser o seu. Se não fosse assim, eu não teria torcido para a seleção brasileira até 1994, quando a vi ser campeã pela primeira vez. Eu e você torcemos para o Brasil porque tem a ver com a nossa relação emocional com nossa pátria.

leitura biblicaNa religião, entretanto, se as decisões são irracionais, isso só vai gerar problemas – em todos os âmbitos. “Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. Contudo, façam isso com mansidão e respeito, conservando boa consciência, de forma que os que falam maldosamente contra o bom procedimento de vocês, porque estão em Cristo, fiquem envergonhados de suas calúnias. É melhor sofrer por fazer o bem, se for da vontade de Deus, do que por fazer o mal” (1Pe 3.15-17). Repare: “razão da esperança”. Pedro está falando de racionalidade. A fé necessariamente tem de ter um componente racional. A sua conversão aconteceu no dia em que a graça de Deus se manifestou em sua vida e o Espírito Santo conduziu você a perceber, racionalmente, que o evangelho faz sentido. O teólogo Anselmo de Cantuária (1033-1109) apontou dois conceitos que se tornaram célebres na história do pensamento cristão: Credo ut intelligam (“creio para que possa entender”) e Fides quaerens intellectum (“a fé em busca de compreensão”). Com isso, Anselmo quis dizer que a tarefa da teologia é mostrar que crer é também pensar, ou seja, que não há uma oposição entre fé e reflexão intelectual (embora a fé tenha lugar de primazia). O que isso significa? Que não há como afastar a fé da racionalidade. Você crê porque Jesus e as boas-novas da salvação fazem sentido para você. Quando Paulo escreveu que “a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus” (1Co 1.18), estava mostrando que o cristianismo não faz sentido para os que não são salvos, mas, para nós, é totalmente compreensível e nos soa até estranho que alguém não creia no que nós cremos.

Se passarmos a viver nossa fé de modo irracional, isso criará enormes distorções. Passaremos a acreditar em falsas doutrinas, adotaremos práticas bizarras em nossos cultos, agiremos de modo diferente do que a Bíblia nos orienta a agir, nos comportaremos de modo antibíblico com o próximo… são muitos os absurdos que podem ser praticados pela irracionalidade religiosa. Por isso, é extremamente necessário que nossa fé siga a lógica bíblica – pois fora da Bíblia a fé torna-se ilógica. E, se é ilógica, não é fé cristã. Muitos dizem que não há lógica em se ter fé, mas isso não é verdade. Há a lógica do mistério. Seguimos um Cristo que revelou seus mistérios até o limite que poderíamos compreender (observe que “compreender” exige racionalidade). Se assim não fosse, não poderíamos conhecer a vontade de Deus por meio de um livro. Pois leitura é um processo lógico e racional. Tudo o que propõe uma vida cristã baseada em pressupostos irracionais do ponto de vista bíblico… não é bíblico. Logo, não é cristianismo.

Amor ao proximoReligião e futebol têm, sim, muito em comum. Mas a nossa religião exige de nós um conhecimento bíblico que gera o equilíbrio. E esse equilíbrio vem mediante a prática do amor, da graça, da justiça, do perdão, da reconciliação e de muitas outras virtudes que o evangelho destaca. Por isso é tão importante estudarmos a Palavra. Se apenas vivermos a fé sem nos aprofundarmos em seu aspecto racional, acabaremos urinando em estátuas da Virgem Maria e nos tornando a “torcida organizada de Jesus”, que vive aquilo em que crê de forma ignorante, intolerante e irracional, espancando os diferentes e agredindo os que nos agridem. Se não vivenciarmos a fé racional, nos uniremos aos que tacam coquetéis molotov, paus e pedras nos que não concordam conosco. A História da Igreja mostra que esse é um caminho que leva para longe, muito longe, do único Caminho.

A Copa está começando. Vivamos este momento com amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5.22-23). Vivamos a alegria do jogo junto com a irritação por tudo o que a realização dessa competição gerou em termos negativos, mas vivamos racionalmente, controladamente, com equilíbrio, como seguidores de Jesus e à luz dos ensinamentos bíblicos. Porque não há nenhum outro modo de se conformar à imagem de Cristo neste momento que não seja agindo como Cristo agiria: buscando a justiça, mas com alegria.

Sejamos diferentes, como todo cristão deve ser. Curtamos a Copa do Mundo de futebol em paz. Não permitamos que nada nem ninguém nos tire neste momento do caminho da serenidade, da santidade, da graça e do amor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio