Arquivo da categoria ‘Vaidade’

Gostaria de convidar você hoje a imaginar duas situações:

Situação 1:

A irmã chega ao gabinete para pedir aconselhamento pastoral. Ela começa a derramar seu coração e a conversar com o pastor:
- Pastor, estou muito triste.
- Veja bem, amada, se a irmã observar os pontos TULIP, de Calvino, vai poder compreender melhor as razões de sua situação.
- Ahn?!
- Analisando a depravação total do homem, torna-se factível compreendemos os reflexos hamartiológicos que lhe afligem.
- Sei… não, pastor, na verdade… bem, é que estou muito deprimida, sabe?
- Minha irmã, quando Tomás de Aquino cristianizou Aristóteles, ele sistematizou, à luz da revelação específica de Deus, a metodologia científica. Destarte, ciência e fé coadunam numa unidade que tem seu auge nas cinco vias em que Aquino deu provas imanentes do transcendente.
- Ahn… pastor, eu… éééé… Na verdade, pastor, tem horas em que o sofrimento é tanto que minha fé é abalada.
- Imagina, minha irmã! Segundo o pensamento do movente não movido, associado à ideia dos graus de perfeição e à contingência dos seres, fica transparente que sua cosmovisão distorcida carece de fundamento.
- (…)
- Não faça essa cara, amada! Anselmo de Cantuária foi claro sobre isso em seu “Credo ut intellegam”.
- Sei… Na verdade, pastor, eu queria saber se o senhor podia me dar uma palavra de esperança, entende? Alguma palavra da Bíblia…
- Sem dúvida, minha irmã. Perceba: segundo as melhores teologias sistemáticas, no que tange à esperança escatológica, podemos ter a segurança de que, a despeito da crença assumida, seja amilenista, pré-milenista ou pós-milenista, dentro da cosmovisão cristã é certo que o reino de Deus (que encontra sua expressão no “já” e no “ainda não”), se fará pragmatismo em sua vida, irmã!
- Ahn… Tá, pastor… Bom, sabe, obrigada, eu vou ali na outra igreja conversar com o pastor de lá.
- Que isso, irmã, não faça isso! Segundo a eclesiologia, a…
- Deixa, pastor, deixa. Obrigada, viu?
- Imagina, amada! Sempre que precisar, estou ao seu dispor! E que o Totalmente Outro apontado por Karl Barth manifeste sua graça sobre a irmã!
- Amém… eu acho…

Situação 2:

A irmã chega ao gabinete para pedir aconselhamento pastoral. Ela começa a derramar seu coração e a conversar com o pastor:
- Pastor, estou muito triste.
- Que isso, irmã! A vitória é tua!
- Ahn?!
- Claro! Toma posse da tua bênção e segue nessa fé pra Canaã!
- Sei… não, pastor, na verdade… bem, é que estou muito deprimida, sabe?
- Que falta de fé é essa, minha irmã! Tá amarrado! Repreende essa seta! Se a irmã tiver fé do tamanho do grão de mostarda Deus abrirá as águas e o varão de branco vai trazer numa bandeja de prata a tua vitóóóória!
- Sei… não, pastor, na verdade… bem, é que estou muito deprimida, sabe?
- Xiiii… A irmã deve estar em pecado. Crente de verdade não tem depressão, isso é coisa do Inimigo. É falta de fé, é opressão! Isaías 53, irmã, Isaías 53! Toma posse! A irmã tá muito carnal! Vamos agendar umas sessões de libertação.
- Ahn… pastor, eu… éééé… Na verdade, pastor, tem horas em que o sofrimento é tanto que minha fé é abalada.
- Então feche os olhos e cante comigo: “Rompendo em fééééé, minha vida se revestirá do teu poder!!! Rompendo em fééééé!!!!”. Canta, irmã! Isso! E vai dando glória! Dá glória, irmã! Dá glória!!!
- (…)
- Irmã de pouca fé! Solta o cabo da nau! E navega com fé em Jesus! E dá glória, irmã, dá glória!
- Sei… Na verdade, pastor, eu queria saber se o senhor podia me dar uma palavra de esperança, entende? Alguma palavra da Bíblia…
- Claro, amada! Lembre-se que não cai uma folha da árvore se Deus não deixar!
- Ahn… Tá, pastor… Bom, sabe, obrigada, eu vou ali na outra igreja conversar com o pastor de lá.
- Que isso, irmã! Tá desviada? Vou ter de botar a irmã em disciplina! A irmã anda vendo filmes da Disney?! Que história é essa de outra igreja, lá só tem crente frio, não tem poder de Deus!
- Deixa, pastor, deixa. Obrigada, viu?
- Amém, irmã, vai cantando vitória!!! Você é a menina dos olhos de Deus!!! Aleluiasss!!! E dá glória, irmã, dá glória!!!
- Amém… eu acho…

* * *

O objetivo da reflexão de hoje é pensar sobre a importância do estudo da Teologia para a nossa vida prática de fé. As duas situações acima são uma caricatura do que vejo hoje em muitos e muitos âmbitos da Igreja brasileira: de um lado, os que idolatram a Teologia. De outro, os que demonizam a Teologia.

Acredito que o estudo da Teologia é essencial. Mas tenho certeza que só Teologia não basta. Teologia nos diz quem é o Curador das feridas, o Salvador das almas, o Restaurador; mas só o conhecimento sobre Ele não é suficiente: é preciso aplicação prática. Que só vem mediante o amor, lágrimas derramadas pelo próximo, mãos cheias de calos e pés sujos de barro.

Por outro lado, sem Teologia a devoção do crente é mirrada. A falta de estudo teológico nos deixa à mercê de um Deus que não sabemos quem é e, por isso, não sabemos como Ele deseja que nos relacionemos consigo e com o próximo. Só a prática não basta, visto que Deus se revelou pela Palavra e ela precisa ser compreendida e estudada. Isso só é possível mediante o conhecimento da Teologia.

Portanto, só Teologia é intelectualismo inútil e infantil; mas zero Teologia é misticismo inútil e infantil. Um coração cheio de Teologia mas destituído de amor é vaidoso, arrogante e egocêntrico. Um coração vazio de Teologia é ignorante, errático e perdido.

Há três tipos de indivíduos no meio dos cristãos e devemos escolher qual deles queremos ser:

1. Quem não ama pessoas prega só Teologia.

2. Quem odeia Teologia prega frases feitas e vazias.

3. Mas quem ama pessoas e também ama Teologia prega… o evangelho.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Maquiagem correta pode ajudar a destacar o sorriso na correria cotidianaAlegria é uma das virtudes que somos capazes de vivenciar quando o Espírito Santo manifesta em nós o seu fruto (Gl 5.22-23). A princípio, quando tomamos conhecimento desse fato, temos a sensação de que seguir Cristo significa, naturalmente, ser constantemente alegre. Só que tem um porém: Jesus jamais prometeu que seríamos. Não seremos, e, se alguém lhe garante uma alegria interminável nesta vida, pode ter certeza: é uma promessa que não se cumprirá. Abraçar o evangelho implica em negar a si mesmo, tomar a sua cruz diariamente e seguir Cristo (Lc 9.23). Isso fala de dificuldades, de esforço, de sofrimento. Todos os salvos sofrerão. Todos os salvos terão momentos de agonia, lamento, dor, luto… tristeza. Isso é líquido e certo. É um fato bíblico e um fato da vida. Bem, diante disso, é possível explicar essa aparente contradição? Temos o Espírito de Deus em nós, ele manifesta seu fruto em nossa vida, seu fruto inclui alegria, mas, estranhamente… vivemos muitos momentos de profunda tristeza. Isso tem explicação? Creio que sim, e te convido a pensar junto comigo.

Jesus não foi alegre o tempo todo. Pedro não foi alegre o tempo todo. João não foi alegre o tempo todo. Paulo não foi alegre o tempo todo. Nenhum dos apóstolos foi alegre o tempo todo. Os mártires da Igreja primitiva não foram alegres o tempo todo. Agostinho não foi alegre o tempo todo. Lutero não foi alegre o tempo todo. Calvino não foi alegre o tempo todo. Eu não sou alegre o tempo todo. Você não é alegre o tempo todo. Ninguém é alegre o tempo todo. Bem, o que tudo isso tem em comum?

“O tempo todo”.

Esse é o xis da questão. O fruto do Espírito inclui virtudes como paz, paciência e domínio próprio, por exemplo, mas ninguém tem paz o tempo todo, nem é paciente o tempo todo, tampouco domina-se o tempo todo. Assim, o grande problema é associar a crença em Jesus à manifestação constante e ininterrupta dessas virtudes. Elas se manifestarão, mas não… o tempo todo.

Alegria2Só que nós vivemos em uma sociedade hedonista, que prega que nossa vida tem obrigatoriamente de ser uma felicidade que não acaba. Basta olhar as redes sociais - ou qualquer outra forma de exposição da pseudovida privada – dos seus amigos. Você não tem a impressão, por aquilo que eles dizem e, principalmente, pelas fotos que postam, de que todos vivem uma existência espetacular, recheada de beleza, emoções, viagens, aventuras, celebrações, alegrias inacabáveis? Acredite: não vivem. Mas, inconscientemente, sentem-se obrigados socialmente a expor ao mundo como são alegres o tempo inteiro, caso contrário seriam considerados fracassados, incompetentes, amaldiçoados ou qualquer coisa do gênero. Não quero que ninguém descubra que eu não vivo uma vida espetacularmente alegre, logo, a forma que tenho de fazer isso é postar onde todos possam ver meu sorriso constante, inapagável, feliz e contente. E, muitas vezes, artificial. Fazemos isso praticamente sem pensar, sem maldade, no automático, simplesmente porque nos ensinaram a vida inteira que viver é estar 24 horas por dia encharcado de endorfinas, desfrutando cada segundo numa ascendente de emoção, realização, euforia, gozo, júbilo. Assim, uma vida bem vivida seria como estar de domingo a domingo em um parque de diversões: exultante, feliz, alegre!

Só que não é assim que acontece.

Toda e qualquer pessoa vive em altos e baixos. Tem picos de humor. Momentos de tristeza. Quedas nos níveis de adrenalina. Problemas. Tribulações. Falta de alegria. Isso é normal. Não é agradável, mas é normal e previsível. Só que todos nos dizem que temos de estar sempre, sempre e sempre alegres! Não tem como não entrar numa crise existencial diante disso. “Todos dizem que uma vida plena é marcada por uma alegria sem fim, mas isso não acontece comigo; logo, minha vida é uma droga e minha fé, um fracasso”.

Errado.

