Nunca ganharemos o Brasil para Cristo

Publicado: 17/06/2011 em Espiritualidade, Igreja dos nossos dias, Pecado, Uncategorized

Ouço frequentemente uma conclamação feita nos mais variados recônditos do universo evangélico: Vamos ganhar o Brasil para Cristo!!! Bem, lamento informar, mas nós nunca vamos ganhar o Brasil para Cristo. E antes que você, espantadíssimo com minha falta de fé, me acuse de derrotismo ou mesmo de estar a serviço do mal, deixe-me explicar.

Como não acredito na doutrina da confissão positiva (o hábito antibíblico de “decretar a vitória”, “profetizar a bênção” e “tomar posse pela fé” que, se você não sabe, foi incorporado ao cristianismo a partir de práticas de religiões pagãs da Nova Era – mas essa é outra conversa) nao vejo dolo em fazer essa afirmação, que é fruto de uma observação bíblica, histórica e contextual. E justifico minha posição, apresentando aqui as razões pelas quais não creio que o Brasil será ganho para Cristo:

1. Aspectos biblicos:

A Bíblia nunca promete que nações inteiras se converteriam ao Senhor em nossos dias. Ela fala: “E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (Mt 24.14) mas em momento algum promete que isso resultaria em conversões em nível nacional. Anunciar o Evangelho é uma coisa. Ele resultar em conversões é algo bem diferente. Pelo contrário. A Palavra de Deus é clara ao afirmar que a minoria herdaria o Reino dos Céus:

–> “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram” (Mt 7.13,14).

–> “Alguém lhe perguntou: ‘Senhor, serão poucos os salvos?’. Ele lhes disse: ‘Esforcem-se para entrar pela porta estreita, porque eu lhes digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. Quando o dono da casa se levantar e fechar a porta, vocês ficarão do lado de fora, batendo e pedindo: ‘Senhor, abre-nos a porta’. ‘Ele, porém, responderá: ‘Não os conheço, nem sei de onde são vocês’. “Então vocês dirão: ‘Comemos e bebemos contigo, e ensinaste em nossas ruas’. “Mas ele responderá: ‘Não os conheço, nem sei de onde são vocês. Afastem-se de mim, todos vocês, que praticam o mal!’.”. (Lucas 13.23-27).

–> “Não tenham medo, pequeno rebanho, pois foi do agrado do Pai dar-lhes o Reino” (Lucas 12.32).

–> “Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos” (Mt 22.14).

Ou seja: não há na Bíblia nenhuma promessa ou sugestão de que haverá multidões de salvos entrando em nível nacional pelos portões do Céu. Não: a salvação é para poucos. Repare que na parábola do semeador (Mt 13) a maioria das sementes não frutifica, apenas uma pequena parte delas germina e dá frutos.

Gostaria eu que fosse diferente. E temos sempre que fazer de tudo e empreender todos os nossos esforços para que o máximo de pessoas receba a mensagem da Salvação. Temos que pregar o Evangelho a toda criatura. Mas no que tange à Biblia não posso afirmar o que ela não afirma só porque me faria sentir melhor. A verdade é o que é.

2. Aspectos históricos.

Fala-se muito de avivamento, de pátrias que foram sacudidas pelo poder do Espírito e que se transformaram em nações cristãs de fato, com milhares de conversões e manifestações inefáveis do poder de Deus. Isso é verdade. Moveres sobrenaturais de Deus levaram alguns países, em períodos determinados da História, a buscar coletivamente uma aproximação maior de Cristo e uma vida de santidade. Foi assim no Primeiro e no Segundo Grande Despertamentos dos séculos 18 e 19, por exemplo. Mas minha pergunta é: como estão essas nações hoje?

Espiritualmente falidas.

Os Estados Unidos, avivados pela pregação de bastiões como Jonathan Edwards e George Whitefield, são hoje um país cristão não-praticante, pérfido, devasso e sem nenhum tônus espiritual, que fez o que fez no Oriente Médio sob a direção de um presidente supostamente evangélico. Um país onde a Igreja tem aceito a ordenação de bispos cuja orientação sexual em outras épocas jamais seria aceita e que inventou a Teologia da Prosperidade. Um país espiritualmemte e moralmente em bancarrota, que exporta para o mundo filmes, programas de TV e músicas abomináveis pela moral bíblica.

Já a Inglaterra, país que na época de John Wesley se viu renovado espiritualmemte, hoje mal se lembra que há um Cristo. No restante da Europa, encontramos países como Espanha e Portugal, com menos de 1% de cristãos reformados. Nos berços da Reforma Protestante, Alemanha e Suíça, a Igreja evangélica tornou-se uma entidade fantasma, com igrejas vazias e nenhuma influência sobre a vida da sociedade.

E isso falando de nações que estão debaixo de nossos olhos. Se voltarmos alguns séculos no passado encontraremos os países do Oriente Médio com quase toda a população cristã. Você talvez não saiba disso, mas até o século VI d.C. regiões que hoje compõem países como Turquia, Irã, Iraque, Marrocos e Arábia Saudita, atualmente considerados não-alcançados pelo Evangelho, tinham suas populações quase que totalmente cristãs. Até que veio o islamismo e tomou esses países,  transformando-os em nações muçulmanas.

O resumo da ópera é que para se “ganhar uma nação para Cristo” é preciso um milagre. Não só um milagre de  conquista, mas um milagre de preservação. Ou seja: reconquista diária. E milagres são a exceção, não a regra.

3. Aspectos contextuais (atuais)

Este é o ponto principal desta reflexão. Para que se pregue o Evangelho a uma pessoa pecadora, mais do que proclamar a Verdade é preciso viver a Verdade. Mas não temos sido exemplo. Compartilho alguns sintomas que me mostram que a Igreja brasileira não está capacitada para ganhar a nação para Cristo:

●  A maior parte da Igreja visível no Brasil de hoje é espiritualmemte flácida e complacente com o pecado: o comportamento visível de muitos cristãos diante da sociedade não tem sido muito diferente do comportamento dos não cristãos. Em geral, somos agressivos, arrogantes, vingativos e egocêntricos. Fraudamos impostos, passamos cheques sem fundos, não honramos nossa palavra. Nossos seminaristas colam nas provas. Não cedemos lugar no ônibus para o idoso, fingimos que não vemos o mendigo, jamais emprestamos o ombro a um órfão sequer e muito menos a uma viúva. Articulamos dentro das igrejas para conseguir ocupar cargos de destaque. Muitas de nossas conversas são torpes, falamos mal dos outros pelas costas, jogamos irmãos contra irmãos, contamos anedotas pesadas e fazemos piada com a manifestação dos dons do Espírito Santo. E por aí vai. Uma Igreja assim não tem a menor moral de pregar o arrependimento de pecados para o mundo: primeiro ela própria tem de se arrepender.

● O evangélico brasileiro não gosta de ler. Lidos sob o poder e a iluminação de Deus, livros são o alicerce da transformação. Mas nossos jovens preferem videogames, televisão, internet e no máximo inutilidades como a série “Crepúsculo” do que livros essenciais para a formação de um caráter cristão. E sem uma mente bem formada nos tornamos incapazes de pensar uma nação. Quanto mais transformá-la. O poder de Deus age, mas age por intermédio de seres humanos – que precisam ter bagagem intelectual para explicar e transmitir. E ainda lemos muito menos do que deveríamos. E a qualidade do que lemos, em geral, deixa muito a desejar.

● Conhecemos muito pouco a Bíblia. Uma pesquisa recente feita entre os líderes de jovens de certa denominação mostrou que menos de 30% deles tinham lido a Bíblia toda. Repare: estamos falando de líderes! Aqueles que deveriam ensinar os outros! Se não lemos, não conhecemos, e se não conhecemos… o que vamos pregar? Nossa teologia é formada a partir daquilo que ouvimos em corinhos, assistimos em péssimos programas evangélicos de TV, lemos em frases soltas no twitter e em adesivos de automóveis. Mas são poucos os que realmente se dedicam ao estudo sistemático e aprofundado das Escrituras. Então vamos ganhar o Brasil pra Cristo, mas… que Cristo? Se não conhecemos o Cristo segundo as Escrituras o apresentam, que Cristo é esse que estamos pregando? Se não entendemos a Palavra por não conhecê-la, que Palavra é essa que estamos pregando? Sem conhecer a Bíblia não temos absolutamente nada a oferecer em termos espirituais à nação.

● Grande parte da Igreja evangélica brasileira é egocêntrica. Ora por si e pelos seus. Pede bens materiais, emprego, carro e casa própria em suas orações. Quer a cura de suas enfermidades. Mas não se dedica muito a interceder pelo próximo, orar pelo arrependimento dos pecados e buscar sanar os males da sociedade. Não ora pelos pobres. Não estende a mão ao faminto. Não olha para o próximo. Não se devota. Não considera o outro superior a si em honra. E ganhar uma nação para Cristo exige olhar, antes de tudo e antes de si mesmo… para a nação.

● A Igreja está hedonista. Quer prazer. Quer alegria. Quer ser feliz da vida. Quer emoção. Que louvores vazios mas emocionantes. Quer shows e não momentos de intimidade com Deus. Quer se sentir bem. Quer cultos que atendam às suas necessidades. Quer pregações que a faça sorrir. Quer enriquecer e ter uma vida abastada. Só que antes de ganhar uma nação para Cristo temos que chorar muito, nos humilhar, esquecer o que nos faz bem e buscar o que faz bem à nação. E orar. Orar! A Igreja hoje celebra muito, canta muito… mas ora de forma mirrada, esquelética. Só que pouca oração e muita celebração não farão nação alguma se converter. Se ganharmos o país para esse modelo de cristianismo o que faremos é transformar o Brasil numa grande rave gospel, com festa atrás de festa, celebração após celebração e pouca ou quase nenhuma vida íntima com Cristo.

● Grande parte da Igreja tem pregado um evangelho mentiroso.  O que se tem divulgado é um Jesus fictício, complacente, eternamente alegre e exultante, que nos garante “plenitude de alegria, todo dia”. Mas o Cristo de verdade quer que tomemos nossa cruz para segui-lo. Que morramos para nós mesmos. Que deixemos pai e mãe para ir após Ele. Mas a nação não quer fazer isso. E para ganhar a nação para Cristo ela tem que saber que terá de abrir mão de muita coisa, de esvaziar-se de suas vontades e desejos e seguir um caminho de renúncia e muitas vezes de sofrimento. Ganhar a nação para Cristo significa propor a ela: tome sua Cruz e siga-me. Arrependa-se de seus pecados, abra mão de seu eu e mude de vida. Honestamente: é isso que temos pregado?

● A Igreja está dividida. A Palavra nos diz que “Se um reino estiver dividido contra si mesmo, não poderá subsistir” (Mc 3.24). Mas deixamos nossas paixões denominacionais suplantarem a unidade. Nós, pentecostais, fazemos piada com os tradicionais. Os tradicionais ridicularizam os pentecostais.  Todos menosprezamos os neopentecostais. Nos tornamos “anti” qualquer coisa que não sejamos nós mesmos. Nas tentativas de unir a Igreja perde-se tempo com discussões inócuas e vaidosas. Esquartejamos o Corpo de Cristo. E ainda assim queremos acrescentar uma nação inteira a esse Corpo? Como? Se não depusermos as hostilidades e buscarmos a unidade – verdadeira e sincera – uma nação ganha para Cristo sob esses moldes de igreja desunida seria um grande frankenstein.

● Nossas motivações são equivocadas. Queremos ganhar o Brasil pra Cristo não por amor às almas perdidas, mas sim para garantir nosso galardão no céu ou para finalmente fazermos parte do clube que representa a maioria e não a minoria. Queremos é estar por cima. Falta-nos, mais do que amor pelo Brasil, amor por cada brasileiro.

● Estamos tentando avançar na sociedade utilizando cargos políticos e legislações. Queremos ganhar o Brasil não para Cristo, mas para projetos de poder mascarados de cristianismo. E isso elegendo políticos supostamente comprometido com o Evangelho, fazendo marchas e protestos, usando de politicagens e chantagens políticas e organizando lobby no Planalto. E nada disso são armas espirituais. Nada disso nunca vai, de modo algum, glorificar o Senhor. Apenas cumprirá uma agenda política e nada mais.

Haveria muitos outros problemas que poderíamos desenvolver aqui, mas não quero me alongar mais. Não quero parecer um profeta do apocalipse, pintando um cenário pessimista. Minha intenção não é essa. Mas me atreveria a perguntar: será que os problemas que apontei acima são fruto da minha imaginação ou você consegue enxergá-los ao seu redor? Alguns poderiam dizer que o que escrevi não é nada edificante, mas… Há algo mais edificante que reconhecer nossos pecados para que possamos refletir sobre eles, arrepender-nos e consertar os erros? Não é isso que significa edificar? Construir? E, se preciso for, reconstruir? Parar de varrer a sujeira para baixo do tapete e acertar as coisas?

Há focos de resistência. Grupos que buscam viver uma espiritualidade real, profunda, desinteressada. Cristãos que se abraçam e se amam de modo entregue e que se devotam à causa de Cristo e ao próximo. Esses são o remanescente fiel. São o último alento. Mas estão reunidos em silêncio, buscando a face de Deus sem fazer balbúrdia. Eles são a semente da minha esperança.

Acredite: eu gostaria de que o Brasil fosse ganho para Cristo. Gostaria imensamente. Gostaria de viver numa pátria onde o Evangelho ditasse o procedimento das pessoas. Gostaria de poder afirmar: “Feliz é a minha nação, pois seu Deus é o Senhor”. Mas o que vejo ao meu redor não me permite fingir que está tudo bem. Não está. A Igreja de Cristo precisa se repensar e se acertar antes de empreender projetos de conquista. E isso urgentemente. Um exército desorganizado, desunido e despreparado não conquistaria nem um vilarejo, quanto mais uma nação.

Precisamos de um milagre. É caso de vida ou morte. E morte eterna. Precisamos nos arrepender dos caminhos pop e egoístas que estamos trilhando. Precisamos voltar a orar com um coração generoso. Precisamos nos humilhar. Precisamos clamar por misericórdia. Precisamos parar de tentar vencer o mundo no peito e na raça e tentar vencer, antes de qualquer outra coisa, nossas próprias concupiscências com o rosto no pó e os joelhos calejados. Essa luta não se vence com gritos, protestos, marchas, lobbies políticos e partidarismos, mas com lágrimas. Até caírem as escamas de nossos olhos e enxergarmos a dimensão espiritual que existe por trás da cortina da matéria continuaremos agindo como o servo de Eliseu, que não via o exército celestial do lado de fora de sua casa e desejava agir segundo os métodos do mundo e não os do Espírito.

Até lá, antes de pensarmos em ganhar o Brasil para Cristo, deveríamos nos preocupar em ganhar a nós mesmos para Ele. E isso diariamente. Pois é mediante a  transformação pessoal, de um a um, alma a alma, no campo do micro, que alcançaremos o macro. Caráter. Espiritualidade. Intimidade com Deus. Estudo aprofundado das Escrituras. Leitura de autores sérios. Menos exultações e mais contrição. Amor ao próximo de fato, comprovado em atos. Sem atitudes como essas, ganhar a nação para Cristo é um sonho distante. E, honestamente, impossível.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Anúncios
comentários
  1. André Neves disse:

    Maurício, vejo que realmente és profeta! Rsrs… Como uma coisa tao facil de perceber não está sendo percebida pela maioria dos cristãos atualmente? Por que todos preferem ver pelos olhos de um líder visionário, que no fundo mesmo só está qurerendo empreender o seu projeto denoninacional e político? Fala-se MUITO em viver em santidade hoje em dia, mas há tão poucos de fato vivendo! Há de começar o julgamento pela casa de Deus, e eu quero ser achado puro diante do meu Deus.

    “Oh, ajuda-me Senhor! E tem misericórdia da minha geração!”

    • Amem e amem, André. Abraço forte e carinhoso, no amor dEle.

      • Willian disse:

        Olá Mauricio, meu nome é Willian e sou de Campos dos Goytacazes RJ e tenho lido todos os seus artigos que tem me edificado bastante, sem deixar de ler a Bíblia, é claro! Bom, sou músico profissional, trabalho nesta área a 14 anos, vivo disso de forma integral , toco na igreja da qual sou membro,e sempre toquei para muitos cantores cristãos daqui da minha cidade , além de dar aulas particulares de Bateria, Teoria e Percepção Musical. Porque estou dizendo isto? Neste meio que vivo, tenho conhecido muitos músicos CRISTÃOS que trabalham com Cantores e Bandas seculares ou até mesmo tocam na noite como forma de ganharem a vida, já que eles tbm vivem disso. Eu particularmente ja recebi muitas propostas tentadoras de acompanhar uma banda secular, de bandas até famosas da mídia secular. Mas sempre tive um pé atrás em relação a tocar no meio secular, não pelo fato de tocar em si, mas pelo ambiente que existe nesse meio ( que não é nada agradável para quem é cristão, tanto é que ja recusei todas as propostas que recebi do meio secular.). Então a minha pergunta é: Qual a sua opinião sobre músicos profissionais CRISTÃOS que trabalham com música secular para se sustentarem??? Se eu puder sugerir, gostaria que postasse um novo artigo sobre este assunto. No mais, agradeço a oportunidade e que Deus continui te usando grandemente para despertarmos para a realidade do Evangelho. Abraços

      • Salve, William,
        .
        na verdade já postei um texto sobre o assunto. Vc pode ler aqui:
        apenas1.wordpress.com/2011/09/26/cristao-deve-ouvir-musica-do-mundo/
        Espero que te edifique.
        .
        Na paz do Mestre

  2. Uma leitura dolorosa, difícil de engolir. Mas quem disse que a verdade é sempre doce?

  3. rafael disse:

    Meu amigo!!!! BOm demais…. Tava com uma Saudade de ler artigos assim…eu era da Igreja Nacional do senhor Jesus Cristo… da dita Apostola Valnice Millhomens e sei muito bem o que é esse discurso. Confesso que essa visão “romantica” é muito ensinada e clamada no meio Neopentecostal.
    Confesso que me intristesse muito ler tais versiculos e ver que são bem reais, como amo ao Senhor eu quero ver o maximo de gente possivel adentrando os portões celestiais, devemos partilha o evangelho e buscar anuncia-lo ao maximo de pessoas que pudermos, porem anunciar não é eficaz para os que vivem da cultura do “faço o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, e essa é a triste realidade do nosso pais, esquecemos do anuncio que Paulo fez a timóteo em I tm 4:16 “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.” e vivemos nossa vida baseado no principio humanista de que é bom se ma dar prazer.
    Mauricio meu irmão, continua escrevendo estas coisas e anunciando que o evangelho é realidade e não um mundo de sonhos e imaginações!!!
    O seu texto é forte e direto!!! adorei isso nele!!!
    Vou acabar por aqui, se não o meu comentario vai ficar maior que o texto!!! kkkkkkkkkkkkkk

    Deus te abençoe rica e abundantemente!!!
    tamo junto

    • Rafael, teu comentario me enche de alegria e de esperança. Alegria por meus devaneios acharem abrigo no teu coração e esperança por ver que há aqueles que pensam biblicamente e procuram agir conforme a sã doutrina das Escrituras. Por favor, não pare. Proclame a Verdade. É um trabalho de formiguinha em meio a tantas vozes distorcidas, mas se um ou dois forem alcançados por ele… os anjos exultam no Céu.

      Deus te abençoe!

  4. Katiana Diniz disse:

    Verdade. Alguns movimentos “gospel” têm planos ambiciosos, mas cadê as bases? Estão sob a areia. Sempre pensava isso quando escutava as profetadas que “cidade tal é de Jesus” .. mas não tinha um fundamento crítico…que vc continue assim Maurício, pela fé!

    • Obrigado, Katiana. Com o apoio de irmãos que pensam biblicamente como vc acredito que o Evangelho real conseguirá ser pregado de modo a alcançar com tônus verdadeiro e cristalino aqueles a quem a graça se estender.

      Beijo e paz pra ti, no amor do Senhor.

  5. Elias Medina disse:

    Excelente texto!
    Dizer que tais palavras não edificam, apesar de serem duras e verdadeiras, seria para quem está buscando um evangelho fácil, barato e utopico!
    Louvo a Deus por ainda existirem pregadores genuínos! Que prezam pelo evangelho verdadeiro, biblico! Deus continue usando sua vida, suas palavras, seu intelecto!
    Boa tarde!
    Abraços!
    Paz!

    • Muito obrigado por suas palavras, Elias. Fico grato a Deus por haver pessoas como você, que coadunam com a sã doutrina bíblica. Sigamos juntos!

      Abraço forte, na paz do Mestre.

  6. Luçardo disse:

    Paz Mauricio…

    O artigo inteiro é excelente.
    Realidade nua e crua.
    Não tiraria uma vírgula.

    Comento, em especial, este parágrafo:

    “● Estamos tentando avançar na sociedade utilizando cargos políticos e legislações. Queremos ganhar o Brasil não para Cristo, mas para projetos de poder mascarados de cristianismo. E isso elegendo políticos supostamente comprometido com o Evangelho, fazendo marchas e protestos, usando de politicagens e chantagens políticas e organizando lobby no Planalto. E nada disso são armas espirituais. Nada disso nunca vai, de modo algum, glorificar o Senhor. Apenas cumprirá uma agenda política e nada mais.”

    Venho ‘batendo nesta tecla’ faz algum tempo.
    Tenho visto lideranças envolvidas em movimentos políticos diretos e representativos, campanhas, marchas, enfim. O cúmulo foi o dia em que vi no Twitter um famoso pastor fazendo uma campanha para ganhar uma ENQUETE no site da Câmara dos Deputados.

    Pelo amor de Deus. Em que ponto chegamos?
    O evangelho ‘ninguém’ (força de expressão, não estou generalizando) prega mais.
    As lideranças gladiam-se por cargos diretivos em várias instituições religiosas.
    As instituições religiosas (nego-me a chamar tais instituições de igreja) têm servido de “jump” político e financeiro.

    Em resumo e redundantemente: realidade nua e crua.

    Deus o abençoe por escrever e divulgar tais coisas.
    São poucos ainda hoje que tem a voz para utilizá-la em pról do Reino, e não de sentimentos egoístas.

    • Queridão, obrigado pelas suas palavras. Creio que a sua indignação, expressa em “Pelo amor de Deus. Em que ponto chegamos?” é a tônica do momento.

      Eu não sou contra a instituição igreja, na verdade ela é inevitável e pode se tornar um bem para o Reino se bem conduzida (leia o post “Jesus X Igreja: tornei-me cristão quando saí da igreja”, ali abordo com profundidade minha visão sobre isso). O problema é o pecado que tem permeado a vida dos que se chamam pelo nome do Senhor. É contra isso que temos que pregar. É o pecado o alvo de nossa denúncia. E é a isso que tenho me devotado.

      Obrigado por suas palavras. Que caminhemos juntos, no amor do Pai, no carinho e no afeto da noiva do Cordeiro. Abraço forte.

  7. Nivan disse:

    Maurício, voce não está sozinho nesse sentimento. Compactuamos com essa dor…
    Abraço

  8. Sérgio Cerqueira disse:

    Análise objetiva e detalhada, que não é apenas ““anti” qualquer coisa que não sejamos nós mesmos”. Olha ao redor sem perder a perspectiva do auto-exame: “deveríamos nos preocupar em ganhar a nós mesmos para Ele”.

    Vou guardar e usar como pauta para reflexão e desenvolvimento pessoal.

    Que Deus te acrescente entendimento e sabedoria a cada dia.

    Fique na Paz!
    Sérgio

  9. Meire disse:

    O centro do problema é que muitos querem ganhar o Brasil para suas denominações, ambicionam o poder político, e não só a lã das ovelhas…

      • Marcos Sá disse:

        Maurício,

        Confesso que terminei de ler o seu artigo com lágrimas nos olhos. Reconheço a realidade da Igreja exposta por ti com verdadeira espiritualidade e excelência. Estou unido contigo nesta mesma visão bíblica. Você permite utilizar para os grupos de vida este artigo? E para outras alternativas para divulgar este alerta tão essencial em nossos dias?

        Seu irmão e amigo,
        Marcos Sá

      • Marquinhos, obrigado por suas palavras gentis. Com certeza, use como vc quiser os textos do blog, estão aí para edificar mesmo. Te ligo em breve. Abraço forte, no amor que nos une.

  10. Obrigada por nos proporcionar palavras tão sábias!
    abraços
    Sorayabarros

  11. Tony Soutos disse:

    Esta é uma verdade que muita gente (IGREJA NO BRASIL) não gostaria de ler ou ouvir. Mais que certamente tem que ser dita. Muito bom ler a verdade sem medida; torço que todos que compartilham a leitura deste texto, leiam com o mesmo clarão que o espirito de Deus iluminou o seu coração para escreve-lo Pastor Mauricio. Eu entendi e fui abençoado neste sábado por isso. Grande abraço daqui da cidade das grandes florestas. Manaus/ Am

  12. Kinha disse:

    Mauricio,
    muito bom!! Gostaria que muitos líderes e pastores lessem, entendessem e repensassem as atitudes dentro de suas Igrejas. E adoraria que muitos tivessem maturidade emocional pra perceber que isto não é uma crítica ofensiva e sim construtiva 😉 O último parágrafo é um ESPETÁCULO, pelo menos pra mim 😛
    Se não aplicarmos as instruções de cristo em nós mesmos, como o faremos na sociedade?
    Eu gostaria muito de aprender a aplicar, como se deve, a palavra do Pai. Confesso que viver o que pregamos é difícil, talvez não consigamos fazer isto 100%, mas se tentarmos, ao menos, levar o amor fraterno que Ele pediu, já teremos festa no Céu, é ou não é?
    Mais uma vez, parabéns pelo post 😉
    Kinha.

    • Kinha, obrigado por compartilhar. O caminho é esse: um passo após o outro, um dia após o outro, um acerto após um erro. Em resumo, combater o bom combate – desde que seja de fato bom. Um beijo, na paz do Amado.

  13. Geremias Couo disse:

    Pensei que você quisesse assumir a presidência do “Brasil Para Cristo”. Bricandeiras à parte, Se o Senhor, em sua misericórdia, quiser trazer um avivamento ao nosso país, não será nos termos em que muitos supõem e querem. O avivamento bíblico não é quantitatibvo. É qualitativo. Seu primeiro resultado é pureza espiritual. Que falta desde os púlpitos aos bancos. Com pesar, mas ainda esperançoso.

    Abraçs

    • Fecho 100% com suas palavras, Pastor. Deus o abençoe, num abraço carinhoso.

      • Rev. César Alexandre disse:

        Graça e paz, meu irmão!
        Por um “acaso”, entrei aqui e fui surpreendido com este texto que me entristece pois reflete o que tbm sinto e me alegra ao mesmo tempo por saber que há pessoas cujo pensamento vai além da superficialidade e contempla uma vida de integridade moral e espiritual.
        Deus te abençoe!

      • Graça e paz, Reverendo. Certamente não foi o acaso, Deus age em seus propósitos. Me alegro por poder compartilhar os pensamentos com o irmão. Que sigamos na trilha da justiça. Abraço carinhoso.

  14. revistaiw disse:

    Graça e paz Maurício!

    Descobri seu blog pelo portal Creio. Sou jornalista, da Igreja Presbiteriana em Juiz de Fora/MG e editor da revista Impacto World. Nosso foco é conscientizar jovens e adolescentes sobre o papel que a igreja tem socialmente e espiritualmente. Buscamos matérias que “tirem os panos quentes”. E gostei muito da sua proposta aqui no blog. Gostaríamos de contar com sua colaboração na nossa publicação. Ela é formada por colaboradores que conduzem colunas. A revista é bimestral nos meses pares e a partir de agosto será vendida por no máximo R$ 3 (ainda estamos definindo).

    Se você tivesse um e-mail de contato para podermos conversar melhor, seria super interessante. Sou jovem e comungo das mesmas ideias que você expressou nesse texto. No mais, estou à disposição para trocas de ideias. Nosso e-mail é o iwevoce@hotmail.com. Fico no aguardo…

    Nosso blog é o http://blogdaiw.wordpress.com
    Na paz,
    Gabriel Nascimento (jornalista responsável da revista Impacto World) – @gab_nascimento

  15. Carlos disse:

    Só queria fazer um comentário. Vários pessoas que são analfabetos funcionais são e serão pastores (não conseguem entender o que leem) talvez justifique o percentual baixo dos que leram toda a Bíblia.
    Você não escreveu nada sobre o David Wilkerson que faleceu no mês passado. Eu gostaria também de ler algo escrito por você sobre nossa leniencia política. Temos um governador fanfarrão, muitos prefeitos também, e não tomamos nenhuma atitude.

    Abraços

    • Carlos,

      vale lembrar que dos 12 apóstolos de Cristo, a esmagadora maioria era de pessoas humildes e simples.Provavelmente analfabetas.

      Não escrevi nada sobre David Wilkerson, é fato, nem sei por quê. Me perdoe, não escrevo sobre tudo, mas ao que vem ao coração em certos momentos. Mas posso escrever aqui: estive na Times Square Church, em Nova York, o conheci pessoalmente e o admiro muito como homem de Deus. Que falta que ele fará nesta terra, que alegria entre os anjos ele estar no Céu. Valorizemos seu legado. Sigamos seu exemplo.

      Sobre seu comentário a respeito de política, este blog tem como objetivo pensar coisas da espiritualidade cristã. Há espaços e pessoas muito mais gabaritados para comentar o assunto. A Deus o que é de Deus, a César o que é de Cesar, votemos bem, vivamos bem. Mas se vc quer uma opinião direta, aqui vai:

      “Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são motivo de temor para os que fazem o bem, mas para os que fazem o mal. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela; porquanto ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador em ira contra aquele que pratica o mal. Pelo que é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa da ira, mas também por causa da consciência. Por esta razão também pagais tributo; porque são ministros de Deus, para atenderem a isso mesmo. Dai a cada um o que lhe é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra” (Rm 13.1-7)

      Forte abraço, querido.

  16. florival lunardi disse:

    Se não vamos ganhar o brasil ou qualquer outro país para cristo, isso não cabe anós decidirmos ou espalhar cinfusões bíblicas, isso pode diminuir a fé de alguns irmãos mais novos na fé, acho que temos que passar adiante os ensinamentosde cristo e tentar levar sua salvação ao máximo de pessoas possíveis. Temos que crer como crianças, pois cristo mesmo disse que o reino dos céus é dela, temos que louvar, orar e crer como crianças, sem filosofar sobre oque cristo deixou pra nós, o plano de deus é que proclamemos seu evangélio, então é isso que devemos fazer, qualquer outra proclamação e ensino não vem de deus. Graça e paz.

    • Caro Florival,

      “Confusão bíblica” é ficar estimulando igrejas inteiras a um triunfalismo que não tem absolutamente nenhuma base bíblica. Nenhuma. A Bíblia não promete em absolutamente nenhum lugar países inteiros convertidos a Cristo. Muitissimo pelo contrario, muitos apostatarão da fé nos ultimos dias como vc, que é um bom conhecedor da Palavra, sabe. E, se vc leu o post, viu bem que “a porta é estreita e poucos são os que passarão por ela”. Isso quem diz é a Palavra e não eu.
      Estimular a fé de irmãos novos na fé passa por pregar o Evangelho como a Bíblia o ensina e não com mentiras. E, meu irmão, vc sabe bem quem é o pai da mentira. E a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus (e não discursos triunfalistas e antibíblicos).
      E concordo com vc, Florival: “qualquer outra proclamação e ensino não vem de Deus”.
      Louvar, orar e crer como crianças sim, mas estudar e compreender a Bíblia como adultos sempre, como os bereanos fizeram. Isso cria uma igreja sólida e capaz de pregar Cristo aos pecadores em vez de fábulas sobre conversões em massa que nunca acontecerão. Simplesmente pq não é bíblico.

      No amor de Cristo que nos une,
      Mauricio

  17. jUNINHO (SLZ) disse:

    a paz do Senhor, é isso q eu vivo falando por aki, mas ninguém dar crédito.
    meu irmão eu tenho passado essa sua mensagem p/alguns amigos e tbém entro em sites evangelicos e posto ela com maior prazer. gostaria q tdos fossem assim, tivesse uma visão melhor ao nosso respeito. o q acontece hje é msma coisa do passado é só ler o ultimo capitulo d Josué, o povo diz faremos tdo assim assim… dpois lá em em juízes cap.2 pronto já era, e essa geração naum percebe isso.

  18. Profunda e pertinente reflexão! Não sendo vista pelos olhos das emoções ou de algum tipo de interesse espúrio em relação à massa, a conversão, como pregam e proclamam, do Brasil é, de fato, impossível. Suas exposições foram perfeitas e não preciso recitá-las.

    Mas o impedimento máximo é que muitos que proclamam isso nem convertido estão! Como poderão ??

    Deus te abençoe, mano. Teu blog faz parte da minha leitura diária. Já o listei no meu blog e incluí este arquivo, com os devidos créditos.

    Paz!

    • Obrigado por todo teu carinho, Tiago.
      Vamos juntos, errando muito, acertando um pouco e tentando combater o combate de forma boa até aquele grande e terrível dia.
      Até lá, que Deus nos ajude!
      Abração, na paz do Mestre!

  19. Lucilene disse:

    To conhecendo hoje seu blog. Muito bom mesmo.
    Seu texto me faz lembra uma frase que li em algum lugar e sempre lembro: “Não prestemos atenção ás modas as modas religiosas passageiras. As multidões estão sempre erradas. A cada geração o número de justo é pequeno. Façamos o possível para estar entre eles”(w.a.Tozer)
    A sensação de estranha no ninho é muito grande, as vezes pergunto pra Deus se é possível viver a Palavra em meio a tanto engano e equívocos da igreja evangélica atual.
    Não me sinto a vontade para julgar (uma cantora ou pregador famoso, por exemplo) mas também não suporto mais tanto desvios da Palavra de Deus na música, livros e pregações.

    • Lucilene,
      com todos seus defeitos, ainda existem igrejas onde o rebanho busca viver a Palavra em sua disciplina e simplicidade. Tb há pastores tementes a Deus, homens sérios que se preocupam mais com a alma daqueles que Jesus lhes confiou do que com o saldo no banco.
      Compete a nós saber buscar onde estão os tais, ao mesmo tempo em que fugimos das megaigrejas, dos famosos, das
      celebridades.
      Ore a Deus. Ele te mostrará o caminho. Que certamente passará pela simplicidade.
      Uma sugestão: leia o livro “O Fim de uma Era”, de Walter McAlister. Sou suspeito pois sou o editor. Mas foi o livro que mudou minha vida.
      Deus te abençoe, no amor de Cristo.

  20. brunoxm disse:

    Prezado Mauricio,

    Realmente um texto fantastico que nos bota a pensar e olhando para mim vejo que ainda há muito o que trabalhar, ajoelhar, chorar e principalmente orar para que a cruz de Cristo nos dê sabedoria para levarmos a Palavra para toda a criatura,

    um abraço brunoxm.

  21. Paloma Cruz disse:

    Cristo de fato fala através de você. Se parássemos de nos acusar enquanto denominações só por um pouquinho, sobraria mais tempo para discussões bíblicas profundas como essa. É fácil ir a público e falar abobrinhas, difícil é dizer o que quase ninguém quer ouvir e saber defender a idéia dentro da bíblia e não conforme os sentimentos. A bíblia fala que:” …o coração humano é perverso e enganoso…” e muitos querem defender a fé cristã baseados somente em sentimentos, quando a maior arma de defesa que temos é a Palavra de Deus, e Ela nos manda prestar um “culto racional” e não um culto sentimental, pois adorando, servindo e pregando com racionalidade “não seremos levados pelos ventos de doutrinas” e sim, seremos guiados pela pura, perfeita e santa Palavra de Deus. Mas para isso temos que conhecer a Palavra, ninguém consegue viver segundo o que não conhece, e mesmos os analfabetos podem conhecer pois se ouvirem de quem de fato sabe, aprenderão o correto. Que Deus ilumine os líderes e que esses tomem muita vergonha na cara e parem de pregar os seus próprios desejos e passem a pregar a genuína palavra da verdade.

  22. abraaoisvi disse:

    Uma ressalva, a Igreja nunca esteve dividida e jamais estará.

    • Irmão,
      no contexto do post está sim. Pentecostais discordam de tradicionais sobre os dons e vice-versa. Liberais discordam de ortodoxos e vice-versa. Arminianos discordam de calvinistas e vice-versa. Amilenistas discordam de pré-tribulacionistas e vice-versa. Evangélicos discordam de desigrejados e vice-versa. Batistas discordam de Presbiterianos sobre o batismo e vice-versa. Emergentes discordam de litúrgicos e vice-versa. E poderíamos prosseguir por mais uma lista interminável de divisões. Não há unidade de pensamento, teologia, prática ou doutrina.
      Mas todos são parte da Igreja de Cristo.
      Então naturalmente ela está dividida sim.
      Deus o abençoe.

  23. Marcelo Freitas disse:

    Mano, ficou uma pulga aqui atrás da orelha. Tudo bem que, segundo os pontos que você apresentou (e que são verdadeiros), o Brasil está muito longe de ser integralmente convertido. No rumo que vamos, seguimos para a tendência mundial cristã: a minoria. Mas recordo-me que você mesmo me ensinou uma vez que, conforme a boa hermenêutica, não podemos afirmar nada que não esteja escrito. E não consta nas Escrituras que a região hoje considerada como o Brasil não poderá, jamais, ser completamente salva. Por mais difícil que pareça ser, sabemos que pra Deus NADA é impossível. Confesso que também não carrego muitas esperanças de que isso aconteça. Mas não creio que possamos afirmar com certeza que isso seja uma meta inalcançável. Nínive também parecia ser inconversível aos olhos de Jonas (que tinha visão humana, como a nossa), porém, ainda que ouvindo ministério de morte, todos foram convertidos.

    Estou plenamente de acordo com os pontos que o mano apresentou e, inclusive, tenho vivenciado isto. Só não concordo com a impossibilidade do acontecimento de um milagre, por mais exceção que seja, e por mais descrente que eu também esteja.

    Fique na boa Paz do Senhor Jesus, meu irmão =]

    • Milagres são argumentos inargumentaveis justamente pela essência do que é um milagre.
      Só não se esqueça do tamanho de Ninive e de sua quantidade de habitantes e do mesmo para nosso Brasil.
      E não esqueça que poucos são os que passam pela porta estreita, que muitos são chamados e poucos os escolhidos.
      Por tudo isso e todo o mais exposto permaneço nessa crença, dura mas Biblica: que a maior parte dos
      brasileiros vai sim passar a eternidade longe de Deus.
      Abraço e paz.

  24. Marcela disse:

    Cada dia, posto um texto diferente seu em meu Face… E isso tem edificado muita gente por lá!
    Deus seja louvado pela sua vida!
    Um grande abraço, mais um grande texto!

    Paz absoluta

  25. Graça e paz Zágari,

    Já ouvi muitos falarem ou pregarem baseados em Mt 24.14 (“E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim”) que o arrebatamento da Igreja só acontecerá quando toda criatura ouvir falar do evangelho de Cristo. Eu fico meio assim sabe sem acreditar nisso porque a Bíblia mesmo diz que nem Jesus sabe quando Ele virá, mas somente o Pai. E ao mesmo tempo que se defende isso os mesmos pregam também que Cristo pode voltar a qualquer momento, ou seja, que pode ser agora. Aí cria-se uma contradição! Maurício eu acredito que Cristo pode voltar sim a qualquer momento para nos buscar, e que se isso acontecer agora muitas vidas ainda não ouviram falar do amor de dEle. Acho que estão interpretando mal essa passagem de Mt 24.14. Mas fico me perguntando o que acontecerá com os que ainda não ouviram falar de Cristo quando Ele vier arrebatar sua Noiva. Então mano gostaria muito que você me explicasse esse trecho e essa situação que eu trouxe aqui…

    Seus artigos têm me edificado muito… Abração e fica na paz!

    • Márcio, olá, graça e paz,
      querido, serei bastante bíblico na minha resposta: não faço a menor ideia.
      Existem coisas que foram ocultas de nós, mas muitos querem afirmar o que a Bíblia não afirma, escrevem livros e apostilas, pregam e gravam DVDs afirmando o que não pode ser afirmado e especulando sobre o que não tem uma resposta bíblica clara. Nesses casos, sigo a norma do trânsito: na dúvida, não ultrapasse.
      Então, não ultrapasso: simplesmente não sei, pois a Bíblia não deixa isso claro.
      .
      Vivamos aos pés da Cruz e assim veremos o Senhor e compartilharemos da eternidade ao Seu lado. Isso eu afirmo, pois a Bíblia diz. E é isso o que importa, no frigir dos ovos.
      .
      Deusculpe por não dar uma resposta como vc gostaria, mas é a resposta mais honesta que qualquer um que ama Cristo e a Bíblia pode dar sem cair no achismo.
      .
      Deus te agracie com a verdadeira vitória do cristão!

      • Amém Maurício sua humildade é louvável.

        Já tive a resposta: “Existem coisas que foram ocultas de nós, mas muitos querem afirmar o que a Bíblia não afirma, escrevem livros e apostilas, pregam e gravam DVDs afirmando o que não pode ser afirmado e especulando sobre o que não tem uma resposta bíblica clara. Nesses casos, sigo a norma do trânsito: na dúvida, não ultrapasse.”

        Vlw, fica na paz e abração!!!

      • Imagina, mano. Sola Scriptura.
        Abraço forte, na paz de Cristo!

  26. Mateus disse:

    Com certeza nunca ganharemos o Brasil pra Cristo. Se observar nas escrituras, a lógica é o aumento da maldade humana, não a diminuição. Uma outra coisa que também pode assustar é que Jesus não pediu pelo mundo, pediu somente pelos seus discípulos.

    Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.
    João 17:9

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s