Posts com Tag ‘credo apostólico’

Acordei me sentindo mal. Febre, moleza, dor de garganta, tosse, rouquidão, dor no peito. A coisa não estava bonita. Decidi ir à emergência de um conceituado hospital do Rio de Janeiro e, após ser examinado pela jovem médica, o diagnóstico: vírus. Na receita, um corticoide, um xarope para a tosse, um antitérmico e a promessa de em cinco dias estar bem. Vida que segue. Só que não. 

Foram dez dias tomando os remédios e, adivinhe, não adiantou absolutamente nada. No décimo dia, eu estava inchado e todos os sintomas persistiam. Eu não aguentava mais tossir, estava exausto, molenga e frustrado. Decidi, então, ir a um otorrino. Para minha surpresa, o diagnóstico dele foi completamente  diferente do da primeira médica: não era vírus, era bactéria. O remédio receitado: antibiótico. E, dessa vez, já no primeiro dia de tratamento comecei a melhorar. Pela primeira vez em duas semanas, consegui dormir bem. E, em cinco dias, eu estava curado. 

A conclusão: se o diagnóstico está errado, o tratamento será errado – e não haverá cura. E, além disso, perderemos um tempo enorme, sofrendo, doentes, tratando uma coisa quando deveríamos estar tratando outra. 

Muito se fala hoje sobre os problemas da igreja, falhas cometidas por cristãos ou supostos cristãos que adoecem o Corpo de Cristo. Nós, naturalmente, devemos buscar corrigi-los, sempre, e da maneira bíblica: não brigando, mas instruindo com mansidão, na esperança de que Deus dê o arrependimento para quem está provocando esses problemas (2Tm 2.24-26). Mas, para tanto, precisamos diagnosticar corretamente aquilo que tem adoecido a igreja. Devemos mirar no que é prioritário e não secundário. A questão é que muitos estão travando combates com base em diagnósticos errados e, por isso, os problemas principais não estão sendo combatidos. Um desperdício de tempo, energia e intelecto. E, enquanto se investe tanto no que é secundário, os problemas prioritários continuam nos infectando, envenenando e afastando de Deus. 

O maior mandamento do cristianismo é amar a Deus e ao próximo. Portanto, isso é prioridade máxima na vida do cristão. Já ouvi muita gente boa dizer que o maior problema da Igreja em nossos dias é a superficialidade. Eu discordo. O maior problema da Igreja em nossos dias é a falta de amor ao próximo. Jesus nunca disse “Sede profundos”, mas disse muitas vezes “Amai”. Assim como Paulo. Assim como João. E, como eles, devemos também nós priorizar o que é prioritário. 

Não estou defendendo que devemos valorizar a superficialidade teológica, não é nada disso. O que defendo é que se priorize o que Jesus priorizou. E ele priorizou o amor. Dedicar sua vida a conduzir as pessoas à profundidade teológica mas fazer isso sem amor é uma postura completamente insana do ponto de vista cristão.

A realidade é que não temos amado as pessoas. Não as corrigimos com paciência e mansidão (como ordena a Bíblia), mas com fúria; não estendemos a mão aos necessitados, mas terceirizamos a caridade; não olhamos para quem discorda de nós com compaixão, mas com raiva e rancor; não buscamos desenvolver o fruto do Espírito, mas inventamos desculpas pseudobíblicas para continuar sendo pessoas desagradáveis, prepotentes e altivas sob um manto “evangélico”; não socorremos a pessoa diferente que está caída à beira da estrada, mas fingimos que não vemos ou pisamos em sua cabeça. Tudo isso, e muito mais, denuncia falta de amor ao próximo e um gigantesco amor ególatra por si mesmo. Esse é o maior câncer da Igreja em nossos dias. 

O fim do sofrimento_Banner APENAS

É decepcionante ver tanta gente culta e muito mais bem preparada do que eu dedicar seu tempo a causas e bandeiras que visam a defender e propagar a sua visão de cristianismo, mas que o fazem abandonando completamente atitudes e conceitos que são pilares do cristianismo. Como amor. Paciência. Mansidão. Autocontrole. E, enquanto proliferam argumentos e debates feitos de forma totalmente anticristã no jeito de se posicionar, muitas vezes sobre velhas questões que nunca serão unanimidade no cristianismo, perde-se um tempo enorme e precioso que poderia ser investido naquilo com que todos os cristãos concordam que é fundamental. Um exemplo é a falta de perdão. 

Uma quantidade avassaladora de cristãos não entende o perdão bíblico e por isso não o pratica. De quem é a culpa? Nossa, os que ensinamos. Professores, teólogos e pastores que priorizam tantos assuntos secundários e periféricos em detrimento do que está no tutano do evangelho. Pouco se prega sobre perdão nos púlpitos, sendo que ele é uma das colunas centrais do cristianismo. Não se organizam conferências teológicas sobre o tema. O assunto é tão urgente que, para você ter ideia, meu livro Perdão total em menos de três anos de publicado já está na quinta tiragem, com 15 mil exemplares impressos. Perdão total no casamento, por sua vez, esgotou os 5 mil exemplares da primeira tiragem em apenas 40 dias. Isso quer dizer que sou um escritor maravilhoso? Claro que não. Eu apenas exponho o que a Bíblia diz, com simplicidade e de um jeito fácil de entender. O que essa vendagem expressiva diagnostica é que as pessoas estão precisando desesperadamente perdoar e ser perdoadas, mas não compreendem o perdão e, por isso, não o vivenciam. Estão sedentas de instrução sobre o assunto, mas quase não vejo ninguém falar sobre a urgência do perdão. Preferem ficar discutindo loooooongamente assuntos secundários da fé, coando mosquitos e engolindo camelos. 

Quem diagnostica problemas equivocados ou quem hipervaloriza assuntos que Jesus mesmo não valorizou está, sem perceber, afastando as pessoas da mensagem que Cristo priorizou. Com isso, ajuda a manter a Igreja doente. São parte do problema e não da solução. E não enxergam isso, lamentavelmente. 

Há tumores no seio da Igreja? Há, sem dúvida. Tristemente, os temos diagnosticado equivocadamente e, por isso, nosso tratamento mais adoece do que cura – ou, simplesmente, não faz efeito algum no que se refere aos reais problemas do Corpo. A dolorosa realidade é que, assim como há muitos falsos mestres e falsos profetas entre nós, há também muitos falsos médicos.

Não adianta combater heresias sendo herético na forma de agir. Não adianta querer mudar a soteriologia, a crença carismática ou a escatologia de outros cristãos de modo anticristão. Não adianta debater com os inimigos da fé de uma forma que fere os princípios da fé, pois a forma importa tanto quanto o conteúdo. Precisamos priorizar o que é prioritário, amando o próximo e levando outros a amar, perdoando e ensinando a perdoar, investindo na unidade do Corpo e não em dissensões e facções, convivendo com o diferente de forma pacífica e instruindo com mansidão, buscando viver o fruto do Espírito em tudo o que fazemos e falamos. Não fui eu quem ensinou isso, está num livro que você provavelmente tem em casa. 

Confiança inabalável_Banner Apenas

E, em tudo, devemos lembrar do mal maior: o pecado. O pecado é a célula original do câncer. É ele que nos leva a odiar os inimigos, a ser debochados nos debates, a tratar o diferente com raiva e rancor, a não perdoar, a nos acharmos superiores aos demais, a ser impacientes no diálogo com os equivocados, a formar patotas e desprezar os demais, a nos envaidecer diante dos elogios e a tantas outras formas de sermos problemas na igreja. 

Meu irmão, minha irmã, não existe nenhuma forma melhor de contribuir para a saúde do Corpo do que combater o pecado que ganha espaço no próprio coração. Sugiro que você pare um pouco de olhar para o lado, para o outro, e comece a olhar para dentro de si. Que pecados de estimação você identifica? Desamor? Vaidade? Egoísmo? Espírito faccioso? Inimizades? Você vira o rosto para quem não gosta e em vez de se reconciliar com ele finge que não o vê e se recusa a estender a mão? Sente ressentimentos? Sente alegria na derrota alheia? Tem o hábito de sempre se posicionar altivamente como o certo e considerar quem discorda de você como filho do diabo? Quais são, afinal, os pecados que se alimentam do seu ego e dos quais você não tem demonstrado vontade alguma de se livrar? Acredite, esses pecados são o mal maior da Igreja, pois você é Igreja e o seu e o meu pecado são o maior câncer do Corpo de Cristo. 

Proponho algumas reflexões: você tem feito parte da cura ou da doença? Quais têm sido os seus diagnósticos sobre os problemas principais da igreja? Você se preocupa com os problemas que a Bíblia de fato mostra que são problemas ou com o que está na moda e o que seus teólogos e pastores favoritos combatem nas redes sociais? E a pergunta principal: o que você fará a respeito dos seus próprios erros – os erros reais, aqueles que envenenam seu coração -, de forma a contribuir para a saúde da Igreja de Jesus?  

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Qual é o sotaque correto do brasileiro? O da Bahia? O do Rio Grande do Sul? O de São Paulo? Será que só o sotaque dos cariocas é certo e o dos amazonenses é errado? Como podemos dizer que o sotaque de uma região especifica do país é a língua portuguesa escorreita e o de outra é uma deturpação do nosso idioma? Vamos além: existe sotaque “certo” e sotaque “errado”? Pensemos sobre isso.

Se considerarmos que falamos português, precisamos reconhecer que o sotaque mais puro e original possível é o falado em Portugal. Logo, todos os sotaques falados no Brasil são variações do original. Uns brasileiros falam o “s” de modo diferente do português de Portugal, outros falam um “r” de forma distinta. Uns usam as vogais mais abertas que os portugueses, outros usam-nas de modo mais fechado. E assim por diante. Diante dessa realidade, será que as formas de falar do gaúcho, do pernambucano, do mineiro e do catarinense são erradas por não serem exatamente iguais ao que é falado em Lisboa? Claro que não. Pois a gramática, a sintaxe e as características essenciais da língua estão presentes em qualquer sotaque de qualquer região do Brasil. O sotaque é apenas uma coloração diferente, uma musicalidade da língua resultante do contexto de uma determinada região geográfica. A essência não muda; mudam apenas aspectos secundários do idioma.

A conclusão é que nenhum sotaque deixa a língua “errada”. Os elementos fundamentais do português estão presentes na forma de falar do Sul, do Norte, do Nordeste, do Centro-Oeste e do Sudeste do Brasil. O sotaque apenas altera aspectos do idioma que não são fundamentais. Você pode usar a mesmíssima gramática para ensinar crianças em uma escola de Rondônia, do Distrito Federal ou do Paraná, sem prejuízo para o aprendizado.

A meu ver, o mesmo vale para as diferenças entre um cristão e outro. Em minha opinião, o credo apostólico é o que sintetiza o que é absolutamente inegociável na fé cristã, segundo a Bíblia: criação divina, concepção milagrosa de Cristo pela ação do Espírito Santo, nascimento virginal de Jesus, ressurreição após a crucificação do Senhor, segunda vinda do Salvador, entre os outros pontos do credo dos apóstolos (caso você não o conheça, ao final deste post reproduzo o texto na íntegra).

Portanto, ser presbiteriano, assembleiano, calvinista, arminiano, pentecostal, cessacionista, metodista, batista, luterano, episcopal ou qualquer outra diferenciação é ter um sotaque específico do mesmo idioma. São irmãos em Cristo todos aqueles que confessam Jesus de Nazaré como Salvador pessoal e Senhor de sua vida, pela graça, mediante a fé, arrependidos de seus pecados e almejando praticar as obras da salvação. Eu não tenho autorização divina para chamar de descendência de Belial quem Deus adotou como filho. Ai de mim fazer isso!

Como carioca que sou, confesso que acho engraçado ouvir um ou outro sotaque diferente do meu. E compreendo perfeitamente que pessoas de outros estados do Brasil achem esquisito o meu sotaque com “r” arrastado e “s” chiado. O que jamais posso dizer é que os que têm sotaque diferente não falam português. Tampouco posso aceitar que digam que eu não falo português. De igual modo, posso discordar de muitas crenças e práticas daqueles que pensam diferentemente de mim em determinados aspectos doutrinários da fé. Seus sotaques teológicos diferem do meu, mas não sou tão arrogante a ponto de achar que Deus não os aceita e que eles não fazem parte do Reino dos Céus. São família. Sotaques diferentes, mesmo idioma.

O irmão do filho pródigo ficou irritado porque seu pai acolheu o filho que tinha errado. Na cabeça daquele homem, o pai tinha de escorraçar seu irmão. O certo era ele. Muitos cristãos hoje pensam igual: querem que Deus rejeite quem não age igual a si, mas se esquecem de que o filho prossegue sendo filho – e isso está acima de erros. Não serão crenças periféricas da fé que tomarão das mãos de Deus quem ele adotou como filho. Um filho jamais deixa de ser filho de seu pai porque erra: ele pode comer as bolotas dos porcos, mas continuará sendo filho. Mesmo que o irmão se irrite com isso.

Você pode dizer que crê em todos os pontos do credo apostólico? Confira:

Creio em Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra.
E em Jesus Cristo, seu Filho unigênito, nosso Senhor,
o qual foi concebido pelo Espírito Santo,
nasceu da virgem Maria,
padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos,
foi crucificado, morto e sepultado,
desceu ao mundo dos mortos,
ressuscitou no terceiro dia,
subiu ao céu,
e está sentado à direita de Deus Pai, todo-poderoso,
de onde virá para julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo,
na santa Igreja cristã,
na comunhão dos santos,
na remissão dos pecados,
na ressurreição do corpo
e na vida eterna.

Se você é capaz de afirmar cada ponto dessa declaração de fé, no meu entendimento você é meu irmão em Cristo, tenha o sotaque que tiver. Se é o caso, me abrace, meu irmão, minha irmã, riamos do sotaque um do outro, mas não sejamos inimigos nem nos consideremos mutuamente menos filhos do Pai que nos adotou. Por favor, não me envie de volta aos porcos porque você batiza diferente de mim, crê na eleição de forma distinta de mim, acredita num modelo escatológico que não é aquele em que eu creio, tem entendimento carismático divergente do meu, pertence a uma denominação onde não congrego. E prometo que não farei isso com você, respeitando essas diferenças menos importantes e abraçando o que temos em comum e que, de fato, é o mais importante. Afinal, Cristo morreu tanto por mim quanto por você e que direito temos de querer mandar para o inferno aqueles por quem o Senhor deu o sangue para levar para o céu?

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari