ladrao 1Deus é apaixonante. A cada nova experiência que tenho, mais me assombro com a sabedoria do Senhor e a forma como ele age conosco. Confesso que me encanto com o modo de Deus fazer as coisas, mesmo que não seja a forma que gostaríamos. Na última quinta-feira, o Senhor me permitiu passar por algo difícil, mas extraordinário: um assalto. Só percebi a beleza espiritual desse episódio tendo passado mais de um dia do ocorrido. E como sei que “O SENHOR faz tudo com um propósito” (Pv 16.4), tenho a pretensão de supor que Deus permitiu que eu fosse roubado para, entre outras coisas, me dizer: “Escrever é fácil, quero ver se você vive o que escreve”. Vou explicar.

Depois do meu horário de trabalho, saí para pegar minha filha na escola de bicicleta, como fazia regularmente. Ela tem 4 anos, por isso comprei uma daquelas cadeiras que se acoplam na parte traseira e a levo e trago na garupa. É prático, rápido e divertido. De vez em quando, paramos em um lugar que fica na metade do caminho para fazer um lanche. Há um bicicletário na rua, bem na porta da lanchonete. Como de costume, estacionei, prendi a bicicleta, tirei minha filha e fomos comer. A surpresa desagradável nos esperava na saída. Não quero entrar em detalhes, por razões pessoais, mas basta dizer que na hora em que fomos partir perdemos a bicicleta. Fomos assaltados. Não nos machucamos, mas foi um susto bem desagradável, que deixou minha filha bastante impressionada.

Para minha grande surpresa, minha reação foi de serenidade. Sempre imaginei que, se algo assim acontecesse comigo, eu teria uma crise nervosa, mas, surpreendentemente, fiquei calmo e tranquilo, falei em voz baixa e fiz gestos lentos e controlados. Voltei com minha filha para o interior da lanchonete e procurei um funcionário responsável, porque me dei conta de que havia uma câmera na porta que poderia ajudar a identificar o ladrão. Expliquei a ele o que aconteceu e na mesma hora o rapaz, chamado Bruno, foi verificar as imagens para ver se havia registro.

ladrao 2Enquanto o esperava, sentei com minha filha em uma das mesas para aguardar e começamos a conversar sobre o que aconteceu. Ela estava muito confusa, porque sempre lhe ensinei que pegar as coisas dos outros sem pedir é errado, e ela me perguntava, vez após vez, por que aquele rapaz tinha feito aquilo. Percebi também que ela estava tensa, pois se agarrou em mim e não queria desgrudar. Disse que estava triste, porque gostava muito da nossa bicicleta, e começou a fazer um monte de perguntas sobre o ladrão, se ele era mau, por que não era amigo de Jesus, se ia para a prisão e outras coisas. Naquele momento, calmamente a sentei no meu colo e expliquei o máximo que eu pude. Mas, em determinado momento, simplesmente virei-me para ela e disse:

– Bebê, vamos orar e falar com Papai do Céu?

Ela concordou, nos abraçamos e eu comecei a orar baixinho. Sem que nem tivesse pensado nisso, a primeira coisa que dissemos ao Senhor foi que perdoasse o ladrão, que ele viesse a se arrepender e se tornasse amigo de Jesus. Em nenhum momento oramos pedindo juízo ou coisa parecida. Pelo contrário: pedimos a Deus que o perdoasse. Em seguida, comentei com o Senhor que não entendia por que ele tinha permitido aquilo, mas que eu tinha certeza de que havia uma boa razão, um propósito por trás daquele sofrimento, daquela perda.

Terminamos de orar e dentro de mais algum tempo Bruno voltou e disse que, infelizmente, o enquadramento da câmera não tinha conseguido filmar a ação do ladrão. Agradeci e saímos calmamente, caminhando a pé pela rua. No trajeto, minha filha continuou fazendo perguntas sobre o que tinha acontecido. Percebi que aquilo que dissemos na oração teve um efeito sobre ela, que começou a me dirigir muitos questionamentos sobre perdão e sobre por que Jesus deixa que coisas ruins aconteçam com aqueles que são amigos dele.

Perdao total_pilha05 Livro com caneta e óculosMais de um dia depois do ocorrido, eu estava pensando sobre o que aconteceu. Eu refletia sobre por que a primeira coisa que pedimos a Deus na oração, no impulso, foi que perdoasse o ladrão. Confesso que eu gostaria muito que ele fosse preso e que a bicicleta de que minha filha tanto gosta fosse  recuperada. Mas não foi isso o que pedi a Deus  naquele momento: pedi que o perdoasse. Também me dei conta de que conversamos com o Senhor sobre os propósitos de tudo aquilo que aconteceu. Foi quando, de repente, me dei conta de que tinha posto em prática aquilo que escrevi nos meus últimos dois livros publicados e que venho pregando em muitas igrejas, quando me pedem que eu pregue sobre o tema do Perdão Total e do O fim do sofrimento. Consegui pôr em prática o perdão. E consegui não murmurar pelo que aconteceu, por saber que Deus é bom apesar de permitir que coisas ruins aconteçam o seus filhos por seus misteriosos propósitos.

Preciso reconhecer que fiquei maravilhado, porque percebi que aquilo que escrevi e sobre o que eventualmente prego é mais do que palavras em páginas de papel ou ditas de um púlpito: é vida. Vida prática, vida cotidiana. Em outras palavras: a Bíblia funciona.

Este é o ponto aonde quero chegar ao te contar tudo isso: meu irmão, minha irmã, nós lemos e relemos a Bíblia, ouvimos pregações, dizemos amém e concordamos com as verdades do evangelho, mas a realidade é que, com muita frequência, quando chega a hora de pôr em prática aquilo em que acreditamos… é como se não acreditássemos de fato. Sabemos que não devemos devolver mal com o mal mas, na hora “h”, reagimos com fúria. Sabemos que não devemos falar de forma torpe, mas nossa língua parece ser incontrolável. Sabemos que devemos ser pacificadores, mas é só até o momento em que falamos de política ou futebol. Sabemos que o nosso Redentor vive e que um dia se levantará sobre a terra, mas com frequência agimos como se ele fosse apenas um personagem de contos literários e nossa fé se desmancha no vento.

OXYGEN Volume 10A Bíblia é eficaz. A palavra de Deus é verdadeira. E aquilo que ela afirma se cumpre. Nunca diga que você não consegue pôr em prática o que ela determina, porque você consegue, sim. Eu percebi isso por causa daquele assalto. Se eu consegui, você consegue, pois não sou em nada melhor do que ninguém. Ao ver na televisão, recentemente, imagens de arrastões na praia de Copacabana e bandidos arrancando bicicletas das mãos de pessoas no meio da rua, minha reação imediata foi me irar contra os ladrões. Cheguei a ter pensamentos bem ruins e muito pouco cristãos. Quando vi imagens de pessoas agarrando e arrancando bandidos de dentro de ônibus, no fundo, no fundo achei aquilo bom. Confesso vergonhosamente que minha humanidade gritou naquele momento por justiça humana. Mas, poucos dias depois, quando eu é que fui o alvo da maldade, instintivamente – ou, o que é mais certo, pela ação do Espírito Santo -, perdoei.

E, acredite, quando pedi a Deus que perdoasse aquele ladrão, desejei aquilo de todo o coração e não da boca para fora. Sei que parece estranho e pode até soar como falsa piedade, mas a pura verdade é que, naquele momento, o que eu senti por aquele homem foi pena, pois eu sei o que o espera no futuro caso não se converta dos seus maus caminhos. Analisando com calma, percebo que tive compaixão daquele homem que me fez mal, porque eu perdi apenas uma bicicleta, enquanto ele está a ponto de perder a alma.

Não gostei do susto que minha filha levou, me machucou. Mas sei que Deus tem um propósito naquilo, que eu ainda não entendo. E deposito minha total confiança no Senhor e sei que ele cuida de mim e dela, assim como cuida de você e tem um propósito para tudo de ruim que lhe acontece. Deus é Deus e Deus é bom. E sua Palavra é verdadeira e se cumpre. Viva com todo o seu fôlego a verdade do evangelho e realidades extraordinárias se descortinarão diante de seus olhos.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

.
O fim do sofrimento_Banner APENAS
Clicando nas imagens acima e abaixo você vai à loja virtual da livraria Saraiva

Perdaototal_Banner Blog Apenas

Anúncios
comentários
  1. vivifb1505 disse:

    Olá Mauricio!
    Graças ao Senhor só foi a bicicleta, e acredito que você esteja certo, tudo coopera para o bem daqueles que amam ao Senhor, segundo o seu propósito. Certamente houve um grande ensinamento para ambos. Sua filhinha aprendeu na pratica aquilo que você prega e o que está na bíblia. Há período melhor do que na infância para que esses ensinamentos sejam alicerçados. É muito bonito ver sua confiança em relação a como o Senhor usa as atitudes tortas para nos ensinar e cumprir o propósito dEle. Que o Senhor acalme o coracãozinho dela assim como ja acalmou o seu. Paz!

    • Oi, Vivi,
      .
      tento compreender Deus de acordo com o que as Escrituras me ensinam e não segundo minha justiça humana. Creio que esse é o caminho vivendo nós os bons e maus momentos.
      .
      Abraço fraterno, no amor de Deus,
      mz

  2. Regina Parreira Henriques disse:

    Amém!!!

    Linda mensagem!

    Obrigada por partilhar!

    Regina Henriques

  3. Solange Vieira disse:

    Bom dia Mauricio !
    Boa reflexão….por em prática tudo que vem de contrário a nossa natureza humana, dificil,
    mas é possivel sim, se tivermos cheios de Deus e de seu amor.
    A Cada dia o Senhor nos leva a passar por situações dificeis de compreender é fato, mas se tudo que ele é bom, como eu creio que é, em algum momento tudo irá fazer sentido.
    Abraços.
    Solange

    • Olá, Solange,
      .
      é verdade, é difícil, mas ser cristão é negar a si mesmo, não é? Você tem toda razão, parecer ruim agora não quer dizer que tem um pano de fundo negativo. Confiemos que Deus sabe o que faz.
      .
      Abraço carinhoso, no amor de Deus,
      mz

  4. Neemias Praseres disse:

    Lindo testemunho, porém a meu ver a palavra “encanto” não cabe para nós filhos de Deus.

    • Olá, Neemias,
      .
      a palavra “encanto” significa “quem ou o que agrada, atrai, deslumbra por suas qualidades (p.ex., beleza, inteligência, simpatia)”, não há nenhum mal em usá-la. Se o irmão está se referindo a “encanto” como “feitiço” é outra acepção do termo, sem nenhuma relação, como “manga” fruta e “manda” da camisa.
      .
      Abraço fraterno, no amor de Cristo,
      mz
      facebook.com/mauriciozagariescritor

  5. Edu disse:

    Oi primo! Soube ontem do assalto que sofreu e graças a Deus que nada de pior aconteceu. De fato, Ele permite que, às vezes, fatos desagradáveis nos ocorram para cumprir um propósito d’Ele. E muitas vezes só conseguimos entender o porquê tempos depois…ou não! Visivelmente você foi testado ao viver o que você prega, bem como a experiência da paz no perigo e a confiança na Sua proteção. Graças a Ele por permitir que você pudesse nos contar seu testemunho, já que outros não tiveram o mesmo destino. Querido, que a mão d’Ele continue sobre você e sua amada família!

    • Oi, Edu!
      .
      Obrigado pelo carinho. Também vejo dessa forma, Deus, quando permite algo assim, tem propósitos muito bem definidos e amorosos. O louvemos em toda e qualquer ocasião”
      .
      Abração, saudades! Deus te abençoe,
      mz
      facebook.com/mauriciozagariescritor

  6. Paulo Lameira disse:

    Graça e paz querido Zágari.
    Deus sempre nos surpreende. Nossas reações diante das circunstâncias da vida representam o discurso que será ouvido pelo Senhor. De fato a vida cristã vai além da teoria, mas repercute no dia a dia, e nosso testemunho se torna uma proveitosa semeadura àqueles que nos rodeiam. Belo exemplo para sua filhinha. Deus o abençoe e preserve querido irmão! Saudações! Paz em Cristo Jesus!

  7. Bruno Vilela disse:

    Em um episódio do Chaves (aquele do Sr. Furtado) a Chiquinha indaga o menino se quando ele orou (tendo saído da vila ao ser acusado injustamente de roubo) não pediu para que o ladrão fosse preso… e ele responde: “Rezei pra que ele se arrependesse”. Rapaz, mas que tapa na cara… a graça de Deus é tão grande que até mesmo através de coisas tão aparentemente tão sem sentido (como um programa velho de televisão) ele fala aos nossos corações e vai de encontro as nossas necessidades!

    Deus abençoe irmãozinho

  8. Maira Rúbis disse:

    Irmão, graça e paz!
    Seu testemunho tocou o meu coração muito!
    Pensei, se Deus na Sua Palavra diz que nos guarda e nos livra de todo mau e nos acontence situações que nos leva a apensarmos o contrário se não estivermos firme na fé.
    Mas, veio ao meu coração questionador a seguinte resposta: Descança na Palavra de Deus que é a verdade! O Senhor lhes livrou de algo muito maior, caso continuasse na bicicleta. Receba como um grande livramento de Deus!
    Fq na paz de Deus!

  9. Neia Cunha disse:

    A paz Maurício ,
    Obrigado pelo seu testemunho e louvado seja a Deus que você e sua filha estão bem .
    Como você disse foi um dia de teste , você colocar me prática aquilo que prega e fico feliz que vc olhou para esse lado e pode ver que há um propósito em todas as coisas sejam boas ou ruins.
    Que o Senhor te abençoe e capacite a cada dia mais te dando sabedoria , graça e ousadia para falar do amor , perdão e uma vida a serviço do Nosso bondoso Deus .
    Neia !!!

  10. Alexandre disse:

    Bom dia Zagari,

    Tem um texto nas escrituras que por esses dias tem me chamado atenção (esse povo me louva com os lábios, mas seu coração está longe de mim)
    Tem tudo a ver com esse post, muitos pregam e louvam mas na hora da aflição, age como não conhecesse Deus e blasfema.
    Você agiu como um verdadeiro Cristão.

    Sua filha aprendeu como se comporta um homem de Deus.

    Que a paz de Cristo esteja sobre sua casa.

    Alexandre

  11. Lendo seu artigo, lembrei-me de um livro de Max Lucado “Todo dia é um dia especial” em que ele cita uma situação, parecida com a sua, ocorrida com o Acadêmico Matthew Henry:

    “Assim o fez Matthew Henry. Quando o famoso acadêmico foi cercado por ladrões e teve sua
    pasta roubada, ele escreveu em sua agenda: “Deixe-me agradecer, primeiramente, porque nunca fora roubado antes; segundo, embora eles tenham roubado minha pasta, eles não tiraram a minha vida; terceiro, embora eles tenham levado tudo que eu tinha no momento, não era muito; e, finalmente, porque fui eu que fui roubado, não quem roubou.”

    Eu imagino que a atitude que você tomou, face a situação, foi devido ao seu “condicionamento” pela Palavra de Deus. Pelo fato de que você esteve um grande período de tempo, envolvido com o projeto do seu livro, seu coração e a sua alma ficaram impregnados com aquilo que a Palavra de Deus ensina sobre o perdão e você “naturalmente” agiu de acordo com aquilo que você estava vivendo. Digo “naturalmente”, porque um homem guiado pelo Espírito Santo, age de acordo com a submissão à Deus e de acordo com os padrões estabelecidos em Sua Palavra. Assim que, creio eu, todo cristão deveria viver: Imerso na Palavra de Deus, em profundo estudo e oração, para que, quando ele passar por uma situação extrema, ele revele seu verdadeiro caráter. Aqueles que amam à Deus e Sua Palavra resplandecerão como luz e revelarão em suas vidas, a face de Cristo. Já queles que negligenciam essas coisas, agirão movidos pela sua carne e concupiscência.

    “Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne”.
    (Gálatas 5:16)

    Grande abraço.

  12. Lucelio Antonio da Silva disse:

    Lendo sua experiência, lembrei-me de um episódio ocorrido comigo numa quinta-feira de 2007 (tinha dois anos de convertido).
    Após algumas horas num hospital municipal visitando os enfermos com alguns irmãos (era rotina em um dia da semana), à noite fui ao ensaio do coro que integrava e, radiante com o trabalho já realizado naquele dia, ao estacionar na porta da igreja, fui assaltado por uma dupla. Levaram a carteira com documentos, cartões, algum dinheiro e o veículo.
    Na hora da abordagem pensei em falar de Jesus para o assaltante que mais se aproximou, mas pensei bem e não o fiz. Entreguei a chave e demais pertences. Ao arrancarem com o veículo, mais nervosos do que eu, levantei os braços ao céu, agradeci a Deus por ter ficado, e orei pela dupla com o mesmo sentimento que o seu: eles estavam em situação bem pior do que a minha.
    No dia seguinte o veículo foi localizado abandonado num estacionamento de um supermercado próximo.
    Naqueles dias vivi experiências inesquecíveis, culminando com a conversão do meu filho no domingo. A propósito, foi ele quem depois me indicou o amigo Mauricio Zágari com os seus inspirados textos.

    A paz do Senhor!

  13. Manoel Antonio da Silva disse:

    Olá, Maurício
    No dia que você publicou esse texto, também tive a minha bicicleta roubada( a um custo de R$800,00). Fiquei desapontado no momento. A gente nunca “acredita” na hora. É a 3ª ocorrência. Mas tive uma estranha tranquilidade e um sentimento de dó de quem a levou.
    Refletindo comigo mesmo entendi que dó não era o melhor sentimento, mas sim a compaixão seria melhor, mesmo que eu não entendesse bem no momento. Quem a furtou provavelmente não iria usá-la para ir ao trabalho ou uso pessoal, mas vendê-la a preço de “banana” para aquisição de drogas. Conclui isso devido a região onde ocorreu o fato.
    Foi uma surpresa seu post.
    São essas coisas simples que acontecessem na vida e que não são tão simples assim, que precisam nos confrontar com o Evangelho.
    Obrigado por ter a coragem de dividir conosco sua experiência e sabedoria de vida.
    Que Deus nos ajude.
    Manoel.

  14. Greize disse:

    Graças a Deus não aconteceu nada com vocês.Não sabemos o motivo..mas que bom que todos sairam sem ferimentos.

  15. Erick Oliveira disse:

    Saudades de suas reflexões. Assumo total irresponsabilidade pela “não leitura”, pois sei o quanto me edifica.

    Da mesma forma que pedimos “paciência Senhor”, acredito que mais paciência Ele nos concede. Mas de uma forma que nos faça realmente ter mais paciência. Não apenas de nos livrar de algo.

    Vivenciei algo parecido em relação a ganância, estava em minhas orações pedindo para que Deus me livra-se e me ajudasse a melhorar nessa minha falha. E a melhor forma de aprender (acredito eu) é colocando em pratica, logo.. o Senhor me provou para que eu fosse menos ganancioso. E para honra e Glória dEle, eu aprendi e estou aprendendo.

    Deus abençoe querido irmão.
    Um forte abraço!

  16. Edna Mayo disse:

    Querido irmao Mauricio. Este foi seu primeiro assalto e gracas ao bom Deus, com Jesus em seu coracao. Eu sofri dois assaltos a mao armada na Praca Saez Pena, Tijuca antes de conhecer Jesus e por incrivel que pareca eu nao fiquei nervosa, nao xinguei e nao amaldicoei. O primeiro foi em um onibus e o assaltante foi jogado pra fora com chutes de um lutador que ja o conhecia, gloria a Deus. O segundo, a pessoa me esperou ao lado do meu predio e, quando eu entrei no carro e desliguei o alarme ele abriu a porta e mandou que eu sentasse no assento do carona e comecou a dirigir apontando a arma no meu pescoco e fomos ate a rodoviaria onde ele me deixou avisando que se eu procurasse a policia eu nao saberia o caminho de casa porque tinha gente me vigiando. Eu ate tive o sangue frio de comentar que ele nao tinha cara de ladrao e ele respondeu dizendo que so iria fazer um “servicinho” e depois devolveria o carro. Ainda me pediu dinheiro pra colocar gasolina e comeu da pipoca que eu tinha acabado de fazer pra levar para os colegas de trabalho. Uma semana depois a policia foi na minha casa me buscar porque acharam o carro aberto, com a chave na ignicao e sem nenhum arranhao em vila Izabel. Da’ pra acreditar? Que livramento hein? Bom, fora isso sofri muitos assaltos o que acabou me fazendo mudar para a America, este pais maravilhoso. E com Jesus ao meu lado sigo feliz e perdoando tambem assim como voce fez. Fica com Deus.

  17. Mateus Alcântara disse:

    Zágari, passei por algo parecido. No mês passado, fui assaltado num ônibus e o ladrão levou meu celular. Ele apenas me assaltou, pois sentei-me no fundo e o ônibus estava vazio. Enfim, me indignei, mas a paz que eu estava sentindo antes do ocorrido (estava na igreja com alguns irmãos em Cristo) foi maior que a indignação. Cheguei em casa e a primeira coisa que fiz foi orar pelo ladrão. Pedi: “Senhor, perturbe a consciência daquele ladrão, dê-lhe arrependimento e traga-o pra Cristo”. Orei assim nos dias seguintes. Lendo seu post, lembrei-me que havia parado de orar por ele – não por ódio, mas por esquecimento mesmo, tanto dele quanto do ocorrido.
    Paz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s