Posts com Tag ‘Culpa’

É muito comum, quando se assiste a uma dessas entrevistas com celebridades em programas de auditório ou coisas assim, que o entrevistador faça aquelas perguntas “pá-pum”: “Prato preferido?”. “Um ídolo?”. “Um sonho?”. Sabe como é? Invariavelmente, entre as perguntas aparece: “Um arrependimento?”. E, via de regra, a resposta é: “Não tenho nenhum arrependimento, pois é melhor se arriscar e quebrar a cara do que não ter tentado”. Aplausos efusivos da plateia. Sempre que ouço isso, balanço a cabeça e penso quão irrefletida é essa resposta.

Eu me arrependo de um caminhão de coisas. Cada decisão equivocada, cada palavra mal colocada, cada ação impulsiva, cada pecado cometido… meu Deus, quantas coisas do que me arrepender! Talvez, se for honesto comigo mesmo, perceberei que tenho mais coisas do que me arrepender do que me orgulhar.

Arependimento é uma das colunas que sustentam o evangelho de Jesus Cristo. Elimine da boa-nova a necessidade de se arrepender e você deixará de ter a Palavra eterna. O que sobrará será uma mera filosofia motivacional.

Arrepender-se é odiar a Queda, rejeitar o diabo, repudiar a carne, lutar contra o pecado, viver Cristo. Sem arrependimentos diários, verdadeiros e eficazes, tornamo-nos uma sombra tênue e distante do que Jesus quer que sejamos. Arrependimento é a picareta que quebra a dureza de nosso coração empedernido e nos lapida à imagem do Salvador.

Eu me arrependo, sim, de muitas coisas e muito. Deus me livre de uma vida sem arrependimento, que seria como estar em areia movediça e me recusar a segurar a corda salvadora que me estendem. “Um arrependimento?”. “Não tenho, deixe-me afundar na areia movediça de meus erros e de minha estagnação”.

Meu irmão, minha irmã, do que você se arrepende? Se percebe que errou, fraquejou, caiu, se sujou… não tenha vergonha de dizer, em meio a muitas lágrimas: “Pai, eu me arrependo. Perdoa-me e ajude-me a não repetir o erro”.

E que fique o aprendizado. Pois, de todas as maravilhas do arrependimento, possivelmente a maior delas é a capacidade de aprender, a fim de não errar o mesmo erro novamente, e de instruir outros a não trilhar o mesmo caminho de dor, tristeza e sofrimento.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

APENAS_Banner três livros Zágari

Clicando na imagem acima você vai para a livraria virtual Amazon

 

Um dos maiores erros que um cristão pode cometer é condicionar aquilo que faz ao que os outros fazem. Embora haja uma dimensão coletiva inerente ao cristianismo, a proposta do evangelho de Cristo é que cada um de nós faça a sua parte, individualmente, mesmo que o nosso próximo não faça. A Palavra se Deus é clara: “Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus” (Rm 14.12). Acredite: naquele grande dia, quando você estará diante de Deus a fim de prestar contas de cada ação que realizou e cada palavra que pronunciou, e ele lhe perguntar por que deixou de fazer o que esperava de você, a resposta “ah, porque fulano não fez a parte dele” não vai servir de desculpa. 

É inerente à natureza pecaminosa do ser humano tentar justificar seus erros jogando a culpa nas costas dos outros. Foi o que Adão fez, ao jogar a culpa do seu pecado sobre Eva, e foi o que Eva fez, ao jogar a culpa do seu pecado sobre a serpente. Quem erra é responsável pelo próprio erro, mesmo que o outro tenha errado antes.  Como minha mãe sempre me disse, “um erro não justifica outro”.

A mulher insubmissa tenta justificar sua insubmissão pelo fato de o marido não ser perfeito. O marido tirânico tenta justificar sua tirania pelo fato de a mulher não respeitá-lo. O pastor que devolve mal com mal tenta justificar sua maldade vingativa pelo fato de lhe terem feito mal. O arrogante tenta justificar sua arrogância pelo fato de conhecer pastores famosos que também são arrogantes. O destemperado tenta justificar suas explosões e brigas constantes pelo fato de conviver com gente agressiva. O apologeta ofensivo tenta justificar sua agressividade pelo fato de o herege ser herege. O sonegador tenta justificar a sonegação porque o governante é ladrão. O ladrão tenta justificar seu crime pelo fato de a sociedade não lhe ter dado oportunidades. A sociedade tenta justificar sua ideia de que “bandido bom é bandido morto” porque o bandido é bandido… E assim seguimos, numa lista interminável de tentativas de justificar posturas pecaminosas que simplesmente não justificam e só nos fazem acumular abismo sobre abismo. Para Deus, não cola, lamento informar. 

Deus espera que você faça a sua parte. E, isso, independente do que o outro faz ou fez. Se todos errarem, o Senhor espera que você acerte. E, se você não acertar, ele cobrará isso de você. Nessa hora, a explicação “ah, é que fulano também errou” simplesmente não o justificará diante de Deus. 

Meu irmão, minha irmã, em que área da sua vida você tem errado, usando como uma boa desculpa para o seu erro o erro de outra pessoa? Será que você tenta ficar bem com a própria consciência ou com Deus jogando a sua culpa na conta de alguém? Se faz isso, pode ter certeza de que essa desculpa só serve para alimentar seu pecado. Sua responsabilidade segue sendo sua e seu pecado será cobrado única e exclusivamente de você. Só de você. De mais ninguém. 

Faça um exame de consciência. Peça a Deus que lhe mostre em que você tem pecado constantemente sem arrependimento, lançando sobre ombros alheios a culpa que é só sua. Acredite: o que Deus espera não é que você se abata ou fique deprimido por essa percepção, mas que mude. Tome uma decisão. Renove a sua mente. Transforme seu procedimento. Pare de viver eternamente se justificando, dizendo “ah, é porque fulano fez isso”, “ah, é porque beltrano sempre faz aquilo”. Faça a sua parte, a despeito de os outros estarem fazendo a deles ou não. E, assim, mediante arrependimento, confissão e abandono do erro, você encontrará a paz com Deus. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

humilhar-1Eu estava lendo a Bíblia quando um trecho que já li milhões de vezes estourou no meu peito com toda força como nunca antes. Diz assim o texto bíblico: “Em seguida, Jesus contou a seguinte parábola àqueles que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os demais: ‘Dois homens foram ao templo orar. Um deles era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu, em pé, fazia esta oração: ‘Eu te agradeço, Deus, porque não sou como as demais pessoas: desonestas, pecadoras, adúlteras. E, com certeza, não sou como aquele cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo que ganho’. Mas o cobrador de impostos ficou a distância e não tinha coragem nem de levantar os olhos para o céu enquanto orava. Em vez disso, batia no peito e dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, pois sou pecador’. Eu lhes digo que foi o cobrador de impostos, e não o fariseu, quem voltou para casa justificado diante de Deus. Pois aqueles que se exaltam serão humilhados, e aqueles que se humilham serão exaltados”.” (Lc 18.9-14, NVT). O que me impactou tanto nessa leitura foi me dar conta da enorme quantidade de pessoas que agem exatamente como esse fariseu em nossos dias. Gostaria de convidar você a refletir sobre isso. 

A primeira realidade dessa parábola é que todos os personagens citados eram gente temente a Deus mas que pecava muito. Todos. O fariseu e o cobrador de impostos eram igualmente transgressores da vontade de Deus. Nenhum deles era melhor que o outro. Cada um tinha suas desgraças, seus pecados, sua culpa. Meu irmão, minha irmã, nenhum de nós é melhor que o outro. “Pois quem obedece a todas as leis, exceto uma, torna-se culpado de desobedecer a todas as outras.” (Tg 2.10, NVT). Isso nos iguala implacavelmente. Se o outro é adúltero, você é mentiroso. Se o outro é assassino, você é arrogante. Se o outro desonra pai e mãe, você é invejoso. Ninguém está livre. Todos somos culpados. O pecado nos iguala sem distinção. 

humilhar-2Segundo, o fariseu se achava espiritualmente melhor do que os outros. Esse tipo de postura é uma epidemia na igreja. Multidões se consideram mais espirituais que os demais. Ou porque acham que apenas sua teologia é a inerrante e infalível. Ou porque acreditam que a sua denominação é a única correta. Ou porque não toleram o diferente. Ou porque têm um cargo eclesiástico. Ou porque escreveram livros. Ou porque cantam bem. Ou porque têm um pouco de fama. Ou porque as pessoas os ficam bajulando e elogiando. Ou porque têm certas práticas que outros não têm. Ou porque exibem montes de diplomas teológicos na parede. Ou porque não fizeram teologia e acham que quem fez é carnal, porque, afinal, “a letra mata”. Ou porque têm muitos “amigos” na sua fan page das redes sociais. Ou porque pregam bem. Ou porque se acham  expositores das Escrituras melhores que os outros. Ou porque foram convidados a pregar ou palestrar em um lugar de renome. Ou porque… ou porque… ou porque. As razões são inúmeras. E todas são “como correr atrás do vento” (Ec 1.14, NVT), pois simplesmente não existe mérito algum na pessoa, tudo vem de Deus e é dado por Deus. “Toda dádiva que é boa e perfeita vem do alto, do Pai que criou as luzes no céu” (Tg 1.17, NVT).

Meu irmão, minha irmã: tudo o que você é e tem foi concedido pelo Senhor, sem absolutamente nenhum mérito seu. Você e eu não somos melhores que os outros.  Não. Deus não te escolheu para receber certos dons e talentos porque você é mais especial, mas porque ele, em sua soberania, assim quis, a despeito de seu mérito pessoal. Não é porque você subiu o monte que o Senhor te dará algo, tampouco porque fez campanha de muitas semanas, porque se formou no doutorado de teologia ou porque ralou o joelho até ele ficar em carne viva. Não: é tudo por graça, misericórdia, compaixão, amor. Poderia ser qualquer outro em seu lugar. Suas qualidades pessoais não são a seu respeito, são a respeito de Deus. Se você acha que o Zágari te abençoa com o que escreve, saiba que o único a ser agradecido por isso é o Senhor, porque com uma palavra de sua boca eu posso perder toda inspiração e me tornar um inútil. Deus, só ele. Por ele, para ele. 

humilhar-3Terceiro, o fariseu baseou seu discurso no erro dos outros. Ah, como isso é comum! Esse tipo de comportamento  prolifera como erva daninha em nosso meio. Não é à toa que as redes sociais, os blogs e os congressos teológicos transbordam de “apologetas” que dedicam seu dia a dia a ficar atacando os outros. Não os amam. Os odeiam. Não entendem que evangelho é muito mais do que criticar o que você acha que está errado na outras pessoas. E ficam destilando ira “em nome de Jesus”. Acham que Deus os apoia porque, afinal, eles estão certos e os outros não. Triste. Entenda: eu posso estar errado ao lhe dizer tudo o que aqui estou dizendo. Mas você também pode estar errado – e muito errado. E essa percepção da possibilidade do nosso erro deve nos levar a uma postura de extrema humildade, mansidão, autocontrole e pacificação. Fora disso, o que sobra é vaidade e arrogância. 

Quarto e último, a postura do cobrador de impostos é nitidamente o padrão cristão de comportamento. Aquele publicano compreendia que ele era falho e pecador. Mas, importantíssimo: ele não apenas sabia disso, ele agia em função desse entendimento, olhando para si e tratando diretamente com Deus sobre as próprias falhas. O coletor de impostos conhecia a trave que tinha no olho, não fazia vista grossa a ela e não baseava seu senso de valor em ficar investigando o cisco no olho alheio. Sua relação com os demais pecadores era de humildade e com Deus era de humilhação. E aqui chegamos ao cerne desta reflexão. 

humilhar-4Humildade e humilhação. Essa é a postura que agrada a Deus. O Senhor odeia a arrogância. Até mesmo a arrogância espiritual, doutrinária, denominacional e teológica. Temos de ser humildes com relação ao próximo na práxis e na doxa, por saber que em nada somos superiores aos outros, que nada do que temos e somos é mérito nosso, e que somos tão desgraçadamente necessitados da graça de Deus e do seu perdão para nossos pecados quanto qualquer outro. Precisamos nos humilhar diante de Deus, por compreender nossa realidade absolutamente dependente dele e desprovida de valor próprio. Não somos nada. Deus é tudo. Se você é “a menina dos olhos de Deus”, como muitos dizem, é por graça divina e não por mérito humano. Obrigado, Senhor, porque, em meio à minha fraqueza e falibilidade, aprouve a ti fazer qualquer coisa de mim e por mim. 

Meu irmão, minha irmã, “Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.” (Tg 4.10, NVT). “E todos vocês
vistam-se de humildade no relacionamento uns com os outros. Pois, ‘Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes’. Portanto, humilhem-se sob o grande poder de Deus e, no tempo certo, ele os exaltará” (1Pe 5.5-6, NVT). O contrário disso? É vaidade. É arrogância. É pecado. E é o caminho mais curto e certo para ser humilhado por Deus. Não queira passar por isso: arrependa-se, confesse o seu pecado ao Senhor e mude. 
Vá por mim, falo por experiência. A experiência de alguém que, desgraçadamente, já agiu igualzinho ao fariseu da parábola…

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Perdão é um assunto essencial para nossa saúde espiritual. A falta de perdão é um câncer que corrói a alma, gera culpa e ressentimento e nos afasta de Deus. Foi por isso que decidi me dedicar a esse tema em meu livro mais recente, Perdão Total – Um livro para quem não se perdoa e para quem não consegue perdoar (veja AQUI), que acabou de ser lançado pela editora Mundo Cristão. Semana que vem falarei um pouco mais sobre ele, se você me permitir. Hoje compartilho apenas um pequeno vídeo, que a editora me pediu para gravar, em que abordo um dos temas tratados no livro. Espero que aquilo que procuro compartilhar nessa fala de 2 minutos abençoe a sua vida.

Perdão Total_Youtube

(Se, ao clicar na imagem, o vídeo não abrir, clique AQUI)

.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari

 

Certa vez ouvi de um servo de Deus que a igreja é um lugar muito perigoso. Pois a vida em comunhão nos expõe, nos desafia, nos convida a conviver com a contradição e a natureza humana de indivíduos que deveriam substituir essa natureza pela de Cristo. A cada dia que passa vejo mais e mais que essa é uma grande verdade. A possibilidade de que você será ferido, magoado ou humilhado de algum modo por congregar em uma família de fé é bem plausível, visto que estará convivendo e se abrindo para pecadores cheios de falhas – embora em busca de santificação. Postei há alguns meses aqui no APENAS uma reflexão sobre “O lugar mais importante na igreja“, em que, por meio de uma metáfora,  compartilho minha visão de que a segunda pessoa mais importante numa congregação depois de Jesus é o triste, o abatido, o deprimido, o humilhado, o abandonado, o desesperado, o indigno, o ferido. Fiquei espantadíssimo ao ver a quantidade enorme de irmãos que entraram em contato pelo espaço de comentários do blog para relatar experiências terríveis que viveram no ambiente eclesiástico e que sofreram os mais variados tipos de traumas. Ao todo, 48. Muito revelador e espantoso é que, em comum a todos menos três, havia o pedido de não publicar seu comentário. 45 pessoas! Sem que dissessem, ficou claro que tudo o que queriam – ou precisavam – era desabafar e não queriam se expor. Em outras palavras, inconscientemente querem permanecer invisíveis. O que essa constatação deve gerar em cada um de nós? Como devemos agir com relação a essas pessoas feridas?

Mais ainda: devemos parar de ir à igreja porque podemos acabar saindo dela com o coração dilacerado? A resposta é um grande não. E já veremos por quê.

Entre os comentários havia de tudo. O mais frequente é a decepção com os líderes ou outros membros. Sim, porque paredes e templos não ferem ninguém: quem fere são pessoas. Pastores que usaram de autoridade desmedida e humilharam ovelhas publicamente. Irmãos que discriminaram pela classe social e pela cor da pele. Pastores que não mantiveram o sigilo pastoral sobre pecados a eles confessados. Irmãos que usaram de artimanhas para tomar “cargos” de outros. Pastores que em vez de ajudar a pôr de pé os caídos esmagaram ainda mais o crânio de quem estava no chão. Irmãos que não demonstraram coração perdoador. Pastores que usaram o púlpito para fazer desde propaganda política a publicidade de revistas e DVDs. Irmãos que ignoram quem não conhecem e compartimentalizam a igreja em panelas. Pastores que agiram em causa própria e deixaram vidas humanas à própria sorte. Irmãos que não estenderam a mão quando mais se precisava de ajuda. Pastores que prometem o que Deus não promete. Irmãos que discriminam da “falta de fé” à forma de se vestir de outros e os consideram cristãos de segunda classe.

Em comum a todos os casos, o que ficou visível foi uma deficiência no amor ao próximo e a prevalência do interesse próprio.

E essas são só as causas mais frequentes que detectei entre os comentários. Há mais. A quantidade e a variedade de formas pelas quais é possível ferir alguém por estar inserido no ambiente de uma família de fé são muitas, algumas surpreendentes. E isso é um chamado à responsabilidade para todos nós. Não é à toa que usei como título deste post o mesmo do livro da jornalista Marília Camargo, publicado pela editora Mundo Cristão, que trata de desmandos cometidos por lideranças eclesiásticas. Pois esses problemas se multiplicam tanto que se tornaram visíveis para cada vez mais pessoas – cristãs ou não. E um ponto nevrálgico da questão é que deixar a comunhão dos santos não é a solução. Por diversas razões.

No que tange à liderança, nunca podemos nos esquecer que há muitos líderes que sabem cuidar de ovelhas, que as põem acima de si mesmos e que entendem que a vocação pela qual Deus os chamou é sobre Jesus e sobre o próximo e não sobre si mesmos (leia mais no post “A importância de um pastor“). Que não deixam a vaidade, a prepotência ou os projetos pessoais interferirem no cuidado e no amor pelos irmãos. São muitos e estão por aí, em igrejas de diferentes denominações, em diversas regiões do país, em bairros ricos e pobres. O ministério pastoral não entrou em colapso devido ao fato de que há os que não pastoreiam com compaixão e graça, com amor e carinho, com cuidado e zelo. Há sim os que usam o púlpito como emprego estável ou os que não entendem a profundidade do amor de Deus e por isso não o refletem em seu pastoreio, mas as maçãs podres ou contaminadas devem servir acima de tudo para nos lembrar que há maçãs maduras e que alimentam. E há muitas. Há muitos homens de Deus à frente de igrejas, é só ter paciência de procurar e pedir discernimento ao Senhor. Recusar ser bem pastoreado é recusar um maravilhoso presente que Deus nos dá.

Já no que tange à membresia, é preciso lembrarmos sempre do velho clichê (que é verdadeiro) de que a igreja não é um museu de santos, mas um hospital de pecadores. Todos, absolutamente todos os membros de uma igreja, são pecadores. Ninguém escapa. Pode ter certeza que o mais santo de todos tem no mínimo pensamentos horripilantes. Agostinho teve. John Wesley teve. Davi teve. Salomão teve. Paulo teve. Pedro teve. Eu, então, nem se fala. Só que isso, em vez de nos afastar da igreja, deve produzir em nós um sentimento de misericórdia, por saber que o próximo é tão pecador como nós e é tão passível de erro como eu e você. Há pessoas responsáveis por atividades importantes dentro de igrejas que cometem pecados cabeludos e, em vez de fugir delas, precisamos orar por elas para que sejam libertas, que alcancem o perdão e para que seus pecados não interfiram na missão que Deus lhes confiou. Sempre digo a quem está decepcionado com os irmãos que, se vemos alguém que julgamos ser um “mau cristão”, em vez de empurrá-lo para longe devemos nos aproximar para influenciá-lo positivamente. Pois é o que se encaixa na graça de Deus. Não o medo, mas a coragem.

No que tange a nós mesmos, precisamos lembrar que mesmo sendo a igreja uma assembleia de pessoas imperfeitas e potencialmente passíveis de nos machucar, é onde cultuamos a Deus em comunhão. É onde celebramos o memorial coletivo da Ceia do Senhor. É onde ouvimos pregações (sim, muitas vezes feitas por sacerdotes cheios de falhas) que vão nos edificar, consolar e exortar. É onde podemos encontrar aqueles que de outro modo não saberíamos que precisam de uma mão estendida. É aonde os perdidos tocados por Deus vão, em busca de algo a que a cruz na porta remete em termos espirituais. Já fui parar em um CTI por ter comido alimentos estragados em um restaurante. Mas não é por isso que vou deixar de ir a restaurantes, pois preciso me alimentar. O medo de comer em outro restaurante não é benéfico, pode me gerar inanição. Assim como o medo de ir a uma igreja porque nos decepcionaram em outra não provém de Deus. Se a igreja é um lugar perigoso, é um lugar para os corajosos. Um erro não justifica o outro.

Você já se decepcionou com um líder e/ou um irmão da igreja? Eu sim. Só que o que o outro faz não depende de nós. O que temos poder para mudar é agir a partir de outra pergunta: você já decepcionou um líder e/ou um irmão da igreja? Eu sim. E se você, como eu, reconhecer que causou o mal a alguém, mesmo que tenha sido de modo involuntário, aí está diante de si a grade oportunidade de começar a mudar o que está ruim: procurando mudar ou pelo menos melhorar a si mesmo. Pois, no que eu mudo e me torno um cristão melhor, uma ovelha menos manchada para meu pastor e um irmão menos decepcionante para os membros da igreja, aí sim estou contribuindo com meu exemplo e minha atitude pessoal para que o Corpo como um todo seja aperfeiçoado.

Então, se fomos feridos na igreja, devemos começar por fazer uma análise de nós mesmos e ver em que pontos nós ferimos os outros. Eliminando esses pontos serviremos cada vez mais de exemplo. Quanto aos que nos feriram, a dor permanecerá pelo tempo que o luto durar e isso independe de nós.

Mas podemos perdoar.

Quantas vezes? Setenta vezes sete. Todas. Sempre. Repetidamente. E não perdoe só da boca para fora, porque isso é fácil para qualquer um fazer. Perdoe em atitude. Sendo bom para quem te feriu. Ajudando-o. Estendendo a ele benefícios. Auxiliando no que ele precisar. Orando a Deus por sua vida. Essas são as maneiras bíblicas de agir com quem nos machucou. Não importa como o outro se comporta, importa como você se comporta. Faça sua parte. Pense menos em si e mais em Cristo. Pois se cada um de nós pensar somente em si, da próxima vez que escrever um post sobre gente machucada na igreja não serão 48 pessoas contando suas histórias, mas 490.

A mudança começa em nós. Menos dedos apontados, mais lágrimas no travesseiro. E quando você conseguir ser alguém melhor, ajude os demais. A começar estendendo amor de forma prática a quem te fez mal. E aí haverá festa no Céu, porque você poderá estar sendo intrumento nas mãos de Deus para levar um pecador a se arrepender. Minha esperança é que para cada ferido “em nome de Deus” apareça um bom samaritano que venha a cuidar de suas feridas. E, isso sim, será verdadeiramente feito em nome do perdoador, misericordioso, amoroso e gracioso Deus.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Recebi o e-mail abaixo de uma irmã em Cristo. Tocou-me tanto que decidi reproduzi-lo aqui, com a resposta que enviei a ela, na esperança de que venha a trazer paz a corações que estejam passando por situações semelhantes à que ela está enfrentando. É desnecessário divulgar seu nome, pois não quero expô-la. O que importa não é quem ela é, mas a sua experiência. E oro a Deus que aquilo que lhe respondi – e, em especial, os textos bíblicos – alcance o maior número possível de corações angustiados. Segue o desabafo honesto, sincero e dolorido que recebi de R.:

“Bom dia, como você está?

Não sei nem como começar a escrever, preciso desabafar e essa angústia não pode ser com qualquer pessoa.

Estou me sentindo fraca, já não tenho ânimo para frequentar a igreja, há muito tempo não oro nem faço jejum. Estou me sentindo triste, meu espirito está angustiado com tudo o que vejo dentro das igrejas, estou triste por ver pessoas agredindo uma as outras.

Estou triste, pois me parte o coração ver pessoas na rua passando frio, triste por ver tanto sofrimento e nenhuma mudança. Fico me perguntando cadê os verdadeiros cristãos.

Preciso de forças, estou envergonhada da pessoa que sou, tenho olhado o cisco no olho do meu próximo, mas fui incapaz de retirar a trave que estava nos meus olhos. Sou orgulhosa, egoísta, hipócrita, venenosa. Apenas reclamo e não faço nada.

Estou caindo, fui fraca e deixei as aflições do mundo ficarem entre eu e Deus. Estou decepcionada, porque magoei Deus, não fui fiel a Ele, deixei as paixões do mundo me afastarem dEle. Estou com vergonha, me sinto suja, me sinto como alguém desprezivel, uma pecadora que não sabe reconhecer seus erros. Estou sentindo tantas coisas em meu coração e não sei como escrever, como colocar para fora.

Entendo a minha condição, entendo que enquanto estiver nesse corpo cairei e continuarei caindo até o dia que Cristo voltar ou até a minha morte. Mas sou fraca, tenho trocado o tesouro do Reino por coisas pequenas, não tenho tido concentração para orar, vivo em um ambiente onde domina a fofoca, a inveja, a maldade, são pessoas perversas com suas linguas afiadas. Tenho bebido desse veneno e compactuado com isso, estou sentindo as consequências dessa minha escolha.

Mas eu quero voltar, eu quero voltar para o meu Pai, quero ficar com Ele, não quero que as coisas do mundo sejam as minhas coisas. Que Deus possa me perdoar pela minhas transgressões, pelos meus pecados, não estou mais suportando viver uma vida sem Deus, sem a presença dEle, isso tem me matado.

Meu peito vai explodir, estou caindo, peço que ore por mim meu irmão. Estou angustiada, tomada por uma profunda tristeza.

Que Deus te abençoe, meu irmão!”

Li essa confissão tão honesta e dolorosa. E respondi a ela o que reproduzo abaixo, com acréscimos que depois, com mais calma, incluí no texto. Peço a Deus que as singelas palavras que vêm a seguir alcancem corações:

“R.,

meu coração chora pela tua angústia. Li o que você escreveu e gostaria de te dizer algumas palavras.

Primeiro, lembre-se se uma coisa: você é humana e Deus sabe disso. Não quero passar a mão na cabeça do pecado, mas importa que você entenda o olhar do Pai. Veja o que a respeito do Senhor diz Salmos 103.3-5; 8-14:

É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças, que resgata a sua vida da sepultura e o coroa de bondade e compaixão, que enche de bens a sua existência, de modo que a sua juventude se renova como a águia. O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Não acusa sem cessar nem fica ressentido para sempre; não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades. Pois como os céus se elevam acima da terra, assim é grande o seu amor para com os que o temem; e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões. Como um pai tem compaixão de seus filhos, assim o Senhor tem compaixão dos que o temem; pois ele sabe do que somos formados; lembra-se de que somos pó.

Essas verdades magníficas nos mostram que Deus não se interressa em punir ou destruir: isso é papel do Diabo. O que Nosso Senhor quer é pôr de pé o abatido, levantar o caído, pôr o anel no dedo do filho que foi comer as bolotas dos porcos.

R., Deus não espera de você perfeição, mas sim esforço. Pois, como disse o salmista, “ele sabe do que somos formados, lembra-se de que somos pó”: o Senhor sabe que você nunca será inerrante, perfeita, que você é pó. Assim, Deus compreende as suas fraquezas. O que Ele não aceita é o acomodamento. O cristão de verdade não é o que vence todas as batalhas, mas o que luta com toda a sua energia para vencê-las.

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Se você está sem forças para viver sua vida devocional, lembre-se que Paulo disse que quando somos fracos é que somos fortes, pois o poder de Deus se aperfeiçoa na nossa fraqueza. É nessa hora, R., em que você se vira para o Senhor e diz “sozinha não posso”. E aprende a depender dele. Nunca deixando, claro, de fazer a sua parte.

As igrejas são imperfeitas, as pessoas são imperfeitas, todos nós somos. Se eu fosse me espelhar em mim mesmo e na minha santidade capenga, jamais frequentaria a igreja. Pois sei quem sou e quão distante estou de quem deveria ser. Mas é exatamente a percepção que tenho quando olho para mim e vejo o quão falho e pecador sou que me faz  olhar com compaixão para as falhas dos meus irmãos e isso me estimula a participar da comunhão. Pois nós, cristãos, somos, sem exceção, um bando de pecadores que amam a Cristo, reunidos em assembleia para cultuá-lo e nos ajudarmos uns aos outros em nossas fraquezas. Não é porque há imperfeições entre – todos – os cristãos que vamos abandonar o culto a Deus. É preciso saber racionalmente disso. Nos meus momentos de maior angústia, foram irmãos da igreja que me aconselharam, choraram comigo, deram seu ombro, compartilharam suas experiências, me apoiaram para ficar de pé. Nem todos farão isso. Mas há muitos irmãos piedosos que vão ser colunas na sua vida. E lembre-se de Hebreus 10.25: “Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia.”

Compartilho da sua tristeza ao ver cristãos agredindo uns aos outros. Não é o padrão nem o desejo de Cristo para nós, mas hoje entendo que a natureza humana caída muitas vezes faz a carne agir com mais força que o espírito. Aos que agridem temos de estender perdão e misericórdia. Ore por eles. Peça a Deus que os abençoe. O que Paulo manda fazermos sobre isso é algo que pouquíssimos de nós fazem. Mas que precisamos pôr em prática. Tenho tentado. Muitas vezes não consigo. Mas tenho lido este trecho diariamente, há muito templ, e estou tentando torná-lo uma realidade na minha vida, e tenho conseguido única e exclusivamente pela graça de Deus:Abençoem aqueles que os perseguem; abençoem, e não os amaldiçoem.  Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram.  Tenham uma mesma atitude uns para com os outros. Não sejam orgulhosos, mas estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior. Não sejam sábios aos seus próprios olhos.  Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos.  Façam todo o possível para viver em paz com todos.  Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor.  Pelo contrário: “Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”.  Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem” (Romanos 12.14-21). Tente. Sei que você vai conseguir. Perdoe.

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Isso é dar a outra face. É se deixar ser agredido sem revidar. É ser atacado sem atacar. É fazer o que Jesus fez: como ovelha muda ante seus tosquiadores Ele não abriu a boca. Esse é o padrão bíblico. Se fazemos justiça com as próprias mãos, agimos carnalmente e tomamos do Senhor aquilo que compete a Ele. Não sou eu que digo, R., está aí em Romanos, está no Sermão do Monte, a Bíblia sempre nos orienta que essa é a postura do verdadeiro cristão. Então não sinta raiva dos irmãos que te agridem. Ame-os. Ore por eles. E, se te fizerem mal, faça-lhes o bem. Tenha paz com todos, sabendo que o Senhor é quem retribuirá o mal que lhe fizerem.

Quando você diz “fico me perguntando cadê os verdadeiros cristãos” eu te respondo: olhe-se no espelho e lá você encontrará. Pois verdadeiros cristãos não são anjos flutuando sobre nuvens. São seres humanos, pó, que erram – mas com uma grande diferença: como têm o Espirito Santo habitando em si, se incomodam com o erro e fazem de tudo para não errar de novo.

Tudo o que você me diz sobre como se sente, todos os adjetivos depreciativos que usou para se referir a si mesma, toda a vergonha que expressa sobre a forma que você diz ser pode parecer algo repreensível, pode fazer parecer que você é uma perdida sem esperanças. Talvez seja assim que você se sinta. Mas o que leio nas entrelinhas da sua confissão é uma coisa linda: o Espirito de Deus habita em ti. Você pode se perguntar “como assim?? Pois se estou sendo tão pecadora!!”. Mas repare: é Ele quem convence do pecado, da justiça e do juízo. O homem por si mesmo é incapaz disso. E, se você se sente como descreve, é sinal de que o nosso Pai te ama e está te chamando ao arrependimento. Se Deus não se preocupasse contigo, você estaria pecando sem se incomodar. Esse incômodo prova que o Senhor está te chamando para uma mudança – por amor.

O fim do sofrimento_Banner APENAS

Agora, há um ponto importante, que aprendi com meu pastor: existe uma diferença grande entre remorso e arrependimento. Remorso é o choro que não tem consequência. Arrependimento é o choro que nos faz mudar de atitude. Remorso é carnal, é o que Judas sentiu. Arrependimento é espiritual, é o que Pedro sentiu após negar Cristo. O que é importante agora é você fazer essa angústia que o Espírito de Deus está gerando dentro de si pelo estilo de vida pecador que você está vivendo ter como consequência uma mudança de rumo. Deus está à porta e bate. Você vai abrir a porta do seu coração? Só depende de você.

Repare o que Paulo escreveu aos Coríntios em 2 Coríntios 7.8-11: “Mesmo que a minha carta lhes tenha causado tristeza, não me arrependo. É verdade que a princípio me arrependi, pois percebi que a minha carta os entristeceu, ainda que por pouco tempo. Agora, porém, me alegro, não porque vocês foram entristecidos, mas porque a tristeza os levou ao arrependimento. Pois vocês se entristeceram como Deus desejava, e de forma alguma foram prejudicados por nossa causa.  A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte.  Vejam o que esta tristeza segundo Deus produziu em vocês: que dedicação, que desculpas, que indignação, que temor, que saudade, que preocupação, que desejo de ver a justiça feita! Em tudo vocês se mostraram inocentes a esse respeito”.

Não é lindo? Consigo ver em você essa mesma tristeza. Não é um abatimento de alma destruidor, mas é Deus te chamando para o arrependimento, para a paz, para a salvação, para a dedicação, o temor, a justiça. Acredite, há muito pouco tempo vivi isso. E dói. Sei que dói. Mas o resultado é maravilhoso, se você consegue converter essa tristeza em mudança de rumo.

Quando você diz “Mas eu quero voltar, eu quero voltar para o meu Pai”, só te digo uma coisa: Ele está de braços abertos, apenas esperando. Volte hoje. Volte agora. Não adie um dia sequer. Não adie um minuto. Sinta o abraço do Pai.

Confiança inabalável_Banner Apenas

E você diz “Que Deus possa me perdoar pela minhas transgressões, pelos meus pecados”. Vou te contar um segredo: Ele pode. Mais ainda: Ele quer. Jesus veio à terra exatamente com esse propósito: perdoar pecados. E existe uma fórmula mágica para isso acontecer, que está em Provérbios 28.13: “Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia“. Tudo o que você tem de fazer é se arrepender (o que suas palavras demonstram que já aconteceu), confessar a Deus os seus pecados e abandoná-los. Pronto. Está feito. Foi para isso que Jesus encarnou, sofreu, morreu e ressuscitou, R., para que você e eu tivéssemos perdão e possamos estar na eternidade com Deus. 

Compreenda que Deus não te despreza porque você errou. Veja que revelação maravilhosa Jesus nos faz: “Eu lhes digo que, da mesma forma, há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.” (Lc 15.8-10). Você está arrependida? Quer realmente abandonar o pecado? Saiba que os anjos estão em festa.

De modo muito prático, R., recomendo que você acalme-se, respire fundo e busque silenciar. É hora de você se recolher ao silêncio das quatro paredes, só você e Deus. Chore. Derrame sua verdade pelos seus olhos ante o Cordeiro de Deus. Você terá momentos de muita angústia e dor pela sua pecaminosidade nesse processo. Mas, uma vez que o perdão do Senhor vier sobre ti… ah, R., é um gozo sem explicação. Neste momento há muita confusão na sua mente. É hora de se recompor, chorar, gemer e se cobrir de pó e cinza. Mas, depois, lave o rosto, quando você se acalmar, já tendo confessado e abandonado o pecado, retome sua vida devocional com Deus. Sua oração pode ser um sussurro, um gemido. Sua leitura da Biblia pode ser curta, desde que profunda e feita com muita reflexão, para que aquilo que você lê deixe de ser texto e se torne vida prática. Seu jejum pode esperar. Assim, aos poucos, vai recuperando a paz, o equilíbrio e a comunhão com Deus. E tudo ficará bem. A vida ganhará novas cores, você se conhecerá muito mais e terá muito mais ímpeto de agradar o Salvador e de ser íntima e útil para Ele. Sabendo que Jesus de Nazaré não quer te punir: quer te restaurar.

Fique calma. Jesus ama muito você. Não se sinta indigna, sinta-se amada e cuidada. Lembre-se que, se o Espirito está falando ao seu coração, é sinal de que Ele te chama, ama e não desistiu de você. Tenha paz. Fuja do pecado. E volte aos braços do Pai, com coração sincero e contrito.

Oro por ti, minha irmã. Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele e o mais Ele fará. Deus é contigo.

Na paz que excede todo o entendimento,
Mauricio”

.
Decidi reproduzir aqui meu diálogo com R. pois sei que há muitas e muitas pessoas que estão passando por o que ela passou. Eu já passei. E, por isso mesmo, posso afirmar: há esperança. Há perdão. Há reconciliação com Deus. E há muito a viver e fazer uma vez que você se põe em pé após passar pelo vale da sombra da morte e/ou pelo lamaçal do pecado. Deus não despreza um coração contrito, afirma a Palavra. Deus não despreza os Seus. Deus não é um carrasco: é um Pai – amoroso, bondoso e perdoador.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual Amazon

APENAS_Banner três livros Zágari

O fim do sofrimento_Banner APENAS
Clicando nas imagens acima e abaixo você vai à livraria virtual Amazon

Perdaototal_Banner Blog Apenas

 

Spams são uma das maiores pragas para os usuários de internet. Não tenho nem de explicar: se você está lendo este artigo é porque é usuário da web. E, se navega no mundo cibernético, já foi vítima de spam. “Ganhe dinheiro sem sair de casa”, “Aumente o tamanho do pênis” (desculpe se isso te escandaliza, mas esse chega todo dia), “Viagra com 50% de desconto”, “Livro da AD Santos é destaque da revista Quem” e inutilidades do gênero lotam nossa caixa de entrada de e-mails, trazendo consigo desde vírus até a mera chateação de ter que ficar deletando cada um. Mesmo o espaço de moderação de comentários do APENAS sofre com isso, acredite. A cada comentário legítimo, entram três spams, em média. Recentemente, um irmão me mandou um comentário indignado (com toda razão): “Não entendo quando vejo em blogs tal como o seu e outros de conteúdo evangélico, voltados para edificação da igreja, banners de propagandas totalmente contrárias à fé evangélica em Cristo Jesus, tal como o que vejo acima, oferecendo os serviços de um vidente de nome tupak ou tupac, e em outro caso que me vem a memória (em outro blog), quando vi ali propagandas da medalha milagrosa”. Pois é, spams nos atacam até como banners não solicitados e não aprovados em nosso blog. Como esse aqui abaixo, que acabou de aparecer na página enquanto eu fechava este texto, de “Tara, a médium visionária”. São incômodos, indesejados, prejudiciais, chegam sem que queiramos, invadem nossa privacidade, geram em nós sentimentos ruins. E em nossa vida espiritual há um tipo de spam muito pior do que esses, que não só irritam e causam confusão como nos fazem muito mal. Chama-se pecado.

Nenhum cristão quer pecar. Tenho absoluta certeza que, se você tem o coração em Cristo, a última coisa que quer fazer é desobedecer e entristecer o teu Salvador. E não estou falando de joio, mas de cristãos sinceros, tementes a Deus, honestos em sua devoção. Só que, de repente, quando menos se espera, seu firewall falha e eis que entra no inbox da sua alma um spam enviado pela sua natureza pecaminosa com auxílio de um hacker chamado Satanás. Pode vir em formas diversas: pensamentos maldosos, desejos ilícitos, cobiças impróprias, sentimento de vingança, vaidade odiosa, maledicências nocivas, invejas desnecessárias, glutonaria despropositada… são muitas. Elas invadem sua caixa de entrada na forma de tentações. Furaram as defesas, o antivírus não pegou, o antispam foi ineficaz e lá está ele. Não teve jeito, alcançou seu coração. E agora?

Agora há dois caminhos. Ao detectar o spam indesejado você pode deletá-lo apertando o botão da oração, clicando no comando da leitura bíblica, arrastando-o para a pasta do fruto do Espírito ou pondo na quarentena das disciplinas espirituais. O outro caminho é cedendo à tentação e abrindo o email, deixando que o vírus escondido dentro do spam do pecado contamine todo o software da sua alma. E aí a coisa fica feia.

Uma vez que o spam do pecado cumpriu o seu papel, a sua máquina começa a funcionar mais lentamente. Some a vontade de ir à igreja, a concentração na hora da oração se dispersa, a leitura das Escrituras diminui ou some, um abismo vai chamando outro abismo. Nenhum computador foi feito para ser contaminado, assim como nenhum cristão deseja pecar, mas se o spam foi bem-sucedido ao furar os bloqueios, mesmo o mais sincero cristão vai começar a agir segundo a programação que se infiltrou em seu código-fonte de boas obras. Aliás, isso acontece com absolutamente todos os cristãos. O hacker espiritual logrou êxito e conseguiu contaminar todos os computadores espirituais do mundo todo, de todas as eras e em todos os lugares.

Veja como o apóstolo Paulo reconhece com sinceridade e humildade que seu software estava cheio desse spam virulento: O pecado, aproveitando a oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de desejo cobiçoso. (…) Sabemos que a lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado.  Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio.  E, se faço o que não desejo, admito que a lei é boa.  Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo.  Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo.  Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim.  Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus;  mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. (Romanos 7.11-23).

A descrição de Paulo é perfeita. O spam do pecado aproveita uma oportunidade e produz todo tipo de estragos que o computador originalmente não desejava. O software age sem entender o que faz. Não faz o que foi feito para fazer, mas “o que odeia”. Assim, quem executou o que o spam determina não é o software original, mas o vírus que habita nele. E, deste modo, o computador sai completamente da normalidade, faz o mal que não foi programado inicialmente para fazer. No íntimo, sua programação tem prazer na lei de Deus, mas uma outra força atua em seus sistemas, guerreando contra os códigos originais, tornando o computador prisioneiro do vírus que determina suas operações.

Pronto, a máquina contaminou. O estrago foi feito. Talvez muitos arquivos importantes tenham sido perdidos. Pessoas ao seu redor foram afetadas, como spams que fazem seu e-mail enviar cópias dele para sua lista de contatos. A máquina pode até mesmo travar e parar de funcionar. Páginas pornográficas vão pular na tela à sua frente. Banners de videntes vão escandalizar quem lê sua vida. Softwares de santidade deixam de abrir. Quando se dá conta, o estrago é tamanho que você cai em si, despenca em prantos e fica se perguntando o que tinha na cabeça quando clicou no arquivo executável que veio naquele spam. E tudo parece perdido. Será preciso formatar a máquina. Talvez vendê-la. Não havia backup, então tudo está perdido. Deus…

De repente, chega um e-mail enviado por  “Espírito Santo”, um amigo e conselheiro antigo com quem você costumava andar muito, mas de quem tinha se afastado há algum tempo. Escrito no “subject” vem o assunto: “Graça”. Sentado no chiqueiro da virulência, você abre a mensagem e vê um texto curto, escrito em vermelho cor de sangue, dizendo para você se lembrar que na casa de seu pai há um antivírus muito potente. Que basta você enviar um e-mail escrito “Arrependimento” e seu pai lhe mandará esse antivírus, chamado “Cruz”.

Você faz isso. Para sua surpresa, o Pai não manda o e-mail. Vem pessoalmente instalá-lo na sua máquina. Ele observa com gigantesco amor o seu olhar impotente, insere o DVD da misericórdia e procede a limpeza. Aparece uma mensagem na tela: “O sangue de Jesus está purificando sua alma de todo pecado. Aguarde o fim da limpeza”. Enquanto espera (a limpeza é muito rápida), só dá tempo de ler uma mensagem que o antivírus da Cruz estampa antre seus olhos, escrita pelo apóstolo Paulo: “Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?  Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!” (Romanos 7.24,25a). Em segundos o software de limpeza informa o fim do procedimento. Na tela, aparece a última caixa de texto do processo: “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus,  porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte.  Porque, aquilo que a lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado” (Romanos 8.1-3).

Seu pai te abraça. Você não tem palavras para agradecer. Lágrimas rolam pelo seu rosto. Todos os programas e arquivos que você julgava ter perdido estão lá, como se tudo tivesse sido feito novo, como se o computador tivesse acabado de sair da fábrica. Você não para de agradecer, os olhos cheios d’água. E promete nunca mais clicar num daqueles spams. Seu pai se contenta em sorrir, como se soubesse que essa é uma promessa que você jamais conseguiria cumprir sozinho. E apenas lhe responde: “Tudo bem. Mas se voltar a clicar num spam não hesite em me chamar. Mesmo se for setenta vezes sete vezes”. Você diz que sim. Sabe que aquele antivírus estará à disposição todos os dias, até a consumação do século.

Seu pai se despede e faz que vai embora, mal sabendo você que ele ficou onde sempre esteve, no mesmo cômodo que você, quietinho, escondido atrás de uma cortina, vendo tudo o que você faz, o DVD na mão. Você está feliz demais. Mas… de repente, um barulhinho no seu computador chama sua atenção. Na tela, uma janela indica: “Você tem 1 nova mensagem”. Quando vai ver, adivinha: é um spam. Você se lembra da promessa feita ao seu pai. Seu dedo paira sobre o botão de deletar. Um pensamento vem: que mal poderia fazer? Vai que te dá algum prazer ou alguma vantagem ler esse e-mail, nunca se sabe. E então… clica.

Atrás da cortina, seu pai se entristece. Abaixa os olhos para o DVD e, falando de si para si mesmo, sussurra: “Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês.  Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação” (Colossenses 1.21,22).

E então ele sorri um sorriso com gosto de vitória final.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Não tenho nenhuma vaidade de querer ser criativo; desejo muito mais que o APENAS seja eficiente naquilo a que se presta: alcançar corações e levar pessoas a pensar de forma crítica e construtiva nas questões ligadas à fé – para, assim, se aproximar de Deus. Por isso, hoje decidi postar uma reflexão que, embora o texto seja escrito por mim, o conteúdo não é de minha autoria. Quero compartilhar a pregação que meu pastor fez domingo passado em nossa igreja. Foi uma mensagem profunda e bíblica, dura e reconfortante. Pode falar ao teu coração, como falou ao meu. Tenho o hábito de fazer anotações dos pontos principais dos sermões que ouço para posterior meditação, portanto o que você lerá a seguir é um resumo da mensagem trazida para a igreja por meu pastor. Praticamente todas as frases transcritas aqui são, ao pé da letra, o que ele pregou. O tema: perdão.

O texto base é Mateus 8, a partir do versículo 23. É a parábola de Jesus em que Ele compara o reino dos céus com um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. Chega um que lhe deve dez mil talentos, mas não tem como pagar. Seu senhor manda, então, que ele, toda sua família e seus bens sejam vendidos como pagamento da dívida. Desesperado, o servo prostra-se e pede paciência, perdão e misericórdia. Diz a Bíblia: “O senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida”.

Só que o mesmo servo logo depois encontra um conhecido que lhe devia uma quantia, o agride e exige que lhe pague. O conservo devedor humilha-se e implora, pedindo paciência e perdão. Em vez disso, o homem que havia sido perdoado pelo rei o lança na prisão. Ao tomar conhecimento do ocorrido, o monarca manda chamar o homem, lhe recorda do perdão que tinha recebido e o entrega aos carrascos, para que o torturem até que pague toda a dívida. E Jesus conclui: “Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão”. Segue a síntese da pregação:

“Essa passagem deixa claro que perdoar é o único caminho para se ter saúde espiritual. Quem não perdoa vive uma vida espiritual pobre e moribunda. Quem não perdoa está morto diante de Deus em seu coração. É como um sino que ressoa (1 Co 13.1): algo que faz barulho, tem aparência e volume… mas não tem vida própria. Pior: quem não perdoa não será reconhecido por Jesus no último dia, pois não está pondo em prática um dos fundamentos da fé cristã: a certeza de que o bem que quero que me façam devo fazer ao outro. Se você gosta de ser perdoado, perdoe, para que haja saúde e sua vida espiritual não se perca.

Para perdoarmos biblicamente, é importante sabermos o que significa exatamente perdoar. Romanos 12.17 nos dá a resposta:

“Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. Façam todo o possível para viver em paz com todos. Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: ‘Minha é a vingança; eu retribuirei’, diz o Senhor.  Pelo contrário: ‘Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele’. Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”.

Não devolver mal com mal. Vencer o mal com o bem. Eis a resposta. Pois vingar-se significa vencer alguém mas deixar Satanás vencer você.

O grande engano dos cristãos é achar que perdão é algo emocional. Não é. Não tem a ver com “sentir” algo, mas com “fazer” algo. O perdão está relacionado a atos e atitudes. É ação. É agir como se o pecado nunca tivesse existido. As emoções, de acordo com a Bíblia e o Evangelho, estão sujeitas à razão. Assim, perdoar é um ato de sã consciência, é saber o que Deus quer. Se eu não perdoo, simplesmente isso mostra que não sou alimentado pela graça de Deus.

Então, o perdão ocorre em duas etapas: Primeiro se perdoa racionalmente (sabendo que aquilo é necessário, que é a vontade de Deus). É uma decisão mental, racional. O segundo passo são as ações. É não se alegrar com o mal que quem lhe ofendeu sofre. É orar pedindo que Deus ajude a pessoa que lhe ofendeu e que está em dificuldades. Mais ainda: é procurar quem lhe ofendeu e se oferecer para ajudá-lo no que ele precisa, com obras da graça e da bondade de Deus. E, por fim, é não causar danos ou perdas a quem lhe ofendeu.

É ao fazermos – ou não – tudo isso que demostramos quem de fato somos. Se pensamos em nós e em cumprir o que nossa justiça manda mais do que pensamos em Deus e na justiça dele, simplesmente estamos pecando. Pois nada é imperdoável quando contamos com a ajuda de Deus, nenhuma ofensa que nos fizeram é imperdoável. Tudo pode ser zerado.

A pessoa que não perdoa em forma de atitudes tem cheiro de diabo. Satanás nunca estende a mão a ninguém e quem se recusa a estender a mão está agindo como o diabo e, logo, é servo dele. Temos sempre que lembrar: não perdoar só satisfaz e alegra… o diabo.

Se dizemos que perdoamos nossos ofensores mas não retomamos a vida como tudo seguia antes da ofensa… na verdade não perdoamos. Pois isso mostra que ainda guardamos rancores, ressentimentos, medos, mágoas ou sentimento do gênero. É perdoar de boca mas não por obras. E a fé sem obras é morta. Fé sem perdão expresso em atitudes em prol de quem nos ofendeu não é fé cristã.

Não adianta eu saber orar se eu não souber perdoar. Minha oração não será respondida (Mt 6.14,15). Pois, se estou em litígio com Deus ao não perdoar meu próximo, o que posso esperar do Senhor? Nada.

A natureza desse assunto é grave. Pois Deus é perdoador. E, se eu não perdoo, não estou identificado com Deus. Não ando com Deus se não perdoo como Ele perdoa. E o perdão de Deus é absoluto, é uma quitação total da dívida e não parcial. O perdão verdadeiro nunca põe seus próprios interesses acima dos daquele que precisa de perdão (1 Co 13).

E para que perdoamos?  Primeiro, para ter paz com os outros. Segundo, para ter paz com Deus (Mt 6.15).

A renovação da mente de Romanos 12.2 passa por demonstrar perdão. Pois só tem a mente de Cristo quem perdoa, esquece das ofensas e retoma a vida a partir do ponto onde ocorreu a ofensa. Quem não o faz não perdoou, não teve a mente renovada e não age conforme a natureza de Cristo. É um cristão que não age como Cristo. Que Deus nos ensine a perdoar e a praticar o perdão. Em cada situação e a cada dia. Que Deus cure quem não perdoa. Pois a falta de perdão é uma grave doença espiritual. Quem nasceu de novo tem obrigação de perdoar.

Que Deus nos perdoe da nossa demora em fazer o que Ele quer. Que Deus nos perdoe por não perdoar. Podemos encontrar mil desculpas para não perdoar, mas não perdoar aos olhos de Deus… não tem desculpa”.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

“Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado“? (Sl 51.1,2)

Li recentemente em um blog a reprodução de um velho texto de um antigo líder religioso cristão. O artigo atesta, em resumo, que “o sentimento de culpa do pecador se opõe à graça de Deus”. Que seriam conceitos excludentes, opostos. Li o referido texto, de 2003, e cheguei a uma conclusão: esse argumento está errado. Bem errado, na verdade. Segundo o artigo, “é sem culpa que nós temos que tratar dos nossos pecados. Pois com culpa apenas os aumentaremos e os fixaremos mais profundamente em nós…como ‘pecados próprios’“. O autor propõe uma graça que desmaterializa a culpa previamente. Já eu entendo que a graça vem em sequência à culpa, como a borracha que apaga o erro. Em suma: entendo biblicamente que a graça de Deus não exclui a culpa do pecador, mas vem como o bálsamo que irá curar as dores dessa culpa e transformá-la em vida e paz.

Acredito que o pastor que escreveu o texto o fez com a melhor das boas intenções. O artigo foi escrito na tentativa de aliviar do coração dos pecadores o peso da culpa de pecados cometidos. Seria uma atitude amável e louvável, se não usasse de um argumento antibíblico. O conceito de culpa é tão execrado pelas pessoas por uma razão bem clara: ele se contrapõe frontalmente ao desejo de ser feliz. Pois culpa gera tristeza. E tristeza é o contrário de felicidade.

E a verdade é que vivemos na era do pseudoevangelho da felicidade, que afirma que o cristão tem que viver “feliz da vida”. Logo, a ideia de que o cristão sentir culpa pode ser algo benéfico como resultado da ação graciosa de Deus (e não em oposição à graça) é ofensiva ao cristão do século 21. Pois eu e você queremos seguir Jesus para sermos felizes, para fugir da tristeza, para nos livrarmos de toda a culpa e assim alcançar o máximo de felicidade que a vida com Cristo poderia nos proporcionar.

Só que há um porém. Se deixarmos de lado a poesia que existe no discurso da “graça anticulpa” e formos olhar para onde realmente importa, a Bíblia, veremos que a proposta de Cristo é que, se a tristeza for necessária, que venha! Jesus jamais, em nenhum lugar de todos os quatro Evangelhos, propõe fora do porvir uma vida de felicidade livre de culpa e de tristeza.

Culpa que funciona como canal da graça

Como funciona então – biblicamente – essa relação entre culpa e graça? A sequência é até bastante lógica:

1. O cristão peca.
2. O Espírito Santo o convence do pecado, da justiça e do juízo.
3. Esse convencimento faz brotar no coração do pecador, adivinhe você, culpa.
4. A percepção dessa culpa o leva ao arrependimento mediante a ação graciosa do Espírito Santo.
5. A confissão do pecado, motivada pela dor da culpa, aciona a ação intercessória de Cristo junto ao Pai e o pecado é lançado no mar do esquecimento.

Porém, pela proposta do texto em questão, automaticamente a graça vem e nos leva a lidar com aquele pecado com uma certa leveza. Afinal, propõe ele, a salvação já nos teria libertado da culpa de ter pecado.

Mas, se assim fosse, como entender as palavras do rei Davi no Salmo 51, rasgado pela culpa após ter adulterado com Bate-Seba e causado a morte de Urias, “tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado“?

Fato é que a nossa sociedade pós-freudiana pintou a culpa como sendo um mal terrível. Um dos grandes vilões dos nossos dias, geradora de neuroses e infelicidade. Mas a verdade é que, na Bíblia, longe dos consultórios dos psicólogos, a culpa é um mal necessário. Aliás, fundamental. Sem que o pecador seja incomodado pela culpa gerada pelo toque do Espírito (que nos convence do nosso pecado) ele não alcançará arrependimento. Mostre-me um cristão sem sentimento de culpa e lhe mostrarei um cristão que não se arrepende de seus pecados.

Quando o profeta Natã é usado pelo Espírito Santo para mostrar a Davi que ele é réu de pecado, o rei, assolado por seu sentimento de culpa, escreve nos versículos 11 a 14 do mesmo Salmo: “Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito. Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer. Então ensinarei os teus caminhos aos transgressores, para que os pecadores se voltem para ti. Livra-me da culpa dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação! E a minha língua aclamará a tua justiça“.

Será que, ao ler essas comoventes palavras de um pecador que busca desesperadamente o perdão, motivado pelo sentimento gracioso de culpa que o levou ao arrependimento, você concordaria com o que o prezado pastor escreveu em seu texto, que “é sem culpa que nós temos que tratar dos nossos pecados“? Lamento, eu não. A culpa redentora da Davi soa mais forte ao meu coração, visto que foi usada como canal da graça de Deus.

A tristeza que alegra Deus

O apóstolo Paulo, ao escrever aos cristãos de Corinto em 2 Co 7.8-11, deixa claro: “Mesmo que a minha carta lhes tenha causado tristeza, não me arrependo. É verdade que a princípio me arrependi, pois percebi que a minha carta os entristeceu, ainda que por pouco tempo. Agora, porém, me alegro, não porque vocês foram entristecidos, mas porque a tristeza os levou ao arrependimento. Pois vocês se entristeceram como Deus desejava, e de forma alguma foram prejudicados por nossa causa. A tristeza segundo Deus não produz remorso, mas sim um arrependimento que leva à salvação, e a tristeza segundo o mundo produz morte. Vejam o que esta tristeza segundo Deus produziu em vocês: que dedicação, que desculpas, que indignação, que temor, que saudade, que preocupação, que desejo de ver a justiça feita! Em tudo vocês se mostraram inocentes a esse respeito“.

Paulo está dizendo que a tristeza levou os cristãos que estavam em pecado ao arrependimento. E diz claramente:  “vocês se entristeceram como Deus desejava“, ou seja, a tristeza daqueles cristãos que estavam em pecado, que foram alcançados pela graça, que se viram imersos em culpa… era desejo de Deus! Paulo afirma que o Deus de toda a graça queria que os cristãos de Corinto ficassem tristes por estarem pecando, isto é, que sentissem culpa pelo pecado e mudassem de atitude para que esse sentimento fosse deletado. E o apóstolo usa uma expressão absolutamente fora de moda nos nossos dias e que destoa totalmente do texto que motivou este post: “tristeza segundo Deus“. Ou seja, uma tristeza que vem da graça de Deus e que nos leva a sentir culpa pelo pecado e, logo, tristeza – que por sua vez leva ao arrependimento.

Fato é que o Deus da graça pode usar a culpa como um grande elemento transformador. Ver-se culpado de uma transgressão, como Davi se viu, revela em nós a ação da graça e nos desperta para as consequências do pecado, da justiça e do juízo. E não o contrário. E é essa percepção que gera a vida – mediante nosso arrependimento, nossa posterior confissão de pecados e por fim nossa reconciliação com o Pai.

Freud X Bíblia

Nós, cristãos, temos que abandonar o conceito fredudiano de culpa como elemento destruidor e passarmos a abraçar o conceito bíblico e cristão de culpa como elemento transformador. Para Freud, culpa gera neuroses. Para o Deus da graça, culpa gera tristeza que leva ao arrependimento dos pecados. E, com isso, vida.

Por isso, perdoem-me se discordo da afirmação do pastor que escreveu que “é sem culpa que nós temos que tratar dos nossos pecados. Pois com culpa apenas os aumentaremos e os fixaremos mais profundamente em nós…como ‘pecados próprios’“. Respeito a opinião dele, mas acredito exatamente o contrário: que é com culpa que temos de tratar dos nossos pecados – pois ela é um santo remédio. A culpa age como um combustível para buscarmos com a mesma contrição de Davi o Deus Todo-Poderoso que nos livra da culpa e somente mediante esse contato deixaremos de ser escravos dela – por meio da ação perdoadora, reconciliadora e justificadora do Jesus ressurreto.

Assim, por mais curioso que seja, é justamente a culpa que nos livrará da culpa, pela ação de Deus. E, querido irmão, querida irmã, isso sim é graça: ser culpado mas ser absolvido da culpa sem nenhum merecimento. Pois tudo é mérito da Cruz.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

.

.

Direitos Reservados
O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. É mandatório quem for reproduzir um post creditar: 1) Nome do autor. 2) URL do blog (com link). 3) Nome do blog: “APENAS”.

Licença Creative Commons Blog APENAS by Maurício Zágari is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 2.5 Brasil License.

As reflexões expressas neste blog são pessoais e não representam necessariamente a posição oficial de nenhuma igreja, denominação ou grupo religioso.