humilhar-1Eu estava lendo a Bíblia quando um trecho que já li milhões de vezes estourou no meu peito com toda força como nunca antes. Diz assim o texto bíblico: “Em seguida, Jesus contou a seguinte parábola àqueles que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os demais: ‘Dois homens foram ao templo orar. Um deles era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu, em pé, fazia esta oração: ‘Eu te agradeço, Deus, porque não sou como as demais pessoas: desonestas, pecadoras, adúlteras. E, com certeza, não sou como aquele cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo que ganho’. Mas o cobrador de impostos ficou a distância e não tinha coragem nem de levantar os olhos para o céu enquanto orava. Em vez disso, batia no peito e dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, pois sou pecador’. Eu lhes digo que foi o cobrador de impostos, e não o fariseu, quem voltou para casa justificado diante de Deus. Pois aqueles que se exaltam serão humilhados, e aqueles que se humilham serão exaltados”.” (Lc 18.9-14, NVT). O que me impactou tanto nessa leitura foi me dar conta da enorme quantidade de pessoas que agem exatamente como esse fariseu em nossos dias. Gostaria de convidar você a refletir sobre isso. 

A primeira realidade dessa parábola é que todos os personagens citados eram gente temente a Deus mas que pecava muito. Todos. O fariseu e o cobrador de impostos eram igualmente transgressores da vontade de Deus. Nenhum deles era melhor que o outro. Cada um tinha suas desgraças, seus pecados, sua culpa. Meu irmão, minha irmã, nenhum de nós é melhor que o outro. “Pois quem obedece a todas as leis, exceto uma, torna-se culpado de desobedecer a todas as outras.” (Tg 2.10, NVT). Isso nos iguala implacavelmente. Se o outro é adúltero, você é mentiroso. Se o outro é assassino, você é arrogante. Se o outro desonra pai e mãe, você é invejoso. Ninguém está livre. Todos somos culpados. O pecado nos iguala sem distinção. 

humilhar-2Segundo, o fariseu se achava espiritualmente melhor do que os outros. Esse tipo de postura é uma epidemia na igreja. Multidões se consideram mais espirituais que os demais. Ou porque acham que apenas sua teologia é a inerrante e infalível. Ou porque acreditam que a sua denominação é a única correta. Ou porque não toleram o diferente. Ou porque têm um cargo eclesiástico. Ou porque escreveram livros. Ou porque cantam bem. Ou porque têm um pouco de fama. Ou porque as pessoas os ficam bajulando e elogiando. Ou porque têm certas práticas que outros não têm. Ou porque exibem montes de diplomas teológicos na parede. Ou porque não fizeram teologia e acham que quem fez é carnal, porque, afinal, “a letra mata”. Ou porque têm muitos “amigos” na sua fan page das redes sociais. Ou porque pregam bem. Ou porque se acham  expositores das Escrituras melhores que os outros. Ou porque foram convidados a pregar ou palestrar em um lugar de renome. Ou porque… ou porque… ou porque. As razões são inúmeras. E todas são “como correr atrás do vento” (Ec 1.14, NVT), pois simplesmente não existe mérito algum na pessoa, tudo vem de Deus e é dado por Deus. “Toda dádiva que é boa e perfeita vem do alto, do Pai que criou as luzes no céu” (Tg 1.17, NVT).

Meu irmão, minha irmã: tudo o que você é e tem foi concedido pelo Senhor, sem absolutamente nenhum mérito seu. Você e eu não somos melhores que os outros.  Não. Deus não te escolheu para receber certos dons e talentos porque você é mais especial, mas porque ele, em sua soberania, assim quis, a despeito de seu mérito pessoal. Não é porque você subiu o monte que o Senhor te dará algo, tampouco porque fez campanha de muitas semanas, porque se formou no doutorado de teologia ou porque ralou o joelho até ele ficar em carne viva. Não: é tudo por graça, misericórdia, compaixão, amor. Poderia ser qualquer outro em seu lugar. Suas qualidades pessoais não são a seu respeito, são a respeito de Deus. Se você acha que o Zágari te abençoa com o que escreve, saiba que o único a ser agradecido por isso é o Senhor, porque com uma palavra de sua boca eu posso perder toda inspiração e me tornar um inútil. Deus, só ele. Por ele, para ele. 

humilhar-3Terceiro, o fariseu baseou seu discurso no erro dos outros. Ah, como isso é comum! Esse tipo de comportamento  prolifera como erva daninha em nosso meio. Não é à toa que as redes sociais, os blogs e os congressos teológicos transbordam de “apologetas” que dedicam seu dia a dia a ficar atacando os outros. Não os amam. Os odeiam. Não entendem que evangelho é muito mais do que criticar o que você acha que está errado na outras pessoas. E ficam destilando ira “em nome de Jesus”. Acham que Deus os apoia porque, afinal, eles estão certos e os outros não. Triste. Entenda: eu posso estar errado ao lhe dizer tudo o que aqui estou dizendo. Mas você também pode estar errado – e muito errado. E essa percepção da possibilidade do nosso erro deve nos levar a uma postura de extrema humildade, mansidão, autocontrole e pacificação. Fora disso, o que sobra é vaidade e arrogância. 

Quarto e último, a postura do cobrador de impostos é nitidamente o padrão cristão de comportamento. Aquele publicano compreendia que ele era falho e pecador. Mas, importantíssimo: ele não apenas sabia disso, ele agia em função desse entendimento, olhando para si e tratando diretamente com Deus sobre as próprias falhas. O coletor de impostos conhecia a trave que tinha no olho, não fazia vista grossa a ela e não baseava seu senso de valor em ficar investigando o cisco no olho alheio. Sua relação com os demais pecadores era de humildade e com Deus era de humilhação. E aqui chegamos ao cerne desta reflexão. 

humilhar-4Humildade e humilhação. Essa é a postura que agrada a Deus. O Senhor odeia a arrogância. Até mesmo a arrogância espiritual, doutrinária, denominacional e teológica. Temos de ser humildes com relação ao próximo na práxis e na doxa, por saber que em nada somos superiores aos outros, que nada do que temos e somos é mérito nosso, e que somos tão desgraçadamente necessitados da graça de Deus e do seu perdão para nossos pecados quanto qualquer outro. Precisamos nos humilhar diante de Deus, por compreender nossa realidade absolutamente dependente dele e desprovida de valor próprio. Não somos nada. Deus é tudo. Se você é “a menina dos olhos de Deus”, como muitos dizem, é por graça divina e não por mérito humano. Obrigado, Senhor, porque, em meio à minha fraqueza e falibilidade, aprouve a ti fazer qualquer coisa de mim e por mim. 

Meu irmão, minha irmã, “Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.” (Tg 4.10, NVT). “E todos vocês
vistam-se de humildade no relacionamento uns com os outros. Pois, ‘Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes’. Portanto, humilhem-se sob o grande poder de Deus e, no tempo certo, ele os exaltará” (1Pe 5.5-6, NVT). O contrário disso? É vaidade. É arrogância. É pecado. E é o caminho mais curto e certo para ser humilhado por Deus. Não queira passar por isso: arrependa-se, confesse o seu pecado ao Senhor e mude. 
Vá por mim, falo por experiência. A experiência de alguém que, desgraçadamente, já agiu igualzinho ao fariseu da parábola…

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Anúncios
comentários
  1. Oscar Pelissari Machado disse:

    Bom dia, Maurício
    Obrigado por mais um belo texto. Ou melhor, agradeço a Deus por utilizá-lo para trazer à nós essa bela reflexão.
    Gostei especialmente do trecho “E essa percepção da possibilidade do nosso erro deve nos levar a uma postura de extrema humildade, mansidão, autocontrole e pacificação. Fora disso, o que sobra é vaidade e arrogância (…) a postura do cobrador de impostos é nitidamente o padrão cristão de comportamento.”
    De fato, ser cristão implica, antes de mais nada, nessa percepção da nossa falha e da necessidade da graça divina e de um salvador.
    Que Deus nos ajude a não esquecer disso.
    Fique na Paz