Se você vive uma vida marcada pela alternância de momentos alegres e tristes, parabéns: você é humano como qualquer outro. E é aí que entra a alegria que é fruto do Espírito.

Alegria4Pense bem. Você acha de fato que a alegria que Paulo descreve como resultado de uma vida de intimidade com o Espírito Santo é aquela que se manifesta numa montanha russa, numa festa, numa viagem a um local paradisíaco, num jantar com amigos recheado de piadas, ao assistir a um filme de comédia? Essa é a alegria natural, inerente ao ser humano. Tanto que qualquer indivíduo, cristão ou não cristão, sente esse tipo de alegria. Seria como dizer que a paz que sentimos deitados numa rede, pegando um ventinho e tomando água de coco é sobrenatural. Não é. É natural e humana. Creio que o fruto do Espírito se manifesta sobrenaturalmente quando precisamos de uma injeção de algo que vai além de nossas forças. É quando não tenho domínio próprio e estou quase caindo em tentação que Deus me dá uma temperança que parece ir além do que eu conseguiria. É quando estou atribulado que sinto a paz espiritual, fruto da presença divina. É quando quero matar meu inimigo aos chutes e pontapés que o Espírito manifesta em mim amor e, só com essa infusão sobrenatural, consigo fazer-lhe o bem.

Assim, creio que a alegria que é fruto do Espírito é aquela que vem quando temos tudo para estar tristes. É sobrenatural. Como isso é possível? Porque ela brota da certeza de que no mundo teremos aflições mas Jesus venceu o mundo (Jo 16.33). De saber que ele está conosco todos os dias, mesmo nos mais terríveis, até a Alegria3consumação do século (Mt 28.20), e que não está alheio a absolutamente nada do que estamos passando. De ter a certeza de que “Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá” (Sl 139.8-10). É alegrar-se como resultado de sermos galhos enxertados na videira verdadeira. A certeza da presença de Cristo em nós, junto com a certeza de que ele jamais  remove seus olhos de nossa vida… eis a razão de nossa alegria. E alegria eterna, que independe das circunstâncias da vida.

Por isso, mesmo nos momentos de mais desesperante tristeza, essa alegria que flui do Espírito de Deus para nós estará presente. Parece contraditório? Acredite, não é. É uma alegria não eufórica, mas pacífica. Calma. Amena. É uma brisa, não um vendaval. Não é sair saltando de júbilo como qualquer pessoa numa balada, aos gritos de euforia, é… um suave sorriso. Aquela alegria que nos faz suspirar em meio às lágrimas. A alegria humana é inerente ao homem e se manifesta naturalmente quando é óbvio que estaremos alegres. A alegria espiritual é inerente ao Espírito e se manifesta sobrenaturalmente em momentos inesperados.

E, acima de tudo, a alegria que é fruto do Espírito é aquela que vem de saber que, como estamos em Cristo, temos a vida eterna. Ouça as palavras dos lábios de Jesus: “Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus” (Lc 10.20). Está sofrendo? Alegre-se, você tem a vida eterna. Está com dor? Alegre-se, você tem a vida eterna. Está triste? Alegre-se, você tem a vida eterna. Tá tudo ruim? Alegre-se, você tem a vida eterna! É uma alegria que existe em meio à tristeza, como uma flor que brota no solo seco do sertão.

A vida na terra é difícil, muito difícil. Numerosos momentos ruins estão pela frente. Situações de enorme aflição virão. Nessas horas você ficará triste. Mas, olha… tenha bom ânimo. Jesus venceu. E a vitória dele te dá a vida eterna. Aí vem o Espírito Santo e manifesta o fruto dele na tua vida. É quando você se lembra que Jesus está com os olhos postos em ti e que ele tem morada preparada no céu, com teu nome na porta. Seria isso motivo de alegria?

Alegria6Não busque a alegria segundo o mundo, essa é vaidade e correr atrás do vento. Alegria segundo o mundo é aquela que demonstramos em fotografias posadas e com sorrisos ensaiados. A alegria que é fruto do Espírito é aquela que não fotografamos, pois ela é muito maior do que uma lente pode captar. E, em geral, se manifesta nas horas em que não estamos acostumados a fotografar: no hospital, no orfanato, no desemprego, no susto, na dor, na crise matrimonial, no velório, na casa de recuperação, na depressão, no sofrimento. Pois é nas horas mais terríveis que Jesus sussurra em nosso ouvido: “Alegrai-vos na medida em que sois co-participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando” (1Pe 4.13).

Você ainda terá muita alegria. Mas não o tempo todo. A tristeza dará as caras com frequência. Mas o Espírito Santo te alegrará muitas vezes, frutificando em tua lembrança que Jesus é contigo e te dá a vida eterna. Afinal, “a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação” (2Co 4.17).

A alegria humana passa. A alegria divina dura para sempre. E ela está ao teu alcance – basta viver dia após dia aos pés de Jesus.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

A área de administração do APENAS é rica em estatísticas. Permite que eu saiba quais foram os posts mais lidos, quem escreve mais comentários, a que horas do dia houve mais acessos, esse tipo de coisa. Alguns blogueiros são motivados e movidos pelas estatísticas, já eu confesso que raramente acesso essa seção. Esta semana o blog ultrapassou os 800 mil acessos desde sua criação e, por isso, acabei entrando nessa área do site. Movido pela curiosidade, pela primeira vez espiei qual é o link mais clicado de todos. Confesso que eu esperava que fosse o de algum dos livros que escrevi, de alguma das indicações dos links recomendados, dos vídeos do Youtube com os evangelhos de Mateus e Marcos em áudio ou algo assim. Algo de fato relevante. Para minha surpresa e espanto, porém, com alguns milhares de cliques, o link mais acessado do APENAS é…

…minha foto.

Ahn?! Minha foto? Com tantas coisas mais importantes, com links para livros extremamente edificantes, para blogs e sites de alta qualidade, para posts antigos que podem abençoar, para tanta coisa útil, o que foi mais clicado é a imagem do meu rosto. Eu até entenderia se fosse a página do “Quem sou eu”, afinal é importante saber quem é a pessoa que escreve aquilo que lemos, qual é sua formação e em que crê. Mas não: é a imagem de minha face que, disparado, tem milhares de acessos. Não quero dizer quantos por razões pessoais, mas, para você ter ideia, o segundo link mais clicado do blog tem somente 25% da quantidade de cliques da minha foto.

A inesperada constatação me fez pensar: por quê? Por que em um blog em que o principal são as palavras, as ideias, as reflexões e os conceitos, o que mais desperta a curiosidade das pessoas é uma imagem? Que, convenhamos, não diz nada. Que diferença faz se tenho orelhas de abano ou se uso óculos fundo de garrafa? A realidade é que vivemos numa época em que o visual é extremamente valorizado. A meu ver, muito mais do que deveria. Vivemos numa civilização que dá um peso gigantesco àquilo que nossos sentidos captam, muito mais do que àquilo que nosso cérebro formula e que nosso coração move.

Lembro-me de quando, poucos anos atrás, cientistas usaram um software para tentar recriar como teria sido o rosto de Jesus, a partir de informações étnicas dos homens israelitas do primeiro século. E me recordo de ter pensado “para quê?”. Pois que diferença faz se Jesus foi alto ou baixo, de nariz arrebitado ou adunco, com barba rala ou comprida, de queixo pontudo ou quadrado? Os traços do invólucro físico em que encarnou o Filho de Deus é irrelevante, muito mais importam suas boas novas, sua mensagem, seu sacrifício, sua história. A aparência física pouco proveito tem. Mas ainda assim há quem invista dezenas de horas e muito dinheiro para tentar imaginar como teria sido o rosto de Cristo (e, certamente, o resultado é a mais pura especulação). Quanta vaidade…

Damos excessivo valor à aparência de nossos santuários em detrimento do que acontece ali dentro. Saímos dos shows gospel comentando os efeitos visuais e nos esquecemos de falar de Jesus. Nos importamos demais com as camisas do congresso jovem da igreja e de menos com a preparação em oração para o evento. Julgamos a santidade de um cristão pelo aspecto externo em vez de pelo coração e os frutos. Em muitas denominações ainda discriminamos o irmão pelo que veste. A verdade é que nossa civilização é escrava do visual. Dependente dos sentidos. Amante das aparências. Isso fora ou dentro das igrejas.

Devemos nos perguntar: será que eu e você estamos nos deixando levar por isso? Será que temos apreciado mais a casca do que o miolo? Até que ponto nossa espiritualidade está atrelada a imagens e aparências? Pior: tratamos de forma diferente quem entra pelas portas da igreja dependendo de como a pessoa aparenta? Discriminamos o feio? Priorizamos o rico? Menosprezamos o pregador de terno mal ajustado? Acolhemos de igual modo o elegante e o maltrapilho?

Eu realmente fiquei triste por minha foto ser o link mais clicado do blog. Estou pensando seriamente em removê-la. Porque, sinceramente, num espaço sobre as coisas de Deus, meu rosto é o que menos importa. Nos quatro livros de minha autoria já publicados me recusei a pôr minha foto na contracapa, pois meus traços físicos não importam, o que tem relevância são as palavras e ideias ali contidas. No APENAS, o princípio é o mesmo. Afinal, será que se eu fosse vesgo, banguela ou careca isso mudaria o valor daquilo que penso? Porque, se analisarmos bem, é o que pensamos e cremos que dita nossas ações. E são nossas ações que demonstram quem somos. Pois são os frutos, e não a cor das folhas, que revelam quem é a árvore.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

P.S. Este post não está sem fotos por acaso.

Li recentemente em um blog um texto em que o autor falava algo sobre “ser autêntico”. O irmão estava revoltado com uma discussão que teve com alguém e, por isso, escreveu o seguinte: “Ser ‘sincero’, ‘autêntico’ ou ‘você mesmo’ não é desculpa para ser uma pessoa nojenta, desagradável ou idiota. Pare de se orgulhar de ser um completo @$&#% e vê se aprende a viver em sociedade” (o @$&#% é por minha conta, o comentário trazia o palavrão explicitamente). Não concordo com a escolha de vocábulos que ele adotou,  pois antipatizo com o uso de palavrões (se para toda palavra torpe há um sinônimo menos agressivo, por que usar?). Mas estou de acordo com o conteúdo do que ele disse.

Anos atrás eu acreditava que tinha de ser autêntico, de falar o que viesse à cabeça, custasse o que custasse. Mas percebi que, se vivermos sob o pretexto de que “eu sou assim mesmo” e “esse é o meu jeito”, vamos andar na contramão do Evangelho. Por quê? Pois a verdade é que não interessa como você é. Interessa como Cristo é. E se “não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim” (Gl 2.20), o verdadeiro cristão não pode usar a desculpa de que “eu sou assim” e machucar outras pessoas. Pois Jesus não machucaria.

Já ouvi alguns pregadores usarem em suas mensagens um sofisma que, de tanto ser repetido, acabou virando uma pseudoverdade teológica, ou, para usar um vocábulo mais aceito pela sociedade, apenas mais um clichê gospel. Dizem: “Deus muda o caráter mas não o temperamento“. Já ouviu isso? Só que essa afirmação simplesmente não é verdade. Basta olhar as virtudes contidas no fruto do Espírito exposto em Gálatas 5.22,23a: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio”.

Pare para pensar. Isso é o fruto que o Espírito Santo gera no salvo. Agora: se essa frase fosse verdade, todas essas virtudes teriam a ver apenas com caráter. Mas muitas falam de mudança de temperamento. Observe: Amor: caráter e temperamento. Alegria: temperamento. Paz: caráter e temperamento.  Longanimidade (ou paciência, em outras traduções): temperamento. Benignidade (ou amabilidade, em outras traduções): caráter e temperamento. Bondade: caráter. Fidelidade (ou fé, em outras traduções): caráter. Mansidão: temperamento. Domínio próprio: caráter e temperamento. Ou seja, a atuação do Espírito de Deus na vida do que é salvo se dá no nível da transformação do caráter mas também no do temperamento. É uma transformação do todo e não de 2/3 do indivíduo que foi chamado da morte para a vida. Ninguém é regenerado por Cristo parcialmente: ou nasce todo ou não nasce.

Naturalmente, existe o processo de santificação, uma dinâmica cotidiana. Só que santificação representa melhorar a cada dia. Subir um degrau da escada, depois outro, depois outro. Não é estagnação. Não é retrocesso. É avanço. E justificar uma forma anticristã de ser como sendo parte de um processo de santificação é alegar que estar satisfeito consigo mesmo de modo estagnado é se santificar. E não é nada disso. O cristão que fala “eu sou assim mesmo, me aguentem” não está em processo de santificação, está parado no sinal verde com o freio de mão puxado. E não adianta buzinar, pois ele não sai do lugar. E ainda berra pela janela: “Eu não vou andar, pois sou autêntico!”.

Assim, justificar, como disse o irmão do blog, atitudes desagradáveis ou ofensivas com o argumento de que é “seu jeito de ser” não é nada bíblico. O verdadeiro salvo é quem se arrependeu de todos os seus males, inclusive a sua forma de ser, se ela é socialmente desagradável. Não entendo, por exemplo, um pastor que viva falando de Jesus mas cujo temperamento seja constantemente irascível. Todos temos arroubos de raiva, mas quando o seu “jeito de ser” é naturalmente agressivo, para mim isso não demonstra autenticidade, mas falta de intimidade com o Jesus que prega.

Não, não é bíblico ou cristão dizer “sou sincero” e sair desrespeitando os irmãos. Não, não é bíblico ou cristão dizer “sou autêntico” e sair agredindo verbalmente as pessoas. Não, não é bíblico ou cristão dizer “esse é o meu jeito, se não gostar azar o seu”, pois isso contraria frontalmente o “amar o próximo como a si mesmo”. Dizer essas coisas só faz de você, como disse o mano do blog, “uma pessoa desagradável”. Não há mérito algum nisso. Não é bonito. Não creio que agrade Deus. Não demonstra fruto do Espírito.

Não cabe a mim dizer como você tem que ser, isso é entre você e Deus. Mas se posso fazer uma recomendação, é: não seja como você é. Não orgulhe-se de ser quem você é. Se eu fosse ser quem eu sou iria querer muita distância de mim mesmo. Mas Cristo vive em você? Então dê de beber ao teu inimigo sedento, pague um almoço ao inimigo faminto. Ame quem te fez mal. Contrarie sua natureza e seus impulsos. Alimente a natureza de Cristo em si. Isso sim é ser cristão.

Essa é a proposta do Evangelho. Se você percebeu que se encaixou nessas palavras, clame a Deus para que Ele te transforme. Acredite: Ele faz isso.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Cada civilização contém conceitos que são considerados as maiores virtudes entre as pessoas que a formam. Na Grécia antiga, por exemplo, o poder de argumentação era tão valorizado que existiam escolas voltadas especificamente para ensinar a debater. Em certas tribos aborígenes, trair alguém antes de matá-la dava status, como revela o livro O totem da paz. Também não são poucas as sociedades ao longo da História em que os mais fortes fisicamente são e foram os mais louvados. A espiritualidade e a obediência ao Alcorão são bem vistas em culturas islâmicas. Em certas sociedades orientais, a honra era vista como o valor principal de um homem. E na nossa? O que dá destaque a um indivíduo na cultura ocidental do século 21, em que eu e você estamos imersos? Basicamente o que chamo de “os três F”: fama, fortuna e físico. Quer ser o maior entre os seus semelhantes no Brasil de hoje? Então seja famoso: destaque-se, apareça mais que os outros, seja venerado, que muitos olhos se voltem para você. Ou então ganhe muito dinheiro, ostente carros caríssimos, more numa mansão, demonstre como você é bem-sucedido financeiramente. Por fim, tenha um aspecto físico invejável, seja por uma beleza natural ou por recursos como malhação, cirurgias plásticas, implante de silicone, botox, cabelos bem cortados – ou ainda, por roupas e sapatos caríssimos e da grife que está na moda. Pronto. Você será visto com destaque, valorizado, bajulado, invejado, amado. Mas… e no Reino de Deus? O que destaca alguém? Acredite: o exato oposto daquilo que dá destaque a um indivíduo na cultura ocidental do século 21:

Humildade.

O pecado de Satanás foi a arrogância. Ele quis ser mais do que era. Deu no que deu. Podemos contrastar sua atitude com a do grande profeta João Batista, sobre quem o próprio Jesus disse: “Eu lhes digo que entre os que nasceram de mulher não há ninguém maior do que João” (Lc 7.28). Sendo João isso tudo, ele mesmo afirmou: “Depois de mim vem alguém mais poderoso do que eu, tanto que não sou digno nem de curvar-me e desamarrar as correias das suas sandálias” (Mc 1.7). João sabia quem era. Mas, mesmo sendo o maior de todos os que haviam nascido em toda a história da humanidade, ele conhecia seu lugar. Sabia que era pó. Que exemplo para todos nós…

Nossa civilização nos condicionou a querer sempre um lugar de destaque. Um emprego que nos projete. Títulos. Nosso nome escrito em letras de neon. Elogios. Um ego muito bem nutrido por palavras que mostrem como nós somos grandiosos. Mas o que Jesus ensina contraria de frente essa mentalidade: “Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança. (Mt 5.5). Que diferença! E a afirmação que não deixa dúvida alguma (peço que você leia essas palavras de Jesus com muita atenção): Quem se faz humilde como esta criança, este é o maior no Reino dos céus” (Mt 18.4). Humildade na terra, grandeza no Céu. Diminuir para crescer.

Jesus é o único digno de abrir o livro, Jesus é o maior, Jesus é maravilhoso, Jesus é o Altíssimo, Jesus é Criador, Jesus é o Caminho, Jesus é amor, Jesus é o santíssimo, Jesus é o Onipotente, Jesus é tudo. No entanto: “Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas debaixo do seu poder, e que viera de Deus e estava voltando para Deus;  assim, levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura.  Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura.  [...] Disse Pedro: “Não; nunca lavarás os meus pés”. Jesus respondeu: “Se eu não os lavar, você não terá parte comigo”.  [...] Então lhes perguntou: “Vocês entendem o que lhes fiz?  [...] Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros.  Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz” (Jo 13.1-15).

Permita-me perguntar: qual foi a última vez que você seguiu esse exemplo e “lavou os pés” de alguém menor do que você?

Entre nós, cristãos, certas características nos dão destaque no meio dos irmãos. O santo se acha mais santo do que os outros. O que ora muito crê que isso o torna mais especial do que os demais. O pecador condena quem julga que é mais pecador do que ele. O que tem um cargo na igreja se acha mais do que o que não tem. O que manifesta um dom se acha mais agraciado por Deus. Em resumo, eu e você não estamos isentos de nos acharmos os tais porque fazemos ou somos algo que nos põe numa posição de destaque.

Já parou para pensar por que os cristãos são tão fascinados por escândalos? Já parou para pensar por que amamos falar sobre aquele pastor famoso que caiu em adultério? Já parou para pensar por que comentamos salivando que a cantora gospel famosa rastejou no palco? Já parou para pensar por que temos um prazer indizível em comentar o último pecado que fulano cometeu? Em suma, já parou para pensar por que temos o prazer sádico de tricotar entre nós quando algum outro cristão incorre em desgraça?

Porque isso faz com que nós nos sintamos superiores.

Pura e simplesmente isso. É um sentimento mesquinho que, até inconscientemente, nos faz pensar “não sou tão mau assim, afinal fulano é um tremendo pecador, muito mais do que eu, que vivo tão corretamente”. É por isso que a maioria prefere segregar o pecador e não lhe dar um único telefonema para saber como ele está em vez de se aproximar, amar, dar ombro, dar afeto, ajudar em sua restauração: porque gostamos demais de nós mesmos para gostarmos dos outros.

Certa vez entrevistei o ator e comediante Jerry Lewis. Perguntei a ele como explicava seu sucesso. Sua resposta foi simples: “Todo filme que faço se baseia num princípio: um homem em apuros.  E cada pessoa do público fica feliz porque quem está naquela situação embaraçosa ou complicada é outro e não ela mesma”. Ou seja: rimos da desgraça do outro porque isso nos faz nos sentirmos melhor conosco. Não fosse assim, como explicar o sucesso das videocassetadas? Pessoas se arrebentando no chão, levando tombos, sendo atropeladas, pegando fogo… e nós daqui caindo na gargalhada. Os cristãos, inclusive – sejamos honestos. Como explicar esse contrassenso absoluto? Simples: a desgraça alcançou o outro e não nós.

Quando o outro peca isso faz dele inferior aos olhos dos cristãos. Portanto, um pecado que tornou alguém um escândalo faz com que eu, que também peco todos os dias mas não virei escândalo, me sinta melhor, mais feliz comigo mesmo. Superior. Maior. Sinto orgulho de mim mesmo, essa é a grande verdade. No entanto, as palavras de Paulo atravessam nosso sentimento de superioridade como uma espada afiada: “Se devo me orgulhar, que seja nas coisas que mostram a minha fraqueza” (2 Co 11.30).

Essa é a proposta do Evangelho. Reconhecer nossa fraqueza. Reconhecer nossa falibilidade. Pois, enquanto nos achamos mais especiais do que os demais, sofreremos do traiçoeiro pecado do “orgulho santo” – o orgulho do que há de bom em nós, o orgulho até de nossa “santidade”, tão maior do que a dos demais. Mas se nos achamos tão melhores do que os outros, não abrimos espaço para nos escancararmos para Deus, como Paulo fez: “Miserável homem que eu sou!” (Rm 7.24). Não. Diremos em nosso íntimo (sem falar em voz alta, para não pegar mal): “Magnífico homem que eu sou!”. Assim, nos sentiremos mais. Nos sentiremos os eleitos, os profetas, os escolhidos, os queridinhos do Pai. Nos sentiremos superiores. E nos sentiremos aliviados por não sermos tão ruins como os outros. Só que… com isso, não reconhecemos nossas fraquezas e não reconhecemos que o pior dos pecadores não é pior do que nós. E no dia em que estivermos diante do trono de Deus para prestar contas de tudo o que fizemos e falamos, será que o que ouviremos dele é “você é realmente o tal”?

Prefiro ficar com Paulo, que em Romanos 7.18 confessa com uma humildade que não encontramos em quase ninguém em nossos dias: “Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo”. Não é à toa que Paulo foi Paulo. Pois, talvez lembrado pelo espinho na carne, reconhecia que só a graça lhe bastava e que só a graça fazia dele um vaso de barro com a excelência do fôlego de vida em si.

Fico muito triste ao ver cristãos que se acham mais do que outros, seja por que razões forem. E oro por muitos que conheço e que são assim. Ore por mim também, por favor, pois não sou melhor do que meus pais. Em vez de nos acusarmos, nos rebaixarmos e nos segregarmos, amemo-nos mais e oremos mais uns pelos outros. No grande e terrível dia em que estaremos diante do Justo Juiz, que ele olhe para nós e veja a cruz de Cristo. Porque, se Ele olhar para quem nós realmente somos (e não para quem achamos que somos) nada nos restará a não ser choro e ranger de dentes.

Sou um pecador, mas se puder fazer algo por você, meu irmão pecador, minha irmã pecadora, tentarei. E não te desprezarei pelo fato de que você pecou um pecado diferente do meu e que ingenuamente considero pior. Pois… quem sou eu? “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos” (Tg 2.10). Quem sou eu…

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício.

Spams são uma das maiores pragas para os usuários de internet. Não tenho nem de explicar: se você está lendo este artigo é porque é usuário da web. E, se navega no mundo cibernético, já foi vítima de spam. “Ganhe dinheiro sem sair de casa”, “Aumente o tamanho do pênis” (desculpe se isso te escandaliza, mas esse chega todo dia), “Viagra com 50% de desconto”, “Livro da AD Santos é destaque da revista Quem” e inutilidades do gênero lotam nossa caixa de entrada de e-mails, trazendo consigo desde vírus até a mera chateação de ter que ficar deletando cada um. Mesmo o espaço de moderação de comentários do APENAS sofre com isso, acredite. A cada comentário legítimo, entram três spams, em média. Recentemente, um irmão me mandou um comentário indignado (com toda razão): “Não entendo quando vejo em blogs tal como o seu e outros de conteúdo evangélico, voltados para edificação da igreja, banners de propagandas totalmente contrárias à fé evangélica em Cristo Jesus, tal como o que vejo acima, oferecendo os serviços de um vidente de nome tupak ou tupac, e em outro caso que me vem a memória (em outro blog), quando vi ali propagandas da medalha milagrosa”. Pois é, spams nos atacam até como banners não solicitados e não aprovados em nosso blog. Como esse aqui abaixo, que acabou de aparecer na página enquanto eu fechava este texto, de “Tara, a médium visionária”. São incômodos, indesejados, prejudiciais, chegam sem que queiramos, invadem nossa privacidade, geram em nós sentimentos ruins. E em nossa vida espiritual há um tipo de spam muito pior do que esses, que não só irritam e causam confusão como nos fazem muito mal. Chama-se pecado.

Nenhum cristão quer pecar. Tenho absoluta certeza que, se você tem o coração em Cristo, a última coisa que quer fazer é desobedecer e entristecer o teu Salvador. E não estou falando de joio, mas de cristãos sinceros, tementes a Deus, honestos em sua devoção. Só que, de repente, quando menos se espera, seu firewall falha e eis que entra no inbox da sua alma um spam enviado pela sua natureza pecaminosa com auxílio de um hacker chamado Satanás. Pode vir em formas diversas: pensamentos maldosos, desejos ilícitos, cobiças impróprias, sentimento de vingança, vaidade odiosa, maledicências nocivas, invejas desnecessárias, glutonaria despropositada… são muitas. Elas invadem sua caixa de entrada na forma de tentações. Furaram as defesas, o antivírus não pegou, o antispam foi ineficaz e lá está ele. Não teve jeito, alcançou seu coração. E agora?

Agora há dois caminhos. Ao detectar o spam indesejado você pode deletá-lo apertando o botão da oração, clicando no comando da leitura bíblica, arrastando-o para a pasta do fruto do Espírito ou pondo na quarentena das disciplinas espirituais. O outro caminho é cedendo à tentação e abrindo o email, deixando que o vírus escondido dentro do spam do pecado contamine todo o software da sua alma. E aí a coisa fica feia.

Uma vez que o spam do pecado cumpriu o seu papel, a sua máquina começa a funcionar mais lentamente. Some a vontade de ir à igreja, a concentração na hora da oração se dispersa, a leitura das Escrituras diminui ou some, um abismo vai chamando outro abismo. Nenhum computador foi feito para ser contaminado, assim como nenhum cristão deseja pecar, mas se o spam foi bem-sucedido ao furar os bloqueios, mesmo o mais sincero cristão vai começar a agir segundo a programação que se infiltrou em seu código-fonte de boas obras. Aliás, isso acontece com absolutamente todos os cristãos. O hacker espiritual logrou êxito e conseguiu contaminar todos os computadores espirituais do mundo todo, de todas as eras e em todos os lugares.

Veja como o apóstolo Paulo reconhece com sinceridade e humildade que seu software estava cheio desse spam virulento: O pecado, aproveitando a oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de desejo cobiçoso. (…) Sabemos que a lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado.  Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio.  E, se faço o que não desejo, admito que a lei é boa.  Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo.  Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo.  Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim.  Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus;  mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. (Romanos 7.11-23).

A descrição de Paulo é perfeita. O spam do pecado aproveita uma oportunidade e produz todo tipo de estragos que o computador originalmente não desejava. O software age sem entender o que faz. Não faz o que foi feito para fazer, mas “o que odeia”. Assim, quem executou o que o spam determina não é o software original, mas o vírus que habita nele. E, deste modo, o computador sai completamente da normalidade, faz o mal que não foi programado inicialmente para fazer. No íntimo, sua programação tem prazer na lei de Deus, mas uma outra força atua em seus sistemas, guerreando contra os códigos originais, tornando o computador prisioneiro do vírus que determina suas operações.

Pronto, a máquina contaminou. O estrago foi feito. Talvez muitos arquivos importantes tenham sido perdidos. Pessoas ao seu redor foram afetadas, como spams que fazem seu e-mail enviar cópias dele para sua lista de contatos. A máquina pode até mesmo travar e parar de funcionar. Páginas pornográficas vão pular na tela à sua frente. Banners de videntes vão escandalizar quem lê sua vida. Softwares de santidade deixam de abrir. Quando se dá conta, o estrago é tamanho que você cai em si, despenca em prantos e fica se perguntando o que tinha na cabeça quando clicou no arquivo executável que veio naquele spam. E tudo parece perdido. Será preciso formatar a máquina. Talvez vendê-la. Não havia backup, então tudo está perdido. Deus…

De repente, chega um e-mail enviado por  “Espírito Santo”, um amigo e conselheiro antigo com quem você costumava andar muito, mas de quem tinha se afastado há algum tempo. Escrito no “subject” vem o assunto: “Graça”. Sentado no chiqueiro da virulência, você abre a mensagem e vê um texto curto, escrito em vermelho cor de sangue, dizendo para você se lembrar que na casa de seu pai há um antivírus muito potente. Que basta você enviar um e-mail escrito “Arrependimento” e seu pai lhe mandará esse antivírus, chamado “Cruz”.

Você faz isso. Para sua surpresa, o Pai não manda o e-mail. Vem pessoalmente instalá-lo na sua máquina. Ele observa com gigantesco amor o seu olhar impotente, insere o DVD da misericórdia e procede a limpeza. Aparece uma mensagem na tela: “O sangue de Jesus está purificando sua alma de todo pecado. Aguarde o fim da limpeza”. Enquanto espera (a limpeza é muito rápida), só dá tempo de ler uma mensagem que o antivírus da Cruz estampa antre seus olhos, escrita pelo apóstolo Paulo: “Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?  Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!” (Romanos 7.24,25a). Em segundos o software de limpeza informa o fim do procedimento. Na tela, aparece a última caixa de texto do processo: “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus,  porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte.  Porque, aquilo que a lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado” (Romanos 8.1-3).

Seu pai te abraça. Você não tem palavras para agradecer. Lágrimas rolam pelo seu rosto. Todos os programas e arquivos que você julgava ter perdido estão lá, como se tudo tivesse sido feito novo, como se o computador tivesse acabado de sair da fábrica. Você não para de agradecer, os olhos cheios d’água. E promete nunca mais clicar num daqueles spams. Seu pai se contenta em sorrir, como se soubesse que essa é uma promessa que você jamais conseguiria cumprir sozinho. E apenas lhe responde: “Tudo bem. Mas se voltar a clicar num spam não hesite em me chamar. Mesmo se for setenta vezes sete vezes”. Você diz que sim. Sabe que aquele antivírus estará à disposição todos os dias, até a consumação do século.

Seu pai se despede e faz que vai embora, mal sabendo você que ele ficou onde sempre esteve, no mesmo cômodo que você, quietinho, escondido atrás de uma cortina, vendo tudo o que você faz, o DVD na mão. Você está feliz demais. Mas… de repente, um barulhinho no seu computador chama sua atenção. Na tela, uma janela indica: “Você tem 1 nova mensagem”. Quando vai ver, adivinha: é um spam. Você se lembra da promessa feita ao seu pai. Seu dedo paira sobre o botão de deletar. Um pensamento vem: que mal poderia fazer? Vai que te dá algum prazer ou alguma vantagem ler esse e-mail, nunca se sabe. E então… clica.

Atrás da cortina, seu pai se entristece. Abaixa os olhos para o DVD e, falando de si para si mesmo, sussurra: “Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês.  Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação” (Colossenses 1.21,22).

E então ele sorri um sorriso com gosto de vitória final.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício