Arquivo de dezembro, 2014

boneca 1Sei que confessar isso não fará bem à minha imagem de machão brasileiro, mas a verdade é que eu brinco com bonecas. Tudo bem que não é uma atividade solitária ou espontânea: eu só brinco com bonecas, panelinhas, cozinhas de plástico e afins quando minha filha me chama para isso. Como amo brincar com ela, perco todos os pudores masculinos e me torno a voz e a alma da Dudinha, da Lalá, da Giulia, da Bailarina, da Branca de Neve e de muitas outras bonecas que fazem parte do universo lúdico da minha pequenininha. Recentemente, em uma dessas brincadeiras, eu me peguei reparando um aspecto que não havia notado antes: bonecas são perfeitas. Já percebeu que nenhum fabricante faz bonecas de pessoas com problemas genéticos, obesas, deficientes ou amputadas? Quando esse pensamento invadiu minha mente, me fiz uma pergunta que pode soar bem sui generis: por que não se fabricam bonecos de pessoas que fujam dos padrões da chamada “normalidade”, como… anões? Isso mesmo, poderia haver, por exemplo, uma boneca da Princesa Elsa, de Frozen, retratada com um dos 200 tipos de nanismo já identificados pela medicina. Após alguma reflexão, acredito que a resposta a essa pergunta inusitada fala muito sobre como nós, seres humanos, somos.

Em princípio, você pode achar bizarro o meu questionamento. “Ora, Zágari, é óbvio que ninguém fabrica bonecos de anões!”. Bem, na verdade não é algo tão óbvio assim, se levarmos em conta a estimativa de que existem cerca de 175 mil anões sobre a face da terra – um número expressivo de seres humanos. Poderíamos ir além: que tal as fábricas de brinquedos lançarem uma linha de bonecos com deficiências visuais? “Zágari, para, tá ficando doido?!”. Bem… pesquisas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que existem no planeta cerca de 75 milhões de pessoas cegas e mais de 225 milhões de portadores de baixa visão, isto é, incapazes de desempenhar grande número de tarefas cotidianas devido à deficiência visual. E poderíamos seguir adiante, mostrando como a população da terra é composta por pessoas cheias de deficiências, disfunções e problemas. Eu mesmo sofro de fibromialgia, síndrome que, acredita-se, afeta 5% da população mundial – nada menos de 350 milhões de pessoas, quase o dobro do número de habitantes do Brasil.

O que isso mostra? Que dos 7 bilhões de habitantes dessa esfera flutuante em que vivemos, a maioria tem algo que as torna “imperfeitas”. No entanto, as bonecas são todas perfeitas. Barbie não tem uma única celulite, imagino que nem mau hálito deva ter. Ken, seu companheiro apolíneo, tem os dentes brancos, sem tártaro algum, não sofre de dores nas costas e imaginá-lo calvo seria uma heresia. A Giulia, uma boneca quase anatomicamente perfeita de uma neném, é loirinha, com olhos azuis, rechonchudinha e nunca experimentou desidratação, diarreia, viroses ou alergias. Que dizer, então, da Branca de Neve, essa musa morena das passarelas, que desconhece o que seja miopia, hérnia de disco, obesidade, intolerância a lactose ou lúpus. Bonecas são perfeitas: essa é a constatação e ponto final.

A pergunta é: por quê?

masks 1Por que quando o ser humano tem a possibilidade de brincar de Deus e fabricar à sua imagem e semelhança pequenos seres humanos de plástico, látex, pano e borracha, escolhe fabricar logo indivíduos sem nenhuma falha, incólumes, esplendorosos, algo como Adão e Eva antes da Queda? A resposta é simples: não gostamos de nossas imperfeições. Bem… até aí tudo bem, eu não gosto mesmo dos pecados que cometo, assim como o apóstolo Paulo também reconheceu que fazia o mal que não queria e não ficava nada feliz por isso. Mas a coisa vai além de “não gostar”: nós buscamos sempre esconder as nossas imperfeições. E esse é o xis da questão.

Eu e você apreciamos nos apresentar da melhor forma possível. Ressaltamos nossas qualidades e tentamos esconder do mundo nossos erros e fraquezas. Recentemente andou rolando pelas redes sociais uma corrente de mulheres que se desafiavam a publicar fotos sem “make” (maquiagem), como se isso fosse uma tarefa terrivelmente desafiadora. Ou seja: mostrar que elas são quem são foi considerado um desafio, uma ousadia, uma quebra de paradigma. Que percepção interessante! Fato: escondemos ao máximo quem na realidade somos. Não confessamos que soltamos pum, tiramos meleca e cheiramos mal sem a ajuda de produtos químicos como perfumes e desodorantes. A humanidade busca sempre ocultar o que tem de pior.

E até aqui só falei de questões físicas. Mas, para o evangelho, o que mais importa não é o corpo, é o coração.

maks 2O ponto é que Cristo nos desafia a sermos transparentes, sinceros, honestos. A abrirmos o peito e confessarmos a Deus o que há de mais negro, pútrido e fétido em nossa alma, em nossos pensamentos e atos, em nossas palavras e omissões. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo 1.9). “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” (Pv 28.13). Sim, Deus nos chama para a absoluta transparência. Se tentarmos esconder quem somos, estaremos incorrendo naquilo que Cristo criticou nos fariseus: hipocrisia. Falsidade. A tentativa de nos apresentarmos como super-humanos, algo que jamais seremos; é mentira, pura e simples.

Reconheçamos nossas falibilidades, meu irmão, minha irmã. Esse é o único caminho para o perdão e a restauração. E, além disso, não fingir uma aparente ultrassantidade serve de exemplo para os que nos cercam, que se tornarão mais honestos consigo mesmos e com os demais. Por que fingir ser quem você não é? Por que se fazer de mais santo do que de fato é? Seja quem sua alma é e não quem você deseja que o mundo veja que você é. Pois a proposta de viver de máscaras nos remete ao pensamento do filósofo Maquiavel em sua obra clássica O Príncipe: “O importante não é quem você é, mas quem os outros pensam que você é”. O que, do ponto de vista bíblico, é o oposto do que Jesus deseja.

cruzPermita-me fazer uma pergunta: se você fosse fazer um boneco de si mesmo, como ele seria? O meu teria barriga grande, pele oleosa, fibromialgia, pé cavo, cabelos brancos nascendo em profusão, pernas arqueadas; isso só para falar do exterior. Se fabricassem bonecos que se pudesse apertar um botão nas costas e ele revelasse o que vai dentro do coração, o meu seria chato, egoísta, pedante, mau, depravado… um ser humano completo, típico espécime da era pós-adâmica. Meu irmão, minha irmã, somente o reconhecimento diante de Deus de quem nós verdadeiramente somos faz de nós cristãos autênticos, do tipo que não tem coragem de olhar para o céu, mas que bate no peito e diz: “Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador…” (Lc 18.13). Encare de frente quem você é. Assuma suas falhas. Pois, se o fizer, terá dado o primeiro passo para que Deus enxergue além delas e veja não as suas sombras, mas a luz do Cordeiro. Jesus tomou sobre si, na cruz, toda a sua maldade. E, se, em vez de escondê-la, você a reconhecer, confessar e lançá-la sobre essa mesma cruz… as portas da graça estarão abertas para você.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

post apenasFui convidado a pregar em uma igreja, no Rio de Janeiro, onde compartilhei uma mensagem acerca da urgência de perdoar e se perdoar, como venho fazendo em muitas igrejas desde o lançamento do meu livro “Perdão Total – Um livro para quem não se perdoa e para quem não consegue perdoar”. Ao final do culto, estava planejado um momento para confraternizar com os irmãos e escrever dedicatórias a quem tivesse adquirido a obra na livraria do local. E assim aconteceu: ministrei a palavra, o culto terminou e me sentei a uma mesa, onde haviam posto exemplares do livro. Ela ficava localizada junto a uma janela que dava para a rua. Foi quando tive a experiência que me levou a esta reflexão. Eu estava trocando ideias com os irmãos e escrevendo dedicatórias nos livros quando reparei em uma senhora que estava parada na calçada, debaixo de chuva fina, do lado de fora da igreja. Ela me chamou especial atenção pelo seu jeito: solitária, séria, meio deslocada, olhando atenta para dentro do prédio, com uma atitude nitidamente diferente da dos irmãos e irmãs que conversavam animadamente à porta… algo nela captou meu olhar. Na foto que abre este post você pode vê-la, de óculos, atrás de uma esquadria preta da janela. Senti um impulso muito forte de conversar com aquela senhora, por isso levantei-me da mesa, pedi licença aos manos que estavam ao meu redor e caminhei para a rua. Parei ao lado dela e comecei a puxar papo.

Assim que ela falou a primeira palavra, notei de cara que estava bastante alcoolizada. O cheiro de cerveja era bem forte e sua fala estava arrastada, com palavras mal articuladas. Ainda assim, consegui entabular uma conversa. Comecei perguntando seu nome [que manterei em sigilo, vou chamá-la apenas de Maria]. Eu, então, me apresentei e indaguei se ela tinha acompanhado o culto, mesmo ali da rua. Ela me respondeu que estava no bar que fica exatamente ao lado da igreja, imersa em cerveja, quando começou a escutar a mensagem, o que a fez se levantar e ficar do lado de fora, mas sem coragem de atravessar a porta. Dali, não conseguia escutar muito bem a pregação. Que pena. Perguntei por que ela não tinha entrado e Maria respondeu que “não se sentia digna” de entrar no santuário. A meu pedido, aquela senhora passou a me relatar sua vida. Ela tinha sido membro justamente de uma das igrejas da denominação em que congrego. Por desavenças com pessoas da igreja e conflitos dentro da congregação que frequentava, acabou se afastando da comunidade de fé, desistindo de ir aos cultos e  se entregando a uma vida de pecados. Em resumo, ela tornou-se a típica “desviada”.

Confesso que meu coração sangrou ao ouvir sua história. Vi aquela preciosa vida ali, entregue às futilidades da existência, machucada por filhos de Deus, ouvindo o chamado do Pai, mas… sentindo-se indigna de entrar no santuário. Comecei, então, a lhe falar do amor de Cristo e da paz que só ele pode dar, do perdão e de tudo o que a entrega de uma vida a Deus realiza. Ela escutou atentamente. Ao final, perguntei se não gostaria de restabelecer os vínculos com Jesus, mas ela deu uma resposta que é muito comum ouvirmos:

– Primeiro eu preciso ficar limpinha… minha vida tá toda errada…  eu estou imunda…

sujeiraAquelas palavras foram como um soco no meu estômago. Tentei argumentar, explicando que Deus é quem limpa e purifica, mas ela fincou pé. Por saber que não é o homem quem convence do pecado, da justiça e do juízo, mas o Espírito Santo, perguntei, então, se não gostaria que orasse por ela. Mas Maria mostrou-se refratária. Parecia que estava se sentindo tão suja na alma que qualquer coisa relacionada à pureza divina a fazia se sentir indigna. Diante de sua recusa, compartilhei algumas palavras mais sobre Cristo e terminei dizendo que ele a estava esperando de braços abertos, independente de ela não estar “limpinha”. Ao me despedir, ela olhou fundo em meus olhos e segurou minha mão. Não disse palavra alguma. Apenas ficou ali, me olhando por longos segundos. Depois virou-se e foi sentar-se à mesa do bar. Eu retornei para a igreja e continuei com as dedicatórias nos livros.

Quando chegou a hora de ir embora, minha esposa foi pegar-me de carro. Abracei os irmãos e entrei no banco do carona. Foi quando olhei para o bar e vi que Maria permanecia sentada e olhava para mim pela janela do veículo com um olhar fixo. Partimos e fomos embora, mas notei que aquele par de olhos me seguiu enquanto o automóvel se afastava. Eu sei que, na verdade, aquela senhora não estava olhando para mim, mas para o que eu representei naquela noite: palavras de pureza, em Cristo.

sujeira 2Maria é uma em meio a uma incontável multidão. Você encontra milhões de marias pelas ruas, pelos shoppings, na escola, na faculdade, no trabalho, na sua família. Maria convive conosco, diariamente, e, muitas vezes, não a enxergamos. É invisível à nossa insensibilidade espiritual. Em todo o planeta há pessoas que se encontram distantes de Cristo e, por isso, buscam paz e felicidade em montes de coisas que não preenchem. Mortos na putrefação dos delitos e na imundice do pecado, sabem que precisam de algo, que não entendem bem o que seja; algo que sopre vida em suas almas e encha seus lábios mortos de sorrisos de alegria. Algo que as purifique e as faça ficar “limpinhas”. Nós sabemos que esse algo, na verdade, é alguém. E que ele não espera que vão ao seu encontro pessoas “limpinhas”: quem ele mais busca abraçar são as imundas.

Maria não quis o abraço de Cristo aquela noite. Eu fiz o meu papel: proclamei a salvação, a paz, o caminho, a verdade, a vida. Ela não quis receber nada daquilo naquele momento, embora estivesse absurdamente sedenta de tudo o que lhe apresentei. Sua alma, suja e malcheirosa pelo pecado, berrava, clamando por socorro, limpeza e purificação. No entanto, o sentimento de inadequação foi mais forte. Isso ocorre muito e é um alerta para nós: precisamos mostrar aos filhos pródigos que a casa do pai não os aguarda com castigos e recriminação, mas com festa, um anel no dedo e roupas novas e limpas. Temos de incluir em nossa proclamação das verdades sagradas que o evangelho é para os bêbados, os depravados, os assassinos, os ladrões, os corruptos, os indignos. Cristo não busca os purificados; ele purifica os que busca.

Sabe… Jesus veio à terra acostumado à imundície. Um aspecto interessante do Natal é que, geralmente, ao vermos presépios, o que encontramos são representações de estrebarias como lugares bonitinhos, com uma estrelinha no topo e bichinhos fofinhos rodeando um menino Jesus limpinho. Só que não foi assim o primeiro Natal. Um bebê nasce sujo dos líquidos corporais da mãe. Para ser limpo, imagino que Jesus deva ter sido lavado com a água destinada a ser bebida pelos animais (que outra água há numa estrebaria?). E o ambiente não era nada fofo: se você já visitou estábulos em hotéis-fazenda ou outros lugares similares, sabe que cheiram mal, têm fedor de estrume, xixi de vaca e muitas moscas. Então entenda: Jesus veio ao mundo num local imundo, indigno, insalubre. Os primeiros cheiros que nosso Deus sentiu na vida terrena foram de excremento e urina de animais. Insetos devem ter pousado em seu rostinho com as patas salpicadas daquilo em que eles gostam de pousar. Meu irmão, minha irmã, Cristo sabe o que é sujeira. Ele viveu desde o nascimento em contato direto com a sujeira. Ele conhece o cheiro de podridão. E entende o que é o fedor da miséria humana.

sujeira 3A boa notícia é que, ao subir aos céus, Jesus ascendeu com um corpo glorificado, incólume, sem sujeira ou mancha alguma. Puro. Digno. Limpo. Em paz. E isso é um sinal para nós. Neste Natal, busque as marias que você conhece, do jeito que elas estiverem, sujas e malcheirosas pelo fedor do pecado, e diga-lhes que, se elas não se sentem “limpinhas”, Deus tem para elas uma glória maior do que tudo o que se pode supor e imaginar. O Pai tem para elas pureza. Dignidade. Limpeza. E paz.

Faça isso e o Natal ganhará um significado totalmente novo em sua vida. E, mais ainda, na das milhões de marias que estão por aí, apenas esperando que alguém como você as conduza à fonte purificadora da água da vida. “Quem tiver sede, venha; e quem quiser, beba de graça da água da vida” (Ap 22.17).

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

compartilhar 1Desde que retornei ao facebook, tenho visto com frequência aquele tipo de postagem em que o autor escreve coisas como “Se você gostou, compartilhe”, “#Compartilhe”, “Se achou o animal escondido na foto, compartilhe”. Confesso que me soa bastante estranho isso, pois entendo que o gesto de se compartilhar algo que você considera abençoador ou edificante deve ser espontâneo, uma atitude voluntária de alguém que julga que vale a pena compartilhar determinada postagem do facebook. Compartilhar porque alguém mandou é mais ou menos como aqueles momentos constrangedores na igreja, em que quem está conduzindo o culto nos diz para virar para o lado e dizer a pessoas que não conhecemos frases como “eu te amo” ou algo do gênero. Confesso que o faço com certo embaraço, pois penso que demonstrações de amor e similares não têm valor algum se não forem espontâneas. Por isso, é incômodo quando alguém de certo modo “manda” que compartilhemos algo nas redes sociais. Pensar sobre isso me fez refletir sobre o ato de compartilhar como um todo, em diferentes âmbitos da vida.

Compartilhar faz parte da caminhada cristã. A expressão máxima da importância desse gesto encontramos na celebração da Ceia, quando compartilhamos o pão e o vinho. Muitos acham que a Ceia resume-se à ingestão desses elementos, mas não é verdade: a beleza do memorial do sacrifício de Cristo está no fato de que o fazemos em comunidade, no meio do grupo, o que demonstra um sentimento de coletividade, de corpo. Membros de um corpo precisam estar conectados, senão o que temos é uma aberração, um corpo desmembrado. Assim, a Ceia é muito mais do que ingerir pão e vinho: é fazê-lo de modo compartilhado.

compartilhar 2O evangelho nos manda compartilhar o tempo todo, mas sempre de modo voluntário. Jesus elogiou a senhora que compartilhou suas poucas moedinhas com o templo. A descrição da Igreja primitiva mostra como seus membros compartilhavam de coração tudo o que tinham: “Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham” (At 4.32). Quando Ananias e Safira mentem ao Espírito Santo no compartilhar daquilo que venderam, seu senso de “obrigação” é considerado pecado e acaba provocando a morte de ambos. Ao escrever aos cristãos de Roma, Paulo revela uma disposição voluntária de espírito ao dizer: “Anseio vê-los, a fim de compartilhar com vocês algum dom espiritual, para fortalecê-los” (Rm 1.11). Já aos crentes de Corinto, o apóstolo mostra-se esperançoso de que eles compartilhem de seu sentimento (repare que ele não impõe, mas anseia, o que demonstra que ele espera uma atitude espontânea): “Estava confiante em que todos vocês compartilhariam da minha alegria” (2Co 2.3). Mais do que tudo, compartilhar é um gesto de generosidade e, por definição, generosidade é algo que ocorre sem obrigações: “Por meio dessa prova de serviço ministerial, outros louvarão a Deus pela obediência que acompanha a confissão que vocês fazem do evangelho de Cristo e pela generosidade de vocês em compartilhar seus bens com eles e com todos os outros” (2Co 9.13).

Devemos compartilhar. O quê? Tudo o que for possível. Compartilhar nossos bens com os que têm menos, compartilhar nossas alegrias com quem conosco se alegra, compartilhar nossas tristezas em busca de consolo, compartilhar o evangelho por amor aos perdidos, compartilhar nosso tempo com quem precisa de nós, compartilhar nossos momentos com o Deus que gosta de conversar conosco, compartilhar esperança com os abatidos, compartilhar a paz que temos com os atribulados. Cristo compartilhou a vida eterna conosco, é importante lembrarmos. Mas tudo isso deve ter como única motivação um coração generoso e uma disposição voluntária. Eu ousaria parafrasear a famosa passagem de João 3.16-17 e apresentá-la de uma outra perspectiva, dizendo que Deus tanto amou o mundo que compartilhou com esse mesmo mundo seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus compartilhou seu Filho com o mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele.

Perceba o que motiva Deus a compartilhar conosco o seu Filho: “tanto amou o mundo”. Amor. E amor não se impõe.

compartilhar 3Acho muito estranho mandar que alguém compartilhe algo, simplesmente porque, em essência, compartilhar implica em iniciativa própria. Por isso, por exemplo, nunca pedi a ninguém que compartilhasse no facebook o que posto. Tudo bem que criei minha página nessa rede social somente há poucas semanas, então deixe-me pegar este blog como exemplo. Desde que criei o APENAS, em maio de 2011, nunca pedi a nenhum leitor que compartilhasse com ninguém os textos que aqui escrevo. Embora haja ao final de cada post um botão de “compartilhar no Facebook” a postagem (inserido automaticamente pelo WordPress, não por mim), jamais solicitei a ninguém que o fizesse, tampouco pedi a nenhum assinante que enviasse por e-mail para os seus amigos os posts que recebem. Também nunca pedi a quem quer que fosse que se tornasse assinante do blog.

E há em meu coração uma razão clara para isso: desde o nascimento do APENAS, oro constantemente a Deus para que as reflexões que aqui compartilho por amor só sejam compartilhadas pelos leitores com seus amigos se for igualmente por amor a eles, mediante o toque do Espírito Santo. Jamais quero que seja algo imposto,  forçado ou solicitado. Se não fosse assim, minha escrita não seria feita por amor a você, que me lê; e o seu compartilhamento do que escrevo não seria feito por amor às pessoas que você deseja que leiam os textos. Abençoar não pode nunca ser uma decisão imposta. Abençoar é um gesto voluntário de amor. Por isso, se posso pedir algo é: por favor, jamais compartilhe qualquer post do APENAS pelo facebook, por e-mail ou pelo meio que for se você não tiver como motivação amor e desejo voluntário e sincero de abençoar.

cor 8Do mesmo modo, recomendo que você jamais compartilhe absolutamente nada por obrigação. Compartilhe sempre com um coração generoso – sejam sentimentos, sejam bens, sejam palavras, seja tempo, seja sua companhia, seja o que for. Pois esse é um princípio bíblico: “Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria” (2Co 9.7). Devemos compartilhar alegres; jamais contrariados. E, nesse sentido, precisamos estar constantemente em sintonia com o Senhor, por meio de oração e do estudo das Escrituras. Pois, assim, teremos intimidade com ele e, naturalmente, a generosidade que Deus carrega em si se manifestará em nós e por meio de nós.

Compartilhe essa ideia. Se quiser, é claro, e não porque eu te disse para fazer isso.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >

Perdaototal_Banner Blog Apenas

 

cor 1Nós podemos tocar profundamente o coração de Deus. Cada vez mais, minhas experiências de vida, associadas ao que vejo nas Escrituras, têm me mostrado com mais e mais clareza a essência do nosso Pai – o modo como ele pensa, age, sente e se move. Como já compartilhei em diversos posts aqui do APENAS (como ESTE), as circunstâncias que mais têm me ajudado a enxergar em profundidade e intimidade o ser divino, nos últimos anos, são as ligadas à paternidade. É impressionante como ser pai nos faz entender melhor o Pai. Recentemente vivi com minha filha de 3 anos mais uma situação que me fez experimentar um lampejo daquilo que Deus vive conosco, seus filhos. Permita-me compartilhar, na esperança de que este relato de algum modo edifique você.

Nas últimas duas semanas, eu e minha esposa tivemos de enfrentar um mal até então desconhecido para nós: nossa filha pegou pneumonia. Assim que soube do diagnóstico, fiquei bem preocupado, pois, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), essa é a doença que mais mata crianças menores de 5 anos em todo o mundo, e chega a ser responsável por 18% do total de mortes nessa faixa etária. Imediatamente pedi orações a minha rede de intercessores e a levamos ao hospital. Radiografia feita, exames concluídos, iniciamos rigorosamente o tratamento, que inclui antibióticos bem fortes. De início não houve muito efeito e minha filha chegou a ter uma infecção no ouvido direito, que a fez sentir muita dor. Após nova ida aos médicos, a dose do antibiótico teve de ser aumentada e recebemos a recomendação: pôr uma compressa quente algumas vezes por dia, durante vinte minutos, sobre o ouvido afetado. Assim começamos a fazer e, felizmente, a pequenininha começou a melhorar.

Na quinta-feira passada, ela foi liberada para voltar à escola, ainda sob certos cuidados: nada de tomar banho quente e ficar no vento, evitar tomar gelado, fugir do ar-condicionado, não fazer natação, esse tipo de coisa. E, claro, os antibióticos e a compressa se mantiveram no cardápio diário. Justamente nesse dia eu tinha de levá-la ao colégio. Dei o remédio sem problemas e chegou a hora de pôr a compressa aquecida sobre o ouvido. E aí começou o drama. Com sono e irritadiça, a pequena não queria de jeito nenhum deixar que eu pusesse a compressa. Com voz chorosa e birrenta, começou a dizer que estava quente demais, que não conseguia ouvir, que não queria e tudo aquilo que uma criança diz quando não quer algo. A hora passava, chegou o horário limite para sair de casa a tempo de levá-la, voltar e começar a trabalhar e eu ainda estava ali, tentando convencê-la na base do diálogo a pôr a bendita compressa. Mas nada adiantava: era manha, birra e desobediência; ela se revirava no sofá, deixava a compressa cair no chão, gemia com voz chorosa, resmungava… ufa! Se você é pai ou mãe sabe do que estou falando. Chegou um momento, então, em que, totalmente exausto, tive de dar um basta. Virei para minha filha e disse algo mais ou menos assim:

– Filha, isso é para o seu bem. Mas eu não vou ficar aqui discutindo com você, pois tenho responsabilidades e precisamos sair. Já passou da hora. Você não quer pôr a compressa, ok, não ponha, mas saiba que a sua decisão pode fazer você ficar com dor. Se é isso que você quer, vai ter de arcar com as consequências da sua escolha. Eu vou me arrumar para sairmos e estou muito triste com o que você fez. Amo você, mas a sua desobediência é errada e pode te prejudicar. A sua atitude me entristeceu muito.

Dito isso, saí da sala bastante irritado e fui para o quarto me vestir. Eu estava bem chateado, tanto pela desobediência dela quanto pelo fato de não ter conseguido tratá-la corretamente aquela manhã. Passados uns cinco minutos, eis que a pequenininha aparece à porta, se arrastando junto à parede (como costuma fazer quando percebe que pisou na bola) e, com voz bem baixinha e em tom normal, sem choro, sussurrou alguma coisa que não compreendi. Parei o que estava fazendo e, meio irritado, pedi que repetisse, pois eu não tinha conseguido ouvir. Ela chegou mais perto e disse:

– Papai… eu queria dizer uma coisa. Mas não briga comigo, tá?

Minha vontade, de tão irritado que eu estava, era falar algo do tipo “como é que eu não vou brigar com você, você desobedeceu, blablablabla…”. Naquela hora, eu só pensava em discipliná-la, pelo cansaço que me dera e pelas atitudes erradas que optou tomar. Meio sem paciência, respondi:

– Tá bem, o que é?

Foi quando ela disse as três palavras que tocaram profundamente o meu coração.

– Estou arrependida… Desculpe…

puss in bootsAssim, com essas exatas palavras. Consegue imaginar uma criancinha de três anos dizendo isso para você com aqueles olhinhos de gato de botas do Shrek e totalmente sincera naquilo que diz? Naquele momento, foi como se toda a irritação evaporasse por completo e eu fosse transportado a um patamar completamente diferente da realidade. Ainda estava triste porque não havia mais tempo para pôr a compressa e não queria que ela piorasse, mas a minha reação diante daquelas palavras não foi de brigar, reclamar, passar uma descompostura, nada disso: eu fui inundado de amor. Caminhei até minha filha, a peguei no colo e disse:

– Bebê, é claro que papai te desculpa. E tem mais: estou profundamente orgulhoso do que você acabou de me falar. Você fez a coisa certa. Quando a gente percebe que errou, o que tem de fazer é exatamente o que você fez: se arrepender e pedir perdão. Infelizmente, sua desobediência terá consequências, pois não temos mais como pôr a compressa e isso pode fazer você sentir dor. Mas parabéns por reconhecer que errou, pelo arrependimento e pelo pedido de desculpas, estou muito feliz que você tenha dito isso.

A enchi de beijos e abraços e confesso que fiquei tão feliz pela postura dela de reconhecer o erro, confessá-lo e pedir perdão que devo ter dito umas cinquenta vezes que estava muito orgulhoso dela daquele momento até chegarmos à escola.

cor 3O rei Davi errou no episódio de Urias e Bate-Seba. Mas, quando ele se deu conta do erro, a Bíblia relata que ele imediatamente se arrependeu e confessou o pecado: “Então Davi disse a Natã: ‘Pequei contra o Senhor!’” (2Sm 12.13). Repare a resposta que o profeta Natã lhe deu apenas um segundo depois: “E Natã respondeu: ‘O Senhor perdoou o seu pecado. Você não morrerá'”. Fico imaginando Deus olhando aquela situação. O coração do Senhor deve ter sangrado ao ver as ações de Davi durante o processo do adultério e do complô para assassinar Urias. Deus amava aquele homem, mas as atitudes dele despedaçaram o coração do Pai. Ele esperava que Davi fosse obediente e amoroso, mas seu filho foi desobediente, birrento e fez coisas que prejudicaram não só os demais envolvidos, mas, acima de tudo, a si próprio. Creio que a experiência que tive com minha filha me fez compreender com mais clareza o que o Senhor sentiu diante das atitudes de Davi – que, imagino, é o que ele sente sempre que o desobedecemos. Mas também consigo me identificar com o que aquele Pai entristecido sentiu quando o filho se arrependeu e disse “Pequei contra o Senhor!”. Que linda confissão! Consigo ver o Pai pegando Davi nos braços, o enchendo de beijos e abraços e dizendo:

– Bebê, é claro que papai te desculpa. E tem mais: estou profundamente orgulhoso do que você acabou de me falar. Você fez a coisa certa. Quando a gente percebe que errou, o que tem de fazer é exatamente o que você fez: se arrepender e pedir perdão. Infelizmente, sua desobediência terá consequências, pois terei de trazer seu filho para junto de mim e isso pode fazer você sentir dor. Mas parabéns por reconhecer que errou, pelo arrependimento e pelo pedido de desculpas, estou muito feliz que você tenha dito isso.

cor 4Se você peca, meu irmão, minha irmã, o caminho é um só: Arrependimento (“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para que sejam apagados os vossos pecados” – At 3.19) seguido de Confissão, que significa assumir a culpa (“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” – 1Jo 1.9) e o estabelecimento de um Firme propósito de não mais pecar (“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” – Pv 28.13).  Em outras palavras:

– Estou arrependido… Desculpe…

Se você fizer isso com a sinceridade de uma criança, pode ter certeza absoluta de que a reação do Pai, motivado por um profundo sentimento de amor em seu coração divino, será tomar você nos braços, enchê-lo de beijos e dizer:

–  Papai perdoou o seu pecado.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor >
Perdaototal_Banner Blog Apenas

 

 

dentes 1Meus dentes são amarelados. Não é muito comum as pessoas saírem por aí alardeando os próprios defeitos, mas não tenho como fugir deste fato: meu sorriso está mais para aquela cor de sol pálido em dia de chuva do que para boca de modelo de propaganda de creme dental. E há uma explicação para isso: meu gosto por café. Sim, eu amo café e tomo muitas xícaras por dia. Apesar do grande prazer que esse hábito me proporciona, ele traz o efeito colateral de, pouco a pouco, tingir a arcada dentária. Meu processo de tingimento dentário começou quando eu trabalhava em televisão e desenvolvi o hábito de tomar café de uma máquina posicionada em um local da emissora onde os colegas ficavam batendo papo ao final do horário de almoço. Portanto, foi a influência dos meus companheiros de trabalho que acabou fazendo de mim um apreciador dessa bebida. Todos os dias o almoço terminava e, como forma de fazer parte do grupo, eu ia para junto da bendita máquina, onde acabava tomando um copo daquele café fortíssimo. No começo nada aconteceu, mas, aos poucos, meus dentes foram ganhando ares amarelados, sem que eu me desse conta.

Finalmente, anos depois, percebi que meu sorriso não brilhava, mas, sim, assustava. Decidi, então, fazer um clareamento, em 2009. Aplicações a laser deixaram, em um curto período de tempo, minha arcada alva mais que a neve. Os amigos chegaram a comentar, tão grande foi a diferença. Eu parecia ter sido photoshopado.

dentes 0Mas, então, a vida seguiu e continuei tomando café. Ganhei de presente de minha esposa uma máquina de Nespresso, que faz cafés deliciosos enquanto tinge os dentes impiedosamente. O resultado: cinco anos depois de ter meu sorriso totalmente branqueado, voltei a ficar com dentes bastante maculados. Estava pensando sobre isto hoje, enquanto escovava os dentes: se o café mudasse radicalmente a coloração dentária após uma única ingestão, provavelmente tomaríamos todo o cuidado do mundo para não beber café – afinal, o impacto da mudança brusca seria grande. Mas, como o processo acontece devagar, xícara após xícara, ao longo de muito tempo, não nos damos conta, relaxamos e, assim, agimos como grandes pichadores dos próprios dentes.

O processo que um cristão sincero percorre quando passa a viver uma vida de pecados sem arrependimento é parecido. Entenda que todo cristão peca, diariamente. Não existe ser humano totalmente isento de pecado, mesmo entre os discípulos de Cristo. “Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. […] Se afirmarmos que não temos cometido pecado, fazemos de Deus um mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (1Jo 1.8,10). O problema ocorre quando incorremos constantemente na mesma transgressão, sem nos arrependermos, sem a confessarmos a Deus e sem nos devotarmos com todas as forças a resistir a ela. É o que a Bíblia chama de “consciência cauterizada” (1Tm 4.2). Se você for analisar o processo que conduziu esses irmãos e irmãs a se enredar numa rotina de pecado sem arrependimento, na estrondosa maioria das vezes verá que não o fazem por “sem-vergonhice”, mas porque percorreram um lento caminho que tingiu suas almas com manchas amarelo-cor-de-pecado. Nenhum filho de Deus acorda de manhã e diz “Oba, hoje vou sonegar imposto!”, “Acho que hoje é um bom dia para desonrar meus pais”, “Estou com vontade de dar propina a um fiscal, onde será que encontro um para corromper?” ou “Estou tão a fim de ser soberbo!” Não é assim. A coisa acontece bem devagar.

Antes de eu começar a apreciar café, não dava muita atenção a essa bebida. Preferia Nescau. Mas, pouco a pouco, pelas circunstâncias do meu trabalho e das pessoas com quem eu convivia, fui me adaptando ao hábito. Um cristão que está imerso na prática de pecados sem arrependimento passa por algo semelhante. Vivia tranquilamente, sem que aquele erro fizesse parte de sua rotina. Aos poucos, as circunstâncias da vida o vão conduzindo àquilo, seja por algo que muda em seu cotidiano, seja por convivência com as pessoas erradas, seja por estar em uma situação nova que a influencia… as razões são muitas. Em comum há o fato de que as circunstâncias da vida começam a permitir que aquele pecado passe a se tornar uma possibilidade. Assim, dia após dia, o pecado vai se avolumando, se consolidando, pigmentando a alma daquela pessoa pouco a pouco, sem que ela perceba que está deixando de ser branca. A transgressão é como uma poluição silenciosa, que vai sujando o indivíduo paulatinamente. Até que, sem que se perceba, está todo sujo.

dentes 2Essa constatação nos leva a ver a importância de cortar o mal pela raiz. Para isso, é preciso estar sempre muito vigilante, a fim de detectar o início da “pigmentação” do pecado já de cara. Muito melhor do que ter de passar por aplicações a laser e noites inteiras com um molde cheio de química dentro da boca é evitar o hábito que vai prejudicar. O que isso significa na sua vida, em especial, você é que deve identificar. Se percebe que o amor ao dinheiro está começando a se tornar grande demais, tome atitudes que evitem que se torne ganância. Se vê que a sua vaidade já passou dos limites, mude as situações que a alimentam antes que ela se torne soberba ou arrogância. Se identifica que as intimidades com aquela pessoa estão avançadas demais, mude sua forma de se relacionar com ela antes que o trem descarrile para a fornicação ou o adultério. Se nota que a curiosidade está escalando para o consumo de pornografia, elimine quanto antes a fonte de onde vêm as fotos ou os vídeos. Se já fez pequenas concessões no que diz respeito ao descumprimento de leis, radicalize para que não se torne um corrupto. Em resumo: se percebe que algo em sua vida pouco a pouco te conduz para um estilo de vida de pecado, tome ações imediatas e, se necessário, até mesmo radicais, para fugir da transgressão.

Ao ler isso, talvez você acredite que já passou do ponto em que poderia cortar o mal pela raiz. “Não há como voltar atrás”, talvez diga. É possível que você, neste exato momento, esteja enredado em práticas pecaminosas sem arrependimento. “Agora é tarde, meus dentes já estão amarelos”, você pode constatar. Bem, se é o caso, você tem dois caminhos. O primeiro é o do acomodamento. Só que relaxar vai fazer com que você afunde na lama do pecado mais e mais, numa escalada de transgressões que acabarão deixando seus dentes não amarelos, mas pretos, podres. Talvez eles caiam. Ou, ainda, pode ser que gerem uma infecção que atacará todo o organismo. Mas, em vez do acomodamento, você pode optar por tomar atitudes de mudança. Como alguém que vai ao dentista e se submete ao branqueamento, num processo de reverter as manchas que se instalaram, você pode, sim, reverter o quadro.

dentes 5Deus não usa laser: ele usa sangue. Jesus morreu no Calvário para que não houvesse pecado que ficasse sem perdão. Para clarear dentes manchados, você precisa se conscientizar de que eles estão amarelos, tomar a atitude de procurar um dentista para tratamento e seguir os procedimentos necessários para voltar a ter dentes brancos. De igual modo, para clarear uma alma manchada, você precisa se conscientizar de que está transgredindo sem inventar desculpas, tomar a atitude de procurar Jesus em confissão sincera para tratamento e seguir os procedimentos necessários para abandonar as práticas pecaminosas e voltar a ter uma alma alva, mais que a neve. Reconheça sua transgressão. Confesse a Deus sua rotina de pecado. Abandone a prática. Estabeleça em seu coração o firme propósito de não mais incorrer nesse erro. Ao fazer isso, acontece o milagre do perdão. E, uma vez que você for feito totalmente branco, limpo, puro, jamais permita que sua alma volte a amarelar.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio Zágari

Perdaototal_Banner Blog Apenas

jo 1O início do livro de Jó nos mostra uma situação muito estranha. Em um primeiro olhar, temos a sensação de que o Senhor está engajado numa barganha com Satanás acerca da vida do “homem íntegro e justo; [que] temia a Deus e evitava fazer o mal” (Jó 1.1). Parece uma espécie de aposta, de desafio. Que esquisito. Como podemos entender isso? O que o relato desse diálogo entre o Senhor e o Diabo nos ensina? Se conseguirmos enxergar além, vamos perceber que Deus na verdade não barganhou em momento algum com Satanás, mas só deu papo para o inimigo e permitiu que ele afligisse Jó por uma razão bem específica, que veremos no último parágrafo deste texto.

É um enorme equívoco achar que Deus e Satanás estão numa batalha em pé de igualdade. Entenda: a única relação dos demônios com o Criador é no sentido de obedecer e implorar ao Senhor. Do mesmo modo que eu e você, como criaturas, dependemos da permissão do Pai para tudo, todo e qualquer ser espiritual tem de seguir o mesmo protocolo. Sim, Satanás é obrigado, em tudo, a dizer ao Todo-poderoso: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus”. Ele não tem escolha. Então o que esse trecho de Jó mostra não é um Deus que barganha com o Diabo, mas um Diabo que está submisso em tudo a Deus e tem necessariamente de obedecer-lhe – embora de muita má vontade, é verdade. Mas se o Senhor manda, o Diabo só pode dizer “amém” – as forças espirituais da maldade jamais moverão uma palha sequer se o Todo-poderoso não permitir.

jo 2Para tomar qualquer iniciativa, Satanás precisa que Deus conceda-lhe o direito. Veja que em Jó 1.12 o Senhor diz a Satanás: “Pois bem, tudo o que ele possui está nas suas mãos; apenas não toque nele”. Deus usa o verbo no imperativo, isto é, trata-se de uma ordem, algo que vem de cima para baixo: “Não toque”. Em nenhum momento há uma barganha: há uma concessão. E que vem não para satisfazer Satanás, mas para cumprir os propósitos divinos. Logo, do mesmo modo que Deus endureceu o faraó no Êxodo, usou Nabucodonosor, Ciro, Dario e outros incrédulos para realizar a sua soberana vontade, também só permite ao Diabo fazer suas diabruras se elas, no grande esquema das coisas, atenderem ao que o Senhor deseja. Nesse sentido, o Inimigo é como uma caneta que o Pai usa para escrever a História da eternidade. E canetas não têm autonomia, poder ou autoridade: são instrumentos usados para atender os desejos de quem os maneja.

As palavras de Cristo em Mt 4.10 (a tentação de Jesus no deserto) são absolutamente reveladoras: “Jesus lhe disse: Retire-se, Satanás!”. Perceba o que está acontecendo aqui. Jesus simplesmente dá uma ordem. E o que o Diabo faz quando Cristo diz “retire-se” é: “Então o Diabo o deixou”. Não há luta, não há barulho, não há disputa. Jesus diz e o Diabo simplesmente e subordinadamente obedece. A história se repete em Marcos 5, no episódio do endemoninhado gadareno. Quando aquela legião de demônios se vê diante do Rei dos Reis o que ela faz? “E implorava a Jesus, com insistência, que não os mandasse sair daquela região. Uma grande manada de porcos estava pastando numa colina próxima. Os demônios imploraram a Jesus: ‘Manda-nos para os porcos, para que entremos neles’” (Mc 5.10-12). Os demônios imploraram. Segundo o dicionário, isso significa que eles suplicaram, pediram encarecidamente e humildemente.

O livro de Jó nos antecipa o que veríamos séculos depois se cumprir em Cristo: a supremacia de Deus sobre o Diabo. Jesus lida com Satanás e os demônios sempre como um leão trataria um rato ou uma águia trataria uma serpente. Mateus 8.16 diz a respeito de Cristo: “Ao anoitecer foram trazidos a ele muitos endemoninhados, e ele expulsou os espíritos com uma palavra. Repare, uma única palavra! Jesus não se rebaixava a ficar conversando com demônios se não houvesse propósito para isso. Com uma única palavra os mandava embora.

jo 3A Bíblia é sobre Cristo. O evangelho é sobre Cristo. Nossa vida é sobre Cristo. Se você reparar que está gastando muito do seu tempo lendo sobre demônios, falando sobre eles e se preocupando com eles é sinal de que suas prioridades na vida de fé precisam ser reavaliadas. Cristianismo é sobre viver com Cristo e amar o próximo e não sobre ficar gastando horas e horas com demônios. Ao final do livro de Jó, vemos o resultado de tudo o que o Diabo lhe causou: “Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram” (Jó 42.5), disse o patriarca ao Senhor. Não, não houve barganha entre Deus e Satanás. Houve, isso sim, a mão do Pai em ação para fazer seu filho amado crescer em intimidade consigo: o sofrimento de Jó fez com que ele deixasse de ser apenas um homem que cumpria a lei de um Legislador para se tornar um filho que tinha intimidade com um Pai.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari

Perdaototal_Banner Blog Apenas