Vai ter com a formiga, ó internauta preguiçoso!

Publicado: 04/03/2012 em Celebridades gospel, Espiritualidade, História da Igreja, Igreja dos nossos dias, Juventude, Literatura, Polêmicas

Quando criei o APENAS segui passo a passo o tutorial do WordPress, que em certo momento diz que “os textos do blog devem ser curtos, porque as pessoas não têm paciência de ler textos longos”. Minha visão pessoal é que uma reflexão tem que percorrer todas as etapas do pensamento para que a conclusão e os argumentos que forem usados façam sentido na mente de quem lê: começo, meio e fim  Que façam o leitor pensar. Refletir. E, se for o caso, mudar de rumo. E, me perdoem, sou incompetente para fazer isso em três ou quatro parágrafos. Por isso, resolvi ignorar a dica e escrever textos do tamanho que julgasse necessário. Já recebi nos comentários umas duas ou três reclamações: “Seus textos são muito longos”. Cheguei a cogitar escrever telegramas em vez de reflexões, mas depois pensei bem e optei por manter o que meu cérebro ordena aos meus dedos que digitem em vez de seguir a voz do povo – que, aliás, nunca foi a voz de Deus. A quem não tiver paciência, infelizmente só posso sugerir que sinta-se completamente a vontade para não ler. Quem quiser investir uns minutinhos a mais em leitura, oro a Deus que faça bom proveito do que aqui escrevo.

Mas por que estou falando sobre esse assunto? É que essa questão me fez refletir sobre o hábito de leitura do cristão brasileiro e a influência que o seu twitter, o seu Facebook e outras mídias de Internet estão tendo sobre o teu cérebro.

Tenho 40 anos. Fui educado a aprender as coisas por meio das três tecnologias que havia na minha infância: livros, livros e livros. Comunicação à longa distância era por meio das deliciosas cartinhas, com páginas e páginas que escreviamos para nossos amigos distantes ou pen friends. Não havia e-mails, MSN, Skype, nada disso. E era uma delícia escrever cartas e, mais ainda, receber. Quem nasceu dos anos 90 pra cá não sabe o prazer de rasgar a bordinha do envelope contra a luz, o gostinho de conhecer a letra do remetente, a alegria de ver que tipo de papel a pessoa escolheu. Dependendo da pessoa, eram quatro ou cinco páginas. Atualmente, pelo correio só chegam contas, revistas e propaganda. Que saudades das cartinhas…

Fato é que a minha geração não tinha dificuldades para ler livros longos. Li na biblioteca da escola todos os livros de Sir Arthur Conan Doyle, Agatha Christie, muitos de Jorge Amado, Edgar Allan Poe, Homero, Drummond, Paulo Mendes Campos, Fernando Pessoa e muitos autores que ajudaram a formar quem Mauricio Zágari é hoje. Cada livro era uma emoção nova: viajei ao galante Rio de Janeiro do passado com Machado de Assis, passeei com José de Alencar pelas florestas, chorei nas ruas de Budapeste com “Os Meninos da Rua Paulo”, tive minha sensibilidade profundamente abalada com Gabriel Garcia Marquez – por quem me apaixonei e li tanto que hoje me sinto íntimo e chamo pelo apelido, Gabito. Meu amigo Gabito, que tantas vezes me fez rir, sorrir, chorar, me emocionar, sonhar… tudo usando apenas tinta sobre papel. E se você conhece as grandes obras do Gabito, como “Cem anos de solidão” e “O amor nos tempos do cólera”, sabe que não são livros nada, nada, nada curtos.

Aí chegou a Internet. Amei quando conheci. Na época eu trabalhava no O Globo e me ajudou demais a fazer muitas reportagens que sem essa ferramenta eu nunca conseguiria. Não demonizo a web, que fique claro. Acredito que foi um avanço. Conheci a mulher da minha vida pela internet; nela fui apresentado a gente muito interessante. Então nutro pela web um enorme apreço. Só que, com ela, vieram os efeitos colaterais. Talvez o mais grave de todos tenha sido o surgimento de uma geração que não foi treinada a ler textos longos.

Twitter: 140 caracteres. Orkut e Facebook: pequenos scraps. Blogs: 3 ou 4 parágrafos. Ou seja: os formatos de texto da internet estão nos deseducando a ler textos longos. Nos tornando mentalmente preguiçosos. E textos longos nao são longos porque o escritor é um tagarela ocioso que não tem o que fazer e por isso escreve muito. Eles são longos porque há algo a ser dito e supõe-se que cada parágrafo tenha sua função e seu valor.

Temo pelas futuras gerações, em especial de cristãos. Eu entendo que muitos acessam a web no trabalho e por isso não tenham muito tempo livre. Mas no meu entendimento, uma reflexão sobre a fé não tem nenhuma razão de ser se de fato o leitor não for tocado pelo que lê e possa, assim, ser conduzido a um crescimento, à edificação, ao arrependimento ou, no mínimo, a uma reflexão. Nem que para isso tenha de imprimir aquele texto para ler no ônibus, em casa ou onde for.

Quem está acostumado a apenas 140 caracteres lerá os 28 capítulos do evangelho segundo Mateus? Ou os 42 de Jó? Os 50 capítulos de Gênesis então! Que sacrifício será. Vai dar sono. A desatenção virá num piscar de olhos – sonolentos. Mais fácil é esperar alguém tuitar um ou outro versiculozinho, vai que assim Deus fala? De preferência “Jesus chorou”, que é bem curtinho.

Amado, amada, use a internet. Use as mídias sociais. Mas, pelo amor do Nosso Senhor, não abra nunca mão de ler bons livros. Ler textos longos evita a atrofia e a preguiça mental do teu cérebro e, por conseguinte, o emburrecimenro da Igreja.

Eu temo por uma Igreja que não tenha paciência de pegar um J.T.Wright, um Alister McGrath, um Dallas Willard, uma Teologia Sistematica de 1.200 páginas… por ter preguiça de ler. Que prefira formar sua bagagem de conhecimentos por tweets. Na porta da biblioteca de minha antiga escola havia um cartaz com uma frase que uns atribuem a Malba Tahan e outros a Monteiro Lobato. Na verdade, o autor aqui não importa, é a verdade contida na reflexão que chama a atenção: Quem não lê mal fala, mal ouve, mal vê. É isso aí. Que nossa Igreja (e você que me lê é parte dela) não perca sua capacidade bereana, apologética, crítica e devocional  por não gostar de ler textos longos. Isso significa, acima de tudo: LIVROS!!! Por preguiça mental. Por flacidez cerebral.

Não importa o tamanho do texto. Não importa o tamanho do livro. Se de algum modo edifica sua vida, leia. E, assim, além de fortalecer seu cérebro pelo uso e pela aquisição de conhecimento, vc pode ler reflexões que vão mudar sua vida – pois livros mudam vidas. Coisa que dificilmente 3 ou 4 parágrafos fazem.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Anúncios
comentários
  1. Eliana disse:

    Ai, me deu uma saudade das cartinhas! Rsrs
    Ótima reflexão em um texto muito inteligente.
    Hj existem tantas heresias por falta de leitura e estudo sério da Palavra.
    Façamos a diferença!
    Paz!

  2. Graça e paz, mano,

    Monteiro Lobato disse certa vez: “Um país se faz com homens e livros”. Meu primeiro presente recebido de real relevância foi “Caçadas de Pedrinho”, do citado autor. De lá p’ra cá, nunca mais parei; sou um verdadeiro “tarado” pelas letras, tanto que acabei em uma faculdade de Letras. E o que mais me atrai, prende mesmo, é a leitura e meditação da Palavra Santa do Senhor, além de bons livros e de comentários teológicos sérios.

    Sendo assim, e justamente por pensar criticamente e não aceitar certas coisas a nós impostas em certas igrejas, acabei “convidado” a sair de uma por seu gerente eclesiástico, ops, pastor.

    Porém, de uma coisa tenho absoluta certeza: jamais deixarei de ler, analisar, pensar e comparar tudo que há por aí à luz daquela que é a Verdade: a Palavra do Senhor (Mt 24.35; Mc 13.31; Lc 21.33)

    Deus te abençoe, amado,

    Marcelo.

    • Marcelo,
      .
      Monteiro Lobato era o Gabito das crianças. Que universo rico ele despertou no imaginário de nossa geração, não é? “Reinações de Narizinho, “Caçadas de Pedrinho” e tantos outros que ajudaram a ligar nossos neurônios. Precisamos de gente assim. E, claro, de gente que os leia!
      .
      Mas tadinho do Pastor, Marcelo, ore por ele. Espero que você tenha encontrado um verdadeiro Pastor vocacionado depois dele.
      .
      Abração e Deus te abençoe!

      • Marcelo de Andrade Gomes disse:

        Rapaz, nem me fale! Pena não ter tempo para reler esses clássicos de M.L. E quanto a Gabito, há um dele do qual gosto muito, o “Relato de um Náufrago” (com certeza vc já leu). Sem falar no Graciliano, Guimarães Rosa, etc. (chega, senão o post vira um livro… rsrs)

        E quanto ao pastor, fique tranquilo. Já estou sendo devidamente pastoreado em uma igreja no real sentido da palavra.

        Abração, e que Deus te abençoe cada vez mais,

        Marcelo.

      • Me alegro pelo pastoreio, Marcelo.
        Sobre os livros…bem, o que me pediram foram livros cristãos, então me restringi a eles. Senão Gabito que me aguardasse kkk.
        Abraço, querido, na paz do Mestre.

  3. Mauricio,

    A paz do Senhor Jesus!

    Concordo com tudo o que disse. Aliás, não sei se já postou algum post sobre livros recomendados.

    Abraços.

  4. Rodrigo disse:

    Curioso como seus textos sempre aparecem nos momentos em que mais necessito ler sobre!
    Maurício, reconheço que ultimamente essa preguiça mental tem me atingido com grande força. Sei da grande importância da leitura (ainda mais na vida um universitário) e dos benefícios que pode nos trazer, mas, às vezes, é como se fosse mais forte do que eu e me entrego a essa preguiça e me vejo estagnado. Sinto vontade em crescer intelectualmente, porém tem se tornado difícil. Até mesmo ao ler a Bíblia. Os olhos passam correndo pelas páginas até que me pergunto: “o que foi que li mesmo?” E me entristeço.
    Falta-me concentração, paciência, motivação. Tenho perdido isso com o tempo. Mas quero muito recuperar essa vontade em estudar e me aprofundar sobre diversos assuntos. Maurício, tem algum conselho que você possa me passar?
    Não tenho dúvidas de que as redes sociais tem uma parcela de influência nesse meu estado atual, mas para me desapegar tem sido difícil.
    Muito obrigado por seus riquíssimos textos, é perceptível a ação de Deus neles.
    Fica na paz, forte abraço!

    • Rodrigo,
      eu entendo o que vc está passando. Eu chamaria de “flacidez cerebral”. Nosso cérebro é assim: quanto mais o usamos, mais ele se desenvolve. A analogia é um músculo que vc para de exercitar. De algo vigoroso, firme e ativo ele se torna flácido, apático, pelancudo. Com o cérebro é igual.
      Meus pais, por exemplo, que ja têm 80 anos, participam da “Oficina da Memória”, que é um grupo que se reune para manter ativo o cerebro por atividades diversas (desde preencher palavras cruzadas e debates sobre leituras até visitas ao Jardim Botânico). O objetivo é fazer sempre que o cérebro esteja em ação. Senão a senilidade e a demência vêm a galope.
      Minha recomendação prática seria: uma página de cada vez. Nada muito complicado. Leia livros que te empolguem ou emocionem e não compêndios sobre fisica quântica rsrs.
      .
      Se me permite uma ousadia, já que vc está bem parado com a leitura, pq não recomeça lendo a trilogia dessa série:
      http://www.editoraannodomini.com.br/livraria/categories.php?category=LIVROS/S%E9rie-Gera%E7%E3o-A%E7%E3o
      Sou suspeitíssimo para falar, pois sou o autor dos livros (o primeiro inclusive ganhou 2 prêmios Areté e o segundo foi indicado ao prêmio), mas são histórias de facil leitura (para serem lidos em 2 horas), com cunho cristão, de investigação e adrenalina, e que têm justamente como um de seus alvos aqueles que não têm o habito da leitura. São acessíveis e a resposta tem sido muito boa dos leitores. E não têm fins lucrativos, ou seja, indico sem pudor pq não ganho nada com a venda deles, tudo é revertido para a obra.
      Podem ser um bom recomeço para vc pegar o embalo e partir para obras mais profundas. Fica a sugestão.
      Deus o abençoe, queridão.

  5. A Paz do Senhor,

    Bem vindo ao clube rsrsrsrsrs se é que posso chamar assim. Tenho sentido isto na pele [blog] – observei que blogs com textos curtos e “superficiais”, ou seja, que não vão fundo no assunto e “aplicam” uma certa “massagem” no ego do leitor tem um transito surpreendente. E isto constatei tanto em autores simples [inclusive com muitas bobagens] como de muitos escritores experientes, gente que publica livros e mais livros. Quero deixar claro que não generalizo.

    Não tenho muitos textos longos de minha autoria, mas publico de autores, inclusive alguns textos seus, que olham na direção que estou olhando, ou seja, na direção de Cristo e, geralmente, os textos costumam ser longos, como uma pregação expositiva. Creio que isso cansa as pessoas, a leitura de textos longos, assim como as pregações no púlpito das igrejas e, como você expõe no texto, muita gente não tem paciência para ler mais do que alguns poucos parágrafos e, eu acrescento: ou ficar mais de 40 minutos sentada ouvido a Palavra de Deus.

    Enfim, o que posso dizer é que seus textos são muito edificantes e que nos ajudam bastante e sabendo que irá continuar a escrevê-los da mesma forma só podemos dizer uma coisa: Glórias a Deus pela sua vida! Glórias a Deus que lhe deu este maravilhoso dom! E que o Senhor te capacite cada vez mais, para que escreva texto até mais longos pois isto só nos traz edificação e crescimento e vontade de conhecer ao Senhor Jesus.

    Que Deus te abençoe!

    • Ô, PC, vc é um camaradaço. Obrigado pelas palavras gentis.
      Espero que em meio a toda a forma prolixa de ser, eu possa ajudar alguns com minhas reflexões. Oro por isso.
      Deus o abençoe, querido, rica e abundantemente.

  6. Katia Mascarenhas disse:

    Espetacular, Maurício!!! Dura esta realidade infelizmente…. Mas, meu irmão, escreva, escreva, escreva!!! Suas postagens são verdadeiros oásis neste deserto de palavras e textos com conteúdo, coesão, coerência, encadeamento de idéias, fechos completos, mas que sempre deixam o “gostinho de quero mais”. Então, Salmo 45:1 para você: “O meu coração ferve com palavras boas, falo do que tenho feito no tocante ao Rei. A minha língua é a pena de um destro escritor”.
    Abraços.

    Katia

    • Katia,
      assim vc me cora. Obrigado, sabendo que tudo o que sai da minha mente provém da luz que o Espirito de Deus lança sobre ela.
      Que as reflexões que compartilho no APENAS sigam te edificando.
      Deua a abençoe muito!

  7. Genilda Silva disse:

    Mesmo com o advento da internet, nunca consegui abandonar os livros. São meus companheiros de todas as horas.
    Hoje em dia, leio com mais frequência literatura evangélica, depois de ter lido na época escolar todos os livros que eram obrigatórios no currículo de grandes escritores da literatura brasileira.
    Já perdi a conta de quantos livros li na vida, porque penso que se há alguma coisa que não se pode tirar de uma pessoa, essa coisa se chama CONHECIMENTO, e só o adquire quem gosta de ler. Mas eu digo ler de verdade, destrinchar um assunto num livro de 300, 400 páginas.
    Encontrei um livro de 887 páginas, se chama “A arte e o ofício da pregação bíblica”. ainda estou me preparando “psicológicamente” para ler um livro desta extensão, mas com certeza o lerei.
    Não vou deixar meu cérebro atrofiar!

  8. Cristina disse:

    Bom dia. Descobri o seu blog no final do ano passado e tornei-me uma fiel seguidora, lendo todos os seus posts desde então, e compartilhado no meu facebook para outros lerem também.Confesso que estou como o Rodrigo, com “flacidez cerebral” devido à internet e ao facebook; qdo recebo emails muito grandes, tenho preguiça de ler. E sempre fui uma leitora voraz, desde criança sempre li muito. Minha mãe era sócia do “círculo do livro” (lembra disto? uma espécie de avon dos livros) e sempre comprava livros para mim, além das coleções de clássicos que tinha em casa (Machado de Assis, Érico Veríssimo) e dos livros da Ediouro; tinha muitos, até guardei alguns livros que gostava muito para qdo tivesse filhos. Ainda leio livros, mas não com tanta intensidade e concentração quanto antes e tenho tido preguiça de ler a bíblia também, e isto vem me incomodando muito. Mas os seus posts, apesar de longos, conseguiram afastar minha preguiça, rsrsrs. Estou montando uma estratégia para ler mais, principalmente a Palavra de Deus, como não ligar o computador em casa e organizar melhor o meu tempo, reservando horários para leitura. Se tiver mais aglguma sugestão, agradeço. E os seus posts longos continuarão me ajudando a exercitar minha concentração, rsrsrs.
    Deus te abençoe .

  9. Amo ler, acho a leitura sublime, mas ultimamente é pegar num livro ler uma página e começar a dormir rs. Será que é a idade? Bom , vale a pena ler, não só livros cristãos, mas livros de poesia e boa literatura de ficção, além de aguçar a imaginação, não deixa o cérebro envelhecer tão cedo. Parabéns pelo post

  10. Lincoln disse:

    Irmão Maurício, é a primeira vez que deixo um comentário no blog mas certamente não é a primeira vez que o acesso. Como é bom, nos dias de hoje, poder ser alimentado por palavras precisas, verdadeiras e acima de tudo: carregadas de amor. Vejo isso no carinho que você usa para formular o post, inserir as figuras a cada intervalo, tema ou parágrafo, sempre contextualizando o que você pretendeu mencionar e principalmente: vejo o seu cuidado em responder (entendo que sempre que possível) a cada comentário ou até mesmo crítica negativa que lhe é feita. É também esse amor, ao qual me refiro, que faz com que até mesmo os textos mais duros nos levem à reflexão sobre como tem sido o nosso caminho ao buscar viver nos passos do Caminho.
    Continue assim querido, resplandecendo algo que provém não de si próprio, mas de Deus. Em muito tenho sido abençoado pelos seus textos, embora nem sempre consiga acompanhar a todos. Que Deus lhe abençoe! Fique na Santa Paz de Jesus Cristo.
    Abraços, Lincoln

  11. Ricardo disse:

    Os livros são as bases do conhecimento, hoje em dia as pessoas estão tão cômodas com a internet, que nem, eu trabalho com direção, edição e roteirização de videos, e tem uns caras de pau que tem a pachorra de me perguntar: “Pô, você tem que fazer o video mais curto”. Se o cara tem preguiça de assistir algo que deu um baita trabalho, toda uma estrutura foi criada e passou por vários processos, imagina se essas “lesmas humanas” vão conseguir ler um texto de 10 ou 20 linhas… É lamentável, mas é a verdade nua e crua que vivemos hoje em dia, o ser humano está com ainteligência estancada devido a preguiça e ao comodismo.

  12. Antes mesmo da internet, não tinha o hábito de ler. Evitava ao máximo os livros que nos obrigavam a ler na escola, até que um belo dia a professora de literatura nos pediu para ler “Ensaio sobre a cegueira” de José Saramago. Desde então, não canso de ler.
    Não dá pra negar que a Internet nos tirou um pouco deste hábito, mas não dispenso os livros e sempre aconselho os adolescentes a lerem, para que não se arrependam no futuro!
    Quero só fazer uma ressalva quanto ao Twitter, pois acredito que fazendo bom uso do seu recurso, ele serve para levarmos a boas leituras através dos links postados. O Twitter é uma rede de interesses, então se seu interesse é leitura, o Twitter será uma ótima ferramenta. Se não fosse por ele, não teria chegado ao seu blog, rs!
    Que o Senhor continue abençoando nossas vidas´através de seus textos.

    • Obrigado, Fernando.
      Se o twitter leva alguem a ler um livro de fato por meio de link é ótimo, tanto que estou nele.
      Mas o problema é que a maioria só está ali e não segue para a literatura. Fica estagnada no tt.
      Repare que há quem sorteie livros, vários concorrem, só um ganha. E os que perderam não vão à livraria ou mesmo ao 0800 comprar o livro, deixam pra lá.
      Ou seja: muitos não estão interessados em ler, mas só em ganhar o livro! Repare só.
      Deus o abençoe!

  13. Jacy disse:

    Maurício,

    Sou suspeita pra falar do “Apenas”… rumino cada parágrafo e gosto muito de ler! 🙂 Parabéns pela reflexão. Saudades das cartinhas…

  14. Tudo o que eu sempre pensei mas nunca escreve… parabéns!

    Eu penso que além disso tudo o que já foi escrito, o fato de tantos cristãos serem enganados por doutrinas ridículas, ant-bíblicas, e que centralizam o prazer humano no lugar da verdadeira vontade de Deus, se dá no fato de que as pessoas não “gostam de saber”, e muitos dos que sabem, querem que assim seja, para que dominem as massas com mensagem genéricas e discursos mentirosos, dizendo o que Jesus nunca disse e fazendo o que ele nunca faria.

  15. greize disse:

    Sempre amei ler, e não veio por influência da família. Uma professora passou a dar provas indicando sempre um livro.Todos reclamavam, eu não.Pq sempre viajei nos livros, sem sair do lugar.Como disse Mário Quintana: “Dupla delícia/ O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.”.

    Livros cristãos ou não.Sim tem livros bons tb, sem ser cristãos.Como vc citou Monteiro lobato.
    Eu adorava escrever cartas, acho mais pessoal, no final de ano sempre enviava cartas e com minha própria escrita de boas festas.Com a internet fui deixando isso..e mtos dizem sentir falta.Eu também..
    A internet ás vezes nos tira o tempo que era para estar no livro, devemos ter equilíbrio.
    Mas tem textos bons na internet.Estou passando mal esses dias, entro na internet leio mto sobre fórmulas mágicas cristãs e mtos textos de exortação(o que é mto válido).Mas ás vezes queremos ler e sentir um pouco do amor de Deus simplesmente.
    Então li :O Amor do Pai.Deus se Deleita em Seus Filhos.Pastor: David Wilkerson.
    Os textos dele sempre são longos ,mas eu garanto vale a pena tirar um tempo e ler até o final, pq sempre é uma balsamo.Ah ,o blog do Zagári tb.Rsrs

    Fica na paz meu irmão, peço oração pq esse dias foram de mtas lutas e angústias.

  16. Marco Juric disse:

    Bom dia Zágari!
    Verdadeiramente não posso dizer que sou íntimo dos livros(romance, novela, crônica, conto etc). Leio bastante, mas como meu trabalho principal se direcionou para as TICs, o secundário para a Fotografia e sendo músico amador autodidata, a maioria das minhas leituras é técnica.
    Sobre as redes sociais até me permito, bem moderado, utilizar o Facebook. O Orkut já cancelei, e mesmo estando inscrito no twitter, não o utilizo, pois não tenho tempo para ficar acompanhando quem sigo e os que me seguem(meia dúzia de bondosos…rssss). Acho mesmo que o Twitter vira “escravidão”(ter que ficar “ligado” para acompanhar) para um indivíduo comum como eu.
    Desde o advento do telégrafo e posteriormente do telefone(que para minha surpresa parece ter sido inventado por Antonio Meucci), cada vez menos se escreve cartas e muitos outros tipos de textos. Depois da teleconferência e videochat então…
    Se por um lado as tecnologias nos ajudam em praticamente todas as áreas, por outro lado também podem, e muuuuuito, nos induzir ao ócio.
    Tenho utilizado a versão da Bíblia(ARA) para smatphone, o que acho bem legal e que não me induz ao ócio para leitura.rsss

    Ótimo texto!(chovendo no molhado)

    God bless you!

  17. Jean disse:

    Zágari,graça e paz,meu amado!.Bastante contundente seu argumento.Aliás,quando descobri seu blog,virei leitor assíduo pela extensão dos textos.Somos da mesma geração e eu tive o privilégio, de por ser filho de um funcionário do JB(nos tempos áureos),ler o mesmo todos os dias.Aquilo me influenciou muito,pois o gosto pela leitura do jornal,trouxe a curiosidade sobre o porquê das coisas..Sabe,mano..livros abençoam,marcam..aliás, Deus mandou Moisés escrever..veja a importância da escrita em nossa vida..e é mui proveitoso,trocar idéias,refletir sobre um livro,um texto.Continue assim,mano..crescendo não só na graça,mas no CONHECIMENTO…A paz de Cristo.

    • Isso mesmo, Jean. É o que sempre digo: não é à toa que Deus se revelou em tinta sobre papel.
      Seu pai era funcionário do JB? Trabalhei lá, na redação, de 1994 a 1996. Será que o conheci?
      Abraço e paz!

  18. Lelê (Alessandra) disse:

    Mauricio,
    A internet banalizou vários comportamentos que sempre foram primordiais pra mim.

    Enviar e esperar um carta – Aff—Como eu gostava de escrever, como a minha letra era bonita, o ato de ir até os Correios, selar a carta e esperar até que o destinatário receba, era um momento ímpar!

    E enviar um telegrama? Não tinha emoção maior! Vc escrever Feliz Aniversario hoje e depois de algumas horas a pessoa já te ligar para agradecer!

    Também náo condeno a internet, através dela conheci várias pessoas e lugares sem sair do meu quarto. Me aproximei de algumas pessoas, me afastei de outras, mas sempre ela trouxe benefício pra mim.

    A sua observação é perfeitamente aceitável. A velocidade da informação está cada dia mais rápida e com isso as pessoas tem que se adequar a nova realidade.

    Que não esqueçamos dos livros jamais!

    Um abraço bem saudoso na familia toda!

  19. Caio disse:

    Que reflexão maravilhosa. Me tocou de fato, pois tenho entrado nesses costumes de ler pouco pelo fato de já ter uma certa hiperatividade. E a internet tem agravado isso. Para quem também lia Agatha Christie na juventude a internet tem me levado para um caminho de atrofia da disposição. Mas seu blog tem resgatado isso porque você sabe muito bem como desenvolver um texto.

    Parabéns!

  20. Tabita Debus disse:

    Eu conheci o romantismo das cartas! E que falta elas fazem.
    O que mais me maravilha nessa prática, é exatamente o ruído do papel rasgando enquanto meus olhos com atenção já começavam a analisar o papel usado pelo remetente, ou ainda o selo que foi utilizado para que eu pude-se receber a carta.
    Na verdade, creio que é graças a essa etapa da minha vida que sou quem sou hoje. Aprendi a apreciar a escrita e a leitura, pois desejava conseguir transmitir a quem eu enviasse a carta exatamente aquilo que eu estava sentindo ou passando, queria ser capaz de faze-la viver o que eu estava relatando.
    Tenho 20 anos de idade e suas palavras traduziram tudo o que tenho visto na geração atual.
    Desde nova me senti impelida a desenvolver amizade com pessoas mais velhas devido ao que elas poderiam me ensinar, e agora jovem, vejo como isso é realmente importante, pois seus ensinamentos norteiam minha caminhada, já os adolescentes e jovens de hoje, me perdoem, mas não conseguem prender minha atenção quando falam sobre moda, filmes, ou como chamar a atenção da pessoa que estão interessados; não são todos, mas infelizmente são muitos.
    Muito obrigada Maurício, por escrever seus textos longos!

    • Tabita,
      vc é uma jovem certamente especial. Se todos fossem iguais a vc!
      Valorizar o antigo sem desprezar o novo: essa é a fórmula ideal, ainda mais numa sociedade onde o velho é tido como desprezível. Lamentável.
      Deus te abençoe!

  21. Denis Conrado disse:

    Muito bacana seu post irmão Maurício! Eu fui um grande leitor no passado, mas o advento da internet aqui em casa me atrofiou… Mas esse ano voltei a ler e me libertei, sabe como?! Primeiro orei sobre o assunto…daí veio um apagão virtual de uma semana aqui na minha pequenina cidade…voltei a ler e, voltando a internet, tô passando menos tempo nela, graças a D-us! Outro dia fiz um “jejum” de internet e me fez eliminar outros sites em que estava viciado (Wikipédia é um deles…). Enfim, é isso aí! Agora, vai ser muito bacana você sugerir livros por aqui, faça isso com frequência; que o Santo Espírito continue lhe iluminando! Abraços!

    • Oi, Denis!
      Obrigado pelas palavras.
      Sabe…vc não é o primeiro que ouço contar experiências assim. Eu, por exemplo, parei de ver TV há alguns anos, exceto em ocasiões especiais. Mano, é incrivel descobrir a falta que a TV NAO faz rrs.
      Somos pavlovianamente condicionados a certas midias e nao nos damos conta disso. Viver no show de Truman e sair do estudio não é pra qualquer um.
      Abraço, querido, na paz do Mestre.

  22. Carlos Melo disse:

    Saudações Zágari.
    Um dia estava assistindo uma entrevista onde um professor de português disse o seguinte:
    “A pessoa que não lê vai falar o que de interessante?!Como vai questionar as coisas que estão ocorrendo ao seu redor?”Isso meu amigo Zágari me chamou tanto à atenção que tive muito mais prazer em ler principalmente à Bíblia,literaturas,filosofias(e até seus textos longos,rsrsrs).E hoje falo bem,vejo bem e escuto bem,por causa da coisa mais prazerosa,à LEITURA.
    Valeu Maurício,belo texto.
    Deus te abençoe muito.

  23. Anônimo disse:

    (…)

  24. Miriam Dias disse:

    “Livros não mudam o mundo,
    quem muda o mundo são as pessoas.
    Os livros só mudam as pessoas”. (Mário Quintana)

  25. Bruno Vilela disse:

    Enquanto 9% dos brasileiros são analfabetos, 20% aprox. são analfabetos funcionais, chega a ser até um reflexo do que foi retratado neste artigo, e é algo que tem se propagado não só os cristãos, mas no país como um todo…

    Um reflexo disso são as pregações que escuto a igreja, é Deus mudando minha história toda semana, ou uma enxurrada de irmãos pregando pra perseverar que a luta logo passa…
    Nada contra isso, mas chega uma hora que satura, cansa a gente, isso que é triste…

    Ótimo artigo irmaõzinho, Deus te inspire a cada dia!

    Fiquei até constrangido, vou procurar alguma coisa pra ler! kkkk

  26. Fabiana Martins disse:

    Ótimo texto, amo ler,tbm sinto saudade das cartinhas, os jovens de hoje realmente não sabem essa sensação de esperar,receber,abrir e ler (com calma)uma carta.Apesar de ser uma jovem de 31 anos gosto de ler,todo mês compro uma revista feminina com dicas de moda,casa etc,vc sabe né irmão….kkk,um dia meu esposo me disse pq eu não assinava a versão on-line ai eu disse :”e o prazer de folhear,de ler e retroceder,de guardar e depois usar como ferramenta de pesquisa etc?” Ele achou muito boa e engraçada minha resposta,veja, ele queria dar praticidade à minha leitura mas verdade seja dita ,para os apreciadores da boa e velha leitura a praticidade não importa e sim o bom conteúdo,principalmente como esse texto seu nós ficamos lendo,lendo e de repente….”aaaahhhhh já acabou” glorificado seja Deus por sua vida continue escrevendo esses textos longos POR FAVOR!!!!!!!!!!Até o próximo texto….abraços!

  27. amanda amorim disse:

    Mauríciooo! Pra mim não existe problema algum em relação aos tamanhos dos seus textos, até porque faz bem ler conteúdos de qualidade, e o seu blog é exemplo nisso.
    Concordo que as redes sociais tem nos treinado a sermos onjetivos,superficiais,preguiçosos… Mas a Palavra nos adverte a andarmos na contra mão do que o mundo tem nos imposto, “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Rm 12:2
    Agradeçoa a Deus por existir pessoas como você,que se permite ser usado por Ele para nos abençoar,seja através de uma simples frase, ou textos de 4 páginas.
    Um abraço pra você e pra sua família lindaaa!

    • Ô, Amandinha, suas palavras são conforto e estímulo.
      Mas não pense que da próxima vez vai escapar de me pagar aquela pizza, hein?! Agora vc está me devendo ;-)) Só perdoei pq a causa era justa rs. Alias, como está aquele mano que vcs foram visitar?
      Beijo e paz. A familia manda beijocas.

      • amanda amorim disse:

        Owww,como eu queria aquela pizza! kkkkk
        Estamos te devendo sim!! Então, não demorem muito pra voltar a nos visitar.
        Rodrigo esta bem graças a Deus. O Senhor é o nosso consolo…
        Deixo registrado a minha alegria em ter conhecido você e sua família pessoalmente, e por ser abençoada,como sempre, através de sua vida.
        Um grade abraço.

      • Amandinha,
        tou achando que vou a CG só pra comer aquela pizza. Se for tão boa como as tapiocas que comi aí, vale a pena o preço da passagem 😉
        Mande meu abraço pro Rodrigo, viu, eu e Ale oramos por ele e sua familia.
        A alegria é mutua, vcs são minha familia de fé e é sempre bom conhecer novos membros da familia, ne? Mesmo os quer moram longe.
        Deus te abençoe. Um beijo e paz!

  28. Isaque L.F. disse:

    Como sempre, ótimo post! Estou sempre aconselhando aos meus amigos e familiares a fazerem uso da leitura, principalmente de bons autores. Recomendo sempre para eles autores seculares como Machado de Assis, Kafka, Melville, Dostoievski e autores cristãos como Schaeffer, Tozer, Lloyd-Jones e John Stott. E o mais importante disso tudo é uma leitura diária da Bíblia (estou lendo a versão BENVI – Bíblia de Estudo Nova Versão Internacional).
    Abçs.

  29. Luiz Felipe disse:

    Excelente incentivo à leitura irmão. Precisamos ler mais realmente.
    .
    Acho que leitura tem mais a ver com densidade ou fluidez do texto do que propriamente com a quantidade de páginas. Ou seja, duas páginas da Teologia Sistemática de Alister McGrath vão me consimuir infinitamente mais tempo do que 10 páginas de um texto do jeito que o irmão escreve. Para mim ele é fluido e transcorre como uma conversa e o tempo passa rápido na leitura.
    .
    O livro e leitura são figuras tão fortes que sempre são associados à idéia de liberdade ou libertação, tanto que muitos regimes totalitários investiram contra eles, seja estes regimes reais como foi o nazismo ou os frutos da imaginação como no livro Fahreinheit 451 de Ray Bradbury.
    .
    Vamos pensar “fora da caixa” e ler bons livros ao invés de ficar aceitando qualquer coisa que dizem por ai.
    .
    Estou aceitando dicas
    .
    Puxa, não mencionei nas linhas acima o livro mais importante, a Palavra de Deus, então ai vai …
    .
    “Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá”. 1 Timóteo 4:13.
    .
    A paz.
    .
    Luiz Felipe

    • Show de bola, Luiz. É claro que há infinitamente mais livros ótimos a serem lidos, mas esses 10 eu considero uma cesta básica mínima para alguém que se diz cristão. Não dá pra ler a Teologia Sistematica do Franklin, por exemplo, sem ter lido a do McGrath, que foi feita especificamente com uma linguagem mais leiga.
      Abraço e Deus o abençoe!

  30. greize disse:

    (…)

    • Greize,
      como vc pediu, não publiquei seu comentário. Só respondo para dizer que li tudo e lamento profundamente por esse fato.
      Que Deus tenha misericórdia dos tais.
      Paz!

  31. Caro Maurício. Parabéns pelo texto. De fato, penso que o livro é ainda, e sempre será imprescindível como forma de conhecimento, cultura e tradição. Apesar de todo imediatismo, e dessa cultura instantânea em que vivemos hoje, com facebook, twitter e tudo o mais, o livro continua sendo uma grande ferramenta para nosso crescimento pessoal. Eu sou nova no mundo dos autores, por assim dizer. Publiquei meu primeiro livro ano passado pela Abba Press – Encontrando Deus no Cinema – com prefácio do Dr. Russel Shedd. Fiz um site específico para o livro (www.julianaschead.com.br), a fim de de comercializá-lo por ali, mas me arrependi. Na prática, percebo que vendo muito mais através de contatos por e-mail ou pelo twitter do que pelo site. Tenho também um blog: http://aprenderpraticarensinar.blogspot.com. Percebi que seu blog foi feito pela wordpress. Gostaria de saber o site que você entrou para criá-lo, pois gostei muito do formato, e estou pensando em remodelar meu blog. Fiquei muito interessada nos teus livros de ficção, principalmente porque estamos desenvolvendo um trabalho de evangelismo com adolescentes de um bairro carente aqui onde moro (Concórdia/SC). Penso que poderei usá-los para promover a leitura, e também, como uma forma de falar da palavra de DEus. Também me interessei por esse seu novo título: A verdadeira vitória do Cristão. Seu blog é um exemplo pra mim, e seus escritos também. Que Deus continue te usando e te abençoando. Já te sigo no twitter. Se quiseres retribuir, meu twitter é: julischead. Um grande abraço. Juliana.

    • Oi, Juliana,
      .
      grato por suas palavras. Vc é muito gentil.
      .
      Não li seu livro mas de cara posso dizer que é um assunto que me interessa (trabalhei 9 anos no Telecine e fiz critica de cinema para o Jornal do Brasil por tanto tempo que nem me lembro mais quanto rs. Tb tinha uma coluna na revista Enfoque Gospel sobre cinema do ponto de vista biblico e tive um blog que abandonei chamado Cinegospel – se procurar no google, deixei suas ruínas no ar rsrs). Então certamente vou querer ler seu livro, como faço pra comprar? (ta vendo, ja conseguiu vender mais um rsrs).
      .
      Sobre meu blog, não tem muito mistério, é só entrar em http://br.wordpress.org/ e seguir o tutorial. É fácil e em 2h vc tem um blog funcional. A mim me atende bem, pois é facil de usar. Se vc precisar de qq ajuda é só falar e te passo as dicas. Ja te adicionei no twitter e pode falar comigo por DM.
      .
      Fico feliz que vc gostou da série Geração Ação. Tem sido usada por muitas igrejas aqui no Rio e inclusive o 4o livro, que deve ser lançado em abril, tem prefácio da Nina Targino, do Movimento Desperta Débora, que escreveu um texto tao lindo que me deixou até emocionado. E ela quer usar tb a série com as Deboras, devo viajar a BH, pois ela quer uque eu palestre para as lideres do Movimento. Tem sido muito bacana, igrejas tem usado em discipulado, para discutir assuntos da vida de fé de seus jovens e adolescentes e já fui palestrar em muitas, para trocar ideias com a galera que leu. Para minha surpresa, pois são livros de edificação e exortação para cristãos, alguns jovens estão usando até para evangelizar amigos na escola e universidade – um efeito colateral que eu não previa. E tenho recebido testemunhos de jovens que mudaram atitudes pelo que leram que me emocionaram – e isso vale mais que qualquer Prêmio Areté. Enfim, se você tiver interesse é só ligar para a editora Anno Domini no 0800-701-3490 ou pelo site http://www.editoraannodomini.com.br. Os livros são feitos para terem preços acesiveis e tenho certeza que dependendo da quantidade eles dão um bom desconto. Confesso que dessa área já não entendo muito.
      .
      Fico feliz que “A verdadeira vitória do cristão” te interessou. 3a feira é o lançamento, se for ler espero que te abençoe, foi um trabalho de pesquisa bíblica e histórica bem intenso.
      .
      Vamos manter contato. Me passe depois como adquirir seu livro. Quero lê-lo, ok?
      .
      Prazer te conhecer. Deus te abençoe!

  32. Paula F disse:

    sempre leio os seus textos bem devagarinho..para não acabarem logo..rs

    bjs

  33. gstorck disse:

    Fiquei com preguiça de ler o texto todo, então li um parágrafo a cada três. Hehe.
    Ótimos textos Maurício. Continue escrevendo. Deus te abençoe.
    Abraço, Guilherme

  34. […] Vai ter com a formiga, ó internauta preguiçoso! […]

  35. Maurício como sempre ótimo texto, mas eu falando fica meu suspeito pois amo ler esse blog, não da pra ler todos os dias, devido os afazeres hehehe mais sempre abro uma vaguinha pra colocar em dia os posts, continue sempre escrevendo, tem abençoado muitas vidas inclusive a minha!
    E que todos os dias venhamos matar essa carne que não quer ler, principalmente a bíblia, que todos os dias venhamos aprender um pouco mais de Deus através da sua palavra e de blogs assim como o seu edificantes!
    Deus abençoe Mano!
    Te amo no amor do Pai!
    Abraço!

    • Ô, Lourayne, eleita de Deus, vc é um doce, obrigado pelas palavras tão gentis.
      São pessoas como vc que nos incentivam a continuar escrevendo, apesar das dificuldades.
      Fico feliz de estar edificando de algum modo a sua vida.
      E toma jeito, hein! Esquece meu blog, mas leia a Biblia. XÔ, CARNE! rsrs
      Amor recíproco, por meio dAquele que nos fez irmãos,
      Mauricio

  36. Yara Carvalho disse:

    Amei o texto!! Lavou minha alma(Rs)…e achei curto! Brincadeira#
    Quando um texto é longo e me falta paciência, eu sempre digo pra mim mesma:
    Você precisa se educar!!

    Deus continue te abençoando!

  37. marciaamaral disse:

    Paz abençoado!
    Eis um tema que falo tanto! Não se lê como antigamente !
    Vivi minha adolescência (década de 80) com livros e mais livros. Na época não tinha condições financeiras e havia uma vizinha que era sócia do círculo do livro e todos que ela lia eu lia e principalmente Agatha Christie. Em 1988 me converti e logo de cara tive em mãos literatura cristã, o primeiro foi Providência Divina, que fala sobre a história de José. Hoje tenho um arsenal de livros de todos os tipos de assuntos, onde tenho prazer em estudar e meditar, sempre respaldando na Palavra de Deus. Sinto um grande aperto no coração quando vejo nossos jovens, a maioria, dando as costas ao conhecimento. Escrevem e se expressam precariamente pelo simples fato de não ler. O que será da próxima geração, já que a atual apresenta sinais “virtuais” e reais de pura desnutrição cultural. Deus te abençoe grandemente !

    • Marcia,
      honestamente? Temo muito pelas novas gerações. A geração internet é em sua grande maioria iletrada. Não gosta de ler textos longos e acha que Agatha Christie é algum tipo de remédio.
      Em resumo, sou mto pessimista qto a essa geração no que tange à aquisição de cultura pela leitura, ao desenvolvimento de senso critico, a seu crescimento.
      Uma pena.
      Deus te abençoe com a verdadeira vitoria do cristão!

  38. Amo ler (mamãe sempre foi e ainda é um excelente exemplo pra mim)… Concordo com você em gênero, número e grau sobre a experiência de escrever cartas (Helena, minha professora de Português da 6ª série, criou um projeto, com outra professora de uma escola do estado do Mato Grosso, de seus alunos se corresponderem por cartas… Era muito bom escrever de Fortaleza – Ce para alguém que estava tão distante)

    Às vezes, fico imaginando como deveria ser bom nos tempos de Paulo… Ele escrevendo todas aquelas cartas para várias Igrejas em diversos lugares… E temos tudo ainda hoje!

    Quero dizer que seus textos são inspirações para continuar lendo. Já li vários posts seus.

    Ah, já contei sobre seu blog para o meu pastor e para vários amigos também. Eles gostam muito de ler.

    Um abraço no coração de um pastor, que não tem nome de pastor mas que é pastor pois ensina, exorta e consola como um verdadeiro pastor.

    • Igor, mano querido,
      fico feliz que vc tenha essa experiência. De fato dá saudades, é muito gostoso.
      Muito obrigado pelas palavras carinhosas sobre o blog. Espero que minhas reflexões o estejam inspirando. Mande um abraço grande para seu pastor e seus amigos, diga-lhes que sou grato por aturarem minhas palavrinhas.
      Um abraço forte no teu coração, querido, que é mais generoso do que eu mereço.
      A paz de Cristo!

  39. Katia Machay disse:

    Hj li esse seu post e acredite eu leio sempre todinho seus posts, sabe porquê? Porque sua leitura é maravilhosa, atrai e me faz ter sede de chegar ao fim satisfeita. Eu tenho 51 anos sou um pouco mais da antiga que vc…rs alem das cartinhas, tinha o telefone q se precisava usar a telefonista pra fazer ligação pra fora, havia interação de “pessoa viva” alguem q falava normal e nao como hj q so encontramos “robos” falando pra vender algo, etc. Nas escolas tinhamos a interação tb com os colegas, dos livros, havia biblioteca (um dia pensei ate em estudar biblioteconomia…rs) éramos muito mais assiduos na leitura do q hj com os jovens. Tenho 3 filhos (2 moças e 1 rapaz) e somente o rapaz é q tem o interesse pelas leituras (graças a Deus pelo menos um…rs) mas lastimo pelas moças q so leem pq sao “obrigadas” pela faculdade e ensino medio a fazer tais leituras. Lembrei daquele slogan do O GLOBO, “quem lê sabe mais, quem lê o Globo sabe muito mais ainda.” Essa diferença é marcante aqui em casa.
    Enfim, continue postando seus textos “longos” pois pra mim sao edificantes e completos, me faz SEMPRE refletir e tem me ajudado muito no meu crescimento espiritual (ainda estou aprendendo…rs) e nunca vou parar de querer aprender.
    Deus abençoe sua vida e que esse seu blog nunca acabe. Nao sei como o descobri, mas nao vou te largar mais…rs
    A paz de Cristo!

    • Haha, Katia, não largue não, será sempre bem-vinda!
      Eu fico muito triste quando alguém diz que não lê meus posts “pq eles são longos demais”. Não por mim, mas pq penso “como será então que essa pessoa lerá um bom livro ou mesmo os 50 capítulos de Gênesis? Infelizmente há uma geração de preguiçosos mentais, não por culpa deles, mas de toda uma cultura que não os estimula a treinar seus cérebros à leitura. E, portanto, sem leitura, resta uma sociedade medíocre em termos de conhecimento. Fico triste.
      De qq modo é uma alegria conhecer pessoas como você, que ainda se dedicam ao maravilhoso mundo das letras!
      Deus te agracie com a verdadeira vitória do cristão!

  40. Marlene disse:

    Fuiiiiiii tchau, maravilhoso Deus continue o abençoando

  41. Camila disse:

    Na infância eu tinha um preconceito enorme contra livros, pela forma como tentavam me fazer gostar deles, achava muito arrogante. Na adolescência a falta de amigos me fez engoli-los. Hoje posso dizer, foi certamente uma das melhores coisas que já “engoli” na vida. Sou relativamente jovem, mas gosto de escrever cartas, tomei gosto a primeira vez que recebi uma. Mesmo com as redes sociais tento manter o habito de enviar cartas pros amigos, que sempre ficam felizes ao recebe-las e agradecem muito, só fico triste porque não me enviam também rs; nessa hora pra me consolar procuro lembrar este conselho de Cristo: “Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vos também…Mat 7. Acho que é tentando aplicar isso que conservamos bons hábitos e tornamos as coisas um pouco melhor ao nosso redor.
    Deus continue o abençoando. E não ceda! Mantenha o seu bom habito de escrever textos longos! hehe

    • Oi, Camila,
      .
      ah, que saudades da época das cartas! Na minha adolescência eu tinha muitos “pen friends”, como se chamava. Era uma delicia, sentir o cheiro papel, ler a letra das pessoas, ver rabiscos nos erros, esperar com ansiedade a chegada da próxima carta… Uma delicia. Se você tem esse habito, nao o abandone. É muito mais humano do que emails e scraps.
      .
      Deus te abençoe muito,
      mz

  42. Elis Amâncio disse:

    Ainda bem que você não escreve apenas 3-4 parágrafos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s