Arquivo de abril, 2014

PecadoQual é a primeira palavra que a história da mulher adúltera traz à sua mente? Que conceito é o mais chamativo no relato da queda daquela israelita? Pare um momento. Pense no caso. Imagine a cena. Aquela transgressora é pega em flagrante delito. Nua. Deitada com outro homem. Seduzida pelas próprias paixões. Entregue aos prazeres da carne. Desviada dos caminhos de Deus. Distante da santidade. O que isso traz à sua mente? Que palavra resume a história daquela adúltera? Eu arriscaria dizer que o conceito que imediatamente vem ao seu pensamento é pecado. Estou certo? Afinal, o que ela fez foi cometer um terrível pecado. A punição solicitada para ela foi por causa do pecado. O que entrou em discussão com Jesus foi a respeito do que se faria com ela devido ao pecado. Só o que os mestres da lei e os fariseus enxergavam quando olhavam para ela era seu pecado. Ela cheirava a pecado. Tinha aparência de pecado. Transpirava pecado. Seu nome passou a ser pecadora. Então o foco do relato de João 8.1-11, sem dúvida alguma, é este: pecado.

Bem, na verdade, não. Para os homens é possível que sim. Mas, para Deus… será?

Acredito que a primeira palavra que a história da mulher adúltera traz à mente do Senhor é graça.

Pecado1A relação entre pecado e graça sempre deve ser vista segundo a análise do ponto de partida e do ponto de chegada. Para os mestres da lei e os fariseus, o pecado daquela mulher era o ponto de chegada. Nada mais importava. A vida dela não vinha ao caso. Seus erros e acertos do passado não faziam diferença. O arrependimento era inócuo. As possibilidades de seu futuro eram irrelevantes. Tudo o que tinha a ver com a existência daquele ser humano, naquele momento, era o pecado. Esqueçam se ela sempre foi uma serva fiel do Senhor. Que importa se viveu uma vida piedosa até então?! Nem perguntem a opinião do marido. Esqueçam tudo. Aos olhos daqueles homens, o pecado tornou-se corpo, alma e espírito; passado, presente e futuro daquela mulher. E só o que viam nela. Seu pecado. O ponto de chegada daquela alma. The end.

Jesus não. O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo viu o pecado daquela mulher como o ponto de partida. Para os olhos divinos, aquela transgressão não representava o topo da edifício, mas apenas mais um degrau da escada. No alto do pódio daquela história estava a graça de Deus. O pecado foi absorvido pela graça. Aquela vida arrependida era o náufrago e a graça, o bote salva-vidas. O pecado era a noite e a graça, o amanhecer. Pecado. Arrependimento. Perdão. Restauração. “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado” (v. 11). Graça.

A história da mulher adúltera é um magnífico retrato da graça de Deus. Do olhar do Senhor sobre nossas vidas. Um Deus que é santo, que ordena que abandonemos a vida de pecado, mas que também diz que não condena o pecador arrependido. Aquele episódio é uma síntese do plano de salvação: o homem peca, ele torna-se alvo do acusador, seu pecado o faz digno de punição, mas Jesus entra com graça e “já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1).

Pecado0Deus não deseja nos punir. Ele quer nos perdoar. Quer nos restaurar. Quer nos salvar. Quer arrependimento e esforço para abandonar o pecado. Onde nós, pecadores, enxergamos pecados sem volta, Deus vislumbra as maiores oportunidades de exercer sua graça. Os homens amam a punição. Deus ama o perdão. “Consequentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos” (Rm 5.18-19).

Você pecou? O que mais chama a atenção em sua vida é o pecado? Pois então saiba que Deus olha para você e vislumbra o ponto de chegada: a graça. O segundo templo. A glória da salvação. De igual modo, ele olha para os pecadores que mais escandalizam você e vê neles uma excelente oportunidade de exercer sua graça, de fazer a cruz entrar em ação na vida de mais uma alma.

Nós olhamos para o pecado e queremos sangue. Deus olha para o pecado e se lembra do sangue de seu próprio Filho.

A caso da mulher adúltera não é uma história sobre pecado, é uma história sobre graça. O pecado triunfou no início, no Éden, no ponto de partida. Mas no ponto de chegada, na Jerusalém celestial, é Cristo quem triunfará, quando todos os que foram lavados no sangue do Cordeiro estiverem reunidos aos pés do Senhor, louvando e exaltando seu amor sem fim, seu perdão imerecido e sua maravilhosa graça.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio

Anúncios

Medo1O medo está ali, depois da esquina, esperando para pular em nossas costas. A cada passo da vida, tememos. A cada dia, mais e mais medos se acumulam sobre nossa cabeça. Medo do desemprego. Medo da doença. Medo da escassez. Medo da depressão. Medo do abandono. Medo da solidão. Medo da dor. Medo do sofrimento. Medo de assaltantes. Medo da morte. Medo da vida. Medo do medo. Quem nunca sentiu medo que atire a primeira pedra. Ninguém gosta de sentir medo, mas é líquido e certo que ele virá. Será que há algo que possamos fazer? Será que saber que Jesus caminha conosco tem alguma influência?

Difícil, não é? As contas chegam, como não temer a falta de dinheiro? O médico faz aquela cara séria quando recebe o nosso exame, como não temer as dores que virão? O marido diz que precisam conversar, como não temer o divórcio que desponta no horizonte? O filho chega com as roupas cheirando a fumaça, como não temer que esteja dependente de algum vício? O medo está salivando, esperando a próxima situação difícil para gargalhar em nosso rosto com seu hálito fétido e cravar as unhas em nossa pele.

Medo2Diante do medo, um animal pode reagir de três maneiras diferentes: fugir, lutar ou paralisar. Se você foge, corre o risco de ser alcançado pelo problema. Se luta, pode perder o embate e sucumbir. Se paralisa, as mandíbulas se fecharão sobre você. Então o que fazer? Bem, veja por outro ângulo. Se foge, pode ser que consiga escapar. Se luta, pode ser que consiga vencer. E, se paralisa, pode ser que seja confundido com o ambiente e escape do ataque. Vemos, então, que cada reação pode gerar resultados diametralmente opostos. O que fazer?

Jesus enfatizou demais que não deveríamos ter medo. Os evangelhos listam 125 ordens que Cristo pronunciou. Dessas, 21 são “Não tenham medo”, “não temam”, “sejam corajosos” ou “tenham bom ânimo”. O segundo mandamento mais presente, que nos insta a amar a Deus e ao próximo, é mencionado oito vezes. Assim, a declaração que Jesus faz mais que qualquer outra é esta: não tenha medo. Acredito que ele sabia o que estava dizendo. Repare as palavras da vida:

“O Senhor é bom, um refúgio em tempos de angústia. Ele protege os que nele confiam” (Na 1.7).

“Aquele que habita no abrigo do Altíssimo e descansa à sombra do Todo-poderoso pode dizer ao Senhor: ‘Tu és o meu refúgio e a minha fortaleza, o meu Deus, em quem confio’” (Sl 91.1-2)

“Descanse somente em Deus, ó minha alma; dele vem a minha esperança. Somente ele é a rocha que me salva; ele é a minha torre alta! Não serei abalado! A minha salvação e a minha honra de Deus dependem; ele é a minha rocha firme, o meu refúgio. Confie nele em todos os momentos, ó povo; derrame diante dele o coração, pois ele é o nosso refúgio” (Sl 62.5-8)

Medo3A verdade é que não importa se você foge, luta ou paralisa. O que importa é agir tendo Jesus ao seu lado, como seu refúgio, sua fortaleza, a esperança em todos os momentos. Pedro temeu e, por isso, começou a afundar nas águas bravias do mar da Galileia, até que uma mão divina o segurou e o puxou para fora do medo. “Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?” (Mt 14.30-31). Não duvide. Porque, se o medo puxa você para baixo, Jesus o sustém. Se o medo pula em suas costas, Jesus o arranca. Se os medos cravam as unhas em sua carne, Jesus os espanta. Jesus é segurança. Ele é o sorriso de conforto em meio à angústia. É a mão que nos ergue quando as pernas fraquejam. É o pão que sacia a fome. É a água que nos revigora no deserto. Jesus é a paz. Jesus é o porvir. Jesus é a resposta.

Você está sentindo medo neste exato momento? Está envolvido em uma situação sobre a qual não tem controle? As pedras voam em sua direção e você já sofre em antecipação ao impacto? A dor é grande? O que virá é incerto? Só vê sombras no futuro? Está com medo?

Então grite em um sussurro: “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim…”. Ele ouve, meu irmão, minha irmã. O Criador dos céus e da terra sabe quem você é e cada segundo da sua vida está diante dos olhos do seu Salvador. Ele planejou sua vida, o semeou no ventre de sua mãe, formou o seu corpo, soprou fôlego em suas narinas, o tomou pela mão no berço, o conduziu pela vida, o amou intensamente a cada instante da sua jornada. Por que você acha que neste momento ele o abandonaria? Não. Ele conhece o seu medo. E ele diz: “Não tenha medo”. Não é uma frase feita, um jargão para fazê-lo relaxar sem a certeza de que o alívio virá. Jesus não faz assim. Se ele diz para você não temer é porque ele dá garantias.

cruz“Não tenha medo” em nossos lábios humanos é uma esperança. Mas nos lábios que beberam o cálice da cruz é uma promessa e uma certeza: “Não tenha medo. Pois eu sei. Eu controlo. Eu domino. Em governo. Eu reino. Eu mando. Eu estou com você todos os dias, até o fim dos tempos”. Na cruz, ele derrotou o pecado. A morte. O inferno.

E o medo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Eu matei um homem1Vivemos uma contradição muito interessante. Somos cristãos, o que significa que abraçamos a religião da graça (pois o cristianismo é a única crença religiosa do planeta em que a salvação não depende do homem, mas de Deus, que age movido por amor e compaixão). Por outro lado, temos uma forma de enxergar os erros do nosso próximo de forma quase implacável. Quanto mais fios brancos nascem na minha cabeça, mais claramente percebo o coração extremamente perdoador do Senhor em oposição ao coração pouco perdoador dos homens. Em nome do amor a Deus sobre todas as coisas acabamos por não amar nada o próximo como a nós mesmos. Diga, por favor, se estou errado: muitas vezes você admira um certo cristão e, no dia que descobre que ele cometeu um pecado considerado grave, passa a não enxergá-lo mais do mesmo modo. Deus pode tê-lo perdoado décadas atrás, mediante seu arrependimento, mas, ainda hoje, sussurramos sobre aquele pecador num tom nada gracioso. Não é o que acontece? A questão é que, se agimos dessa maneira, não nos conformamos à imagem de Cristo e procedemos com nosso próximo de maneira nada diferente do mundo. Decidi conduzir você à reflexão sobre isso de um modo extremamente doloroso para mim. Se está lendo este blog, é porque você enxerga em quem aqui escreve algum tipo de virtude cristã. Então tomei a decisão de confessar publicamente um pecado hediondo que cometi, e gostaria de ver se, diante disso, você continuará lendo o APENAS, se deixará de ser assinante do blog, se passará a ver o que escrevo com desconfiança. Acredite, não é nem de longe fácil para mim expor esse meu pecado, mas, se vai ajudar a levar você a uma meditação que o fará aproximar-se mais do modo divino de ser e o tornará um praticante mais ativo da graça… vale a pena.

Pois bem, a verdade é que eu já matei uma pessoa.

É muito difícil expor isso. Por motivos óbvios, não saio por aí dizendo às pessoas que cometi esse crime, que me marcará para o resto de meus dias. Levarei essa marca na alma até o dia de minha morte, pois cometi o chamado homicídio culposo – o que é cometido sem a intenção de matar. Fato é que um homem deu seu último suspiro porque o assassinei, e ter ou não a intenção original não muda este fato: eu tirei a vida de um ser humano. Se eu dissesse isso de cara, possivelmente você não leria um único post deste blog, pois eu me tornaria um desqualificado para falar das coisas de Deus, minha única definição aos seus olhos seria assassino.

Eu matei um homem0Estou usando de uma sinceridade que, acredite, não é nada fácil para mim. Seria mais conveniente continuar mantendo esse crime do meu passado oculto e seguir falando e escrevendo sobre as coisas de Deus sem que você visse em mim o que realmente sou – um assassino. Confessar isso pela internet exige muito, me faz sofrer, traz lágrimas aos meus olhos. Mas senti que chegou a hora de abrir esse pecado. Em troca, tudo o que peço é que você use da mesma sinceridade e diga: saber disso muda a forma como você me vê? Saber que pequei contra o sexto mandamento me desqualifica aos seus olhos? Até que ponto você é capaz de me ver como um igual tendo conhecimento de que levei um ser humano à morte? Em que medida consegue enxergar o perdão de Deus sobre a minha vida e continuar a ler o que escrevo sem passar a ver minhas palavras como água que brota de uma fonte contaminada, estragada? E – o mais importante de tudo – o que a percepção sobre a forma como você passará a me ver a partir da leitura deste texto levará a você a pensar, à luz da Bíblia, sobre a graça que existe no seu coração?

Muita coisa aconteceu depois que tirei a vida daquele homem. Fui restaurado, pequei de novo, me arrependi de novos erros, pequei novamente e sigo nessa caminhada – transgredindo, acertando, escorregando, me levantando, me esforçando para não errar mais. Mas nada apagará o fato de que um ser humano foi morto pela minha mão. Agora você entende por que poucas coisas me entristecem tanto como ver irmãos em Cristo agindo de modo impiedoso com pecadores arrependidos – pois eu mesmo sou um pecador arrependido. Mais ainda: um terrível pecador arrependido.

A falta de entendimento bíblico sobre a graça, a misericórdia e o perdão gerou uma situação tão grave que muitos não perdoam nem a si mesmos, por causa de erros que cometeram no passado – embora Deus já os tenha perdoado. Outros tantos não conseguem estender perdão àqueles que pecaram. Como um pecador perdoado, não tenho como não me entristecer ao ver tanta gente imperfeita enterrando tanta gente imperfeita. Desqualificando. Segregando. Pondo o dedo no nariz. Acusando. É por isso que, de vez em quando, volto no APENAS ao tema do perdão – pois, apesar de ser um dos fundamentos do evangelho, graça é algo tão pouco posto em prática em nossos dias. Tão pouco…

Eu matei um homem00Devemos odiar o pecado com todas as nossas forças, não nos conformar com ele, pregar contra ele, exortar os irmãos que sabemos estar praticando pecados dos quais não se arrependem. É o que a Bíblia manda e ponto final. Mas também devemos odiar a impiedade hipócrita daqueles que só sabem acusar e não enxergam a trave do tamanho de um campo de futebol que ostentam em seus olhos. O pecado me enoja. Meu pecado me enoja. Mas também me enoja a postura que costumo chamar de “nazismo espiritual”: gente que, em defesa da santidade, esquece as próprias iniquidades e promove uma “limpeza étnica”, pondo aqueles que considera “mais pecadores” do que si mesmos (isso existe?) em um gueto de impiedade, num campo de concentração de acusações,  num paredão de falta de misericórdia, numa câmara de gás de falta de graça. Até acredito que fazem isso com boas intenções, por falta de instrução bíblica ou de amor, mas não podemos deixar isso passar sem nos esforçarmos por levá-los a ver como Cristo vê.

Jesus mesmo disse, “Portanto, eu lhe digo, os muitos pecados dela lhe foram perdoados; pois ela amou muito. Mas aquele a quem pouco foi perdoado, pouco ama” (Lc 7.47). Eu  sei que meus muitos pecados foram perdoados e por isso minha gratidão ao Senhor não tem fim. Sei que o assassinato que cometi não pesa mais sobre mim, por isso banho os pés de Cristo com minhas lágrimas e os enxugo com meus cabelos. Mas, infelizmente, sou obrigado a conviver diariamente com a triste visão de irmãos em Cristo que odeiam a graça e amam pisar em pecadores. Uma igreja formada por gente assim não é a que vai morar no céu. É humana, carnal, pecadora e – literalmente – des… graçada.

Eu matei um homem2Por favor, faça uma análise de suas atitudes. Como você age quando sabe que um irmão cometeu um pecado que o escandaliza, mas do qual se arrependeu? Compare sua postura com a que acredita que Jesus teria. Seria a mesma? Precisamos estudar mais sobre o que a Bíblia fala sobre o perdão, a misericórdia, a graça. Temos urgentemente de compreender a razão de Jesus ter encarnado e se oferecido na cruz. É indispensável olhar para o Cordeiro pendurado no madeiro e sempre, sempre, sempre perceber que, ao lado dele, há um bandido arrependido ouvindo dos lábios do Salvador: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso” (Lc 23.43).

Resgate pecadores, não os afunde ainda mais na lama. Ame pecadores, assim como o Senhor ama você, pecador. Eu me tornei uma pessoa muito mais graciosa no dia em que percebi – em meio à minha própria impiedade agressiva, miserável e sem misericórdia – que não sou melhor do que ninguém. Você é?

Confesso publicamente: eu matei um homem. Sou um assassino. Ele perdeu a vida por minha causa. Seu nome é Jesus de Nazaré.

A boa notícia é que ele ressuscitou e nenhuma condenação há para aqueles que nele estão. Deus abençoe você, que matou a mesma pessoa que eu.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Legado1José Wilker morreu no último dia 5 de abril. Este texto sai com um certo atraso, mas tive de ruminar um pouco em cima do pensamento que compartilho aqui antes de pôr no papel. Trabalhei com Wilker durante nove anos, quando eu era editor de um programa da Globosat do qual ele era comentarista de cinema. Nunca fomos íntimos, nosso relacionamento era estritamente profissional, mas admito que a notícia da sua morte me impactou, é estranho imaginar que alguém com quem convivemos regularmente por tanto tempo não caminha mais sobre a terra. Eu não esperava. Alguém esperava? Não. Mas morte, em geral, tem mesmo esta característica: arromba a porta sem pedir licença. Claro que, ao meditar sobre a partida do Wilker, muito veio à minha mente sobre quão frágil é nossa vida, mas, além dessa questão óbvia, sua morte me fez pensar muito sobre outro conceito: legados.

Se você não está familiarizado com o termo, “legado” é “aquilo que é transmitido às gerações que se seguem”.

O Wilker se foi e deixou um legado que será lembrado ainda por muitas décadas, na forma de filmes, peças de teatro, novelas e outros tantos trabalhos artísticos. Foi um homem dedicado ao que sabia fazer e que conquistou um espaço na memória cultural do nosso país. Nesse sentido, sua passagem pela vida deixou uma marca. Por meio de suas atuações, ele provocou risos, lágrimas e outras emoções, como só a arte é capaz de fazer – e isso em, literalmente, milhões de pessoas.

Legado2Pensar no legado do Wilker me fez refletir sobre o que eu vou deixar após a minha partida. De que adianta eu ter nascido? Quando eu me for, qual terá sido o sentido de minha vida? Que herança deixarei para outras pessoas? Valeu a pena ter vivido ou minha passagem pela terra foi vazia de significado? Pensei muito sobre isso. Gostaria de aproveitar e estender a reflexão também a você: que legado você vai deixar? Ao final de sua jornada, quantas pessoas terá tocado, influenciado, aperfeiçoado, edificado, abençoado? Como será lembrado? Claro que, como cristão, o seu legado não será algo estritamente material. Todo aquele que tem Cristo como o centro de sua vida sabe que não há legado mais importante do que o espiritual. Jesus disse: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6.19-21). Podemos extrapolar essa afirmação para além de riquezas materiais. A meu ver, essa ordem do Senhor refere-se a priorizar em tudo as coisas eternas em detrimento das passageiras.

Isso se confirma em outras passagens. Logo depois de pronunciar essas palavras, Jesus diz: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33). Assim, o legado que precisamos deixar na terra após nossa partida deve ter relação com o reino de Deus.

Legado3Nosso dia a dia terreno não é desprezível. Temos coisas importantes a fazer para a manutenção de nossa jornada. Construir uma casa, ter uma vida profissional honesta, crescer nos estudos, deixar uma segurança financeira para a família… tudo isso é relevante e devemos nos dedicar para sermos bem-sucedidos nas necessidades da matéria. Mas nada disso configura legado à luz do evangelho. Pois tudo o que construímos aqui em termos materiais ficará aqui. Passará. Tudo virará pó. Só o que permanecerá é aquilo que é feito para glorificar Deus e abençoar o próximo – pois é o que ecoará pela eternidade.

A Bíblia é clara quando diz que o legado que terá relevância após nossa vida está diretamente ligado ao que fizemos ao nosso próximo. Sei que você conhece bem essa passagem, mas, se puder, leia mais uma vez e diga se não tenho razão: “Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, assentar-se-á em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes. E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo. Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’. Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ O Rei responderá: ‘Digo-lhes a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’. Então ele dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos. Pois eu tive fome, e vocês não me deram de comer; tive sede, e nada me deram para beber; fui estrangeiro, e vocês não me acolheram; necessitei de roupas, e vocês não me vestiram; estive enfermo e preso, e vocês não me visitaram’. Eles também responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome ou com sede ou estrangeiro ou necessitado de roupas ou enfermo ou preso, e não te ajudamos?’ Ele responderá: ‘Digo-lhes a verdade: O que vocês deixaram de fazer a alguns destes mais pequeninos, também a mim deixaram de fazê-lo’. E estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna” (Mt 25.31-46).

Com isso em mente, volto à pergunta: o que você deixará como legado? O que tem feito na sua vida que glorifica a Deus por meio de atos de dedicação ao próximo, ao desenvolvimento de maior intimidade entre as pessoas e Cristo, ao bem-estar dos seres humanos que te cercam, ao crescimento espiritual das almas à sua volta? Você tem levado consolo aos tristes, edificação aos destruídos, alimento aos famintos, paz aos atribulados, carinho aos doentes, Jesus aos perdidos? Tem chorado com os que choram? Tem doado tempo para quem está mal? Afinal, que marcas de amor está imprimindo na vida do próximo?

Legado4Todo mundo tem talentos e dons que podem ser usados para edificar e levar amor a outros seres humanos. No meu caso, o Senhor concedeu a habilidade de escrever o que se passa em meu coração. Por isso mantenho este blog, publiquei livros, sigo escrevendo outros que ainda serão lançados. Talvez seja o meio principal pelo qual procuro deixar legado: edificação por meio do que escrevo, para abençoar a sua vida. Você não tem, necessariamente, o mesmo dom que eu, a Igreja de Cristo é muito plural em suas capacidades. Por isso, precisa buscar descobrir junto ao Senhor qual é a sua capacitação. E, quando descobrir, importa pôr em prática. Se é bom de pregar, pregue. Se tem facilidade de evangelizar, evangelize. Se é talentoso na música, abençoe pela arte. Se é aconselhando que exercerá a bênção sobre as pessoas, empreste os ouvidos e lábios para o próximo. Se é amparando, chore com os que choram. Algum talento você tem, que precisa usar com a finalidade de deixar um legado para a eternidade. Deus não faria você vazio. Cada um tem seu dom, que serve para amar o próximo e amar a Deus.

O Wilker se foi. Eu partirei um dia. Você também. Que legado deixará? Que marcas ficarão, pelas suas mãos, nas gerações que virão e que, naturalmente, terão reflexos na eternidade?

A hora é esta. Há almas precisando de você. Há lágrimas a ser enxugadas. Há feridas a ser tratadas. E Deus conta com a sua disponibilidade para deixar um legado de bênçãos e amor. É só entrar em ação. O que está esperando?

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Misericordia1Um homem matou a facadas a tia, o primo e a prima de 12 anos. Esta última com 30 punhaladas. Preso, o triplo assassino caiu em lágrimas durante o interrogatório, confessou o crime e falou que simplesmente não sabia por que tinha feito aquilo. Ouvi quando ele disse “eu não quero ser preso, porque, senão, vou morrer na prisão e vou para o inferno. E não quero arder no fogo do inferno!”. Que cena. Que tragédia. Que tristeza. Mas houve algo que me chamou a atenção em meio a tudo isso. Assim que, aos prantos, ele fez essas afirmações, a delegada responsável pelo caso disparou um comentário: “Ele não teve misericórdia e agora quer que tenham misericórdia dele, que absurdo…”. Peraí. Há algo estranho com essa frase. Uma contradição que ficou martelando em minha cabeça. Reflitamos um pouco sobre misericórdia, um dos conceitos mais fundamentais da fé cristã.

Não vou entrar pelo mérito daquele crime em si. Foi tão abominável que dispensa comentários. Mas a questão da misericórdia bateu em meu peito como 30 facadas. Repare bem as palavras da policial. Ela está condicionando o recebimento de misericórdia à prática de misericórdia. Em outras palavras, “é dando que se recebe”. Só que esse pensamento contraria frontalmente o evangelho, conforme disse o próprio Jesus: “Há maior felicidade em dar do que em receber” (At 20.35). Aquela delegada não compreende o sentido de misericórdia – nem de longe.

Também conhecida como “compaixão” ou “piedade”, misericórdia significa dar a alguém algo que não merece. É o contrário de “justiça”, que é dar a alguém algo que merece. Cristo deu exemplos contundentes do que isso significa. Veja o caso da mulher adúltera. Pela Lei judaica, ela deveria ser apedrejada até a morte. Isso seria justo. Era o que ela merecia. Mas Jesus preferiu não agir com justiça, mas com misericórdia, e deu a ela o que aquela mulher não merecia: “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado” (Jo 8.11). Sim, Jesus foi misericordioso e a perdoou. Foi magnânimo. Foi divino. E não só pregou de púlpito sobre misericórdia: ele agiu conforme pregou.

Outro exemplo de Cristo é a parábola do servo impiedoso (repare no termo, “impiedoso”, ou seja, “sem piedade”, “sem misericórdia”). Sei que você já a leu inúmeras vezes, mas, se puder, por favor, leia novamente: Misericordia2“Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: ‘Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: ‘Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete. Por isso, o Reino dos céus é como um rei que desejava acertar contas com seus servos. Quando começou o acerto, foi trazido à sua presença um que lhe devia uma enorme quantidade de prata. Como não tinha condições de pagar, o senhor ordenou que ele, sua mulher, seus filhos e tudo o que ele possuía fossem vendidos para pagar a dívida. O servo prostrou-se diante dele e lhe implorou: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei tudo’. O senhor daquele servo teve compaixão dele, cancelou a dívida e o deixou ir.

“Mas quando aquele servo saiu, encontrou um de seus conservos, que lhe devia cem denários. Agarrou-o e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Pague-me o que me deve!’ Então o seu conservo caiu de joelhos e implorou-lhe: ‘Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei’. Mas ele não quis. Antes, saiu e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Quando os outros servos, companheiros dele, viram o que havia acontecido, ficaram muito tristes e foram contar ao seu senhor tudo o que havia acontecido. Então o senhor chamou o servo e disse: ‘Servo mau, cancelei toda a sua dívida porque você me implorou. Você não devia ter tido misericórdia do seu conservo como eu tive de você?’ Irado, seu senhor entregou-o aos torturadores, até que pagasse tudo o que devia. Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar de coração a seu irmão’” (Lc 18.21-35).

Claro como água. O trecho central da parábola é este: “O senhor daquele servo teve compaixão dele, cancelou a dívida e o deixou ir”. A justiça era cumprir a lei, vender os parentes do devedor como escravos e pegar o dinheiro. Justo. Mas aquele senhor não fez isso. Antes, teve compaixão dele. E, com isso, cancelou a dívida e o deixou ir. Isso é misericórdia: cancelar a dívida.

Misericordia3Quando eu e você fomos chamados pela graça de Deus, ele cancelou nossa dívida. Zero. Misericórdia em ação. A justiça exigia que eu ardesse no fogo do inferno, como aquele triplo assassino lembrou muito bem. Você também. Toda a humanidade, sofrendo pela eternidade distante do Criador. Mas, então… um Cordeiro é agarrado, surrado, cuspido, humilhado e levado ao matadouro. Ali, o holocausto oferecido numa cruz pinga sangue. E quando sai da sepultura, a terra treme com um som que diz: “Recebam minha misericórdia!”.

Ao contrário de Cristo, hoje muitos cristãos pregam sobre piedade mas não a vivem em suas vidas. Amam a misericórdia da boca para fora, mas não a praticam em suas ações. Agem exatamente como aquela delegada.

O grande erro daquela policial foi crer que misericórdia é algo que se merece. É exatamente o contrário. Misericórdia só existe quando não há absolutamente nenhum merecimento. Aquele assassino cruel vai cumprir a justiça humana e ficará preso, possivelmente até o fim de sua vida. Ele merece isso. É justo. Mas, se, em algum momento dos anos que lhe restam, o homem que chacinou a própria família sem misericórdia alguma vier a ser tocado pela graça do Cordeiro, prostrar seu espírito de joelhos e pedir a Deus perdão sincero pelos seus pecados… ele alcançará misericórdia. E irá para o céu.

Vivemos dias em que há tanta iniquidade ao redor que o nosso senso de justiça clama por punição. Só que repare uma coisa: Jesus não disse “bem-aventurados os justos”, tampouco “bem-aventurados os que cumprem a lei”. Ele afirmou: “Bem-aventurados os misericordiosos” (Mt 5.7). Essa ênfase não quer dizer, é claro, que justiça e o cumprimento da lei não importam. Claro que importam. São fundamentais e indispensáveis. Mas, se o Senhor enfatizou a misericórdia, isso nos leva a uma reflexão. Será que ela não tem mais peso? Será que ela não recebeu essa menção especial porque Deus a considera especial? “Desejo misericórdia, e não sacrifícios” (Os 6.6), diz o Senhor.

Acredito que Deus ama os justos. Mas ouso especular que ele tem um olhar diferente sobre os misericordiosos.

Sejamos bem-aventurados. Tenhamos um coração mais perdoador, compassivo, piedoso, misericordioso. Essa, meu irmão, minha irmã, é a única forma de termos um coração como o de Jesus.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício