Marcha1A moda de organizar marchas para Jesus conquistou o mundo. Recebi recentemente de um irmão querido que mora no Japão e acompanha o APENAS um vídeo de divulgação (abaixo) da versão nipônica desse evento, realizado em Nagoya. Pelo que vi, lá o acontecimento carrega traços bem semelhantes aos dos similares organizados em outros locais do planeta, inclusive no Brasil. Ao assistir ao vídeo e refletir sobre esse fenômeno, algumas perguntas brotaram em minha mente: qual é exatamente a finalidade de se realizar esse tipo de evento? Representa evangelismo? Leva à salvação de almas? Glorifica o Senhor? Traz benefícios para o reino de Deus? Meditei longamente sobre isso e meus pensamentos me levaram a uma interessante analogia.

Para muitos, a resposta é indiscutível: uma vez que se está falando de Jesus – e como a palavra de Deus não volta vazia – é evidente que pessoas serão tocadas, haverá conversões em massa, será uma grande celebração do povo cristão, com inegáveis benefícios para a Igreja e glorificação do nome de Deus. Em outras palavras, acreditam de forma arraigada que a Marcha para Jesus é o céu na terra. Jesus está, para os defensores desses eventos, obviamente sendo proclamado e os benefícios são extraordinários. E se você diz que marchas para Jesus são meras articulações políticas e/ou comerciais, certamente você deve estar a serviço do Diabo ou no mínimo é um pecador carnal que deseja sabotar as grandes coisas que os políticos/artistas/empresários/líderes eclesiásticos que organizam tais manifestações querem promover por puro e desinteressado amor a Cristo.

MarchaBudaResolvi, então, fazer um exercício de imaginação. Suponha que, em vez da Marcha para Jesus, uma coalizão de líderes religiosos famosos, seguidores de Siddhartha Gautama, organizasse a Marcha para Buda. Assim, milhares e milhares de budistas, vestindo camisas e portando faixas glorificando Buda sairiam às ruas para celebrar que “o Brasil pertence a Buda”. Veríamos multidões andando sorridentes pelas avenidas, pontes e becos, batendo palmas, saltando, pulando e levantando as mãos. Haveria políticos budistas em cima dos carros de som conclamando a população a se unir em favor da ética e dos valores de seu livro sagrado, além de exaltar Buda com gritos e palavras de ordem. Ao longo de toda a programação, pessoas estrategicamente escolhidas fariam orações para que o país se rendesse a Buda.

Ainda nesse exercício de imaginação, cantores e bandas especializadas em interpretar músicas de louvor a Buda se apresentariam em um grande espetáculo de som e luz – e, para delírio dos participantes, o show seria transmitido em cadeia nacional de televisão. Evidentemente, aos olhos dos fãs, essa transmissão representaria a proclamação máxima de Buda, um inconteste e eficientíssimo evangelismo via satélite, que levaria legiões e legiões de pessoas a abraçar a fé budista. Seria um autêntico comício pró-Buda mescMarchaAerobicalado com uma espécie de “Rock in Rio budista”. Em certos momentos, haveria coreografias semelhantes à dança aeróbica, as pessoas dariam as mãos e gritariam que “Buda ama o Brasil”. Trenzinhos. Gente chorando. Pessoas pulando. Festa total. Quem tivesse acesso ao microfone conclamaria os participantes a “profetizar sobre a nação” ou a “tomar posse” dela. Aos gritos, estimularia o povo presente a declarar que “o país pertence ao senhor Buda”. Usariam totalmente fora de contexto uma passagem do livro “A Doutrina de Buda” em que uma divindade budista prometeria a um de seus generais-profetas que “todo lugar onde puserem os pés eu darei a vocês” para, ferindo toda a boa hermenêutica, garantir que o Brasil pertence a Buda – já que os budistas puseram os pés em solo brasileiro e tomaram posse do solo tupiniquim.

Na ocasião, muitos diriam, ainda, que aquela aglomeração de gente era o prenúncio de um grande avivamento budista que varreria o Brasil. Aliás, muitas pessoas na plateia estariam enroladas na bandeira brasileira. Organizadores exibiriam eMarchaBrasilia2m gigantescos telões depoimentos motivacionais de gente famosa dizendo que aquilo não era só mais uma marcha, mas “um ato profético, um decreto, porque a hora do avivamento chegou”. Outros, contrariando totalmente o conceito correto de avivamento, diriam: “Não vamos esperar o avivamento chegar, mas vamos fazer o avivamento”, sob urros animados dos participantes emocionados. Ao final, todos voltariam felizes e cansados para suas casas, com a certeza de que Buda fora glorificado e que muitas vidas abandonariam o cristianismo, o islamismo, o espiritismo e o ateísmo para abraçar o budismo, graças àquele magnífico e sobrenatural evento. Pelo caminho, levariam suas faixas dizendo “Rio de Janeiro para Buda”, com a certeza absoluta de que aqueles dizeres mudaram a vida de centenas de pessoas que os leram. Talvez milhares.

Claro que no dia seguinte tudo continuaria igual na cidade e na nação – com exceção das muitas pessoas que estariam reclamando dos engarrafamentos provocados pela Marcha para Buda, dos políticos que ganharam muita visibilidade (e votos) e dos empresários que faturaram rios de dinheiro com vendas, anúncios e promoção de artistas.

Naturalmente, essa é uma situação que nunca aconteceu. Nunca vi marchas para Buda, marchas para Alá ou marchas para Iemanjá. Parece que a única fé que vê benefícios nesse tipo de evento é a cristã. Mas fico imaginando se essa ficção de fato acontecesse. Caso eu comparecesse por qualquer razão à Marcha para Buda, me pergunto se abandonaria Jesus porque presenciei uma passeata-show de outra religião. Ou, se visse pela TV, me questiono se ver aquilo me levaria a pensar algo como “realmente, com tantas pessoas falando tanto de Buda, creio que devo me converter ao budismo. Afinal, foram milhares de budistas reunidos”. Em suma, penso muito se eu, como fiel de outra religião, mudaria totalmente minhas crenças porque assisti a uma marcha dessa tal religião. E, finda a analogia, me pergunto se tudo isso se aplica à Marcha para Jesus.

MarchaBrasiliaA essa altura, alguém poderia argumentar que estou desprezando a graça de Cristo. Afinal, Jesus salva de modo sobrenatural, uma vantagem com que as outras religiões não contam. Ok, concordo. Jesus salva sobrenaturalmente por meio da graça, Buda não. Só que aí eu pensaria: mas a graça não alcança também no evangelismo pessoal? Se, em vez de dedicar um dia inteiro para ficar passeando sob olhares  incomodados ou indiferentes dos não cristãos, cantando e pulando em uma marcha-show dessas, cada um dos milhares de presentes investisse o mesmo tempo para compartilhar o evangelho face a face com alguma pessoa… não haveria muito mais conversões? Não é estatístico que as pessoas se convertem a Cristo muito mais pelo convívio e pela pregação de um cristão do que em grandes eventos? Então não seria muito mais lógico que toda a fortuna investida nessas marchas fosse devotada a uma grande campanha de estímulo à evangelização pessoal? Para usar uma linguagem bem mercadológica, o custo/benefício não seria muito maior?

A resposta é óbvia. Só que evangelismo pessoal não gera mídia. Não faz o evangelista anônimo aparecer no Jornal Nacional. Não ajuda a vender produtos gospel no intervalo. Não dá oportunidade a políticos de serem vistos por milhares de eleitores. Evangelismo pessoal só rende uma coisa: salvação de almas. Só que almas salvas não ajudam a vender nada nem a eleger ninguém. Então… façamos marchas.

Sim, eu sei que a essa altura muitos estão me achando um servo de Satanás (onde já se viu comparar a sacrossanta Marcha para Jesus a uma pagã Marcha para Buda!). Peço perdão a você por essa heresia e conto com a sua paciência. Pois o fato é que sou um cristão à moda antiga, do tipo que acredita na pregação pelo exemplo pessoal, na proclamação homem a homem, na mensagem da cruz e não do palco, na graça de um Deus que não precisa de raios laser, holofotes, faixas, banners ou passeatas. Creio naquela ideia ultrapassada de que as passagens bíblicas devem ser entendidas a partir de seu contexto, na ideia estranha para nossos dias de que fé e política partidária não deveriam se misturar. Sim, eu sei que sou antiquado. Mas é interessante não seguir a moda. Afinal, evangelho sempre foi e sempre será contracultura, nadar contra a corrente, fazer o contrário do que o mundo faz. E marchas para Jesus são diferentes do mundo em que mesmo? Ah, sim, usam o nome de Deus. Se usam em vão ou não só o tempo dirá…

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

.

About these ads
Comentários
  1. Henrique disse:

    Maurício.

    Até onde lembro, esta “Marcha para Jesus” nada mais foi que uma contraposição da Renascer em Cristo à parada gay, posteriormente abraçada por outras igrejas neopentecostais também.

    Quer dizer, já começou errado, pois o sentimento foi de confrontação com outra manifestação social, querendo rivalizar, mostrar que se há um milhão de pessoas que apóiam a causa gay, também há um milhão de pessoas que se dizem ser de Cristo.

    Tem algo muito errado em “seguir a Cristo”, fazendo passeatas em ruas públicas, com efeito zero para a evangelização. Se fossem ajudar velhinhos nos asilos, crianças em orfanatos, mendigos nas ruas, seria realmente algo que chamaria a atenção dos não-cristãos.

    Mas daí é pedir demais né?

    Abraços!

    • Olá, Henrique,
      .
      é uma manifestação político-comercial, nada mais.
      .
      Abraço, querido, Deus te abençoe muito,
      mz

    • André disse:

      Permita-me discordar do nobre amigo Henrique, mas a Marcha pra Jesus no mundo se iniciou há muito tempo atrás, e não em confrontação a nenhuma outra manifestação. É bom se inteirar um pouco a respeito da história do movimento. Outra coisa, a Marcha pra Jesus ocorre em inúmeras cidades do Brasil e do mundo, inclusive em muitas cidades onde a igreja “renascer em Cristo” não está presente (a exemplo da minha cidade). É um movimento interdenominacional (e, também, adenominacional). Se a Renascer em São Paulo se “apossou” do evento, aí já é um caso particular de São Paulo.

      Não, não estou tentando justificar a Marcha, acredito que existem inúmeros pontos nela que podem ser criticados (como os citados no post), mas há que se fazê-lo COM FUNDAMENTOS, e dizer que ela surgiu em oposição à marcha gay já é uma grande distorção histórica. Aliás, a marcha pra Jesus originou-se em Londres, Inglaterra, em 1987, criada pelo pastor Roger Forster, e tinha – aparentemente – um objetivo meramente evangelístico. De qualquer forma, no Brasil ela ganhou alguns contorno estranhos (toda essa “teologia” de atos proféticos e etc.), e penso eu que essa marcha pra Jesus no Japão está seguindo o modelo Brasileiro (aliás, cabe aqui uma rápida reflexão: cadê o diálogo com o a cultura japonesa? Engraçado que no Brasil se reclama quando as coisas implantadas aqui são “americanizadas” ou “europeizadas”, incluindo os métodos que os missionários que aqui chegaram trazendo o Evangelho utilizavam… Não estariam os missionários brasileiros no Japão fazendo a mesma coisa, e pior: levando um evangelho “abrasileirado” neopentecostal?).

      De qualquer forma, é legal se informar pra não se falar besteira, eu mesmo já participei de alguns eventos como este em que as distorções citadas neste artigo não aconteciam, porém de alguns anos pra cá deixei de participar justamente porque alguns desses elementos começaram a ser introduzidos de uma maneira cada vez mais clara e inegável, mesmo sem a presença dos líderes da Renascer na minha cidade (ocorre que, a “teologia” da Marcha se fez presente!).

      Dessa forma, penso eu, o texto do Maurício, mais uma vez, é irretocável. Apenas a título de complementação, eu indicaria o texto do reverendo Augustus Nicodemus Lopes, a repeito da “teologia da Marcha”, disponível aqui: http://tempora-mores.blogspot.com.br/2006/06/teologia-da-marcha-para-jesus.html. Sem mais, deixo meu abraço ao Maurício e meus parabéns por mais um excelente texto! (Sim, eu continuo acompanhando, tô sempre aqui lendo suas postagens e sendo grandemente edificado por elas). Um forte abraço!

      • Caríssimo André, olá,
        .
        muito obrigado pela rica contribuição. Informações importantes.
        .
        Abraço grande pra ti, na paz do nosso Deus,
        mz

  2. Mery disse:

    Maurício ,uma vez participei dessa tal marcha ,tem uns 15 anos ,voltei para casa prometendo a mim mesma nunca mais colocar os pés ali.
    A minha marcha para Jesus é todos os dias falar do seu amor para alguém que ainda não o conhece.
    Deus te abençoe

  3. Graça e paz meu amigo.

    Muito obrigado por esse texto. Tenho aprendido muito com seus textos, com a forma que você tem de expressar em palavras as coisas de Deus. Que Deus seja sempre nos seus textos amigo.

    Abração.

    RG

  4. Alex Costa disse:

    Excelente analogia, tocou na ferida, cuidado com as pedradas meu amigo, que Deus continue usando sua vida mais e mais.

    Abraço;

    Alex Costa

    • Olá, Alex,
      .
      mexer com paixões sempre faz chover pedras. Mas quando a pedra vem por amor a Deus Jesus disse que seríamos bem-aventurados, nao é?
      .
      Na graça que nos basta,
      mz

  5. Gamaliel Martins disse:

    Meu mano, Paz!
    Tenho o mesmo ponto de vista que você. Nossa geração tem uma tendência muito grande a crer em tudo aquilo que é bonitinho a nossos olhos, fácil e até lucrativo, mas a pregação do evangelho? Ah não! Tem muitos missionários por ai. Essa é a atitude de muitos. Paulo já dizia aos irmãos de Éfeso: Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
    Nossa luta é muito mais espiritual do que material ou carnal.
    Esse pessoal do vídeo, me parece muito com aquele conhecido (ou não) movimento de batalha espiritual, e aqui cabe uma observação importante para o mesmo movimento no Brasil. Vigiemos pois e oremos.
    Um abraço meu irmão.

  6. Juliana disse:

    É o que eu penso também Maurício! Parabéns, escreveu com muita sabedoria!
    Deus te abençoe querido!

  7. Pura verdade! devemos nos acautelar dos movimentos sensuais , omEvangelho é nutrido pelo poder de Deus! Mais forte que a marchas eram as pregações ao Ar Livre, nas praças , nos bairros, de casa em casa, que traziam perseguições, vaias, mas que traziam um saldo como o do livromde atos capítulo quarto. “Não podemos deixar de falar do que temos Visto e Ouvido.” Manifestações do poder de Deus, gerados pelo mover não de marchasn, mas do Espirito Santo, que descia como “línguas de fogo” convencendo o mundo do pecado da justiça e do juizo, no meio davpraça havia, conversões, milagres, sinais e prodígios, e cada um houvia a palavra viva em sua própria, lingua trazendo milhares de conversões, mudanças radicais de vidas, o protesto era contra as trevas do mal, nem palcos de “show gospel” nem patrocinadores ricos. nem vendas de CDsw, nem trio eletricos, sem badernas, somente prisões e ameaças aos servos de Deus, que com ousadia espiritual e intrepidez missionária, diziam preferir ouvir a Voz de Deus, que a Voz dos homesn. isto motivou os discipulos, levantou os apóstolos, con ertéu um perseguidor que passou answe perseguidomde Sauloma Paulo, de Pedro e João, convertendo o carcereiro de Filipos, e toda a sua casa, na própria prisão, levando o Evangelho aos gentios, quase persuadindomreis e governadores, que viam a MANIFESTAÇÃO DO PODER DE DEUS !

  8. Luiz Fernando disse:

    Ola, Maurício. Graça e paz.
    Vivemos dias de desilusão. O mundo cada vez mais astuto e feroz, e nós, seduzidos pelo comodismo.
    A igreja, doente pelo vírus da iniquidade profetizado a milénios, cujo a cura é a volta do Reconstrutor.
    Sera que Deus desistiu de Sua promessa? Jesus não irá voltar? Será que não estamos colocando a Bíblia no mesmo nível que as histórias de conto de fada?
    Edificamos o Castelo sobre a area. Semeamos nas rochas, onde a Raiz não se estabiliza. Nossos corações são inférteis.
    São os fins dos tempos, ao mesmo tempo me alegro e ao mesmo me entristeço.

    Somos católicos para fazer procissão, somos carnais para fazer micaretas? Por que passeatas, por que e para que marchas? Dinheiro e fama são as respostas. O amor ao dinheiro é a raiz de TODOS os males. Esse evangelho mercantilista, não salva, não proclama, só dá ao homem aquilo que lhe convém, e expõe a sua natureza concupiscente.

    É, Maurício. Na contramão do sistema.

    Deus o abençoe, mano.

  9. Roberto Tavares Oliveira disse:

    Mano Zagari,

    Como sabes, leio e acompanho todos seus posts, e de vez em quando, acabo comentando, até para “confrontar” os inimigos que dizem a vc – para Zagari, esse povo não sabe nada ou não entende o que efetivamente vc está querendo dizer.
    Gostaria de demonstrar humildemente, que sou um dos que se “junta” aos seus pensamentos, haja vista, termos muito em comum do que efetivamente é pregado.
    Isto posto meu amado, oro ao Senhor JESUS CRISTO, para que continue derramando bençãos espirituais e sabedoria ao seu servo, para que nos contemple com o verdadeiro pensamento do Evangelho da Graça – e seu mentor JESUS CRISTO.
    o resto, amado, é anátema!

    Chega de ativismos religiosos, crendices esquizofrênicas, achismos, carismátiquismos, e outros ismos absolutamente sem nexo e sem sentido.

    Vamos pregar o Evangelho – Sempre!!!!

    Parabéns Zagari,
    Em Cristo,
    Robertor

  10. Alciane disse:

    Concordo com vc amigo, isso tudo promove várias coisas, menos a Jesus, Jesus quer sim que o seu evangelho seja conhecido e pregado mas ñ dessa forma, sei que pregar o evangelho é mostrar mudança de vida, mudança de atitudes, mostrando mais amor e compreensão, é vivendo o dia a dia reconhecendo que somos pecadores e precisamos muito da sua Graça, e não indo a essas manifestações, gritando que amamos a Jesus, e depois voltarmos para casa do mesmo jeito que saimos sem mudança nenhuma de vida e reconhecimento sincero de Jesus.
    Fique com Deus, e que Ele continue te iluminando, e ñ tenha medo das pedradas, elas fazem parte, assim como Jesus foi criticado por falar a verdade, imagine nós pobres mortais, mas façamos nossa parte e vamos agradar a Deus, pois só Ele merece toda honra toda gloria e todo louvor.

  11. LUCIA HELENA disse:

    Pois é irmão, há muito tempo compartilho desse pensamento,não vou à marcha pra JESUS,não participo de passeatas,não vou a show gospel…Sem falar do tão “edificante” louvorzão… Culto de ensino e oração conta-se a dedo os presentes.Outro dia lendo um blog de um pastor,ele dizia que as pedras estão clamando em nosso lugar,e que DEUS falava em algumas letras do LEGIÃO URBANA,eu ri pra não chorar,infelizmente em nosso meio muitos são os que acham que os fins justificam os meios sejam eles quais forem. Um grande abraço no amor do PAI,e que JESUS o abençoe grandemente!!!

  12. Daiane disse:

    Como sou ingênua haha nunca esse pensamento da marcha. Aos meus olhos sempre foi pra falar de Jesus, etc. mas ainda consigo acreditar que cantores que são chamados pra se apresentar vão mesmo na intenção de falar de Deus. espero que não esteja errada rs Que Deus te abençoe cada vez mais Zagari :)

  13. Esdras Santana Mendes disse:

    Graça e paz!

    Quando incauto participei de uma “Marcha pra Jesus” em BH há uns 15 anos.

    A lucidez do Evangelho e a maturidade me fizeram perceber que todo este imbróglio dito evangélico ainda tem apoio das “massas de manobra”, ou seria “curral evangélico”?!

    Não desprezo aqueles que ainda estão cegos quanto ao escárnio que se tornou essas manifestações e movimentos gospel, mas iniciativas como a sua de tentar de maneira subversiva trazer uma análise crítica para a realidade cristã no Brasil são louváveis.

    O Caminho é esse, mano!

    Esdras

  14. Greize disse:

    Já participei uma vez de uma marcha para Jesus, foi muito bom, mas eu não tinha maturidade espiritual, e é o que acontece com muitos ali.

    Hoje na casa dos 30 eu olho pelo local onde eu andei na marcha e , desculpe Mauricio mas eu penso, nossa eu realmente era nova, pois hoje não aguento nem 4 quarteirões. hahahaha

    Tudo distorceu…

    Não conheço muito sobre este pastor mas li há um tempo atrás este trecho sobre a Revolução do Sal, e agora vendo tudo parece fazer sentido:
    Carlos Bregantim: “Não acredito em campanhas, em marchas, passeatas, acredito no sal que desaparece na vida das pessoas. No sal que não é visto. No sal que acrescenta mesmo que invisível como a Graça de Deus, acrescenta SABOR A VIDA. Tomara esta revolução aconteça antes que o sal se torne insípido e seja pisado elos homens.”
    Abraços

  15. Valderi disse:

    Maurício, acho que você está sendo radical demais.
    A Marcha para Jesus só acontece uma vez por ano, e num sábado.
    De forma semelhante, a Parada Gay ocorre uma vez também e em um domingo. E não irei me transformar em um homossexual por causa de uma parada.
    Não é assim.
    Evangelismo pessoal deve ocorrer todos os dias, os 365 anos, até no dia da Marcha para Jesus.
    E qual o problema de se divertir um pouco escutando as músicas gospel, algo que não tenho pique e paciência?
    Não se assiste jogos de futebol à exaustão?

  16. Bruno Vilela disse:

    Escreveu bem mano, até porque se você citasse nomes seria pior, já que quem realmente precisa ler torceria o nariz de primeira e nem veria o resto… também deu a solução logo em seguida (já que a crítica não construtiva não resolve).

    Deus continue te dando forças pra escrever, você edificou e ainda edifica muita gente apesar de todas as suas limitações!

    Um abraço mano, ora pela minha cidade (Diadema), pois estão querendo trazer isso pra cá, e a casa da música, que abastece as igrejas do município com músicos sem cobrar nada a anos (na verdade sobrevive com os impostos) corre o risco de acabar, sendo que os professores não recebem a meses… isso é avanço pro reino de Deus? Quem não conhece diria que sim… maldito pão e circo!

  17. Oi Maurício …
    Sabe, uma vez fui em uma dessas marchas aqui na minha cidade e o resultado foi: desilusão! Deixei a marcha antes da mega artista Ludmila Ferber se apresentar.
    Não iria novamente … pois acredito assim como você … prefiro fazer como a formiga, levando minha folhinha, uma a uma, com paciência, do que praticar o evangelismo do pulo e do requebra gospel!
    Deus abençoe sua vida mano … é bom saber que estamos no mesmo barco e na mesma remada!!
    Abração!!

  18. Neia disse:

    MZ,
    Tudo oque eu disser vai ser d+++ , faço minha as suas palavras parabéns fico grata a Deus pela sua vida siga em frente nao desanime seja forte e corajoso pq Deus esta a procura de verdadeiros adoradores que o adorem em “Espitito e Verdade”.
    Abraço pra vc meu irmão !!!
    Neia :)

  19. Paulo Carvalho disse:

    Bendito seja Deus, irmão Maurício, pelo teu peito aberto em escrever o que tem que ficar patente aos olhos daqueles que ainda se indagam sobre o que é crer…
    Teu testemunho me lembrou, de fato, o aspecto máximo do cristão, que é tomar consigo regra de conduta que nos leve a lembrar de Cristo. Lendo tuas palavras, me lembrei destas: “E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos, e os cambiadores assentados. E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas; e disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda.” (João 2:14-16)
    Que nosso Pai continue te inspirando e usando, para honra e glória de seu nome!

  20. Boa noite meu manolo Maurício!

    Nessa ultima semana estava super atarefado para ler com cuidado e atenção sua última postagem sobre o tema abordado,por isso,me guardei a um tempo oportuno para ler,refletir e principalmente comparar com a palavra de Deus,pois ela sempre prevalecerá quanto ao que desejo guardar e defender no meu coração.Como te disse em um comentário meu de uma outra postagem sua,te admirei e ainda te admiro por sua única e simples argumentação focada no que a bíblia diz a respeito sobre algum assunto.Infelizmente isso tem se ausentado das nossas igrejas,casas e principalmente da mente daqueles que usam sua posição para levar muitos a um nível de ”ilusão espiritual”.Louvo a Deus por você ser um dos poucos que segue no caminho, que ao ponto de vista desse leitor,tem sido um referencial de evangelista através de suas obras (infelizmente pouco conhecidas e publicadas),mesmo sendo um homem pecador igual eu.O essencial você tem.Principio e base genuína na palavra de Deus.Porém meu manolo,em tudo o que vimos nos dias de hoje e que acreditamos fazer parte de um sistema cheio de ganancia,corrupção e segundas intenções com o evangelho,isso é o que pensamos,apenas pensamos.A palavra de Deus é tão linda e ao mesmo tempo tão incompreensível,que nos leva a termos a possibilidade de aceitar a Cristo em momentos,aos nossos olhos,mais longes do ambiente que assim acreditamos ser o adequado e propicio para uma aceitação e um quebrantamento verdadeiro.Por favor meu amigo,não pense que eu sou um advogado dos ”shows gospel e seus tentáculos”,pois sou cristão tradicional e quadrado (isso aos olhos de alguns amigos meus,rs).Fico pensando e meditando no texto em que Paulo nos diz em 1 Corintios 1:25 que a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana.Isso é forte né?Loucura de Deus?Para aqueles que procuram uma via para colocar a palavra de Deus a prova esse é um caminho né?Mas graças a Deus temos o espirito que nos dá o entendimento preciso para aquilo que precisamos.Você já pensou na possibilidades desses eventos,”shows gospel”,caminho aberto em redes nacionais como Globo,Record (porque pra mim Record não é nem de longe uma emissora de crente,mas isso é uma outra postagem,rs),uma oportunidade as pessoas que não conhecem a Deus de se achegarem ao conhecimento de Cristo Jesus?Trabalho numa livraria evangélica e muitos,não crentes,chegam na loja com o nome ou um pedacinho da música apresentada na televisão,do qual eles não conhecem.Uma mulher em especial foi engraçada,ela disse o seguinte:Ontem eu vi na Globo uma mulher com um voz ”enjoadinha” (Ana Paula Valadão) cantando uma música linda.Eu fiquei em dúvida sobre a musica que seria e por isso liguei o som do computador com a suposta música procurada,e pra mim surpresa,ela desabou no choro,ali mesmo no meio da loja.Quando falo isso não me passa de hipótese alguma defender os ”ditos crentes” que estão usando a palavra de Cristo pra se dar bem financeiramente,por favor não pense isso de mim amigão,mas acredito que em momentos mais distorcidos,o Espirito Santo pode convencer o homem do pecado,da justiça e juízo,O momento pode ser apenas um instrumento usado por Deus para trazer arrependimento genuíno a qualquer pecador,usando qualquer ferramenta que Ele quiser.A mula falou com Balaão porque Deus a usou,mas isso não significa que o animal estava sendo um instrumento aprovado.Concorda amigão?O fato de segundas intenções estarem ocupando o propósito central na vida de muitos cantores,pregadores que nos deparamos na tv,como a fama,a auto adoração e não ao nome de Jesus e outras intensões,realmente é fato de desaprovação,mas infelizmente não estamos lidando com ”mundanos” e sim com ”crentes”.Por muito tempo me perguntei o porque Deus permitia que esses indivíduos se alojassem no meio dos cristãos reais com um papo,a princípio encantador,mas que lá na frente poderiam se desviar da verdade.Porque Deus?Dai veio a mim a tão conhecida parábola do joio e o trigo.Porque Deus permitiu que lado a lado eles crescessem juntos?Acredito que o joio seria uma ferramenta que Deus usaria para ver qual trigo estaria focalizado e ”enraizado” na palavra e no conceito real do evangelho.Muita coisa que não entendemos vamos ver o resultado lá no final,Na volta de Cristo.Não quero que minha mente seja herética a imaginar o que vou descrever agora.Quando o dia chegar e muitos disserem:Mestre,ninguém falou de ti pra mim,não tive a chance de saber quem eras Tú. Naquele momento em detalhes minuciosos,o Pai descreverá a palavra,a musica,ou até mesmo o evento escandaloso e ”sem propósito” que foi apresentado naquele ”show”,pois o mesmo foi um momento que a palavra dEle (Deus) estava sendo apresentada.Vai saber os planos de Deus né?
    Desculpa pela minha ousadia nessas palavras meu irmão Maurício,não quero de jeito algum causar conflito e muito menos contradizer o que você quis dizer em sua postagem acima,muito pelo contrário,o parabenizo pelo ótimo texto e firmeza,mas ouzo tentar colocar a ideia no seu coração que não devemos limitar o espaço e nem a maneira que Deus faz as coisas.Me entende?Me perdoa se por acaso tive a infelicidade de alguma expressão errônea no texto escrito.Agradeço a você por ser tão querido e gentil em suas explicações e saudações quanto as respostas.Adicionei mais um ponto ao seu comportamento. Rsrsrs.(Quem sou eu pra isso).

    Ufa!Escrevi demais.Em matéria de qualidade você ganha,mas em matéria de letras digitadas,acho que dessa vez ganhei.Risos.

    Um grande abração irmãozão.Fique a vontade para dar seu ponto de vista referente ao que foi escrito,pois como te disse,sou apto a mudanças de conceitos,opiniões e comportamentos.Mudar (pra melhor,é claro) é muito bom.

    Abração apertado do seu irmão que você não conhece mais vai conhecer um dia,nem que seja só no céu,

    Luiz de Oliveira

  21. pcamaral disse:

    Show!!!!!! rsrsrrsr Herege kkkkkkkkkkkk

  22. maria do socorro disse:

    olá Maurício. seus textos sempre me confortam porque eu acho que estou sempre na contramão, mas me consolo porque vejo que a nueza da verdade sempre terá uma voz que clama no deserto de um blog. Deus te abençoe sempre meu irmão, a paz do Senhor Jesus!

  23. Ayres Balbino dos santos filho disse:

    É tão confortante saber que existe lucidez com fé, ou maturidadade espiritual com fé e, sobretudo, que elas podem e devem caminharem juntas. Juntas, na busca de Cristo e na socialização dele, para os irmãos que que ainda não o conheceram, e nem entraram num grau de intimidade edificante. Fé, Anhhhhh a Fé nos dias de hoje! É uma benção, mas a exploração dela é lastimável.Forma-se uma legião de fánáticos que entendem como verdadaira adoração a sua conduta,(pensei que sou eu achasse “over” essa marcha) alguns, praticando inclusive idolatrias com ídolos gospel, e os políticos gospel, tirando casquinha de eleitores gospel. Aliás, hoje existe muitas igrejas adeptas de “macumba gospel”. Mas discordo do irmão Zágari quando o mesmo se diz “crente das antigas”. Se fomos nos deixar levar pelo encadeamento do seu raciocínio ao dizer, que prefere minimizar para poder maximixar, e aí sim, tocar. Isso na atual conjectura trata-se de um pensamento pós-moderno Zágari. De antigo, na verdade vc não tem nada, pegando como parâmetro o que estamos vendo. Nesse sentido, seu pensamento só faz ratficar o quanto a proposta do evangelho é contemporânea.

  24. Milton Toshio Koata disse:

    Bom, pesquisando algumas coisas sobre a marcha, caí aqui no seu site, e para minha surpresa, vejo o vídeo que editei. Fiquei feliz por tamanha repercussão e divulgação. E li seu artigo.
    Pensei por alguns minutos se deveria escrever, pois meu pai já dizia que ” em boca fechada não entra mosquito”, mas decidi escrever para que todos entendam algo sobre a marcha para Jesus no Japão.

    Respeito sua opinião e concordo com seu ponto de vista, mas é importante frisar que aqui no Japão somos menos de 1% de cristãos evangélicos nascidos de novo. Todos nós estamos aqui, não a passeio, mas sim porque cremos que através de nossas vidas, Deus pode realizar um grande milagre de salvação.
    Viemos ao Japão, na sua maioria, em busca de melhores condições de vida. E nessa busca, Deus nos alcançou com Sua graça e nos deu salvação. A partir de então, só um sonho permeia nosso viver: a salvação do Japão.
    Por sermos poucos em número, espalhados pelo arquipélago, temos poucas oportunidades em nos reunir para orar, jejuar, interceder, enfiim, termos comunhão. E cada um – pastores, líderes, obreiros e irmãos – fazem o possível para que o sonho se realize.
    Alguns organizam congressos, outros, encontros; outros usam estratégias de evangelismo, outros, fazem impactos nas estações. E assim o evangelho vai sendo pregado. Dia após dia.
    A marcha para Jesus no Japão veio como mais um evento que fortalece a unidade entre os cristãos aqui no Japão, onde japoneses, brasileiros, filipinos, americanos e vários outros se reúnem para adorar juntos, orar, marchar e sonhar juntos! E vemos o fruto disso!
    Moro no Japão há 13 anos. Oito deles dedicados a obra de Deus. Me converti aqui. Posso dizer com toda propriedade e base que o povo cristão no Japãoi é um povo que evangeliza de todas as formas, com todas as suas forças. Tudo que temos usamos para a obra de Deus. O que não temos,criamos para que a obra se realize.
    Pra você ter uma idéia: o idealizador da marcha para Jesus no Jap´~ao é um brasileiro, que não fala quase nada de japonês, nem tem cara de japonês, mas mesmo com enormes limitações, se dispôs a realizar algo. E o povo cristão concordou em apoiar e participar.
    Talvez muitas coisas precisem ser aperfeiçoadas, melhoradas. Mas uma coisa é certa: Deus está fazendo uma grande obra no Japão através disso tudo. De dez anos para cá, a igreja cresceu, muitas igrejas japonesas abriram, muitos ministérios que trabalhavam somente com estrangeiros começaram a ganhar japoneses.
    Jovens japoneses estão se convertendo. O número de suicídios e abortos caíram. O evangelismo é uma prática cotidiana na maior parte das igrejas! Quando nos reunimos para orar e adorar ao Senhor, pessoas deixam de lado seus afazeres, trabalho, porque sabem do poder da unidade. E não são alguns que fazem isso. A maioria faz.
    Quando acontece a marcha, e é uma vez por ano, todos que participam entendem que é através da UNIDADE que o avivamento vem, e não porque uma multidão se reuniu para andar. Se fosse assim, o Brasil já teria experimentado um avivamento.

    Talvez por não conhecerem a realidade do Japão, muitos mostram seus pontos de vista pelo que acontece no Brasil. Mas posso afirmar – eu e toda igreja no Japão – que somos uma igreja com propósitos, que leva a sério o avivamento, que entende que avivamento significa arrependimento e mudança, que paga o preço pela unidade, e não ficamos de braços cruzados em meio a necessidade do povo. Aqui no Japão tem uma igreja forte, baseada nos princípios da Palavra de Deus, comprometida com o Ide e disposta a abrir mão de seus parentes, amigos, famílias, e hoje em dia abrimos mão até do bem estar financeiro, para cumprir nossa missão.
    Estamos crescendo. E em breve o mundo terá notícias do avivamento do Japão. E aí você sabe o que vai acontecer? Todos lembrarão dos congressos, encontros, marchas, como a base do avivamento. Porque foi desses eventos que os sonhos foram gerados.

    Sabe onde foram gerados os avivamentos pelo mundo? Pelos esforços de pessoas que não perdiam tempo discutindo métodos, mas que choravam pelos perdidos e se empenhavam na obra usando tudo o que tinham para que a vontade de Deus acontecesse.

    Me despeço aqui.

    Milton Toshio Koata

    • Olá, Milton,
      .
      obrigado por compartilhar sua opinião, mano. Li tudo o que escreveu e entendo a sua paixão por esse método, a partir do que falou. A propósito, creio que discutir métodos não é perda de tempo, se o método em si gera perda de tempo. Acredito que é sim proveitoso dialogar sobre maneiras de tornar nossa proclamação mais eficaz e correta. Aliás, acredito que é proveitoso dialogar sobre tudo o que tem a ver com o evangelho – em especial se for para corrigir o que muitos creem ser erros (foi, por exemplo, o que João fez em suas três epístolas acerca dos gnósticos e o que Paulo fez em Colossenses acerca da heresia de Colossos, além de todos os apologetas da Igreja primitiva, de Agostinho a Orígenes. Estariam eles perdendo tempo?). Mas, sempre, esse diálogo deve ser em amor, com respeito e visando ao mesmo fim por todos os que dialogam: a glória de Deus.
      .
      Creio que é exatamente pelo fato de ter se convertido no Japão e não ver a realidade de países que já passaram pelo que o Japão está passando que certas manifestações possam encantá-lo. Respeito isso. No entanto, continuo cético com relação às mesmas. No Brasil vemos com muita tristeza esse tipo de movimento/crescimento, que gera aumento numérico mas incoerências bíblicas. A Igreja incha, mas não cresce. E inchaço representa doença, não saúde. Oro a Deus que a Igreja no Japão consiga ser exceção a isso.
      .
      Fico feliz por todo o amor que nossos irmãos no Japão têm demonstrado pelo evangelismo e pela vida com Cristo, é o que deve ser, isso é maravilhoso. Mas isso não muda as críticas aos eventos como as “Marchas para Jesus”. Uma coisa não inclui a outra.
      .
      Fico feliz por você dizer que entendem o que significa avivamento. Me entristece, diante disso, ter visto no vídeo depoimentos com afirmações tão contrárias a esse conhecimento. Talvez se os depoentes tivessem mantido aquilo que disseram dentro da são doutrina, a má impressão não teria sido passada. Pois muito do que ali é dito no Brasil tem sido visto como anátema pelos setores mais sérios, não triunfalistas e distanciados de heresias como a Confissão Positiva. Me preocupa ver uma Igreja crescer alicerçada nesse triunfalismo e em afirmações que têm sido tão combatidas em países como o Brasil. Até mesmo quando você diz “E em breve o mundo terá notícias do avivamento do Japão” isso gera preocupação, porque, se você estudar os avivamentos ao longo da história, verá que todos surgiram sem que se esperasse, por ação espontânea de Deus, e jamais se pode dizer que um avivamento vai acontecer. Pois avivamentos não são produzidos por homens, são graças inesperadas do Senhor. Jonathan Edwards já havia pregado “Pecadores nas mãos de um Deus irado” muitas vezes antes de o avivamento ocorrer, o mesmíssimo sermão, lido por ele. Não há como se saber quando, onde e como virá um avivamento. Pelo menos foi assim em todos os avivamentos ocorridos na história (leia “O Verdadeiro Avivamento”, de John Armstrong), será que no Japão será diferente?
      .
      Como deve ter percebido, Milton, não é apenas uma questão de fazer Marcha ou não fazer. É, em especial, de como fazer. O que é dito. O que é ensinado. Em que se baseia. O que se faz. Tenho conhecidos no Japão que têm sofrido em suas igrejas com ensinamentos vistos no Brasil como heréticos. Então é lógico que isso nos preocupa.
      .
      Espero que você compreenda que as críticas não são destrutivas: vêm de pessoas que amam Jesus e querem ver a Igreja crescer – assim como você. Mas crescer de forma sã e em compasso com a Bíblia. Pois, para crescer ensinando doutrinas estranhas, movimentos inócuos e com base naquilo em que o evangelho não se baseia, vale a pena crescer?
      .
      Que a graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo sejam com você e toda a Igreja no Japão, a quem amamos e que desejamos que cresça com saúde espiritual. Te abraço com afeto,
      .
      mz

  25. Olá Maurício, concordo plenamente contigo. Deus te abençoe!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s