Amemos uns aos outros, seus imbecis

Publicado: 10/06/2011 em Espiritualidade, Igreja dos nossos dias

Deus não faz absolutamente nada à toa. Tudo o que Ele faz tem um propósito e uma razão de ser. Com isso em mente, vem a pergunta: por que Deus decidiu escolher logo um cordeiro para prefigurar e simbolizar Cristo? Por que Jesus é o Agnus Dei, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo? Por que não o texugo de Deus, o avestruz de Deus, a jaguatirica de Deus ou o camelo de Deus? Afinal, quando o Senhor transmitiu ao povo de Israel a Lei e instituiu o sacrifício levítico como um tipo daquele que haveria de vir tinha à disposição uma vasta fauna. Uma opção seria até mesmo o leão, visto que o Messias é o Leão de Judá. Faria sentido. Imagine: cada pecador teria de sacrificar um leão, demonstrando seus méritos de caçador para aprisionar a fera e levá-la até o templo. Seria um preço e tanto para expiar os pecados. Mas não, o animal escolhido como símbolo maior de Jesus foi… o insosso cordeiro. Por quê?

Depois de alguma reflexão e de analisar diferentes passagens da Biblia, conclui-se que a escolha provavelmente foi feita pelo caráter manso, pacífico e obediente desse animalzinho. Isaias 53.7 infere isso: “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”. Ou seja: o cordeiro é um animal calmo, que não revida, não ofende, não ataca, não agride.  Em resumo: é um animal que não exprime raiva.

Ah, que percepção magnifica! A própria essência do Salvador é antirraivosa. É plácida. É uma essência de amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, domínio próprio e… mansidão – que é o fruto do Espirito. E todos nós sabemos que devemos ser imitadores do Mestre. Que devemos ter o caráter de Cristo. Se por um lado essa percepção é fantástica, pois nos leva a perceber o que Deus quer que sejamos, por outro lado é assustadora, pois nos faz ver o quanto a noiva do Cordeiro está distante do que Deus quer que sejamos. Isso porque temos vivido uma crise crônica de… raiva.

Sim, a Igreja de Jesus Cristo está com raiva. Muita raiva. Eu e você nos tornamos pessoas raivosas e valorizamos a raiva como uma suposta virtude cristã. “Imagina, Mauricio”, você poderia dizer, “eu não sinto raiva, a Igreja não sente raiva, que exagero”. Mas fato é que o cheiro de raiva paira no ar do templo.

Pense em quem são os líderes cristãos mais visíveis no Brasil atualmente. De um lado temos pastores na TV que gritam, esperneiam, cospem, agridem, ofendem, batem na mesa e transpiram toda sua testosterona. De outro lado temos aqueles que criticam esses mesmos pastores e se referem a ministros de Deus como “bundões”. Há ainda aqueles que para defender a liberdade religiosa vão a programas de auditório e organizam manifestações com agressões verbais e bate-bocas com pessoas não-cristãs que defendem o pecado. Vemos ainda conclamações enfurecidas do povo de Deus a lutar contra legislações que desaprovam (como se esse fosse o papel da Igreja). Vemos também guerras internas em denominações pela disputa de poder e cargos, em que sacerdotes são vistos em vídeos no youtube em discussões enraivecidas com outros sacerdotes, com ofensas rábicas pelo twitter. E por aí vai.

Por falar em youtube e twitter, basta gastar algum tempo nas redes sociais que você verá pastores que falam o tempo todo de amor, mas usando um discurso extremamente raivoso  para defender o seu ponto de vista sobre Deus e a Igreja. Nunca vi tanta raiva sendo destilada em nome do amor. “Amemos uns aos outros, seus imbecis”, é só o que falta algum desses líderes postar no twitter. “Nós somos os da graça e os outros os da religião”, alfinetam outros. E assim segue a Igreja nas redes sociais, com litros e mais litros de raiva inundando nossos computadores.

E lógico que com líderes assim a membresia acaba se contaminando. Achando que é isso aí. Que esse é o caminho. Que botar pra quebrar e sair arrebentando é o papel do cristão. É só passar mais um tempinho surfando pelas redes sociais e alguns blogs de maior expressão no meio evangélico para ver que cada um defende aquilo em que crê não pela exposição de argumentos calmos, racionais e lógicos em favor daquilo em que acreditam, mas sim com ataques raivosos a pessoas, teologias e ideias de que discordam. A Igreja não está usando das ferramentas bíblicas para defender suas posturas e crenças, mas sim armas do mundo: a ofensa, a agressão, a ironia, o sarcasmo, os ataques. Raiva!

Com isso, nós desvirtuamos completamente a missão. Nos desviamos do que Cristo espera de nós. Não fazemos uso do exemplo de Jesus, pelo contrário: parecemos mais integrantes da juventude hitlerista ou da Ku Klux Klan em nosso comportamento público do que da Igreja do Cordeiro que se entregou em silêncio, que deu a outra face, andou a segunda milha. E com isso nos tornamos mundanos e pagãos.

Recentemente publiquei aqui no APENAS um post raivoso. Deixei-me  contaminar pelo espírito que tem predominado nas discussões teológicas e nas redes sociais entre os cristãos. Mea culpa. Mas no dia seguinte reli o que tinha escrito e vi o quão distante da proposta de Deus para nós estava meu texto. Ao desabafar, me deixei contaminar por essa nuvem da raiva que paira sobre programas de TV evangélicos, blogs e redes sociais… e pequei. Cometi o pecado da raiva. Senti-me torpe. Diante disso, pedi perdão ao Cordeiro e deletei o post.  Peço perdão também a você que me lê por ter somado minha raiva momentânea a esse tsunami de rancor e ira que tem varrido os rincões evangélicos. Pois não quero ser como esses cristãos raivosos. Não quero usar as armas do mundo. Quero ser manso e humilde de coração, servindo de exemplo para o mundo e não sendo visto como igual a ele. Não sou perfeito, mas quero caminhar para cada vez mais ser uma ovelha do Cordeiro e não um gladiador da fé.

Por isso decidi me afastar um pouco do twitter. Senti a necessidade de voltar à retaguarda, me recompor, lembrar do ponto onde caí e retomar a estrada da paz. Sair do burburinho, da multidão de vozes, para respirar fundo, ouvir o vento, o pulsar do coração e o cicio calmo do Senhor. O murmurejo do Cordeiro. Tenho falado menos e me contentado a levantar minha voz aqui no mosteiro do APENAS. E tem sido bom, pelo menos por enquanto.

A Igreja tem que repensar seu tom de voz. Tem de escolher melhor as palavras. Precisamos usar mais a gentileza. Desistir da ironia e do sarcasmo. Aí sim eu e você estaremos começando a ser menos parecidos com apresentadores de programas vulgares de auditório e mais parecidos com Cristo. Não me interessam telepastores agressivos. Não me interessam líderes que falam de graça mas chamam outros cristãos de “bundões”. Não me interessam líderes que acusam a igreja institucional de não ter amor e para isso exalam raiva para todos os lados do twitter. Não me interessa o bate-boca amargo e arrogante de cristãos nas redes sociais. Não me interessam leões. Me interessa o Cordeiro. Quero aprender com Ele e, cada dia mais, me tornar um bem-aventurado pacificador. Suave com o próximo. Carinhoso sem deixar de ser firme. Falar a verdade em amor. E argumentar com o próximo como gostaria que argumentassem comigo. Mesmo que isso me custe as duas faces doloridas e os pés feridos por andar uma milha a mais. Essa é minha meta.

Jesus saiu da Cruz cuspido, nu, ofendido, machucado, transpassado e humilhado por uma multidão de pessoas raivosas. Mas saiu plenamente vitorioso. Com raiva? Creio que não. Pois, senão, teria saído plenamente derrotado. E você, como tem se comportado? Como o Cordeiro diante de seus algozes ou como os algozes diante do Cordeiro?

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

comentários
  1. MARISE disse:

    Primeiro fiquei chocada com o título, depois maravilhada com o seu desabafo que é também o de cada um de nós que se importa com os ensinamentos de Deus. Amei o texto. Louvo a Deus por sua vida! Abraço.

  2. Gloria disse:

    Olá, Maurício! Parabéns pela coragem de reconhecer um erro. Vivemos em uma época em que todos querem ter razão e se esquecem de que, por melhores que sejam as intenções, todos somos sujeitos a errar e a cometer excessos. Gostei muito do trecho “A Igreja tem que repensar seu tom de voz. Tem de escolher melhor as palavras. Precisamos usar mais a gentileza. Desistir da ironia e do sarcasmo. Aí sim eu e você estaremos começando a ser menos parecidos com apresentadores de programas vulgares de auditório e mais parecidos com Cristo.” Era esse o sentido do meu comentário no post “A nova Torre de Babel”. Nem sempre concordo com você, mas creio que você é uma pessoa séria que realmente se preocupa com a Igreja de Deus por isso te sigo e leio sempre os seus textos. Que Deus te abençoe e oriente sempre. Graça e Paz!

  3. André Neves disse:

    Paz, Maurcio!

    Obrigado por não me deixar ler o seu post raivoso (pois você o deletou antes que eu pudesse lê-lo), e assim, evitaste que minha alma se entristecesse ainda mais com tanta coisa que leio por aí, no Twitter e na Blogosfera dita cristã. Nestes tempos difíceis, focar os olhos do Salvador é essencial, sem deixar-se distrair por toda essa corrupção do mundo (e nisto, inclui-se a corrupção na igreja). Paz e Bem.

    André Neves.

  4. Marcia Helena figueiredo de Barros disse:

    Muito grata a DEUS, que te usou com uma palavra tão sábia e tão oportuna.
    Que ELE continue a fazer de ti este instrumento abençoador.
    (Márcia, irmã da Flávia)

  5. Chyrlle Dias disse:

    Faz tempo que não havia lido um post tão bom como esse!!!
    Sábias palavras!!

    Deus continue te abençoando!!!

  6. Patrícia disse:

    Oiiii,consegui! *__*
    Que bom!Graças,Senhor!
    Como eu gosto de te ler mano!
    Amei o texto,sua postura e transparência.
    Mano,eu fiquei foi com medo desse bichinho rosnando,na ilustração do post.[risos]
    Haja raiva! Misericórdia.
    Brincadeiras à parte,com certeza ela ilustra muito bem este cenário de leões ensandecidos,furiosos e truculentos.
    Ah,percebi mesmo sua ausência no Twitter.Agora entendo.
    Mano Maurício,belo testemunho e exemplo.
    Estimula-nos a nos esforçarmos por sermos tanto pessoas,como cristãos melhores.
    Te amo muito em Cristo!
    Com carinho e admiração,

    Patrícia.

    P.S. Estou virando freguesa já,rs.Seus posts tem gostinho de quero mais.
    Já aguardo o próximo com expectativa!
    Um abraço.

    • Patricia, vc é uma companheira fiel e querida. Fico grato a Deus por colocar pessoas como vc na minha estrada. Um beijo grande pra ti, o maridão e os filhotes. No amor dEle.

  7. Leandro Martins disse:

    Querido, gostei do ponto que vc levantou neste post.
    Tenho percebido a tal da raiva no meio no povo cristão. Tem faltado paciência e mansidão entre aqueles que se dizem seguidores do Cordeiro, que foi imolado, Cordeiro Santo, que tira os pecados. E não abriu a boca, como vc mencionou.
    Acredito amigo que a falta de amor gera a raiva, entre outros sentimentas não desejáveis. Existe um ditado muito interessante que diz como Jesus venceu aquela cruz, conhecido como “o calado vence”. Acho que esse ditado resume tudo o que você falou. Jesus não precisou gritar nem se defender pra vencer a morte. Como Ele falou a Pilatos, nenhum poder te é dado se meu Pai não o tivesses dado. Assim, o todo o poder tanto no céu quanto na terra está nas mãos de Deus. Só Ele tem o controle de tudo, e nada é aprovado se não houver Sua permissão, como um cair de uma folha de uma árvore.
    Que consigamos a cada dia ter mais a calma de Cristo e transmitir essa calma e paz a todos aqueles que estão desesperados e aflitos, sem ninguém pra consolar ou levar essa paz que só Jesus pode dar. Fiquemos na santa paz de Cristo, longe da raiva!

    Que Deus te abençoe

    Na paz do Mestre

  8. Mais uma vez me impressiona a sua lucidez, e a essência do Mestre que vaza da página escrita, há tempos espero um cara assim na web pra me animar e replicar: “Não está tudo perdido!!!”

  9. Regina disse:

    Eu vivo pela Graça e Misericórdia de Deus, Maurício :-), todos os dias é a Ele que peço perdão por cada pecado-RPM que me assalta, entre eles a tal da raiva porque, afinal, vivo para Ele, para ser como Ele, meu Pastor Amado.

    Agora, muito seriamente, estou ficando assustada com essas constatações. Acabei de ler o texto do Renato Vargens sobre o dia do pastor, amanhã e, claro, os comentários – descomunal como as pessoas se expressam com essa raiva de que vc fala. Sei que na rede é fácil fazer-se de ‘troll’ e arrasar com qualquer um, já fui blogueira um dia… Mas, nisso tudo, o que mais me espanta é que na vida real, fora da vida virtual, nas igrejas isso também ocorra. Claro que postes não vociferam nem xingam :-)) e que igrejas são formadas por humanos etc e tal, mas em cada canto cristão que vou esse assunto assume cada vez mais lugar de destaque. Jesus, fico imaginando cá com meus botões, está voltando mesmo e há de arrasar todos os vendilhões e afins dos templos e igrejas. Só misericórdia mesmo!
    Abraços
    paz, vida e graça

    • Infelizmente é isso, Regina, convencionou-se que raiva e rancor são neovirtudes cristãs. Sinal dos nossos dias. Onde isso vai nos levar? O cenário é tenebroso. Beijo pra ti.

  10. Soraya Barros disse:

    Repensar nossas atitudes e reconhecer nossos erros é difícil! Mas para os que estão afinados com o Espírito Santo, é uma prática.
    Seria muito bom se alguns líderes espirituais da “telinha” pudessem reconhcer seus exageros e vindo a público dissessem:” Perdoem-me pois me empolguei, incitei o povo e desafiei o inimigo!”
    Um domingo abençoado para o irmão e suas princesas!!
    Soraya Barros

  11. valeria santos disse:

    Meu Deus! Estou maravilhada.
    Obrigada por me contaminar com tanta sinceridade e mansidão.
    Que o Senhor conserve sempre esse espírito submisso ao Espírito Santo.

  12. Giovani disse:

    Mauricio, você é uma benção, Deus irá te honrar muito !

  13. Ângelo disse:

    MATEUS.7:15 / 2COR.11:13-15 / APO.18:4

  14. Lucilene disse:

    Da vontade de rir dessa frase. Pena que é a realidade. Temos que sempre esta vigilantes.
    Deixei de ler acessar um blog (um de apologética com humor…)por passarem do limite com o sarcasmo em relação a um famoso pasto tele-evagelista. Falam dele, e fazem a mesma coisa. Nem gosto de lembrar do ultimo post que li deles.
    (Se não me engano foi lá que conheci seu blog…)
    Seus textos me chamaram atenção por parecer uma pessoa coerente, amavel, prudente e pacífica. que ama a Palavra de Deus.
    Que seja sempre assim ao escreveres. Pra glória de Deus.

  15. Ângelo G R P Morais disse:

    Gostei muito irmão Maurício pela sua decisão, postura, e humildade, que Deus te ilumine e te conceda graça para continuares no propósito de ouvir somente a voz mansa. Abraços.

    • Ângelo,

      ore por mim, para que tuas palavras sejam diariamente realidade na minha vida.
      Sou homem comum, sujeito às mesmas paixões de todos, carente de oração.

      Abraço apertadão, do mano Mauricio. Bênçãos sobre ti.

  16. Duda Borges disse:

    Belo texto, ser cordeiro em meio a uma legião que acredita “que nasceram para vencer” e “pra ser cauda e não cabeça” é difícil. Difícil a gente digerir isso de dar a outra face e andar mais uma milha. Misericórdia Deus, aprendamos de Ti!
    Pairou uma dúvida.
    “Vemos ainda conclamações enfurecidas do povo de Deus a lutar contra legislações que desaprovam (como se esse fosse o papel da Igreja).”
    não saquei.. o que fazer diante de uma lei ditatorial que perseguiria a igreja e estivesse para ser aprovada no senado? Somente orar ou fazer aquilo que nos cabe como cidadão (abaixo assinado, passeata sei lá)?

    Deus abençõe!!

    • Duda,
      obrigado por suas palavras. Eu confesso que me soa curiosa a expressão que vc usou e que reflete o que uma enorme parcela da Igreja pensa. Vc diz “somente orar”, como se somente orar fosse algo de menor importância, que não gerasse resultados.

      Repare, Duda, que a Biblia diz que a oração do justo pode muito em seus efeitos. Tb diz “se o meu povo (…) se humilhar e orar…”. Mais: se Deus não guarda a cidade, em vão vigia a sentinela. A Biblia nos manda orar, orar e orar. Quantas passeatas ou marchas Jesus fez? Quantas reivindicações a Cesar? Quantos manifestos a Pilatos? Quantos comitês a Herodes? Zero. No entanto, na sua agonia ele se distanciava e…orava.

      Mas nós esquecemos as Escrituras e achamos que temos de ser caras-pintadas gospel rsrs. Não é esse o caminho, Duda. O caminho é o joelho.

      Uma legislação só passa se Deus deixar. Podem se unir mil lobistas, mil deputados, se Deus disser “não”… Acabou.

      Então usemos as armas do Espirito e não as dos partidos políticos ou dos grupos ativistas. Oremos.

      Quem não crê que a Igreja alcança seus objetivos orando… Deveria ler mais a Biblia.

      Espero ter respondido vc, Duda. Essa é minha visão.

      Um beijo enorme e a paz de Cristo.

      • Duda Borges disse:

        Sabia que soaria estranho o “somente orar” mas não foi a intenção de banalizar ou tornar a oração algo menor.
        Entendi a sua visão, tem sentido mesmo. Valeu pela explicação! =D
        Paz!

      • IMagina, Duda, eu sei que sua intenção nao foi essa.
        Mas pense no que escrevi. E veja o que é mais bíblico.

        Deus te abençoe.

  17. Natanny disse:

    Nossa, belo texto… Pura verdadeee, como seria otimo se todos os Cristão lessem esse texto, i passassem a usar mais o amor ao invés da raiva.
    Deus te abençoe!
    Paz a todos

  18. Marcelo Freitas disse:

    ” Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; […] ” [Mt 10:6]

    Por que Jesus não nos enviou como leões no meio de lobos, já que as ovelhas serão como suas presas? Por que é melhor que um homem de Deus suba num morro para desarmar os traficantes com o calor da Paz do Senhor, ao invés de enviarem tropas militares para o fazerem? Leões no meios de lobos resultará em guerra “/ Jesus nos manda para sofrer o dano pois sabe que Ele mesmo nos dará força para cumprir toda a Lei através de um único mandamento: o Amor. O convite é para sermos perfeitos como nosso Pai é Perfeito (e a própria Perfeição); “Makarios”, ainda que toda bem-aventurança venha através do negar-se a si mesmo e deixar transparecer o Cordeiro. Afinal, qual a diferença de ter o Cristo e exalar cheiro de morte para morte por vontade própria?

    Ainda temos muito o que aprender sobre o próximo como a nós mesmos, né mano?

  19. Bianca Dias disse:

    Mauricio confesso que cada vez que leio seus posts me identifico com eles e com você, não chego a ter tamanha sabedoria como a sua, mas quando me deparo com tanta expressão de sentimentos, sinceridade….. somos pessoas não é? tentando ser melhores para Deus a cada dia. A raiva, a indignação nos contagia, afinal, o mundo é mau e têm horas que realmente tenho muita raiva e tenho vontade de desabafar também, mas me desabafo nos pés de Deus que com certeza têm o consolo….as vezes, não entendo como podemos ser tão sensíveis a esses sentimentos ruins tenho clamado em oração para me livrar deles e ser manso, pacífico e verdadeiramente ser imitador de cristo, ser discípulo para discipular.

    A Paz não nos deixe !!!

  20. Bianca Dias disse:

    Mauricio, kkkk eu quis dizer pra vc não nos deixar, kkk preciso ler mais kkkkkkkk…. POrque esse blog têm me ajudado muito em todos os sentidos…

    A Paz!!!

  21. priscath disse:

    Parabéns, o blog está simplesmente abençoador e estou curiosa pelo livro.
    Graça e Paz!

  22. […] APENAS Share this:TwitterFacebookGostar disso:GostoBe the first to like this. Esta entrada foi publicada […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s