    • Olá, Oscar,
      .
      louvo a Deus por ter falado ao teu coração por meio desta reflexão. Reconhecer o próprio erro e a própria impotência é o caminho para a pujança e o poder em Cristo. Que Deus nunca nos deixe esquecer disso.
      .
      Abraço fraterno, no amor do Senhor,
      mz
      facebook.com/mauriciozagariescritor

  2. Eduardo mezzacappa disse:

    Obrigado! Ajudou muito

    Pr Dú Mezzacappa 19 991381955

  3. Lucia Pioner disse:

    Esse final de semana assisti um culto pela manhã em minha igreja e veio um pregador de fora de nossa igreja e infelizmente na preleção o homem foi exaltado. Saí do culto triste, como nunca havia saído e só me lembrava de Mateus 5:3 “Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus”. à noite dou estudo bíblico aos pré-adolescentes e trabalhei a passagem do fariseu e do publicano, influenciada talvez pela pregação da manhã. Me entristece muito ver as pessoas fugindo do que Cristo disse e as coisas sendo distorcidas. Estudo teologia e volta e meia quando vou a algum congresso, todo mundo critica todo mundo. Dentro das igreja também se criticam uns aos outros. Que Deus nos ajude.

  4. Dalva disse:

    tão bom saber que Deus sabe que eu erro assim

  5. Bruno Vilela disse:

    Não conhecia essa tradução (NVT), é boa Maurício?

    • Oi, Bruno,
      .
      a Mundo Cristão vai lançar a NVT em 31/10. Sou suspeito para falar, pois participei do comitê de texto da mesma. Dê uma espiada aqui: https://www.facebook.com/emundocristao e corra alguns posts para trás e você terá muitas informações sobre a NVT, ok? Tem inclusive o livro de Romanos disponível, para você ler e avaliar.
      .
      Abraço fraterno,
      mz

  6. Abrao Henrique da Silva Junior disse:

    Mauricio A Paz! Posso replicar seus e-mails? Pr. Abraão Henrique

    • Olá, pastor, tudo bem?
      .
      fique à vontade para passar a mensagem adiante. Pediria apenas que desse o crédito e o link do blog, se possível, ok? Muito agradecido.
      .
      Abraço fraterno,
      mz
      facebook.com/mauriciozagariescritor

  7. Edilmar disse:

    Linda reflexão!

  8. anobre77 disse:

    Olá Maurício! Mais uma vez e sempre sou muito edificado pelos seus comentários sobre assuntos como esse; ainda mais com esse olhar tão próximo e tão tangível sobre partes das Escrituras. Sou grato por poder aprender … e me ver tão longe do ideal … mas aprendendo. Sabe, eu penso que o sofrimento e a solidão são bons, pois, pelo menos em mi, expurgam esse hipocrisia e soberba que sei que teimam em brotar em mim. Sou flagelado por esses espinhos, penso, justamente para não me gabar de nada; houve um tempo em que me gabei e hoje estou meio “longe” do corpo e colhendo frutos da minha própria negligência devocional. Obrigado de novo, mano, por me fazer ver claramente um propósito maior sempre, em tudo. Forte abraço e que o Senhor te use, para Sua glória!

    • Oi, Alexandre,
      .
      quanto mais conscientes de nossos erros e fraquezas, mais próximos de Deus. Analise-se, corrija-se e tome o rumo certo na caminhada com o Senhor, colhendo bons frutos. Se a dor é boa, viva a dor, para que ela cesse quando não houver mais por que senti-la.
      .
      Abraço fraterno,
      mz

  9. Vinicius Borba disse:

    Olá Zagári! Tudo bem?

    Esta é a primeira vez que comento no seu blog. Porém, te acompanho há alguns anos.
    E mais uma vez, obrigado por teus textos. Durante 3 anos fui líder de pequeno grupo e sempre replicava teus textos aos participantes.
    Você é usado por Deus para espalhar a Palavra e o Amor de Deus.

    Acerca do texto, penso que humildade é sim, considerar o outro superior a você mesmo (Filipenses, cap. 2). Mas isto não significa que tenho que me sentir inferior.

    Penso que, ter uma postura humilde é uma coisa, você se rebaixar aos outros é outra totalmente diferente. E não ajuda.

    Deus nos fortalece e nos dá total capacidade de alcançar nossos objetivos. Basta lutar e não permitir que nos coloquem pra baixo.

    Humildade também é respeito.

    • Olá, Vinicius,
      .
      sem dúvida, humildade não pressupõe desrespeitar-se. Jesus, o nosso exemplo, foi humilde em tudo, sem deixar de receber para si o que lhe era de direito.
      .
      Obrigado por sua contribuição, amigo. Abraço fraterno,
      mz

  10. vanda disse:

    Sou grata a Deus por ter tido oportunidade de encontrar o seu blog. Tem sido tão gratificante e edificante para mim ler as suas reflexões, que para mim revelam sabedoria e amor.
    Foi por causa deste assunto que comecei a ler todos os textos do seu blog.
    Vivi uma situação quando congregava numa organização, que depois de sair vim a descobrir que fazia parte da doutrina dos G12. Essa organização cristã queria acima de tudo passar por uma imagem de santidade e perfeição lá fora e ai daqueles que não seguem o modelo à risca, são uns hereges e vão logo para o inferno. Uma pessoa passa rapidamente da salvação para a condenação do inferno se cai em pecado e é apanhada em flagrante. Não há segunda oportunidade para essa pessoa.
    Baseados na arrogância de que estão certíssimos e os outros errados. Baseiam o julgamento na coscuvilhice e intrigas em vez de confrontar a pessoa para saber se isso é verdade, baseiam-se que só um certo tipo de pessoas merece a atenção do pastor e os outros passam ao lado sem nunca receberem um telefonema do pastor. Cheguei a pensar que se não recebem telefonema é porque também não fazem parte da lista de oração pela sua vida.
    Baseiam-se no investimento de certas ovelhas em detrimento de outras que não têm o dom de curar, de orar em línguas ou pregar bem, mas que são humildes, visitam pessoas enfermas e presas, emprestam e ajudam, socorrem e amam sem esperar nada em troca. Se uma pessoa está com depressão tem demónio, se uma pessoa está enferma é porque está em pecado, se pensa de forma diferente também tem demónio. Se está desempregada é porque não é dizimista, se é apanhada em falta é condenada e expulsa da igreja, essa pessoas não é digna de participar nas reuniões com pessoas santas porque é uma vergonha para o evangelho e merece ser humilhada e expulsa da congregação. Aconteceu, até porque tudo posso naquilo que me fortalece e é muito fácil os cristãos mudarem e começarem a fazer tudo direitinho como “eu quero” de um momento para o outro e não no tempo de Deus, como Deus quer. “O meu padrão é o certo e se não segues não és digno de participar na santidade dos teus irmãos”.
    Mas graças a Deus agora estou numa igreja em que se prega o amor e o perdão, se prega contra o pecado e a injustiça, que se prega o verdadeiro evangelho.
    Graças a Deus há sim segundas oportunidades. Depois de tanta falha e caminhos errados, ainda posso conhecer o propósito de Deus para a minha vida. Há sempre a esperança de um novo começo, a confiança que Deus endireita as nossas veredas tortas e conta connosco.

    Um abraço em Cristo,

    Vanda

  11. Renata Ramos disse:

    Ótima reflexão. Que Deus continue te usando grandemente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s