Arquivo de outubro, 2012

Este fim de semana li uma afirmação curiosa. Dizia que  “simplesmente depressão não pode existir num coração preenchido pelo Espírito Santo”. A verdade é que essa é uma frase totalmente antibíblica, sobre um assunto sério que afeta tantas pessoas. Mas infelizmente esse é um pensamento que reflete a teologia atual de enorme parte da Igreja brasileira e que condena multidões de pessoas a um sentimento de culpa e a um cruel distanciamento de Deus. No mesmo contexto, o autor do texto usou termos consagrados pelas igrejas neopentecostais para adjetivar gente que está passando por momentos de aflição, como “derrotado” e “fracassado”, e emendou que o texto de “um homem que aceita essa condição e passa a viver depressivamente é a mais triste das coisas que eu li na vida”. Como essa visão reflete aquilo que é pregado em muitos púlpitos, quem lê coisas como essas acaba sendo levado a uma reflexão sobre como os cristãos enxergam a depressão: afinal, é possível um servo de Deus viver períodos de depressão? Isso faz dele um “derrotado” e “fracassado”? Como funciona isso? E como devemos tratar como cristãos quem está passando por essas fases de depressão?

Vemos nas Escrituras muitos e muitos homens de Deus, cheios do Espírito Santo, passarem por longos períodos de depressão. Elias pediu a morte quando fugiu da humanidade e só queria dormir e esquecer da realidade. Paulo passou uma semana sem apetite nem ânimo após se confrontar com a duríssima verdade de que o propósito de sua vida até aquele momento tinha sido vão. Pedro chorou amargamente e em dilacerante depressão após cruzar seu olhar com o de Jesus após o galo cantar. José do Egito com certeza não ficava soltando fogos na escravidão ou na prisão. Ana, de tão triste e deprimida, chorava  desbragadamente, a ponto de Eli a confundir com uma bêbada. Maria e Marta estavam tão deprimidas com a morte do irmão e a ausência do Senhor que o estado emocional delas chegou a comover Jesus e o levou às lágrimas de compaixão. Desnecessário dizer como a alma do homem reto, temente a Deus e que se desviava do mal Jó foi abatida até o limite. Davi, então, nem se fala, basta ler o salmo 51 para ver como o homem segundo o coração  de Deus entrou numa espiral de depressão após a crise de seu pecado e a morte do filho – aliás, os salmos contêm dezenas de cânticos escritos em agonia depressiva. Em resumo, a Bíblia nos mostra muitos homens e mulheres de devoção sincera a Deus que viveram períodos de acachapante depressão sem que isso os desqualificasse aos olhos do Senhor ou fizesse deles “derrotados” ou fracassados”.

O mesmo ocorreu com grande homens de Deus ao longo da História da Igreja. Charles Spurgeon viveu décadas em depressão profunda devido à sua saúde e a da esposa. Agostinho fala claramente sobre suas depressões e crises existenciais em “Confissões”. João da Cruz chega a escrever sobre o terrível estado de espírito que chamou de “a noite escura da alma”. O relato de vida sofridíssima de David Brainerd é uma inspiração para todos nós até os nossos dias. O que dizer então de John Bunyan em seus anos na prisão? Martinho Lutero em seu exílio voluntário para fugir da fúria papista produziu escritos magníficos, inclusive a tradução da Bíblia para o vernáculo. William Cowper, o deprimido poeta cristão sofredor, que exemplo! Todos gigantes da fé, que viveram enormes ondas de depressão. E… “simplesmente depressão não pode existir num coração preenchido pelo Espírito Santo”? Desculpem, mas isso simplesmente não é verdade.

Deus faz as coisas de modo surpreendente. No dia em que li essas palavras estava na casa de um grande amigo, onde fiquei de manhã até a noite em um sarau, cantando, tocando violão e conversando. Entre os poucos presentes estava um dos meus cantores preferidos de música cristã no Brasil, intérprete de muitas das canções evangélicas mais bíblicas e belas que conheço. Conversamos muito e ele me contou como compôs algumas de suas músicas. Lindo é que as mais profundas, as minhas favoritas, as que mais tocam o meu coração e me aproximam de Deus foram escritas em momentos em que ele se encontrava em uma depressão tão terrível que se eu relatasse as histórias te fariam chorar como eu chorei diante dele. Não posso contar quem esse cantor é ou que músicas são porque ele me pediu que não dissesse a ninguém, justamente pelas ideias erradas que o cristão tem sobre a depressão, como se ela fizesse de você um crente de segunda classe, sem fé ou distante de Deus. Foi uma bela ironia.

Biblicamente, a depressão é uma escola de Deus. Não, meu irmão, minha irmã, você não é um derrotado sem fé porque as circunstâncias da vida te levaram a esse ponto. Nunca deixe que te enganem com esse pensamento oriundo da Teologia da Prosperidade e da Confissão Positiva. Bons homens e mulheres de Deus se deprimem e, em meio a esse processo, Deus trabalha profundamente em suas almas e emoções. Estar deprimido não é motivo para se considerar menos espiritual, como se o cristão tivesse de viver sempre feliz da vida, sorrindo a toda hora. Isso é um conceito antibíblico fruto de uma teologia apócrifa. Deprimir-se simplesmente mostra que você é humano e dependente da graça de Deus. Se você está deprimido e sem forças, saiba que não é porque “depressão não pode existir num coração cheio do Espírito Santo”, mas sim porque você está na escola de Deus e no mais profundo do seu abatimento o Senhor está te ensinando lições importantíssimas. Todo barro para ser remodelado precisa ser amassado pelo oleiro.

Curioso é que o mesmo texto onde li essa frase sobre depressão diz ainda e paradoxalmente que “a realidade às vezes devora a vida. Às vezes a gente ‘despenca’ até o pó e lá o Senhor nos lembra coisas que o nosso coração fraco quer nos fazer esquecer”. E essa, por outro lado, é uma grande verdade. Quando você é humilhado, entristecido, moído, tratado com injustiça e desamor, na maioria das vezes não é o diabo o responsável, mas o Senhor, que em seu infinito amor disciplina todos os que ama. Deus muitas vezes nos leva propositalmente à tristeza, como Paulo prova em 2 Coríntios 7 – ao falar sobre a tristeza segundo Deus:

“Vocês se entristeceram como Deus desejava, e de forma alguma foram prejudicados por nossa causa. A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte. Vejam o que esta tristeza segundo Deus produziu em vocês: que dedicação, que desculpas, que indignação, que temor, que saudade, que preocupação, que desejo de ver a justiça feita! Em tudo vocês se mostraram inocentes a esse respeito”. (2 Coríntios 7.8-10)

Nem sempre a depressão vai desvanecer-se simplesmente pelo fato de botarmos o joelho no chão: só vai acabar quando a soberania de Deus determinar, quando tivermos chegado ao ponto em que Ele quer. Jó passou mais de 40 capítulos falando com Deus sobre sua míséria e não foi por isso que o Senhor virou seu cativeiro. Davi orou, clamou e se humilhou mas ainda assim o Pai levou seu filho e, no episódio do recenseamento, ele teve de amargar o juízo do Alto. Paulo clamou três vezes, afligido pelo espinho na carne, e só ouviu como resposta “a minha graça te basta”. Temos de orar sem cessar. Mas nem sempre a oração fará as coisas acontecerem como queremos: a soberania de Deus fará. Oremos sim. Mas sem achar que isso é uma fórmula mágica para um suposto “coração vazio do Espírito Santo”.

Querido irmão, querida irmã, se você está enfrentando depressão, não se culpe. E jamais permita que te façam sentir culpado. Você não é. Estar deprimido não quer dizer que você se esqueceu das palavras de vida eterna que o Senhor te disse. Também não quer dizer, nem de longe, que você aceitou ou se conformou com essa condição. Muitos vão te julgar sem saber o que se passa na tua alma ou que circunstâncias da vida te levaram a esse ponto e, como os amigos de Jó, vão dizer que você está fazendo tudo errado e até te acusar de ser abominação ao Senhor. Deixe que falem. Só você sabe por onde passou, onde errou, onde acertou, sabe que a vida não é cartesiana e que 1+1 nem sempre é igual a 2, embora seja o mais fácil para os outros especularem. Só você sabe onde dói o calo – e mais: como aquele calo foi parar ali. Elifaz, Bildade, Zofar e a esposa vão te dizer palavras de acusação. E tua resposta deve ser sempre a de Jó: “Temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal?”. Não quer dizer que você está se fazendo de vítima. Só você sabe das circunstâncias. Não introjete as acusações. Deixe que falem. A sua conversa e a sua caminhada devem ser com Deus somente e com aqueles que te demonstrarem amor apesar de tudo, amor incondicional, aqueles que sabem quem você é apesar de não te reconhecerem em meio aos momentos de reestruturação que você vive pela depressão. Porque ningúem fica como sempre foi durante os períodos de depressão. E é o amor, e não acusações, que vai ajudar nisso.

A civilização ocidental abomina a depressão. Muitos cristãos abominam a depressão. O que é previsível, pois vivemos numa sociedade hedonista, onde tristeza, melancolia e não estar com “alegria todo dia” é visto somente como um mal e não como um processo necessário de melhoria e avanço espirituais. Pois a Bíblia é claríssima quando mostra o poder terapêutico da depressão. Não a depressão patológica, mas aquele estado de alma em que somos cuidados, moldados, lapidados, aperfeiçoados e tratados por Deus. E entenda: a depressão patológica levou Judas a se enforcar, enquanto a depressão que é fruto da já citada “tristeza segundo Deus” leva Pedro a pregar e três mil almas se converterem. Ninguém gosta de ficar pra baixo, mas a questão é saber como usar isso em favor de seu crescimento espiritual. Deus sempre usou meus momentos de depressão, por exemplo, para mostrar sistematicamente quem se importa de fato comigo ou não, quem é amigo e quem não é, quem me ama e quem não ama. E sou grato ao Senhor por isso.

Muitos cristãos são tão implacáveis com a depressão dos irmãos que, se alguém está deprimido, suas palavras sobre vida com Deus param de alcançar os corações, porque os santos acham que os deprimidos desistiram aos poucos de coisas que são importantes e se entregaram ao sofrimento, como se tivesse sido uma opção – e fazem esse julgamento sem conhecer em toda sua extensão o furacão que os arremessou sem que quisessem e contra todas as suas vontades ao lugar de dor em que se encontram.  Além da depressão em si ainda têm de suportar acusações e julgamentos infundados. E isso dói mais do que a depressão. Mas é o que os cristãos tão cumpridores de bulas religiosas têm feito em vez de estender carinho e graça.

Às vezes é preciso que você passe um tempo na barriga do peixe, no monturo, no cenáculo, pastoreando ovelhas em Midiã, na sepultura, no deserto ou numa caverna sendo alimentado pelos corvos. Isso não é fugir, faz parte do processo de reestruturação e não é demérito algum. Muitos têm concepções próprias de felicidade que atribuem como sendo de Deus. Creem ser o padrão bíblico. Acreditam de fato em teologias as mais diversas ou mesmo que por cumprirem certas cartilhas legalistas estão cumprindo a vontade de Deus. Estou orando e jejuando, então estou fazendo a coisa certo. Deixe que creiam, descobri na prática que não adianta dizer a verdade. Chega uma hora em que você entrega cada um a sua própria sorte. A concepção de cada um é a concepção de cada um e só Deus pode nos ensinar.

Desista de querer mudar os outros, hoje eu sei que isso não funciona. Só quem muda é o Espírito Santo. E – surpreenda-se – muitas vezes Ele usará a depressão para isso. Pessoas que seguem manuais preconceituosos de vida cristã serão surpreendidos ao se verem vivendo depressões profundas, por não entenderem que a vida é dinâmica e não basta seguir os livrinhos de escola dominical, as apostilas dos cursos pré-nupciais ou os livros com “sete passos para a vitória” para tudo dar certo. E, quando a depressão vier para os outros, não cometa os erros que cometeram com você: não acuse, não pise, não diga que eles não têm o Espirito Santo no coração, não os julgue – pois você não sabe o que eles viveram e vivem. Simplesmente dê amor, é o que um cristão vivendo uma fase depressiva precisa até que ela acabe.

Ao final da depressão de Elias, o Espírito Santo, que nunca abandonou o coração daquele homem, envia um anjo, que o sacode e decreta o fim do período e o início de uma nova etapa: “Levanta-te e come, porque o caminho te será sobremodo longo”. E esse é o mesmo Elias que foi amado e cuidado pela viúva de Sarepta e dos lábios dela ouviu: “Nisto conheço agora que tu és homem de Deus e que a palavra do Senhor na tua boca é verdade”.

Se você sabe quem você é, conhece seu Deus e está seguro do seu relacionamento com o Senhor mas está vivendo um processo terapêutico de depressão… não se deixe afetar pelos que te põem mais para baixo, que julgam pela superficialidade e o pragmatismo e, por não saberem de todos os detalhes e as circunstâncias da tua dor, enxergam apenas os lugares-comuns – e, por isso, pisam em cima e te afundam ainda mais. Aproxime-se dos que te dão amor, pois esses vão se preocupar em ir fundo na sua alma para compreender melhor sua situação antes de te soterrarem de clichês que não ajudam em absolutamente nada – e ferem. Continue na jornada com Deus. Chore o quanto for preciso. Esqueça as cartilhas pré-fabricadas de felicidade ou as frases feitas sobre o “padrão cristão”. Lembre-se da beleza do fato de que você é único e que a graça vai lidar com você de forma única. Deus te conhece pelo nome. Deus sabe onde dói a tua dor. Por isso, Ele é o único que te entende e pode te ajudar plenamente. E, ao final, levante-se e ande – com todo o aprendizado obtido na escola de Deus – pois teu caminho será sobremodo longo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício.
.

.

Parece nome de filme de terror: o Vale da Sombra da Morte. Que imagem horripilante. Mistura em apenas uma expressão três conceitos que metem medo: “Vale” fala de um lugar desprotegido, ladeado por altas e perigosas escarpas, onde é fácil ser vitima de um emboscada ou uma avalanche.”Sombra” nos lembra o medo mais primitivo do ser humano: o escuro, a falta de luz, frio, ausência de sol, impotência diante dos perigos que porventura estejam escondidos onde não conseguimos ver. “Morte” dispensa comentários. Então “Vale da Sombra da Morte” é um lugar pavoroso, de medo, falta de proteção, total impotência, calafrios, depressão, imprevisibilidade, terror. Você já passou por esse lugar? Não é um lugar físico, mas espiritual, emocional e psicológico. Em algum momento da vida, a esmagadora maioria das pessoas atravessará esse vale. E precisamos nos preparar para isso, embora ele sempre nos trague quando menos esperamos.

Uns entrarão em suas regiões mais profundas, outros nas menos; uns ficarão nele muito tempo, outros nem tanto. Você sabe que está nele quando acorda chorando, quando os dias correm rápido e você percebe que já chegou outra segunda-feira sem que o tempo pareça ter passado, quando nada parece fazer sentido, quando a tristeza é sua companheira mais frequente, quando você não enxerga razão para sair da cama, quando o céu azul é cinza aos teus olhos, quando viver torna-se comer e dormir – se o apetite não desaparece. Quando a morte passa a não ser tão assustadora assim.

Só que aí acontece algo extraordinário.

Deus nos revela, por meio do Salmo 23 do rei Davi, uma outra possibilidade. Ele mostra uma mão estendida por entre o desespero que, para quem está em pleno Vale da Sombra da Morte, parece impossível, apenas uma miragem à distância. Mas para quem está em Cristo, essa miragem na verdade não é uma ilusão, é um vislumbre real do que está na linha do horizonte. O que precisa ser feito para chegar até essa  realidade é dar um passo. Depois outro. Depois juntar todas as suas forças para dar um terceiro. Um quarto vem arrastado e aos soluços. O quinto vem com um gemido. No sexto os pés nem desgrudam do chão, tão pesados estão. O sétimo é automático, sem vontade, querendo cair ao solo e ali ficar. Do oitavo em diante só Deus sabe como você consegue ir em frente. Mas… quando você menos espera… superou um dia. Depois outro. Depois outro. Depois outro. Depois outro. Depois outro e… quando se dá conta, aquele longínquo horizonte está debaixo dos seus pés. Seus olhos embaçados pelas lágrimas, junto com o abatimento da sua alma, não deixaram você perceber que as escarpas sumiram. Você levanta a cabeça. E o Vale da Sombra da Morte não está mais ali. E onde você está? Que lugar é esse onde você chegou?

O Salmo 23 responde: pastos verdejantes. Junto das águas de descanso. O local onde sua alma encontra refrigério. As veredas da justiça. É quando você consegue inspirar fundo e dizer: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda“. E você percebe, então, que a cada dolorido passo daquela jornada de uma ponta a outra do Vale da Sombra da Morte o milagre da graça aconteceu. Você se dá conta de que a bondade e a misericórdia certamente te seguiram por todos os dias da sua vida. E não a bondade e a misericórdia de qualquer um, mas daquele que nos prometeu que estaria conosco todos os dias, até a consumação do século. Todos os dias. Mesmo nos dias em que você esteve envolto na escuridão, na solidão e no pavor pela incerteza do que vinha à frente.

Então as lembranças daquele período terrível se tornam aprendizado. As feridas dos meses de sofrimento da hora de acordar à de dormir passam a ser cicatrizes de lembranças que doem mas não sangram mais. Estranhos com quem você esbarrou no caminho e lhe deram copos d’água em meio à sequidão tornam-se a face do amor. Deitado, então, nos pastos verdejantes, você lembra-se de que, enquanto caminhava sem enxergar direito devido à escuridão pelo estreito Vale da Sombra da Morte, só conseguia vislumbrar um lugar iluminado: de um lado, escarpas. Do outro, mais escarpas. À frente e atrás, sombras. Mas… acima de sua cabeça, lá estava ele, sempre presente e concedendo esperança: o céu.

Embora seja o local mais arrasador e apavorante que existe nesta terra, o Vale da Sombra da Morte tem uma função para o Reino de Deus: quando você chega ao lugar de paz, se consegue jamais se esquecer daquela jornada sombria, fria, solitária e apavorante que ficou para trás, agarra-se com todas as suas forças a um desejo premente e inapagável:  habitar na Casa do Senhor para todo o sempre.

Se você está neste momento de sua vida atravessando o Vale da Sombra da Morte, meu irmão, minha irmã, saiba que ao final dele há pastos verdejantes, águas de descanso, refrigério, justiça. Não tema mal nenhum, porque Jesus está contigo. Essa é minha esperança. Essa precisa ser a esperança de todos nós.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício.
.

Qual é o sentido da sua vida? Para que você veio ao mundo? Qual é a razão de Deus ter idealizado, projetado, formado e soprado vida em você? Será que foi para nascer, crescer, ganhar dinheiro e morrer? Biblicamente nós fomos criados para a glória do Senhor. Mas como podemos fazer nossos poucos anos de caminhada nesta terra valer a pena de modo a realmente glorificá-lo? Se não pensarmos sobre isso e conseguirmos fazer acontecer, não só não teremos glorificado a Deus como teremos tido um existência inútil. Sim, há algo mais. E o tempo para pormos esse algo em prática é muito curto.

A civilização em que eu e você nascemos é regida pelo dinheiro. Somos adestrados desde a infância a acreditar que a meta de nossa vida é alcançar fama e fortuna. É por isso que pessoas que não fazem nada e dão péssimos exemplos são consideradas “vencedoras” desde que fiquem famosas e faturem um bom dinheiro. O exemplo mais emblemático disso é o Big Brother Brasil. Em geral, seus participantes são modelos horríveis de comportamento e valores e ganham um milhão de reais para ficar sentados numa casa sem fazer nada. Ainda são chamados pelo apresentador de “nossos heróis”. A meu ver eles são o arquétipo de quem nossa sociedade quer que sejamos: famosos e milionários, não importa por que meios.

É para isso que Deus criou você? É para isso que você acorda a cada manhã? Para se empanturrar de comida, perder horas preciosas na frente da televisão ou da internet, trabalhar para ganhar mais e mais dinheiro e gastar seu tempo imaginando uma maneira de fazer seu nome famoso e sua conta bancária mais polpuda? Não, meu irmão, minha irmã. Uma vida sem entrega pelo próximo não é uma vida do ponto de vista bíblico. Não passa de sobrevida. É vegetar espiritualmente. Dar sentido à vida é parar de olhar para o próprio umbigo e fazer algo que sirva para ajudar seres humanos em suas dores, seus sofrimentos e suas angústias.  Veja o exemplo de Agnes Gonxha Bojaxhiu.

Se você não sabe quem é Agnes, deixe-me falar um pouco sobre ela. Nasceu no paupérrimo e pequenino país chamado Macedônia, de uma família de etnia albanesa, e se naturalizou indiana. A Índia, vale lembrar, é o país das castas e de milhões de pessoas miseráveis financeiramente. Agnes não tinha dinheiro, mas possuía  aquilo que de maior valor pode ter um ser humano: um coração bondoso e lágrimas nos olhos pelos seus semelhantes. Ela decidiu fazer valer sua existência. Fundou uma organização de mulheres dedicadas à caridade e investiu sua vida em cuidar dos outros. Sem se preocupar com o próprio bem-estar, imergiu no mundo da miséria humana com sua mão amiga e o coração magnânimo, a ponto de receber o apelido de…adivinha? “A grande heroína”? “Magnífica mulher de Deus”? “A maior entre as maiores”? Não, nada disso. Seu apelido era “Santa das sarjetas”. Que tal?

O lema que resumia a missão da instituição que Agnes fundou era “Topa tudo por dinheiro”, será? Não, na verdade não. Também não era “Acordar, faturar, dormir”. Muito menos “Saciar a sede por poder, influência, dinheiro e fama, dando todo meu suor para projetar meu nome”. Era, isso sim: “Saciar a infinita sede de Jesus sobre a cruz de amor e pelas almas, trabalhando para a salvação e para a santificação dos mais pobres entre os pobres”. Certamente não é uma declaração de missão que você encontraria num quadro pendurado no escritório de gente como Donald Trump ou Roberto Justus. Menos ainda no de muitos líderes de certas denominações neopentecostais.

Nos anos 50 e 60, Agnes ampliou o raio de ação de sua organização para toda a Índia. Em 1965 chegou à Venezuela. Depois alcançou a Europa (na periferia de Roma, na Itália) e, em 1968, passou a atuar também na África (na Tanzânia). Até 1980, a instituição de caridade criada pela iniciativa dessa única mulher pobre levava amor, cuidado, amparo médico e calor humano para todo o mundo, da Austrália ao Oriente Médio, passando pelas Américas e até países comunistas (como Alemanha Oriental e a antiga União Soviética), num total de 158 centros de auxílio. O passo seguinte foi abrir centros de ajuda para doentes pobres com AIDS .

No final dos anos 80 e início dos 90, Agnes começou a ter sérios problemas de saúde. Isso não a impediu de continuar viajando pelo mundo para abrir novas casas de missão e devotar-se aos pobres e às vítimas dos mais diversos tipos de calamidades. A frágil e pequena mulher inaugurou novas comunidades na África do Sul, na Albânia, em Cuba e no Iraque, país dilacerado por causa da guerra. Em 1997, a instituição que Agnes fundou contava com 4 mil voluntários, que devotavam-se ao próximo em cerca de 600 unidades espalhadas por 123 países do mundo. Naquele ano, Agnes morreu, aos 87 anos de idade, após cumprir uma viagem dedicada a ações humanitárias por três cidades da Europa e dos Estados Unidos.

O que você acha, a vida de Agnes valeu a pena? Não acumulou riquezas. Nunca se casou. Não teve filhos. A fama que obteve foi em função da notoriedade que suas iniciativas pelo bem-estar do próximo alcançou. Abriu mão dos prazeres e do conforto deste mundo para que cada um de seus dias sobre a terra valesse a pena. Seu legado hoje permanece entre nós, não na forma de arranha-céus, catedrais ou monumentos suntuosos, mas na forma de milhares de vidas humanas abençoadas por seu amor, sua devoção, sua entrega pelo próximo, sua abnegação e sua preocupação muito maior com os outros do que consigo mesma. Que mulher magnífica! Penso na vida de Agnes e naquilo que ela fez por todas essas almas e confesso que lágrimas rolam por meu rosto, ao ver quão desgraçadamente longe estou de ter um vida com tanto significado quanto a dela. Eu quero ser como ela quando crescer. Quero que meus dias façam sentido, um sentido que vá muito além de ganhar dinheiro, prêmios e bajulação, mas que ecoe no Céu e pela eternidade como dias que compuseram uma vida que valeu a pena.

Penso em todas as vezes em que fui vaidoso e preocupado com vantagens materiais e vejo que completo imbecil eu fui. Porque isso não vale nada. Não vale um minuto sequer sobre a terra. Olho fotos de certos pastores, que posam com a Bíblia na mão como se fosse um cetro dos antigos Césares, e vejo como a vaidade e a ambição humana nos distorcem e nos transformam em pedaços de carne dignos de pena. Não, não quero seguir pelo caminho da fama e da fortuna. Quero sustentar minha família com honradez, dando dignidade aos meus mas sem perder o foco do que realmente interessa e sem passar por cima ou defraudar meu semelhante para isso.

Se você me perguntar hoje qual é meu maior sonho no momento eu diria, sem nenhum desejo de parecer magnânimo, que é uma dia chegar a fazer pelo próximo 0,5% daquilo que Agnes Gonxha Bojaxhiu fez. Não sei ainda como, quando ou onde, mas minha oração ao Senhor é que me mostre. Que me encaminhe para isso da forma que achar melhor. E seja feita Sua vontade, na terra como no Céu. Também oro a Deus que toque muitos corações para que vejam o que realmente importa na pátria celestial – e não nesta decadente civilização consumista em que vivemos enquanto peregrinos nesta terra estranha.

Quando Agnes morreu, compareceram ao seu funeral chefes de nações, primeiros-ministros, rainhas e enviados especiais de dezenas de países de todo o mundo. Algo que ela certamente dispensaria, visto que passou a vida entre os miseráveis, os doentes, os sofredores e os pequeninos. Nem mesmo o Prêmio Nobel da Paz que recebeu mudou sua rotina de enfiar os pés nos lamaçais dos recônditos mais humildes e necessitados do planeta para abençoar vidas. Nada desviou aquela pequena gigante de seu propósito maior: glorificar Deus por meio dos mais sinceros e devotados gestos de amor pelo próximo. E você? Qual é o propósito maior da sua vida? E o que você tem feito para alcançá-lo? Se não tem feito nada além de tentar ganhar dinheiro ou projetar o seu nome, este é um bom momento para começar a parar de correr atrás de vento e dar início a algo que de fato dê sentido a sua vida.

Ah, sim: se você ainda não ligou o nome à pessoa, Agnes é mais conhecida como… Madre Teresa de Calcutá.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

Não tenho nenhuma vaidade de querer ser criativo; desejo muito mais que o APENAS seja eficiente naquilo a que se presta: alcançar corações e levar pessoas a pensar de forma crítica e construtiva nas questões ligadas à fé – para, assim, se aproximar de Deus. Por isso, hoje decidi postar uma reflexão que, embora o texto seja escrito por mim, o conteúdo não é de minha autoria. Quero compartilhar a pregação que meu pastor fez domingo passado em nossa igreja. Foi uma mensagem profunda e bíblica, dura e reconfortante. Pode falar ao teu coração, como falou ao meu. Tenho o hábito de fazer anotações dos pontos principais dos sermões que ouço para posterior meditação, portanto o que você lerá a seguir é um resumo da mensagem trazida para a igreja por meu pastor. Praticamente todas as frases transcritas aqui são, ao pé da letra, o que ele pregou. O tema: perdão.

O texto base é Mateus 8, a partir do versículo 23. É a parábola de Jesus em que Ele compara o reino dos céus com um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. Chega um que lhe deve dez mil talentos, mas não tem como pagar. Seu senhor manda, então, que ele, toda sua família e seus bens sejam vendidos como pagamento da dívida. Desesperado, o servo prostra-se e pede paciência, perdão e misericórdia. Diz a Bíblia: “O senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida”.

Só que o mesmo servo logo depois encontra um conhecido que lhe devia uma quantia, o agride e exige que lhe pague. O conservo devedor humilha-se e implora, pedindo paciência e perdão. Em vez disso, o homem que havia sido perdoado pelo rei o lança na prisão. Ao tomar conhecimento do ocorrido, o monarca manda chamar o homem, lhe recorda do perdão que tinha recebido e o entrega aos carrascos, para que o torturem até que pague toda a dívida. E Jesus conclui: “Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão”. Segue a síntese da pregação:

“Essa passagem deixa claro que perdoar é o único caminho para se ter saúde espiritual. Quem não perdoa vive uma vida espiritual pobre e moribunda. Quem não perdoa está morto diante de Deus em seu coração. É como um sino que ressoa (1 Co 13.1): algo que faz barulho, tem aparência e volume… mas não tem vida própria. Pior: quem não perdoa não será reconhecido por Jesus no último dia, pois não está pondo em prática um dos fundamentos da fé cristã: a certeza de que o bem que quero que me façam devo fazer ao outro. Se você gosta de ser perdoado, perdoe, para que haja saúde e sua vida espiritual não se perca.

Para perdoarmos biblicamente, é importante sabermos o que significa exatamente perdoar. Romanos 12.17 nos dá a resposta:

“Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. Façam todo o possível para viver em paz com todos. Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: ‘Minha é a vingança; eu retribuirei’, diz o Senhor.  Pelo contrário: ‘Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele’. Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”.

Não devolver mal com mal. Vencer o mal com o bem. Eis a resposta. Pois vingar-se significa vencer alguém mas deixar Satanás vencer você.

O grande engano dos cristãos é achar que perdão é algo emocional. Não é. Não tem a ver com “sentir” algo, mas com “fazer” algo. O perdão está relacionado a atos e atitudes. É ação. É agir como se o pecado nunca tivesse existido. As emoções, de acordo com a Bíblia e o Evangelho, estão sujeitas à razão. Assim, perdoar é um ato de sã consciência, é saber o que Deus quer. Se eu não perdoo, simplesmente isso mostra que não sou alimentado pela graça de Deus.

Então, o perdão ocorre em duas etapas: Primeiro se perdoa racionalmente (sabendo que aquilo é necessário, que é a vontade de Deus). É uma decisão mental, racional. O segundo passo são as ações. É não se alegrar com o mal que quem lhe ofendeu sofre. É orar pedindo que Deus ajude a pessoa que lhe ofendeu e que está em dificuldades. Mais ainda: é procurar quem lhe ofendeu e se oferecer para ajudá-lo no que ele precisa, com obras da graça e da bondade de Deus. E, por fim, é não causar danos ou perdas a quem lhe ofendeu.

É ao fazermos – ou não – tudo isso que demostramos quem de fato somos. Se pensamos em nós e em cumprir o que nossa justiça manda mais do que pensamos em Deus e na justiça dele, simplesmente estamos pecando. Pois nada é imperdoável quando contamos com a ajuda de Deus, nenhuma ofensa que nos fizeram é imperdoável. Tudo pode ser zerado.

A pessoa que não perdoa em forma de atitudes tem cheiro de diabo. Satanás nunca estende a mão a ninguém e quem se recusa a estender a mão está agindo como o diabo e, logo, é servo dele. Temos sempre que lembrar: não perdoar só satisfaz e alegra… o diabo.

Se dizemos que perdoamos nossos ofensores mas não retomamos a vida como tudo seguia antes da ofensa… na verdade não perdoamos. Pois isso mostra que ainda guardamos rancores, ressentimentos, medos, mágoas ou sentimento do gênero. É perdoar de boca mas não por obras. E a fé sem obras é morta. Fé sem perdão expresso em atitudes em prol de quem nos ofendeu não é fé cristã.

Não adianta eu saber orar se eu não souber perdoar. Minha oração não será respondida (Mt 6.14,15). Pois, se estou em litígio com Deus ao não perdoar meu próximo, o que posso esperar do Senhor? Nada.

A natureza desse assunto é grave. Pois Deus é perdoador. E, se eu não perdoo, não estou identificado com Deus. Não ando com Deus se não perdoo como Ele perdoa. E o perdão de Deus é absoluto, é uma quitação total da dívida e não parcial. O perdão verdadeiro nunca põe seus próprios interesses acima dos daquele que precisa de perdão (1 Co 13).

E para que perdoamos?  Primeiro, para ter paz com os outros. Segundo, para ter paz com Deus (Mt 6.15).

A renovação da mente de Romanos 12.2 passa por demonstrar perdão. Pois só tem a mente de Cristo quem perdoa, esquece das ofensas e retoma a vida a partir do ponto onde ocorreu a ofensa. Quem não o faz não perdoou, não teve a mente renovada e não age conforme a natureza de Cristo. É um cristão que não age como Cristo. Que Deus nos ensine a perdoar e a praticar o perdão. Em cada situação e a cada dia. Que Deus cure quem não perdoa. Pois a falta de perdão é uma grave doença espiritual. Quem nasceu de novo tem obrigação de perdoar.

Que Deus nos perdoe da nossa demora em fazer o que Ele quer. Que Deus nos perdoe por não perdoar. Podemos encontrar mil desculpas para não perdoar, mas não perdoar aos olhos de Deus… não tem desculpa”.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

Muitos irmãos sofrem perseguição por sua fé em Cristo – possivelmente você já sofreu. Ela pode se manifestar de maneiras variadas, da zombaria e segregação à agressão física e morte. Como devemos lidar com isso? Como reagir quando alguém pega no nosso pé ou nos destrata pela nossa crença em Jesus? Revidamos? Abaixamos a cabeça? Há uma forma bíblica de proceder quando isso ocorre? Sim, há. E para termos convicção sobre ela e estarmos preparados para reagir biblicamente à perseguição teremos de percorrer algumas passagens das Escrituras, introjetá-las fundo em nossa alma e viver da difícil maneira a que elas nos ensinam.

Ao longo dos 2.000 anos de História do Cristianismo sempre houve perseguição, em escalas variadas. O martírio sempre foi uma constante. Nos três primeiros séculos, confessar Jesus era passaporte para ser estraçalhado por leões, incinerado na fogueira e torturado de formas inimagináveis. Os séculos se passaram e os cristãos continuaram a sofrer nas mãos dos mais variados tipos de gente, de islâmicos e cristãos de outras tradições (católicos nas mãos de protestantes e protestantes nas mãos de católicos, dependendo da época e do local) a ateus e comunistas. Ainda em nossos dias, ministérios como a Missão Portas Abertas se dedicam a denunciar a perseguição a cristãos por todo o mundo e, por meio de trabalhos como o realizado por eles, sabemos que em cerca de 90 países do mundo existe atualmente perseguição religiosa ativa (saiba mais AQUI).

No Brasil somos abençoados. Não existe, por definição, perseguição religiosa, uma vez que, segundo a Missão Portas Abertas, “o individuo é perseguido se for privado de qualquer dos elementos fundamentais da liberdade religiosa”. E mais: “Perseguição não se refere a casos individuais, mas sim, quando um sistema, político ou religioso, tira a liberdade de um cristão ou o acesso à Bíblia, restringe ou proíbe o evangelismo de jovens e crianças, atividades da igreja e de missões”. Assim, em nosso país não chegamos a esse ponto. Há uma grande intolerância, mas não “perseguição”.

Só que, se nos permitirmos fugir dessa definição e nos ativermos ao senso comum, podemos entender como perseguição até mesmo todo tipo de bullying que ocorre em muitos lugares. Ser evangélico hoje gera chacota para muitos. Rejeição da família por outros (conheci uma jovem cujos pais católicos não permitiam que ela frequentasse uma igreja evangélica). Piadas estereotipadas em programas de televisão. Proprietários que se recusam a alugar imóveis para igrejas. Eu mesmo, em certa empresa em que trabalhei, tive de ouvir que eu “não era criativo devido à minha religião”, simplesmente porque me recusei a editar uma revista corporativa de uma grande companhia fabricante de cigarros.

Verdade seja dita: por razões históricas, espirituais ou mesmo por culpa de certos setores da igreja evangélica e suas práticas questionáveis, hoje em dia dizer-se evangélico é, para enorme parcela de nossa sociedade, sinônimo de ser bitolado, massa de manobra, ignorante, ingênuo, homofóbico, medieval, supersticioso e coisas dessa linha. Eu já tive de enfrentar muitos desses adjetivos e muitas situações desagradáveis. Você já?

Feita essa constatação, voltamos à pergunta: quando nos deparamos com situações em que nos sentimos discriminados ou mesmo perseguidos devido à nossa crença em Jesus, como eu e você devemos reagir? Mais ainda: como devemos nos sentir?

Em primeiro lugar, temos de saber que é previsível que seremos perseguidos: “De fato, todos os que desejam viver piedosamente  em Cristo Jesus serão perseguidos” (2 Tm 3.12). Paulo já sabia disso 2.000 anos atrás. E as profecias dizem que nos últimos dias a perseguição só tende a piorar. Mas isso não deve ser motivo de temor, se considerarmos que importa mais viver a eternidade ao lado de Deus sofrendo nesta vida do que viver bem e ter morte espiritual. O próprio Jesus disse que seríamos “bem-aventurados”, ou seja, “felizes”, se fossemos perseguidos por amor a Ele: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus. Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês. Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês” (Mt 5.10-12).

Sei que você já leu essa passagem tantas vezes que, de repente, o sentido e a profundidade das palavras acabaram se perdendo. Então vamos prestar muita atenção aos detalhes. Repare o que Jesus está dizendo: ser perseguido por amor a Ele é razão de felicidade. Se você for perseguido por amor a Cristo – for insultado, ofendido e até mesmo se mentirem contra você – deve se alegrar. Mais do que isso, deve se regozijar, o que significa festejar ou ter prazer, contentamento, satisfação, júbilo. Naturalmente que sua natureza humana recusa-se a sentir isso na hora em que fazem troça de você, quando te acusam de forma estereotipada, quando sofre no emprego por ter colegas que pegam no seu pé devido a sua ética cristã, quando sua  família se levanta contra você por se declarar um servo de Jesus.

Só que… quem disse que ser cristão é agir como nossa natureza humana dita? Ser cristão é agir como a natureza de Cristo dita. E, se assim o fizermos, “grande é a recompensa” que nos espera nos céus. E o parâmetro que Jesus estabelece como exemplo são os profetas perseguidos do passado. A esse respeito, Hebreus 11 é riquíssimo. Veja, por exemplo,  o que se diz acerca do príncipe do Egito que virou pastor em Midiã: “Pela fé Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha do faraó, preferindo ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado durante algum tempo. Por amor de Cristo, considerou a desonra riqueza maior do que os tesouros do Egito, porque contemplava a sua recompensa” (Hb 11.24-26)

E não para por aí. O autor aos hebreus fala das situações horripilantes que muitos tiveram de enfrentar por fidelidade a Deus e fé nele. Transcrevo aqui esse trecho, em forma de tópicos, de forma a pontuar melhor o que ele diz:

“Alguns foram
1. torturados e
2. recusaram ser libertados, para poderem alcançar uma ressurreição superior. Outros
3. enfrentaram zombaria e açoites, outros ainda foram
4. acorrentados e colocados na prisão,
5. apedrejados,
6. serrados ao meio,
7. postos à prova,
8. mortos ao fio da espada.
9. Andaram errantes,
10. vestidos de pele de ovelhas e de cabras,
11. necessitados,
12. afligidos e
13. maltratados.
O mundo não era digno deles.
14. Vagaram pelos desertos e montes, pelas cavernas e grutas.
Todos estes receberam bom testemunho por meio da fé; no entanto, nenhum deles recebeu o que havia sido prometido. Deus havia planejado algo melhor para nós, para que conosco fossem eles aperfeiçoados”
(Hb 11.32-40). Aos olhos do mundo, derrotados. Aos olhos de Deus, o mundo não era digno deles.

E de modo muito prático? Você que sofre no trabalho por bullying de colegas, na escola, na universidade, na vizinhança ou em qualquer outra instância por sua fé em Jesus, como deve reagir? Mandar todo mundo pro inferno? Orar pedindo que a mão de Deus pese sobre quem te faz mal? Entrar em bate-bocas, acusações, troca de farpas, vendetas e outras formas de beligerância? Não. Nada disso. Pois isso, meu irmão, minha irmã, biblicamente é uma reação carnal e diabólica. O que Jesus nos ensina mais uma vez é contrário à natureza humana. Pois o homem natural reage com violência e ira. O homem espiritual segue o que Jesus de Nazaré ensinou: põe o outro acima de si, aceita as bofetadas e os açoites (físicos ou morais), suporta a provação e as perdas mas se recusa a agir com vingança, a se defender ou a devolver na mesma moeda. Segue em silêncio o caminho do seu calvário pessoal. E não sou eu quem diz, é ensinamento do próprio Salvador do mundo, do manso Cordeiro (novamente em tópicos, para captar mais a sua atenção):

“Vocês ouviram o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente’.  Mas eu lhes digo:
1. Não resistam ao perverso.
2. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra.
3. E se alguém quiser processá-lo e tirar-lhe a túnica, deixe que leve também a capa.
4. Se alguém o forçar a caminhar com ele uma milha, vá com ele duas.
5. Dê a quem lhe pede, e não volte as costas àquele que deseja pedir-lhe algo emprestado”.
Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo:
6. Amem os seus inimigos e
7. orem por aqueles que os perseguem,
para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos. Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa receberão? Até os publicanos fazem isso!”
(Mt 5.38-47).

Mas, Zágari, não posso revidar quem me persegue nem um pouquinho? Minha vontade é de acabar com a raça daquele incircunciso! Bem… responda você mesmo: “Abençoem aqueles que os perseguem; abençoem, e não os amaldiçoem” (Rm 12.14). E mais: “Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: ‘Minha é a vingança; eu retribuirei’, diz o Senhor.  Pelo contrário: ‘Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele’.  Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem” (Rm 12.19-21).

Seremos perseguidos, isso é um fato bíblico inescapável. O mandamento cristão é não revidar. Nada de lançar aviões contra os edifícios de quem nos persegue. Nada de invadir países para matar os inimigos. Nada de proferir nem sequer uma palavra de maldição contra nossos perseguidores. Jesus nos ensina a abençoá-los, a amá-los, a orar por eles, a alimentá-los, a saciá-los, a fazer-lhes o bem, a adotar uma postura pacificadora, a aguentar os murros na outra face. Quem de nós faz isso? Pouquíssimos, sejamos francos. A notícia é que esses pouquissimos são os que estão agindo como Deus deseja. A boa notícia para esses é que haverá recompensa na eternidade para os que engolirem sua humanidade, sofrerem perdas e danos por amor a Cristo e tiverem a nobreza de superar a vontade humana de dar o troco ou agir com violência verbal ou física. Não é preciso ter nascido de novo para pagar a perseguição na mesma moeda. Mas só quem nasceu de novo pode, pelo poder do Espírito, suportar tudo calado, negar-se a si mesmo e carregar a cruz até o dia de sua morte.

E esses, Jesus diz, são os bem-aventurados. Os felizes. Você está sofrendo qualquer tipo de perseguição pela sua fé, meu irmão, minha irmã? Sorria em silêncio. Você é feliz aos olhos de Deus. E grande será sua recompensa na eternidade.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

Sim, existe um lugar mais importante na igreja. É o local onde, em geral, se senta quem mais importância tem em um culto público. Não fica no ponto mais visível, não é a cadeira de espaldar mais alto da plataforma nem os bancos onde se sentam os músicos do louvor. Também não é a poltrona do tesoureiro, a sala do administrador ou o cômodo onde se reúne o conselho de presbíteros. O gabinete pastoral tampouco é o lugar mais importante em uma igreja, bem como o banco mais próximo do púlpito. Não é, também, o tanque batismal ou a mesa da Ceia. Bem, se não é nenhum desses lugares… qual é?

Não há dúvidas de que Jesus é a pessoa mais importante em uma igreja, mas, como ele não habita mais aqui do que ali, sua onipresença o põe igualmente em todos os lugares do santuário ao mesmo tempo. Está tão presente na mesa da Ceia como naquele membro que come o pão e bebe o vinho. Ele está tanto no púlpito onde é ministrada a palavra quanto no meio do povo que a recebe. Pois a mesa da Ceia e o púlpito não têm razão de ser sem que haja quem ceie e quem ouça – logo, a importância do memorial está atrelada a quem se lembre da Cruz e a importância da proclamação está atrelada a quem a receba e viva por ela. Mas será que depois de Deus há uma segunda pessoa mais importante na igreja – e que ocupa, consequentemente, o lugar mais importante? Sim, há.

Mateus 25.31-40 relata: “Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”.

Essa passagem deixa claro que Cristo associa sua imagem de modo íntimo à daqueles que mais precisam de socorro, amparo, auxílio, amor. Jesus associa Sua própria pessoa ao faminto e ao sedento (os desamparados), ao forasteiro (o que depende de orientações), ao nu (o que precisa desesperadamente de algo), ao enfermo (o aflito e fraco) e ao preso (o solitário e isolado). Em suma, infere-se que Jesus diz que sua presença se faz mais do que tudo naqueles que precisam de uma mão estendida, de socorro, de um ombro, de uma palavra de consolo e conforto. De amor. Minha experiência e a de qualquer irmão que tenha o cuidado de conversar com quem está no santuário antes de o culto começar mostra onde os tais costumam se sentar: no último banco.

O último banco – aquele mais escondido, onde se pode chorar sem que ninguém perceba, onde o desesperado e o aflito costumam sentir-se mais seguros. É o cantinho da igreja onde quem costuma se ver como indigno geralmente se refugia.

Portanto, para mim, o lugar mais importante na igreja é o último banco do santuário.

A razão de ser da Igreja é glorificar Deus. E isso se faz, acima de tudo, cumprindo o maior mandamento, ou seja, amando ao Senhor sobre todas as coisas e… ao próximo como a si mesmo. Portanto, no âmbito do relacionamento com Deus, a melhor forma de glorificá-lo é devotando-lhe amor, e isso se faz por meio da obediência (“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama”, disse Jesus em João 14.21a). Já no âmbito do relacionamento com o próximo, a melhor forma de dar glória a Deus é doando-se pelo outro, cuidando de suas feridas –  como Jesus deixa claro na parábola do bom samaritano, relatada justamente para explicar quem é nosso próximo.

E na igreja quem mais precisa ter suas feridas cuidadas em geral se abriga no último banco. Logo, se você quer glorificar Deus amando o próximo como a si mesmo, aqui vai uma dica: sempre concentre suas atenções em quem está sentado no fundo. Ali deve estar o nosso foco. Do púlpito e da mesa da Ceia vêm o aprendizado e a proclamação.  No último banco deve estar esse aprendizado sendo posto em prática. O Evangelho pregado de púlpito é a mensagem que desperta. O Evangelho praticado no último banco é a mensagem que despertou alguém.

Por isso, deixo aqui a minha sugestão: quando você chegar à igreja antes de o culto começar não vá direto bater papo com seus amigos ou sentar-se no seu lugar para ficar sem fazer nada até o início da celebração. Em vez disso, dirija-se a quem está no último banco. Sente-se ao seu lado. Pergunte seu nome. Apresente-se e pergunte como ele está. Ouça sua resposta. Ore com ele. Aconselhe. Apresente-o ao seu pastor. Convide-o para a comunhão. Dê atenção. Dê afeto. Dê a ele o de beber, o de comer, vista-o. O mesmo procure fazer ao final do culto. Você vai reparar que, geralmente, pessoas ficam ainda por algum tempo sentadas no último banco após a bênção final e a despedida. Provavelmente porque anseiam desesperadamente por algo mais. Seja você esse algo mais.  Leve afeto até elas. Visite-as no isolamento de seu banco.  Reflita Cristo para elas. Ame-as.

Sim, o último banco da igreja é seu lugar mais importante. Pois ali costumam estar as melhores oportunidades de praticar aquilo que é pregado no púlpito. Faça essa experiência. E você verá como é maravilhoso ocupar o lugar de maior honra que pode haver para um cristão dentro de uma igreja cristã: o lugar onde se estende a mão para o triste, o caído, o abatido, o pecador, o desesperado, o deprimido.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio
.

Muita gente se opõe à fé cristã por causa dos mandamentos de Deus. Acham muito cheia de regras, de “pode” isso, “não pode” aquilo. Não querem se submeter a ordens, desejam ser donas de sua própria vida, sem ter ninguém que lhes diga o que podem e o que não podem fazer (ou devem e não devem). Esse pensamento está tão entranhado no inconsciente coletivo de nossa sociedade que chega a invadir as igrejas. O resultado são cristãos para quem a defesa de mandamentos bíblicos acaba tornando-se legalismo ou farisaísmo. Ou então irmãos confusos sobre sua conduta. Vamos pensar um pouco sobre isso.

Deus é soberano. Nós somos submissos. Deus é criador. Nós somos pó. Deus é todo-poderoso. Nós somos impotentes sobre quase tudo o que nos acontece. Ele manda. Nós obedecemos. Ele dita as regras do jogo. Nós as acatamos. Tudo isso é fato e quem se opõe a essas verdades não alcançou ainda a compreensão plena da natureza divina e da humana nem a revelação do Senhor. Sim: Ele é o manda-chuva. Se Ele fala, a nós só resta dizer “amém”. E, se dizemos “amém” ao que Deus fala, não estamos fazendo nada além de nos pôr em nosso devido lugar.

Então, de forma bem crua e objetiva, é exatamente isso: Deus determina e nós abaixamos a cabeça. Ponto. Não há democracia na relação entre nós e o Senhor, assim como não há nas decisões que um pai toma por seu filho pequeno. Papai disse que é assim e acabou. Do mesmo modo, seria ingenuidade de nossa parte achar também que a graça de Deus é barata (para usar a expressão de Dietrich Bonhoeffer). Não é: o Criador tem um padrão ético e moral. O que, em outras palavras, significa que para Ele há atitudes certas e atitudes erradas. Deus não tolera tudo: se fazemos o que Ele considera errado  estamos pecando. E isso nos afasta dele e nos torna desesperadamente necessitados de Seu perdão. Portanto, sim: existem coisas que o cristão pode e que não pode fazer. Pode fazer o que Deus quer. Não pode fazer o que Deus não quer. E se desobedecer está transgredindo o padrão divino de certo e errado. Ponto final.

Até aqui a coisa foi pesada, não é? Assustou? Posto dessa forma para pessoas acostumadas à democracia parece que somos prisioneiros de um campo de concentração terreno, sujeitos a um ditador celestial tirânico e déspota. Sei que muitos veem o pode/não pode de Deus dessa forma. Só que, apesar de tudo o que eu disse até aqui ser bíblico, há uma outra forma de se ver a coisa. E ela passa pelos olhos do amor.

Se você ama seu pai, não lhe obedece apenas porque ele mandou. Obedece, acima de tudo, porque quer ver um sorriso no rosto dele. Quer vê-lo feliz. Quer que ele se orgulhe de você e lhe considere um bom filho. Se você ama a sua namorada, não deixa de chegar na hora marcada ao encontro porque caso contrário ela vai ficar fula por ter esperado tanto, mas por respeito a quem você respeita. Quando você deixa de assistir ao seu jogo de futebol predileto para levar sua mãe ao médico não o faz porque é o que tem de ser feito, mas porque se preocupa com ela e deseja vê-la bem.

Assim, existem duas maneiras de se encarar a obediência a Deus: como um fardo pesado e uma violação do nosso desejo e da liberdade de autodecisão ou como gestos de devoção praticados com felicidade e alegria para alguém que amamos profundamente. Descobri que quando desobedeço a Deus, ou seja, quando peco, não estou simplesmente infringindo ordens. É muito pior do que isso: estou faltando com amor a alguém que me amou profundamente a ponto de morrer por mim. Mais do que desobediência, é ingratidão e desamor. Não faz de mim apenas um transgressor: faz de mim alguém que se põe acima do Senhor na ordem de prioridades.

Vamos pegar como exemplo uma discussão bem contemporânea: o dízimo – e que não é o tema desta reflexão, falo sobre isso apenas para exemplificar. Depois que o fenômeno do neopentecostalismo e seus escândalos fizeram a entrega de dinheiro para igrejas tornar-se uma atitude questionável e suspeita, pela primeira vez na história eclodiu entre os próprios cristãos a ideia de que poderiam não entregar o dízimo. Acredite: qualquer argumento contra o dízimo que você possa levantar eu já ouvi. Porém, nenhum deles conseguiu até hoje me convencer de que não é um mandamento de Deus válido ainda na Nova Aliança. Só que não é por isso que entrego meu dízimo. Entrego por amor.

Pois o amor torna o peso de ordenança de um mandamento algo secundário e, até, desnecessário. Entrego o dízimo porque amo o que é feito com ele. Amo saber que um santuário onde pessoas são edificadas tem sua conta de luz paga graças a minha participação. Amo saber que meus pastores podem dedicar seu dia a visitar doentes e enlutados e a aconselhar almas em frangalhos porque eu participo do seu sustento. Amo saber que muitos missionários podem ser enviados e mantidos em locais aonde eu não tenho peito de ir porque entreguei o dízimo. Amo Deus. E é esse amor que me faz dizimar. Não a obrigação. É um prazer e não um peso ou um sofrimento.

Queiramos ou não, é bíblico: há coisas que o cristão pode fazer e coisas que não pode. O que tenta fugir disso usa de pura retórica. E se optarmos pela transgressão haverá um preço a ser pago. Mas muito mais importante do que ver a realidade dessa forma é saber que existem coisas que o cristão faz ou deixa de fazer por amor ou desamor a Deus. Prefiro entender o meu esforço por obedecer como um gesto realizado por apreço a Aquele que a si mesmo entregou-se por mim. Assim, obediência é gratidão. É afeto. É carinho. É amizade. É devoção. É amor.

Poucas coisas doem tanto quanto o olhar de tristeza no rosto de alguém que você ama provocado por algo que você tenha feito. Magoar quem você ama corrói. Imaginar esse olhar no rosto do Jesus que amo é o que hoje me motiva mais do que qualquer outra coisa a lutar para ser reto em meus caminhos, muito mais do que o medo do inferno ou a obediência temerosa de um pecador nas mãos de um Deus irado.

Pode, não pode… ok, não está errado, é bíblico. Só que, hoje, creio que a questão é muito maior do que essa. Passa, na verdade, por ama, não ama. Quando conseguimos ver dessa forma, o Evangelho ganha muito mais a cara de Jesus.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

Lembro do primeiro dia de vida de minha filha, quando uma enfermeira entrou no quarto da maternidade para ensinar a dar banho nela. Na verdade a mulher conduziu uma sessão de  tortura naquele serzinho que por nove meses ficou quentinho e protegido no ventre da mãe: num quarto frio pelo ar condicionado a tal senhora trouxe dois dedos de água quente numa banheira e saiu arremessando a pequena como um pedaço de pano para dentro e fora da água, para cima e para baixo, virando-a e revirando-a, enquanto a pobrezinha berrava, roxa, os bracinhos estendidos e rijos de agonia, os dedos encrispados, urrando de sofrimento. Pode parecer bobagem para nós, adultos, mas para ela era visivelmente uma experiência terrível. Nunca vou me esquecer daquele momento, pois foi a primeira vez que entendi o que é o amor de um pai por um filho.

Minha vontade instintiva foi jogar aquela mulher na parede e chutá-la até a morte, não nego. Mas me segurei o quanto pude e, quando ela acabou aquela sessão de tortura medieval, entregou-me minha filhinha de menos de um dia de idade – que soluçava e tremia em meus braços, transtornada, amedrontada e com frio. Não sei descrever o que senti. Quando me dei conta, estava eu de olhos fechados para não olhar para a enfermeira, as lágrimas escorrendo por meu rosto, a garganta travada por um sentimento que não me deixava respirar e o corpinho de poucos centímetros de minha filha apertado contra meu peito. Compartilhei com ela, literalmente, uma dor indescritível.

Nos primeiros três meses de vida minha filha sofreu de cólicas horripilantes. Gritava sem parar às vezes por duas, três horas seguidas. Nada aliviava: remédio, massagem, bolsa de água quente, apoiar contra a barriga. E, novamente, impossível descrever o que aquilo fazia comigo. Lembro de um dia em que minha esposa chegou em casa e me encontrou choramingando o hino 4 da Harpa Cristã pateticamente agarrado à pequena, a camisa encharcada por lágrimas de um pai impotente que ficou uma manhã inteira com ela aos berros de dor nos braços. Simplesmente porque em mim doía uma dor indescritível.

Dos três aos seis meses a cólica sumiu e foi substituída por uma prisão de ventre que durou mais três meses. Era dor, grito e sofrimento todo dia, enquanto fazia de tudo para aliviá-la, de supositórios de glicerina a massagens na barriga. Em tudo, eram urros, lágrimas e tremores: Dela, antes de tudo, mas também meus. Uma dor indescritível.

Aos seis meses seu intestino se regularizou e aí começou a fase do nascimento dos dentes. Não queira saber o quanto isso machuca um bebê. As gengivas inchadas, vermelhas, a criança se contorcendo por uma agonia que nem Novalgina faz passar. Vem a febre. Vômitos. Isso dura ainda hoje, quando os quatro caninos estão nascendo ao mesmo tempo. A pediatra na última consulta chegou a dizer que tinha pena da pobrezinha, pois não há o que fazer  a não ser dar analgésicos e esperar os dentes rasgarem a carne e eclodirem. Até lá é acordar quatro, cinco vezes por noite com ela chorando, pegá-la no colo para dar um mínimo de conforto e carinho e senti-la ranger os dentinhos enquanto a saliva escorre por nossas costas, a cabecinha apoiada em nosso ombro, sem forças. Uma dor indescritível.

Já maiorzinha, entrou na escola. Começou a fase de pegar todas as doenças dos amiguinhos. A febre parece que é dia sim, dia não. A tosse já dura dois meses sem parar. Hoje teve diarréia. Tem dias em que, de tanto mal-estar, chega em casa e só o que faz é sentar em meu colo, encostar a cabecinha no meu peito e ficar ali, parada, sem disposição para nada. E a dor? Nela e em mim, uma dor indescritível.

Esta semana ela chegou em casa com um hematoma roxo e dois cortes em uma das mãos. Coisa de criança: disputando um brinquedo na escola com uma coleguinha ganhou uma dentada daquelas aplicadas com fúria. Minha sensação enquanto ela me descrevia o ocorrido, com olhar triste, em seu tatibitate infantil –  e emitia um “ai” miado e choramigado após o outro – era uma pontada que ia fundo no meu peito. Após passar remédios e pomada no local, a abracei e disse-lhe que perdoasse a amiguinha, que a “Tita” não tinha feito por mal – enquanto eu mesmo queria mandar exilar nas profundezas do Camboja a doce e inocente “Tita”. Mas em tudo isso sentia, sem conseguir racionalizar ou controlar, a dor de minha filha: uma dor indescritível.

Esta semana reli nos quatro evangelhos o relato da paixão de Cristo. E lembrei-me de uma frase que meu próprio pai me disse inúmeras vezes ao longo da minha vida: “Você só vai me entender quando for pai”, ele dizia. E estava certo. Pois quando não se é pai, ler que Deus deu voluntariamente o próprio Filho para ser moído pelos pecados de outros parece bastante razoável. Afinal, é um se sacrificando por milhões, faz sentido. Bacana. Legal que ele fez isso por mim. Ufa, valeu a pena. Toca aqui, Deus, tou contigo e não abro. Mas quando você se torna pai e já viu a filha sofrer tanto, por menor que pareça a um adulto o sofrimento… o sentido de fazer um filho passar por tudo isso por sua própria vontade sai voando pela janela. Não, não faz sentido. Pois a dor é indescritível.

Eu jamais conseguiria pedir que minha filha passasse voluntariamente por tudo o que ela já passou, em termos de dor, em menos de dois anos de vida. Eu simplesmente não suportaria. E tem um detalhe: eu sou mau. Sou pecador, egoísta, maquiavélico e cheio de defeitos. Ainda assim consigo sentir toda essa agonia e empatia pelo sofrimento da carne da minha carne e do sangue do meu sangue. Imagino então Deus Pai, que é a essência puríssima da santidade, abnegado, bondoso e reto em tudo, puro e sem mácula… o que não sentiu diante do sofrimento de seu Filho – do Getsêmani ao momento em que entregou seu Espírito. Uma dor indescritível.

E, pondo a minha experiência pessoal com minha filha à luz da experiência do Pai Celestial com Seu Filho, confesso que finalmente consigo entender melhor o que a Cruz significou para Deus. E o que vejo nesse gesto do Abba é o amor maior do mundo.

Um amor… indescritível.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício
.

.