Pai1Já relatei em alguns posts do APENAS como minha experiência como pai me fez (e faz) enxergar de maneira muito mais profunda as realidades do relacionamento de Deus conosco, seus filhos. Se você é pai ou mãe certamente entende o que estou dizendo. Parece que cada episódio de nossa vida paterna é uma pregação. Cada dia com nossos filhos, um culto. Cada noite, uma vigília. A voz do Senhor e suas verdades tornam-se muito mais concretas diante daquilo que vivemos com nossos pequenos. Permita-me trazer mais uma reflexão sobre nossa fé a partir de algo que aconteceu comigo e minha filha de 3 anos.

Moro no Rio, cidade de praias. Naturalmente, levo minha pequena desde bebê para desfrutar desse playground natural. Ela sempre amou se esbaldar na areia e na água. Bem… nem sempre, na verdade. Quando completou 2 anos, um episódio teve grande impacto sobre ela. Sempre fui extremamente cuidadoso, pois sei os riscos que um segundo de distração paterna pode causar quando um filho está na água. Um dia, porém, estávamos na praia do Leblon, que tem uma arrebentação muito perto da beira, e um erro meu custou caro. De mãos dadas, eu a fazia pular por cima de cada onda que arrebentava, com aqueles gritinhos de “uúu!” que as crianças tanto amam. Ela estava eufórica, gargalhava e gritava “de novo!”. Mas, então, cometi um descuido. Eu me distraí com alguma coisa e não vi quando uma onda maior se aproximou e estourou em cima de nós. Resultado: a água entrou pelo nariz, os ouvidos, a boca e a alma da minha filhinha.

Entre engasgos e olhares assustados, ela se atracou ao meu pescoço, num gesto de desespero. Eu havia falhado e, por causa de um segundo de desatenção, a pequena parecia ter ficado traumatizada. Daquele momento em diante, nunca mais ela quis entrar na água do mar. Embora ame as aulas de natação e nade boas distâncias em uma piscina sem que ninguém a segure, daquele dia em diante ela começou a demonstrar pânico do mar. Ir à praia com ela passou a significar fincar âncora na areia e nem sonhar em chegar à beirinha da água.

Tentei muitas vezes. Cheguei mesmo a forçar a barra, entrando com ela no meu colo em águas calmas. Em vão: minha filha cravava as unhas no meu pescoço, escalava minha cabeça e, como um macaquinho que foge de um tsunami subindo ao ponto mais alto de uma árvore, ela se instalava no ponto mais alto dos ombros e da cabeça de seu papai, em pânico. Os fracassos sucessivos, durante meses, quase me convenceram de que não tinha mais jeito, o negócio era aceitar que ela tinha se tornado uma pessoa traumatizada e que nunca mais entraria no mar.

Mas um pai amoroso nunca desiste de seus filhos.

Pai2Decidimos passar as férias desse fim de ano em Cabo Frio, uma cidade essencialmente praiana. Como conheço bem a rotina do lugar, sei que ficar na cidade significa, em resumo, acordar, ir à praia, comer, ir à praia e dormir. Por um lado já estava antevendo a dor de cabeça que seria passar 20 dias na praia com uma filha que tem pavor de mar. Mas, por outro, decidi que aquela situação tinha de acabar. Então, em vez de simplesmente aparecer com ela diante do mar e tentar empurrá-la para dentro da água, desde que decidimos passar as férias em Cabo Frio resolvi trabalhar a ideia na mente dela. Decidi… pregar.

Comecei pedindo-lhe perdão por tê-la deixado se assustar uma vez e garanti que eu estaria sempre presente, extremamente atento a sua segurança. Deixei claro que o papai iria protegê-la e faria disso prioridade. Verbalizei tudo o que era possível para deixá-la totalmente segura naquela situação. E fiz isso por um longo tempo e muitas vezes. A fim de torná-la ciente do que vinha pela frente, passei a dizer rotineiramente que iríamos a um lugar de praia e que passaríamos muito tempo lá. Junto a isso, comecei a explicar repetidamente e frequentemente como é o mar, propositadamente iniciei uma série de preleções sobre as águas do oceano, explicando como funcionam as ondas, o que fazer para evitar que elas sejam incômodas e outros aspectos relacionados ao seu grande medo. Preguei, preguei e preguei.

Enfim chegou o dia.

Creio que eu estava muito mais ansioso do que ela. Chegamos a Cabo Frio, nos instalamos e logo fomos à praia. Assim que pisamos na areia, minha filhinha disse algo surpreendente:

– Eu adoro o mar!

