Futebol e religiãoA Copa do Mundo começou. Assisti a um excelente programa de televisão estrangeiro, em que o apresentador John Oliver analisa esse evento de forma coerente e divertida. Se você fala inglês, recomendo assistir ao vídeo inteiro, é muito bom (veja AQUI). O que mais me chamou a atenção foi a explicação que Oliver dá ao fato de que, apesar dos inúmeros absurdos envolvidos na realização desta Copa e dos descalabros praticados pela FIFA, ainda assim as pessoas estão empolgadas com a competição e ansiosas pelos jogos. Para ele, a razão é que “futebol é como uma religião”. Fiquei pensando sobre isso e gostaria de compartilhar algumas reflexões sobre o assunto. O que leva alguém a comparar um simples esporte a algo tão sublime, transcendente e celestial como uma religião? (E entenda que me refiro a religião como o religare do homem com Deus e não a um sistema engessado de práticas e liturgias. Se desejar entender melhor essa diferença você pode ler este post).

Primeiro, porque a fé religiosa é algo que mexe com o mais íntimo de nosso ser, desperta paixões, produz debates acalorados. A religiosidade afeta tudo em nós: influencia nossos valores, pensamentos, ações; enfim, tudo aquilo que somos e fazemos. Isso é bem visível, também, no futebol: quem aprecia veste a camisa e a defende como a um manto sagrado. Por exemplo, é preciso muita paciência para lidar com torcedores que, toda segunda-feira, parece que não têm assunto além do jogo da véspera. Durante certo tempo, um vizinho invariavelmente encontrava comigo no elevador e engrenava uma conversa animadíssima sobre o mais recente desempenho do Flamengo. “E o mengão, hein, rapaz, que garfada!” E eu: “É… am-ham…”, com aquele sorriso amarelo no rosto e sem fazer ideia do que ele estava falando. No dia em que confessei a ele que não acompanho futebol e não assisto a jogos, nossos próximos encontros passaram a ser sempre silenciosos – parecia que, se não fosse para falar de bola, não havia assunto. Deixei de ser um bom papo para ele, uma vez que futebol era o que mexia com tudo à sua volta. E não foram poucas as vezes em que fiquei avulso em rodinhas de amigos amantes do esporte bretão, tão inteirado eu estava acerca do que eles falavam como uma girafa numa conversa sobre física quântica.

Brazilian attorney, Nelson Paviotti, poses with his two Volkswagen Beetles painted with the colors of the national flag in CampinasSegundo, porque futebol e religião criam fanáticos. Assisti a um vídeo recentemente de um advogado (foto) que fez a promessa, em 1994, de só se vestir de verde e amarelo pelo resto da vida caso a seleção brasileira fosse campeã. Dito e feito. Agora, ele promete só comer alimentos que tenham essas cores caso a seleção vença. Fiquei chocado. Mas o fanatismo está aí, e veio para ficar. É o crente que se torna um chato, por exemplo, por querer impor sua fé de qualquer modo aos não cristãos, sem compreender que quem converte é o Espírito Santo e não a nossa insistência. Fanatismo tem um quê de desequilíbrio. É diferente de ser radical. O radical é alguém equilibrado, que não negocia aquilo em que acredita por ter raízes muito bem fincadas no que crê; já o fanático é quem transborda sua fé de forma exuberante e, muitas vezes, excêntrica e, até mesmo, incômoda para quem está em volta. Radicalismo é elegante, fanatismo é extravagante. No futebol, o fanatismo por vezes torna-se assustador. Da última vez que fui ao Maracanã, para acompanhar parentes que moram no exterior, tive de sair com minha filha pequena das cadeiras e ir passear perto das lanchonetes, de tão assustada que ela ficou com os gritos, os gestos agressivos e os palavrões berrados pelos fanáticos que nos rodeavam.

EstatuaTerceiro, porque futebol e religião têm a capacidade de conduzir pessoas desequilibradas a um passo além do fanatismo, que é a intolerância. Você pode ser fanático por algo sem que isso te torne alguém agressivo a quem pensa diferente de você. Há o que poderíamos chamar de “fanáticos do bem”, ou seja, aqueles que são extremamente emotivos quanto ao que amam, mas que não fazem mal a quem pensa diferente de si. Já os intolerantes são os “fanáticos do mal”. Muitos se tornam irracionais, como os vândalos que recentemente quebraram e urinaram em uma estátua da Virgem Maria, um absurdo fruto de ignorância e da falta de entendimento acerca do que é o evangelho da graça e da paz. No futebol, isso também é assim. Torcedores espancam e matam seres humanos que torcem para outro time simplesmente porque… bem, porque torcem para outro time. A intolerância leva pessoas a agredir outras somente porque se enganaram e entraram com a camisa do outro time no meio da torcida organizada, assim como leva cristãos desequilibrados a agredir homossexuais e espíritas. Em ambos os casos, a intolerância fere o princípio do amor e o da graça.

Há outros pontos que identificam futebol e religião, mas, para não me alongar demais, eu gostaria de tratar de um aspecto que, em vez de assemelhar o futebol à religião, os diferencia: a racionalidade. E acredito que foi nesse ponto que John Oliver se baseou em seu programa para fazer a comparação entre futebol e religião. Na visão dele (e na de muitos), tanto o esporte quanto as crenças religiosas seriam alimentados por irracionalidade. Só que isso não é verdade. Sem racionalidade, a fé cristã não é fé cristã.

BrasilO amor pelo futebol, em qualquer nível, é irracional. Seja você um saudável e comedido apreciador desse esporte ou um intolerante e agressivo torcedor, seu envolvimento com o time do seu coração não se dá de forma racional. Eu explico: você saberia racionalizar por que torce para este ou aquele time? Será que é porque ele é o melhor de todos? Bem, o campeão de hoje estará na segunda divisão amanhã, então o conceito de “melhor” é relativo. A verdade é que você torce para quem torce por razões emocionais e não racionais. Como alguém que se apaixona por um amor impossível, você se apaixonou por uma equipe e passou a torcer por ela sem que haja uma explicação lógica imediata – talvez tenha adotado como seu o time que era de seus pais, por exemplo, ou vai ver que gostou das cores da camisa na sua infância. Não se sabe exatamente o que leva alguém a escolher este ou aquele time para ser o seu. Se não fosse assim, eu não teria torcido para a seleção brasileira até 1994, quando a vi ser campeã pela primeira vez. Eu e você torcemos para o Brasil porque tem a ver com a nossa relação emocional com nossa pátria.

leitura biblicaNa religião, entretanto, se as decisões são irracionais, isso só vai gerar problemas – em todos os âmbitos. “Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. Contudo, façam isso com mansidão e respeito, conservando boa consciência, de forma que os que falam maldosamente contra o bom procedimento de vocês, porque estão em Cristo, fiquem envergonhados de suas calúnias. É melhor sofrer por fazer o bem, se for da vontade de Deus, do que por fazer o mal” (1Pe 3.15-17). Repare: “razão da esperança”. Pedro está falando de racionalidade. A fé necessariamente tem de ter um componente racional. A sua conversão aconteceu no dia em que a graça de Deus se manifestou em sua vida e o Espírito Santo conduziu você a perceber, racionalmente, que o evangelho faz sentido. O teólogo Anselmo de Cantuária (1033-1109) apontou dois conceitos que se tornaram célebres na história do pensamento cristão: Credo ut intelligam (“creio para que possa entender”) e Fides quaerens intellectum (“a fé em busca de compreensão”). Com isso, Anselmo quis dizer que a tarefa da teologia é mostrar que crer é também pensar, ou seja, que não há uma oposição entre fé e reflexão intelectual (embora a fé tenha lugar de primazia). O que isso significa? Que não há como afastar a fé da racionalidade. Você crê porque Jesus e as boas-novas da salvação fazem sentido para você. Quando Paulo escreveu que “a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus” (1Co 1.18), estava mostrando que o cristianismo não faz sentido para os que não são salvos, mas, para nós, é totalmente compreensível e nos soa até estranho que alguém não creia no que nós cremos.

Se passarmos a viver nossa fé de modo irracional, isso criará enormes distorções. Passaremos a acreditar em falsas doutrinas, adotaremos práticas bizarras em nossos cultos, agiremos de modo diferente do que a Bíblia nos orienta a agir, nos comportaremos de modo antibíblico com o próximo… são muitos os absurdos que podem ser praticados pela irracionalidade religiosa. Por isso, é extremamente necessário que nossa fé siga a lógica bíblica – pois fora da Bíblia a fé torna-se ilógica. E, se é ilógica, não é fé cristã. Muitos dizem que não há lógica em se ter fé, mas isso não é verdade. Há a lógica do mistério. Seguimos um Cristo que revelou seus mistérios até o limite que poderíamos compreender (observe que “compreender” exige racionalidade). Se assim não fosse, não poderíamos conhecer a vontade de Deus por meio de um livro. Pois leitura é um processo lógico e racional. Tudo o que propõe uma vida cristã baseada em pressupostos irracionais do ponto de vista bíblico… não é bíblico. Logo, não é cristianismo.

Amor ao proximoReligião e futebol têm, sim, muito em comum. Mas a nossa religião exige de nós um conhecimento bíblico que gera o equilíbrio. E esse equilíbrio vem mediante a prática do amor, da graça, da justiça, do perdão, da reconciliação e de muitas outras virtudes que o evangelho destaca. Por isso é tão importante estudarmos a Palavra. Se apenas vivermos a fé sem nos aprofundarmos em seu aspecto racional, acabaremos urinando em estátuas da Virgem Maria e nos tornando a “torcida organizada de Jesus”, que vive aquilo em que crê de forma ignorante, intolerante e irracional, espancando os diferentes e agredindo os que nos agridem. Se não vivenciarmos a fé racional, nos uniremos aos que tacam coquetéis molotov, paus e pedras nos que não concordam conosco. A História da Igreja mostra que esse é um caminho que leva para longe, muito longe, do único Caminho.

A Copa está começando. Vivamos este momento com amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5.22-23). Vivamos a alegria do jogo junto com a irritação por tudo o que a realização dessa competição gerou em termos negativos, mas vivamos racionalmente, controladamente, com equilíbrio, como seguidores de Jesus e à luz dos ensinamentos bíblicos. Porque não há nenhum outro modo de se conformar à imagem de Cristo neste momento que não seja agindo como Cristo agiria: buscando a justiça, mas com alegria.

Sejamos diferentes, como todo cristão deve ser. Curtamos a Copa do Mundo de futebol em paz. Não permitamos que nada nem ninguém nos tire neste momento do caminho da serenidade, da santidade, da graça e do amor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio

 

 

Anúncios
comentários
  1. HP disse:

    Maurício,

    Confesso que nao entendi teu ponto sobre “Radical” ser bom.

    Talvez por associar os radicais islamicos como terroristas… me entende?

    Teria como voce explicar melhor este ponto? Só queria entender mesmo, nao é criticando e nem querendo “achar pelo em ovo”. rsrsrs

    Deus te abencoe meu querido.
    Henrique

  2. É isso aí. 🙂

    Cheirinho, mano!

  3. Nelce disse:

    Acho que você está escrevendo cada vez melhor, não entenda isso como um elogio superficial, mas como encorajamento pra que você sempre permaneça bem perto de Deus, podendo assim continuar tocando o coração de muitas pessoas com a palavra de Deus. Obrigada meu irmão.

    • Oi, Nelce,
      .
      muito obrigado pelo carinho de suas tão amáveis palavras. Enquanto Deus quiser me iluminar para que eu edifique vidas por meio da escrita estarei à disposição. Ore por mim, por favor, pois careço da intercessão dos irmãos para seguir nesse caminho. Muito obrigado, eu que agradeço.
      .
      Um abraço carinhoso, no amor de Deus,
      mz

  4. Isac disse:

    Maurício, como é maravilhoso aprender mais de Deus. Aprender mais da Palavra de Deus, nos faz ser racional. A cada momento, entendo que [todo] que se diz Cristão precisa estudar as Escrituras para não ter uma fé irracional, mas sim, uma fé racional em todos os sentidos. Maurício, oro a Deus para que ele continue te usando em tudo.

    Muito Obrigado!

    soli Deo Glori.

    • Oi, Isac,
      .
      exatamente isso, nossa fé tem que ter razão. Como explicar para o mundo algo que não pode ser explicado, nao é? Obrigado pela oração, mano.
      .
      Abração, Deus te abençoe muito,
      mz

  5. Noeme de Jesus Almeida Santana disse:

    Estou há pouco tempo lendo seus post, e pra mim foi um achado!! Deus continue a te abençoar nessa tarefa!!

    • Olá, Noeme,
      .
      louvo a Deus por sua vida estar sendo edificada por meio das reflexões que compartilho aqui. Deus é bom. Muito obrigado pela oração, é muito importante.
      .
      Abraço pra ti, Deus a abençoe,
      mz

  6. Marcus César Petindá Fonseca disse:

    roneymiguel@gmail.com

  7. roberto disse:

    ao ler seu post vc me fez lembrar de um video que vi no youtube alguns anos atras, acho que tem tudo a ver, veja vc mesmo.

    Um forte abraço pra vc e a todos daqui. Eu tbm não sou muito chegado a futebol mas torço pela seleçao, mas prefiro mesmo volei e basquete,rs.

  8. Edina Oliveira disse:

    Olá Mauricio,

    Muito legal sua exposição sobre o assunto. Agora entendi o porquê eu não entendia os torcedores de futebol.
    Nunca torci por time algum. Somente na realização da Copa é que torço pela seleção brasileira, mas, como você mesmo disse por razões emocionais de amor á Pátria.

    Fica com Deus!!!

    PS. O vídeo pode ser assistido legendado em Português: http://mais.uol.com.br/view/zwuxgmhe6kop/john-oliver-detona-a-fifa-legendado-0402CD9B3066DC815326?types=V,P,T,F,S,B&

  9. Daniela Carvalho disse:

    Boa tarde hermano 🙂

    Ja abro o meu e-mail a procura de post do apenas… Q alegria eh encontrar mais um texto cheio de sabedoria, q pela Graca de Deus vai nos levando ao caminho da perfeicao….

    Tarde surpreendentemente abencoada na presena do Pai…Abraco

    • Olá, Daniela,
      .
      louvo a Deus pelo carinho que ele tem de edificar sua vida por meio de minhas reflexões. Ele é bom, sempre.
      .
      Desejo o mesmo a ti, que você tenha bênçãos sem medida neste dia. Um abraço carinhoso,
      mz

  10. Luiz Fernando disse:

    Maurício, graça e paz.
    Maravilhoso o texto. Impressionante como o ser humano em geral, é impulsivo. Uma vez, antes de me converter, em uma conversa com uma amiga, perguntei a ela o por quê dela torcer para o flamengo, sendo que eu já não era ligado a futebol, mas eu queria saber o fundamento de tal “amor” pelo time. Então, ela me respondeu com as seguintes palavras: “ah, porque eu acho o urubu em preto e vermelho bonitinho…” fiquei sem palavras, meu caro. Gasta-se dinheiro em estádios, camisas, acessórios etc… porque acha o urubu com as cores preta e vermelha, bonitinho? 0_o
    Complicado. O ser humano não procura mais raciocinar. Entenda, não tenho nada contra o futebol, até porque torço pelo Brasil. Mas muitas reações são assustadoras, confesso, meu caro.

    Bom tenho uma pergunta simples, meu querido. Que é fora do post. Eu particularmente creio, veemente, na predestinaçao, tenho-a como doutrina bíblica. Porém, assim como o calvinismo é bíblico, a princípio o arminianismo também tem base bíblica para seu argumento. Então há um certo paradoxo. Por exemplo, em: Romanos: 2. 11. “pois para com Deus não há acepção de pessoas.” – Bíblia JFA Offline diz que em Deus não há acepção de pessoas, e em outras passagens também, alias e tomada como pecado perante ao Senhor tal atitude. Então, minha dúvida em questão é a seguinte: se não há acepção da parte do Pai, como, então, Deus predestinou alguns para salvação e outros para perdiçao? Eu creio na predestinaçao, deixo claro. Mas preciso tirar a duvida e ter base concreta para responder questões de alguns. Por favor. Grato, amado do Senhor.

    Graça e paz na tua vida.

    • Olá, Luiz,
      .
      a sua pergunta exige uma explicação muito longa, pois é detalhada. Recomendo que você leia o livro “Eleição”, de Charles Spurgeon, que, se não me engano, existe gratuitamente na web. A melhor passagem bíblica que responde sua pergunta está em Romanos 9. Leia esse capítulo e creio que as coisas ficarão mais claras.
      .
      Um abraço, Deua te abençoe e ilumine,
      mz

  11. Fabio Cardoso disse:

    E após o jogo ainda há muitos programas na TV com pessoas discutindo lance a lance do jogo. Foi falta ? Foi penalti ? Foi impedimento ? etc
    Quem está com o coração vazio e rejeita a DEUS está sujeito a se preencher com nada.

  12. Paz, Maurício.
    Excelente reflexão (como todos os textos que tenho lido).
    Sempre fui muito mais racional que emocional e achava isso meio estranho no que tange à religião… sempre buscando fundamentos lógicos, baseando na fé, para questões específicas.

    Quanto ao futebol, nunca fui muito ligado, apesar de torcer para um time específico (rs). Dessa copa eu abri mão por valores sociais (em forma de repúdio aos ocorridos), mas isso vai de cada um.

    Mas falando em racionalidade e fé… o que você acha da teoria do design inteligente (que tem por princípio explicar cientificamente o criacionismo)? Poderia escrever um post sobre o assunto, não? 🙂

    Abraço.
    Graça e Paz.

    • Oi, Daniel, tudo bem?
      .
      Gosto da teoria do DI. É uma maneira parabólica de ensinar a quem não tem fé a razão da nossa fé. Claro que é uma ilustração, mas penso que é válida. Entra na linha das cinco vias de Tomás de Aquino, por exemplo.
      .
      Um abraço, querido, Deus o abençoe muito,
      mz

  13. […] O futebol e a religião […]

  14. […] O futebol e a religião […]

  15. […] que postei o texto O futebol e a religião, muitos irmãos e irmãs me escreveram fazendo perguntas sobre assuntos relacionados a como deve […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s