Arquivo de janeiro, 2018

O gesto de apontar o dedo é muito comum. Apontamos nosso indicador em uma variedade de situações, com diversas finalidades, mas, em geral, o que esse gesto faz é colocar algo que não somos nós no centro das atenções. Se alguém me pergunta, por exemplo, onde fica determinada rua e eu aponto o dedo em uma direção, o que meu dedo põe no foco não sou eu, mas, sim, a tal rua. Se eu mostro uma pessoa com o meu dedo, o assunto em questão é a pessoa, não eu. Portanto, invariavelmente, o gesto de apontar tira quem aponta dos holofotes e põe em destaque quem é apontado. Devemos, porém, tomar cuidado com o que o dedo apontado para o outro diz a nosso respeito.
.
Uma das maneiras de fugir das próprias responsabilidades é desviando as atenções para os erros alheios. Muitas vezes, quando não queremos encarar os nossos problemas e as nossas falhas, usamos como estratégia apontar o dedo para os erros de outra pessoa qualquer, a fim de que todos os olhos se voltem para ela e, com isso, nossas questões deixem de ser o assunto em pauta. É por essa razão que, por exemplo, candidatos a cargos eleitorais costumam atacar seus adversários, para afastar as atenções dos próprios podres, jogando os podres do outro no ventilador. É uma tática comum e bastante usual.
.
Por que esse assunto é espiritualmente importante? Porque a fé cristã exige de nós uma atenção constante aos nossos defeitos. O que devo trabalhar prioritariamente são as minhas deficiências; as dos outros vêm depois. O evangelho nos confronta a todo instante com nossas falhas e exige de nós arrependimento. Porém, como se arrepender se sempre tentamos nos justificar de nossas falhas apontando o dedo para o próximo?
.
Costumo desconfiar de gente que só vive botando o dedo na cara dos outros. Cristãos que dedicam a vida a apontar a falha alheia muito provavelmente deveriam se preocupar com os próprios pecados com muitíssimo mais atenção. E, para pôr em prática o que estou defendendo neste texto, deixe-me apontar o dedo para a minha cara e não a sua: anos atrás, na época em que eu agia como o “apologeta da verdade” e dedicava meus pensamentos, meus textos, minhas horas e minhas energias a “denunciar os erros da Igreja” e a atacar os hereges e os equivocados, foi o período da minha vida em que eu mais deveria ter prestado atenção aos meus defeitos. Algo errado com denunciar os hereges e equivocados? Claro que não. Mas eu deveria, antes disso, ter prestado atenção e tratado os meus próprios conceitos, modos de agir, valores e motivações. O resultado de ter posto o dedo na cara alheia e não na minha: acabei doente, física e espiritualmente.
.
Esse fenômeno acontece em diversas instâncias. Esposas e maridos conformados com seus procedimentos antibíblicos apontam o dedo para o cônjuge ao serem confrontados com seus pecados e dizem “ah, mas você…”. Pronto. Tirou o foco das próprias atitudes horríveis e o pôs na falha do outro para não ter de se reconhecer errado e fazer algo a respeito. Patrões que não querem se assumir como exploradores dos empregados põem o dedo na cara do governo e dizem “ah, mas o governo…”. Cidadãos comuns que dão propina a policiais ou funcionários do governo tentam aliviar sua consciência apontando o dedo para o Planalto e dizendo “ah, mas os políticos…”. E assim por diante.
Você tem apontado o dedo? Nenhum problema quanto a isso, se a sua motivação for apontar para corrigir com amor e se, antes, tenha feito uma profunda autoanálise. Nossa prioridade é examinar a nós mesmos e buscarmos, nós, o arrependimento. Responda, com sinceridade e transparência: seu dedo apontado tem como motivação a amorosa edificação e correção do seu próximo ou uma pretensa superioridade moral e espiritual sua? Será que você aponta as falhas dos demais por amor a eles ou porque, afinal de contas, você é o tal, o defensor da verdade, o paladino mascarado do evangelho? Pior: será que seu dedo apontado não tem por finalidade tirar as atenções das próprias falhas?
.
Temos de tomar cuidado para não apontar dedos com motivações espúrias. Porque, na maioria das vezes em que apontamos para o próximo sem que nossa motivação seja, única e simplesmente, o amor, estamos incorrendo em dois pecados abomináveis: a hipocrisia e a arrogância.
.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual Amazon

APENAS_Banner três livros Zágari

Anúncios

Quando eu estava na escola, na faculdade ou no seminário, tinha uma técnica de estudo que sempre me ajudou muito. Regularmente eu elaborava um enorme questionário, perguntando a mim mesmo todos os pontos da matéria que cairia na prova seguinte. Assim que terminava de responder, eu corrigia e, em seguida, pegava todas as questões que havia errado e as repetia em um novo questionário, menor. Em seguida, estudava toda a matéria que errara e respondia a esse novo questionário. Ao final, fazia nova conferência de respostas e detectava o que ainda não tinha acertado. E assim ia, estudando, fazendo os exercícios, verificando em que pontos ainda estava errando e me concentrando neles para me aperfeiçoar no que ainda não estava bem. O que essa estratégia me permitia era identificar meus pontos fracos, a fim de dar atenção especial a eles e, assim, conseguir sanar minhas fraquezas e ter um desempenho cada vez melhor.

Acabei tendo desempenhos muito bons no vestibular e, também, na prova para ingressar no seminário. Tudo porque eu, uma pessoa absolutamente igual a todo mundo, havia desenvolvido uma boa maneira de fixar informações e melhorar cada vez mais em meu conhecimento. Eu me examinava, reexaminava e examinava de novo, até ter total domínio da matéria. Na vida espiritual, penso que devemos fazer algo análogo ao que eu fazia para estudar. 

Tão logo somos justificados pela graça divina, mediante a fé, tem início em nossa jornada com Cristo o processo de santificação. Um dia após o outro, caminhamos pela vida, errando e acertando, mas buscando sempre nos tornarmos pessoas cada vez melhores, isto é, mais fieis, obedientes e conformadas à natureza de Cristo. Isso inclui buscar errar cada vez menos. Pecar menos. Acertar mais. Fazer as coisas cada vez mais como Jesus faria. Ceder menos aos nossos desejos humanos. Avançar no domínio próprio. A questão é que isso é como deveria ser, mas, muitas vezes, não é o que acontece. 

Algo terrível na vida de um cristão é a acomodação. Se alguém se conforma com suas falhas e seus erros, estagnou na fé. Parar de querer melhorar a cada dia é sintoma de que algo está errado. 

Você certamente conhece cristãos que se converteram, mudaram para melhor no ato da justificação, avançaram um pouco na santidade e… estagnaram. Pararam de melhorar. Têm, ainda, uma série de graves defeitos, mas não se preocupam mais em saná-los. Estão conformados em ser como são e, por essa razão, em vez de lutar contra a própria carne, abraçam seus defeitos e começam a achar justificativas para mantê-los sem dor de consciência. Com isso, incorrem num dos maiores erros que um cristão pode cometer: chamar pecado de virtude. Essa é a razão de haver entre nós tantos cristãos vaidosos, briguentos, manipuladores, ofensivos, egoístas, mentirosos, materialistas e cheios de outros defeitos com os quais não podemos nos acomodar. 

Confiança inabalável_Banner Apenas

Pense sobre a sua vida. Você tem se esforçado para identificar os seus defeitos? Tem feito exames de consciência regulares, a fim de detectar em que você ainda é mau, depravado e insuportável? E, se tem realizado essa auto-análise, o que tem feito na prática para melhorar? Será que você sabe em que tem errado, mas não tem feito nada a respeito? Se é o caso, meu irmão, minha irmã, é preciso sair da acomodação. Estagnação não é a vontade de Deus para a sua vida. Ele quer que você caminhe sempre, mais e mais, rumo à perfeição. Tornar-se perfeito é total e absolutamente impossível, mas esforçar-se para tornar-se perfeito como você jamais será é totalmente possível. Mais que isso: é o que Deus espera de todos nós. 

Pense. Quais são seus maiores erros? Quais são seus pecados mais recorrentes? Em que você mais tropeça? O que mais o leva a pedir perdão a Deus de novo e de novo e de novo? Se você não costuma se fazer essas perguntas, sugiro que comece já. E, uma vez que passe a realizar diariamente esse exame de consciência, tome atitudes práticas que o ajudem a se livrar desses pecados de cabeceira. Crie estratégias. E, acima de tudo, busque em Deus a cura para esses males. Na oração. No estudo da Palavra. Em uma vida de mais e mais intimidade como seu Criador e Salvador. 

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Eu não acredito que você foi salvo para ser um carro sem rodas, que não avança. Não se conforme com uma santidade com freio de mão puxado. Ok, você não fuma mais nem vai mais à boate mas… e aí? E depois? Já deu? É só isso o que significa ser cristão? Você vai se conformar com o patamar que alcançou? Meus horrores pessoais me assombram a tal ponto que procuro sempre buscar erradicá-los, por mais difícil que seja. Só não posso é me conformar com me conformar. 

Faça um questionário da sua vida. Veja em que pontos está sendo reprovado. Há muitas questões em que acerta? Ótimo. Mas olhe para aquelas em que a caneta de Deus ainda lhe dá um zero bem vermelho. Essas são as que merecem sua atenção. Foco nelas. Faça um novo questionário, com os pontos da “matéria” da santidade em que você fica em recuperação. E entregue essas questões à atenção de Deus. Leve-as aos pés do seu melhor amigo. Esforce-se e peça a ajuda do Senhor. 

Se fizer disso uma disciplina diária, creio que você chegará às portas do céu sendo uma pessoa muito, mas muito mais capaz de ouvir do Senhor não apenas um “Ok, entre”, mas um “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor…”.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Mudei-me há pouco tempo para um apartamento novo. Na hora de decidir quem ficaria com que cômodo, reservei para minha mãe e minha filha os melhores quartos; por isso, eu e minha esposa acabamos ficando com o menor deles, que, confesso, me dava uma certa sensação de esmagamento: embora seja um cômodo grande, o teto é mais baixo do que estou acostumado. Para ter uma percepção de mais espaço, decidi, então, espelhar toda uma parede. Do teto ao chão, uma das quatro paredes virou um enorme espelho. Se, por um lado, foi uma decisão acertadíssima, por tornar muito mais agradável estar no cômodo, por outro acabou gerando um efeito imprevisto: fui obrigado a conviver diariamente com a imagem do que há de pior em mim.
.
Em geral, quando temos espelhos comuns em casa, na hora de nos arrumarmos, nos esticamos para nos ver, fazemos nossa melhor pose e saímos da frente do espelho com nosso melhor sorriso. Ficamos felizes com o que vemos. Mas, quando toda uma parede do seu quarto é um enorme espelho, ele te flagra nos piores momentos e te pega de tocaia na hora em que você mais está despercebido. A consequência? Tenho me assustado com todas as imperfeições que meu espelho me revela.
.
Acordo de manhã, abro os olhos e imediatamente vejo minha cara inchada e descabelada da noite de sono, sem falar das remelas e da barba por fazer. Saio do banho e o espelho imediatamente joga na minha cara como minha barriga está enorme, antiestética e desproporcional ao resto do corpo. Vou me vestir e o canto do olho me revela como minhas costas estão feias, com sinais, protuberâncias e demonstrações de que o tempo tem passado impiedosamente. Vou me deitar para dormir e percebo como a idade tem transformado a rigidez de minha pele em flacidez e decadência. Em resumo, o espelho em meu quarto tem denunciado o que há de mais imperfeito em mim.
.
Quando o Salvador nos chama pela sua graça, por um lado, o conhecimento do evangelho traz luz ao que antes era sombras e amplia a nossa percepção da existência. Mas, por outro lado, a mensagem salvadora da cruz promove uma consequência inesperada: tal qual um enorme espelho que não pede licença, ela nos despe, denuncia, expõe, revela. A verdade das Escrituras traz à luz nossas desobediências e transgressões, nossa falibilidade e pecaminosidade. A luz ofuscante e santa do Calvário não espera decisões nossas para nos fazer ver cada uma das imperfeições. Não, ela age proativamente e nos põe em nosso devido lugar.
.
As boas-novas de Cristo não têm como objetivo primário expor nossas pequenas desgraças. Elas não são um juiz sádico, que saliva de prazer ao nos apontar nossos erros. Porém, o evangelho tem esse efeito colateral inevitável. Assim que nossa inclinação para o mal é posta frente a frente com a luz reveladora da cruz, somos confrontados com a escuridão que ainda habita nossa alma e a podridão do antigo homem a que ainda teimamos em nos apegar.

O que essa percepção deve provocar? A denúncia de nós mesmos precisa ter como principal consequência nos tirar do imobilismo. Gosto demais do espelho em minha parede. Ele tem um efeito muito positivo em minha vida. Mas ele tem como desdobramento me dizer diariamente: “Olhe quem você é. Perceba quão distante da perfeição você está”. E, automaticamente, sou levado a querer fazer algo a respeito.
.
O evangelho de Cristo é belíssimo. É um ambiente de graça, alegria, amor, pacificação, palavras edificantes, amabilidade. É luz, que embeleza e revela. Porém, é uma mensagem que nos cutuca e diz: “Arrependa-se! Faça algo a respeito! Alô!”. Leia as Escrituras. Medite nas palavras de Cristo. Abra-se para a admoestação do Espírito Santo, por meio de Paulo, Pedro, Tiago, João, Lucas e seus colegas autores canônicos. Não se contente em olhar para o espelho e ficar lamentando quão barrigudo você está. Pois o puro lamento não nos beneficia em nada.

Confiança inabalável_Banner Apenas

Desejo que a parede de espelhos que Cristo pôs diante de você o conduza ao ponto de olhar para o seu reflexo e apreciar o que vê. Nunca espere uma autoimagem perfeita, ninguém a tem. Mas é possível, sim, gostar do que enxerga. O  objetivo é chegar ao ponto de conseguir dizer: “Não sou um modelo de beleza, mas gosto de mim – em razão do que Cristo fez em mim”.
.
Então abra-se à verdade do espelho. Veja o que precisa mudar… e dê o primeiro passo.
.
Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
.

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Ontem desci ao Aterro do Flamengo a fim de brincar com minha filha. Chegamos e ela logo correu para as árvores em que gosta de subir. Em pouco tempo, havia mais umas cinco crianças ao redor dela, fazendo as árvores de trepa-trepa, interagindo e gritando, empolgadas. Foi quando chegou o P.

Não demorou muito para ficar claro que P. era um menino especial, com algum tipo de deficiência mental. Ele gaguejava, apresentava diversos tiques nervosos e tinha um olhar estrábico. Na mesma hora, seu jeito diferente fez com que as crianças se afastassem dele. E P. ficou só.

Sem que eu dissesse nada, Laura se aproximou de P. Ele a observava com certa admiração, pelo fato de minha filha estar em um galho bem alto. “Menina, como você está alto! Eu tenho medo de subir. Eu tenho medo. Tenho medo”, confessou P. Foi quando Laura começou a incentivá-lo a subir, explicando como segurar, onde pisar, como não ralar o joelho na casca grossa da árvore. “Vem, P.!”, encorajava ela. “Tenho medo!”. “Vem, você consegue!”

Os quarenta minutos seguintes foram puro deleite para meu coração de pai. Laura fez de tudo para que P. saísse do chão e a seguisse (ele é o menino de camisa amarela na foto). E conseguiu. Aos poucos, ele foi tomando coragem e, meio rastejando, meio escalando, foi ascendendo, galho a galho. Cheguei perto da avó de P., que o havia trazido de Mesquita para passear no Aterro, e puxei papo. Ela estava feliz, pois me disse que, geralmente, as crianças se afastavam de seu neto, por o considerarem “meio esquisito”, e nunca tinha visto nenhuma criança se dedicar tanto para fazê-lo se sentir parte da brincadeira, do grupo. Enquanto isso, Laura prosseguia encorajando P. “Vem, você consegue! Olha, faz como eu, pisa aqui e segura ali. Vai que dá!”.

Eles ficaram um bom tempo brincando nos galhos. Até que chegou a hora de partir. No momento em que chamei Laura para voltarmos para casa, P. escalava galhos mais altos, com um olhar de júbilo e orgulho no rosto. Sua avó estava encantada com o ineditismo daquilo. “Ele nunca vai se esquecer deste momento”, disse, com boa dose de emoção. Na hora em que ouviu meu chamado, P. demonstrou certa aflição. Ele não queria que minha filha fosse embora. Veio me pedir que deixasse ela ficar mais tempo, mas, infelizmente, eu tinha um compromisso e precisava partir.

Quando viu que Laura ia embora mesmo, P. desceu da árvore que até pouco tempo antes era um himalaia de impossibilidades, deu uma corridinha até ela e lhe deu um abraço apertado e demorado. Sorri. Sua avó me lançou um olhar constrangido, mas eu fiz um gesto demonstrando que não se preocupasse. E partimos.

Na vida, muitas vezes somos como aquele menino. Inseguros. Solitários. Incertos. Cheios de traumas e rejeições. Olhamos para os galhos mais altos e nos consideramos incapazes de subir. Desanimamos. Deprimimos. E nos acovardamos. Precisamos desesperadamente de alguém que nos encoraje, mas as pessoas ao redor parece que só se afastam.

É quando olhamos para o alto e vemos alguém que nos diz: “Vem, você consegue!”. Sem encorajamento, falta-nos a força para dar o primeiro passo. Mas, ao percebermos como nosso encorajador se importa conosco, está conosco e nos apresenta os caminhos certos, encontramos as forças necessárias. Ele é segurança. Ele é confiança. Ele nos dá a paz de que necessitamos. Ele nos faz acreditar que, se seguirmos seus passos, conseguiremos. E, encorajados, subimos. E conseguimos.

A verdade é que nosso encorajador nos dá aquilo que, sozinhos, jamais teríamos: fé. A fé que, se estiver em sintonia com sua soberana vontade, nos fará subir aos galhos mais altos.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

O ser humano é curioso: por um lado, queremos que muita coisa permaneça como sempre foi. Por outro, precisamos constantemente de inovação, novidade, renovação. Algumas coisas mudam e nos chateamos por isso: “Estava tão bom, poxa vida, não precisava mudar!”. Já outras nos levam a ansiar por transformação: “Não aguento mais isso, bem que poderia ser diferente”. A virada do ano é uma ocasião propícia para reflexões sobre a chegada do novo e o abandono do velho (ou não), por isso aproveito este momento para refletir um pouco sobre um processo de mudança dos mais inevitáveis que há: o das pessoas. (E, antes de tudo, quero deixar bem claro que este texto não se refere a relacionamentos conjugais, que têm uma dinâmica própria e devem ser vistos como uma categoria à parte).
.
 “O que foi tornará a ser, o que foi feito se fará novamente; não há nada novo debaixo do sol” (Ec 1.9), escreveu o sábio. E se tem algo que não muda é a certeza da mudança das pessoas. Você pode verificar isso usando a si mesmo como exemplo: você é o mesmo que há dez anos? Eu não. Muita coisa mudou em mim: ideias, valores, sonhos, objetivos, prioridades, gostos, temperamento… tanta coisa! Perceba que você já foi muitas pessoas diferentes ao longo dos anos e, se conseguir se dar conta dessa realidade, essa percepção lançará um olhar mais complacente à mudança do seu próximo.
.
 Eu sei que mudei, e muito. Hoje não tenho paciência para muita coisa que me fascinava na juventude. Não valorizo grande parte do que valorizava. Não admiro mais o que admirava. Observo o mesmo nas pessoas ao meu redor. Por essa razão, trocamos de amizades com frequência. Nosso melhor amigo de infância será um estranho aos 30 anos. Nosso unha-e-carne da juventude terá gostos bem diferentes na meia-idade. Adultos com quem convivemos antes da conversão se tornam pessoas que não nos agradam após conhecermos Cristo. Gente que morria de saudade de nós agora mal lembra que existimos. Aqueles que nos confidenciavam as profundidades de sua alma hoje tornaram-se oceanos profundos de segredos e pensamentos não compartilhados. Companhias constantes agora são esporádicas. E assim por diante. É natural. É a vida. Não há nada novo debaixo do sol.
.
 Quando você se dá conta de que pessoas mudam, vive mais feliz. Pois, se espera que o próximo seja eternamente quem é hoje, sofrerá enormes decepções. Porém, se entende que virtudes e características que o fascinavam em alguém naturalmente se perdem pelo caminho e que isso inevitavelmente os distanciará, dará de ombros e prosseguirá em paz. Mais conformado. Sem frustrações. É o que é… paciência.
.
 Meu irmão, minha irmã, o ano novo chegou, mas ele é tão velho quanto o que passou. A mudança de calendário significa apenas mais uma volta da Terra em torno do Sol. A realidade é que o que mudará no ano que chegou não é o ano, mas as pessoas, e não em consequência da mudança de ano, mas pelo fato de serem pessoas. Acostume-se à ideia. Respeite a transformação alheia. Deixe ir embora quem não quer ficar. Aceite que você já não é tão importante assim para quem um dia não conseguia viver sem você. Acolha com alegria quem chega. Essa é a dinâmica dos relacionamentos, que se baseia em um princípio elementar: pessoas mudam.
.

O fim do sofrimento_Banner APENAS

 .
Abrir-se para a chegada do novo obrigatoriamente significa abrir-se para a transformação do antigo. Não exija do próximo a imutabilidade. Respeitar que a pessoa que você amava de determinada maneira mudou e hoje é outra bem diferente faz parte de amar tal pessoa. E, se você está disposto a amar o próximo como a si mesmo, isso significa, entre outras coisas, respeitar as mudanças dele que o fizeram se afastar de você.
.
 Sim, amar o próximo, cumprindo assim o grande mandamento, significa acatar as mudanças desse próximo, respeitar seus novos gostos, planos, valores e ideais e, na maioria das vezes, deixá-lo partir. Pessoas que optam por caminhar conosco por toda uma vida são raros, não são a maioria. Acostume-se à ideia.
.

 .
O pastor Osmar Ludovico escreveu: “Quando nos agarramos àquilo que já perdemos nos tornamos amargos, ressentidos e facilmente caímos no autoengano de julgar o caráter de Deus a partir das nossas circunstâncias.
Sim, todos nós temos perdas, e somos chamados ao exercício de tornar nossas perdas em abrir mão, em entregar”. Lindas palavras, Osmar. Fato é que, quando transformamos uma dolorosa perda em um suave abrir mão, transformamos uma hemorragia que não estanca em um barquinho de papel que desce o rio, suave e melancolicamente, correnteza abaixo.
 .
Se você enxergar com bons olhos a mudança do outro e deixar partir quem não vê mais em você uma prioridade, estará dando mostras de maturidade, racionalidade e amor. Afinal, aprender a abrir mão de pessoas é um caminho para alcançar a paz, de modo que torne suportável a perda até o dia em que estaremos com Aquele em quem não há mudança nem sombra de variação e que, por isso, jamais deixará de nos ver como prioridade, jamais se afastará de nós e jamais cessará de nos amar como se não houvesse amanhã. Até porque, na eternidade, na verdade não há.
.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Clicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari