Arquivo de novembro, 2012

Existe um problema extremamente sério quando falamos sobre pecado/perdão: é muito comum encontrarmos pessoas que foram perdoadas por Deus mas que não conseguem perdoar a si mesmas. Junte-se a isso recaídas no mesmo pecado e uma Igreja que em sua grande maioria infelizmente ainda não aprendeu a perdoar… e o resultado final é devastador: irmãos e irmãs em Cristo achatados pela própria pecaminosidade, que se veem como indivíduos menores, indignos da graça de Deus, sem possibilidade de perdão. E, quando isso ocorre, o peso da própria natureza pecadora torna-se tão esmagador e a percepção equivocada de um Pai que fechou as comportas da graça tão presente que muitos acabam abandonando a fé e se afastando de Jesus por se julgarem incapazes de viver o Evangelho. Se é o seu caso, leia com muita atenção: você está enganado. Graças a Deus, literalmente.

O que me motivou a abordar esse assunto foram dois comentários postados no APENAS que me deixaram com o coração apertado. Os reproduzo abaixo. O primeiro é de um irmão:

“Partindo da analogia, estou completamente infectado. O sistema ainda consegue operar, mas estou sentindo-o a beira de uma pane completa. Ainda consigo ler seus escritos e de outros poucos sites sérios, mas de fato, a contaminação é tamanha que não consigo colocar em prática os conselhos, admoestações, alertas que posso considerar, sem medo de errar, inspirados por Deus. Já estou tão machucado de cair de abismo em abismo, que não me sinto seguro com ninguém, visto que deixei a igreja e mesmo o convívio com alguns irmãos mais chegados eu abandonei. Seu texto me ajudou a enxergar uma necessidade imensa da qual eu já havia esquecido, a de chamar pelo Pai e sobretudo acreditar. Mas me sinto tão sujo e amaldiçoado, envergonhado que nem sei se se consigo acreditar que ele venha. A dúvida já tomou a minha mente há algum tempo: será que Ele desistiu de mim?”

O segundo desabafo veio de uma irmã:

“Mauricio, não tenho conseguido aceitar essa graça. Eu tenho caído sempre. Não me lembro de um compromisso ou voto que fiz ao Senhor que tenha cumprido. Toda vez eu me coloco diante da presença do Senhor e me arrependo, choro, sinto o perdão Dele. Mas basta passar alguns dias para eu cair e deixar de orar ler como antes. Então hoje eu me sinto cansada. Cansada de sempre me arrepender e depois começar tudo novamente. Não consigo me manter firme, apesar dos cargos na igreja, apesar do respeito dos irmãos pela minha conduta. Que na verdade diante de Deus não é a mesma coisa. A minha vida tem sido dividida em duas, entre a minha conduta cristã na igreja e entre os familiares e finalmente a realidade diante de Deus, que não passa de uma pessoa inconstante em seus caminhos.”

Assim como esses irmãos, muitos e muitos estão tão feridos pelas próprias falhas que perderam as forças. Mais do que eu responder a isso, preciso mostrar o que a Palavra de Deus fala a esse respeito. O salmo 103 dá muitas informações:

“É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças, que resgata a sua vida da sepultura e o coroa de bondade e compaixão, que enche de bens a sua existência, de modo que a sua juventude se renova como a águia. O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Não acusa sem cessar nem fica ressentido para sempre; não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades. Pois como os céus se elevam acima da terra, assim é grande o seu amor para com os que o temem; e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões. Como um pai tem compaixão de seus filhos, assim o Senhor tem compaixão dos que o temem; pois ele sabe do que somos formados; lembra-se de que somos pó” (Salmos 103.3-5; 8-14)

Vemos, assim, que:

1. Deus perdoa TODOS os pecados (exceto a blasfêmia contra o Espírito Santo);
2. Deus nos coroa com bondade e compaixão. E compaixão significa agir conosco como não merecemos;
3. Deus é paciente, ao contrário do homem Ele não perde a paciência: se nos manda perdoar 70X7, imagine o quanto Ele não nos perdoa;
4. Deus é cheio de amor. E a maior expressão de seu amor é a graça que salva (Jo 3.16);
5. Deus não é acusador. Isso é papel do diabo (Ap 12.10);
6. Deus não nos trata conforme nossos pecados, mas segundo a Cruz de Cristo;
7. Deus não é vingativo, Ele não retribui conforme nossos pecados, mas segundo Sua graça;
8. Deus nos perdoa a tal ponto de nossos pecados que os afasta de nós, metaforicamente, como o Oriente do Ocidente. Creia: é muita distância;
9. Deus conhece seus filhos e entende a nossa natureza. Embora odeie o pecado, compreende o poder que ele tem sobre nós. Por isso perdoa constantemente, vez após vez. Ele não se conforma com nossos pecados, mas nunca, jamais, se cansa de exercer sua misericórdia e graça.

Diante desses pontos, responda você: Deus desiste de alguém?

O próprio Jesus responde isso, em João 6.37: “Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei”. Não, Jesus não rejeita aqueles que vão a Ele pela graça. Isso significa que Ele não desiste de nenhum dos seus. E você, meu irmão, se acha que o Cordeiro de Deus que veio justamente para tirar os pecados do mundo desistiu de você por causa dos seus pecados… saiba que essa não é uma verdade. Pense melhor sobre isso. Mas não pense com base na atitude impiedosa de muitos irmãos, que tratam o pecador como lixo. Pense com base na Palavra de Deus, que trata o pecador sempre com o intuito de botá-lo de pé, com perdão e reconciliação, e nunca visando à segregação e ao isolamento. Quem pisa no ferido é o homem: Jesus nunca faz isso. Nunca.

O propósito de Jesus ter vindo à terra é exatamente reconciliar a humanidade caída com o Todo-Poderoso. “Eu lhes digo que, da mesma forma, haverá mais alegria  no céu por um pecador que se arrepende do que por  noventa e nove justos que não precisam arrepender-se”, disse Jesus em Lucas 15.7. Isso soa a você como vindo de alguém que está disposto a reter a sua graça e a estabelecer limites para seu perdão?

Isso é o básico. Agora gostaria de tratar pontualmente algumas questões contidas no desabafo do irmão citado acima:

1. “A contaminação é tamanha que não consigo colocar em prática os conselhos, admoestações, alertas”- a contaminação cessa quando há arrependimento sincero e confissão de pecados. Provérbios 28.13 deixa claro:  “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia”.  O caminho para se “descontaminar” é o arrependimento seguido de confissão, com o firme propósito de não mais cometer aquele pecado. Um exemplo claro são as palavras de Davi no salmo 51, escrito após seu adultério seguido de assassinato. Repare que ele se derrama em arrependimento e confissão sinceros e na parte final do que transcrevo aqui ele demonstra saber que a “descontaminação” vem e o deixa “mais branco do que a neve”:

“Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado. Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me. Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe. Sei que desejas a verdade no íntimo; e no coração me ensinas a sabedoria. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e mais branco do que a neve serei”. 

2. “Já estou tão machucado de cair de abismo em abismo…” – esse é um grande problema. A sucessão de pecados mina as forças. Mas Paulo nos diz, ao falar sobre o famoso espinho na carne, em 2 Coríntios 12: “Mas ele [Deus] me disse: ‘Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza’. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.  Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte”. Paulo deixa claro que nosso momento de maior fraqueza é a maior oportunidade que temos para nos abrirmos para Deus, confessarmos a Ele nossa incapacidade humana e rogarmos para que ele assuma as rédeas de nossa vida. Nossos momentos de queda nos mostram o quanto não somos nada e o Senhor é tudo.

Assim, buscamos nele a força que não temos. Somos machucados por nós mesmos, minamos nossas próprias forças, mas o bálsamo celestial está sempre pronto para ser derramado em nossas feridas. É promessa de Cristo: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso”. (Mateus 11.28). Há descanso em Cristo. Há cura. Há restauração. Há novas possibilidades. O abismo nunca é o ponto final: é a vírgula antes de se chegar aos pastos verdejantes.

3. “Deixei a igreja e mesmo o convívio com alguns irmãos mais chegados eu abandonei” – esse é um dos grandes erros que podemos cometer. Embora a maior parte das igrejas esteja cheia de pessoas que não sabem perdoar e de irmãos que tratam quem peca como leprosos em vez de fazer o que Jesus ensinou – estar perto, ajudar na restauração, amar, doar-se pelo outro – ainda assim é ali que podemos ouvir a boa Palavra, onde celebraremos a Ceia, onde poderemos ser úteis ao próximo. “Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia” (Hb 10.25). Nunca podemos permitir que o pecado nos afaste da família de fé. Só quem quer isso é o diabo.

4. “Mas me sinto tão sujo e amaldiçoado, envergonhado que nem sei se se consigo acreditar que ele [o Pai] venha” – o cristão que peca precisa ter consciência de que, se ele verdadeiramente se arrepende de seu pecado por mérito da cruz, “agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1). Aqui cabe a leitura de todo o capítulo 15 do evangelho segundo Lucas, onde Jesus conta três parábolas sobre o mesmo tema: a da ovelha perdida, a da dracma perdida e a do filho pródigo. Todas versam sobre a alegria do Pai em reencontrar aquele único filho que se havia desgarrado.

Não existe sujeira ou maldição para quem se sente envergonhado pelo que fez, disposto a mudar de atitude, pois essa vergonha demonstra que há arrependimento. E, se há arrependimento, tudo o que o Pai espera é que o filho volte para casa, onde será recebido com um abraço e lágrimas de alegria, uma roupa nova, um anel no dedo e um grande banquete celestial. “Há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende” (Lc 15.10).

5. “Será que Ele desistiu de mim?” – Não. Deus não desiste de nenhum dos seus, por mais que eles estejam comendo a comida dos porcos. Cabe novamente frisar João 6.37: “Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei”.

No caso do depoimento tão sincero e dolorido da irmã, a vemos enfrentar aquilo que todos nós enfrentamos: os “pecados de cabeceira”, aqueles que são os mais difíceis de evitarmos. Os que mais nos seduzem, que mais nos arrastam de novo e de novo para longe de Deus. Nesse caso, além das disciplinas espirituais (oração, leitura das Escrituras e jejum, entre outras), é importante ter um confessor. Essa precisa ser uma pessoa de confiança, muito bem escolhida, alguém que vai te amparar, te ouvir, orar com você, te aconselhar, estar perto nos momentos de tentação. Alguém que vai segurar sua mão e se recusará a largá-la enquanto você não estiver totalmente de pé pelos pecados que te derrubaram e pronto para enfrentar os que estão pela frente.

Evite buscar como confessores os indiscretos, os inconstantes ou os néscios. Busque irmãos ou irmãs sólidos e corretos, pessoas que serão colunas ao seu lado, que vão fortalecê-lo e ajudá-lo a estar firme. Se você encontrar alguém assim (pode ser seu pastor ou um(a) amigo(a) espiritualmente maduro), terá ao seu lado uma  bênção enviada pelos céus para ajudá-lo a se manter longe dos pecados.

A caminhada cristã não é fácil, meu irmão, minha irmã. O pecado nos espreita dentro de nós. O diabo está ao derredor buscando quem possa tragar. E a união da nossa própria natureza pecaminosa com as forças espirituais da maldade são nitroglicerina, prestes a explodir a qualquer momento. Mas nossos olhos devem estar além, na cruz, na graça, no perdão ilimitado de Deus. Se você está mal por enfrentar pecados dos quais não consegue se livrar, busque ajuda. Primeiro e antes de tudo, no Senhor. Segundo, em irmãos sólidos na fé, que vão te aconselhar, amparar e caminhar com você. Tentar lutar suas lutas sozinho por vezes é muito difícil e, sem Deus e o amparo da Igreja piedosa, temos tudo para falhar e cair.

Oro por cada irmão e irmã que está em guerra contra os próprios pecados. Que consigam encontrar em Cristo e em confessores e mentores abnegados a força que lhes falta. Que consigam vencer a si mesmos. Que entendam que a Deus não interessa nos abandonar – Deus não é como os homens e nunca vê nos pecadores casos perdidos, mas indivíduos que têm tudo para serem bem-sucedidos. Oro para que compreendam a dinâmica de arrependimento-confissão-abandono de pecados-perdão-restauração. E que, em vez de entregarem os pontos por se sentirem amaldiçoados e incapazes, encontrem na graça de Deus a paz que Ele está sempre pronto a dar.

Deus te perdoa, meu irmão, minha irmã. Ele não é um carrasco, mas um Pai bondoso e amoroso. Deus não age impiedosamente como os homens, Deus é piedoso e age com misericórdia – e temos de enxergá-lo como tal. Siga em frente, de cabeça erguida. E desfrute do amor daquele que te fez filho não para desistir de você, mas para caminhar contigo todos os dias, bons e maus, até a consumação do século.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

O blog APENAS, após 1 ano e 6 meses no ar, alcançou a marca de meio milhão de acessos. Isso significa que foram realizadas mais de 500 mil leituras dentre as 204 reflexões aqui postadas (sem considerar os irmãos que assinam e recebem os posts direto por e-mail). Como tudo isso são números, é uma excelente oportunidade para pensarmos sobre o assunto, tão controverso no que tange à Igreja: números são relevantes para o Evangelho? Muitos seguem a linha de que o importante é ganhar o maior número possível de almas para Cristo, portanto igrejas abarrotadas de gente e grandes eventos seriam sinal de sucesso na obra de Deus. Assim, se certa igreja ou ministério cresce em quantidade de membros, tamanho do santuário, número de congregações ou conta bancária, então supõe-se estar agradando a Deus. Já outros tantos defendem que o que importa é a qualidade dos discípulos, que é preferível ter grupos, comunidades ou igrejas pequenas e bem pastoreadas, de modo que o líder possa estar mais próximo de cada ovelha, mesmo que não haja tanta multiplicação de membresia. Afinal: em se tratando do Evangelho o que importa é quantidade ou qualidade?

O grande erro que muitos cometem é achar que temos de escolher entre um ou outro. Mas não temos. Essa não é uma questão de escolha, mas de prioridade. Ou seja: o que tem mais peso.

Claro que quantidade importa, no sentido que todos queremos que o maior número possível de almas seja resgatado do inferno. Negar isso seria hipocrisia. Mas defendo que a qualidade é infinitamente mais importante – e explico por quê. Não fico impressionado por shows e cruzadas que reúnem milhares de pessoas. Catedrais suntuosas também não enchem meus olhos, só me mostram que certo grupo eclesiástico teve dinheiro suficiente para realizar aquela obra. Megaigrejas não me geram interjeições: são paredes grandes e só. Meu blog ter tantos mil acessos em xis meses muito menos me faz sentir especial – nada de bom que escrevo seria escrito sem a iluminação do Espírito Santo. Nada disso me toca, e por uma simples razão: não consigo enxergar na Bíblia base para dizer que arrebatar multidões é o propósito do Reino de Deus.

Repare: em Mateus 22.14 descobrimos que “muitos são chamados, mas poucos, escolhidos”. Já em Mateus 7.13,14, Jesus escancara: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela”. Leia com calma e veja que verdade fulminante: poucos são os escolhidos. Poucos são os que entram pela porta da vida. Em outras palavras: poucos são os que vão para o Céu. E, se há milhões nas igrejas, isso só significa que muitos dos que estão ali não vão entrar na Glória de Cristo. São membros de igrejas mas não são salvos. Isso me entistece tanto quanto a você, mas é uma dedução lógica e óbvia, a partir do que Jesus afirmou – e da qual não há como fugir simplesmente porque me dói.

Que diferença entre essas afirmações de Jesus e as frases triunfalistas que dizem que vamos “ganhar o Brasil para Cristo”, não é? Chocado? Você ainda acha difícil crer que poucos serão salvos? Então preste atenção ao que o próprio Cristo diz a esse respeito, em Lucas 13.23-27: “Alguém lhe perguntou: Senhor, são poucos os que são salvos? Respondeu-lhes: Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão. Quando o dono da casa se tiver levantado e fechado a porta, e vós, do lado de fora, começardes a bater, dizendo: Senhor, abre-nos a porta, ele vos responderá: Não sei donde sois. Então, direis: Comíamos e bebíamos na tua presença, e ensinavas em nossas ruas. Mas ele vos dirá: Não sei donde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais iniquidades”. É uma verdade dura: muitos dos que frequentam igrejas e se acham salvos não são. As catedrais podem estar abarrotadas, mas o Paraíso terá bem menos gente do que se supõe. Você, atônito, pergunta então: “Mas e aí? O que essa percepção deve provocar em nós?”.

Primeiro, em nada isso deve diminuir nosso fervor evangelístico. Pois você nunca sabe quem será salvo. Então temos que seguir pregando a tempo e fora de tempo para toda criatura. Mas… não só pregar, como Marcos 16 parece sugerir. Pois Mateus 28.19,20 nos mostra a Grande Comissão como um todo: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado”.

A grande missão da Igreja não é, assim, ganhar almas: é fazer discípulos. E discípulos não são pessoas que frequentam aulas pré-batismais. Discípulos são gente que vai caminhar por anos, ombro a ombro, com cristãos mais experientes, aprendendo na convivência a ser um servo bom e fiel de Jesus de Nazaré. Para se formar um discípulo é preciso tempo, dedicação, atenção, abnegação. E não é possível fazer isso com multidões sem nome. Só se faz isso em grupos onde há possibilidade de os irmãos se relacionarem intimamente.

Nas igrejas faraônicas isso não ocorre. Grandes números impossibilitam isso. Imagine que cada pessoa que lê os posts que escrevo no APENAS me mandasse um e-mail com questões pessoais ligadas a cada texto. Só no dia em que publiquei, por exemplo, o recente artigo  “Perfeito amor“, teria de responder a mais de 3.100 e-mails – o que é virtualmente impossível. Imagine então, o pastor de uma igreja com 3.100 membros… como os pastoreará? Como dará atenção a cada um? Como os visitará em casa? Como os conhecerá pelo nome e sarará suas feridas?

Uma pergunta fundamental que envolve essa discussão e que, portanto, devemos nos fazer é: o que faremos ao chegar no Céu? Muitos têm aquela imagem de que vamos nos deitar em edredons de nuvens fofas e ficar de papo pro ar pela eternidade. Não creio. Nós passamos nove meses na barriga de nossa mãe sendo formados e preparados não para permanecer ali, mas para desempenharmos bem nossa vida pós-nascimento. E penso que passamos 70 anos, em média, nesta terra sendo formados e preparados para desempenharmos bem nossa vida pós-morte. Haverá coisas a se fazer no Céu. E penso que esta vida existe tão somente como uma preparação para a próxima. Meus erros e acertos nesta terra servem para formar o caráter que terei no dia em que, pela graça de Deus, entrar pelos portões do Paraíso – despido, já, da natureza pecaminosa corruptível.

Por tudo isso penso que Deus quer salvar pessoas para que sejamos bem preparados, nos tornando, assim, discípulos fieis. Não consigo ver o Senhor convocando um enorme exército despreparado para estar com ele na eternidade. O vejo mais separando para si um destacamento de elite, como era a guarda pretoriana na antiga Roma. Poucos, mas bem preparados. Poucos, mas espirituais. Poucos, mas santos. Poucos, mas cheios do fruto do Espírito. Poucos, mas que demonstram um autêntico amor pelo próximo. Poucos, mas que carregam consigo as cicatrizes de uma vida de aprendizado adquirido com muito suor, dor, pecados seguidos de arrependimento, perdões, humilhações e outros fatores que formam nosso caráter cristão.

Não, números não me enchem os olhos. Simplesmente porque não creio que encham os de Deus. Pastor querido, você se gaba de que sua igreja tem muitos membros? A pergunta certa é: como é a qualidade da vida espiritual deles? Quando quebro um braço, prefiro ter um único médico bem preparado ao meu lado do que mil pessoas que não sabem engessá-lo.

Chegamos a meio milhão de acessos. Louvo a Deus por isso. Mas se há qualquer mérito neste blog não está nem nas qualidades extremamente questionáveis do pecador que aqui escreve textos e muito menos no número de assinantes ou de cliques. Pois, se as milhares de pessoas que passaram por aqui leram algum texto mas nada mudou para melhor em suas vidas, o APENAS tem como único número relevante o seu valor: zero à esquerda. Mas se houve 1 só alma que foi abençoada, edificada, incomodada, transformada ou levada ao arrependimento pelas palavras aqui escritas… então o blog teve algum valor para o Reino de Deus. Qualidade acima de tudo. E, se houver quantidade com qualidade, ótimo.

Pois o que importa para qualquer espaço onde se fale do Evangelho – seja uma igreja, um livro, uma revista ou um blog – é aproximar almas humanas de Deus e torná-los mais íntimos um do outro. Se um blog tem 500 mil acessos e não aproxima ninguém de Deus nem ajuda a sarar as feridas da alma humana, seria preferível ter tido apenas 1 acesso com consequência. Pois, ao fazer isso, teria cumprido a razão da existência do homem e de tudo o que fazemos: glorificar Deus. Porque nada que você faça na vida vai glorificar mais ao Senhor do que amar o próximo e conduzi-lo à intimidade com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio.

Spams são uma das maiores pragas para os usuários de internet. Não tenho nem de explicar: se você está lendo este artigo é porque é usuário da web. E, se navega no mundo cibernético, já foi vítima de spam. “Ganhe dinheiro sem sair de casa”, “Aumente o tamanho do pênis” (desculpe se isso te escandaliza, mas esse chega todo dia), “Viagra com 50% de desconto”, “Livro da AD Santos é destaque da revista Quem” e inutilidades do gênero lotam nossa caixa de entrada de e-mails, trazendo consigo desde vírus até a mera chateação de ter que ficar deletando cada um. Mesmo o espaço de moderação de comentários do APENAS sofre com isso, acredite. A cada comentário legítimo, entram três spams, em média. Recentemente, um irmão me mandou um comentário indignado (com toda razão): “Não entendo quando vejo em blogs tal como o seu e outros de conteúdo evangélico, voltados para edificação da igreja, banners de propagandas totalmente contrárias à fé evangélica em Cristo Jesus, tal como o que vejo acima, oferecendo os serviços de um vidente de nome tupak ou tupac, e em outro caso que me vem a memória (em outro blog), quando vi ali propagandas da medalha milagrosa”. Pois é, spams nos atacam até como banners não solicitados e não aprovados em nosso blog. Como esse aqui abaixo, que acabou de aparecer na página enquanto eu fechava este texto, de “Tara, a médium visionária”. São incômodos, indesejados, prejudiciais, chegam sem que queiramos, invadem nossa privacidade, geram em nós sentimentos ruins. E em nossa vida espiritual há um tipo de spam muito pior do que esses, que não só irritam e causam confusão como nos fazem muito mal. Chama-se pecado.

Nenhum cristão quer pecar. Tenho absoluta certeza que, se você tem o coração em Cristo, a última coisa que quer fazer é desobedecer e entristecer o teu Salvador. E não estou falando de joio, mas de cristãos sinceros, tementes a Deus, honestos em sua devoção. Só que, de repente, quando menos se espera, seu firewall falha e eis que entra no inbox da sua alma um spam enviado pela sua natureza pecaminosa com auxílio de um hacker chamado Satanás. Pode vir em formas diversas: pensamentos maldosos, desejos ilícitos, cobiças impróprias, sentimento de vingança, vaidade odiosa, maledicências nocivas, invejas desnecessárias, glutonaria despropositada… são muitas. Elas invadem sua caixa de entrada na forma de tentações. Furaram as defesas, o antivírus não pegou, o antispam foi ineficaz e lá está ele. Não teve jeito, alcançou seu coração. E agora?

Agora há dois caminhos. Ao detectar o spam indesejado você pode deletá-lo apertando o botão da oração, clicando no comando da leitura bíblica, arrastando-o para a pasta do fruto do Espírito ou pondo na quarentena das disciplinas espirituais. O outro caminho é cedendo à tentação e abrindo o email, deixando que o vírus escondido dentro do spam do pecado contamine todo o software da sua alma. E aí a coisa fica feia.

Uma vez que o spam do pecado cumpriu o seu papel, a sua máquina começa a funcionar mais lentamente. Some a vontade de ir à igreja, a concentração na hora da oração se dispersa, a leitura das Escrituras diminui ou some, um abismo vai chamando outro abismo. Nenhum computador foi feito para ser contaminado, assim como nenhum cristão deseja pecar, mas se o spam foi bem-sucedido ao furar os bloqueios, mesmo o mais sincero cristão vai começar a agir segundo a programação que se infiltrou em seu código-fonte de boas obras. Aliás, isso acontece com absolutamente todos os cristãos. O hacker espiritual logrou êxito e conseguiu contaminar todos os computadores espirituais do mundo todo, de todas as eras e em todos os lugares.

Veja como o apóstolo Paulo reconhece com sinceridade e humildade que seu software estava cheio desse spam virulento: O pecado, aproveitando a oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de desejo cobiçoso. (…) Sabemos que a lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado.  Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio.  E, se faço o que não desejo, admito que a lei é boa.  Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo.  Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo.  Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim.  Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim.  Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus;  mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. (Romanos 7.11-23).

A descrição de Paulo é perfeita. O spam do pecado aproveita uma oportunidade e produz todo tipo de estragos que o computador originalmente não desejava. O software age sem entender o que faz. Não faz o que foi feito para fazer, mas “o que odeia”. Assim, quem executou o que o spam determina não é o software original, mas o vírus que habita nele. E, deste modo, o computador sai completamente da normalidade, faz o mal que não foi programado inicialmente para fazer. No íntimo, sua programação tem prazer na lei de Deus, mas uma outra força atua em seus sistemas, guerreando contra os códigos originais, tornando o computador prisioneiro do vírus que determina suas operações.

Pronto, a máquina contaminou. O estrago foi feito. Talvez muitos arquivos importantes tenham sido perdidos. Pessoas ao seu redor foram afetadas, como spams que fazem seu e-mail enviar cópias dele para sua lista de contatos. A máquina pode até mesmo travar e parar de funcionar. Páginas pornográficas vão pular na tela à sua frente. Banners de videntes vão escandalizar quem lê sua vida. Softwares de santidade deixam de abrir. Quando se dá conta, o estrago é tamanho que você cai em si, despenca em prantos e fica se perguntando o que tinha na cabeça quando clicou no arquivo executável que veio naquele spam. E tudo parece perdido. Será preciso formatar a máquina. Talvez vendê-la. Não havia backup, então tudo está perdido. Deus…

De repente, chega um e-mail enviado por  “Espírito Santo”, um amigo e conselheiro antigo com quem você costumava andar muito, mas de quem tinha se afastado há algum tempo. Escrito no “subject” vem o assunto: “Graça”. Sentado no chiqueiro da virulência, você abre a mensagem e vê um texto curto, escrito em vermelho cor de sangue, dizendo para você se lembrar que na casa de seu pai há um antivírus muito potente. Que basta você enviar um e-mail escrito “Arrependimento” e seu pai lhe mandará esse antivírus, chamado “Cruz”.

Você faz isso. Para sua surpresa, o Pai não manda o e-mail. Vem pessoalmente instalá-lo na sua máquina. Ele observa com gigantesco amor o seu olhar impotente, insere o DVD da misericórdia e procede a limpeza. Aparece uma mensagem na tela: “O sangue de Jesus está purificando sua alma de todo pecado. Aguarde o fim da limpeza”. Enquanto espera (a limpeza é muito rápida), só dá tempo de ler uma mensagem que o antivírus da Cruz estampa antre seus olhos, escrita pelo apóstolo Paulo: “Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?  Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!” (Romanos 7.24,25a). Em segundos o software de limpeza informa o fim do procedimento. Na tela, aparece a última caixa de texto do processo: “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus,  porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte.  Porque, aquilo que a lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado” (Romanos 8.1-3).

Seu pai te abraça. Você não tem palavras para agradecer. Lágrimas rolam pelo seu rosto. Todos os programas e arquivos que você julgava ter perdido estão lá, como se tudo tivesse sido feito novo, como se o computador tivesse acabado de sair da fábrica. Você não para de agradecer, os olhos cheios d’água. E promete nunca mais clicar num daqueles spams. Seu pai se contenta em sorrir, como se soubesse que essa é uma promessa que você jamais conseguiria cumprir sozinho. E apenas lhe responde: “Tudo bem. Mas se voltar a clicar num spam não hesite em me chamar. Mesmo se for setenta vezes sete vezes”. Você diz que sim. Sabe que aquele antivírus estará à disposição todos os dias, até a consumação do século.

Seu pai se despede e faz que vai embora, mal sabendo você que ele ficou onde sempre esteve, no mesmo cômodo que você, quietinho, escondido atrás de uma cortina, vendo tudo o que você faz, o DVD na mão. Você está feliz demais. Mas… de repente, um barulhinho no seu computador chama sua atenção. Na tela, uma janela indica: “Você tem 1 nova mensagem”. Quando vai ver, adivinha: é um spam. Você se lembra da promessa feita ao seu pai. Seu dedo paira sobre o botão de deletar. Um pensamento vem: que mal poderia fazer? Vai que te dá algum prazer ou alguma vantagem ler esse e-mail, nunca se sabe. E então… clica.

Atrás da cortina, seu pai se entristece. Abaixa os olhos para o DVD e, falando de si para si mesmo, sussurra: “Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês.  Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação” (Colossenses 1.21,22).

E então ele sorri um sorriso com gosto de vitória final.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Muitos irmãos perguntam o que entendo ser “boa música evangélica”. Essencialmente, me baseio em três fatores como critério. Primeiro: a letra tem de ser bíblica. Segundo: a letra tem de ser bíblica. Terceiro: a letra tem de ser bíblica. Pronto. Quando falo isso, a reação em 100% dos casos é uma cara de espanto ou um riso e a pergunta “ahn, só isso?”. E aí começa uma série de perguntas, como “mas o compositor não tem que ser crente?”, “e se for uma versão de uma música secular?”, “e se o cantor estiver vivendo em pecado?” e outras que você certamente já conhece. A esse respeito já discorri bastante no texto “Cristão deve ouvir música do mundo?“, mas volto ao assunto para fazer mais algumas observações sobre o tema.

Quando falamos de “música evangélica” estamos nos referindo basicamente a quatro tipos de canções, cada um com uma finalidade específica. Primeiro, pode ser um louvor (palavra que etimologicamente significa “elogio”) e, nesse caso, precisa necessariamente ser teocêntrico. Ou seja, tem que ter como foco Deus (Pai, Filho ou Espírito Santo). Pois cantar um louvor é exaltar a pessoa de Deus e/ou os seus feitos. Não se pode dizer que um louvor é uma música que fale sobre a vida de Sansão, por exemplo. O louvor torna-se, assim, o tipo de música cristã básico e principal nos cultos, uma vez que a finalidade das reuniões públicas que chamamos “culto”, por definição, é a adoração e a exaltação do Senhor.

“Músicas evangélicas” também podem ser canções acerca de temas bíblicos mas que tenham um caráter didático. É o caso, por exemplo, de cantigas infantis, que servem para ensinar histórias bíblicas ou verdades da fé para crianças, como “Homenzinho torto“. Nesse caso, os holofotes não estão especificamente sobre o Senhor, como no louvor, mas também no homem, para cuja edificação e aprendizado essas canções foram compostas. Louvor é algo para Deus; músicas de caráter didático são sobre Deus para o homem.

Há ainda um terceiro tipo, que não é nem louvor nem algo didático, mas simplesmente músicas que se referem a realidades do universo cristão. Nesse terceiro grupo há variações, como as que servem para edificar, consolar ou exortar os que ouvem – como “O mover do Espírito” (“Quero que valorize o que você tem, você é um ser, você é alguém tão importante para Deus…”) – ou as que promovem a comunhão – como “Visitante” (“Visitante, seja bem-vindo, sua presença é um prazer…”).

Por fim, o quarto grupo são músicas cujas letras remetem às coisas de Deus mas servem para o entretenimento e o prazer de quem escuta, como aquelas canções que alcançam sensorialmente e esteticamente quem ouve – da mesma forma que uma composição de Tom Jobim faria – e podem trazer elementos dos outros três tipos. Em geral, contam com um apuro harmônico e uma poesia fina nas letras. É o caso de “O Tapeceiro“, de Stênio Marcius.

Nenhum desses tipos de música cristã é depreciativo. Eles diferem essencialmente em sua finalidade. É bom que Deus seja enaltecido e louvado. É bom que aprendamos sobre as coisas de Deus. É bom que haja canções que nos remetam e conduzam para o universo da fé. E é bom que as Escrituras inspirem artistas a criar obras que nos proporcionem deleite.

Algo que costuma confundir muito as pessoas é a divisão da música cristã em “hinos” e “corinhos”. Isso não existe. É simplesmente uma convenção cultural, que classifica entre os “hinos” as canções mais antigas ou que constam de algum hinário cristão e “corinhos” algo mais recente, que de repente foi lançado em CD e toca (ou tocou) nas rádios. Assim, essa é uma mera convenção cronológica, mas não existe absolutamente nenhuma diferenciação espiritual entre uma música da Harpa Cristã e uma cantada por Heloisa Rosa, por exemplo. Em si mesmas, nada as difere enquanto finalidade.

A questão do estilo também incomoda muitos. Mas, para entender isso, precisamos observar algo sobre música. Toda música é composta de ritmo, melodia e harmonia. Em termos bem populares, podemos dizer que o ritmo é a “batida”, a “velocidade”; a melodia é o “lá lá lá”, aquilo que você assobia quando lembra de uma canção; e a harmonia é o conjunto de todas as melodias envolvidas na formatação final. Existem conceitos periféricos, como o arranjo, que é a forma de se apresentar uma mesma música, organizando esses três itens juntos (um hino do século 16 pode ser tocado como rock, por exemplo, dependendo do arranjo que se faz).

Assim, um estilo não define se uma música é ou não cristã, louvor ou o que for. É uma mera forma de se apresentar uma canção. Você encontra músicas evangélicas de estilos bem variados. “Leão da Tribo de Judá” (“Ele é o Leão da Tribo de Judá, Jesus quebrou nossas cadeias e nos libertou…”) é um rock. Já “Fonte de água viva” (“Aquele que tem sede busca beber da água que Cristo dá…”) é axé, igualzinho a Timbalada (e não faça careta, é o que é), embora possa ser tocada como reggae (ouça aqui). “Desemborca o vaso” (“Desemborca o vaso, dê glória, e seja cheio até transbordar…”) é forró. E por aí vai. Em geral, este é um aspecto que gera muita rejeição. Uns defendem que rock é do diabo, por exemplo, mas cantam na igreja, sem se dar conta, diversas músicas cristãs que têm estilo rock. Biblicamente não se pode desmerecer um estilo, trata-se de gosto pessoal. Como já ouvi, “não existe fá maior do diabo e dó sustenido de Deus”.

Assim, há quem goste dos “corinhos de fogo” (que nada mais são do que músicas em ritmo de forró e letras bem pentecostais). Há quem prefira o tipo pop mais comum, como as canções de Diante do Trono, Kleber Lucas e Marquinhos Gomes. Ou os que só considerem audíveis as que são estilo MPB, como Gerson Borges e Glauber Plaça. É geralmente no quesito “gosto pessoal” que surgem os maiores problemas. Quem gosta dos “corinhos de fogo” vai dizer que Gerson Borges é “frio e sem unção”. Quem gosta de João Alexandre vai dizer que Fernanda Brum é “música pasteurizada, clichê e sem criatividade” (e que fique claro que, naturalmente, estou generalizando).  E por aí seguimos, numa discussão que nunca terá fim.

Eu, particularmente, não gosto do que canta Cassiane. Não gosto de alguns hinos da Harpa Cristã. Mas o que eu gosto é absolutamente irrelevante para definir se uma música cumpre o seu propósito para com Deus. Gosto pessoal não entra na equação. Um louvor, por exemplo, não tem que me agradar ou agradar você, tem que agradar Deus. Então posso muito bem cantar algo que não me toca a alma mas racionalmente sei que engrandece o Senhor. É um erro achar que “boa música evangélica” é a que nos leva a um estado de profunda emoção ou catarse. Ela pode ou não fazer isso – o que não quer dizer nada em termos espirituais. Quando ouço árias de ópera, como “Nessun dorma” ou “Vesti la giubba” me emociono profundamente e choro com frequência – o que não quer dizer nada em termos espirituais, Placido Domingo não tem mais unção por causa disso. É simplesmente algo que move meu coração poeticamente e liricamente. A exata mesma coisa se dá com músicas cristãs: uma canção de Michael W. Smith me conduzir às lágrimas não atesta nada sobre sua unção, simplesmente é algo que me comove – o que não quer dizer que não tenha unção, simplesmente lágrimas não são o termômetro que define o “grau” de unção de uma música.

Estamos muito acostumados ao emocionalismo. Fomos ensinados que “unção” tem a ver com o que eu sinto na hora em que canto. Nada menos verdadeiro, senão o violino do judeu Yitzhak Perlman tocando o tema de “A lista de Schindler” ou “Por una cabeza“, de Carlos Gardel, seria a coisa mais ungida do mundo. Temos de repensar, reaprender isso: o que sinto num momento de louvor não importa perto do que eu afirmo racionalmente. Louvor é algo racional. Música didática é algo racional. Se houver emoção, ótimo, quem não gosta? Mas se não, não faz biblicamente nenhuma diferença.

Em resumo, entendo que “boa música evangélica” é a que cumpre a finalidade para a qual foi composta – e é bíblica. Se foi concebida para ser um louvor, deve exaltar Deus e seus feitos de modo que a criatura agrade o Criador. Se foi concebida para ser didática, deve ensinar bem quem ouve acerca do que transmite. Se foi concebida para levar os irmãos à comunhão, deve fazê-lo de forma ordenada e natural. E se foi concebida para ser ouvida e apreciada, deve ser bela aos ouvidos de quem ouve. Tudo isso independentemente de estilo, ritmo, melodia, quem canta, quem compôs, se é ou não versão e muito menos se provoca emoção. Mas, sempre, tem de ser bíblica. Se não for… não é música cristã.

Para terminar, compartilho aqui algumas músicas cristãs de que gosto (repare que usei propositalmente o verbo gostar) e que se encaixam no que defendo neste texto. Escolhi artistas bem variados (posso gostar deles ou não).

Entre os louvores, posso dar o exemplo de “Vencendo vem Jesus”. Muitos não sabem, mas ela é uma versão de uma música secular. Conhecidíssima, trata-se de uma canção de batalha da Guerra Civil americana que fala sobre a morte de um soldado chamado John Brown – mas que teve sua letra trocada para uma de temática cristã por uma irmã em Cristo chamada Julia Ward Howe e hoje está em hinários como a Harpa Cristã. Mostro aqui duas versões, repare a diferença de estilo. Primeiro algo bem pop rock, na voz de Kleber Lucas:

.

Note que a mesma música aqui é cantada com um arranjo muito diferente, na voz de Mattos Nascimento:

.

Outro louvor: “Agnus Dei” (em latim, “Cordeiro de Deus”), de Michael W. Smith, uma música de letra simples mas de profunda exaltação ao Senhor. Diz, simplesmente: “Aleluia, pois nosso Senhor, o Deus Todo-Poderoso, reina. Santo, Santo és tu, Senhor Deus Todo-Poderoso. Digno é o Cordeiro”.

.

Do segundo grupo, músicas didáticas, “Quisera ser como Sansão”:

.

Do terceiro grupo, escolhi, primeiro, “Galhos secos”, na voz de Paulo Cesar Baruk:

.

Ainda no terceiro grupo há canções como “Perfeito amor”, de Oficina G3:

.

Por fim, no quarto grupo, há “Janelas”, do querido e talentoso Gerson Borges. Interessante é que, para quem não conhece, é uma canção que poderia passar até por secular. Mas na verdade se refere à parábola do Filho Pródigo:

.

Termino dizendo apenas que meu desejo utópico é que as diferenças de opinião acerca da música evangélica (eu prefiro a designação “música cristã”, a propósito) não nos desunissem enquanto Igreja. Que respeitássemos os gostos pessoais, abraçassemos verdades e não achismos e que tivéssemos mais tolerância com aquilo que não nos agrada pessoalmente. Que parássemos de gastar tempo discutindo sobre se uma canção é versão de música secular ou não (muitas das que você canta são, sem saber, inclusive dos hinários como Harpa Cristã e Cantor Cristão) e outras questões que não têm nenhuma importância. Deveríamos nos lembrar sempre das palavras do rei Davi: “Um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás” (Salmos 51.17) e ter a certeza de que, se de um coração como esse parte um cântico a Deus, certamente Ele não desprezará o que se canta. Infelizmente, quando vejo conversas sobre música evangélica é mais para levantar polêmicas e gerar desacordos do que para promover a união e a unidade do Corpo. E, assim, a glória de Deus.

A música é bíblica? Cumpre seu propósito espiritual? É entoada por um coração quebrantado? É cantada para a glória de Deus e não dos homens? Então que a cantemos com paz na alma e a certeza de que Deus agrada-se de nosso perfeito louvor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Tenho lido e ouvido muitas coisas sobre o amor cristão. Vozes de todos os lados levantam as mais variadas teorias sobre como deve ser o amor entre nós, que pertencemos à família de Cristo. Já ouvi de tudo. E já vi de tudo. Adeptos de diferentes linhas são bem-sucedidos e malsucedidos em suas vidas amorosas ou afetuosas. Parece não haver a fórmula infalível da felicidade afetiva, que comprove na prática o que muitos defendem na teoria. Por isso fui às Escrituras tentar encontrar uma resposta. Não tenho a petulância de dizer “é assim” ou “é assado”, mas podemos seguir pistas bíblicas que dão uma boa base para responder: afinal, como nós, cristãos, devemos amar?

O amor é algo divino. Quando João diz em sua primeira epístola que “Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele”, vemos que amor não é invenção de filmes de Hollywood ou de livros água com açúcar para adolescentes, é uma verdade bíblica e celestial absoluta. O amor existe. E é algo que identifica-se diretamente com a essência do Criador. Tanto é assim que 1 Coríntios 13 nos dá o retrato falado do amor ágape, o amor celestial. Não, não podemos usar esse texto para escrever cartas apaixonadas para nosso namorado ou nossa esposa, o amor a que Paulo se refere aqui é o de Deus e não o dos homens: jamais a humanidade pecadora e imperfeita conseguirá amar desse modo. Na prática é simplesmente um ideal inatingível.

Apesar disso, podemos e devemos ver no amor de Deus um exemplo a ser seguido no amor entre os homens. Quando Jesus diz na famosa passagem de João 3.16, “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”, uma coisa fica clara: o amor que agrada Deus é aquele em que quem ama abre mão de si pelo outro. É o famoso “amor sacrificial”. É o mesmo princípio proposto por Paulo em Efésios 5, onde  lemos “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós”. Logo em seguida, nesse mesmo capítulo, vemos a mulher sendo conclamada a submeter-se ao marido e o marido a amar a esposa como Cristo amou a Igreja. Em tudo aqui o que fica claro é o interesse da pessoa amada sendo posto acima do próprio interesse.

Isso traz implicações de proporções inimagináveis. Se você ama alguém vai fazer o que for preciso para que o outro seja feliz. Vai abrir mão do próprio bem-estar pelo do outro. Nem que para isso tenha de destruir sua própria imagem e abrir mão, literalmente, do amor-próprio para que quem se ama trilhe um caminho que será melhor para ele. Se o melhor para quem você ama exige que desconstrua o que ele/ela admira em você, meu irmão, minha irmã, faça. Desglorifique aos olhos do outro o que ele mais admira na sua pessoa. É preciso que quem você ama esteja por cima e você, por baixo, se preciso for. Não foi o que João Batista fez por amor ao seu primo – que ele sabia que era o Verbo? “Convém que ele cresça e que eu diminua” é uma regra sólida do amor bíblico. Por amor à humanidade Filipenses 2.7 mostra que Jesus esvaziou-se de sua glória. Dispa-se da sua também, se é necessário para que quem você ama fique bem.

O amor verdadeiro exigirá grande sacrifício e abnegação. Deus manda Abraão sacrificar o próprio filho, “a quem ama” (Gn 22.2),  para provar seu amor ainda maior pelo Senhor. Se Pedro ama Cristo precisa deixar tudo de si para cuidar das ovelhas do Mestre. Enquanto todos fugiram para cuidar da própria segurança, João, o discípulo amado, correu o risco de ser morto mas não abriu mão de ficar junto ao seu amigo durante toda a crucificação. Abrir mão de si pelo outro. Sacrificar-se. Desglorificar-se. Humilhar-se. Perdoar. Diminuir-se, se preciso for. Caso contrário não é amor bíblico.

O amor cristão necessariamente existe para a glória de Deus. Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo é uma regra elementar dentro dessa visão. Dizer que se ama Deus é fácil, difícil é fazer com que o amor ao próximo como a si mesmo seja fato perceptível. É impossível glorificar o Senhor se você não exerce o amor pelo próximo em atitudes práticas. Aquele que diz que glorifica Deus e ama o próximo, mas põe os próprios interesses acima dos das outras pessoas, não glorifica Deus nem ama o próximo. Quem desampara o próximo não glorifica Deus nem ama o próximo. É por isso que o egocêntrico não glorifica Deus nem ama o próximo: ama o próprio ventre. Crê que o outro existe em função de si. Esquece que Romanos 12.10 afirma: “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros”. E é muito fácil identificar quem não põe o outro acima de si e, portanto, não ama o próximo nem a Deus – e assim não o glorifica: o tal agirá sempre em seu próprio favor.

O amor bíblico também é belo. Cantares de Salomão nos mostra com clareza que Deus não nos propõe um amor de casamentos arranjados pelos pais ou desprovidos de um sentimento de profundo encantamento pela pessoa amada. Salomão era completamente embevecido pela amada e vice-versa. Amo a Deus não só porque racionalmente há razões para isso: eu o amo também porque Ele me deslumbra. Porque não há um dia sequer em que Ele deixe de atravessar meu coração. Nos períodos de minha vida em que razões variadas me fizeram cego a Cristo em meu coração e o mantiveram apenas na minha razão foi quando cometi os pecados mais torpes e vergonhosos de minha existência.

Não é porque o amor da ficção é romântico que isso desmereça o romantismo do amor verdadeiro. Amor não é uma decisão. Isso soa bacana e espiritual para os ouvidos, mas é um descompasso com a vida real e mesmo com o amor bíblico. Decisão é um dos muitos componentes do amor bíblico. Não fosse assim, como explicar declarações de amor como “Beija-me com os beijos de tua boca; porque melhor é o teu amor do que o vinho” (Ct 1.2); “Eis que és formosa, ó querida minha, eis que és formosa; os teus olhos são como os das pombas. Como és formoso, amado meu, como és amável!” (Ct 1.15,16); e “Sustentai-me com passas, confortai-me com maçãs, pois desfaleço de amor. A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a direita me abrace” (Ct 2.5,6)?

Marcos 10.21 nos mostra o encontro de Jesus com o homem que preferiu as riquezas do que dar seus bens aos pobres e seguir o Mestre. Racionalmente o Senhor tinha tudo para chamar aquele rapaz de “hipócrita” para baixo. Mas o sentimento de Cristo por Ele foi empático, compassivo, pulsante. Diz a Palavra: “Jesus, fitando-o, o amou”. Sim, amor bíblico também é um magnífico sentimento. No episódio da ressurreição de Lázaro, Jesus chora de compaixão diante do sofrimento daquelas a quem amava, embora racionalmente Ele soubesse que iria ressuscitar o amigo e que o sofrimento cessaria. Mas o Cristo que despiu-se de sua glória não conseguia despir-se do coração derramado pelos seus irmãos. Deus amou Jacó e aborreceu Esaú (Rm 9.12) – explique-me esse amor pela razão, sendo que Jacó era um detestável trambiqueiro, mentiroso e enganador. Você é pai ou mãe? Tente convencer alguém de que seu amor por seu filho é apenas racional ou “uma decisão”. Boa sorte com isso. Conheço pais de filhos nada amáveis que fazem tudo por eles – e certamente não o fazem porque é o certo a ser feito, mas porque são unidos por um sentimento profundo. Por que entre marido e esposa o sentimento também não deve ser considerado no ponto de partida? Por que o amor entre homem e mulher seria um mero ato que tem sua gênese no racional? E por que amar o próximo deveria desconsiderar afetos? Repare com atenção e perceberá que, em geral, pessoas mais cerebrais fazem muito menos pelos outros do que pessoas afetuosas. Por tudo isso, não vejo base bíblica para a teoria de que amor é, primordialmente e originalmente, apenas uma decisão.

Haveria muito mais a se dizer sobre o amor bíblico. Mas o resumo é que sou obrigado a concluir que, para que possamos dizer que alguém ama como Deus deseja, é preciso que seu amor seja formado pela tríade razão + ação + emoção. O amor bíblico é razão porque exige critérios no trato com o ser amado, como a opção racional de pô-lo em primeiro plano. O amor bíblico é ação porque exige atitudes práticas que demonstrem esse amor, como a negação e a diminuição de si mesmo em prol do outro. E o amor bíblico é emoção porque se quisermos amar como Deus precisamos sentir em nós o pulsar do sentimento magnífico que o Pai demonstrou ter pelas suas criaturas, o Filho por aqueles por quem morreu e o Espírito Santo por aqueles a quem estende sua maravilhosa graça.

Ame com esse amor. Pois embora nenhum homem seja capaz de amar com o amor ideal, buscar essa meta o aproximará mais daquele que é a fonte, a expressão máxima e a mais pura essência do perfeito amor.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício.

Quero começar este texto pedindo perdão. Pois estou tão transtornado com o que li em dois comentários deixados no mesmo dia aqui no APENAS que posso soar um pouco rude – embora esteja lutando contra minha natureza humana para ser manso nas minhas palavras. Há duas coisas que me tiram do sério, confesso: injustiças e pessoas que impõem jugos sobre o próximo que Deus não impõe – gente que julga irmãs por usar calça ou saia, que não perdoa quem Deus perdoou, que diz que se alguém não foi curado de uma doença foi por falta de fé… ou que acusa outros de estarem possessos por demônios. Isso mesmo. Fiquei horrorizado ao ler dois comentários sobre pessoas que tiveram de ouvir que estavam possuídas por demônios. A falta de amor e a ignorância de quem fez esse tipo de afirmação mostram o estado de analfabetismo bíblico e de ausência de discernimento em que se encontra grande parte da Igreja de nossos dias. Quero falar sobre isso, correndo o risco de irritar alguns e de provocar polêmica. Mas vale a pena o risco, em nome da verdade bíblica e do amor cristão.

Reproduzo aqui sem alterar uma vírgula o que o primeiro irmão escreveu. Note a agonia contida em suas palavras, causada pelo que ele ouviu (a bem da verdade, um esclarecimento: eu não sou pastor):

“olá amado Pastor, só fugindo um pouco do tema que o senhor postou, eu queria te fazer uma pergunta . Hoje eu fui numa loja evangélica atrás de um livro que falasse de doenças depressivas, ou mentais, não sei se é a mesma coisa, então o vendedor me indicou o senhor me garantindo que o senhor é muito bom e confiável, é que eu tenho uma irmã que é esquizofrênica, e muitas pessoas dizem que é possessão demoníaca, e as vezes isso deixa ela muito triste, ela é uma pessoa totalmente normal, mas a base de remédios, se ela não tomar ela entra em crise, queria saber sua opinião sobre isso. Esquizofrenia é possessão ou não, é muito importante pra mim.”

Já vai longe o tempo em que se desconheciam transtornos mentais como a esquizofrenia. Hoje a psiquiatria entende bem essa e outras moléstias de origem cerebral, como síndrome do pânico, fibromialgia, EPT, TOC, depressão clínica e por aí vai. Embora em alguns casos não se saiba ainda a causa ou o mecanismo exato de funcionamento de tais distúrbios, a medicina humana que Deus nos deu por sua graça comum permite diagnosticar e tratar com uma considerável taxa de sucesso a maioria dessas patologias. No caso específico da esquizofrenia, estima-se que 1% da população mundial sofra desse mal.

Creio na existência de demônios. Creio em possessão demoníaca. Já vi pessoas endemoninhadas e, pelo nome de Cristo e seu amor, eu mesmo já expulsei demônios. Mas não é por isso que vou ignorar as descobertas da ciência e dizer que tudo é possessão. Essa é a resposta mais fácil, rápida e ignorante que há. Sempre desconfio. Recentemente preguei em certo lugar e, ao final do culto, um irmão me procurou. Saímos para beber alguma coisa e ele me contou estar com pensamentos de morte e um sentimento de opressão. Não tive nenhuma prova de que era algo de origem espiritual. Então oramos e recomendei a ele que buscasse seu pastor para avaliar essa possibilidade e que em paralelo fosse a um psiquiatra para fazer uma avaliação. Sendo uma ou outra causa, ele estaria coberto e bem amparado.

Meu pensamento e minha experiência me levam a uma prática simples: oremos. Se for um mal de causa espiritual, revelará sua presença e agiremos como Jesus agiu: “Cala-te e sai”. Sem shows. Sem espetáculos. Sem alto-falantes. Sem berrarias. Sem câmeras de televisão. Sem expor ao vitupério público ou traumatizar ainda mais aquela pobre alma aprisionada, que tem de ser amada e cuidada. Prestamos tanta atenção ao demônio que nos esquecemos do ser humano que está sofrendo sob sua influência. Antes de pensarmos em poder temos de pensar em amor. Tendo isso na mente e no coração, expulsar aquela imundície da vida da pessoa ocorre naturalmente. Sem dar chance de falar muito: “Cala-te”. E sai. Pronto. E, depois, é fundamental iniciar um discipulado com aquela vida. O exorcismo não é a última etapa, é a primeira. Pois mais do que ser liberto de demônios, importa caminhar com Cristo. Expulsar e largar pra lá não adianta nada.

Se na oração e em um eventual acompanhamento não houver nenhum indício de influência espiritual (seja opressão ou possessão), costumo recomendar à pessoa que procure um bom psiquiatra, para que faça um diagnóstico e inicie um tratamento. Já vi mais de uma dezena de “possessos” terem seus “demônios” expulsos por comprimidos e pílulas.

Lembro quando, alguns anos atrás, comecei a sentir tonteiras diárias. Após exames como ressonância, tomografia e eletroencefalograma, o neurologista diagnosticou um tipo leve de epilepsia, que causa tonturas e dores de cabeça. O tratamento: três anos tomando carbamazepina. Nessa época ouvi de um cristão que “não existe epilepsia, todo caso de epilepsia é na verdade possessão”. Pois bem, depois dos três anos recebi alta e nunca mais senti nenhum dos sintomas: os neurotransmissores descompassados do meu cérebro estavam equilibrados e tudo ficou bem. Se fosse acreditar no que aquela pessoa disse, teria de admitir que a carbamazepina tem o mesmo poder que o nome de Jesus para expulsar demônios. Que tal?

O segundo relato veio de um jovem que estava, em suas próprias palavras, “numa aflição enorme, com dores no peito, deprimido e coisas do gênero”. A razão? Mostrou para os pais um texto que escrevi sobre batalha espiritual (leia AQUI) e teve de ouvir deles que o que falei “é coisa do diabo” e que por isso ele “precisava de libertação”. Segundo esse irmão, “meu pai me disse duas vezes que eu estava com o diabo no corpo de pensar isso que você diz no texto”. Compreensivelmente assustado, o jovem concordou em ir a um “culto de libertação”. Lá, segundo contou, na hora em que foram orar por ele o intercessor “chamou o inferno inteiro e repetia várias vezes: Eu sei que você está aí dentro desse rapaz, sai daí agora em nome de Jesus!! Nessa hora eu pensei: estou sendo liberto ou carregado com coisas ruins espiritualmente?”. E desde aquele dia esse jovem, que estava bem, passou a se sentir mal, aflito, confuso, com dores e depressão.

Não preciso dizer o quanto me entristece, choca e abate ler relatos como esse. Você consegue sentir na sua pele a dor de um filho que ouve dos próprios pais que “tem o diabo no corpo”? Que jugo terrível foi posto sobre um jovem cristão simplesmente por ter uma visão teológica diferente da de outros irmãos. Por preferir crer na Bíblia em vez de nas doutrinas de demônios ensinadas por esses grupos de batalha espiritual que baseiam seus ensinos apócrifos em “revelações” de supostos ex-satanistas ou de demônios, feitas em sessões de exorcismo. Como se demônios fossem revelar as verdades do inferno, esses mentirosos. E os irmãos seduzidos por essas histórias deixam a Bíblia sagrada de lado e preferem acreditar em “guerreiros da luz” e “divinas revelações do inferno” – enormes absurdos do ponto de vista bíblico. Onde está a sã doutrina? Onde está o amor pelo próximo? Como crer que poder de Deus se manifesta independentemente do amor de Deus? Desculpem, estou realmente muito triste e abalado por essas histórias.

O que mais incomoda nesses relatos é que pessoas desinformadas, patologicamente místicas ou seguidoras desses grupos irresponsáveis de batalha espiritual acabam jogando legiões de demônios nas costas de pessoas normais ou de vítimas de doenças bioquímicas – demônios que simplesmente não estão lá. Fazem pessoas espiritualmente saudáveis crer que são possessas. Você consegue ter ideia do que sente alguém que ouve isso a seu respeito? Da sensação de desamparo, culpa e uma lista enorme de emoções negativas? Afirmações irresponsáveis como essas podem piorar o estado de saúde dos doentes, sem falar que, enquanto dez “obreiros” ficam berrando no ouvido do pobre coitado e sacudindo sua cabeça tentando expulsar um suposto demônio que não está lá, ele está deixando de ser tratado adequadamente. E sendo severamente traumatizado.

Quando falamos dos dons do Espírito mencionados em 1 Coríntios 12, muitos ficam salivando para profetizar, sobem o monte e fazem correntes e campanhas para receber dons de curar e por aí vai. Mas pouquíssimos pedem a Deus discernimento de espíritos. E, ao meu ver, é um dos dons mais necessários e mais ausentes da Igreja em nossos dias. Falta discernimento. Pior: falta bom senso.

Perdoe-me o tom chateado, por favor. Mas me ponho no lugar da irmã desse querido que escreveu o comentário acima e do jovem acusado de ter o diabo no corpo e a dor que sinto por eles é muito grande. Vitimada por uma enfermidade psiquiátrica e ainda por cima acusada de possessão demoníaca. Chamado de endemoninhado pelos próprios pais. Que jugo enorme! É muita falta de amor dizer uma coisa dessas para alguém. Mesmo que fosse o caso, não se deveria falar nada, mas orar e deixar o nome de Jesus fazer o resto, sem penalizar aquela alma mais ainda. São seres humanos, por Deus! Onde estão nossa compaixão e nossa graça!?

Vivamos com olhos espirituais abertos sim. O mundo espiritual existe, todos sabemos que nossa luta não é contra carne e sangue, que Jesus expulsou demônios e Satanás vive em derredor buscando quem possa tragar. Creio em tudo isso. Mas não podemos jamais deixar de lado a razão ou o coração. A ciência e a compaixão. As descobertas da medicina e as misericórdias com os que sofrem. Senão daqui a pouco estaremos novamente torturando epiléticos, afogando quem discorda de nossas crenças teológicas e queimando pessoas com síndrome de Down na fogueira achando que são bruxos e feiticeiros. Ou, quem sabe, duendes e fadas.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Fui convidado a pregar ontem no culto de ações de graças pelo fim do semestre letivo dos alunos do Instituto Militar de Engenharia (IME), no Rio de Janeiro. O culto tinha um tema: Graça. Por isso, venho meditando há alguns dias sobre esse conceito basilar do Evangelho que, aliás, é perfeito para o post número 200 do APENAS. Para minha surpresa, o que brotou em meu coração ao pensar em algo tão magnífico foi… tristeza, acredite se quiser. E explico por quê. Pois não consegui pensar somente na graça de Deus, mas também na sua expressão no relacionamento entre os homens. Falamos muito sobre ela. Falamos. Mas… será que a temos vivido como deveríamos? Bem, aí a coisa começa a complicar. Pois é difícil encontrar alguém que a viva de fato em sua plenitude. E me incluo nisso, obviamente. Desfrutamos da graça de Deus, mas na hora de refleti-la ao próximo… não conseguimos. Graça falada encontramos por todos os lados. Mas graça vivida? Artigo raro. Exaltamos com toda razão a graça de Deus. Mas acredito que a sua manifestação não está somente no ato divino de salvar. Está em nos conceder o privilégio de nos tornarmos embaixadores da graça ao vivermos dispensando aos outros a mesma graça que Deus demonstra para conosco. Só que, nesse ponto, lamentavelmente temos chutado a bola muito acima do travessão.

A questão é que muitos de nós empacam na graça divina. Jogam âncora ali e dali não saem, estacionados nessa que é a maior característica do amor de Deus. Mas não vivem a graça na relação com os seus semelhantes, demonstrada essencialmente pelo amor e a misericórdia ao próximo. Vejo muitos e muitos exemplos e, ao vê-los, sempre lembro-me de 1 João 4.21: “Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão“. E esse, infelizmente, é um mandamento que poucos cumprem. E, ao descumpri-lo, pecam. Confesso esse pecado. Você é capaz de confessá-lo também?

Há muitas maneiras de falar sobre a graça mas não vivê-la. E todas se resumem ao pecado denunciado por essa passagem da primeira epístola de  João: amamos Deus mas tratamos o próximo sem amor. O que, na soma final, é igual a zero. O resultado dessa matemática é nulo.  E vivemos uma vida espiritual no zero a zero.

A graça de Deus se manifesta, por exemplo, em amar o mundo de tal maneira a ponto de se sacrificar por ele. Mas nós? Se formos ser honestos constataremos que estamos longe disso. Tratamos o não cristão como inimigo. Incircunciso. Ímpio. Miserável pecador. Filisteu. Vemos, por exemplo, um homossexual e o desprezamos como uma aberração, sem saber se Deus tem planos para sua vida, como se a graça de Cristo não pudesse alcançar também aquela alma – que é menos especial do que nós, lógico, afinal somos cristão perfeitos e inerrantes e aquele cara é… bem, é um pecador. Fazemos piadinhas entre os crentes em voz baixa,  o tratamos como um endemoninhado ou um personagem de comédia, sem nenhuma compaixão. Pedra nele.

Eu acredito que Jesus salva homossexuais, do exato mesmo modo que salva praticantes de pecados terríveis: vaidosos, iracundos, fofoqueiros, mentirosos, murmuradores, glutões, servos de Mamom, gananciosos, orgulhosos, arrogantes. Salvou a mim e a você, que não valemos nada, por Deus! Como não salvaria qualquer outro? Mas damos uma demonstração ínfima de graça no trato com quem não compartilha de nossa fé. Quando damos.

A graça de Deus também se manifesta no fato de que ele perdoa pecados. Mas nós? Queremos atirar em quem peca a primeira, a segunda e a terceira pedras. E a quarta não seria nada mal, só pra garantir. Meu Deus, como somos implacáveis e soberbos… Como fechamos os olhos aos nossos próprios pecados pós-conversão e fuzilamos sem chance de apelação o irmão que pecou, mesmo sabendo que todos nós também cometemos pecados horríveis todos os dias. Graça? Sim, ó maravilhosa graça, tão magnífica… para mim. Mas para os outros? Para aquele… pecador?! Jamais… Para os outros, se propomos oferecê-la voam acusações de que estamos defendendo a “graça barata” de Bonhoeffer. Implacáveis nós, que a proclamamos mas não a pomos em prática. Matemos os que pecam e dissolvamos seu corpo em ácido, para que não tenha nenhuma possibilidade de restauração.

Olho a ausência de demonstrações de graça de cristãos para com cristãos e imagino o que o Deus da graça tinha em mente ao inspirar Pedro, Paulo, Tiago e João para escrever epístolas que chamam cristãos em pecado ao arrependimento. Qual seria a finalidade do Espírito Santo com isso? Pelo que os homens têm feito, parece que o objetivo do Senhor era levar os arrependidos e perdoados a se tornarem párias dentro de suas igrejas, vidas inutilizáveis, que só servem para sentar no banco, serem segregados e discriminados, morrerem e serem lembrados como “aquele que pecou”. De preferência, esquecidos. É para isso que Deus restaura os cristãos que pecaram? Que geração mais impiedosa é a nossa, uma geração que idolatra a graça de Deus mas não tem  entendimento real de sua aplicação entre nós. Pois enquanto a graça da Cruz põe o cristão caído de pé, o veste de branco, lança seus pecados no fundo do mar e os afasta como o Oriente dista do Ocidente, a graça dos homens exila, guetifica, acusa, condena. Literalmente, os ímpios somos nós. Vou repetir: os ímpios, os impiedosos, os sem piedade, os sem compaixão, os sem misericórdia, os sem graça, os sem amor, portanto… somos nós.

Olhe em volta e, por favor, me diga que estou errado. Preciso ouvir isso.

A graça de Deus também se manifesta em priorizar o outro acima de si mesmo, como Aquele que despiu-se de Sua glória para pôr a humanidade desgraçada na porta de entrada do Céu. Mas nós? O outro será sempre o outro. Primeiro eu, depois o que me interessa, em seguida o que me convém, logo após meu ego e por último eu de novo. O próximo que temos de amar como nós mesmos habita o nosso espelho. Se não tem nosso nome e sobrenome, que Deus tenha misericórdia dele. Pois eu? Tenho que cuidar de mim. Não damos nosso tempo para o outro. Não damos nosso ombro para o outro. Falamos palavras belíssimas sobre amor e graça, mas na hora de nos sacrificarmos pelo próximo… onde? Onde? Onde, por Deus?

A graça de Deus também se manifesta em oposição ao legalismo. Acabei de editar o livro “Kingdom Come”, do presidente internacional do ministério Mocidade para Cristo (MPC), David Wraight, em que ele faz uma explanação brilhante sobre isso. Ele aponta 1 Samuel 16.7 como o cerne da questão: “O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração”. Mas nós? Não importa quem é fulano, basta um porém e ele se tornará indigno da graça dos homens – dos homens, claro, pois para a graça de Deus não há ninguém indigno, ela é cega ao pecado e submissa somente ao misericordioso e amoroso querer divino. “O principal problema com o legalismo é que focaliza no que fazemos, ao invés de focalizar em quem nós somos”, explana com brilhantismo David Wraight.

A interação de Jesus com os fariseus e mestres da lei mostra que o Senhor está muito mais interessado na essência do ser, com os valores instrínsecos que norteiam o nosso viver, do que na obediência a uma lista de tarefas a serem cumpridas ou não. É por isso que Davi foi chamado – e muitos não entendem por quê – de “homem segundo o coração de Deus”: pois o Senhor não olhava para aquele assassino e adúltero como um assassino e adúltero, mas como um homem de Deus que assassinou e adulterou. A diferença é monumental – ou nem um único cristão escaparia, será que você consegue enxergar isso? Nem um único.

Uma vez que vieram o arrependimento, a confissão e o perdão, o pecado cometido é eliminado e, diante dos olhos do Todo-Poderoso, permanece tão somente a essência daquele que pecou. Você já teve curiosidade de ler o que acontece na vida do rei Davi após matar, adulterar e ser perdoado? É revelador que no mesmo capítulo da Bíblia que relata o confronto entre o profeta Natã e Davi acerca dos pecados do rei (2 Samuel 12), logo em seguida o texto mostra Davi sendo honrado por Deus, que lhe concede uma vitória estrondosa sobre os amonitas. Para Deus, restauração e triunfo. Para os homens? Vale a Lei: apedrejem Davi. Morte ao homem segundo o coração de Deus. Na teoria, amamos a graça. Na prática, vivemos o legalismo.

A  graça de Deus sempre nos trata como não merecemos, segundo a bondade e a misericórdia do Senhor e não segundo a nossa pecaminosidade. Já a graça dos homens nos pune por muito mais do que fizemos, sem misericórdia e muitas vezes sem uma justa justiça (pleonasmo proposital). A graça de Deus põe a Cruz em primeiro plano. A graça dos homens põe o pecado em primeiro plano. A graça de Deus diz “nem eu te condeno, vai e não peques mais” a graça dos homens diz “você está perdoada, mas fique longe de mim”. A graça de Deus diz “pecado? Que pecado?”. A graça dos homens diz “tá vendo aquela ali, é fulana, aquela safada que cometeu aquele pecado que te contei”. A graça de Deus é Cristo. A grassa dos homens é Barrabás.

Por isso que você leu no título deste post “a grassa dos homens”: não, não é um erro de português ou de digitação. É apenas uma forma de mostrar como a graça de Deus nas mãos dos homens torna-se algo distorcido, equivocado, que tem aparência de graça, som de graça mas só é graça aos ouvidos de quem ouve o discurso. Na prática, é grassa mesmo. Curiosamente, o dicionário define “grassa” como, veja você, a “propagação de uma doença”…

Você se lembra que, depois de ter assassinado, adulterado e de ter sido perdoado, Davi novamente incorre em pecado, ao mandar fazer o recenseamento do povo? Um pecado terrível, fétido às narinas de Deus, chamado vaidade. Quando o profeta Gade lhe dá a opção de escolher entre três tipos de punição, o pecador que já tinha sentido na pele tanto a graça de Deus quanto a grassa dos homens sabiamente escolheu, como relata 2 Samuel 24.14: “Prefiro cair nas mãos do Senhor, pois grande é a sua misericórdia, a cair nas mãos dos homens”.  O conceito que Davi tinha da misericórdia dos homens não era dos melhores. Por que será?

Olho ao redor, olho para dentro de nós e, infelizmente, constato que nada mudou dos tempos de Davi para cá. Sou homem. Portanto, estou tão sujeito como qualquer outro a manifestar a grassa crendo piamente que estou sendo um justo agente da graça. Por  isso minha oração é que Deus me permita entender Sua graça, para ser menos injusto e cruel do que sou no trato com meu semelhante. Já fui muito mais implacável do que sou hoje. As pancadas da vida me ensinaram um pouquinho mais. Até porque sou pó, não valho nada e não tenho moral nenhuma para não estender graça ao meu próximo.

Você tem? Se tem, sinta-se à vontade para atirar a primeira pedra…

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício.