sofrimento 1Não deveria ser assim. Mas a realidade é que existem milhares de cristãos que se sentem sozinhos, sofrem calados, vivem achatados pelo peso da angústia sem ter quem os ajude a solucionar seus dramas, sem ter nem ao menos com quem desabafar sobre seus sofrimentos e dores. Fico muito triste ao ver a enorme quantidade de irmãos e irmãs em Cristo que me procuram pelo APENAS, pelas redes sociais ou nos eventos em que prego e palestro em busca de orientações para suas angústias silenciosas e solitárias. Na maioria das vezes, o que detecto é que muitos só queriam mesmo era pôr para fora. Desabafar. Não têm com quem chorar, esmagados por suas dores e duplamente esmagados por não ter com quem falar sobre elas. Sofrem calados, devorados por dentro. O único ombro amigo que têm é o de Jesus, pois os servos de Jesus não estão dando conta do recado. 

Não são poucos, acredite. Tenho visto uma enorme quantidade de irmãos e irmãs que ostentam sorrisos de aparência e se mantêm heroicamente calados na frente das demais pessoas, mas que, na verdade, tudo o que queriam era gritar, chorar e pedir pelo amor de Deus que alguém os ajude, aconselhe ou, pelo menos, os escute e chore com eles. Mas… ninguém parece se importar de fato. Esses sofredores respondem a cada “Tudo bem?” com um sofrido “Tudo bem, graças a Deus”, por perceber que a pergunta foi, na verdade, uma saudação educada e não uma indagação sincera sobre o estado de sua alma. E, assim, seguem sofrendo, calados, angustiados e solitários, na esperança de um milagre que parece nunca chegar. 

sofrimento 2Maridos desonrados e desrespeitados, irmãs abusadas e carentes, adolescentes rejeitados, cônjuges infelizes, cristãos  deprimidos… os sofredores solitários não encontram limites de sexo, idade, ministério ou o que for. Alguns não encontram com quem se abrir porque todos esperam que eles sejam super-heróis espirituais, imunes a problemas. Outros, porque ninguém demonstra um interesse real por sua vida. Há, ainda, os que até buscam com quem conversar, mas tudo o que encontram é um anticristão “vamos orar” que não ajuda em nada. Pessoas feridas, aprisionadas pela agonia de sua solidão, escravas do desinteresse alheio. “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram” (Rm 12.5) são, para elas, apenas palavras vazias, pois não encontram aplicação prática na sua vida. Afinal, ninguém dá um passo à frente para chorar com elas. 

De quem é a culpa por esse problema epidêmico dentro das igrejas? Minha e sua.

sofrimento 3Eu e você somos os culpados pela dor dessas pessoas. O marido que é obrigado a conviver com uma esposa arrogante, agressiva, briguenta e desrespeitosa, por exemplo, não tem muito o que fazer, pois nenhuma esposa sem sabedoria muda por pressão do marido. Mas a Igreja de Cristo poderia agir na vida dele, dando amparo, amor, conselhos, ombro e a consequente orientação para essa esposa rixosa, a fim de que ela enxergue seus erros e mude de fato. Porém, como existe a filosofia de que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, ninguém quer se envolver, intervir, aconselhar, orientar. Nós optamos por permanecer omissos. Muitas vezes, tudo de que aquela esposa briguenta e mandona precisava era de alguém de fora que lhe dissesse que, sim, ela está errada, e apontasse caminhos, como a Bíblia orienta: “Exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). O mesmo vale para maridos que não lutam pelo bem-estar do lar, claro. 

Pastores e líderes, então, muitas vezes são pessoas extremamente solitárias, que sofrem caladas com preocupante frequência. Como a igreja espera que sejam quase homens de gelo, sem emoções ou problemas, donos de uma fé acima de toda humanidade, eles acabam se isolando na solidão de seu cargo, vivendo em santa hipocrisia imposta, porque nós, membros sem coração de suas igrejas, não admitimos que pastores tenham dúvidas, dores ou angústias, que sejam gente como a gente. Culpa nossa. E, por isso, eles seguem, sofrendo em seu ministério, muitos em processo de depressão, com problemas no casamento, com agonias causadas pela pressão do pastoreio, com milhões de preocupações… mas sem encontrar apoio em ninguém. 

Vemos pessoas que saem do culto sozinhas e caminham a passos tristes e arrastados para a solidão de sua casa, sem nos importarmos com elas, enquanto saímos sorridentes com a nossa patota de sempre para comer uma animada pizza pós-culto. Afinal, já que estamos satisfeitos e acomodados com nossa vidinha cristã que não estende a mão a ninguém, para que nos dedicarmos aos outros, não é mesmo? Deixa como está. Por que abrir mão de nosso precioso tempo para ofertá-lo aos sofridos? E assim seguimos, sem viver de fato o que Jesus espera de sua igreja. E, apesar de ler este texto e sentir certo incômodo no coração, você continuará agindo exatamente do mesmo modo, sem nenhuma real mudança. Ou não?

sofrimento 4Muitos desses sofredores solitários até se inscrevem em departamentos da igreja, na esperança de viver um pouco do calor humano que, supõem, deveria haver entre os irmãos, mas só encontram um interesse pouço real por sua vida, aquela coisa meio obrigatória, afinal, “ele faz parte do grupo e a gente tem de dar atenção a ele”. Se um dia ele se desligar do grupo, porém, perceberá que o interesse por sua vida era meramente institucional e não verdadeiro. Ninguém mais o procura, o chama para sair, liga para saber como ele está. E assim seguimos, cercados por legiões de cristãos sofredores, que se calam pelas mais variadas razões e vivem suas angústias com, no máximo, o famigerado “vamos orar”.  Acredite: há muitos desses ao nosso redor, perfumados e maquiados, ostentando sorrisos pré-fabricados no rosto, mas carcomidos emocionalmente. 

Meu irmão, minha irmã, o evangelho é sobre relacionamentos. É sobre se intrometer, sim, na vida do outro, como um médico que intromete seu bisturi na carne do paciente para encontrar debaixo da pele, naquele lugar em que ninguém consegue ver além das aparências, onde está a causa da dor do próximo. E tratá-la. Individualismo não existe no cristianismo, o que existe é coletividade, onde todos sentem a dor de todos. Fora disso não há reino de Deus, não há evangelho, não há Igreja. Sim, a coisa mais importante no cristianismo são os relacionamentos: com Deus, primeiro, e com o próximo. Esse é o maior mandamento, apresentado em outras palavras. 

Ao falar sobre aquele grande dia, que a todos nós espera, Jesus profetizou: “… então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me” (Mt 25.34-36).  Essa passagem fala sobre o quê? Caridade? Não. Fala sobre relacionamentos.

sofrimento 5Fala sobre interferir na vida do próximo, saciando a sede e a fome não só de comida e bebida, mas de amor, preocupação, interesse, calor humano. Há entre nós irmãos e irmãs desesperados e silenciosos, mirrando pela falta do nosso interesse amoroso e genuíno. Muitos estão enfermos de alma, esperando em agonia  por uma visita, uma conversa ou um abraço que ajude a aliviar a dor de seu coração. No culto  a que você vai todo domingo, cruza com irmãos e irmãs que se encontram presos em jaulas de solidão, em presídios de angústia, apenas esperando por alguém que se importe. Também somos cercados por legiões de forasteiros, gente que dorme debaixo das marquises da falta de ter com quem conversar, que pedem socorro em idiomas que parece que ninguém entende, apenas aguardando por um servo bom e fiel que, com preocupação real, os hospede em seu coração e em sua vida.

O que você tem feito pelos famintos, sedentos, enfermos, presos e forasteiros? Nada? Então ouça o que Jesus tem a lhe dizer: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; sendo forasteiro, não me hospedastes; estando nu, não me vestistes; achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me” (Mt 25.41-43). 

Meu sonho é parar de receber desabafos e pedidos de socorro pelo blog e inboxes pelo Facebook de gente que sofre em silêncio. Não aguento mais ver tanta dor, pois a dor deles dói em mim. Quando leio um “me ajude, pelo amor de Deus, não tenho a quem recorrer”, meu coração rasga. Onde estão os seres humanos que convivem com esses meus irmãos e irmãs em Cristo? O fato de cristãos recorrerem a um escritor que mal conhecem e mora a centenas de quilômetros de distância para desabafar, pedir ajuda e tentar compartilhar um pouquinho que seja de sua dor é um sintoma gritante de que a igreja não está sendo Igreja. E à distância é difícil eu fazer qualquer coisa por eles. Onde estão os pastores e os irmãos em Cristo deles? Onde está você?

Este é um texto sobre amor. Amar de verdade significa doar-se. O contrário de amor não é ódio, como muitos pensam, mas egoísmo. Eu fico louco quando ouço um pregador dizer à igreja: “Quem veio aqui esta noite para receber a sua bênção?”. Por quê? Porque culto não foi feito para ser um evento de recebimento de bênçãos. Nós não vamos ao culto a fim de buscar bênção coisíssima nenhuma, vamos para cultuar Deus em conjunto com os irmãos. Em coletividade. Dando as mãos não só fisicamente, mas espiritualmente. Olhando para quem está ao nosso lado e enxergando-o de fato, preocupando-se com ele, imergindo nas angústias dele. A pergunta certa deveria ser “Quem veio aqui esta noite para abençoar os seus irmãos?”. Aí teríamos uma pergunta cristã. 

sofrimento 6Perdoe-me, por favor, o desabafo. Mas o APENAS é, para mim, também um meio de compartilhar o que sofro na minha solidão. E tem me angustiado profundamente o sofrimento solitário de tantos cristãos que recorrem a mim porque dizem não ter mais a quem recorrer. Eu vinha vivendo isso calado, mas hoje resolvi pôr para fora. Você compartilha da minha dor? Você está disposto a chorar comigo? Então, por favor, o melhor meio de fazer isso é sendo parte da solução. Viva a partir de hoje observando os calados, os que choram nos últimos bancos, os que sorriem com a boca mas não com os olhos. Preste atenção aos maridos desrespeitados, às esposas abandonadas, aos adolescentes solitários, aos idosos sofredores, aos líderes deprimidos. Pense naqueles que deixaram o convívio e você nem sabe por quê. Telefone para eles. Oferte-se ao próximo. Mergulhe na vida dessas pessoas. Ouça-as com real interesse e não por obrigação. Intervenha, sim, na vida delas, assim como Jesus interveio na nossa ao meter a colher nas lutas da humanidade e se fazer carne para sanar nosso maior problema. É bíblico. Faça isso, pelo amor de Deus e por amor ao próximo. Os sofredores silenciosos e solitários estão à sua espera. O que você vai fazer a respeito?

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Confiança inabalável_Banner ApenasClicando nas imagens acima e abaixo você vai para a livraria virtual das lojas Saraiva.

APENAS_Banner três livros Zágari

Anúncios
comentários
  1. Maria Lúcia disse:

    A paz do Senhor amado Irmão!

    Seus posts sempre me trazem grandes ensinamentos. Nem sempre comento, mas pode ter certeza que leio com muita atenção, pois são instrumentos de aprendizado para minha vida. Mas nesse especificamente, apesar de concordar inteiramente com você, mas justifico também certas atitudes de algumas pessoas(refiro a mim mesma). Muitas vezes esta falta de interesse não parte nem das pessoas que estão ao redor daquela que está sofrendo, mas sim da própria pessoa. É muito, muito mais fácil eu expor algo da minha vida a alguém que não conheço do que para aqueles mais próximos ou até mesmo da minha família. Digo por experiência própria, já passei por situações muito difíceis e preferi recorrer a rede de intercessões, a irmãos que só conheço pela internet(como você), para pedir ajuda em aconselhamento e oração. Pois tenho certeza que eles não vão tomar partido nem criticar e nem expor meus problemas a outras pessoas, o máximo que podem fazer é usar a minha situação para exemplos a outras que vivenciem algo semelhante.
    Mas concordo que precisamos sim olhar mais, se importar mais, se envolver mais, participar mais, para podermos ajudar mais.
    Que Deus em tudo vos abençoe e que possa lhe ajudar a continuar firme na sua caminhada!

  2. Thy disse:

    Irmão Maurício, eu sou uma dessas pessoas que sofre em silêncio e pra falar a verdade já me acostumei com essa situação. Já perdi a conta de quantas vezes tentei falar com irmãos, até mesmo por inbox em redes sociais em busca de ajuda e o que ouvi/li foi um “vou orar por você”, “vamos fazer uma campanha de oração?”, ah como doí ouvir/ler essas frases frias que aos olhos de quem as fala parecem estar carregadas de amor e preocupação mas que no fundo são vazias como um poço sem água. Por causa disso já cheguei a pensar se vale mesmo a pena continuar indo a uma congregação, porque a única demonstração de amor que recebemos é na hora do “abrace o irmão que tá do seu lado”, sem falar que somos notados, geralmente, apenas quando falhamos, para sermos criticados e apontados. Há um tempo eu cheguei a pensar que isso só acontecia comigo, que o problema poderia estar em mim, já que os outros tem suas panelinhas e se frequentam. Mas descobri que acontece em praticamente toda congregação e o meu coração doeu ainda mais, pois viver nessa triste situação é algo que eu não desejo para outros irmãos. Espero de coração que muitos irmãos sejam tocados pelas suas palavras assim como eu.

    A paz de Jesus Cristo amado.

    • Oi, Thy,
      .
      infelizmente, essa é uma realidade em muitos ajuntamentos. Talvez tenham faltado nos púlpitos mensagens que preguem mais essa questão ou talvez seja mesmo o individualismo de nossos dias, não sei. Fato é que, infelizmente, as congregações têm muitos laços frouxos e pontas desatadas. Eu peço a Deus que isso comece a ser percebido cada vez mais e que haja uma vida mais dedicada ao outro entre os cristãos.
      .
      Te abraço, em solidariedade, minha irmã,
      mz
      Facebook.com/mauriciozagariescritor

  3. Rogéria disse:

    linda mensagem!

  4. Angélica disse:

    Eu passo exatamente por isso… Me sinto completamente sozinha, sem alguém para me orientar, para me apoiar e não deixar eu cair… é muito difícil. A solidão causa vazio e dor. Mas tenho que continuar tentando, mesmo aos trancos e barrancos. Deus o abençoe Maurício, pelos teus excelentes textos!

  5. Niko disse:

    Texto sensacional, carregado de verdade e emoção. Obrigado Maurício, Deus te abençoe meu amigo.

  6. Ricardo Silva disse:

    Olá Sr Mauricio….quero agradecer pelo excelente texto e compartilhar comigo a dor que sinto quando estou na igreja…e dor maior ainda quando falto ao culto por falta de vontade….a sensação é a mesma de estar em casa ( sou divorciado e moro sozinho…tenho 48 anos e não me ajusto a muitos grupos na igreja), porém, minha consciência me acusa quando falto, me sinto egoista e auto centrado….então acabo indo….quando acaba o culto saio e acho que não sou percebido…muito ruim isso. Pensei que o problema era somente comigo….mas agora que sei que muitos compartilham a mesma dor…..tenho mais muitas pessoas por quem orar por perseverança e firmeza na fé independente de qualquer coisa. Obrigado irmão….tenho certeza que Deus te usou pra escrever isso e me fez ler isso. isso é Deus agindo…Amém!!

    • Oi, Ricardo,
      .
      essa infelizmente é uma realidade. Peço a Deus que você consiga estabelecer relacionamentos verdadeiros, pontuados por afeto real é uma preocupação genuína.
      .
      Abraço carinhoso, meu irmão,
      mz

  7. Denise disse:

    Muito verdadeiro e forte este texto, triste e lamentável realidade… A palavra fala que nos últimos dias o amor esfriaria… Muitos crentes são individualistas e egoístas. Ninguém ta querendo muito chorar com os que choram…Na verdade as pessoas procuram se aproximar daquelas que estão felizes, alegres, falantes, extrovertidos e se afastam das tristes ou introvertidas… acho que porque elas não sejam tão legais quanto as outras… Eu sinto e vejo isso todos os dias na igreja, em cada pessoa, individualismo, preocupação apensas consigo mesmo. Sinto falta de muitos ensinamentos na igreja, como o amor ao próximo, altruísmo, generosidade. Vejo vários líderes a frente que não demonstram quase ou nenhuma compaixão… Isso não é o verdadeiro evangelho de Cristo…
    Tudo o que você escreveu, eu penso muito sobre isso, e me sinto muito triste por ser assim, eu não sou assim, e a palavra ensina justamente o oposto mas a maioria não esta muito interessado em aprender.

  8. Tenho pena que muitos lideres de igrejas, não estejam vocacionados para um trabalho que desempenham de forma fria e distante daqueles que compõem a igreja

  9. Que texto, Maurício Zágari! Traduziu os pensamentos de muitos solitários..uma questão que ninguém aborda e não quer enxergar, mas que vivemos o tempo todo. Parabéns e obrigada por compartilhar conosco.

    • Fico feliz que o texto falou ao teu coração, Débora.
      Propaguemos o amor e denunciemos a falta dele. É o mais importante de tudo, pois sem amor nada seríamos.
      .
      Abraço fraterno, no amor de Cristo,
      mz

  10. Renata Ramos disse:

    Lindo texto, resumiu verdadeiramente a Igreja e os membros de hoje. Fico triste com isso também. Que Deus nos abençoe e comece a dar discernimento as pessoas que irão ler este texto, que possam ser acordadas em Cristo com o grito do socorro.

  11. brunoalex4 disse:

    Tenha um bom dia!!!

  12. Deus tem-me acompanhado desde os 12 anos de idade, mas infelizmente face a algumas atitudes de altos responsáveis na igreja, já me afastei da igreja mas não de Deus. Lamento que determinadas atitudes não sejam abonatórias do crescimento da Igreja. Muitos não conseguem ou não querem avaliar o contexto em que estão inseridos e adotar uma postura que seja favorável ao crescimento da Igreja. Para ser líder de uma igreja é essencial ter formação teológica, mas também formação moral e intelectual, e não viver apenas do estatuto de pastor

  13. valdiguga disse:

    A Paz, querido Pastor…
    Esse texto trouxe conforto ao meu coração também… Em um dos momentos mais extremos de solidão cheguei a escrever:
    “Procura-se um incondicionado amigo
    Acredita-se na amizade incondicional
    Apoia-se as conquistas da vida
    Comemora-se a vida conquistada
    Respeita-se a história do ser
    Não se julga o ser historiado
    Assim, existe-se…”
    Orando e buscando entender, comecei a enxergar as pessoas na mesma situação, dentro da igreja. Mesmo sentindo-me despreparada e sem ter muitas condições, pedindo para que Deus usasse-me, comecei a contactá-las. E, nesse processo, aos poucos, a solidão vai diminuindo…
    Deus é bom sempre!
    Abraço fraternal,
    Valdirene.

  14. angolano29 disse:

    Querido irmão Mauricio,

    Gostei imenso de ler este seu artigo, ele é deveras esclarecedor. De facto, na grande maioria das igrejas evangélicas esta ampla manifestação do amor cristão não se verifica. Muitos cristãos não são capazes de vivenciar este verdadeiro amor cristão e prejudicam o seu testemunho e o da própria Igreja de Cristo em que se inserem. Pessoalmente penso que era assim o cristianismo primitivo. Como seria bom que nada tivesse mudado e que a hipocrisia nunca tivesse conseguido entrar na Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. A Igreja terá de voltar ao seu primeiro amor.

    Um fraternal abraço.

    Afonso Lopes

  15. Lucas Gonçalves disse:

    É, mano! Sem palavras… Atualmente eu sofro com isso, mas comigo foi algo relacionado ao pecado 😦 . Eu tinha pessoas pra me ouvirem e me ajudarem, mas me fechei ao meu (horroroso) mundo e agora sofro calado e solitário… “Alguns não encontram com quem se abrir porque todos esperam que eles sejam super-heróis espirituais, imunes a problemas” <- Eu fiquei "com medo" de demostrar o quão falho eu sou, mas que estou disposto a mudar. Ai está um versículo que eu fico pensando muito: “Exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). Sei que Deus me permitiu passar por tudo isso pra eu ver o quanto estou me fazendo solitário d'Ele e me distanciando do Caminho, mas, assim que eu me reerguer, vou procurar estar atento a essas pessoas que sofrem o que estou sofrendo e o que o seu texto expõe.

    Eu sei que este meu comentário não "bate" muito com a ideia do seu texto, mano, mas enfim… Quis comentar isso 😥

    Zágari, um grande abraço, meu queridão!
    Deus continue te abençoando

  16. Vanda disse:

    Irmão Maurício,

    Concordo muito com o seu texto, pois foi sempre o meu dilema toda a vida desde que sou cristã e congrego na igreja.
    Já sofri muitas decepções por confiar demais. Acredite que muitas vezes falava com o meu pastor ou pessoas mais próximas pensando que ia ouvir a voz de Deus através deles. Criei muitas expectativas e claro desiludi-me muito. Cheguei a um ponto que ouvir muitas vozes e conselhos fiquei destroçada e afastei-me e não confiei mais em ninguém. Por pouco ia deixando a Igreja… Até que parei: Algo está errado na minha atitude e tenho que mudar. Não são os outros que estão errados mas eu! Porquê criar tantas expectativas? Procurei buscar somente Deus como a única solução dos meus problemas, busquei, busquei colocando-o como o Senhor e Mestre da minha vida! Agora sei que jamais ficarei desiludida pois só Ele é a nossa resposta e nossa solução em tudo! E é engraçado que Deus até levanta pessoas à nossa volta para nos trazer soluções que só Ele sabe e a pessoa não. Estou a passar por essa experiência, é pessoal.
    E a seguir a isso colocamo-nos nas mãos de Deus para estarmos disponíveis para servi-Lo e também ao próximo. Muitas vezes vejo-me a ser tocada por Deus para ajudar aquele ou aquela irmã que estão em aflição eu não sabia o que ele precisava e depois vem-me agradecer dizendo que Deus respondeu à sua oração. Isto não é utopia, é real.
    Há muita riqueza no Reino De Deus, é só buscarmos: Venha a nós o teu Reino e seja feita a tua vontade assim na terra como no céu! Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e tudo o mais será acrescentado! É simples, Deus não é complicado! E tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus! precisamos de pensar nestes princípios e aplicá-los na nossa vida! Todos nós temos lutas, mas depende de nós buscar a solução no ÙNICO que tem toda a Solução nas suas mãos! Quando recorremos a Ele, Ele envia a solução e muitas vezes é através daquela pessoa (cristã ou não) que menos pensamos.
    irmão, é a minha experiência e espero que seja útil para irmãos que recorrem a este blog, pedindo ajuda e eu sou uma delas, como o irmão sabe! Também me doí o coração e peço a Deus por todos aqueles que estão em sofrimento! Que o Senhor os console e envie recursos para ajudar a levantar esses irmãos.
    Beijinhos e a paz de Jesus!
    com muito amor,
    Vanda

  17. Cristiane disse:

    Oi meu querido amigo Mauricio,

    Muito obrigada por esse seu texto… Talves porque Minha area seja humanas sempre me envolvi muito na vida dos meus Amigos e sempre fiz sempre fiz muitos Amigos por emprestar o meu ouvido para os escutar mas confesso que por um longo periodo deixei essa pratica de lado, ventos contrarios que a vida nos traz de vez em quando… Mas seu texto veio hoje me despertar. Senti meu coração ser imvadido por esse enorme prazer que é Estar presente na vida de pessoas que realmente precisam da gente. Comecei o meu Dia sorrindo, obrigada. Terminei de ler o seu texto e imediatamente escrevi a uma Amiga que ja estavamos afastadas a alguns anos e que volta e meia precisa de um ombro amigo, que prazer poder fazer novamente aquilo pelo quäl sou chamada, ajudar a curar corações e ver sorrisos brotarem nos olhos ‘smileyes’. Deus te abençoe hoje e sempre.

    Cristiane.

  18. Diogenes disse:

    Olá Maurício. Eu acompanho seus textos pelos e-mails. Amo suas mensagens. Esta última realmente traduz o que muitos passam.
    Eu sembre busquei me envolver na obra e não procuro ser o que as pessoas querem que eu seja, mas procuro ser aquilo que Deus me direciona.
    Esperamos muito das pessoas e isso acaba nos frustando. Passei a olhar para Jesus e meus problemas diminuíram muito. Jesus é o nosso fiel companheiro, conselheiro e nunca nos deixa só.

    Deus abençoe.

  19. Michelle C. M. disse:

    Belíssimo texto!
    Um verdadeiro “tapa na cara”… NECESSÁRIO.
    Obrigada!…

  20. J. disse:

    Já não tenho mais esperanças de que esse quadro mude. Cheguei a triste conclusão de que é (no meu caso) muito mais provável encontrar ouvidos de um psicólogo da rede pública que, em seus 20 minutos com o paciente devido à superlotação e demais caos da rede, mais parece um áudio book de auto ajuda ou; como outrora pude, pagar por uma psicóloga, sabendo-a cristã.
    Além do evidente desinteresse, ainda lido com a incompreensão de quem ouve falar do problema que atravesso. A minimização da causa do meu sofrimento, que aliás é crime inafiançável, é recorrente. Sem contar os julgamentos dos “doutores da lei” que, na contramão do desinteresse de simplesmente saber como me sinto, aplicam seus conceitos de superação e perfeição para julgar medidas legais que precisei tomar afim de me resguardar de sofrimentos piores futuramente.
    Convivo diuturnamente com minha dor, contando com 20 minutos de frases feitas num consultório a cada 20 dias. Não fosse o bastante, convivo com a injustiça dos homens, que privilegia os abastados. O que me mantem viva é a fé já rota de que ao Senhor pertence a Justiça, pois mal consigo orar, tanto por que encontro-me sozinha nessa dor e no lidar com ela tanto no campo físico como no espiritual como por ter dificuldades de concentração e de articulação verbal, lapsos, enjoos e outros tantos colaterais que antidepressivos, anti ansiolíticos e sedativos de uso diário me trazem. Mas esta é a ajuda do homem secular: tentar dopar a alma. há alguns meses, eu sequer seria capaz de redigir este desabafo. Para mim, que só tenho isso, a medicina falida dedicada aos usuários da rede pública, é difícil ter essa noção e admitir que é melhor isso que nada, mesmo cercada de pessoas que sequer entendem de saúde mental e só sabem repetir que “depressão não é coisa de crente”, “estou em erro espiritual para estar passando por isso”.
    Minha vontade é de simplesmente sumir deste lugar horrível aonde moro, e com isso encerrar esse contato raso e inútil com as pessoas daqui. Distancia por distancia, que seja mantida de um desconhecido, com quem não é necessário manter as aparências sociais. Mas nem isso posso fazer. Vim morar nesta cidade após casar-me, e após ser mãe meu marido deixou bem claro ter seu “umbigo preso” aqui, dessa forma, me mantendo cativa aqui também.
    Eu só quero ir embora daqui.

  21. GUILHERMINA CORREIA disse:

    Irmão Maurício !!!
    Obrigado pela sua Excelente Mensagem, em que todos devemos meditar profundamente.
    Pois, como muitos dos nossos irmãos, por vezes também vivo Calada e Solitária.
    Li todos os Comentários sobre esta Mensagem, e algumas das suas respostas.
    Abandonada por Familiares, Amigos e até irmãos em CRISTO. NÃO É FÁCIL a SITUAÇÃO.
    Só temos que olhar para JESUS. ´´ ESSE É QUE NUNCA VAI FALHAR.´´
    Abraço da irmã em CRISTO

    GUILHERMINA CORREIA – LISBOA – PORTUGAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s