Sorri, surpreso com aquela afirmação inesperada. Montamos a barraca e ela começou:

– Vamos, papai, vamos para a água!

Pai3Seria possível? Segurei minha pequenininha pela mão e caminhamos rumo às ondas. Para meu espanto, ela não hesitou um segundo sequer: saiu invadindo a água. Pulou, mergulhou, se jogou em cima de mim. Daqui a pouco pediu para que eu soltasse sua mão, pois queria nadar sozinha. Eu, temeroso, permiti que aquele pingo de gente se esbaldasse, mas minha atenção ficou focada em cada onda que vinha. Sempre que uma maiorzinha despontava, eu a suspendia no ar, livrando minha filha de tomar água na cabeça. Aprendi com meu deslize. E cumpri minha promessa.

Durante todas as nossas férias, fui acordado por aquele pingo de gente me sacudindo e dizendo “vamos para a praia, papai?”. Quando chegávamos, antes que eu começasse a montar a barraca ela perguntava umas trinta vezes “vamos para a água, papai?”. Conclusão: foi difícil manter minha filhinha longe do mar. Ela pedia, destemida, para ir até o fundo; queria nadar, pular, fazer tudo o que pudesse, excitadíssima com a diversão. Quando vinha uma onda maior, por iniciativa própria corria para os braços do pai. Se entrava água em seu nariz ou sua boca, dava ouvidos ao pai e assoava ou cuspia. Creio que ela amadureceu, a partir dos problemas do passado, das palavras de esclarecimento e segurança que ouviu com constância e pela confiança que desenvolveu de que nunca seria desamparada ou abandonada pelo papai (e pela mamãe), sua fonte de segurança e conforto. O conhecimento e a confiança em que estaria segura a permitiram viver momentos de extrema felicidade.

Agora pense:

Infant Grabbing Man's FingerDeus é um Pai muito melhor do que eu. Ele nunca nos desampara. Ao contrário de mim, nunca fica desatento, jamais se distrai. Nada passa despercebido diante de seus olhos. Sua atenção conosco é constante, focada e dedicada. Ele jamais é pego de surpresa por qualquer onda, mas muitas vezes deixa que uma ou outra nos atinja, pelas razões mais diversas. Doenças, desemprego, luto, perdas, dificuldades, problemas, vales, desertos, dores, seja o que for: quando esses males chegam, parece que estamos nos afogando, perdemos o fôlego, ficamos espantados. O Pai permite que isso aconteça não para que percamos a fé ou fiquemos com medo diante da vida, mas para que amadureçamos, tenhamos experiências, cresçamos, subamos a patamares mais elevados em nossa espiritualidade. O problema ocorre quando, em vez de aproveitarmos essas circunstâncias para evoluir, deixamos que nos afetem de modo negativo, o que nos leva a questionar o cuidado de Deus.

Será que ele me abandonou? Será que não ouve minha oração? Será que cometi algum pecado que fez Deus virar-me as costas? Será que o Senhor desistiu de mim? Nossa fé é abalada. A confiança no Pai é minada. Passamos a temer. Os desafios da vida se tornam monstros apavorantes. Escalamos a árvore até o galho mais alto, pois a segurança de que Deus cuidará de nós a cada segundo foi posta de lado. Temores. Medo. Ansiedade. Trauma. Depressão. Tristeza. Sensação de abandono.

– Pai, as ondas estão fortes demais, não consigo!

Mas o Aba, nosso protetor celestial, aquele que nos ama com amor incompreensível, em momento algum se ausentou. Ele tentou numerosas vezes nos fazer ver que estava nos segurando pela mão ou nos carregando no colo, mas os traumas com as dores e os sofrimentos do passado fizeram nossa fé totalmente infrutífera. É o fim? Nem de longe, pois Deus é seu Pai.

E um pai amoroso nunca desiste de seus filhos.

Pai5Então, por saber que muito virá pela frente, o Senhor começa o processo de cura de nossa alma. Para isso, Deus começa a falar conosco. Leituras da Palavra nos dão explicações e esclarecimentos. Pregações iluminadas pelo Espírito Santo nos revelam como funcionam as coisas, como o Senhor age, por que certos sofrimentos ocorrem, o que fazer quando chegam as tribulações. Livros escritos por irmãos e irmãs movidos pelo Divino abrem os olhos para realidades profundas da ação do Pai. Aos poucos, o poder das verdades celestes vai transformando nossos medos em paz, nossa dor em esperança, nossos traumas em aprendizado. Amadurecemos. Vemos a vida e Deus de maneira diferente e com muito mais transparência. Entendemos que ele nunca nos abandonou nem nunca nos abandonará. Torna-se clara a certeza de que, em meio a toda aflição, o Senhor não soltou nossa mão, mas deixou as ondas nos atingirem sem causar um dano permanente – e os propósitos do alto diante daquela situação ficam patentes.

Passamos a compreender. Somos fortalecidos na fé. Galgamos novos patamares em nossa intimidade com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Conhecemos Deus, então, não mais por ouvir falar, mas por vê-lo com nossos próprios olhos espirituais. Com isso, ganhamos total confiança nele. E quando novas ondas despontam no horizonte, ameaçando nos afundar, afogar e machucar, dizemos com destemor:

– Vamos, papai, vamos para a água!

Pai6Passamos a encarar os problemas com segurança. Os momentos de trevas não nos apavoram mais. Sabemos que os vales virão, mas nosso Pai está e estará sempre ali, a nos proteger, guardar, escoltar, sustentar, salvar. Ele é Emanuel: Deus conosco. Conosco, nunca longe de nós (Mt 1.23). Ele está com você todos os dias, até a consumação do século (Mt 28.20). E temos a certeza de que “Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá” (Sl 139.8-10). Tudo o que temos de fazer, então, é entregar nosso caminho ao Senhor, confiar nele e saber que o mais ele fará (Sl 37.5). E se, em algum momento, sua fé vacilar e você acreditar na mentira de que teu Pai não ajudará a te sustentar, “Confia os teus cuidados ao SENHOR, e ele te susterá” (Sl 55.22).

Meu irmão, minha irmã, as ondas certamente virão, pois ninguém atravessa o mar da vida sem ser açoitado por elas. Mas tenha esta certeza: o teu Pai, que jamais se distrai ou se descuida, te susterá. Palavra de pai.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

comentários
  1. Fábio Luiz disse:

    Bela reflexão, o sl.139.8-10, diz tudo, nunca estamos sós.
    Fique com Deus
    Fábio Luiz

  2. Taíza disse:

    AMÉM!!
    Estou enfrentando algumas ondas na minha vida profissional e, por isso, alguns sonhos meus tem sido minados (ou será q só estão em espera ou sendo mudados??? :))…mas nesse momento tô mais sensível, menos inquieta, prestando mais atenção…mais atenta à voz do Senhor, sabe?! AMADURECENDO (como vc disse no post), superando as frustrações pouco a pouco, caminhando, descavando os poços entulhados….e esse post me abençoou!

    Grande abç irmão MZ

    No amor de Cristo

    Taíza

    • Oi, Taíza,
      .
      louvo a Deus por o post ter te abençoado.
      .
      Por experiência posso dizer que muitas ondas na vida profissional são apenas para nos suspender do chão e nos elevar mais perto do céu. O que você precisa agora é tempo e paciência. Faça sua parte, confie no Senhor e ele proverá.
      .
      Outro abraço grande pra ti, nesse amor,
      mz

  3. Nadia Malta disse:

    Suas palavras de hoje me fazem lembrar a letra do velho hino: DEUS CUIDARÁ DE TI! É isso mesmo, a certeza dos braços amorosos de Papai ao nosso redor nos faz caminhar com desenvoltura e atravessar as ondas sem temê-las. Contudo, percebemos uma tendencia cada vez maior dos filhos de Deus a não esperarem que o Pai “arme a barraca” e segurando-os pela mão corra com eles para o mar. Que Deus o abençoe sempre, meu irmão Zágari!

  4. Thiago Luna disse:

    Nossa Maurício! Que benção esta palavra!

    Paz do Senhor!

  5. Ronde Cleide Queiróz disse:

    Olá paz, paz e paz do Senhor!!!!

    Olhos cheios de lágrimas aqui no trabalho, por ser lembrada com tanto carinho deste pai tão maravilhoso que nunca se descuida de mim, de nós, como é bom sentir este amor nesta leitura.

    Obrigada Maurício, um dia abençoado para vc!!!!

  6. Abraao Modesto disse:

    Irmão Zágari, bom dia.

    Sempre leio as postagens aqui no site, já até comentei umas vezes antes, sempre fui abençoado e hoje fui novamente.

    Hoje faz 1 mês que perdi meu irmão de forma trágica, nunca enfrentei situação pior, uma dor tão angustiante, que fez até eu questionar sobre o que está acontecendo, são momentos assim que parece que vamos enlouquecer, não enxergar saída, não conseguimos pensar em nada…vem somente a cabeça questionamentos e medos…
    Estava precisando ouvir essa Palavra que foi postada hoje, cheguei até olhar o site ontem mas não tinha nenhuma postagem atualizada, tinha a do “Face a Face” que me edificou também, mas não fala exatamente desse momento em que estou passando… E hoje completando 1 mês da minha perda Deus falou através do Ap1 com essa mensagem “Deus te susterá”…

    Abraços!
    Deus continue te abençoando!

    Abraão Modesto.

    • Olá, Abraão,
      .
      meu irmão, fico profundamente triste pela tua dor. Receba meu abraço carinhoso e solidário, com minha oração de que o sofrimento deste momento se transforme o mais rápido possível numa gostosa lembrança e em memórias perenes do período em que seu irmão ficou entre nós. Peço a Deus paz ao teu coração e ao de todos parentes e amigos.
      .
      Neste momento triste alegro-me por ter sido canal da voz de Deus para teu coração.
      .
      Um abraço fraterno, na graça do Eterno,
      mz

  7. Jacy disse:

    Oi, Maurício!

    Mano, que texto lindo! Me emociona a forma que você descreve o cuidado paterno de Deus para conosco!
    E eu, como mãe que sou, tenho amadurecido ao longo do caminho, e que o zelo inigualável que o Pai tem com cada um de nós seja a minha referência sempre.

    Abraço fraterno em você e sua família linda!

    • Oi, Jacy,
      .
      só posso agradecer a Deus por ter-me dado palavras que chegaram ao teu coração. Que elas venham para edificação.
      .
      Abraço em ti e Marcus, na paz de Deus,
      mz

  8. solange vieira disse:

    Meu querido Irmão!
    Quão suave soou esse post em meu coração, as ondas parecem que cresceram em minha vida ,porém nem eu consigo entender como estou em paz, e tomando decisões que não tomaria ,na verdade sempre fui de recuar, e agora ao contrário, o tempo de chorar e recuar passou, agora é atirar-me aos braços do Pai e deixar que ele conduza serenamente e da maneira que ele convem, pois o pai tem o controle dos filhos.
    Abençoado seja tu em o nome de Cristo Jesus !
    Obrigado por me abençoar.
    Solange

  9. Mauricio, isso se chama FÉ.
    “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”.
    Hebreus 11:6.

  10. Jose Junior disse:

    A paz de Deus nobre amigo.

    Que a graça divina esteja em plena renovação em sua vida e o seu ano de 2014 esteja sob a direção do Senhor nosso Deus.

    Eu fui pai muito jovem, havia a pouco saído da adolescência, e as experiências paternais pareciam um provação na minha vida. E na verdade eram.

    Da paciência que eu sempre pedia ao Senhor, grande parte dela aperfeiçoei-me usando-a na lida com meus filhos.

    Entretanto, a cada sorriso banguelo que eu via, ou sentindo o abraço apertado em minhas pernas, ou o balbuciar de palavrinhas que somente um pai entente… eu era quebrantado.

    Não há cansaço que não se renda ao um sorriso e, como você disse, a um pedido de “de novo!”.

    Aqui, aprendi que mesmo que as expressões orais fossem impossíveis para um estranho entender, a gente sempre entende o que um filho diz. Assim também é o nosso Pai Celestial, que pelo Seu Espírito Santo nos entende, ainda que muitas vezes apenas façamos apenas gemidos aos pés do Senhor, mas este mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.

    Problemas a parte… a gente cresce. A experiência custa caro.

    Mas foi justamente na função de pai que aprendi a ser um cristão melhor.
    Aprendi muito. Graças a Deus, dentro das minhas limitações, tenho conseguido transmitir algum legado espiritual aos meus filhos.

    Hoje são adultos principiantes, adolescentes, e bebezinho. Exigem uma estrutura espiritual hercúlea, mas o Senhor é quem nos ajuda.

    É gratificante quando vemos/ouvimos um filho dizer que não fez “algo de errado” porque lembrou-se de algum ensino que a gente deu, ou porque estaria pecando contra Deus.

    Sempre inspirei-me na atitude de Jó em relação ao seus filhos, como pai temente a Deus e zeloso por seus filhos. Ainda que os seus filhos cressem ou não no Senhor e viessem a desviar-se, como aconteceu com o filho pródigo, um legado espiritual estava no coração desses jovens. Isso deve ter sido fundamental no futuro daqueles jovens, como foi na vida do filho pródigo.

    Louvado seja Deus por sua vida, sua filha, sua família, nobre amigo, querido irmão, amável pai.

    Que Deus continue a demonstrar de Seu amor através de seu relacionamento com a sua filha.

    Desculpe o longo post. Ainda não havia nos falado este ano, mas estamos voltando a ativa.

    Que o Senhor nosso Deus nos ajude em nosso bom combate.

    Ótimo post, maravilhosa satisfação em ler você novamente.

    Abraço fraterno e fica da dispensação do Senhor.

    A Deus toda a glória.
    José.

    • Olá, José,
      .
      fico feliz que a paternidade tenha sido um aprendizado em sua vida, tanto para aspectos imanentes quanto transcendentes. Peço a Deus que siga consolida do em ti o caráter de Cristo e abençoando você e sua família com graça e paz.
      .
      Aquele abraço, na paz do manso Cordeiro,
      mz

  11. Dayana disse:

    Sabe Mauricio, Israel não conseguiu entrar no descanso do Senhor por não acreditar no que Deus é e se propõem a ser para seus filhos que nEle esperam. Diante das adversidades que aquele povo enfrentava sempre eles murmuravam por não crer que a palavra do Senhor é confiável e segura, pois é garantida por um caráter que não erra e nem falha naquilo que promete. Entretanto, você conseguiu que sua filha entrasse no descanso da segurança de um homem falho e pecador, simplesmente por que ela aceitou acreditar em você, mesmo diante das circunstâncias, pois o mar continuou sendo o mesmo mar, com suas ondas e marolas! Alguém pode questionar, alegando que foi fácil para você fazer com que sua filha voltasse a ter confiança, primeiro por causa da sua posição de pai e segundo, por se tratar de uma criança de três anos, porém, sem desconsiderar essas prerrogativas, o que me chama a atenção é que ela respondeu a você da mesma maneira que Deus gostaria que nós o respondêssemos diante dos seus apelos e fiquei a pensar no dito de Jesus de que o Reino dos Céus pertencem as crianças e que deveríamos ser com as tais se quiséssemos nele entrar. Seus relato me trouxe muitas riquezas ao coração, que possamos entrar no descanso dAquele que nunca nos abandona, Deus o abençoe, abraço.

  12. Michele Shimosako disse:

    Maurício,

    Quanto tempo, como está? eu estava com saudade de palavras tão doces.
    Devido a tanta correria do dia a dia, infelizmente eu me ausentei por um tempo, mas hoje o Senhor me disse que tinha algo para mim, para minha vida, para essa fase de amadurecimento pela qual estou passando. Que benção, Deus falou em cada frase desse texto comigo, só me confirmou aquilo que ele ja vinha me falando, meu Senhor é lindo, é maravilhoso, estou muito emocionada e feliz por ouvir e por saber que Deus é comigo e que ele nao se distrai e nao se desciuda de mim.
    Que o nosso Senhor e Salvador continue abençoando a sua vida e a vida da sua familia.

    Abraço

    • Oi, Michele, tudo bem? Seja sempre bem-vinda.
      .
      Eu que me emociono por saber que, de tantas fontes a que o Senhor poderia te enviar a beber ele selecionou logo este blog. Fico muito feliz por ele usar este canal para edificar vidas. Me alegro por ti e louvo a Deus.
      .
      Um abraço carinhoso, na graça que nos basta,
      mz

  13. Olá Mauricio,
    Eu e minha família decidimos mudar de igreja. Frequentávamos a SARA NOSSA TERRA. Porém, notamos muitas características idênticas as de igrejas neo- pentecostais as quais não concordamos, porque não vemos relação com a Bíblia.
    Pesquisei e estou entre Pentecostal ou Presbiteriana. Você pode me esclarecer qual das duas é uma igreja realmente bíblica?

    Abraço fraterno!!

    • Olá, Edina,
      .
      a Igreja Presbiteriana do Brasil é uma igreja histórica, tradicional. Se você crê no calvinismo, não há igreja melhor: é bíblica e, dependendo do pastor, uma excelente igreja. Mas “pentecostal” é uma definição um pouco vaga, pois se refere a uma crença (na atualidade dos dons) e não a uma denominação. Há centenas ou milhares de denominações pentecostais. A que denominação você estaria se referindo?
      .
      Um abraço, na paz de Deus,
      mz

  14. Graça e paz irmão Maurício.
    Obrigador por compartilhar experiências pessoais que se transformam em reflexões para o dia a dia do cristão.
    Não há dúvida que o medo é real diante de ondas que sacodem o barco de um lado para o outro, porém precisamos estar confiantes.
    Jesus ensinava com autoridade porque vivia o que pregava, ao contrário dos religiosos de sua época, com isso, as palavras do Mestre eram fincadas nos corações e criavam coragem na vida de muitos.
    Assim é você hoje, depois de experimentar o antes e o depois, podemos descansar, pois o Guarda de Israel, o Mestre que está na poupa do barco, jamais tosquenejará. Basta confiar e experimentar os braços do Pai nos guardando de qualquer perigo.
    Um abraço em Cristo,
    Jeferson Rangel

  15. Mauricio, estou me referindo a Assembleia de Deus tradicional, sem teologia da prosperidade, campanhas, expulsão de demônios, sinais e prodígios, unção com óleo, danças litúrgicas, coreografias, cultos de descarrego, quebra de maldições, línguas, profecias e visões e por aí vai. Quanto a crer na doutrina Calvinista, não posso dizer que sim nem que não. Há diversos textos na Bíblia que mostram que Deus tem seus eleitos e também há diversos que mostram que o homem tem sua responsabilidade na conversão. Assim, estamos em boas mãos, “porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos….” Atos 17:28.

    • Edina, oi,
      .
      as duas denominações são sérias, minha sugestão é que você visite as igrejas e converse com o pastor de cada uma. Veja onde você se sente mais a vontade e perceba se o pastor ama as ovelhas e está disposto a dar a vida por elas. Diante disso, ore e siga a voz de Deus em seu coração. Tenho certeza de que você vai achar uma boa família de fé.
      .
      Um abraço carinhoso, no amor de Deus,
      mz

  16. thatianny Soares disse:

    Libertador e arrebatador. Foi o vento do Espírito.

  17. Marco Juric disse:

    Bom dia Zágari!

    PERFEITO!

    GBY!

    MJ

  18. Cristina Fonseca disse:

    Mais uma vez seu post tocou meu coração, mas desta era o que eu precisava ouvir. Deus falou através de ti. Estou passando por um problema de saúde e nos momentos de dor, fico desesperançosa. Só tenho que lembrar que Deus está comigo e não me abandonará.
    A Paz de Cristo, Maurício.

    • Olá, Cristina,
      .
      muito me alegro por Deus ter falado ao teu coração por meio de um texto do blog, mana. Oro ao Senhor pela tua saúde e peço a ele que abrevie esse período. Que da dor brotem frutos para a tua vida e a de muitas pessoas.
      .
      Um abraço carinhoso, na paz de Cristo,
      mz

  19. Alessandro disse:

    Boa noite Maurício.
    Excelente texto, que Cristo continue te abençoando mais e mais, esse texto trouxe paz ao meu coração, fico feliz e agradeço a Deus por sua vida. Esse texto me lembrou um poema

    Sim, uma vez, o pranto do orfanado Emanuel
    Seu universo chacoalhou—
    Ele subiu sozinho, sem eco, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”
    Ele subiu de lábios santos em meio Sua criação perdida,
    Para que, dos perdidos, nenhum filho devesse usar essas palavras de desolação! (Elizabeth Browning)

    Bom, que Cristo abençoe sua vida e toda sua família.
    Abraços Maurício

    • Oi, Alessandro,
      .
      fico feliz que o texto trouxe alento e conforto ao teu coração. E que lindo poema, obrigado por compartilhar!
      .
      Um abraço, Deus te abençoe muito,
      mz

  20. Vanessa disse:

    Não consegui terminar o texto, pois se eu continuar cairei em prantos…. Já estou segurando um bocado de lágrimas por aqui… E te digo isso, para que saiba que você tem sido bênção para a vida de seus leitores, e muitos dos seus textos tem causado impacto direto na vida de quem acompanha o APENAS.

    Continue a ser usado, e obrigada por escrever a nós, e causar muitas lágrimas, lágrimas de refrigério.

    • Oi, Vanessa,
      .
      louvo a Deus por ter tocado teu coração por meio de tão simples palavras. Obrigado pela oração e pelo encorajamento, muito preciosos.
      .
      Um abraço pra ti, que o refrigério tenha chegado em boa hora e permaneça sobre ti,
      mz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s